SlideShare uma empresa Scribd logo

Resumo de matéria de História 10º ano

J
jorgina8

A Grécia era composta por várias cidades-estado (pólis) independentes, cada uma com suas próprias leis e governo. Atenas estabeleceu a primeira democracia, onde todos os cidadãos (homens livres) podiam participar da assembleia e votar. No entanto, escravos, mulheres e estrangeiros não tinham direitos políticos.

1 de 35
Baixar para ler offline
Historia

Grécia

(página 14, 19, 24)

- Grécia fica na Europa, na Península Balcânica e havia Grécia Continental, Grécia
Insular e Grécia Asiática. Onde eles viviam, o solo era árido, era montanhoso, havia
poucos rios e o litoral era com bons portos naturais. O clima era quente e seco e era
mau para a agricultura e houve problemas porque tinham de cultivar alimentos
suficientes para a maioria da Pólis. O mar era muito importante para Atenas.
- Os gregos viviam em PÓLIS (cidade-estado, pequenas cidades dentro do país) com
uma cultura, história e línguas iguais. A comunicação entre as Pólis era difícil por causa
das montanhas.
Cada Pólis tinha as suas próprias leis, uma moeda própria, território (cidade + compras
envolventes), um governo, corpo civil (grupo de pessoas responsáveis pelo governo).

Organização Física da Pólis (página 27)
● Zona Rural
● Zona Urbana - Habitação
- Edifícios Públicos (a maioria eram da Ágora)

Acrópole – vida religiosa
Asty
Ágora – praça publica, centro de vida pública e económica

Cronologia
● Oligarquia – governo de poucos, ou seja eram poucos os que governavam.
● Tirania – uma pessoa governa, e utiliza a força/exército.
● Democracia – Clistenes – “Pai” desta democracia.
1º Modelo de democracia ateniense
No Mundo Fragmentado dos gregos é a cultura que assegura a Unidade:
- A mesma língua
- Os mesmos deuses
- Os mesmos santuários
- A mesma forma de vida

Helenos
(pan helenismo)

Democracia

Desafogo Económico

Atenas – centro cultural
Filosofia, teatro
Artistas

Grandiosos Espectáculos

Democracia: O povo governa
O povo elege quem governa
Democracia Representativa – Através do voto, o povo elege quem governa.
Democracia Directa – Todos os cidadãos tinha acento na assembleia (Éclesia) e todos
tinham igualdade no direito à palavra e à sua opinião. Não havia representante. Esta
era a democracia de Atenas.

Limites da democracia ateniense:
- Escravatura
- Discriminação das mulheres
- Conceitos de cidadão

Corpo Cívico Actual – qualquer pessoa que possa votar – cidadão
Grécia Clássica
Cidadão – homem com mais de 20 anos, filhos de pai e mãe ateniense, com serviço
militar cumprido. Apenas os cidadãos podem pertencer ao corpo cívico. Eram os
únicos com direitos políticos. A mãe do cidadão é a família e o pai era cidadão.
Todos os cidadãos podem votar, podem dizer o que pensam acerca dos assuntos, têm
todos acento na assembleia (Eclésia) = Democracia Directa
Famílias dos cidadãos – eram familiares que não eram cidadão ou não eram
atenienses. Não tinham directos políticos. As mulheres eram mães, cuidavam dos
filhos e tomavam conta da casa.

Metecos: estrangeiros que residiam em Atenas, para ser meteco bastava não tinham o
pai ou a mãe ou os dois atenienses, vinham doutra cidade, mesmo se fosse a cidade ao
lado, era grandes negociadores, dedicavam às actividades (ex: trabalhavam em terras,
comércio, etc), eram responsável pela riqueza do país porque tinham de pagar
impostos.
Escravo – “objecto”, pertencia a alguém e tinha de fazer o que o dono dizia. Serviam
para trabalhar, eram obrigados a ir à guerra. (página 38 – definição de escravo e o
gráfico)
Escravo pedagogo – acompanhava o futuro cidadão à escola
Mulher Legitima – mulher casada com um cidadão.
Apeniques – local onde reuniam (ao ar livre, anfiteatro ou numa montanha).

