SlideShare uma empresa Scribd logo
O Iluminismo na Europa e em Portugal
O Iluminismo Movimento cultural e filosófico que se desenvolveu na Europa, no século XVIII (Século das Luzes), e que se caracterizou pela afirmação do valor da Razão e do conhecimento para atingir o progresso; pela crítica da ordem política, social e religiosa existente e pela defesa dos ideais de liberdade, igualdade, tolerância e justiça. Frontispício da Enciclopédia (1772)
A crítica da ordem estabelecida Os principais filósofos iluministas, como  Montesquieu, Rousseau, Voltaire, Diderot e D`Alembert , criticaram o absolutismo, a monarquia e a ordem social e religiosa existente e propuseram uma nova organização da sociedade e do poder político, assente nos ideais de liberdade, igualdade, tolerância e justiça:    Montesquieu (Charles, 1689-1755)    Rousseau (Jean-Jacques, 1712-1778)    Voltaire ( François-Marie Arouet, 1694-1778)
   Enciclopédia (dirigida por Diderot e D`Alembert, foi publicada entre 1751 e 1772, em 28 volumes, 11 dos quais com gravuras, com a colaboração de muitos sábios da época);    Jornais e outras publicações periódicas (Gazetas, Correios, Magazines e Mercúrios);    Academias;    Salões, cafés e clubes;    Maçonaria (sociedade secreta cujos membros, os maçons, se organizavam em pequenas células, as lojas maçónicas, e obedeciam a normas e rituais próprios). Principais meios de difusão do Iluminismo
No século XVIII, os princípios iluministas também chegaram a Portugal através dos  estrangeirados  que convenceram o Marquês de Pombal a iniciar uma série de reformas. Portugal e o movimento iluminista Luís António Verney (1713-1792).    Os estrangeirados :   Eram intelectuais portugueses que, tendo viajado, estudado e trabalhado no estrangeiro, trouxeram para Portugal as novas ideias iluministas. Exemplo: Luís António Verney (padre e professor), António Ribeiro Sanches (médico), Francisco Xavier de Oliveira (diplomata) e Avelar Brotero (botânico).
   A reforma pombalina do ensino: A partir de 1759, após a expulsão dos Jesuítas de Portugal, o Marquês de Pombal iniciou a  laicização  e a  reforma do ensino : Marquês de Pombal (1699-1782).    fundou as escolas menores (escolas régias de “ler, escrever e contar”);    criou escolas régias (base do ensino secundário) para o ensino das Humanidades;    fundou o Real Colégio dos Nobres;    fundou a Aula do Comércio (para burgueses);    encerrou a Universidade de Évora, dominada pelos Jesuítas;    reformou a Universidade de Coimbra, através da criação das faculdades de Matemática  e de Filosofia, do Jardim Botânico, do Gabinete de Física e do Museu de História Natural.
FIM Rui Manuel da Costa Neto
Existem, no Estado, três poderes: o poder legislativo, o poder executivo e o poder judicial (…). Quando na mesma pessoa ou no mesmo órgão político o poder legislativo está reunido ao poder executivo não há liberdade (…). Também não há liberdade se o poder judicial não estiver separado dos poderes legislativo e executivo. Montesquieu, O Espírito das Leis (1748).    Montesquieu defendia, a  separação de poderes  (teoria segundo a qual os poderes legislativo, executivo e judicial têm de ser exercidos por órgãos políticos diferentes e independentes). Tribunais Judicial Rei e Ministros Executivo Assembleia de deputados eleitos pelo povo Legislativo INSTITUIÇÕES PODERES Teoria da separação de poderes
No contrato social, a minoria deve submeter-se à vontade da maioria – é uma consequência do próprio contrato (...). É verdade que cada um, quando vota, exprime a sua própria vontade. Mas é do número total de votos que resultará a vontade geral. Se o resultado final não estiver de acordo com a minha vontade, isso significa apenas que a maioria está em desacordo comigo e que eu me devo submeter. Nem por isso deixarei de ser livre. Jean-Jacques Rousseau, O  Contrato  Social (1762). defendia a  soberania popular  (teoria segundo a qual o poder pertence ao povo que, através do voto, o delega nos seus representantes), o  voto universal  e a  igualdade de todos os homens perante a lei .    Rousseau
Possam todos os homens lembrar-se de que são irmãos, que devem ter terror à tirania exercida sobre os espíritos. (…) Se as guerras, são inevitáveis, não nos odiemos uns aos outros no seio da paz. Voltaire, Contrato sobre a Tolerância  (1763). defendia a  justiça social , a  tolerância  e a  liberdade  e criticava a política, a Igreja, a moral e os costumes da época.    Voltaire
Newton descobre a Teoria da gravitação universal dos corpos. Estudos de Harvey sobre a circulação do sangue.
Salão de Madame Geoffrin: recebia à segunda-feira os artistas e à quinta-feira os homens das letras. Montesquieu Madame Geoffrin D`Alembert Voltaire Rousseau
Reunião da Maçonaria – cerimónia de iniciação de um maçon.
Termómetro de Galileu (1592). Microscópio de Hooke (1665). Luneta astronómica de Galileu (1608). Barómetro de Torricelli (1644). Calculadora mecânica de Pascal (1623). Relógio de pêndulo de Huygens (1654).
Telescópio reflector de Newton (1668). Passarola voadora do Padre Bartolomeu de Gusmão (1709). Spinning-Jenny (máquina de fiar) de Hargreaves (1768). Máquina a vapor de James Watt (1769).
Endeavour - veleiro de James Cook na sua 1ª viagem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
Susana Simões
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
Vítor Santos
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx
Vítor Santos
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
Marcelo Avila
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europalumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
HCA_10I
 

