SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade 3 - Valores, vivências e quotidiano
http://divulgacaohistoria.com/
História A - Módulo 2
O dinamismo civilizacional da Europa
Ocidental nos séculos XIII a XIV – espaços,
poderes e vivências
A partir do século XI, a cidade da Idade Média, ao
contrário do campo, torna-se um local de inovações.
É um mundo fervilhante de negócios e outras atividades
económicas.
Na cidade desencadeiam-se profundas mudanças
económicas, sociais, culturais, religiosas e artísticas.
Alteram-se valores e vivências do quotidiano medieval
que irá levar à transformação desse mundo.
História A, 10º ano, Módulo 2 2
A Experiência urbana
Uma nova sensibilidade artística: o Gótico
“A arte das Catedrais significou em primeiro lugar o
renascimento das cidades. Estas ao longo dos séculos XII
e XIII não pararam de crescer. A catedral (gótica) é a
igreja do bispo, portanto a igreja da cidade.”
George Duby, O tempo das catedrais
3
Catedral de Colónia
História A, 10º ano, Módulo 2 4
O burguês torna-se orgulhoso de si e da sua cidade. Cada
cidade pretende ser melhor que as cidades vizinhas.
Os habitantes da cidade contribuem generosamente
para as grandes construções urbanas (muralhas, praças,
palácios, igrejas).
História A, 10º ano, Módulo 2 5
6
Surge um novo estilo artístico, o Gótico, que fruto de
novos elementos arquitetónicos e construtivos vai
elevar as torres dos palácios e das igrejas que podem
ser vistas de muito longe.
O Gótico abrange todas as vertentes artísticas mas é
na Igreja (catedral) que teve a sua maior expressão, é
o seu expoente máximo.
A construção da catedral gótica corresponde a uma
nova conceção do cristianismo.
“Deus é luz. (…) Luz absoluta, Deus está mais ou menos
velado em cada criatura, consoante ela é menos ou mais
refratária à sua iluminação. Esta conceção contém a
chave da nova arte, da arte de França. Arte de claridade
e de irradiação (…).”
G. Duby, O tempo das catedrais
História A, 10º ano, Módulo 2 7
8
https://www.tripadvisor.pt/Location
PhotoDirectLink-g189181-
d7148305-i328450400-
Igreja_de_Sao_Pedro_de_Rates-
Povoa_de_Varzim_Porto_District_
Northern_Por.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitet
ura_g%C3%B3tica#/media/Ficheiro
:Chartres_-
_Cath%C3%A9drale_16.JPG
Igreja Românica e Igreja Gótica
Catedral de Amiens
História A, 10º ano, Módulo 2 9
O Abade Suger, da Abadia de S. Dinis (arredores de Paris)
foi o grande ideólogo (teólogo), criador do estilo gótico.
10
Na reconstrução da cabeceira da Igreja de S. Dinis (1137),
Paris, incentivou os mestres de obras a deixarem entrar a
luz.
Fez da catedral o reino de Deus na Terra.
Surge uma nova teologia: “Deus é luz”.
“Esta conceção contém a chave da nova arte, Arte de
França, de que a Igreja de S. Dinis, de Suger, foi o
modelo.”
George Duby, O tempo das catedrais
História A, 10º ano, Módulo 2 11
As catedrais góticas distinguem-se pela sua elevação e
verticalidade;
Exterior profusamente decorado;
Interior amplo e luminoso, devido às aberturas adornadas
com vitrais.
Catedral de Amiens 12
A luz, filtrada pelos vitrais, ajuda a criar uma atmosfera
propícia à meditação, é uma luz divina, uma revelação de
Deus, deslumbra.
História A, 10º ano, Módulo 2 13
A catedral (A casa de Deus), pelas suas dimensões,
evidenciava-se na paisagem urbana. Era o centro
religioso, cultural, social e por vezes económico da
cidade.
História A, 10º ano, Módulo 2 14
https://espanafascinante.com/lugares/que-ver-en-catedral-de-burgos/
As catedrais góticas, comparadas com as igrejas
românicas, são estruturas leves e graciosas.
A catedral, é também o orgulho das cidades, e todos os
seus habitantes contribuíram para a sua construção.
Catedral gótica e românica
História A, 10º ano, Módulo 2 15
O estilo Gótico veio substituir o estilo Românico.
As igrejas românicas tinham um aspecto maciço, pesado e
um interior escuro.
Igrejas românicas
História A, 10º ano, Módulo 2 16
São novos elementos construtivos que tornam possíveis
estas construções:
Arco ogival ou quebrado;
Abóbada de cruzamento de ogivas;
Arcobotante.
