SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Nome: Fernando Alvarado
Nº: 11
Ano e turma: 11ºJ
Disciplina: História
Professora: Sandra Branco
Escola: ESAG
   Introdução – Diapositivo 3
   Conceito – Diapositivo 4
   Primeira revolução – Diapositivo 5
   A restauração da monarquia – Diapositivo 7
   Os conflitos – Diapositivo 8
   Revolução gloriosa – Diapositivo 10
   Esquema – Diapositivo 12
   Locke e o parlamento – Diapositivo 13
   Impactos – Diapositivo 14
   Mercantilismo inglês – Diapositivo 15
   Atos de navegação – Diapositivo 19
   Parlamento – Diapositivo 21
   Vantagens – Diapositivo 22
   Conclusão – Diapositivo 23
   Bibliografia – Diapositivo 24
   Webgrafia – Diapositivo 25
   A implantação do sistema parlamentar passou por um
    processo conturbado de transição, despontada por um
    conflito bipartido.
   Embora a maior parte dos países europeus consolidavam as
    monarquias absolutas, alguns estados (como é o caso do
    inglês) rejeitavam-nas convictamente.
   Esta mudança de paradigma político gerou mudanças
    contundentes, que iriam influenciar (até postumamente)
    várias áreas da nação inglesa.
   Parlamento (ou assembleia; cortes; congresso) Assembleia
    política a qual cabem, em regra, funções legislativas. O atual
    parlamento inglês é o parlamento mais antigo, tendo servido
    de padrão a muitos outros. As suas origens remontam a
    Magna Carta (1215), encontrando-se deste o tempo de
    Eduardo II (século XIV) dividido em duas câmaras, que
    evidenciam a distinção entre a nobreza e o povo: a Câmara
    dos Comuns que, nos século XVII e XVIII, era eleita por
    sufrágio censitário, e a Câmara dos Lordes, nomeada pelo
    rei.
    A ascensão do filho de Jaime I, Carlos I, ao trono
    em 1625 marca o início de um período de conflito entre o Rei
    e o Parlamento. A adesão de Carlos I à doutrina do
    Absolutismo desencadeia uma disputa de hegemonia entre o
    Rei e o Parlamento, que termina na 1ª Guerra Civil
    Inglesa (1642-1651). Em 1649, Carlos é decapitado.




                         A execução de Carlos I
   Isto dá início à Republica, ou Commonwealth (de 1649 à
    1653), seguido por um período de governo pessoal do Lord
    Protetor Oliver Cromwell. O novo regime era impopular, e a
    morte de Cromwell em 1658 deixou espaço para o governo
    de seu filho Richard (1658-1659).




                      O Parlamento Inglês no século XVII
   Após a morte de Cromwell, pouco tempo depois, é restaurada
    a monarquia na figura de Carlos II.
   Durante o seu reinado reforça o liberalismo (individual)
    através de vários documentos, como o Habeas Corpus
    (1679), lei promulgada que limita os poderes dos agentes
    judiciais, proibindo detenções demoradas sem que exista
    uma acusação formal.
   A Carlos II sucede-lhe o seu irmão Jaime II, católico e
    autoritário.
   No ano de 1672, Carlos II assina a Declaração de
    Indulgência, onde afirma a sua vontade de suspender todas
    as leis que prejudicavam os católicos e a outros dissidentes
    religiosos. Ainda nesse ano, ele apoiou abertamente
    a França católica (governada pelo primo Luís XIV) e iniciou a
    Terceira Guerra Anglo-Holandesa.

   O Parlamento (contrário a conceder tolerância religiosa aos
    católicos) opôs-se à Declaração de Indulgência e negou-se a
    financiar a Guerra Anglo-Holandesa, obrigando o rei Carlos II
    a firmar a paz em 1674.
   Portanto este rei causa crispação, e rapidamente caí no
    desagrado dos Ingleses.




                       O rei D. Carlos II de Inglaterra
   Estes conflitos ocasionaram uma oportunidade para as
    pretensões do seu genro, o Stathouder da Holanda,
    Guilherme III. Em 1688 desembarca em Inglaterra á frente de
    um exército com estandartes Protestantes e Parlamentaristas.

   Jaime II exila-se por falta de apoio.

   Esta revolução (Glorious Revolution) desempenhou um papel
    fundamental para a consolidação do regime parlamentar.
   Em 1689 dá-se a coroação dos soberanos Maria e Guilherme
    de Orange, os quais apoiaram a Declaração dos Direitos
    (texto fundamental da monarquia inglesa) onde reitera o
    liberalismo individual e a não participação dos monarcas nas
    decisões parlamentares.
   Ocorreu a abolição de censura e o direito de livre reunião.




