SlideShare uma empresa Scribd logo
História
9º ano
Unidade 10.1
Crise, ditadura e democracia
na década de 30
http://divulgacaohistoria.com/
2
Hegemonia económica dos EUA
Módulo 7, História A 3
A Grande Depressão
Depois de ultrapassadas as dificuldades provocadas pela
guerra, nos meados dos anos vinte viveu-se uma época de
prosperidade, sobretudo nos EUA;
4
No entanto essa prosperidade iria revelar-se muito frágil;
A população americana vivia do crédito e estava
profundamente endividada, inclusive recorriam a
empréstimos bancários para comprarem ações na Bolsa;
Existiam indústrias, sobretudo as mais tradicionais, como
a do carvão, construção ferroviária, têxteis e construção
naval que não tinham recuperado totalmente da crise de
1920/21;
Havia um desemprego crónico elevado (dois milhões nos
EUA) derivado da mecanização da indústria (desemprego
tecnológico);
5
6
A agricultura, em 1929, começava a dar sinais de
superprodução e a baixa de preços dos produtos agrícolas
começava a causar dificuldades a muitos agricultores;
A deflação dos preços dos produtos agrícolas começava,
em 1929, a refletir-se na baixa de consumo de produtos
industriais;
A especulação bolsista atingia níveis perigosos;
7
Uma grande parte das poupanças e do crédito
americano era aplicado na Bolsa em negócio
especulativos;
Em 1929, o índice geral das ações cotadas em Nova
Iorque ultrapassavam largamente a produção
industrial;
8
Em meados de outubro de 1929 são anunciados baixas de
lucros em muitas empresas fruto da superprodução;
O pânico instalou-se no dia 24 de outubro, quinta-feira
negra;
A 29 de outubro 16 milhões de títulos não conseguiram
ser transacionados;
Era o “crash de Wall Street”;
9
Nos meses seguintes centenas de milhares de acionistas
ficaram arruinados pois a ações que possuíam não valiam
nada ou valiam apenas uma ínfima fração do valor
porque tinham sido compradas;
Quinta-feira
negra em
Wall Street
10
Entre 1929 e 1933, faliram 10
mil bancos;
A falência dos bancos levou à
paralisação da economia (estava
baseada no crédito);
Muitas empresas abriram
falência;
O desemprego disparou, nos
EUA, atinge os 12 milhões em
1932;
11
Famílias inteiras são lançadas na miséria;
Muitos vagueiam pelos EUA à procura de empregos
que não existem;
Mesmo entre os que ainda estão empregados a baixa
dos salários é generalizada;
Os desempregados ofereciam-se para trabalhar por
salários irrisórios;
12
A mundialização da crise
13
14
A Grande Depressão começou nos EUA mas propagou-se
rapidamente:
Aos países fornecedores de matérias-primas (América do
Sul, Austrália , Índia, etc.;
Aos países dependentes do crédito americano: Alemanha,
Áustria;
A todos os países do mundo capitalista;
Os EUA retiraram grande parte dos capitais investidos na
Europa o que provocou a falência de muitos bancos
europeus;
15
A crise das democracias. Os princípios defendidos pelo
fascismo
No início do século XX muitos países tinham um regime
demoliberal;
Era um regime político onde a liberdade dos cidadãos, a
igualdade perante a lei e a divisão dos poderes do
estado estava assegurada;
O fim da Primeira Guerra Mundial provocou o fim dos
Impérios Russo, Austro-Húngaro e Alemão;
16
Mas com o decorrer dos Anos Vinte os regimes
totalitários vão prevalecer;
Regime totalitário – são os regimes em que o Estado é
um valor absoluto e sobrepõe-se aos direitos individuais
dos indivíduos. Ao Estado compete dirigir todas as
atividades económicas, sociais, políticas e culturais;
São regimes de partido único;
Toda a Nação é subordinada à ideologia do partido;
17
Módulo 7, História A 18
Na Rússia instalou-se um regime autoritário e totalitário
com a aplicação da ideologia marxista-leninista;
Na Itália e na Alemanha pontificaram regimes da cariz
fascista e nazi;
Em muitos outros países europeus, entre os quais
Portugal, surgem governos de extrema-direita que impõe
regimes de partido único e de perseguição a todos os
opositores do regime;
19
Os fascismos
O estado totalitário fascista opõe-se:
Aos direitos individuais dos cidadãos, nomeadamente ao
princípio da liberdade, o indivíduo tem de se submeter
aos interesses do Estado;
O princípio da igualdade de nascimento. Segundo os
princípios fascistas e nazis, umas raças nascem para
mandar outras para obedecer;
A democracia e o parlamento que são considerados
regimes fracos e incapazes de defender os superiores
interesses do Estado;
Módulo 7, História A 20
Os regimes totalitários defendem:
Partido único;
O culto do chefe, é o guia e o salvador da Pátria;
Negação da separação dos poderes do Estado;
O chefe tem o poder absoluto;
Ultranacionalismo e imperialismo. A Nação é um bem e
um valor e supremos e as outras nações devem-se
submeter;
Militarismo e culto da violência e da força. Exaltação da
guerra e dos conflitos;
21
O autoritarismo do Estado;
Regimes de ditadura e de
opressão;
Estado policial;
A criação de um regime
corporativo;
Não existe luta de classes e
por isso patrões e operários
cooperam;
História 9º ano 22
Autarcia. A Nação deve ser autossuficiente;
Criação de um homem novo. Deve ser corajoso e
desprovido de qualquer espírito crítico. Deve acreditar no
regime, obedecer e combater;
A mulher tem apenas a função de obedecer ao marido e
realizar as tarefas domésticas;
Módulo 7, História A 23
Corporativismo – forma de organização da sociedade e da
economia que aceita a propriedade privada, mas sobre a
égide do estado.
São constituídas organizações profissionais (corporações)
constituídas por patrões e operários onde se conciliam
todos os interesses com os interesses do Estado;
Módulo 7, História A 24
Fascismo – Sistema político instaurado em Itália, por
Benito Mussolini, em 1922.
Ditadura, totalitária e opressiva. Todas as liberdades
individuais foram suprimidas. Defende a supremacia do
estado, o nacionalismo, o imperialismo, o corporativismo,
o culto do chefe.
O termo fascista designa também todos os regimes
totalitários de direita.
Módulo 7, História A 25
Nazismo – Sistema político instaurado por Hitler na
Alemanha, em 1933. Para além dos princípios ideológicos
do fascismo, o nazismo acrescentou um racismo violento,
e a crença na existência de uma raça superior, a ariana, à
qual competia dominar o Mundo;
26
Mussolini sintetizou a ideologia fascista nesta afirmação:
“Tudo no Estado, nada contra o Estado, nada fora do
Estado”;
O fascismo parte da ideia que os homens não são iguais,
e a governação deve pertencer aos melhores, a elite;
As escolhas não devem ser baseadas na escolha
democrática;
O fascismo e o nazismo promovem a figura do chefe
(Duce – Itália, Füher – Alemanha);
27
O chefe é o representante da Nação, deve ser seguido
sem hesitação, é o herói;
Surge o culto do chefe baseado numa hábil propaganda
política;
Ao chefe compete guiar os destinos da nação;
28
Todos deviam ser submissos aos interesses da nação que
eram interpretados pelo chefe;
A obediência cega das massas era um elemento
fundamental da ideologia fascista, para isso as crianças
eram educadas nos ideais desde muito cedo, elas
pertenciam ao Estado mais do que às famílias;
29
Na escola completava-se esta educação através de
programas e manuais escolares controlados pelo regime;
30
Na Alemanha o Ministério da
Cultura e da Propaganda, liderado
Josef Goebbels, desempenhou um
papel fundamental na
catequização do povo alemão;
O rádio e o cinema foram utilizados
massivamente (pela primeira vez)
para propagandear o regime;
Os discursos e a propaganda do
regime chegava a todo o lado da
Alemanha;
Módulo 7, História A 31
Por outro lado são proibidos livros, mesmo livros
científicos. São organizadas cerimónias de queima de
livros;
Toda a leitura que não seja uma afirmação do Nacional
Socialismo é proibida e destruída;
32
O culto da força e da violência e a negação dos direitos
humanos
Para além da propaganda estes regimes exerceram uma
forte repressão policial sobre a sociedade;
Esta violência era exercida pelas milícias armadas (SA e