História A, 10º ano, Módulo 2 17
A maior parte do peso é descarregado nas colunas
Arco quebrado ou ogival
(gótico)
Arco de volta perfeita (românico)
18
O arco ogival é mais dinâmico, forma as abóbadas de
cruzamento de ogivas;
O peso é distribuído através das nervuras do arco e é
descarregado nas colunas e nos contrafortes exteriores;
O peso é melhor distribuído, mais fácil de sustentar.
História A, 10º ano, Módulo 2 19
As abóbadas tornam-se mais leves, elásticas e
dinâmicas adaptando-se às formas e dimensões dos
espaços a cobrir;
Uma catedral gótica é constituída por uma sucessão de
tramos
tramo
Tramo é o espaço
definido por 4 colunas.
História A, 10º ano, Módulo 2 20
Cabeceira (abside)
Transepto
3 Naves (mas pode
ter 5 ou 7). A nave
central é mais alta e
mais larga.
A catedral gótica é tripartida - planta
História A, 10º ano, Módulo 2 21
Botaréu
Arcobotantes
Contraforte gótico é constituído por:
Botaréu (estribo, contraforte): elemento maciço e
vertical, adossado (encostado) às paredes das naves
laterais;
Arcobotantes: meios arcos que ajudam a descarregar o
peso da nave central nos botaréus estribos.
22
Estas inovações técnicas permitem que o peso das
abóbadas seja descarregado nas colunas o que vai permitir
abrir grandes aberturas nas paredes e aumentar a altura
das abóbadas.
História A, 10º ano, Módulo 2 23
Pináculos
Pináculos são elementos decorativos que servem para
aumentar a sensação de altura das catedrais.
História A, 10º ano, Módulo 2 24
As catedrais góticas estão repletas
de esculturas.
Existe uma intensa relação entre a
arquitetura e a escultura.
História A, 10º ano, Módulo 2 25
As esculturas invadem todos os elementos estruturais da
catedral, sobretudo a fachada e os portais.
Estas esculturas demonstram uma qualidade que tinha
sido perdida com a queda do Império Romano.
História A, 10º ano, Módulo 2 26
A decoração para além do seu valor estético, tem uma
valor doutrinal, é o “livro de imagens” da Cristandade,
relata a vida de santos, e episódios do Antigo e Novo
Testamento.
É uma “lição” doutrinal para os crentes.
27
Os vitrais coloridos, para além de ajudarem a criar no
interior da catedral, uma atmosfera propícia à exaltação
religiosa, são uma outra forma de ensinar aos crentes as
verdades religiosas.
A maior parte da população era analfabeta, por isso as
imagens tinham uma grande importância.
História A, 10º ano, Módulo 2 28
As mutações na expressão da religiosidade: ordens
mendicantes e confrarias
A cidade medieval é um lugar de fortes contrastes:
Por um lado existia a riqueza dos que tinham enriquecido
com o desenvolvimento económico, e demonstravam-no
quer nas suas vestes quer na ostentação das suas casas;
História A, 10º ano, Módulo 2 29
30
Por outro lado, a cidade atraia as populações do campo
que nem sempre encontravam emprego, ou pelo menos
emprego certo e bem remunerado, e por isso viviam na
miséria;
A cidade medieval é feita destes contrastes entre a
riqueza de uns e a miséria de outros que viviam isolados e
sem amigos a quem pedir ajuda.
Vão surgir organismos de solidariedade destinados à
ajuda mútua e à prática da caridade.
As ordens mendicantes trazem um novo espírito de
renovação espiritual e promovem a fraternidade para o
sofrimento.
31
32
A Igreja Católica identificava-se com os ricos, os seus
mais altos dignatários viviam uma vida de luxo, alheados
da miséria que existia à sua volta.
Esta atitude tinha provocado a revolta de muitos crentes
que se afastaram do catolicismo aderindo a heresias que
eram violentamente reprimidas pela Igreja.
Heresia é um desvio à doutrina oficial da Igreja Católica.
Dentro da própria Igreja vão nascer outros movimentos de
contestação da vida de luxo e preconizavam um retorno à
humildade e pobreza originais.
Francisco de Assis e Domingos de Gusmão, vão criar as
ordens mendicantes que vão contribuir para a mudança de
mentalidades.
História A, 10º ano, Módulo 2 33
S. Francisco (1182-1226), filho de um rico mercador da
cidade de Assis (Itália) levou uma vida de boémia até aos
20 anos. Uma doença fê-lo mudar a sua atitude, renunciou
aos bens terrenos e começou a pregar a palavra de Deus.