                        Guilherme de Orange III
Restauração da monarquia




                           Conflitos




                      Revolução Gloriosa




Direito de livre         Afirmação do              Fim da
   reunião              Parlamentarismo           censura




                   Reforço da hegemonia Inglesa
   Oriundo da burguesia, coube a este
                                    filosófo liberalista fundamentar a
                                    teoria do Parlamentarismo, regime que
                                    preconiza a liberdade individual, capaz
                                    de oferecer condições fecundas á livre
                                    iniciativa e ao espírito empreendedor
                                    da classe burguesa.


                                   Foi um dos primeiro filósofos e teórico
                                    político a defender a conceção estatal
                                    (Estadismo).

    Jonh Locke: “ A maior
 felicidade consiste não em         Segundo Locke, os homens “nascem
usufruír os maiores prazeres,       livres, iguais e autónomos, pelo que só
 mas em possuír as coisas
 que produzem os maiores            do seu consentimento pode brotar um
          prazeres.”                poder a que obedeçam.
   A afirmação do Parlamentarismo sobre o Absolutismo Régio
    gerou grande impactos na estrutura política, social e
    económica da Inglaterra:
   Existência de maior liberdade;
   Poder político é emanado essencialmente pelo povo;
   Livre comércio nacional;
   Favoritismo á iniciativa empreendedora;
   Facilidade e a rapidez na aprovação de leis;
   Maior comunicação com o poder executivo possibilitando uma
    melhor transparência e fiscalização;
   Grande desenvolvimento do comércio e indústria.
   O mercantilismo inglês atinge o seu apogeu durante o
    período chamado do Long Parliament (1640–1660). As
    políticas mercantilistas também desenvolveram-se durante
    os períodos de Tudor e Stuart. O controlo estatal sobre a
    economia mercantil era menor que no resto da Europa,
    devido à tradição da Common law (direito judicial) e ao
    progressivo poder do parlamento.
   Esta doutrina defende uma economia de mercado, e que
    mede a riqueza segundo a quantidade de metais preciosos
    (Metalismo).
   Para conseguir canalizar capital do mercado europeu, de
    forma a circular maior quantidade no próprio país, pretende
    atingir uma balança comercial favorável (exportações
    excedem as importações).
   Os mercadores europeus orientaram todo o seu saber para a
    expansão dos seus negócios, gerando capital e investindo-o.
   Nos séculos XVII e XVIII junta-se uma próspera rota atlântica
    que ligava os continentes europeu, africano e americano, o
    denominado comércio triangular.




                                       Suportado pelas
                                       necessidades de mão-de-
                                       obra das colónias
                                       americanas que dependiam
                                       dos contingentes negros
                                       para as suas plantações e
                                       explorações mineiras.
   Na primeira metade do século XVII a Holanda assume a
    hegemonia económica europeia na era do Mercantilismo.
    Construíram um grande império colonial, presente no
    continente africano, americano e principalmente no asiático.
    Para isso contribuiu a teoria do Mare Liberum de Hugo
    Grotius e o pesado investimento na Indústria Naval.
   A agricultura holandesa era um dos pilares do sucesso.




                     Frota naval holandesa no século XVII
   Portugal e Espanha
                             perdem
                             inevitavelmente
                             influência na atividade
                             comercial, apesar de
                             rejeitarem a doutrina
                             do Mare Liberum (que
                             rejeitava o direitos das
                             nação ibéricas à
                             exclusividade das
                             navegações
                             transoceânicas) e a
                             Inglaterra não
                             conseguem atingir o
                             nível de prosperidade
                             da Holanda. A
                             Inglaterra tenta
                             assumir um maior
                             controlo e publica
“Mare Liberum” de Hugo       atos de navegação.
Grotius (1609)
   O primeiro ato de navegação foi
    publicado por Oliver Cromwell, em
    1651. Segundo este, o transporte de
    mercadorias de outros países ou
    das colónias inglesas para Inglaterra
    só poderia ser feito por navios
    ingleses ou por navios do país de
    origem dos produtos.



