SlideShare uma empresa Scribd logo
EPIDEMIA
ENDEMIA
SURTO
PANDEMIA Biologia II – 2ª aula
Ariel Nascimento
(Estudante de Biologia / UFRJ)
12/08/2011
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
Epidemia na Europa
PESTE NEGRA
Pior epidemia que atingiu a Europa, no século XIV. Ela foi sendo
combatida à medida que se melhorou a higiene e o saneamento
das cidades, diminuindo a população de ratos urbanos.
 Contaminação – Causada pela bactéria Yersinia pestis, comum
em roedores como o rato. É transmitida para o homem pela pulga
desses animais contaminados.
Sintomas – Inflamação dos gânglios linfáticos, seguida de
tremedeiras, dores localizadas, apatia, vertigem e febre alta.
Tratamento – À base de antibióticos.
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
CÓLERA
Teve sua primeira epidemia global em 1817. Desde então,
o vibrião colérico (Vibrio cholerae) sofreu diversas
mutações, causando novos ciclos epidêmicos de tempos
em tempos.
Contaminação – Por meio de água ou alimentos
contaminados.
Sintomas – diarréia intensa e desidratação.
Tratamento – À base de antibióticos.
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
TUBERCULOSE
O combate foi acelerado em 1882, depois da identificação
do bacilo de Koch. Nas últimas décadas, ressurgiu com
força nos países pobres, incluindo o Brasil, e como doença
oportunista nos pacientes de Aids.
Contaminação – Altamente contagiosa, transmite-se de
pessoa para pessoa, através das vias respiratórias.
Sintomas – Ataca principalmente os pulmões.
Tratamento – À base de antibióticos, o paciente é curado
em até seis meses.
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
Pandemia
é uma epidemia que atinge grandes proporções,
podendo se espalhar por um ou mais continentes ou
por todo o mundo, causando inúmeras mortes ou
destruindo cidades e regiões do mundo inteiro.
GRIPE ESPANHOLA  Suína = Pandemia
O vírus Influenza é um dos maiores carrascos da
humanidade. A gripe suína é a quarta geração do vírus
(H1N1) que matou centenas de milhares após a 1ª Guerra
Mundial e sua letalidade diminuiu após mutações.
Contaminação – Propaga-se pelo ar, por meio de gotículas
de saliva e espirros.
Sintomas – Fortes dores de cabeça e no corpo, calafrios e
inchaço dos pulmões.
Tratamento – Forte imunização. Não existe medicamento.
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
Endemia
É uma doença localizada em um espaço limitado
denominado “faixa endêmica”. Isso quer dizer que,
endemia é uma doença que se manifesta apenas numa
determinada região, de causa local, geralmente
infecciosas.
Enquanto a epidemia se espalha por outras
localidades, a endemia tem duração continua porém,
restrito a uma determinada área.
A ENDEMIA pode  EPIDEMIA !!!
FEBRE AMARELA é comum na Amazônia. No período de
infestação da doença, as pessoas que viajam para tal
região precisam ser vacinadas.
A DENGUE é outro exemplo de endemia, pois são
registrados focos da doença em um espaço limitado,
ou seja, ela não se espalha por toda uma região,
ocorre apenas onde há incidência do mosquito
transmissor da doença.
As principais doenças endêmicas do Brasil, são: a
malária; a leishmaniose; a esquistossomose; a febre
amarela; a dengue; o tracoma; a doença de Chagas; a
Hanseníase; a tuberculose; a cólera e a gripe A.
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
Seminário
 Sobre as grandes epidemias no mundo
 Sintomas, tratamento, prevenção, forma de
transmissão.
 História do surgimento dessa pandemia. Local, ano.
 Como aconteceu o fim dessa pandemia.
 Curiosidades.
 Slide com fotos e topicos
 1 Desde tempos antigos, a humanidade convive com episódios de doenças
que acometem grande número de pessoas. Porém, para que possamos
chamar de “epidemia", é necessário que algumas características estejam
presentes. Assinale a alternativa que reúne as características de uma
epidemia:
 a) Pequeno número de casos, mas que persistem por muitos anos.
 b) Um número constante de casos, mas que afetam apenas homens.
 c) Um número constante de casos, mas que afetam apenas mulheres.