Mais procurados (20)

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europalumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
 

Destaque

O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
Dênis Ribas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Professor Marcelo
 
O iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedadeO iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedade
Fernanda Carvalho
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
Leonardo Caputo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Isabel Aguiar
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Rui Neto
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Rui Neto
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
Rui Neto
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
Rui Nobre
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
JPedroSR
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rui Neto
 
Reformas Pombalinas
Reformas PombalinasReformas Pombalinas
Reformas Pombalinas
crie_historia8
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
Rui Neto
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Nelson Faustino
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xvii
Alan
 
A revolução científica
A revolução científicaA revolução científica
A revolução científica
Luis De Sousa Rodrigues
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
Hist8
 

Destaque (20)

O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedadeO iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedade
 
Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Reformas Pombalinas
Reformas PombalinasReformas Pombalinas
Reformas Pombalinas
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xvii
 
A revolução científica
A revolução científicaA revolução científica
A revolução científica
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
 

Semelhante a O Iluminismo

O iluminismo-1220661618232127-9
O iluminismo-1220661618232127-9O iluminismo-1220661618232127-9
O iluminismo-1220661618232127-9
maria filomena Martins
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Susana Simões
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 
Slide iluminismo
Slide iluminismoSlide iluminismo
Slide iluminismo
Isabel Aguiar
 
2 iluminismo
2 iluminismo2 iluminismo
2 iluminismo
Lucas Cechinel
 
33 - O iluminismo
33  - O iluminismo33  - O iluminismo
33 - O iluminismo
Carla Freitas
 
Resumo iluminismo
Resumo iluminismoResumo iluminismo
Resumo iluminismo
barbara martins
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Alexandroca Simões
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Maria Gomes
 
O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
Capitulo 10
Capitulo 10Capitulo 10
Capitulo 10
Lídia Barreto
 
iluminismo
 iluminismo iluminismo
iluminismo
Suelen Andreatti
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
stelawstel
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
vitormbsantos
 
Webquest nicoletto 22 mp
Webquest nicoletto 22 mpWebquest nicoletto 22 mp
Webquest nicoletto 22 mp
alemisturini
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Edenilson Morais
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
eduardodemiranda
 
Iluminismo e revoluções inglesas
Iluminismo e revoluções inglesasIluminismo e revoluções inglesas
Iluminismo e revoluções inglesas
Ócio do Ofício
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Valeria Kosicki
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Carla Teixeira
 

Semelhante a O Iluminismo (20)

O iluminismo-1220661618232127-9
O iluminismo-1220661618232127-9O iluminismo-1220661618232127-9
O iluminismo-1220661618232127-9
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Slide iluminismo
Slide iluminismoSlide iluminismo
Slide iluminismo
 
2 iluminismo
2 iluminismo2 iluminismo
2 iluminismo
 
33 - O iluminismo
33  - O iluminismo33  - O iluminismo
33 - O iluminismo
 
Resumo iluminismo
Resumo iluminismoResumo iluminismo
Resumo iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
O iiLUMINISMO
 
Capitulo 10
Capitulo 10Capitulo 10
Capitulo 10
 
iluminismo
 iluminismo iluminismo
iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
Webquest nicoletto 22 mp
Webquest nicoletto 22 mpWebquest nicoletto 22 mp
Webquest nicoletto 22 mp
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
 
Iluminismo e revoluções inglesas
Iluminismo e revoluções inglesasIluminismo e revoluções inglesas
Iluminismo e revoluções inglesas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 

