SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
- 1 -
A Revolução cientifica e o conhecimento do
Homem e da Natureza
Historia A
- 2 -
Índice
Introdução………………………………………………………………………………..3
A revolução cientifica……………………………………………………………………4
Os segredos do Universo……………………………………………………...…………5
Conhecimento do Homem…………………………………………………………..…6/7
Meios de Difusão……………………………………………………………………..….8
Conclusão…………………………………………………………………………….….9
- 3 -
Introdução
Nos seculos XVII e XVIII verificou-se uma revolução a nível cientifico, na
Europa, sobretudo nos domínios da Matemática, da Astronomia, da Física, da Química
e da Medicina, que se pode falar de uma verdadeira Revolução Científica. Na origem
desta revolução encontra-se o chamado Método Experimental ou Científico que se
baseia na observação; no levantamento de um problema; na formulação de uma
hipótese; na experimentação; na conclusão e generalização (leis gerais). A luneta foi
uma das invenções de Galileu. Algo que anteriormente não acontecia, visto que tudo o
que acontecia na vida quotidiana estava relacionado com deus, acreditavam em tudo
sem teres provas palpáveis e sem certeza do que estavam a dizer.
Figura1
- 4 -
A revolução científica
Na revolução científica temos o gosto pela observação direta dos fenómenos
que se tornou sistemático devido às observações iniciadas no renascimento. Os mais
antigos tinham três ideias fundamentais, elas são a observação direta que conduz o
conhecimento através da Natureza, o aumento do conhecimento constante e a
contribuição do conhecimento científico para melhorar a Humanidade.
O Galileu, Kepler, Newton, Boyle e Harvey
contribuíram para a “revolução científica” que ajudou na
transformação de ideias sobre a Natureza e o Homem.
Eles criaram regras que deviam guiar o pensamento e a
investigação científica, visto que descobriram vários erros
ligados à ciência. O Filosofo Francis Bacon (Figura2)
publicou uma obra chamada Novum Organon onde falava
do método experimental.
As fases do método experimental são a
observação dos factos precisos, a formulação de hipóteses
explicativas, a provocação da repetição dos factos através
da experiencia e a determinação da lei.
Os escritos do francês René Descartes (Figura3), um
matemático e físico, ajudaram a conceber uma forma
estruturada de pensar e de aplicar o raciocínio em geral e
não só as ciências. Estes escritos ajudaram na publicação do
Discurso do método, considerando uma das pedras basilares
do pensamento racionalista. A matemática passou a ser
usada como uma linguagem de expressão das leis e dos
fenómenos quantificáveis que ajudaram a dar sentido as
“ciências exatas” e devido a isso progrediu imenso.
Os segredos do Universo
Figura2
Figura3
- 5 -
Galileu Galilei (Figura4) foi um dos protagonistas da
revolução do conhecimento da astronomia. Em 1609 através da
luneta, conseguiu observar o céu durante vários meses, devido a
isso ele concordou com Nicolau Copérnico que defendia a
doutrina heliocêntrica.
Nicolau e Galileu demostraram que a doutrina oficial que
apresentava a terra imóvel no centro do universo não seria assim,
mas que o sol e outros planetas se moviam à volta da terra.
Em 1633 Galileu publicou o Diálogo sobre os dois
principais sistemas do mundo de Ptolomeu e de Copérnico.
Como desobedeceu as regras religiosas ele foi acusado de defender doutrinas contrárias
às sagradas e divinas escrituras e chegou a ser julgado, só se livrou da morte através da
abjuração.
Mais tarde Johannes Kepler (Figura5) provou que os
planetas se moviam numa orbita elíptica sendo possível calcular
a sua velocidade e as suas posições. Isaac Newton formulou que
o universo infinito tinha a lei da gravitação universal.
A Luneta (Figura6) servia olhar à distância neste caso
para olhar para o espaço ou seja o universo, a doutrina
heliocêntrica servia para provar que o Sol estava no centro do
