SlideShare uma empresa Scribd logo
História A - Módulo 5
O Liberalismo – ideologia e revolução, modelos e
práticas nos séculos XVIII e XIX
Unidade 2
A Revolução Francesa, paradigma das revoluções
liberais burguesas - RESUMO
1
http://divulgacaohistoria.com/
Módulo 5, História A 2
Os privilegiados, nobreza e clero, representavam menos
de 3% da população;
Défice das finanças do Estado
Recusa de Luís XVI em fazer reformas
Descontentamento do Terceiro Estado
Convocação dos Estados Gerais
1. A França nas vésperas da Revolução Francesa
Módulo 5, História A 3
Causas estruturais:
Deficit crónico da balança comercial agravado com a
ajuda francesa à guerra da Independência dos EUA;
A monarquia absoluta bloqueava qualquer tentativa de
reforma política, social e económica;
Sociedade de ordens e descontentamento generalizado
do povo e da burguesia;
1. A França nas vésperas da Revolução Francesa
Módulo 5, História A 4
Causas conjunturais:
Maus anos agrícolas nos anos anteriores a 1789
provocando a fome e a miséria generalizada;
Recusa da nobreza em pagar impostos;
Luís XVI convoca os Estados Gerais para reunir em maio
de 1789.
1. A França nas vésperas da Revolução Francesa
Módulo 5, História A 5
2. A monarquia constitucional (1789-1792)
5 de maio de 1789 iniciam-se os Estados Gerais em
Versalhes;
17 de junho os deputados do Terceiro Estado proclamam-
se como Assembleia Nacional (parlamento)
20 de junho passam a designar-se como Assembleia
Nacional Constituinte – são os representantes da Nação, é
o fim da monarquia absoluta
Módulo 5, História A 6
14 de julho de 1789 o povo de Paris ataca e toma a prisão
da Bastilha;
Na província surgem movimentos semelhantes – O
Grande Medo;
Assembleia Nacional decreta o fim dos privilégios feudais
(corveia, dízima, etc.) e da compra dos cargos públicos;
2. A monarquia constitucional (1789-1792)
Módulo 5, História A 7
2. A monarquia constitucional (1789-1792)
Formalmente o Antigo Regime estava destruído;
Surgia uma sociedade baseada na igualdade de todos
perante a lei;
Aprovam a Declaração dos Direitos do Homem e do
Cidadão (26 de agosto de 1789);
8
2. A monarquia constitucional (1789-1792)
Constituição de 1791:
Separação dos poderes do Estado;
A soberania reside na Nação;
Igualdade perante a lei;
No entanto criam os cidadão ativos e os cidadãos
passivos, distinção baseada na fortuna pessoal;
Instituído o voto censitário;
Módulo 5, História A 9
2. A monarquia constitucional (1789-1792)
Rei tentou fugir de França;
França invadida por vários países europeus que
pretendiam terminar a Revolução Francesa e restaurar o
absolutismo;
julho de 1972, a Assembleia Nacional decreta a Pátria
em perigo e suspendeu o rei
setembro de 1972, primeira vitória dos exércitos
franceses;
Módulo 5, História A 10
3. Convenção (1792-1795)
22 de setembro de 1792, proclamada a República;
A Assembleia Nacional passa a denominar-se Convenção;
Nesta Assembleia nasceram os conceitos de esquerda,
direita e centro;
A maior parte dos deputados tinham ligações ao clube
dos Jacobinos;
Módulo 5, História A 11
Os Girondinos, mais moderados, defensores da
propriedade e liberdade de comércio (direita);
Os Montanheses, mais radicais, adeptos de uma
repartição mais justa da propriedade, e da violência, se
necessária, para defender os interesses do povo
(esquerda);
No centro ficavam o Plaine (Planície), também
conhecidos por Marais (Pântano), os deputados que
pretendiam a conciliação de todos os republicanos
(centro);
3. Convenção (1792-1795)
Módulo 5, História A 12
3. Convenção (1792-1795)
13
Os Montanheses defendem a condenação à morte do rei,
pois consideravam-no um traidor, distinguiram-se os
deputados Robespierre, Danton e Marat;
Os Girondinos defendiam uma condenação mais leve, com
uma pena de prisão ou o exílio;
No final 387 deputados pronunciaram-se a favor da
condenação à morte e 334 votaram contra;
No dia 21 de janeiro de 1793, Luís XVI, foi executado;
3. Convenção (1792-1795)
Módulo 5, História A 14
A partir de agosto de 1972, o povo miúdo (sans-culottes),
que tinham sido transformados em cidadãos passivos pela
Constituição de 1791, começou a desempenhar um papel
ativo na Revolução;
Lançamento de uma campanha de descristianização;
Instituição do Terror;
3. Convenção (1792-1795)
Módulo 5, História A 15
3. Convenção (1792-1795)
A Convenção publicou leis progressistas e democráticas,
mas foi um governo ditatorial e profundamente
repressivo,
27 de julho de 1974, Robespierre é preso e condenado à
morte;
É o fim da Convenção;
Módulo 5, História A 16
4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804)
Aprovação de uma nova constituição, a Constituição do
Ano III;
A França é governada por um Diretório (5 diretores);
9 de novembro de 1799, Napoleão Bonaparte toma o
poder;
Módulo 5, História A 17
4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804)
Aprovada a Constituição do Ano VIII;
O poder é entregue a 3 cônsules;
Napoleão Bonaparte é nomeado o Primeiro Cônsul;
Módulo 5, História A 18
4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804)
Na Constituição do Ano X (1802), Napoleão Bonaparte é
nomeado cônsul vitalício;
18 de maio de 1804 é proclamado imperador.
Módulo 5, História A 19
4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804)
Leis aprovadas pelo Consulado:
Criação dos liceus;
Reconhecimento da religião católica, assinatura da
Concordata com o Vaticano;
Criação do Código Civil e do Banco de França;
Módulo 5, História A 20
Esquema in “Preparação para o
Exame Nacional, História A 11, Porto
Editora
Módulo 5, História A 21
Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte
bibliografia:
FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da
História 11, Areal Editores, 2014
COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo
da História 11, Porto Editora, 2011
SANCHES, Mário, História A, Edições ASA, 2006
ROSAS, Maria Antónia Monterroso, Entre Tempos, Porto Editora,
2022