(Página 31 Doc. 9)
A partir de Péricles o grau de riqueza não fazia diferença, antes disso era ao contrário.
Péricles introduziu a ideia de pagar a todos os cidadãos para participarem na
assembleia, achava que todos os cidadãos tinham de ter igualdade, até aos ricos
pagava para não haver limitações que impossibilitassem a ida dos cidadãos à
assembleia, o que antes de Péricles acontecia devido ao dinheiro.
Fundamentos da democracia ateniense (Péricles):
- ISONOMIA (igualdade dos cidadãos perante a lei)
- ISOCRACIA (igualdade dos cidadãos no acesso a cargos políticos)
- ISEGORIA (igualdade dos cidadãos no uso da palavra, eram todos ouvidos da mesma
forma – retórica e oratória)

Mecanismos de garantia de funcionamento de sistema:
- OSTRACISMOS
- GRAPHÈ PARANOMON
- PRESTAÇÃO DE CONTAS

Estrategos – governar a cidade – é por eleição porque as pessoas têm de ter certas
características adequados. Tinham de seres grandes líderes.
Bulé – tratar das leis, faz leis mais específicos – poder legislativo
Os buleutas iam para as pritanias para 36 dias.
Pritonias – tratavam diariamente das leis.

Gineceu – sala destinada a mulheres e filhos.
Eclésia – estavam lá os cidadãos
- tinha o poder de votar as leis
- tinha o poder de fazer as leis – poder legislativo
Oratória – arte de bem falar.
Escolas Rectórias – preparavam os futuros cidadãos a arte de bem falar, de
argumentar.
Helieu – julgavam muitos crimes.
A religião era sempre a explicação para os acontecimentos do dia-a-dia explica-se
através dos deuses.
As pessoas dos arcontes quando eram mais velhos iam para o areópago – porque
tinham mais experiência – tratavam de crimes.
Nos julgamentos o acusador e o juiz tinham o mesmo tempo – que era medido pelo
relógio de água. (página 34)

Perigos: Protecção da Democracia (página 36 e 37)
Ostracismo – todos os anos, reunidos na Ágora, os membros da Eclésia escreviam
numa placa o nome de um cidadão que estava a ser perturbador do bom
funcionamento da democracia. Caso se reunissem 6000 votos, esse cidadão era
ostracizado, ou seja posto de parte e tinha que sair da cidade-estado durante 10 anos.
Isto aconteceu porque podia ser um grande perigo para a democracia a tomada de um
poder apenas por um homem (que se estava a achar demasiado importante).

Veto – contra

Demagogia – fazer uma proposta que embora idealmente seja correcta mas que não
tem aplicação prática. A pessoa que faz demagogia mente e não faz o que diz.

Escultura Grega:
- Não eram muito realistas na escultura.
- Matematizaram a arquitectura, era tudo equilibrado, cada coisa tinha uma
determinada medida, só assim é que era beleza.
- Os gregos davam mais importância aos edifícios públicos do que a sua própria casa.
- Cada escultura tinha uma mensagem – a acção (a fazer qualquer coisa).
- A maioria dos edifícios eram feitos de Calcário (principal) e Mármore.
- Os gregos, ao construírem um edifício não utilizam arcos, não conseguiram fazer
edifícios tão altos como os romanos, porque usavam rectas.

- Edifícios dos gregos eram feitos com isto.
- Não tinham só uma ordem tinham 3 – JÓNICA, DÓRICA e CURINTIA (não é muito
utilizado)
- Os edifícios e as estatuas eram pintados para ter um ar mais humano.
(página 55, 56 e 57(explicar))
Jónica – associada ao feminino
Dórica – associada ao masculino
Templo: casa do deus
- O Friso parece que tem linha direitas mas na verdade são um pouco curvada.
- Frontão tinha escultura também mas agora estão num museu.
- Duas pessoas queriam ser protectores da cidade:
- Atena ofereceu paz e uma oliveira.
- o outro ofereceu uma fonte com água
- Haviam 2 tipos de escultura:
- Vulvo Redondo
- Relevo
- A maioria das pinturas e as esculturas perderam-se.
- Faziam pinturas nas paredes das casas mais ricas.
- Os gregos faziam pinturas nos vasos que eram figuras geométricas.