 d) Grande número de casos que aumentam em um curto espaço de tempo,
como em uma “explosão" de ocorrências, por exemplo o ebola na África e a
dengue no Brasil.
 2 Assinale a alternativa que apresenta pandemias que tiveram grande impacto
na história da humanidade:
 a) Doença de Chagas, gastrite nervosa e conjuntivite viral.
 b) Sarampo, coqueluche e amebíase.
 c) Amidalite, asma e reumatismo.
 d) Peste negra, gripe espanhola e tifo.
Questões
 3 Preencha as lacunas e, em seguida, assinale a alternativa que
apresenta a sequência correta.
 I. ____________ é a concentração de casos de uma mesma doença em
determinado local e época, claramente em excesso ao que seria
teoricamente esperado.
 II. ____________ é a presença constante de uma doença ou de um agente
infeccioso em determinada área geográfica.
 III.____________ é o nome dado à ocorrência epidêmica caracterizada
por uma larga distribuição espacial, atingindo várias nações.
 IV. ____________ é a epidemia de proporções reduzidas, que atinge uma
pequena comunidade humana, restrita no tempo e espaço.
 a) Epidemia / pandemia / surto epidêmico / endemia b) Pandemia / epidemia /
surto epidêmico / endemia
 c) Epidemia / endemia / pandemia / surto epidêmico
 d) Epidemia / surto epidêmico / pandemia / endemia
SORO E VACINA
Os dois agem como imunizadores, mas
são usados em diferentes situações.
VACINA
Contém agentes infecciosos inativados
induzem a produção de anticorpos pelo próprio
organismo da pessoa vacinada.
• Tem poder preventivo.
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
SORO
Contém os anticorpos necessários para combater
determinada doença ou intoxicação.
• Tem poder curativo.
Como funciona a produção de soro?
O processo começa quando são aplicadas no cavalo
pequenas doses contendo o veneno, vírus ou
bactéria a ser combatido pelo organismo humano; o
cavalo produz o anticorpo contra a doença ou as
toxinas do veneno; o plasma do animal, rico em
anticorpos, é coletado.
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 (Enem) A vacina, o soro e os antibióticos submetem os organismos
a processos biológicos diferentes. Pessoas que viajam para regiões
em que ocorrem altas incidências de febre amarela, de picadas de
cobras peçonhentas e de leptospirose e querem evitar ou tratar
problemas de saúde relacionados a essas ocorrências devem
seguir determinadas orientações.
 Ao procurar um posto de saúde, um viajante deveria ser
orientado por um médico a tomar preventivamente ou como
medida de tratamento
 a) antibiótico contra o vírus da febre amarela, soro antiofídico caso
seja picado por uma cobra e vacina contra a leptospirose.
 b) vacina contra o vírus da febre amarela, soro antiofídico caso seja
picado por uma cobra e antibiótico caso entre em contato com
a Leptospira sp.
 c) soro contra o vírus da febre amarela, antibiótico caso seja picado
por uma cobra e soro contra toxinas bacterianas.
 d) antibiótico ou soro, tanto contra o vírus da febre amarela como
para o veneno de cobras, e vacina contra a leptospirose.
(UFF) Desde o surgimento da gripe suína, vacinas têm sido
desenvolvidas na tentativa de estabelecer um método de proteção
para a população. Assinale a alternativa que apresenta o
mecanismo clássico de imunização em que se baseiam as vacinas
.
 a) Imunização ativa – mecanismo segundo o qual se introduz
uma pequena quantidade de antígeno no organismo para
produção de anticorpo.
 b) Imunização passiva – mecanismo segundo o qual se introduz
uma grande quantidade de antígeno no organismo para produção
de anticorpo.
 c) Imunização ativa – mecanismo segundo o qual se introduz
uma grande quantidade de anticorpos no organismo para o
combate ao antígeno.
 d) Imunização passiva – mecanismo segundo o qual se introduz
uma pequena quantidade de anticorpos para o combate ao
antígeno.
(UFJF) Um indivíduo, ao ser picado por uma cobra venenosa, deverá ser
tratado com soro antiofídico, porque este contém:
 a) anticorpos específicos para as toxinas do veneno de cobra.
 b) toxinas atenuadas do veneno de cobra que irão induzir a produção de