universo (Figura7).
Figura4
Figura5
Figura6 Figura7
- 6 -
O conhecimento do homem
No conhecimento do homem existiram duas figuras muito importantes para o
avanço da medicina: André Versálio e William Harvey.
André Versálio (Figura8) foi o fundador da
anatomia moderna, nesta época, havia muita dificuldade no
estudo da anatomia e da fisiologia humana devido a
interferências e proibições de ordem moral e religiosa ou seja
a Inquisição. A sua obra mais significativa foi publicada em
1543 onde descreve os sistemas muscular e ósseo e contesta
os ensinamentos dos médicos antigos.
William Harvey (Figura9) fez descobertas sobre a
circulação sanguínea. Ele concluiu que o coração e as suas
contracções são a origem de uma corrente e sangue que flui
pelo corpo num circuito contínuo, regressando sempre ao
ponto de partida. Esta descoberta foi considerada a mais
importante da história da fisiologia e fortemente contestada
pelos seguidores de Galeno, que acreditavam que o sangue
era absorvido pelos tecidos e vísceras. Devido a essa
descoberta o corpo humano passou a ser visto como uma
“máquina” onde todas as “peças” contribuíram para o bom
funcionamento do corpo.
Figura8
Figura9
- 7 -
Relativamente às ciências humanas, vários filósofos se destacaram. Vamos
apenas referir três grandes figuras incontornáveis da história: Auguste Comte, Herbert
Spencer e Karl Marx.
Auguste Comte
A sua sociedade estava em ebulição depois da revolução
então este filósofo tentava resolver os problemas da sociedade da
sua época. Conseguiu modificar a forma de pensar dos homens
por meio das ciências, criando a teoria do Positivismo. Esta
teoria funcionava como modelo explicativo único para a
compreensão dos fenómenos tanto como sociais (Figura10).
Herbert Spencer
Este humanista instituiu uma teoria na sociologia
conhecida como funcionalismo.
Essa teoria expressa a ideia de que tudo o que existe em
uma sociedade contribui para o seu funcionamento equilibrado;
de que tudo o que nela existe tem um sentido, um significado
(Figura11).
Karl Marx
Este humanista baseava-se muito no materialismo. A
teoria dele defendia que o valor era a expressão da quantidade
de trabalho social que se utilizava na produção da mercadoria
(Figura12).
Figura10
Figura11
Figura12
- 8 -
Meios de difusão
Os conhecimentos difundiram-se através de:
 Academias (associações onde os cientistas trocavam entre si os resultados das
suas experiências e pesquisas; foram importantes para divulgar os novos
conhecimentos científicos que iam surgindo)
exemplos: Academia Real das Ciências de Paris, Real Academia de
Londres e Academia Real das Ciências de Lisboa
 Salões e cafés (Figura13);
 Bibliotecas;
 Jornais (Figura14).
Figura13
Figura14
- 9 -
Conclusão
Com este trabalho aprendemos que através da revolução científica que houve
grandes homens (cientistas) que ajudaram na evolução da vida humana. Francis Bacon
deu origem ao método experimental, através dos conhecimentos de René Descartes se
pode escrever o Discurso do método.
Nos segredos do Universo conseguimos descobrir o que realmente fazia a terra
mover-se através de Newton e terminar com algumas teorias, tais como a terra era o
centro do universo como provou o Galileu.
No conhecimento do homem pudemos apurar que André Versalio estudou a
anatomia do corpo humano e através de William Harvey descobriu como funciona a
corrente sanguínea.
Relativamente às ciências exatas temos Auguste Comte um filosofo que mudou
a forma de pensar da sociedade, Hebert Spencer criou a teoria do funcionalismo que tem
como função provar que tudo na sociedade tem um sentido e Karl Marx defendia que
quanto mais quantidade de trabalho social houvesse maior iria ser a produção.
E por fim, todas estas inovações difundiram-se através das academias, dos
salões, das bibliotecas e dos jornais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
ricardup
 
A civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºanoA civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºano
RaQuel Oliveira
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Progresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xixProgresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xix
Tina Lima
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 

Mais procurados (20)

11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
A civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºanoA civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºano
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
 
Progresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xixProgresso ciêntifico no séc. xix
Progresso ciêntifico no séc. xix
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 

Semelhante a A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza

Construção da modernidade europeia
Construção da modernidade europeiaConstrução da modernidade europeia
Construção da modernidade europeia
Inês Miranda
 
Filosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestreFilosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestre
alemisturini
 
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
mmarijose
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
Tiago Simoes
 
Pode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistasPode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistas
lucasuperior
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
Joao Lapa
 

Semelhante a A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza (20)

A construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaA construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeia
 
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptxÉtica, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
 
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E XviiDinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
 
Construção da modernidade europeia
Construção da modernidade europeiaConstrução da modernidade europeia
Construção da modernidade europeia
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
História da ciência
História da ciênciaHistória da ciência
História da ciência
 
Filosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestreFilosofia sociologia 3 trimestre
Filosofia sociologia 3 trimestre
 
Renascimento cientifico 723.pptx
Renascimento cientifico 723.pptxRenascimento cientifico 723.pptx
Renascimento cientifico 723.pptx
 
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
 
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica4   as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
4 as revoluções da modernidade - agrícola, religiosa e científica
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
 
Pode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistasPode se confiar-nos_cientistas
Pode se confiar-nos_cientistas
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
 
Ponto 4. A construção da modernidade europeia
Ponto 4. A construção da modernidade europeiaPonto 4. A construção da modernidade europeia
Ponto 4. A construção da modernidade europeia
 
Racionalismo erick 25 tp
Racionalismo erick 25 tpRacionalismo erick 25 tp
Racionalismo erick 25 tp
 
Principais descobertas científicas do período do renascimento e do moderno
Principais descobertas científicas do período do renascimento e do modernoPrincipais descobertas científicas do período do renascimento e do moderno
Principais descobertas científicas do período do renascimento e do moderno
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
 
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
 

Mais de nanasimao

Mais de nanasimao (20)