SS) e pela polícia política (Gestapo);
Os regimes fascista e nazi cultivam a violência, segundo
os seus ideais é na guerra que os povos podem mostrar a
sua coragem e qualidades. O tempo de paz é prejudicial e
afeta a capacidade guerreira dos povos;
33
Após atingir o poder em 1933, os nazis criam a Gestapo,
uma polícia política;
Cria-se na sociedade alemã um clima de suspeição e de
medo;
Em 1933 surgem os primeiros campos de concentração;
34
A violência racista
Hitler fazia uma interpretação
Darwinista da História, ou seja, esta
era uma luta pela sobrevivência dos
mais fortes;
Os mais fortes eram os arianos que
eram superiores a todos os outros
povos;
Em 1923, Hitler, antigo cabo na
Primeira Guerra Mundial, escreveu o
livro “Mein Kampf” (A Minha Luta)
onde defendia as suas ideias;
35
Os judeus deixam de poder exercer qualquer profissão e
de frequentar lugares públicos, são obrigados a usar uma
estrela amarela que os identificava como judeus;
Módulo 7, História A 36
Em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, os líderes
nazis organizaram a Conferência de Wannsee, onde foi
decidido levar a cabo o extermínio sistemático dos judeus,
nascia a “solução final para o problema judaico”;
37
Os judeus foram encurralados em guetos e depois
enviados para campos de concentração;
Foram campos de morte, onde os prisioneiros (judeus,
eslavos, inimigos políticos, homossexuais, etc.) foram
sujeitos a trabalhos forçados e a condições sanitárias e de
alimentação péssimas.
Muitos morreram de inanição, milhões foram mortos nas
câmara de gás;
Módulo 7, História A 38
39
Portugal: O Estado Novo
No dia 28 de maio de 1926 um golpe de estado militar pôs
fim à Primeira República e instituiu uma ditadura militar
que se vai manter no poder até 1932-33;
Os sucessivos governos não conseguiram “regenerar a
pátria” e a situação económica continuava a degradar-se;
Os militares revelavam uma grande impreparação para
governarem o país;
Em 1928, um professor de Finanças e Economia Política
da Universidade de Coimbra é convidado para ministro
das Finanças;
40
Salazar aceitou o convite mas impôs que seria ele
superintender as despesas de todos os ministérios;
Levou a cabo uma política austeridade e de forte
contenção das despesas públicas e aumentou
gradualmente os impostos;
Conseguiu apresentar um saldo positivo no Orçamento,
o que foi logo apelidado de “milagre”;
Em 1932, é nomeado para a chefia do governo e chama
para os diversos ministérios personalidades
conservadoras da sua total confiança;
41
O objetivo central de Salazar era instituir uma nova
ordem política;
Em 1930 é criada a União Nacional (único partido legal);
Ainda nesse ano foi publicado o Ato Colonial
que determinava que conjunto dos territórios
possuídos pelos portugueses passaram a denominar-
se Império Colonial Português.
Módulo 7, História A 42
Em 1933 é aprovada, em
plebiscito, uma nova
Constituição.
Módulo 7, História A 43
A Constituição de 1933 atribuiu vastos poderes ao Presidente da
República e, sobretudo, ao Presidente do Conselho de Ministros;
O Presidente do Conselho de Ministro podia nomear e exonerar
ministros, promulgar leis através de decretos-leis, e inclusive vetar
as decisões do Presidente da República;
A Assembleia Nacional limitava-se a aprovar as propostas de lei
enviadas pelo governo;
Salazar foi transformado na figura do chefe providencial que tinha
salvo Portugal da bancarrota, era o “Salvador da Pátria”;
Módulo 7, História A 44
O Estado Novo é um regime fortemente conservador e autoritário,
que se aproximou das conceções fascistas do Estado italiano;
O Estado Novo rejeitou o sistema democrático e parlamentar;
O poder executivo era detido pelo Presidente da República mas o
verdadeiro poder era exercido pelo governo, na pessoa do seu
chefe, o Presidente do Conselho de Ministros (cargo ocupado por
Salazar);
Módulo 7, História A 45
O chefe era o interprete do
superior interesse da nação;
Salazar era apresentado como o
“Salvador da Pátria”;
Era a figura central do regime e
existia um culto da
personalidade.
Módulo 7, História A 46
O Estado Novo português distinguiu-se dos outros fascismos pelo
seu carácter conservador e tradicionalista;
O seus valores fundamentais eram Deus, Pátria, Família,
Autoridade, Paz Social, Hierarquia, Moralidade e Austeridade;
47
A sociedade industrial e urbana
era considerada a fonte de todos
os vícios e por isso exaltava-se o
mundo rural como exemplo de
virtude e de moralidade;
A religião católica é definida
como a religião da Nação
portuguesa;
A mulher tinha um papel passivo
na sociedade. A mulher ideal era
uma esposa carinhosa e
submissa e uma mãe sacrificada
e virtuosa;
Módulo 7, História A 48
A família ideal portuguesa era
católica, de moralidade austera,
repudiava os vícios da vida urbana;
A mulher não deveria trabalhar fora
de casa, o seu papel era de dona de
casa;
O trabalho fora de casa da mulher era
entendido como uma ameaça à
estabilidade do lar;
Módulo 7, História A 49
O Estado Novo exaltou o nacionalismo;
Um dos slogans mais repetidos era “Tudo pela Nação, nada contra
a Nação”;
Portugal era uma Nação de heróis, do “Minho a Timor”. A História
demonstrava a grandeza da Nação portuguesa;
Os Descobrimentos determinaram que Portugal tivesse
desempenhado um papel evangelizador e civilizacional notáveis,
na ótica salazarista;
Outro aspeto sublinhado pelo regime era a “perfeita integração
racial” dos povos no Império português;
Módulo 7, História A 50
A Escola desempenhou um
papel fundamental na
transmissão dos valores do
Estado Novo;
Módulo 7, História A 51
O ensino foi controlado. Os professores
que não eram adeptos do regime foram
expulsos;
Os manuais escolares eram únicos e
controlados pelo regime;
Módulo 7, História A 52
Em 1936 foi criada a Legião Portuguesa, era uma
milícia do regime, os seus membros tinham
treino militar;
No mesmo ano é criada a Mocidade Portuguesa,
todos os alunos do ensino primário e secundário
tinham de se inscrever, o objetivo era catequizar
a juventude no ideário do regime;
Módulo 7, História A 53
O aparelho repressivo do Estado
Como todos os regimes ditatoriais o Estado Novo criou um
aparelho repressivo com o objetivo de se manter no poder;
Módulo 7, História A 54
Foi criada uma Censura Prévia para os media, livros, cinema, rádio,
televisão, ou seja para todas as publicações portuguesas, o objetivo
era controlar o que os portugueses poderiam conhecer e saber;
Em 1933 foi criada uma polícia política, Polícia de Vigilância e de
Defesa do Estado (PVDE), rebatizada em 1945 de Polícia
Internacional de Defesa do Estado (PIDE) e 1969 passou a chamar-
se Direção Geral de Segurança (DGS);
Módulo 7, História A 55
O “milagre financeiro” de Salazar consistiu na prática em aumento
de impostos:
Vários impostos denominados de “salvação nacional” sobre os
funcionários públicos, sobre vários produtos (gasolina, açúcar,
etc.);
Imposto complementar sobre os rendimentos;
Imposto sobre os rendimentos das profissões liberais;
Revisão da contribuição predial e industrial;
Aumento das taxas alfandegárias;
Módulo 7, História A 56
A política colonial
57
Para o Estado Novo as colónias eram um elemento fundamental
para a política de nacionalismo económico e ao mesmo tempo
eram um meio de fomentar o orgulho nacionalista;
Serviam para escoar os produtos portugueses e forneciam matérias-
primas a baixo custo;
Eram um dos temas da propaganda do regime, enaltecendo a
coragem dos Descobrimentos portugueses e louvando a missão
civilizadora de Portugal no Ultramar;
58
59
Exposição do Mundo Português
https://www.youtube.c
om/watch?v=2QdO6sX
EoTI
Almeida, Padrão dos Descobrimentos, 1940
60
Leopoldo de Almeida (1898-1975), a sua obra mais marcante,
histórica e nacionalista foi o “Padrão dos Descobrimentos”;
61
2.2.2 O estalinismo
Em janeiro de 1924 morre Lenine.
A sua morte levou a uma luta pelo
poder no Partido Comunista da
qual saiu vencedor Josef Estaline
(1879-1953);
Os seus principais opositores