anticorpos.
 c) enzimas proteolíticas que irão destruir o veneno de cobra.
 d) antígenos específicos que irão inibir a ação de toxinas do veneno de
cobra.
A primeira vacina foi criada no século XVIII por Edward Jenner e garantia
proteção contra a varíola. O princípio utilizado nessa época é o mesmo
utilizado nos dias atuais e baseia-se:
 a) na aplicação de anticorpos contra a doença em pessoa saudável,
garantindo sua imunização.
 b) na aplicação de anticorpos contra a doença em pessoas doentes para
garantir a sua cura.
 c) na aplicação de antígenos causadores da doença em pessoa saudável,
garantindo sua imunização.
Características gerais dos Vírus:
 Agentes causadores de infecções no homem, outros
animais, vegetais e bactérias.
 Sem metabolismo próprio.
 Parasitas intracelulares obrigatórios.
 Não se desenvolvem em ambientes extracelulares.
Os vírus são seres vivos ou seres não-vivos?
A Favor:
1. O fato dos vírus apresentarem reprodução;
embora necessitem da ajuda da célula
hospedeira para se reproduzirem;
2. A presença de material genético (DNA ou
RNA), e consequentemente a capacidade de
sofrerem mutação;
3. Capacidade de adaptação.
Contra :
1. O fato dos vírus serem acelulares.
2. A ausência de metabolismo
próprio,necessitando portanto, de
constituintes celulares de outro
organismo.
BACTÉRIA x VÍRUS
As bactérias e os vírus são os microrganismos que podem causar
infecções.
Bactérias
As bactérias são micróbios que podem sobreviver no corpo humano,
no ar, na água, no solo, …, mas não necessitam de células vivas para
a sua sobrevivência.
Os antibióticos podem, no entanto, matar essas bactérias, sendo
assim capazes de salvar vidas.
As bactérias causam doenças como:
- Pneumonia;
- Meningite;
- Infecções das feridas;
- Faringites e otites;
Os vírus são muito menores que as bactérias e precisam de
células humanas vivas para sobreviverem (como um parasita).
Para se multiplicarem precisam de penetrar numa célula viva.
.
Os vírus causam doenças como:
- Constipação;
- Bronquite aguda;
- Gripe;
- A maioria das faringites e otites;
- Sarampo;
- Rubéola;
- Hepatite viral;
- SIDA;
FIM!
QUESTÕES
1 O soro e a vacina são substâncias que agem como imunizadores do
organismo. A respeito desses produtos, marque a alternativa incorreta:
 a) O soro é responsável por uma imunização passiva.
 b) As vacinas estimulam o corpo a produzir anticorpos contra determinado
antígeno.
 c) As vacinas são produzidas injetando-se o antígeno em um animal, que
passará a produzir anticorpos. Os anticorpos são posteriormente processados e
podem ser usados em humanos.
 d) Podemos dizer que a vacina é usada na prevenção, enquanto o soro é usado
para curar.
2 Sabemos que as vacinas são capazes de estimular a produção de anticorpos
pelo corpo, protegendo-nos, portanto, de doenças. Graças a essa capacidade,
dizemos que as vacinas garantem-nos:
 a) uma imunização passiva.
 b) uma imunização imediata.
 c) uma imunização prolongada.
 d) uma imunização ativa.
3 Entre as alternativas a seguir, marque aquela que indica corretamente o
motivo pelo qual os médicos fazem uso de soro em vez de vacina para tratar
uma picada de cobra:
 a) O soro é usado para tratar picada de cobra, pois garante que o corpo produza
anticorpos contra o veneno nele injetado.
 b) O soro deve ser aplicado porque possui anticorpos já prontos contra o
antígeno, garantindo, assim, uma resposta mais rápida.
 c) O soro deve ser usado apenas quando uma vacina não está disponível para
uso.
 d) Em caso de picada de cobra, o soro é usado porque garante uma imunização
ativa do paciente.
4 A Campanha Nacional de Vacinação do Idoso, instituída pelo Ministério da
Saúde do Brasil, vem-se revelando uma das mais abrangentes dirigidas à
população dessa faixa etária. É correto afirmar que essas vacinas protegem
porque
 a) são constituídas de moléculas recombinantes.
 b) contêm anticorpos específicos.
 c) induzem resposta imunológica.
 d) impedem mutações dos patógenos.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt

Biologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitosesBiologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
Roberto Bagatini
 
Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018
Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018
Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018
AdrielyFonteles
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
manifestações clinicas aula-arbovirus.pdf
manifestações clinicas aula-arbovirus.pdfmanifestações clinicas aula-arbovirus.pdf
manifestações clinicas aula-arbovirus.pdf
MARCELODONIZETTICHAV
 
Peste Negra
Peste NegraPeste Negra
Peste Negra
André Botelho
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Exercícios+de+vírus
Exercícios+de+vírusExercícios+de+vírus
Exercícios+de+vírus
caetanofabio
 
Virus
VirusVirus
T.d vírus
T.d vírusT.d vírus
Aula.parasitoses.humanas.ii
Aula.parasitoses.humanas.iiAula.parasitoses.humanas.ii
Aula.parasitoses.humanas.ii
EdEr Mariano
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
Rodrigo Corte Real
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
Ricardo Portela
 
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENPVirologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Jean Santos
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
eld09
 
Bactriasevrus 100118153557-phpapp02
Bactriasevrus 100118153557-phpapp02Bactriasevrus 100118153557-phpapp02
Bactriasevrus 100118153557-phpapp02
Philly Lima
 
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças InfecciosasResumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Nathy Oliveira
 
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungosDoenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Camila Araújo
 
CIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docx
CIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docxCIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docx
CIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docx
CezanildoSilvadeOliv
 

Semelhante a epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt (20)

Biologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitosesBiologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitoses
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
 
Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018
Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018
Aula sobre arboviroses curso de nutrição 2018
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
manifestações clinicas aula-arbovirus.pdf
manifestações clinicas aula-arbovirus.pdfmanifestações clinicas aula-arbovirus.pdf
manifestações clinicas aula-arbovirus.pdf
 
Peste Negra
Peste NegraPeste Negra
Peste Negra
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Exercícios+de+vírus
Exercícios+de+vírusExercícios+de+vírus
Exercícios+de+vírus
 
Virus
VirusVirus
Virus
 
T.d vírus
T.d vírusT.d vírus
T.d vírus
 
Aula.parasitoses.humanas.ii
Aula.parasitoses.humanas.iiAula.parasitoses.humanas.ii
Aula.parasitoses.humanas.ii
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
 
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENPVirologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
Bactriasevrus 100118153557-phpapp02
Bactriasevrus 100118153557-phpapp02Bactriasevrus 100118153557-phpapp02
Bactriasevrus 100118153557-phpapp02
 
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças InfecciosasResumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
 
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungosDoenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungos
 
CIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docx
CIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docxCIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docx
CIÊNCIAS-NATURAIS-III-7ºANO.docx
 

Mais de MarceloMonteiro213738

1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática
1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática
1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática
MarceloMonteiro213738
 
PRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILx
PRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILxPRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILx
PRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILx
MarceloMonteiro213738
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
trabalho de eletiva de base 2enemmm.pptx
trabalho de eletiva de base 2enemmm.pptxtrabalho de eletiva de base 2enemmm.pptx
trabalho de eletiva de base 2enemmm.pptx
MarceloMonteiro213738
 
História dos escravo enviar historia .pptx
História dos escravo enviar historia .pptxHistória dos escravo enviar historia .pptx
História dos escravo enviar historia .pptx
MarceloMonteiro213738
 
AULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdf
AULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdfAULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdf
AULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdf
MarceloMonteiro213738
 
Genetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEE
Genetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEEGenetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEE
Genetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEE
MarceloMonteiro213738
 
Realismo.pptx língua Portuguesa portugues
Realismo.pptx língua Portuguesa portuguesRealismo.pptx língua Portuguesa portugues
Realismo.pptx língua Portuguesa portugues
MarceloMonteiro213738
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
MarceloMonteiro213738
 
AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICA
AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICAAULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICA
AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICA
MarceloMonteiro213738
 
ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..
ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..
ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..
MarceloMonteiro213738
 
PRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptx
PRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptxPRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptx
PRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptx
MarceloMonteiro213738
 
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.pptUnidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
MarceloMonteiro213738
 
FÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdf
FÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdfFÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdf
FÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdf
MarceloMonteiro213738
 
Equacao-e inequação do-1-Grau. Slides ex
Equacao-e inequação do-1-Grau. Slides exEquacao-e inequação do-1-Grau. Slides ex
Equacao-e inequação do-1-Grau. Slides ex
MarceloMonteiro213738
 
A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptx
A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptxA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptx
A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptx
MarceloMonteiro213738
 
PSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptx
PSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptxPSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptx
PSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptx
MarceloMonteiro213738
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
MarceloMonteiro213738
 
MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptx
MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptxMEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptx
MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptx
MarceloMonteiro213738
 
ppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptx
ppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptx
ppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptx
MarceloMonteiro213738
 

Mais de MarceloMonteiro213738 (20)

1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática
1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática
1_5174809458462688403.pdhistoria da matemática
 
PRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILx
PRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILxPRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILx
PRATICA EXPERIMENTAL SUDOKU.ppt FORMA NIVEL FACILx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
trabalho de eletiva de base 2enemmm.pptx
trabalho de eletiva de base 2enemmm.pptxtrabalho de eletiva de base 2enemmm.pptx
trabalho de eletiva de base 2enemmm.pptx
 
História dos escravo enviar historia .pptx
História dos escravo enviar historia .pptxHistória dos escravo enviar historia .pptx
História dos escravo enviar historia .pptx
 
AULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdf
AULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdfAULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdf
AULA 11 e 12 - Remédios Constitucionais.pdf
 
Genetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEE
Genetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEEGenetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEE
Genetica IV 2012 (1).ppt GENETICAEEEEEEEEE
 
Realismo.pptx língua Portuguesa portugues
Realismo.pptx língua Portuguesa portuguesRealismo.pptx língua Portuguesa portugues
Realismo.pptx língua Portuguesa portugues
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICA
AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICAAULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICA
AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxFISICA
 
ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..
ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..
ucraniaxrússia.pptx CONTEXTO HISTORICO..
 
PRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptx
PRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptxPRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptx
PRÁTICA EXPERIMENTAL - CAMARA ESCURA PRONTO OK.pptx
 
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.pptUnidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
Unidade 04 Ano 02 LARANJA rev. Silvane.ppt
 
FÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdf
FÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdfFÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdf
FÍSICA 2°ANO TURMA 201Mmmmmmmmmmmmm.pdf
 
Equacao-e inequação do-1-Grau. Slides ex
Equacao-e inequação do-1-Grau. Slides exEquacao-e inequação do-1-Grau. Slides ex
Equacao-e inequação do-1-Grau. Slides ex
 
A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptx
A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptxA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptx
A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA atraves dos tempos.pptx
 
PSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptx
PSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptxPSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptx
PSICOLOGIA--- Perspectivas Teóricas.pptx
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptx
MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptxMEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptx
MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM PSI_1psicana.pptx
 
ppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptx
ppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptxppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptx
ppt-AULA PROPAGAÇÃO DO CALOR FÍSICA.pptx
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt

  • 1. EPIDEMIA ENDEMIA SURTO PANDEMIA Biologia II – 2ª aula Ariel Nascimento (Estudante de Biologia / UFRJ) 12/08/2011
  • 3. Epidemia na Europa PESTE NEGRA Pior epidemia que atingiu a Europa, no século XIV. Ela foi sendo combatida à medida que se melhorou a higiene e o saneamento das cidades, diminuindo a população de ratos urbanos.  Contaminação – Causada pela bactéria Yersinia pestis, comum em roedores como o rato. É transmitida para o homem pela pulga desses animais contaminados. Sintomas – Inflamação dos gânglios linfáticos, seguida de tremedeiras, dores localizadas, apatia, vertigem e febre alta. Tratamento – À base de antibióticos.
  • 6. CÓLERA Teve sua primeira epidemia global em 1817. Desde então, o vibrião colérico (Vibrio cholerae) sofreu diversas mutações, causando novos ciclos epidêmicos de tempos em tempos. Contaminação – Por meio de água ou alimentos contaminados. Sintomas – diarréia intensa e desidratação. Tratamento – À base de antibióticos.
  • 8. TUBERCULOSE O combate foi acelerado em 1882, depois da identificação do bacilo de Koch. Nas últimas décadas, ressurgiu com força nos países pobres, incluindo o Brasil, e como doença oportunista nos pacientes de Aids. Contaminação – Altamente contagiosa, transmite-se de pessoa para pessoa, através das vias respiratórias. Sintomas – Ataca principalmente os pulmões. Tratamento – À base de antibióticos, o paciente é curado em até seis meses.
  • 10. Pandemia é uma epidemia que atinge grandes proporções, podendo se espalhar por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes ou destruindo cidades e regiões do mundo inteiro.
  • 11. GRIPE ESPANHOLA  Suína = Pandemia O vírus Influenza é um dos maiores carrascos da humanidade. A gripe suína é a quarta geração do vírus (H1N1) que matou centenas de milhares após a 1ª Guerra Mundial e sua letalidade diminuiu após mutações. Contaminação – Propaga-se pelo ar, por meio de gotículas de saliva e espirros. Sintomas – Fortes dores de cabeça e no corpo, calafrios e inchaço dos pulmões. Tratamento – Forte imunização. Não existe medicamento.
  • 14. Endemia É uma doença localizada em um espaço limitado denominado “faixa endêmica”. Isso quer dizer que, endemia é uma doença que se manifesta apenas numa determinada região, de causa local, geralmente infecciosas. Enquanto a epidemia se espalha por outras localidades, a endemia tem duração continua porém, restrito a uma determinada área. A ENDEMIA pode  EPIDEMIA !!!
  • 15. FEBRE AMARELA é comum na Amazônia. No período de infestação da doença, as pessoas que viajam para tal região precisam ser vacinadas. A DENGUE é outro exemplo de endemia, pois são registrados focos da doença em um espaço limitado, ou seja, ela não se espalha por toda uma região, ocorre apenas onde há incidência do mosquito transmissor da doença. As principais doenças endêmicas do Brasil, são: a malária; a leishmaniose; a esquistossomose; a febre amarela; a dengue; o tracoma; a doença de Chagas; a Hanseníase; a tuberculose; a cólera e a gripe A.
  • 21. Seminário  Sobre as grandes epidemias no mundo  Sintomas, tratamento, prevenção, forma de transmissão.  História do surgimento dessa pandemia. Local, ano.  Como aconteceu o fim dessa pandemia.  Curiosidades.  Slide com fotos e topicos
  • 22.  1 Desde tempos antigos, a humanidade convive com episódios de doenças que acometem grande número de pessoas. Porém, para que possamos chamar de “epidemia", é necessário que algumas características estejam presentes. Assinale a alternativa que reúne as características de uma epidemia:  a) Pequeno número de casos, mas que persistem por muitos anos.  b) Um número constante de casos, mas que afetam apenas homens.  c) Um número constante de casos, mas que afetam apenas mulheres.  d) Grande número de casos que aumentam em um curto espaço de tempo, como em uma “explosão" de ocorrências, por exemplo o ebola na África e a dengue no Brasil.  2 Assinale a alternativa que apresenta pandemias que tiveram grande impacto na história da humanidade:  a) Doença de Chagas, gastrite nervosa e conjuntivite viral.  b) Sarampo, coqueluche e amebíase.  c) Amidalite, asma e reumatismo.  d) Peste negra, gripe espanhola e tifo.
