SlideShare uma empresa Scribd logo
O espaço civilizacional greco-
 latino à beira da mudança
Na Palestina, por volta do ano 5
a.c., nasce Jesus, filho de um
artesão.

Aos 30 anos inicia a sua vida
pública. Proclama ser o Messias
(cristo em grego), ou seja o
salvador há muito esperado
pelos hebreus.

Durante cerca de dois anos e
meio, acompanhado pelos seus
discípulos, Jesus, prega pelas
cidades da Palestina.

                          Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano   2
É uma mensagem universal e revolucionária.


Universal, porque não privilegia qualquer povo, por exemplo, os
judeus, acreditam ser o povo escolhido.

Revolucionária porque prega a igualdade de todos os seres
humanos.




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano         3
Depois da morte de Jesus, a mensagem cristã, reunida no Novo
Testamento, difundiu-se rapidamente.
O que terá contribuído para essa rápida difusão?


Unidade cultural e política do império
Mesma língua
Excelentes vias de comunicação (terrestres e marítimas)




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano      4
A nova religião ganha rapidamente muitos adeptos mas também
muitos inimigos.
Indica algumas razões que levaram a esta situação?

Os cristãos desrespeitam os deuses romanos,
Recusam prestar culto ao Imperador;
Criticam os espetáculos circenses;
Defendem a igualdade entre o senhor e o escravo.


As adesões terão sido em
maior número entre as
classes altas ou baixas da
sociedade romana?


                             Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano   5
São vistos como perturbadores da estabilidade e da paz.
No ano 64 d.c., Roma é assolada por um terrível incêndio, muitos
culpam o Imperador Nero, este culpa os cristãos.
Inicia-se uma época de sangrentas perseguições.
É uma época de mártires.




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano          6
Durante o século III, o cristianismo registou um grande
crescimento;
As perseguições, os mártires suscitavam admiração;
Os cristãos desenvolviam uma intensa atividade evangélica para
converter os romanos




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano         7
Em 312, o Imperador Constantino, converteu-se à nova fé. Foi
batizado em 337 (quando estava a morrer).

Em 313 publica o Edito de Milão, no qual garante inteira liberdade
de culto aos cristãos.

Os cristão passam a ocupar os cargos mais importantes do estado
romano.




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano            8
São construídos templos cristãos em todo Império.
Convoca o Concílio de Niceia, em 325. Reúnem-se os bispos cristãos
que definem as verdades da doutrina cristã. (essência divina de
Cristo, o mistério da Santíssima Trindade)
A partir de Constantino, todos os imperadores romanos são cristãos,
a exceção é Julião (361-363).
Qual serão as consequências desta situação?


A nova religião vai-se tornando cada vez mais
importante, com mais adeptos e ocupam os
cargos mais importantes do estado romano.




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano       9
A religião cristã é monoteísta. Todos os outros deuses são falsos.
Qual será uma consequência desse facto?


Os antigos deuses são abandonados, voluntariamente ou á força.
Em 380, o Imperador Teodósio promulga o Edito de Tessalónica,
pela qual ordena a conversão ao cristianismo de todos os
habitantes do Império.
O cristianismo torna-se a religião oficial do Estado romano.




                          Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano           10
Os deuses pagãos e os seus seguidores são perseguidos;
Os templos são destruídos;
É proibido o culto quer público quer privado aos deuses pagãos;
O império romano (universal) é um império cristão;
Um só deus, um só imperador;
O imperador é o escolhido de deus para governar o império;




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano          11
A igreja romano-cristã é um elemento essencial do império
romanos nos últimos séculos da sua existência.

A organização da igreja é decalcada da organização do império.

A diocese (cidade) é dirigida por um bispo. Agrupam-se em
províncias dirigidas por um metropolita, bispo da cidade capital
de província.

Roma, a cidade principal vai ganhando importância. O seu bispo
recebe o título de papa (pai, em grego), mais tarde reivindicará a
autoridade suprema sobre todos os fiéis.