Roma, cidade ordenadora do Império
- Latinos e Sabinos estavam em Itália no princípio
- Roma passou a uma república
- Antes de 27 a.C. já existia o império romano mas só territorial – onde conquistavam
várias terras. Depois de 27 a.C. ainda era império territorial mas tinha um poder
político.
- Octávio César Augusto enquanto imperador ele tinha este nome, só depois de
morrer, tornou-se Augusto.
- Os romanos usavam os nomes César e Augusto em honra.

Recomendados

Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaIlda Bicacro
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder políticocattonia
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo atenienseEscoladocs
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaZé Mário
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaIlda Bicacro
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaAna Delgado
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoRaffaella Ergün
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 

Mais procurados (20)

2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Ai flores, ai flores
Ai flores, ai floresAi flores, ai flores
Ai flores, ai flores
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 

Destaque

Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoSusana Grandão
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2cattonia
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xxVítor Santos
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1Vítor Santos
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseLojinha da Flor
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoVítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogueVítor Santos
 
00 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_201700 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_2017Vítor Santos
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlizaçãoVítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacionalVítor Santos
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xxVítor Santos
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1Vítor Santos
 
Ultimatum futurista - almada negreiros
Ultimatum futurista -  almada negreirosUltimatum futurista -  almada negreiros
Ultimatum futurista - almada negreirosAfonso Pereira
 
01 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_101 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_1Vítor Santos
 

Destaque (20)

Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
Teste romanos
Teste romanosTeste romanos
Teste romanos
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império Romano
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
00 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_201700 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_2017
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 
Ultimatum futurista - almada negreiros
Ultimatum futurista -  almada negreirosUltimatum futurista -  almada negreiros
Ultimatum futurista - almada negreiros
 
Arcos do triunfo
Arcos do triunfoArcos do triunfo
Arcos do triunfo
 
01 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_101 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_1
 

Semelhante a Resumo de matéria de História 10º ano

Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
CivilizacaogregaNuno Pinto
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1cattonia
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraTLopes
 
Os gregos no século v a
Os gregos no século v aOs gregos no século v a
Os gregos no século v aFatima Gouveia
 
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOJorge Miklos
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicasseixasmarianas
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regularCarla Freitas
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Lucas Nunes
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseJoão Neves
 
A cultura da ágora
A cultura da ágoraA cultura da ágora
A cultura da ágoraRui Dário
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antigaricardup
 

Semelhante a Resumo de matéria de História 10º ano (20)

Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Os gregos no século v a
Os gregos no século v aOs gregos no século v a
Os gregos no século v a
 
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
 
Grécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações BásicasGrécia e Roma - Informações Básicas
Grécia e Roma - Informações Básicas
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
 
Grécia antig apps
Grécia antig appsGrécia antig apps
Grécia antig apps
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia
 
Os Gregos
Os GregosOs Gregos
Os Gregos
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Resumo grécia
Resumo gréciaResumo grécia
Resumo grécia
 
A cultura da ágora
A cultura da ágoraA cultura da ágora
A cultura da ágora
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Grécia Antiga - 6ºAno
Grécia Antiga - 6ºAnoGrécia Antiga - 6ºAno
Grécia Antiga - 6ºAno
 
Pp os gregos
Pp os gregosPp os gregos
Pp os gregos
 

Mais de jorgina8

Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picassojorgina8
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorialjorgina8
 
A Religiosidade Medieval e o Ensino - História
A Religiosidade Medieval e o Ensino - HistóriaA Religiosidade Medieval e o Ensino - História
A Religiosidade Medieval e o Ensino - Históriajorgina8
 
Afonso Henriques e o caminho para a independência
Afonso Henriques e o caminho para a independênciaAfonso Henriques e o caminho para a independência
Afonso Henriques e o caminho para a independênciajorgina8
 
Os Direitos dos Animais
Os Direitos dos AnimaisOs Direitos dos Animais
Os Direitos dos Animaisjorgina8
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russajorgina8
 