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
Vítor Santos
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
cattonia
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
MACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisMACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionais
Joana Pinto
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
Susana Simões
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
Carla Teixeira
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
Mercantilismo francês
Mercantilismo francêsMercantilismo francês
Mercantilismo francês
ana pinho
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
Carlos Vieira
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
RaQuel Oliveira
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
JoanaRitaSilva
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
MACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisMACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionais
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Mercantilismo francês
Mercantilismo francêsMercantilismo francês
Mercantilismo francês
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 

Semelhante a 5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf

8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Lutero Ramos
 
5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx
Vítor Santos
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
LianaSuzuki
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Leide Soares Matoso
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Leide Soares Matoso
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Leide Soares Matoso
 
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DRevolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Tâmara Almeida
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Isabella Silva
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
seixasmarianas
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
OAB (Brazilian Order of Advocates)
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptxRevolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
KarinedeParisGaspari
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
MarlenePrado7
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
mesmoeumesmo
 
A Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.pptA Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.ppt
ocg50
 
A Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.pptA Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.ppt
Carloseff
 
Revolução francesa alceu
Revolução francesa   alceuRevolução francesa   alceu
Revolução francesa alceu
Íris Ferreira
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
Julia Selistre
 
5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue
Vítor Santos
 

Semelhante a 5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf (20)

8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DRevolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptxRevolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
A Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.pptA Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.ppt
 
A Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.pptA Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.ppt
 
Revolução francesa alceu
Revolução francesa   alceuRevolução francesa   alceu
Revolução francesa alceu
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue5 02 a revolução francesa_blogue
5 02 a revolução francesa_blogue
 