A cidade que foi capital do império tornar-se-á a capital do
cristianismo.
                       Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano         12
O cristianismo assimilou muita da cultura romana. Adaptou-a,
reformulou-a e transmitiu-a, mesmo após o fim do Império;
É nas cidades que os apóstolos mais exerceram a sua atividade
evangelizadora;

Nos campos os camponeses (paganus) resistem à nova religião;

O termo paganus (pagão) significa camponês em latim mas tornou-
se sinónimo de pessoa que não é cristã




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano       13
Nos primeiros tempos a religião cristã atrai sobretudo os mais
pobres. Mas cada vez mais os grupos sociais mais elevados e mais
cultos aderem à nova religião;

Com a adesão de Constantino, as adesões das classes mais elevadas
é maior. Estes vão levar para a nova religião os seus conhecimentos,
que são os da cultura grega e romana;




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano        14
Santo Agostinho é filosofo e professor de retórica. Utilizou os
ensinamentos da cultura e filosofia grega e romana (greco-romana)
para se tornar um dos mais importantes autores cristãos.

Os elementos culturais greco-romanos, aos quais retiram os
elementos pagãos, vão ser a base da cultura cristã:
A Retórica e a Filosofia foram utilizadas pelos primeiros bispos para
as suas pregações e para as fundamentações religiosas;
O Direito Romano foi a base do Direito Canónico que regulamenta a
atuação no interior da igreja;
Na liturgia cristã (celebração religiosa) são incorporados elementos
pagãos;




                          Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano         15
A arquitetura religiosa tomou como modelo as construções romanas:

As primeiras igrejas são inspiradas nas basílicas romanas;




                          Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano   16
As artes cristãs (pintura, escultura e mosaico, inspiram-se nos
modelos romanos.




                          Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano        17
A igreja preservou o legado político da Antiguidade:

A ideia de um poder forte e centralizado numa pessoa (como o
imperador) nunca foi esquecida, mesmo quando o poder real
estava diminuído pelo poder dos grandes senhores feudais;




                          Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano     18
No século XIII, quando começa a centralização do poder real, os
monarcas vão procurar as justificações nos textos religiosos. Os reis,
tais como os últimos imperadores romanos, pretendem ser
mandatados por Deus, para governarem os seus reinos.

O Papa, tem sobre os fiéis a autoridade suprema que lhe é
concedida por Deus.




                          Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano         19
Prenúncios de uma nova geografia política

A partir do século III, o império romano entrou em crise:
A partir de meados do século instalou-se uma época de caos político
e militar, é a chamada época da anarquia militar.
Os imperadores sucediam-se rapidamente uns aos outros;
Eram nomeados pelas legiões que rapidamente os assassinavam se
deixassem de lhes pagar ou se houvesse outro candidato que
prometia mais dinheiro.




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano       20
O perigo bárbaro aumentava;
As fronteiras (limes) do Império eram constantemente atacadas por
povos bárbaros;
As legiões romanas tiveram muitas dificuldades em impedir essas
invasões. Sofreram muitas derrotas.
Era o fim da pax romana (época de paz e propsperidade).




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano      21
O imperador Diocleciano (284-305) conseguir recuperar a
autoridade;
Efetuou grandes reformas na administração e no exército.




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano   22
Diocleciano percebeu que o Império, nesta época conturbada, era
demasiado grande para ser governado por uma única pessoa;
Adotou um companheiro de armas, Maximiano, e ficaram com o
nome de “augustos”, cada um deles escolheu um “césar” e assim
o Império ficou divido por 4 autoridades;
Tetrarquia Imperial




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano      23
Esta divisão do Império não deu os resultados esperados e embora
Alguns imperadores tenham recuperado o poder absoluto como
Constantino (312-337) e Teodósio (378-395), o império era
demasiado grande para ser governado por uma só pessoas, até
porque a pressão dos bárbaros, nos finais do século IV, aumentou.




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano       24
O Imperador Teodósio, face ao agravar da situação militar, dividiu o
Império definitivamente, entre os seus dois filhos, em 395, data da
sua morte.
A capital do Império do Oriente ficou Constantinopla (antiga cidade
de Bizâncio).




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano        25
Constantinopla vai crescer e transformar-se numa segunda Roma.
O Império Romano do Oriente (ou Império Bizantino) irá resistir
durante quase mais mil anos, embora tenha passado por grandes
dificuldades e tenha perdido grande parte dos territórios.
Em 1453 é conquistada pelos turcos.




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano      26
Nas fronteiras norte do Império viviam um conjunto de povos que
os romanos denominavam de Germanos;
Eram um conjunto diverso de povos. As lutas entre eles eram
frequentes.
Desde o século III que diversas tribos germânicas penetravam no
Império, quer de forma violenta quer pacífica.