  • 23. Questões  3 Preencha as lacunas e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.  I. ____________ é a concentração de casos de uma mesma doença em determinado local e época, claramente em excesso ao que seria teoricamente esperado.  II. ____________ é a presença constante de uma doença ou de um agente infeccioso em determinada área geográfica.  III.____________ é o nome dado à ocorrência epidêmica caracterizada por uma larga distribuição espacial, atingindo várias nações.  IV. ____________ é a epidemia de proporções reduzidas, que atinge uma pequena comunidade humana, restrita no tempo e espaço.  a) Epidemia / pandemia / surto epidêmico / endemia b) Pandemia / epidemia / surto epidêmico / endemia  c) Epidemia / endemia / pandemia / surto epidêmico  d) Epidemia / surto epidêmico / pandemia / endemia
  • 25. Os dois agem como imunizadores, mas são usados em diferentes situações. VACINA Contém agentes infecciosos inativados induzem a produção de anticorpos pelo próprio organismo da pessoa vacinada. • Tem poder preventivo.
  • 28. SORO Contém os anticorpos necessários para combater determinada doença ou intoxicação. • Tem poder curativo. Como funciona a produção de soro? O processo começa quando são aplicadas no cavalo pequenas doses contendo o veneno, vírus ou bactéria a ser combatido pelo organismo humano; o cavalo produz o anticorpo contra a doença ou as toxinas do veneno; o plasma do animal, rico em anticorpos, é coletado.
  • 31.  (Enem) A vacina, o soro e os antibióticos submetem os organismos a processos biológicos diferentes. Pessoas que viajam para regiões em que ocorrem altas incidências de febre amarela, de picadas de cobras peçonhentas e de leptospirose e querem evitar ou tratar problemas de saúde relacionados a essas ocorrências devem seguir determinadas orientações.  Ao procurar um posto de saúde, um viajante deveria ser orientado por um médico a tomar preventivamente ou como medida de tratamento  a) antibiótico contra o vírus da febre amarela, soro antiofídico caso seja picado por uma cobra e vacina contra a leptospirose.  b) vacina contra o vírus da febre amarela, soro antiofídico caso seja picado por uma cobra e antibiótico caso entre em contato com a Leptospira sp.  c) soro contra o vírus da febre amarela, antibiótico caso seja picado por uma cobra e soro contra toxinas bacterianas.  d) antibiótico ou soro, tanto contra o vírus da febre amarela como para o veneno de cobras, e vacina contra a leptospirose.
  • 32. (UFF) Desde o surgimento da gripe suína, vacinas têm sido desenvolvidas na tentativa de estabelecer um método de proteção para a população. Assinale a alternativa que apresenta o mecanismo clássico de imunização em que se baseiam as vacinas .  a) Imunização ativa – mecanismo segundo o qual se introduz uma pequena quantidade de antígeno no organismo para produção de anticorpo.  b) Imunização passiva – mecanismo segundo o qual se introduz uma grande quantidade de antígeno no organismo para produção de anticorpo.  c) Imunização ativa – mecanismo segundo o qual se introduz uma grande quantidade de anticorpos no organismo para o combate ao antígeno.  d) Imunização passiva – mecanismo segundo o qual se introduz uma pequena quantidade de anticorpos para o combate ao antígeno.