                                            Oliver Cromwell (1599-1658)
OBJETIVOS:

   Destruição da frota holandesa;
   Incrementar a construção naval
    inglesa;
   Desenvolver a marinha mercantil
    inglesa;
   Atingir o exclusivo colonial;
   Monopolizar as rotas comerciais.
                                       Fragmento de ato de
                                       navegação
   O parlamento inglês é constituído pela câmara alta que é a
    Casa ou Câmara dos Lordes, e a câmara baixa, por Casa ou
    Câmara dos Comuns, que são os que representam o povo. O
    Monarca é o terceiro e último componente do parlamento.

    O Parlamento britânico é o corpo legislativo supremo do Reino
    Unido e territórios britânicos ultramarinos. Por si só tem
    soberania parlamentar, o que lhe confere poder soberano
    sobre todos os outros corpos políticos do Reino Unido e seus
    territórios. É encabeçado pelo monárquico do reino.

.




                      Parlamento inglês durante a
                      revolução inglesa
   Maior rapidez e facilidade na criação e aprovação de leis;
   Maior comunicação com o poder executivo possibilitando uma
    maior transparência e fiscalização;
   Maior contato com minorias étnicas, raciais e ideológicas;
   Menor risco de aparecimento de governos tirânicos devido á
    aproximação entre os governantes e a oposição;
   Maior atenção em debates do que em eleições, tendo em
    vista mudanças estruturais;
   Menor corrupção pela descentralização do poder (maior
    distribuição do mesmo);
   Maior representatividade do poder (o povo têm maior
    influência).
   A implementação e o reforço (após a revolução gloriosa) do
    Parlamentarismo Inglês foi fundamental para consolidar o
    desenvolvimento e ascensão meteórica que a Inglaterra teve
    nos séculos XVII a XVII.
   Influenciou tanto a política, como a economia e a sociedade
    inglesa, dando maior liberdade, representatividade e
    transparência, o que propiciou diversas ações, que foram
    positivas para esta nação.
   Mais do que isso, é o parlamento mais antigo do mundo, que
    ajudou a cimentar o regime parlamentar que hoje em dia
    vigora em grande parte dos países democráticos!
   Manual “O tempo da História” (11º Ano).
   Autores: Célia Pinto do Couto; Maria Antónia Monterroso
    Rosas.




                   Guerra naval anglo-holandesa
   Data da pesquisa: 05/11/2012

   http://www.suapesquisa.com/o_que_e/parlamentarismo.htm
   http://marta-blogreflexivo.blogspot.pt/
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_Reino_Unido
   http://historia8d.blogs.sapo.pt/3587.html
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_II_de_Inglaterra
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Parlamentarismo
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Mare_Liberum

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoCarla Teixeira
 
Mercantilismo francês
Mercantilismo francêsMercantilismo francês
Mercantilismo francêsana pinho
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder políticocattonia
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimeCarlos Pinheiro
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoAntonino Miguel
 
Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1mariajosantos
 

Mais procurados (20)

Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Mercantilismo francês
Mercantilismo francêsMercantilismo francês
Mercantilismo francês
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1Multifuncionalidade 11ºlh1
Multifuncionalidade 11ºlh1
 

Destaque (20)

La francia de luis xiv
La francia de luis xivLa francia de luis xiv
La francia de luis xiv
 
Luis XVI
Luis XVILuis XVI
Luis XVI
 
Provincias unidas
Provincias unidasProvincias unidas
Provincias unidas
 
Absolutismo Monárquico
Absolutismo MonárquicoAbsolutismo Monárquico
Absolutismo Monárquico
 
El parlamento inglés
El parlamento inglésEl parlamento inglés
El parlamento inglés
 
Luis XIV de Francia
Luis XIV de FranciaLuis XIV de Francia
Luis XIV de Francia
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Aula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo MonárquicoAula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo Monárquico
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
Absolutismo en francia luis xiv
Absolutismo en francia luis xivAbsolutismo en francia luis xiv
Absolutismo en francia luis xiv
 
Presentacion1(2)
Presentacion1(2)Presentacion1(2)
Presentacion1(2)
 
Orígenes de la Revolución Industrial
Orígenes de la Revolución Industrial Orígenes de la Revolución Industrial
Orígenes de la Revolución Industrial
 
La Europa del siglo XVIII
La Europa del siglo XVIIILa Europa del siglo XVIII
La Europa del siglo XVIII
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
El Absolutismo
El AbsolutismoEl Absolutismo
El Absolutismo
 
Absolutismo y Parlamentarismo
Absolutismo y ParlamentarismoAbsolutismo y Parlamentarismo
Absolutismo y Parlamentarismo
 