Fauvismo e Expressionismo
Fauvismo e ExpressionismoFauvismo e Expressionismo
Fauvismo e Expressionismojorgina8
 
Abstraccionismo
AbstraccionismoAbstraccionismo
Abstraccionismojorgina8
 
Vida e Obra de Fernando Pessoa
Vida e Obra de Fernando PessoaVida e Obra de Fernando Pessoa
Vida e Obra de Fernando Pessoajorgina8
 

Mais de jorgina8 (10)

Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorial
 
A Religiosidade Medieval e o Ensino - História
A Religiosidade Medieval e o Ensino - HistóriaA Religiosidade Medieval e o Ensino - História
A Religiosidade Medieval e o Ensino - História
 
Afonso Henriques e o caminho para a independência
Afonso Henriques e o caminho para a independênciaAfonso Henriques e o caminho para a independência
Afonso Henriques e o caminho para a independência
 
Os Direitos dos Animais
Os Direitos dos AnimaisOs Direitos dos Animais
Os Direitos dos Animais
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Fauvismo e Expressionismo
Fauvismo e ExpressionismoFauvismo e Expressionismo
Fauvismo e Expressionismo
 
Abstraccionismo
AbstraccionismoAbstraccionismo
Abstraccionismo
 
Vida e Obra de Fernando Pessoa
Vida e Obra de Fernando PessoaVida e Obra de Fernando Pessoa
Vida e Obra de Fernando Pessoa
 

Último

Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...azulassessoriaacadem3
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 

Último (20)

Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 

Resumo de matéria de História 10º ano

  • 1. Historia Grécia (página 14, 19, 24) - Grécia fica na Europa, na Península Balcânica e havia Grécia Continental, Grécia Insular e Grécia Asiática. Onde eles viviam, o solo era árido, era montanhoso, havia poucos rios e o litoral era com bons portos naturais. O clima era quente e seco e era mau para a agricultura e houve problemas porque tinham de cultivar alimentos suficientes para a maioria da Pólis. O mar era muito importante para Atenas. - Os gregos viviam em PÓLIS (cidade-estado, pequenas cidades dentro do país) com uma cultura, história e línguas iguais. A comunicação entre as Pólis era difícil por causa das montanhas. Cada Pólis tinha as suas próprias leis, uma moeda própria, território (cidade + compras envolventes), um governo, corpo civil (grupo de pessoas responsáveis pelo governo). Organização Física da Pólis (página 27) ● Zona Rural ● Zona Urbana - Habitação - Edifícios Públicos (a maioria eram da Ágora) Acrópole – vida religiosa Asty Ágora – praça publica, centro de vida pública e económica Cronologia ● Oligarquia – governo de poucos, ou seja eram poucos os que governavam. ● Tirania – uma pessoa governa, e utiliza a força/exército. ● Democracia – Clistenes – “Pai” desta democracia. 1º Modelo de democracia ateniense
  • 2. No Mundo Fragmentado dos gregos é a cultura que assegura a Unidade: - A mesma língua - Os mesmos deuses - Os mesmos santuários - A mesma forma de vida Helenos (pan helenismo) Democracia Desafogo Económico Atenas – centro cultural Filosofia, teatro Artistas Grandiosos Espectáculos Democracia: O povo governa O povo elege quem governa Democracia Representativa – Através do voto, o povo elege quem governa. Democracia Directa – Todos os cidadãos tinha acento na assembleia (Éclesia) e todos tinham igualdade no direito à palavra e à sua opinião. Não havia representante. Esta era a democracia de Atenas. Limites da democracia ateniense: - Escravatura - Discriminação das mulheres - Conceitos de cidadão Corpo Cívico Actual – qualquer pessoa que possa votar – cidadão
  • 3. Grécia Clássica Cidadão – homem com mais de 20 anos, filhos de pai e mãe ateniense, com serviço militar cumprido. Apenas os cidadãos podem pertencer ao corpo cívico. Eram os únicos com direitos políticos. A mãe do cidadão é a família e o pai era cidadão. Todos os cidadãos podem votar, podem dizer o que pensam acerca dos assuntos, têm todos acento na assembleia (Eclésia) = Democracia Directa Famílias dos cidadãos – eram familiares que não eram cidadão ou não eram atenienses. Não tinham directos políticos. As mulheres eram mães, cuidavam dos filhos e tomavam conta da casa. Metecos: estrangeiros que residiam em Atenas, para ser meteco bastava não tinham o pai ou a mãe ou os dois atenienses, vinham doutra cidade, mesmo se fosse a cidade ao lado, era grandes negociadores, dedicavam às actividades (ex: trabalhavam em terras, comércio, etc), eram responsável pela riqueza do país porque tinham de pagar impostos. Escravo – “objecto”, pertencia a alguém e tinha de fazer o que o dono dizia. Serviam para trabalhar, eram obrigados a ir à guerra. (página 38 – definição de escravo e o gráfico) Escravo pedagogo – acompanhava o futuro cidadão à escola Mulher Legitima – mulher casada com um cidadão. Apeniques – local onde reuniam (ao ar livre, anfiteatro ou numa montanha). (Página 31 Doc. 9) A partir de Péricles o grau de riqueza não fazia diferença, antes disso era ao contrário. Péricles introduziu a ideia de pagar a todos os cidadãos para participarem na assembleia, achava que todos os cidadãos tinham de ter igualdade, até aos ricos pagava para não haver limitações que impossibilitassem a ida dos cidadãos à assembleia, o que antes de Péricles acontecia devido ao dinheiro.
  • 4. Fundamentos da democracia ateniense (Péricles): - ISONOMIA (igualdade dos cidadãos perante a lei) - ISOCRACIA (igualdade dos cidadãos no acesso a cargos políticos) - ISEGORIA (igualdade dos cidadãos no uso da palavra, eram todos ouvidos da mesma forma – retórica e oratória) Mecanismos de garantia de funcionamento de sistema: - OSTRACISMOS - GRAPHÈ PARANOMON - PRESTAÇÃO DE CONTAS Estrategos – governar a cidade – é por eleição porque as pessoas têm de ter certas características adequados. Tinham de seres grandes líderes. Bulé – tratar das leis, faz leis mais específicos – poder legislativo Os buleutas iam para as pritanias para 36 dias. Pritonias – tratavam diariamente das leis. Gineceu – sala destinada a mulheres e filhos. Eclésia – estavam lá os cidadãos - tinha o poder de votar as leis - tinha o poder de fazer as leis – poder legislativo Oratória – arte de bem falar. Escolas Rectórias – preparavam os futuros cidadãos a arte de bem falar, de argumentar. Helieu – julgavam muitos crimes. A religião era sempre a explicação para os acontecimentos do dia-a-dia explica-se através dos deuses.