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano      27
Muitos foram-se estabelecendo no Império. Alguns serviram nas
próprias legiões romanas como mercenários. E foram-se
romanizando.
No século IV, um povo vindo do oriente, os Hunos, ataca os povos
germânicos, obrigando-os a invadir o império romano.




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano          28
O mundo romano está ameaçado por este turbilhão de povos.
O Imperador abandona Roma e instala a capital em Ravena, em 404,
cidade rodeada por pântanos e por isso mais fácil de defender;
Todo o império está em guerra.




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano      29
Em 410, os Visigodos, chefiados por Alarico, atacam e saqueiam
Roma;

Em 434, os Hunos, liderados por Átila, (O Flagelo de Deus), invadem
o império, são derrotados em 451, por uma coligação de visigodos e
romanos;

O Império está completamente destroçado;

Em 476, Odoacro, chefe dos hérulos, depõe o último imperador
romano, Rómulo Augusto;

Termina o Império Romano do Ocidente.



                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano        30
O fim do Mundo Antigo

A antiga unidade política do Império foi substituída por uma
multiplicidade de novos reinos;
São, na sua maioria reinos instáveis, e rapidamente desaparem e são
substituídos por outros;
Só o dos Visigodos e o dos Francos se conseguiram estabelecer
durante séculos;




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano       31
Consequências do fim do Império romano


Instala-se o caos político. As leis deixam de ser respeitadas. A lei é a
do mais forte;
A guerra e insegurança permanentes destruturaram a vida
económica. Os campos são abandonados, as indústrias paralisam, o
comércio desaparece;
Fomes e epidemias tornam-se constantes. Muitas mortes
provocadas pela guerra. Forte diminuição da população.
As cidades, alvo preferencial, diminuem o seu número de
habitantes, muitas desaparecem. Os seus habitantes tinham
procurado refúgio nos campos. A sua importância económica a
quase desaparece;
A vida cultural sofre um retrocesso. O império barbarizou-se.

                           Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano          32
Nesta Europa em crise e em mudança a Igreja Cristã, assumiu um
importante papel:

É a única instituição que permaneceu com uma hierarquia que
continuou a funcionar;
Iniciou a conversão dos povos bárbaros. Após a sua conversão a
Igreja volta a ocupar um papel importante no poder;


Deste embate entre o mundo romano e o mundo bárbaro, nasceu
uma nova época a Idade Média.




                         Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano        33
A Idade Média é uma época diferente da Idade Antiga (Idade
Clássica).
No entanto a cultura clássica não morreu.
A Europa é uma civilização que nasceu da miscigenação (mistura)
das culturas greco-romana, dos povos bárbaros e da génese das
nações europeias que se vai desenrolar durante a Idade Média;

A Europa tem um cunho civilizacional e uma identidade cultural
próprias.




                        Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano         34

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
cattonia
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
Susana Simões
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
Maria Cristina Ribeiro
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
Vítor Santos
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
Carla Teixeira
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
Vítor Santos
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
cattonia
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
Carla Teixeira
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
Ana Barreiros
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 

Destaque

Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
Vítor Santos
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
Ficha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do SenadoFicha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do Senado
Marconi Ferreira Perillo Jr.
 
A Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península IbéricaA Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península Ibérica
guestd6ef96de
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Patricia .
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Vieira
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - Urbanismo
Carlos Vieira
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
LuisMagina
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Carlos Vieira
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
Mariana Neves
 
Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
Vítor Santos
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
Vítor Santos
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Maria Gomes
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
Bruno Ganhão
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Pinheiro
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
Vítor Santos
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
Vítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
Vítor Santos
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 

Destaque (20)

Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Ficha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do SenadoFicha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do Senado
 
A Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península IbéricaA Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península Ibérica
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - Urbanismo
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romana
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 

Semelhante a Decadência do Império Romano

01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
Ebm rom 11
Ebm rom 11Ebm rom 11
Ebm rom 11
Oswaldo Jr
 
Roma antiga arlete
Roma antiga arleteRoma antiga arlete
Roma antiga arlete
Raimund M Souza
 
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Raimund M Souza
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Maicom Teixeira
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Rita
 
História Medieval aula 02 Cristianismo
História Medieval aula 02 CristianismoHistória Medieval aula 02 Cristianismo
História Medieval aula 02 Cristianismo
Marcelo Abreu Gomes
 