A europa dos parlamentos holanda
A europa dos parlamentos  holandaA europa dos parlamentos  holanda
A europa dos parlamentos holanda
 
Aula 6e 7
Aula 6e 7Aula 6e 7
Aula 6e 7
 
CRISIS EUROPEA DEL SIGLO XVII Y DECADENCIA ESPAÑOLA
CRISIS EUROPEA DEL SIGLO XVII Y DECADENCIA ESPAÑOLACRISIS EUROPEA DEL SIGLO XVII Y DECADENCIA ESPAÑOLA
CRISIS EUROPEA DEL SIGLO XVII Y DECADENCIA ESPAÑOLA
 

Semelhante a Afirmação do Parlamentarismo Inglês

A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaNelia Salles Nantes
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaNelia Salles Nantes
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosahistoriando
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaNelia Salles Nantes
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaNelia Salles Nantes
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaNelia Salles Nantes
 
A república puritana de oliver cromwell
A república puritana de oliver cromwellA república puritana de oliver cromwell
A república puritana de oliver cromwellNelia Salles Nantes
 
Exercicio Revoluções inglesas.pptx
Exercicio Revoluções inglesas.pptxExercicio Revoluções inglesas.pptx
Exercicio Revoluções inglesas.pptxGilcksonMouro1
 
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdfPollyanaRibeiroFerra
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesajoana71
 
ATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdf
ATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdfATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdf
ATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdfMARIANEBARBOSADACRUZ
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesaJanayna Lira
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesaprofceleri
 
Aula 10 revoluções burguesas
Aula 10   revoluções burguesasAula 10   revoluções burguesas
Aula 10 revoluções burguesasJonatas Carlos
 
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdfDaianaAreas
 

Semelhante a Afirmação do Parlamentarismo Inglês (20)

A europa dos parlamentos
A europa dos parlamentosA europa dos parlamentos
A europa dos parlamentos
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosaA república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
A república puritana de oliver cromwell e a revolução gloriosa
 
A república puritana de oliver cromwell
A república puritana de oliver cromwellA república puritana de oliver cromwell
A república puritana de oliver cromwell
 
Exercicio Revoluções inglesas.pptx
Exercicio Revoluções inglesas.pptxExercicio Revoluções inglesas.pptx
Exercicio Revoluções inglesas.pptx
 
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 
ATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdf
ATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdfATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdf
ATIVIDADEDISCURSIVASOBREAREVOLUÇÃOINGLESA.pdf
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Aula 10 revoluções burguesas
Aula 10   revoluções burguesasAula 10   revoluções burguesas
Aula 10 revoluções burguesas
 
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
08-REVOLUÇÕES-INGLESAS-LISTA.pdf
 