  • 5. As pessoas dos arcontes quando eram mais velhos iam para o areópago – porque tinham mais experiência – tratavam de crimes. Nos julgamentos o acusador e o juiz tinham o mesmo tempo – que era medido pelo relógio de água. (página 34) Perigos: Protecção da Democracia (página 36 e 37) Ostracismo – todos os anos, reunidos na Ágora, os membros da Eclésia escreviam numa placa o nome de um cidadão que estava a ser perturbador do bom funcionamento da democracia. Caso se reunissem 6000 votos, esse cidadão era ostracizado, ou seja posto de parte e tinha que sair da cidade-estado durante 10 anos. Isto aconteceu porque podia ser um grande perigo para a democracia a tomada de um poder apenas por um homem (que se estava a achar demasiado importante). Veto – contra Demagogia – fazer uma proposta que embora idealmente seja correcta mas que não tem aplicação prática. A pessoa que faz demagogia mente e não faz o que diz. Escultura Grega: - Não eram muito realistas na escultura. - Matematizaram a arquitectura, era tudo equilibrado, cada coisa tinha uma determinada medida, só assim é que era beleza. - Os gregos davam mais importância aos edifícios públicos do que a sua própria casa. - Cada escultura tinha uma mensagem – a acção (a fazer qualquer coisa). - A maioria dos edifícios eram feitos de Calcário (principal) e Mármore. - Os gregos, ao construírem um edifício não utilizam arcos, não conseguiram fazer edifícios tão altos como os romanos, porque usavam rectas. - Edifícios dos gregos eram feitos com isto.
  • 6. - Não tinham só uma ordem tinham 3 – JÓNICA, DÓRICA e CURINTIA (não é muito utilizado) - Os edifícios e as estatuas eram pintados para ter um ar mais humano. (página 55, 56 e 57(explicar)) Jónica – associada ao feminino Dórica – associada ao masculino Templo: casa do deus - O Friso parece que tem linha direitas mas na verdade são um pouco curvada. - Frontão tinha escultura também mas agora estão num museu. - Duas pessoas queriam ser protectores da cidade: - Atena ofereceu paz e uma oliveira. - o outro ofereceu uma fonte com água - Haviam 2 tipos de escultura: - Vulvo Redondo - Relevo - A maioria das pinturas e as esculturas perderam-se. - Faziam pinturas nas paredes das casas mais ricas. - Os gregos faziam pinturas nos vasos que eram figuras geométricas. Roma, cidade ordenadora do Império - Latinos e Sabinos estavam em Itália no princípio - Roma passou a uma república - Antes de 27 a.C. já existia o império romano mas só territorial – onde conquistavam várias terras. Depois de 27 a.C. ainda era império territorial mas tinha um poder político. - Octávio César Augusto enquanto imperador ele tinha este nome, só depois de morrer, tornou-se Augusto. - Os romanos usavam os nomes César e Augusto em honra.
  • 7. Séc. VIII a.C. – fundação de um povoado nas margens do Rio Tibre. - Etruscos (povos mais importantes) conquistam a cidade e fundam uma monarquia. - Crescimento e enriquecimento da cidade. - 509 a.C. fundação da República (até 27 a.C.) Foi nesta altura que foi o inicio da expansão territorial. Página 73 - Foi conquistado em 4 fases. 1- V a.C. e IV a.C. – Foi conquistada a Península Itálica. 2- III a.C. e II a.C. – Península Ibérica, Península Balcânica, territórios no Norte de África, costa adriática da Península Balcânica, Ásia Menor, Sul da Gália, Médio Oriente 3- I a.C. e I d.C. – Alargamento de fronteira: Ásia Menor, Médio Oriente, Norte de África, Sul da Bretanha 4- II d.C. (…) – Alargamento de todas as fronteiras. Mare Nostrum = Lago Romano - Império Romano demorou acerca de 3 séculos a ser conquistada. - A Europa e os seus estados nasceram com a queda do Império Romano. Motivações para a conquista: 1º - Necessidade de DEFESA. 2º - Razões económicas, de poder, de prestígio, RIQUEZA. - Para os romanos os bárbaros eram pessoas com um nível de vida mais baixo que eles e que não falavam latim nem grego. - O Império Romano durou mil anos. - O Império tinha uma variedade de povos (gregos, semi-nomadas, romanos…) - As cidades eram “urbes” porque tinham muralhas à volta, porque eram importantes, as pessoas lá dentro faziam comércio para sobreviver. (página 74)