Mais de Vítor Santos

5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf

  • 1. História A - Módulo 5 O Liberalismo – ideologia e revolução, modelos e práticas nos séculos XVIII e XIX Unidade 2 A Revolução Francesa, paradigma das revoluções liberais burguesas - RESUMO 1 http://divulgacaohistoria.com/
  • 2. Módulo 5, História A 2 Os privilegiados, nobreza e clero, representavam menos de 3% da população; Défice das finanças do Estado Recusa de Luís XVI em fazer reformas Descontentamento do Terceiro Estado Convocação dos Estados Gerais 1. A França nas vésperas da Revolução Francesa
  • 3. Módulo 5, História A 3 Causas estruturais: Deficit crónico da balança comercial agravado com a ajuda francesa à guerra da Independência dos EUA; A monarquia absoluta bloqueava qualquer tentativa de reforma política, social e económica; Sociedade de ordens e descontentamento generalizado do povo e da burguesia; 1. A França nas vésperas da Revolução Francesa
  • 4. Módulo 5, História A 4 Causas conjunturais: Maus anos agrícolas nos anos anteriores a 1789 provocando a fome e a miséria generalizada; Recusa da nobreza em pagar impostos; Luís XVI convoca os Estados Gerais para reunir em maio de 1789. 1. A França nas vésperas da Revolução Francesa
  • 5. Módulo 5, História A 5 2. A monarquia constitucional (1789-1792) 5 de maio de 1789 iniciam-se os Estados Gerais em Versalhes; 17 de junho os deputados do Terceiro Estado proclamam- se como Assembleia Nacional (parlamento) 20 de junho passam a designar-se como Assembleia Nacional Constituinte – são os representantes da Nação, é o fim da monarquia absoluta
  • 6. Módulo 5, História A 6 14 de julho de 1789 o povo de Paris ataca e toma a prisão da Bastilha; Na província surgem movimentos semelhantes – O Grande Medo; Assembleia Nacional decreta o fim dos privilégios feudais (corveia, dízima, etc.) e da compra dos cargos públicos; 2. A monarquia constitucional (1789-1792)
  • 7. Módulo 5, História A 7 2. A monarquia constitucional (1789-1792) Formalmente o Antigo Regime estava destruído; Surgia uma sociedade baseada na igualdade de todos perante a lei; Aprovam a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (26 de agosto de 1789);
  • 8. 8 2. A monarquia constitucional (1789-1792) Constituição de 1791: Separação dos poderes do Estado; A soberania reside na Nação; Igualdade perante a lei; No entanto criam os cidadão ativos e os cidadãos passivos, distinção baseada na fortuna pessoal; Instituído o voto censitário;
  • 9. Módulo 5, História A 9 2. A monarquia constitucional (1789-1792) Rei tentou fugir de França; França invadida por vários países europeus que pretendiam terminar a Revolução Francesa e restaurar o absolutismo; julho de 1972, a Assembleia Nacional decreta a Pátria em perigo e suspendeu o rei setembro de 1972, primeira vitória dos exércitos franceses;
  • 10. Módulo 5, História A 10 3. Convenção (1792-1795) 22 de setembro de 1792, proclamada a República; A Assembleia Nacional passa a denominar-se Convenção; Nesta Assembleia nasceram os conceitos de esquerda, direita e centro; A maior parte dos deputados tinham ligações ao clube dos Jacobinos;
  • 11. Módulo 5, História A 11 Os Girondinos, mais moderados, defensores da propriedade e liberdade de comércio (direita); Os Montanheses, mais radicais, adeptos de uma repartição mais justa da propriedade, e da violência, se necessária, para defender os interesses do povo (esquerda); No centro ficavam o Plaine (Planície), também conhecidos por Marais (Pântano), os deputados que pretendiam a conciliação de todos os republicanos (centro); 3. Convenção (1792-1795)
  • 12. Módulo 5, História A 12 3. Convenção (1792-1795)
  • 13. 13 Os Montanheses defendem a condenação à morte do rei, pois consideravam-no um traidor, distinguiram-se os deputados Robespierre, Danton e Marat; Os Girondinos defendiam uma condenação mais leve, com uma pena de prisão ou o exílio; No final 387 deputados pronunciaram-se a favor da condenação à morte e 334 votaram contra; No dia 21 de janeiro de 1793, Luís XVI, foi executado; 3. Convenção (1792-1795)
  • 14. Módulo 5, História A 14 A partir de agosto de 1972, o povo miúdo (sans-culottes), que tinham sido transformados em cidadãos passivos pela Constituição de 1791, começou a desempenhar um papel ativo na Revolução; Lançamento de uma campanha de descristianização; Instituição do Terror; 3. Convenção (1792-1795)
  • 15. Módulo 5, História A 15 3. Convenção (1792-1795) A Convenção publicou leis progressistas e democráticas, mas foi um governo ditatorial e profundamente repressivo, 27 de julho de 1974, Robespierre é preso e condenado à morte; É o fim da Convenção;
  • 16. Módulo 5, História A 16 4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804) Aprovação de uma nova constituição, a Constituição do Ano III; A França é governada por um Diretório (5 diretores); 9 de novembro de 1799, Napoleão Bonaparte toma o poder;
  • 17. Módulo 5, História A 17 4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804) Aprovada a Constituição do Ano VIII; O poder é entregue a 3 cônsules; Napoleão Bonaparte é nomeado o Primeiro Cônsul;
  • 18. Módulo 5, História A 18 4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804) Na Constituição do Ano X (1802), Napoleão Bonaparte é nomeado cônsul vitalício; 18 de maio de 1804 é proclamado imperador.
  • 19. Módulo 5, História A 19 4. Triunfo da revolução burguesa (1795-1804) Leis aprovadas pelo Consulado: Criação dos liceus; Reconhecimento da religião católica, assinatura da Concordata com o Vaticano; Criação do Código Civil e do Banco de França;
  • 20. Módulo 5, História A 20 Esquema in “Preparação para o Exame Nacional, História A 11, Porto Editora
  • 21. Módulo 5, História A 21 Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da História 11, Areal Editores, 2014 COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da História 11, Porto Editora, 2011 SANCHES, Mário, História A, Edições ASA, 2006 ROSAS, Maria Antónia Monterroso, Entre Tempos, Porto Editora, 2022