tinham sido Trotsky (ala esquerda)
e Zinoviev, Kamenev e Boukharine
(ala direita);
Até à sua morte em 1953, Estaline
será o chefe incontestado do
Partido e da URSS;
62
A sua tese defendia que a revolução devia ser consolidada na URSS,
contrária à de Trotsky que defendia a imediata internacionalização
da revolução proletária;
Após tomar o poder passou a controlá-lo de forma absoluta;
A sua política foi orientada para a transformação da URSS numa
potência mundial;
Em 1928 interrompeu a NEP e nacionalizou todos os setores da
economia soviética;
A coletivização e planificação da economia e a instauração de um
Estado totalitário foram as estratégias de Estaline;
63
A partir de 1929 a coletivização dos campos foi acelerada, pois era
considerada fundamental para libertar mão de obra para a
indústria;
Os kulaks (proprietários rurais) foram violentamente afastados das
suas terras. Cerca de 3 milhões foram executados ou enviados para
o “gulag” na Sibéria;
Gulag - um sistema de campos de
trabalhos forçados para criminosos,
presos políticos e qualquer cidadão
em geral que se opusesse ao regime
da União Soviética. Muitos
prisioneiros foram utilizados nas
grandes obras públicas;
64
A produção industrial desenvolveu-se segundo uma rigorosa
planificação;
Foram estabelecidos planos quinquenais (metas para 5 anos);
Os planos quinquenais elevaram a URSS ao estatuto de terceira
potência mundial, atrás dos EUA e da Alemanha;
65
O sucesso dos planos quinquenais
demonstraram a autoridade do poder
central, e só foi possível por:
Ter sido instaurada uma disciplina
severa, com a imposição de trabalhos
forçados;
Deportação em massa de trabalhadores
para onde eram necessários;
Instituição de prémios para os melhores
trabalhadores, por vezes erigidos à
categoria de heróis nacionais;
Fortes campanhas de propaganda onde
foi estabelecido o culto a Estaline;
66
Desde que assumiu o poder, em 1924, Estaline perseguiu todos os
que podiam fazer-lhe frente, inclusive dentro do próprio Partido
Comunista, eliminou todos os potenciais concorrentes;
Trotsky fugiu e muitos outros dirigentes foram presos e
condenados à morte em julgamentos encenados;
67
As regiões foram submetidas à russificação;
As liberdades individuais foram completamente suspensas;
A juventude era obrigada a aderir aos Pioneiros e depois à
Juventude Comunista;
Os sindicatos eram controlados pelo Partido Comunista;
História 9º ano 68
Para as eleições para os sovietes só se podiam apresentar
candidatos sancionados pelo Partido;
Toda a economia era centralizada através da coletivização e da
planificação;
A produção cultural foi submetida à censura, e tinha o papel de
engrandecer o chefe, a Nação e o Partido;
69
Os partido foi sendo expurgado dos dirigentes do tempo de Lenine;
O Partido Comunista foi-se transformando num partido de
quadros, jovens funcionários, que obedeciam cegamente a
Estaline;
É criada a NKVD, em 1934, a polícia política que substituiu a
Tcheca, em 1954 passará a ter o nome de KGB;
A crítica não é tolerada, mais de 2 milhões de cidadãos são
enviados para o “gulag” e 700 mil são executados;
Nem os membros do Partido e do Exército Vermelho escapam a
esta vaga repressiva, grande parte dos comandantes dos exército
foram mortos;
70
O New Deal
Em 1932 foi eleito um novo
presidente nos EUA, Franklin
Delano Roosevelt (1882-1945);
Influenciado pelas teorias de
Keynes, Roosevelt propôs-se
acabar com a crise nos Estados
Unidos;
Desenvolveu um plano, em duas
fases, de intervencionismo do
Estado que ficou conhecido por
“New Deal”;
71
Primeira fase (1933-34) – são estabelecidas como metas o
relançamento da economia e a luta contra o desemprego e a
miséria, isto é, ultrapassar os efeitos da crise;
72
Desenvolveu uma política de construção de grandes obras públicas
para combater o desemprego e promover o desenvolvimentos de
setores estruturantes da economia(construção de estradas,
barragens, aeroportos, habitações, escolas, etc.;
73
Segunda fase (1935-38) – Teve um cunho social, foi a construção do
Welfare State (Estado Social ou Estado Providência);
Restabelece a liberdade sindical e o direito à greve;
Estabeleceu a reforma por velhice e invalidez,
Institui o fundo de desemprego e o auxílio aos pobres;
Estabeleceu o salário mínimo e reduziu o horário de trabalho para
44 horas semanais;
História 9º ano 74
Estas medidas levaram ao aumento do poder de compra e ao
desenvolvimento da economia americana;
O Estado americano assumiu os ideais do Estado Providência na
qual o governo tem o papel de promover a segurança social de
modo a promover a felicidade e bem-estar dos seus cidadãos;
75
A Grã-Bretanha
A Inglaterra foi um dos países onde a crise de 1929 mais se sentiu;
Inspirados pelo New Deal americano desenvolveram uma política
intervencionista do Estado;
Desenvolveram uma política protecionista de promoção dos
produtos nacionais e de reforçar as relações com os países da
Commonwealth;
Criaram também o Estado Providência;
76
Os governos da Frente Popular
Nalguns países o avanço da extrema-direita levou à criação de
governos de coligação das forças democráticas desde o centro até à
esquerda mais radical, eram os governos de Frente Popular;
França:
A França, nos inícios dos anos 30, continuava a revelar grandes
dificuldades para ultrapassar a crise devido à insistência dos
governos de praticarem políticas deflacionistas;
A oposição de esquerda reivindicava a aplicação de medidas
keynesianas e a extrema-direita clamava por um governo mais
autoritário;
77
Perante a ameaça da extrema-direita formou-se uma coligação que
integrou os partidos comunista, socialista e radical;
Apresentaram-se às eleições de 1936 que venceram, com o lema
“pelo pão, pela paz e pela liberdade”;
Os governos da Frente Popular, dirigidos pelo socialista, Léon Blum,
ocuparam o poder entre 1936 e 1938, os comunistas não
participaram nesses governos;
Desenvolveram uma política de forte intervencionismo do Estado;
História 9º ano 78
Módulo 7, História A 79
Desvalorizaram a moeda francesa (franco) e tabelaram os preços de
alguns produtos essenciais;
Nacionalizaram o Banco de França e algumas dos setores industriais
fundamentais, como os transportes e o fabrico de armamento;
Desenvolveram a legislação social: criação de contratos coletivos de
trabalho, legalização dos sindicatos, aumentos salariais, redução do
horário de trabalho para 40 horas semanais e o direito dos
trabalhadores gozarem anualmente 15 dias de férias pagas;
80
Espanha:
Em fevereiro de 1936, triunfou nas eleições uma Frente Popular
(socialistas, comunistas, anarquistas e sindicatos operários);
Promulgaram legislação de caráter social e reformista:
separação entre a Igreja e o estado,
direito à greve, direito ao divórcio,
laicização do ensino,
direito à ocupação de terras não cultivadas,
aumento dos salários
e reconhecimento da autonomia do País Basco e da Catalunha;
81
Estas medidas provocaram a reação dos mais conservadores;
É constituída uma Frente Nacional que agrupava conservadores,
monárquicos e falangistas (fascistas);
Um levantamento militar chefiado pelo general Francisco Franco vai
mergulhar a Espanha numa violenta guerra civil entre 1936 e 1939;
Os franquistas (apoiantes do general Franco) tiveram o apoio militar
da Alemanha nazi e da Itália fascista e vão vencer a guerra;
Em 1939 inicia-se a ditadura franquista que irá perdurar até 1976;
Módulo 7, História A 82
Imagens da cidade basca de
Guernica, destruída pela
aviação alemã durante a
guerra civil espanhola;
Quadro pintado por Pablo
Picasso denominado
“Guernica” onde se denuncia
a destruição da cidade.
83
Bibliografia:
Apresentação construída com base nos livros:
Oliveira, Ana Rodrigues e outros, O fio da História, Texto
Editora
Neto, Helena e outros, História 9, Editora Santillana, 2014
Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M.,
História 9, Raiz Editora, 2012
Amaral, Cláudia e outros, História sobre Investigação,
Porto Editora, 2023