  • 8. Elementos de ligação entre os cidadãos do Império romano - Administração – relativa autonomia das cidades centralizada em Roma. - Direito Romano - Rede Viária (estradas) e Mar Mediterrâneo - Exército (importante) – se uma pessoa fosse para o exército tinham mais probabilidade a conquistar mais terras e aprendiam o latim, os direitos humanos, etc… - Imperador - O acesso à cidadania – primeiro só os romanos podiam ser cidadãos, depois alargou para quase todo o Império. (página 75/77) Ancião – pessoas normalmente mais velhas e com famílias perto do rei. Patrícios – pessoas ricas e próximas do rei Plebeus – não pertencem às famílias perto do rei. Os que não são importantes: - Escravos - Libertos - Clientes Libertos – antigos escravos que foram libertos, os seus filhos já vão ser plebeus. Alguns clientes podem ser patrícios ou plebeus. República A coisa de todos/coisa pública
  • 9. - Os magistrados ficaram com o poder do rei quando foi a implantação da república. EDIS da plebe – representantes do povo romano. (página 75) Cidadãos Romanos – cidadãos que iam para a guerra. POVO ROMANO ≠ CIDADÃO ROMANO SÃO TODO SÓ CIDADÃOS - Senado romano chegou a ter 600 pessoas. - As mulheres tinham a mesma educação que os cidadãos. O Direito Romano Há dois tipos de direitos: - O direito enquanto um conjunto de leis/regras. - O direito enquanto qualquer coisa a aceder (fazer qualquer coisa). (Pág. 81 – descrição do direito romano) O direito romano divide-se em: - Direito Público - Direito Privado Direito Consuetudinário – conjunto de normas. Os plebeus eram os mais prejudicados com esse direito. As leis não indicavam o que acontecia se uma pessoa desrespeitasse as leis, ficava ao critério do juiz e dependia da sociedade desse local – o que acontecia.
  • 10. Lei das 12 tábuas (séc. X a.C.) – leis mais adequados. Exemplo: uma pessoa roubava uma maçã – metiam uma lei a proibir as pessoas a roubar uma maçã… Quem podia fazer leis: - Senadores - Espretores (magistrados) - Imperador - Jurisconsulto - Províncias Havia repetições, contradições, etc, nas Leis Das 12 Tábuas, havia tantas leis que era muito confuso (milhares de leis para o Império Romano). Resolução O imperador Justiniano vai encarregar um grupo de pessoas para fazer uma reorganização das leis. Isto é reunir todas as leis romanas e eliminar as repetições, as contradições, etc, e conseguir fazer leis de tal maneira abrangente (simples). E isto foi chamado o CÓDIGO JUSTINIANO. (página 82) Exemplo: Em vez de haver uma lei que diz não roubar maçãs e outra que diz não roubar peras – fazer uma só. Qualquer acção que uma pessoa fizesse a desrespeitar as leis tinha o mesmo tratamento em todo o império romano. Direito de cidadania (direito dos habitantes da cidade) Cidade
  • 11. Não Cidadãos (sem direito de cidadania) Cidadãos (com direitos de cidadania) - Estipendiárias - Feteradas (pagavam impostos nesta cidade) - Colónias (Direito Romano) - Municípios (não tinham D.R. mas tinha quase que era o Direito Latina) Se um cidadão de Roma tiver Direito Romano e for para uma cidade de Estpendiária – ainda mantém o seu D.R., e ao contrário também. Em 212 – Edicto de Caracala Em 212 tirou o D.R. E O D.L. e alargou o direito de cidadania para todo o império romano. (página 85 – resumo) Acrescentar: - o exercito - a administração - o latim (língua oficial do império romano) (página 84)
  • 19. Uma cultura aberta há cidade
  • 32. Octávio César Augusto - Octávio ficou “primeiro cidadão” = a mesma importâncias que um deus. - Octávio disse: - Não adoram a mim (pessoa) mas sim aquilo que faço. Pontifex Macimus = o cargo do poder da religião Augusto estava à espera que Senado lhe entregasse o poder da religião às suas mãos. Ele depois ficou com o poder todo e tem um controlo muito grande sobre o Império Romano. O Senado mandava mas se o imperador não concordasse com a ideia ele mudava. Sucessão Hereditário – o reino passa de pai para filho… O imperador une os países todos do império romano, mandava um homem para cada país para organizar aquilo. O Governo do Mundo Romano na República e no Império ● As principais instituições de governo da república são o senado, as comícios e as magistraturas. ● As instituições da república adaptavam-se à governação de um território de pequena dimensão. As conquistas, situações de conflito e de guerra civil conduziram os vários períodos de ditadura. ● Ao contrário de Júlio César, Octávio, politico ábil, conseguiu a concentração dos poderes conservando a aparência da manutenção das instituições republicanas. ● Octávio promoveu a divinização das virtudes imperiais (paz augusta, vitória augusta, justiça augusta, liberdade augusta). ● O culto ao imperador e a Roma são factores de coesão e unidade politica no império. ● Octávio consegue criar, mantendo a aparência de uma república, uma monarquia. A questão da sucessão ficou resolvida deixando o cargo do imperador a escolha do
  • 33. sucessor, o que garantia que o mesmo continuava investido do poder do povo (poder tribunício).