Roteiro aula idade média 20 de abril
Roteiro aula idade média 20 de abrilRoteiro aula idade média 20 de abril
Roteiro aula idade média 20 de abril
ArthurSilva272154
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
O império em crise parte 1
O império em crise  parte 1O império em crise  parte 1
O império em crise parte 1
Carla Teixeira
 
Historia povo romano
Historia povo romanoHistoria povo romano
Historia povo romano
marcelokuhl
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
JosJunqueira1
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
Nelson Ramalhoto
 
O IMPÉRIO BIZANTINO
O IMPÉRIO BIZANTINOO IMPÉRIO BIZANTINO
O IMPÉRIO BIZANTINO
andersonsenar
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
01 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_101 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_1
Vítor Santos
 
00 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_201700 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
3° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 23° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 2
Daniel Alves Bronstrup
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marco Silva
 

Semelhante a Decadência do Império Romano (20)

01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
Ebm rom 11
Ebm rom 11Ebm rom 11
Ebm rom 11
 
Roma antiga arlete
Roma antiga arleteRoma antiga arlete
Roma antiga arlete
 
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
 
História Medieval aula 02 Cristianismo
História Medieval aula 02 CristianismoHistória Medieval aula 02 Cristianismo
História Medieval aula 02 Cristianismo
 
Roteiro aula idade média 20 de abril
Roteiro aula idade média 20 de abrilRoteiro aula idade média 20 de abril
Roteiro aula idade média 20 de abril
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
O império em crise parte 1
O império em crise  parte 1O império em crise  parte 1
O império em crise parte 1
 
Historia povo romano
Historia povo romanoHistoria povo romano
Historia povo romano
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
 
O IMPÉRIO BIZANTINO
O IMPÉRIO BIZANTINOO IMPÉRIO BIZANTINO
O IMPÉRIO BIZANTINO
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
01 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_101 história a_revisões_módulo_1
01 história a_revisões_módulo_1
 
00 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_201700 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_2017
 
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
 
3° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 23° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 2
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