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºanoOs regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
HizqeelMajoka
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
Vítor Santos
 
O Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das DitadurasO Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das Ditaduras
Rainha Maga
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
João Lima
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
Vítor Santos
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
Teresa Maia
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
Vítor Santos
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
Vítor Santos
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Susana Simões
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
home
 
Crise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da MonarquiaCrise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da Monarquia
Sílvia Mendonça
 
Princípios do nazismo
Princípios do nazismoPrincípios do nazismo
Princípios do nazismo
Susana Simões
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
Carlos Vieira
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
Maria Gomes
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
Jorge Almeida
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
cattonia
 

Mais procurados (20)

Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºanoOs regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
Os regimes fascista e nazi - Resumo - 9ºano
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
O Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das DitadurasO Tempo Das Ditaduras
O Tempo Das Ditaduras
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra Mundial
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
Crise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da MonarquiaCrise E Queda Da Monarquia
Crise E Queda Da Monarquia
 
Princípios do nazismo
Princípios do nazismoPrincípios do nazismo
Princípios do nazismo
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 

Semelhante a 10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf

Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano
7 de Setembro
 
Regimes Totalitários
Regimes TotalitáriosRegimes Totalitários
Regimes Totalitários
Робертта Чиба
 
Regimes Totalitários
Regimes TotalitáriosRegimes Totalitários
Regimes Totalitários
Робертта Чиба
 
Nazismo
NazismoNazismo
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
MargarethFranklim
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
MargarethFranklim
 
Slide nazismo
Slide nazismoSlide nazismo
Slide nazismo
Isabel Aguiar
 
Periodo Entre Guerras
Periodo Entre Guerras Periodo Entre Guerras
Periodo Entre Guerras
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Rita Quaresma Avellar
 
Slide totalitarismo
Slide totalitarismoSlide totalitarismo
Slide totalitarismo
aygres
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
Jorge Almeida
 
Projeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e Democracia
Projeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e DemocraciaProjeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e Democracia
Projeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e Democracia
Valter Gomes
 
A GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptx
A GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptxA GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptx
A GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptx
profcarlitto
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Joana Melazzo
 
Entreguerras
EntreguerrasEntreguerras
Nazismo
NazismoNazismo
A crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitarios
A crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitariosA crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitarios
A crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitarios
guest528425b
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
jbmaxdesigner
 
Sit 4 vol 1 regimes totalitarismos
Sit 4 vol 1   regimes totalitarismosSit 4 vol 1   regimes totalitarismos
Sit 4 vol 1 regimes totalitarismos
AprendendoHistoriacomNemeis
 
Hist doc 9.2
Hist doc 9.2Hist doc 9.2
Hist doc 9.2
bleckmouth
 

Semelhante a 10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf (20)

Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano
 
Regimes Totalitários
Regimes TotalitáriosRegimes Totalitários
Regimes Totalitários
 
Regimes Totalitários
Regimes TotalitáriosRegimes Totalitários
Regimes Totalitários
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Slide nazismo
Slide nazismoSlide nazismo
Slide nazismo
 
Periodo Entre Guerras
Periodo Entre Guerras Periodo Entre Guerras
Periodo Entre Guerras
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Slide totalitarismo
Slide totalitarismoSlide totalitarismo
Slide totalitarismo
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
 
Projeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e Democracia
Projeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e DemocraciaProjeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e Democracia
Projeto atrás dos fatos - Direitos Humanos, Cidadania e Democracia
 
A GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptx
A GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptxA GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptx
A GRANDE DEPRESSÃO 9 ANOOOOOOOOOOOO.pptx
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Entreguerras
EntreguerrasEntreguerras
Entreguerras
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
A crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitarios
A crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitariosA crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitarios
A crise-do-capitalismo-e-os-regimes-totalitarios
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
Sit 4 vol 1 regimes totalitarismos
Sit 4 vol 1   regimes totalitarismosSit 4 vol 1   regimes totalitarismos
Sit 4 vol 1 regimes totalitarismos
 
Hist doc 9.2
Hist doc 9.2Hist doc 9.2
Hist doc 9.2
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 