O Iluminismo

  • 1. O Iluminismo na Europa e em Portugal
  • 2. O Iluminismo Movimento cultural e filosófico que se desenvolveu na Europa, no século XVIII (Século das Luzes), e que se caracterizou pela afirmação do valor da Razão e do conhecimento para atingir o progresso; pela crítica da ordem política, social e religiosa existente e pela defesa dos ideais de liberdade, igualdade, tolerância e justiça. Frontispício da Enciclopédia (1772)
  • 3. A crítica da ordem estabelecida Os principais filósofos iluministas, como Montesquieu, Rousseau, Voltaire, Diderot e D`Alembert , criticaram o absolutismo, a monarquia e a ordem social e religiosa existente e propuseram uma nova organização da sociedade e do poder político, assente nos ideais de liberdade, igualdade, tolerância e justiça:  Montesquieu (Charles, 1689-1755)  Rousseau (Jean-Jacques, 1712-1778)  Voltaire ( François-Marie Arouet, 1694-1778)
  • 4. Enciclopédia (dirigida por Diderot e D`Alembert, foi publicada entre 1751 e 1772, em 28 volumes, 11 dos quais com gravuras, com a colaboração de muitos sábios da época);  Jornais e outras publicações periódicas (Gazetas, Correios, Magazines e Mercúrios);  Academias;  Salões, cafés e clubes;  Maçonaria (sociedade secreta cujos membros, os maçons, se organizavam em pequenas células, as lojas maçónicas, e obedeciam a normas e rituais próprios). Principais meios de difusão do Iluminismo
  • 5. No século XVIII, os princípios iluministas também chegaram a Portugal através dos estrangeirados que convenceram o Marquês de Pombal a iniciar uma série de reformas. Portugal e o movimento iluminista Luís António Verney (1713-1792).  Os estrangeirados : Eram intelectuais portugueses que, tendo viajado, estudado e trabalhado no estrangeiro, trouxeram para Portugal as novas ideias iluministas. Exemplo: Luís António Verney (padre e professor), António Ribeiro Sanches (médico), Francisco Xavier de Oliveira (diplomata) e Avelar Brotero (botânico).
  • 6. A reforma pombalina do ensino: A partir de 1759, após a expulsão dos Jesuítas de Portugal, o Marquês de Pombal iniciou a laicização e a reforma do ensino : Marquês de Pombal (1699-1782).  fundou as escolas menores (escolas régias de “ler, escrever e contar”);  criou escolas régias (base do ensino secundário) para o ensino das Humanidades;  fundou o Real Colégio dos Nobres;  fundou a Aula do Comércio (para burgueses);  encerrou a Universidade de Évora, dominada pelos Jesuítas;  reformou a Universidade de Coimbra, através da criação das faculdades de Matemática e de Filosofia, do Jardim Botânico, do Gabinete de Física e do Museu de História Natural.
  • 7. FIM Rui Manuel da Costa Neto
  • 8. Existem, no Estado, três poderes: o poder legislativo, o poder executivo e o poder judicial (…). Quando na mesma pessoa ou no mesmo órgão político o poder legislativo está reunido ao poder executivo não há liberdade (…). Também não há liberdade se o poder judicial não estiver separado dos poderes legislativo e executivo. Montesquieu, O Espírito das Leis (1748).  Montesquieu defendia, a separação de poderes (teoria segundo a qual os poderes legislativo, executivo e judicial têm de ser exercidos por órgãos políticos diferentes e independentes). Tribunais Judicial Rei e Ministros Executivo Assembleia de deputados eleitos pelo povo Legislativo INSTITUIÇÕES PODERES Teoria da separação de poderes
  • 9. No contrato social, a minoria deve submeter-se à vontade da maioria – é uma consequência do próprio contrato (...). É verdade que cada um, quando vota, exprime a sua própria vontade. Mas é do número total de votos que resultará a vontade geral. Se o resultado final não estiver de acordo com a minha vontade, isso significa apenas que a maioria está em desacordo comigo e que eu me devo submeter. Nem por isso deixarei de ser livre. Jean-Jacques Rousseau, O Contrato Social (1762). defendia a soberania popular (teoria segundo a qual o poder pertence ao povo que, através do voto, o delega nos seus representantes), o voto universal e a igualdade de todos os homens perante a lei .  Rousseau
  • 10. Possam todos os homens lembrar-se de que são irmãos, que devem ter terror à tirania exercida sobre os espíritos. (…) Se as guerras, são inevitáveis, não nos odiemos uns aos outros no seio da paz. Voltaire, Contrato sobre a Tolerância (1763). defendia a justiça social , a tolerância e a liberdade e criticava a política, a Igreja, a moral e os costumes da época.  Voltaire
  • 11. Newton descobre a Teoria da gravitação universal dos corpos. Estudos de Harvey sobre a circulação do sangue.
  • 12. Salão de Madame Geoffrin: recebia à segunda-feira os artistas e à quinta-feira os homens das letras. Montesquieu Madame Geoffrin D`Alembert Voltaire Rousseau
  • 13. Reunião da Maçonaria – cerimónia de iniciação de um maçon.
  • 14. Termómetro de Galileu (1592). Microscópio de Hooke (1665). Luneta astronómica de Galileu (1608). Barómetro de Torricelli (1644). Calculadora mecânica de Pascal (1623). Relógio de pêndulo de Huygens (1654).
  • 15. Telescópio reflector de Newton (1668). Passarola voadora do Padre Bartolomeu de Gusmão (1709). Spinning-Jenny (máquina de fiar) de Hargreaves (1768). Máquina a vapor de James Watt (1769).
  • 16. Endeavour - veleiro de James Cook na sua 1ª viagem.