  • 33. (UFJF) Um indivíduo, ao ser picado por uma cobra venenosa, deverá ser tratado com soro antiofídico, porque este contém:  a) anticorpos específicos para as toxinas do veneno de cobra.  b) toxinas atenuadas do veneno de cobra que irão induzir a produção de anticorpos.  c) enzimas proteolíticas que irão destruir o veneno de cobra.  d) antígenos específicos que irão inibir a ação de toxinas do veneno de cobra. A primeira vacina foi criada no século XVIII por Edward Jenner e garantia proteção contra a varíola. O princípio utilizado nessa época é o mesmo utilizado nos dias atuais e baseia-se:  a) na aplicação de anticorpos contra a doença em pessoa saudável, garantindo sua imunização.  b) na aplicação de anticorpos contra a doença em pessoas doentes para garantir a sua cura.  c) na aplicação de antígenos causadores da doença em pessoa saudável, garantindo sua imunização.
  • 34. Características gerais dos Vírus:  Agentes causadores de infecções no homem, outros animais, vegetais e bactérias.  Sem metabolismo próprio.  Parasitas intracelulares obrigatórios.  Não se desenvolvem em ambientes extracelulares.
  • 35. Os vírus são seres vivos ou seres não-vivos? A Favor: 1. O fato dos vírus apresentarem reprodução; embora necessitem da ajuda da célula hospedeira para se reproduzirem; 2. A presença de material genético (DNA ou RNA), e consequentemente a capacidade de sofrerem mutação; 3. Capacidade de adaptação.
  • 36. Contra : 1. O fato dos vírus serem acelulares. 2. A ausência de metabolismo próprio,necessitando portanto, de constituintes celulares de outro organismo.
  • 37. BACTÉRIA x VÍRUS As bactérias e os vírus são os microrganismos que podem causar infecções. Bactérias As bactérias são micróbios que podem sobreviver no corpo humano, no ar, na água, no solo, …, mas não necessitam de células vivas para a sua sobrevivência. Os antibióticos podem, no entanto, matar essas bactérias, sendo assim capazes de salvar vidas. As bactérias causam doenças como: - Pneumonia; - Meningite; - Infecções das feridas; - Faringites e otites;
  • 38. Os vírus são muito menores que as bactérias e precisam de células humanas vivas para sobreviverem (como um parasita). Para se multiplicarem precisam de penetrar numa célula viva. . Os vírus causam doenças como: - Constipação; - Bronquite aguda; - Gripe; - A maioria das faringites e otites; - Sarampo; - Rubéola; - Hepatite viral; - SIDA;
  • 39. FIM!
  • 40. QUESTÕES 1 O soro e a vacina são substâncias que agem como imunizadores do organismo. A respeito desses produtos, marque a alternativa incorreta:  a) O soro é responsável por uma imunização passiva.  b) As vacinas estimulam o corpo a produzir anticorpos contra determinado antígeno.  c) As vacinas são produzidas injetando-se o antígeno em um animal, que passará a produzir anticorpos. Os anticorpos são posteriormente processados e podem ser usados em humanos.  d) Podemos dizer que a vacina é usada na prevenção, enquanto o soro é usado para curar. 2 Sabemos que as vacinas são capazes de estimular a produção de anticorpos pelo corpo, protegendo-nos, portanto, de doenças. Graças a essa capacidade, dizemos que as vacinas garantem-nos:  a) uma imunização passiva.  b) uma imunização imediata.  c) uma imunização prolongada.  d) uma imunização ativa.
  • 41. 3 Entre as alternativas a seguir, marque aquela que indica corretamente o motivo pelo qual os médicos fazem uso de soro em vez de vacina para tratar uma picada de cobra:  a) O soro é usado para tratar picada de cobra, pois garante que o corpo produza anticorpos contra o veneno nele injetado.  b) O soro deve ser aplicado porque possui anticorpos já prontos contra o antígeno, garantindo, assim, uma resposta mais rápida.  c) O soro deve ser usado apenas quando uma vacina não está disponível para uso.  d) Em caso de picada de cobra, o soro é usado porque garante uma imunização ativa do paciente. 4 A Campanha Nacional de Vacinação do Idoso, instituída pelo Ministério da Saúde do Brasil, vem-se revelando uma das mais abrangentes dirigidas à população dessa faixa etária. É correto afirmar que essas vacinas protegem porque  a) são constituídas de moléculas recombinantes.  b) contêm anticorpos específicos.  c) induzem resposta imunológica.  d) impedem mutações dos patógenos.