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 

A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza

  • 1. - 1 - A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza Historia A
  • 2. - 2 - Índice Introdução………………………………………………………………………………..3 A revolução cientifica……………………………………………………………………4 Os segredos do Universo……………………………………………………...…………5 Conhecimento do Homem…………………………………………………………..…6/7 Meios de Difusão……………………………………………………………………..….8 Conclusão…………………………………………………………………………….….9
  • 3. - 3 - Introdução Nos seculos XVII e XVIII verificou-se uma revolução a nível cientifico, na Europa, sobretudo nos domínios da Matemática, da Astronomia, da Física, da Química e da Medicina, que se pode falar de uma verdadeira Revolução Científica. Na origem desta revolução encontra-se o chamado Método Experimental ou Científico que se baseia na observação; no levantamento de um problema; na formulação de uma hipótese; na experimentação; na conclusão e generalização (leis gerais). A luneta foi uma das invenções de Galileu. Algo que anteriormente não acontecia, visto que tudo o que acontecia na vida quotidiana estava relacionado com deus, acreditavam em tudo sem teres provas palpáveis e sem certeza do que estavam a dizer. Figura1
  • 4. - 4 - A revolução científica Na revolução científica temos o gosto pela observação direta dos fenómenos que se tornou sistemático devido às observações iniciadas no renascimento. Os mais antigos tinham três ideias fundamentais, elas são a observação direta que conduz o conhecimento através da Natureza, o aumento do conhecimento constante e a contribuição do conhecimento científico para melhorar a Humanidade. O Galileu, Kepler, Newton, Boyle e Harvey contribuíram para a “revolução científica” que ajudou na transformação de ideias sobre a Natureza e o Homem. Eles criaram regras que deviam guiar o pensamento e a investigação científica, visto que descobriram vários erros ligados à ciência. O Filosofo Francis Bacon (Figura2) publicou uma obra chamada Novum Organon onde falava do método experimental. As fases do método experimental são a observação dos factos precisos, a formulação de hipóteses explicativas, a provocação da repetição dos factos através da experiencia e a determinação da lei. Os escritos do francês René Descartes (Figura3), um matemático e físico, ajudaram a conceber uma forma estruturada de pensar e de aplicar o raciocínio em geral e não só as ciências. Estes escritos ajudaram na publicação do Discurso do método, considerando uma das pedras basilares do pensamento racionalista. A matemática passou a ser usada como uma linguagem de expressão das leis e dos fenómenos quantificáveis que ajudaram a dar sentido as “ciências exatas” e devido a isso progrediu imenso. Os segredos do Universo Figura2 Figura3
  • 5. - 5 - Galileu Galilei (Figura4) foi um dos protagonistas da revolução do conhecimento da astronomia. Em 1609 através da luneta, conseguiu observar o céu durante vários meses, devido a isso ele concordou com Nicolau Copérnico que defendia a doutrina heliocêntrica. Nicolau e Galileu demostraram que a doutrina oficial que apresentava a terra imóvel no centro do universo não seria assim, mas que o sol e outros planetas se moviam à volta da terra. Em 1633 Galileu publicou o Diálogo sobre os dois principais sistemas do mundo de Ptolomeu e de Copérnico. Como desobedeceu as regras religiosas ele foi acusado de defender doutrinas contrárias às sagradas e divinas escrituras e chegou a ser julgado, só se livrou da morte através da abjuração. Mais tarde Johannes Kepler (Figura5) provou que os planetas se moviam numa orbita elíptica sendo possível calcular a sua velocidade e as suas posições. Isaac Newton formulou que o universo infinito tinha a lei da gravitação universal. A Luneta (Figura6) servia olhar à distância neste caso para olhar para o espaço ou seja o universo, a doutrina heliocêntrica servia para provar que o Sol estava no centro do universo (Figura7). Figura4 Figura5 Figura6 Figura7
  • 6. - 6 - O conhecimento do homem No conhecimento do homem existiram duas figuras muito importantes para o avanço da medicina: André Versálio e William Harvey. André Versálio (Figura8) foi o fundador da anatomia moderna, nesta época, havia muita dificuldade no estudo da anatomia e da fisiologia humana devido a interferências e proibições de ordem moral e religiosa ou seja a Inquisição. A sua obra mais significativa foi publicada em 1543 onde descreve os sistemas muscular e ósseo e contesta os ensinamentos dos médicos antigos. William Harvey (Figura9) fez descobertas sobre a circulação sanguínea. Ele concluiu que o coração e as suas contracções são a origem de uma corrente e sangue que flui pelo corpo num circuito contínuo, regressando sempre ao ponto de partida. Esta descoberta foi considerada a mais importante da história da fisiologia e fortemente contestada pelos seguidores de Galeno, que acreditavam que o sangue era absorvido pelos tecidos e vísceras. Devido a essa descoberta o corpo humano passou a ser visto como uma “máquina” onde todas as “peças” contribuíram para o bom funcionamento do corpo. Figura8 Figura9
  • 7. - 7 - Relativamente às ciências humanas, vários filósofos se destacaram. Vamos apenas referir três grandes figuras incontornáveis da história: Auguste Comte, Herbert Spencer e Karl Marx. Auguste Comte A sua sociedade estava em ebulição depois da revolução então este filósofo tentava resolver os problemas da sociedade da sua época. Conseguiu modificar a forma de pensar dos homens por meio das ciências, criando a teoria do Positivismo. Esta teoria funcionava como modelo explicativo único para a compreensão dos fenómenos tanto como sociais (Figura10). Herbert Spencer Este humanista instituiu uma teoria na sociologia conhecida como funcionalismo. Essa teoria expressa a ideia de que tudo o que existe em uma sociedade contribui para o seu funcionamento equilibrado; de que tudo o que nela existe tem um sentido, um significado (Figura11). Karl Marx Este humanista baseava-se muito no materialismo. A teoria dele defendia que o valor era a expressão da quantidade de trabalho social que se utilizava na produção da mercadoria (Figura12). Figura10 Figura11 Figura12
  • 8. - 8 - Meios de difusão Os conhecimentos difundiram-se através de:  Academias (associações onde os cientistas trocavam entre si os resultados das suas experiências e pesquisas; foram importantes para divulgar os novos conhecimentos científicos que iam surgindo) exemplos: Academia Real das Ciências de Paris, Real Academia de Londres e Academia Real das Ciências de Lisboa  Salões e cafés (Figura13);  Bibliotecas;  Jornais (Figura14). Figura13 Figura14
  • 9. - 9 - Conclusão Com este trabalho aprendemos que através da revolução científica que houve grandes homens (cientistas) que ajudaram na evolução da vida humana. Francis Bacon deu origem ao método experimental, através dos conhecimentos de René Descartes se pode escrever o Discurso do método. Nos segredos do Universo conseguimos descobrir o que realmente fazia a terra mover-se através de Newton e terminar com algumas teorias, tais como a terra era o centro do universo como provou o Galileu. No conhecimento do homem pudemos apurar que André Versalio estudou a anatomia do corpo humano e através de William Harvey descobriu como funciona a corrente sanguínea. Relativamente às ciências exatas temos Auguste Comte um filosofo que mudou a forma de pensar da sociedade, Hebert Spencer criou a teoria do funcionalismo que tem como função provar que tudo na sociedade tem um sentido e Karl Marx defendia que quanto mais quantidade de trabalho social houvesse maior iria ser a produção. E por fim, todas estas inovações difundiram-se através das academias, dos salões, das bibliotecas e dos jornais.