Defendia a pobreza e a humildade;
História A, 10º ano, Módulo 2 34
35
Criou uma nova ordem de Frades Menores (humildes) ,
os Franciscanos, que viviam na pobreza, ganhavam o
seu sustento trabalhando e mendigando (mendicantes);
Instalam-se na cidade, sobretudo nas zonas mais
miseráveis e pregam a palavra de Deus e praticam a
caridade.
Ao contrário das outras ordens não vivem isolados nos
conventos.
Esta ordem estabeleceu-se muito cedo em Portugal.
S. Domingos de Gusmão (1170-1221) fundou a ordem dos
Dominicanos, que partilhavam os ideais de pobreza mas
davam mais importância à pregação como forma de
combater as heresias.
O estudo da Teologia era muito importante para estes
frades.
S. Tomás de Aquino atingiu grande fama como teólogo e
professor universitário como outros membros desta
ordem.
36
37
As ordens mendicantes contribuíram para a renovação
da vida religiosa e espiritual desenvolvendo um espírito
de solidariedade e de ajuda ao próximo.
Vão inspirar a criação de confrarias e outras associações
de socorros mútuos.
As confrarias eram associações de ajuda mútua
(entreajuda), de cariz religioso que se organizavam sob a
proteção de um santo.
Agrupavam homens de um mesmo ofício, pela vizinhança,
ou pela devoção a um mesmo santo.
As confrarias ligadas a profissões desenvolveram-se muito
pois já estavam agrupadas em corporações.
História A, 10º ano, Módulo 2 38
Corporação é uma associação de carácter socioprofissional
que agrupa os trabalhadores de uma determinada
atividade.
Na Idade Média eram conhecidas por artes, guildas ou
casas. Cada uma tinha os seus próprios estatutos que
regulamentavam salários, preços e o acesso à profissão.
39
40
Geralmente a cada corporação associava-se uma
confraria que prestava assistência aos seus membros.
As confrarias funcionavam com base no pagamento de
uma quota por parte dos seus membros e de
contribuições dos membros mais ricos.
Organizavam a assistência a membros. Reuniam-se
periodicamente para decidir as atividades a
realizarem.
A expansão do ensino elementar. A fundação de
Universidades.
Até ao século XI, a frequência de uma escola eram o
privilégio quase que exclusivo de clérigos e monges.
Os mosteiros, com as suas escolas, bibliotecas e monges
copistas eram os centros do saber.
Estas escolas tinham como objetivo fundamental a
preparação de futuros monges, por isso o ensino estava
direcionado para a religião, por outro lado estes
mosteiros localizavam-se no campo, longe da cidade.
História A, 10º ano, Módulo 2 41
No século XI, organizaram-se as primeiras escolas
urbanas.
A tutela da Igreja mantém-se mas o público destas novas
escolas, escolas das catedrais, é outro, destinam-se a um
público mais vasto, para além de clérigos admitem leigos
nos seus estudos.
Estas novas escolas urbanas procuram responder às novas
necessidades da administração e da economia.
As cidades precisam de funcionários e juristas para o seus
tribunais, de notários e escrivães para as suas repartições
públicas. Surge um novo funcionalismo que precisa de ser
letrado (instruído). 42
Por outro lado os negócios tornam-se cada vez mais
complexos, surgem as primeiras grandes companhias
comerciais que exigem registos precisos.
Nas grandes cidades comerciais (Florença, Veneza,
Lubeque, etc.) surgem escolas, muitas vezes privadas,
onde para além do ensino da Lógica e Gramática,
desenvolve-se o ensino da Aritmética.
História A, 10º ano, Módulo 2 43
No século XII, algumas escolas das catedrais, alcançaram
fama internacional atraíam estudantes de toda a Europa.
Algumas especializaram-se no ensino de determinadas
áreas, como o Direito, a Teologia ou a Medicina.
Surgiu a necessidade de organizar o ensino nessas escolas
que determinasse os conteúdos a lecionar, os exames a
realizar. Que determinassem um estatuto para docentes e
discentes.
Criaram-se organizações de tipo corporativo, a que se
chamaram Universidades.
História A, 10º ano, Módulo 2 44
Universidade provém do termo latino universitas,
corporação de professores e estudantes, com vista à
organização de um estabelecimento de ensino superior
(studium), surgem no século XII. As universidades foram
dependentes da Igreja e o seu objetivo primordial era a
formação de novos clérigos.
História A, 10º ano, Módulo 2 45
46
A partir do século XIII, o número de estudantes laicos
aumentou, e a universidade tornou-se o centro de
formação do funcionalismo público.