Último

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 

10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf

  • 1. História 9º ano Unidade 10.1 Crise, ditadura e democracia na década de 30 http://divulgacaohistoria.com/
  • 3. Módulo 7, História A 3 A Grande Depressão Depois de ultrapassadas as dificuldades provocadas pela guerra, nos meados dos anos vinte viveu-se uma época de prosperidade, sobretudo nos EUA;
  • 4. 4 No entanto essa prosperidade iria revelar-se muito frágil; A população americana vivia do crédito e estava profundamente endividada, inclusive recorriam a empréstimos bancários para comprarem ações na Bolsa; Existiam indústrias, sobretudo as mais tradicionais, como a do carvão, construção ferroviária, têxteis e construção naval que não tinham recuperado totalmente da crise de 1920/21; Havia um desemprego crónico elevado (dois milhões nos EUA) derivado da mecanização da indústria (desemprego tecnológico);
  • 5. 5
  • 6. 6 A agricultura, em 1929, começava a dar sinais de superprodução e a baixa de preços dos produtos agrícolas começava a causar dificuldades a muitos agricultores; A deflação dos preços dos produtos agrícolas começava, em 1929, a refletir-se na baixa de consumo de produtos industriais; A especulação bolsista atingia níveis perigosos;
  • 7. 7 Uma grande parte das poupanças e do crédito americano era aplicado na Bolsa em negócio especulativos; Em 1929, o índice geral das ações cotadas em Nova Iorque ultrapassavam largamente a produção industrial;
  • 8. 8 Em meados de outubro de 1929 são anunciados baixas de lucros em muitas empresas fruto da superprodução; O pânico instalou-se no dia 24 de outubro, quinta-feira negra; A 29 de outubro 16 milhões de títulos não conseguiram ser transacionados; Era o “crash de Wall Street”;
  • 9. 9 Nos meses seguintes centenas de milhares de acionistas ficaram arruinados pois a ações que possuíam não valiam nada ou valiam apenas uma ínfima fração do valor porque tinham sido compradas; Quinta-feira negra em Wall Street
  • 10. 10 Entre 1929 e 1933, faliram 10 mil bancos; A falência dos bancos levou à paralisação da economia (estava baseada no crédito); Muitas empresas abriram falência; O desemprego disparou, nos EUA, atinge os 12 milhões em 1932;
  • 11. 11 Famílias inteiras são lançadas na miséria; Muitos vagueiam pelos EUA à procura de empregos que não existem; Mesmo entre os que ainda estão empregados a baixa dos salários é generalizada; Os desempregados ofereciam-se para trabalhar por salários irrisórios;
  • 13. 13
  • 14. 14 A Grande Depressão começou nos EUA mas propagou-se rapidamente: Aos países fornecedores de matérias-primas (América do Sul, Austrália , Índia, etc.; Aos países dependentes do crédito americano: Alemanha, Áustria; A todos os países do mundo capitalista; Os EUA retiraram grande parte dos capitais investidos na Europa o que provocou a falência de muitos bancos europeus;
  • 15. 15 A crise das democracias. Os princípios defendidos pelo fascismo No início do século XX muitos países tinham um regime demoliberal; Era um regime político onde a liberdade dos cidadãos, a igualdade perante a lei e a divisão dos poderes do estado estava assegurada; O fim da Primeira Guerra Mundial provocou o fim dos Impérios Russo, Austro-Húngaro e Alemão;
  • 16. 16 Mas com o decorrer dos Anos Vinte os regimes totalitários vão prevalecer; Regime totalitário – são os regimes em que o Estado é um valor absoluto e sobrepõe-se aos direitos individuais dos indivíduos. Ao Estado compete dirigir todas as atividades económicas, sociais, políticas e culturais; São regimes de partido único; Toda a Nação é subordinada à ideologia do partido;
  • 17. 17
  • 18. Módulo 7, História A 18 Na Rússia instalou-se um regime autoritário e totalitário com a aplicação da ideologia marxista-leninista; Na Itália e na Alemanha pontificaram regimes da cariz fascista e nazi; Em muitos outros países europeus, entre os quais Portugal, surgem governos de extrema-direita que impõe regimes de partido único e de perseguição a todos os opositores do regime;
  • 19. 19 Os fascismos O estado totalitário fascista opõe-se: Aos direitos individuais dos cidadãos, nomeadamente ao princípio da liberdade, o indivíduo tem de se submeter aos interesses do Estado; O princípio da igualdade de nascimento. Segundo os princípios fascistas e nazis, umas raças nascem para mandar outras para obedecer; A democracia e o parlamento que são considerados regimes fracos e incapazes de defender os superiores interesses do Estado;
  • 20. Módulo 7, História A 20 Os regimes totalitários defendem: Partido único; O culto do chefe, é o guia e o salvador da Pátria; Negação da separação dos poderes do Estado; O chefe tem o poder absoluto; Ultranacionalismo e imperialismo. A Nação é um bem e um valor e supremos e as outras nações devem-se submeter; Militarismo e culto da violência e da força. Exaltação da guerra e dos conflitos;
  • 21. 21 O autoritarismo do Estado; Regimes de ditadura e de opressão; Estado policial; A criação de um regime corporativo; Não existe luta de classes e por isso patrões e operários cooperam;
  • 22. História 9º ano 22 Autarcia. A Nação deve ser autossuficiente; Criação de um homem novo. Deve ser corajoso e desprovido de qualquer espírito crítico. Deve acreditar no regime, obedecer e combater; A mulher tem apenas a função de obedecer ao marido e realizar as tarefas domésticas;
  • 23. Módulo 7, História A 23 Corporativismo – forma de organização da sociedade e da economia que aceita a propriedade privada, mas sobre a égide do estado. São constituídas organizações profissionais (corporações) constituídas por patrões e operários onde se conciliam todos os interesses com os interesses do Estado;
  • 24. Módulo 7, História A 24 Fascismo – Sistema político instaurado em Itália, por Benito Mussolini, em 1922. Ditadura, totalitária e opressiva. Todas as liberdades individuais foram suprimidas. Defende a supremacia do estado, o nacionalismo, o imperialismo, o corporativismo, o culto do chefe. O termo fascista designa também todos os regimes totalitários de direita.
  • 25. Módulo 7, História A 25 Nazismo – Sistema político instaurado por Hitler na Alemanha, em 1933. Para além dos princípios ideológicos do fascismo, o nazismo acrescentou um racismo violento, e a crença na existência de uma raça superior, a ariana, à qual competia dominar o Mundo;
  • 26. 26 Mussolini sintetizou a ideologia fascista nesta afirmação: “Tudo no Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado”; O fascismo parte da ideia que os homens não são iguais, e a governação deve pertencer aos melhores, a elite; As escolhas não devem ser baseadas na escolha democrática; O fascismo e o nazismo promovem a figura do chefe (Duce – Itália, Füher – Alemanha);
  • 27. 27 O chefe é o representante da Nação, deve ser seguido sem hesitação, é o herói; Surge o culto do chefe baseado numa hábil propaganda política; Ao chefe compete guiar os destinos da nação;
  • 28. 28 Todos deviam ser submissos aos interesses da nação que eram interpretados pelo chefe; A obediência cega das massas era um elemento fundamental da ideologia fascista, para isso as crianças eram educadas nos ideais desde muito cedo, elas pertenciam ao Estado mais do que às famílias;
  • 29. 29 Na escola completava-se esta educação através de programas e manuais escolares controlados pelo regime;
  • 30. 30 Na Alemanha o Ministério da Cultura e da Propaganda, liderado Josef Goebbels, desempenhou um papel fundamental na catequização do povo alemão; O rádio e o cinema foram utilizados massivamente (pela primeira vez) para propagandear o regime; Os discursos e a propaganda do regime chegava a todo o lado da Alemanha;
  • 31. Módulo 7, História A 31 Por outro lado são proibidos livros, mesmo livros científicos. São organizadas cerimónias de queima de livros; Toda a leitura que não seja uma afirmação do Nacional Socialismo é proibida e destruída;