Afirmação do Parlamentarismo Inglês

  • 1. Nome: Fernando Alvarado Nº: 11 Ano e turma: 11ºJ Disciplina: História Professora: Sandra Branco Escola: ESAG
  • 2. Introdução – Diapositivo 3  Conceito – Diapositivo 4  Primeira revolução – Diapositivo 5  A restauração da monarquia – Diapositivo 7  Os conflitos – Diapositivo 8  Revolução gloriosa – Diapositivo 10  Esquema – Diapositivo 12  Locke e o parlamento – Diapositivo 13  Impactos – Diapositivo 14  Mercantilismo inglês – Diapositivo 15  Atos de navegação – Diapositivo 19  Parlamento – Diapositivo 21  Vantagens – Diapositivo 22  Conclusão – Diapositivo 23  Bibliografia – Diapositivo 24  Webgrafia – Diapositivo 25
  • 3. A implantação do sistema parlamentar passou por um processo conturbado de transição, despontada por um conflito bipartido.  Embora a maior parte dos países europeus consolidavam as monarquias absolutas, alguns estados (como é o caso do inglês) rejeitavam-nas convictamente.  Esta mudança de paradigma político gerou mudanças contundentes, que iriam influenciar (até postumamente) várias áreas da nação inglesa.
  • 4. Parlamento (ou assembleia; cortes; congresso) Assembleia política a qual cabem, em regra, funções legislativas. O atual parlamento inglês é o parlamento mais antigo, tendo servido de padrão a muitos outros. As suas origens remontam a Magna Carta (1215), encontrando-se deste o tempo de Eduardo II (século XIV) dividido em duas câmaras, que evidenciam a distinção entre a nobreza e o povo: a Câmara dos Comuns que, nos século XVII e XVIII, era eleita por sufrágio censitário, e a Câmara dos Lordes, nomeada pelo rei.
  • 5. A ascensão do filho de Jaime I, Carlos I, ao trono em 1625 marca o início de um período de conflito entre o Rei e o Parlamento. A adesão de Carlos I à doutrina do Absolutismo desencadeia uma disputa de hegemonia entre o Rei e o Parlamento, que termina na 1ª Guerra Civil Inglesa (1642-1651). Em 1649, Carlos é decapitado. A execução de Carlos I
  • 6. Isto dá início à Republica, ou Commonwealth (de 1649 à 1653), seguido por um período de governo pessoal do Lord Protetor Oliver Cromwell. O novo regime era impopular, e a morte de Cromwell em 1658 deixou espaço para o governo de seu filho Richard (1658-1659). O Parlamento Inglês no século XVII
  • 7. Após a morte de Cromwell, pouco tempo depois, é restaurada a monarquia na figura de Carlos II.  Durante o seu reinado reforça o liberalismo (individual) através de vários documentos, como o Habeas Corpus (1679), lei promulgada que limita os poderes dos agentes judiciais, proibindo detenções demoradas sem que exista uma acusação formal.  A Carlos II sucede-lhe o seu irmão Jaime II, católico e autoritário.
  • 8. No ano de 1672, Carlos II assina a Declaração de Indulgência, onde afirma a sua vontade de suspender todas as leis que prejudicavam os católicos e a outros dissidentes religiosos. Ainda nesse ano, ele apoiou abertamente a França católica (governada pelo primo Luís XIV) e iniciou a Terceira Guerra Anglo-Holandesa.  O Parlamento (contrário a conceder tolerância religiosa aos católicos) opôs-se à Declaração de Indulgência e negou-se a financiar a Guerra Anglo-Holandesa, obrigando o rei Carlos II a firmar a paz em 1674.
  • 9. Portanto este rei causa crispação, e rapidamente caí no desagrado dos Ingleses. O rei D. Carlos II de Inglaterra
  • 10. Estes conflitos ocasionaram uma oportunidade para as pretensões do seu genro, o Stathouder da Holanda, Guilherme III. Em 1688 desembarca em Inglaterra á frente de um exército com estandartes Protestantes e Parlamentaristas.  Jaime II exila-se por falta de apoio.  Esta revolução (Glorious Revolution) desempenhou um papel fundamental para a consolidação do regime parlamentar.
  • 11. Em 1689 dá-se a coroação dos soberanos Maria e Guilherme de Orange, os quais apoiaram a Declaração dos Direitos (texto fundamental da monarquia inglesa) onde reitera o liberalismo individual e a não participação dos monarcas nas decisões parlamentares.  Ocorreu a abolição de censura e o direito de livre reunião. Guilherme de Orange III
  • 12. Restauração da monarquia Conflitos Revolução Gloriosa Direito de livre Afirmação do Fim da reunião Parlamentarismo censura Reforço da hegemonia Inglesa
  • 13. Oriundo da burguesia, coube a este filosófo liberalista fundamentar a teoria do Parlamentarismo, regime que preconiza a liberdade individual, capaz de oferecer condições fecundas á livre iniciativa e ao espírito empreendedor da classe burguesa.  Foi um dos primeiro filósofos e teórico político a defender a conceção estatal (Estadismo). Jonh Locke: “ A maior felicidade consiste não em  Segundo Locke, os homens “nascem usufruír os maiores prazeres, livres, iguais e autónomos, pelo que só mas em possuír as coisas que produzem os maiores do seu consentimento pode brotar um prazeres.” poder a que obedeçam.