Decadência do Império Romano

  • 1. O espaço civilizacional greco- latino à beira da mudança
  • 2. Na Palestina, por volta do ano 5 a.c., nasce Jesus, filho de um artesão. Aos 30 anos inicia a sua vida pública. Proclama ser o Messias (cristo em grego), ou seja o salvador há muito esperado pelos hebreus. Durante cerca de dois anos e meio, acompanhado pelos seus discípulos, Jesus, prega pelas cidades da Palestina. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 2
  • 3. É uma mensagem universal e revolucionária. Universal, porque não privilegia qualquer povo, por exemplo, os judeus, acreditam ser o povo escolhido. Revolucionária porque prega a igualdade de todos os seres humanos. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 3
  • 4. Depois da morte de Jesus, a mensagem cristã, reunida no Novo Testamento, difundiu-se rapidamente. O que terá contribuído para essa rápida difusão? Unidade cultural e política do império Mesma língua Excelentes vias de comunicação (terrestres e marítimas) Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 4
  • 5. A nova religião ganha rapidamente muitos adeptos mas também muitos inimigos. Indica algumas razões que levaram a esta situação? Os cristãos desrespeitam os deuses romanos, Recusam prestar culto ao Imperador; Criticam os espetáculos circenses; Defendem a igualdade entre o senhor e o escravo. As adesões terão sido em maior número entre as classes altas ou baixas da sociedade romana? Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 5
  • 6. São vistos como perturbadores da estabilidade e da paz. No ano 64 d.c., Roma é assolada por um terrível incêndio, muitos culpam o Imperador Nero, este culpa os cristãos. Inicia-se uma época de sangrentas perseguições. É uma época de mártires. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 6
  • 7. Durante o século III, o cristianismo registou um grande crescimento; As perseguições, os mártires suscitavam admiração; Os cristãos desenvolviam uma intensa atividade evangélica para converter os romanos Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 7
  • 8. Em 312, o Imperador Constantino, converteu-se à nova fé. Foi batizado em 337 (quando estava a morrer). Em 313 publica o Edito de Milão, no qual garante inteira liberdade de culto aos cristãos. Os cristão passam a ocupar os cargos mais importantes do estado romano. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 8
  • 9. São construídos templos cristãos em todo Império. Convoca o Concílio de Niceia, em 325. Reúnem-se os bispos cristãos que definem as verdades da doutrina cristã. (essência divina de Cristo, o mistério da Santíssima Trindade) A partir de Constantino, todos os imperadores romanos são cristãos, a exceção é Julião (361-363). Qual serão as consequências desta situação? A nova religião vai-se tornando cada vez mais importante, com mais adeptos e ocupam os cargos mais importantes do estado romano. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 9
  • 10. A religião cristã é monoteísta. Todos os outros deuses são falsos. Qual será uma consequência desse facto? Os antigos deuses são abandonados, voluntariamente ou á força. Em 380, o Imperador Teodósio promulga o Edito de Tessalónica, pela qual ordena a conversão ao cristianismo de todos os habitantes do Império. O cristianismo torna-se a religião oficial do Estado romano. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 10
  • 11. Os deuses pagãos e os seus seguidores são perseguidos; Os templos são destruídos; É proibido o culto quer público quer privado aos deuses pagãos; O império romano (universal) é um império cristão; Um só deus, um só imperador; O imperador é o escolhido de deus para governar o império; Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 11
  • 12. A igreja romano-cristã é um elemento essencial do império romanos nos últimos séculos da sua existência. A organização da igreja é decalcada da organização do império. A diocese (cidade) é dirigida por um bispo. Agrupam-se em províncias dirigidas por um metropolita, bispo da cidade capital de província. Roma, a cidade principal vai ganhando importância. O seu bispo recebe o título de papa (pai, em grego), mais tarde reivindicará a autoridade suprema sobre todos os fiéis. A cidade que foi capital do império tornar-se-á a capital do cristianismo. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 12
  • 13. O cristianismo assimilou muita da cultura romana. Adaptou-a, reformulou-a e transmitiu-a, mesmo após o fim do Império; É nas cidades que os apóstolos mais exerceram a sua atividade evangelizadora; Nos campos os camponeses (paganus) resistem à nova religião; O termo paganus (pagão) significa camponês em latim mas tornou- se sinónimo de pessoa que não é cristã Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 13
  • 14. Nos primeiros tempos a religião cristã atrai sobretudo os mais pobres. Mas cada vez mais os grupos sociais mais elevados e mais cultos aderem à nova religião; Com a adesão de Constantino, as adesões das classes mais elevadas é maior. Estes vão levar para a nova religião os seus conhecimentos, que são os da cultura grega e romana; Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 14
  • 15. Santo Agostinho é filosofo e professor de retórica. Utilizou os ensinamentos da cultura e filosofia grega e romana (greco-romana) para se tornar um dos mais importantes autores cristãos. Os elementos culturais greco-romanos, aos quais retiram os elementos pagãos, vão ser a base da cultura cristã: A Retórica e a Filosofia foram utilizadas pelos primeiros bispos para as suas pregações e para as fundamentações religiosas; O Direito Romano foi a base do Direito Canónico que regulamenta a atuação no interior da igreja; Na liturgia cristã (celebração religiosa) são incorporados elementos pagãos; Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 15
  • 16. A arquitetura religiosa tomou como modelo as construções romanas: As primeiras igrejas são inspiradas nas basílicas romanas; Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 16
  • 17. As artes cristãs (pintura, escultura e mosaico, inspiram-se nos modelos romanos. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 17