  • 32. 32 O culto da força e da violência e a negação dos direitos humanos Para além da propaganda estes regimes exerceram uma forte repressão policial sobre a sociedade; Esta violência era exercida pelas milícias armadas (SA e SS) e pela polícia política (Gestapo); Os regimes fascista e nazi cultivam a violência, segundo os seus ideais é na guerra que os povos podem mostrar a sua coragem e qualidades. O tempo de paz é prejudicial e afeta a capacidade guerreira dos povos;
  • 33. 33 Após atingir o poder em 1933, os nazis criam a Gestapo, uma polícia política; Cria-se na sociedade alemã um clima de suspeição e de medo; Em 1933 surgem os primeiros campos de concentração;
  • 34. 34 A violência racista Hitler fazia uma interpretação Darwinista da História, ou seja, esta era uma luta pela sobrevivência dos mais fortes; Os mais fortes eram os arianos que eram superiores a todos os outros povos; Em 1923, Hitler, antigo cabo na Primeira Guerra Mundial, escreveu o livro “Mein Kampf” (A Minha Luta) onde defendia as suas ideias;
  • 35. 35 Os judeus deixam de poder exercer qualquer profissão e de frequentar lugares públicos, são obrigados a usar uma estrela amarela que os identificava como judeus;
  • 36. Módulo 7, História A 36 Em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, os líderes nazis organizaram a Conferência de Wannsee, onde foi decidido levar a cabo o extermínio sistemático dos judeus, nascia a “solução final para o problema judaico”;
  • 37. 37 Os judeus foram encurralados em guetos e depois enviados para campos de concentração; Foram campos de morte, onde os prisioneiros (judeus, eslavos, inimigos políticos, homossexuais, etc.) foram sujeitos a trabalhos forçados e a condições sanitárias e de alimentação péssimas. Muitos morreram de inanição, milhões foram mortos nas câmara de gás;
  • 39. 39 Portugal: O Estado Novo No dia 28 de maio de 1926 um golpe de estado militar pôs fim à Primeira República e instituiu uma ditadura militar que se vai manter no poder até 1932-33; Os sucessivos governos não conseguiram “regenerar a pátria” e a situação económica continuava a degradar-se; Os militares revelavam uma grande impreparação para governarem o país; Em 1928, um professor de Finanças e Economia Política da Universidade de Coimbra é convidado para ministro das Finanças;
  • 40. 40 Salazar aceitou o convite mas impôs que seria ele superintender as despesas de todos os ministérios; Levou a cabo uma política austeridade e de forte contenção das despesas públicas e aumentou gradualmente os impostos; Conseguiu apresentar um saldo positivo no Orçamento, o que foi logo apelidado de “milagre”; Em 1932, é nomeado para a chefia do governo e chama para os diversos ministérios personalidades conservadoras da sua total confiança;
  • 41. 41 O objetivo central de Salazar era instituir uma nova ordem política; Em 1930 é criada a União Nacional (único partido legal); Ainda nesse ano foi publicado o Ato Colonial que determinava que conjunto dos territórios possuídos pelos portugueses passaram a denominar- se Império Colonial Português.
  • 42. Módulo 7, História A 42 Em 1933 é aprovada, em plebiscito, uma nova Constituição.
  • 43. Módulo 7, História A 43 A Constituição de 1933 atribuiu vastos poderes ao Presidente da República e, sobretudo, ao Presidente do Conselho de Ministros; O Presidente do Conselho de Ministro podia nomear e exonerar ministros, promulgar leis através de decretos-leis, e inclusive vetar as decisões do Presidente da República; A Assembleia Nacional limitava-se a aprovar as propostas de lei enviadas pelo governo; Salazar foi transformado na figura do chefe providencial que tinha salvo Portugal da bancarrota, era o “Salvador da Pátria”;
  • 44. Módulo 7, História A 44 O Estado Novo é um regime fortemente conservador e autoritário, que se aproximou das conceções fascistas do Estado italiano; O Estado Novo rejeitou o sistema democrático e parlamentar; O poder executivo era detido pelo Presidente da República mas o verdadeiro poder era exercido pelo governo, na pessoa do seu chefe, o Presidente do Conselho de Ministros (cargo ocupado por Salazar);
  • 45. Módulo 7, História A 45 O chefe era o interprete do superior interesse da nação; Salazar era apresentado como o “Salvador da Pátria”; Era a figura central do regime e existia um culto da personalidade.
  • 46. Módulo 7, História A 46 O Estado Novo português distinguiu-se dos outros fascismos pelo seu carácter conservador e tradicionalista; O seus valores fundamentais eram Deus, Pátria, Família, Autoridade, Paz Social, Hierarquia, Moralidade e Austeridade;
  • 47. 47 A sociedade industrial e urbana era considerada a fonte de todos os vícios e por isso exaltava-se o mundo rural como exemplo de virtude e de moralidade; A religião católica é definida como a religião da Nação portuguesa; A mulher tinha um papel passivo na sociedade. A mulher ideal era uma esposa carinhosa e submissa e uma mãe sacrificada e virtuosa;
  • 48. Módulo 7, História A 48 A família ideal portuguesa era católica, de moralidade austera, repudiava os vícios da vida urbana; A mulher não deveria trabalhar fora de casa, o seu papel era de dona de casa; O trabalho fora de casa da mulher era entendido como uma ameaça à estabilidade do lar;
  • 49. Módulo 7, História A 49 O Estado Novo exaltou o nacionalismo; Um dos slogans mais repetidos era “Tudo pela Nação, nada contra a Nação”; Portugal era uma Nação de heróis, do “Minho a Timor”. A História demonstrava a grandeza da Nação portuguesa; Os Descobrimentos determinaram que Portugal tivesse desempenhado um papel evangelizador e civilizacional notáveis, na ótica salazarista; Outro aspeto sublinhado pelo regime era a “perfeita integração racial” dos povos no Império português;
  • 50. Módulo 7, História A 50 A Escola desempenhou um papel fundamental na transmissão dos valores do Estado Novo;
  • 51. Módulo 7, História A 51 O ensino foi controlado. Os professores que não eram adeptos do regime foram expulsos; Os manuais escolares eram únicos e controlados pelo regime;
  • 52. Módulo 7, História A 52 Em 1936 foi criada a Legião Portuguesa, era uma milícia do regime, os seus membros tinham treino militar; No mesmo ano é criada a Mocidade Portuguesa, todos os alunos do ensino primário e secundário tinham de se inscrever, o objetivo era catequizar a juventude no ideário do regime;
  • 53. Módulo 7, História A 53 O aparelho repressivo do Estado Como todos os regimes ditatoriais o Estado Novo criou um aparelho repressivo com o objetivo de se manter no poder;
  • 54. Módulo 7, História A 54 Foi criada uma Censura Prévia para os media, livros, cinema, rádio, televisão, ou seja para todas as publicações portuguesas, o objetivo era controlar o que os portugueses poderiam conhecer e saber; Em 1933 foi criada uma polícia política, Polícia de Vigilância e de Defesa do Estado (PVDE), rebatizada em 1945 de Polícia Internacional de Defesa do Estado (PIDE) e 1969 passou a chamar- se Direção Geral de Segurança (DGS);
  • 55. Módulo 7, História A 55 O “milagre financeiro” de Salazar consistiu na prática em aumento de impostos: Vários impostos denominados de “salvação nacional” sobre os funcionários públicos, sobre vários produtos (gasolina, açúcar, etc.); Imposto complementar sobre os rendimentos; Imposto sobre os rendimentos das profissões liberais; Revisão da contribuição predial e industrial; Aumento das taxas alfandegárias;
  • 56. Módulo 7, História A 56 A política colonial
  • 57. 57 Para o Estado Novo as colónias eram um elemento fundamental para a política de nacionalismo económico e ao mesmo tempo eram um meio de fomentar o orgulho nacionalista; Serviam para escoar os produtos portugueses e forneciam matérias- primas a baixo custo; Eram um dos temas da propaganda do regime, enaltecendo a coragem dos Descobrimentos portugueses e louvando a missão civilizadora de Portugal no Ultramar;
  • 58. 58
  • 59. 59 Exposição do Mundo Português https://www.youtube.c om/watch?v=2QdO6sX EoTI
  • 60. Almeida, Padrão dos Descobrimentos, 1940 60 Leopoldo de Almeida (1898-1975), a sua obra mais marcante, histórica e nacionalista foi o “Padrão dos Descobrimentos”;