  • 14. A afirmação do Parlamentarismo sobre o Absolutismo Régio gerou grande impactos na estrutura política, social e económica da Inglaterra:  Existência de maior liberdade;  Poder político é emanado essencialmente pelo povo;  Livre comércio nacional;  Favoritismo á iniciativa empreendedora;  Facilidade e a rapidez na aprovação de leis;  Maior comunicação com o poder executivo possibilitando uma melhor transparência e fiscalização;  Grande desenvolvimento do comércio e indústria.
  • 15. O mercantilismo inglês atinge o seu apogeu durante o período chamado do Long Parliament (1640–1660). As políticas mercantilistas também desenvolveram-se durante os períodos de Tudor e Stuart. O controlo estatal sobre a economia mercantil era menor que no resto da Europa, devido à tradição da Common law (direito judicial) e ao progressivo poder do parlamento.  Esta doutrina defende uma economia de mercado, e que mede a riqueza segundo a quantidade de metais preciosos (Metalismo).  Para conseguir canalizar capital do mercado europeu, de forma a circular maior quantidade no próprio país, pretende atingir uma balança comercial favorável (exportações excedem as importações).
  • 16. Os mercadores europeus orientaram todo o seu saber para a expansão dos seus negócios, gerando capital e investindo-o.  Nos séculos XVII e XVIII junta-se uma próspera rota atlântica que ligava os continentes europeu, africano e americano, o denominado comércio triangular. Suportado pelas necessidades de mão-de- obra das colónias americanas que dependiam dos contingentes negros para as suas plantações e explorações mineiras.
  • 17. Na primeira metade do século XVII a Holanda assume a hegemonia económica europeia na era do Mercantilismo. Construíram um grande império colonial, presente no continente africano, americano e principalmente no asiático. Para isso contribuiu a teoria do Mare Liberum de Hugo Grotius e o pesado investimento na Indústria Naval.  A agricultura holandesa era um dos pilares do sucesso. Frota naval holandesa no século XVII
  • 18. Portugal e Espanha perdem inevitavelmente influência na atividade comercial, apesar de rejeitarem a doutrina do Mare Liberum (que rejeitava o direitos das nação ibéricas à exclusividade das navegações transoceânicas) e a Inglaterra não conseguem atingir o nível de prosperidade da Holanda. A Inglaterra tenta assumir um maior controlo e publica “Mare Liberum” de Hugo atos de navegação. Grotius (1609)
  • 19. O primeiro ato de navegação foi publicado por Oliver Cromwell, em 1651. Segundo este, o transporte de mercadorias de outros países ou das colónias inglesas para Inglaterra só poderia ser feito por navios ingleses ou por navios do país de origem dos produtos. Oliver Cromwell (1599-1658)
  • 20. OBJETIVOS:  Destruição da frota holandesa;  Incrementar a construção naval inglesa;  Desenvolver a marinha mercantil inglesa;  Atingir o exclusivo colonial;  Monopolizar as rotas comerciais. Fragmento de ato de navegação
  • 21. O parlamento inglês é constituído pela câmara alta que é a Casa ou Câmara dos Lordes, e a câmara baixa, por Casa ou Câmara dos Comuns, que são os que representam o povo. O Monarca é o terceiro e último componente do parlamento.  O Parlamento britânico é o corpo legislativo supremo do Reino Unido e territórios britânicos ultramarinos. Por si só tem soberania parlamentar, o que lhe confere poder soberano sobre todos os outros corpos políticos do Reino Unido e seus territórios. É encabeçado pelo monárquico do reino. . Parlamento inglês durante a revolução inglesa
  • 22. Maior rapidez e facilidade na criação e aprovação de leis;  Maior comunicação com o poder executivo possibilitando uma maior transparência e fiscalização;  Maior contato com minorias étnicas, raciais e ideológicas;  Menor risco de aparecimento de governos tirânicos devido á aproximação entre os governantes e a oposição;  Maior atenção em debates do que em eleições, tendo em vista mudanças estruturais;  Menor corrupção pela descentralização do poder (maior distribuição do mesmo);  Maior representatividade do poder (o povo têm maior influência).
  • 23. A implementação e o reforço (após a revolução gloriosa) do Parlamentarismo Inglês foi fundamental para consolidar o desenvolvimento e ascensão meteórica que a Inglaterra teve nos séculos XVII a XVII.  Influenciou tanto a política, como a economia e a sociedade inglesa, dando maior liberdade, representatividade e transparência, o que propiciou diversas ações, que foram positivas para esta nação.  Mais do que isso, é o parlamento mais antigo do mundo, que ajudou a cimentar o regime parlamentar que hoje em dia vigora em grande parte dos países democráticos!
  • 24. Manual “O tempo da História” (11º Ano).  Autores: Célia Pinto do Couto; Maria Antónia Monterroso Rosas. Guerra naval anglo-holandesa
  • 25. Data da pesquisa: 05/11/2012  http://www.suapesquisa.com/o_que_e/parlamentarismo.htm  http://marta-blogreflexivo.blogspot.pt/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_Reino_Unido  http://historia8d.blogs.sapo.pt/3587.html  http://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_II_de_Inglaterra  http://pt.wikipedia.org/wiki/Parlamentarismo  http://pt.wikipedia.org/wiki/Mare_Liberum