  • 18. A igreja preservou o legado político da Antiguidade: A ideia de um poder forte e centralizado numa pessoa (como o imperador) nunca foi esquecida, mesmo quando o poder real estava diminuído pelo poder dos grandes senhores feudais; Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 18
  • 19. No século XIII, quando começa a centralização do poder real, os monarcas vão procurar as justificações nos textos religiosos. Os reis, tais como os últimos imperadores romanos, pretendem ser mandatados por Deus, para governarem os seus reinos. O Papa, tem sobre os fiéis a autoridade suprema que lhe é concedida por Deus. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 19
  • 20. Prenúncios de uma nova geografia política A partir do século III, o império romano entrou em crise: A partir de meados do século instalou-se uma época de caos político e militar, é a chamada época da anarquia militar. Os imperadores sucediam-se rapidamente uns aos outros; Eram nomeados pelas legiões que rapidamente os assassinavam se deixassem de lhes pagar ou se houvesse outro candidato que prometia mais dinheiro. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 20
  • 21. O perigo bárbaro aumentava; As fronteiras (limes) do Império eram constantemente atacadas por povos bárbaros; As legiões romanas tiveram muitas dificuldades em impedir essas invasões. Sofreram muitas derrotas. Era o fim da pax romana (época de paz e propsperidade). Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 21
  • 22. O imperador Diocleciano (284-305) conseguir recuperar a autoridade; Efetuou grandes reformas na administração e no exército. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 22
  • 23. Diocleciano percebeu que o Império, nesta época conturbada, era demasiado grande para ser governado por uma única pessoa; Adotou um companheiro de armas, Maximiano, e ficaram com o nome de “augustos”, cada um deles escolheu um “césar” e assim o Império ficou divido por 4 autoridades; Tetrarquia Imperial Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 23
  • 24. Esta divisão do Império não deu os resultados esperados e embora Alguns imperadores tenham recuperado o poder absoluto como Constantino (312-337) e Teodósio (378-395), o império era demasiado grande para ser governado por uma só pessoas, até porque a pressão dos bárbaros, nos finais do século IV, aumentou. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 24
  • 25. O Imperador Teodósio, face ao agravar da situação militar, dividiu o Império definitivamente, entre os seus dois filhos, em 395, data da sua morte. A capital do Império do Oriente ficou Constantinopla (antiga cidade de Bizâncio). Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 25
  • 26. Constantinopla vai crescer e transformar-se numa segunda Roma. O Império Romano do Oriente (ou Império Bizantino) irá resistir durante quase mais mil anos, embora tenha passado por grandes dificuldades e tenha perdido grande parte dos territórios. Em 1453 é conquistada pelos turcos. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 26
  • 27. Nas fronteiras norte do Império viviam um conjunto de povos que os romanos denominavam de Germanos; Eram um conjunto diverso de povos. As lutas entre eles eram frequentes. Desde o século III que diversas tribos germânicas penetravam no Império, quer de forma violenta quer pacífica. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 27
  • 28. Muitos foram-se estabelecendo no Império. Alguns serviram nas próprias legiões romanas como mercenários. E foram-se romanizando. No século IV, um povo vindo do oriente, os Hunos, ataca os povos germânicos, obrigando-os a invadir o império romano. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 28
  • 29. O mundo romano está ameaçado por este turbilhão de povos. O Imperador abandona Roma e instala a capital em Ravena, em 404, cidade rodeada por pântanos e por isso mais fácil de defender; Todo o império está em guerra. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 29
  • 30. Em 410, os Visigodos, chefiados por Alarico, atacam e saqueiam Roma; Em 434, os Hunos, liderados por Átila, (O Flagelo de Deus), invadem o império, são derrotados em 451, por uma coligação de visigodos e romanos; O Império está completamente destroçado; Em 476, Odoacro, chefe dos hérulos, depõe o último imperador romano, Rómulo Augusto; Termina o Império Romano do Ocidente. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 30
  • 31. O fim do Mundo Antigo A antiga unidade política do Império foi substituída por uma multiplicidade de novos reinos; São, na sua maioria reinos instáveis, e rapidamente desaparem e são substituídos por outros; Só o dos Visigodos e o dos Francos se conseguiram estabelecer durante séculos; Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 31
  • 32. Consequências do fim do Império romano Instala-se o caos político. As leis deixam de ser respeitadas. A lei é a do mais forte; A guerra e insegurança permanentes destruturaram a vida económica. Os campos são abandonados, as indústrias paralisam, o comércio desaparece; Fomes e epidemias tornam-se constantes. Muitas mortes provocadas pela guerra. Forte diminuição da população. As cidades, alvo preferencial, diminuem o seu número de habitantes, muitas desaparecem. Os seus habitantes tinham procurado refúgio nos campos. A sua importância económica a quase desaparece; A vida cultural sofre um retrocesso. O império barbarizou-se. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 32
  • 33. Nesta Europa em crise e em mudança a Igreja Cristã, assumiu um importante papel: É a única instituição que permaneceu com uma hierarquia que continuou a funcionar; Iniciou a conversão dos povos bárbaros. Após a sua conversão a Igreja volta a ocupar um papel importante no poder; Deste embate entre o mundo romano e o mundo bárbaro, nasceu uma nova época a Idade Média. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 33
  • 34. A Idade Média é uma época diferente da Idade Antiga (Idade Clássica). No entanto a cultura clássica não morreu. A Europa é uma civilização que nasceu da miscigenação (mistura) das culturas greco-romana, dos povos bárbaros e da génese das nações europeias que se vai desenrolar durante a Idade Média; A Europa tem um cunho civilizacional e uma identidade cultural próprias. Vítor Santos, 2012/2013, 10º ano 34