  • 61. 61 2.2.2 O estalinismo Em janeiro de 1924 morre Lenine. A sua morte levou a uma luta pelo poder no Partido Comunista da qual saiu vencedor Josef Estaline (1879-1953); Os seus principais opositores tinham sido Trotsky (ala esquerda) e Zinoviev, Kamenev e Boukharine (ala direita); Até à sua morte em 1953, Estaline será o chefe incontestado do Partido e da URSS;
  • 62. 62 A sua tese defendia que a revolução devia ser consolidada na URSS, contrária à de Trotsky que defendia a imediata internacionalização da revolução proletária; Após tomar o poder passou a controlá-lo de forma absoluta; A sua política foi orientada para a transformação da URSS numa potência mundial; Em 1928 interrompeu a NEP e nacionalizou todos os setores da economia soviética; A coletivização e planificação da economia e a instauração de um Estado totalitário foram as estratégias de Estaline;
  • 63. 63 A partir de 1929 a coletivização dos campos foi acelerada, pois era considerada fundamental para libertar mão de obra para a indústria; Os kulaks (proprietários rurais) foram violentamente afastados das suas terras. Cerca de 3 milhões foram executados ou enviados para o “gulag” na Sibéria; Gulag - um sistema de campos de trabalhos forçados para criminosos, presos políticos e qualquer cidadão em geral que se opusesse ao regime da União Soviética. Muitos prisioneiros foram utilizados nas grandes obras públicas;
  • 64. 64 A produção industrial desenvolveu-se segundo uma rigorosa planificação; Foram estabelecidos planos quinquenais (metas para 5 anos); Os planos quinquenais elevaram a URSS ao estatuto de terceira potência mundial, atrás dos EUA e da Alemanha;
  • 65. 65 O sucesso dos planos quinquenais demonstraram a autoridade do poder central, e só foi possível por: Ter sido instaurada uma disciplina severa, com a imposição de trabalhos forçados; Deportação em massa de trabalhadores para onde eram necessários; Instituição de prémios para os melhores trabalhadores, por vezes erigidos à categoria de heróis nacionais; Fortes campanhas de propaganda onde foi estabelecido o culto a Estaline;
  • 66. 66 Desde que assumiu o poder, em 1924, Estaline perseguiu todos os que podiam fazer-lhe frente, inclusive dentro do próprio Partido Comunista, eliminou todos os potenciais concorrentes; Trotsky fugiu e muitos outros dirigentes foram presos e condenados à morte em julgamentos encenados;
  • 67. 67 As regiões foram submetidas à russificação; As liberdades individuais foram completamente suspensas; A juventude era obrigada a aderir aos Pioneiros e depois à Juventude Comunista; Os sindicatos eram controlados pelo Partido Comunista;
  • 68. História 9º ano 68 Para as eleições para os sovietes só se podiam apresentar candidatos sancionados pelo Partido; Toda a economia era centralizada através da coletivização e da planificação; A produção cultural foi submetida à censura, e tinha o papel de engrandecer o chefe, a Nação e o Partido;
  • 69. 69 Os partido foi sendo expurgado dos dirigentes do tempo de Lenine; O Partido Comunista foi-se transformando num partido de quadros, jovens funcionários, que obedeciam cegamente a Estaline; É criada a NKVD, em 1934, a polícia política que substituiu a Tcheca, em 1954 passará a ter o nome de KGB; A crítica não é tolerada, mais de 2 milhões de cidadãos são enviados para o “gulag” e 700 mil são executados; Nem os membros do Partido e do Exército Vermelho escapam a esta vaga repressiva, grande parte dos comandantes dos exército foram mortos;
  • 70. 70 O New Deal Em 1932 foi eleito um novo presidente nos EUA, Franklin Delano Roosevelt (1882-1945); Influenciado pelas teorias de Keynes, Roosevelt propôs-se acabar com a crise nos Estados Unidos; Desenvolveu um plano, em duas fases, de intervencionismo do Estado que ficou conhecido por “New Deal”;
  • 71. 71 Primeira fase (1933-34) – são estabelecidas como metas o relançamento da economia e a luta contra o desemprego e a miséria, isto é, ultrapassar os efeitos da crise;
  • 72. 72 Desenvolveu uma política de construção de grandes obras públicas para combater o desemprego e promover o desenvolvimentos de setores estruturantes da economia(construção de estradas, barragens, aeroportos, habitações, escolas, etc.;
  • 73. 73 Segunda fase (1935-38) – Teve um cunho social, foi a construção do Welfare State (Estado Social ou Estado Providência); Restabelece a liberdade sindical e o direito à greve; Estabeleceu a reforma por velhice e invalidez, Institui o fundo de desemprego e o auxílio aos pobres; Estabeleceu o salário mínimo e reduziu o horário de trabalho para 44 horas semanais;
  • 74. História 9º ano 74 Estas medidas levaram ao aumento do poder de compra e ao desenvolvimento da economia americana; O Estado americano assumiu os ideais do Estado Providência na qual o governo tem o papel de promover a segurança social de modo a promover a felicidade e bem-estar dos seus cidadãos;
  • 75. 75 A Grã-Bretanha A Inglaterra foi um dos países onde a crise de 1929 mais se sentiu; Inspirados pelo New Deal americano desenvolveram uma política intervencionista do Estado; Desenvolveram uma política protecionista de promoção dos produtos nacionais e de reforçar as relações com os países da Commonwealth; Criaram também o Estado Providência;
  • 76. 76 Os governos da Frente Popular Nalguns países o avanço da extrema-direita levou à criação de governos de coligação das forças democráticas desde o centro até à esquerda mais radical, eram os governos de Frente Popular; França: A França, nos inícios dos anos 30, continuava a revelar grandes dificuldades para ultrapassar a crise devido à insistência dos governos de praticarem políticas deflacionistas; A oposição de esquerda reivindicava a aplicação de medidas keynesianas e a extrema-direita clamava por um governo mais autoritário;
  • 77. 77 Perante a ameaça da extrema-direita formou-se uma coligação que integrou os partidos comunista, socialista e radical; Apresentaram-se às eleições de 1936 que venceram, com o lema “pelo pão, pela paz e pela liberdade”; Os governos da Frente Popular, dirigidos pelo socialista, Léon Blum, ocuparam o poder entre 1936 e 1938, os comunistas não participaram nesses governos; Desenvolveram uma política de forte intervencionismo do Estado;
  • 79. Módulo 7, História A 79 Desvalorizaram a moeda francesa (franco) e tabelaram os preços de alguns produtos essenciais; Nacionalizaram o Banco de França e algumas dos setores industriais fundamentais, como os transportes e o fabrico de armamento; Desenvolveram a legislação social: criação de contratos coletivos de trabalho, legalização dos sindicatos, aumentos salariais, redução do horário de trabalho para 40 horas semanais e o direito dos trabalhadores gozarem anualmente 15 dias de férias pagas;
  • 80. 80 Espanha: Em fevereiro de 1936, triunfou nas eleições uma Frente Popular (socialistas, comunistas, anarquistas e sindicatos operários); Promulgaram legislação de caráter social e reformista: separação entre a Igreja e o estado, direito à greve, direito ao divórcio, laicização do ensino, direito à ocupação de terras não cultivadas, aumento dos salários e reconhecimento da autonomia do País Basco e da Catalunha;
  • 81. 81 Estas medidas provocaram a reação dos mais conservadores; É constituída uma Frente Nacional que agrupava conservadores, monárquicos e falangistas (fascistas); Um levantamento militar chefiado pelo general Francisco Franco vai mergulhar a Espanha numa violenta guerra civil entre 1936 e 1939; Os franquistas (apoiantes do general Franco) tiveram o apoio militar da Alemanha nazi e da Itália fascista e vão vencer a guerra; Em 1939 inicia-se a ditadura franquista que irá perdurar até 1976;
  • 82. Módulo 7, História A 82 Imagens da cidade basca de Guernica, destruída pela aviação alemã durante a guerra civil espanhola; Quadro pintado por Pablo Picasso denominado “Guernica” onde se denuncia a destruição da cidade.
  • 83. 83 Bibliografia: Apresentação construída com base nos livros: Oliveira, Ana Rodrigues e outros, O fio da História, Texto Editora Neto, Helena e outros, História 9, Editora Santillana, 2014 Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 9, Raiz Editora, 2012 Amaral, Cláudia e outros, História sobre Investigação, Porto Editora, 2023