Estudar na universidade passou a ser uma forma de
adquirir prestígio e subir na escala social.
As Universidades conferiam os graus de bacharel,
licenciado e doutor.
História A, 10º ano, Módulo 2 47
Duas das primeiras Universidades a surgirem foram as de
Notre-Dame, Paris e a de Bolonha.
Em Paris, a Universidade afirmou-se em luta contra as
autoridades laicas e eclesiásticas.
Em 1231, o papa Gregório IX, autorizou a Universidade de
Paris a estabelecer as suas leis e regras de funcionamento.
A Universidade de Paris notabilizou-se no ensino da
Teologia, a de Bolonha em Direito.
História A, 10º ano, Módulo 2 48
Os estudos universitários organizavam-se em faculdades,
grupos de professores e alunos de um mesmo ramo de
saber.
O seu número variava conforme as Universidades.
Todas tinham as Artes que era a base dos estudos
universitários.
Durava 6 anos e iniciava-se entre os 14 e 16 anos,
conferia o grau de licenciado.
49
Em Portugal, D. Dinis, em 1290, fundou o Estudo Geral de
Lisboa. Tinha as faculdades de Artes, Direito Canónico,
Leis e Medicina. A Teologia continuou a ser privilégio dos
mosteiros de Santa Cruz de Coimbra e de Alcobaça.
Em 1308, o Estudo Geral foi transferido para Coimbra.
Posteriormente foi novamente transferida para Lisboa, e
em 1537, a universidade fixou-se definitivamente em
Coimbra.
História A, 10º ano, Módulo 2 50
A cultura leiga e profana nas cortes régias e senhoriais
A prosperidade económica refletiu-se na vida cultural.
Desenvolve-se um gosto por uma vida mais requintada e
pela erudição, não só nas cidades mas também nas cortes
dos reis e dos grandes senhores.
51
52
Surge o ideal de cavalaria, o senhor deve ser corajoso,
desinteressado, deve defender a causa dos fracos e da
justiça.
Deve cortejar a sua dama segundo as regras do “amor
perfeito”.
Nesta nova vivência cortesã a literatura assume um
papel central.
A literatura difunde os ideais da cavalaria.
Nos finais do século XIII, surge , nas cortes da Europa, o
ideal do perfeito cavaleiro.
Condições para ser um perfeito cavaleiro (profano e
religioso):
Nascimento nobre;
Deve demonstrar honra, coragem, lealdade, virtude e
piedade.
O cavaleiro combate por Cristo.
História A, 10º ano, Módulo 2 53
Surgem as narrativas de cavalaria, que relatam episódios
romanceados de episódios de cavalaria;
Estes romances eram lidos, ao serão, na corte dos grandes
senhores e do rei;
As novelas arturianas foram muito difundidas nesta
época, relatam a vida na corte do rei Artur e dos
cavaleiros da Távola Redonda e da sua procura do Santo
Graal;
54
55
Na Península Ibérica surgiu o Amadis de Gaula, romance
que teve um grande êxito;
Na época, trovadores viajavam de corte em corte
cantando estes romances.
Os nobres deviam passar por um período de
aprendizagem antes de serem “armados cavaleiros”:
Em jovem (7/8 anos) era enviado para a corte de um
senhor com estatuto superior (casa grande);
Primeiro era um pajem aprendia a manejar as armas e
cavalgar;
Depois, na adolescência, tornava-se escudeiro. Tratava
das armas e do cavalo do senhor, acompanhava-o nas
suas lutas e torneios;
Por toda a Europa os senhores dedicavam-se, para além
da guerra, à caça, torneios e justas;
56
O rei português, D. Duarte (1391-1438), publicou um livro
sobre a arte da cavalaria, denominado “Livro da
Ensinança da Arte de Bem Cavalgar em Toda a Sela”,
considerado o primeiro tratado europeu de cavalaria.
Depois de 14 anos de aprendizagem, o jovem escudeiro
proferia os votos de cavalaria.
Eram votos sagrados, faziam parte de um ritual, em que a
própria Igreja tomava parte.
Depois de cumprido este ritual, o
jovem era investido cavaleiro. Passava a fazer parte da
ordem de cavalaria.
57
O código de cavalaria integra um código de amor;
É um conjunto de regras que definem quem e como se
deve amar;
O desenvolvimento das cortes na Europa levou a um
maior convívio entre os dois sexos, e a partir do século XII,
desenvolveu-se o amor cortês.
História A, 10º ano, Módulo 2 58
Para a divulgação dos ideais do amor cortês contribuíram
os poetas;
A poesia trovadoresca nasceu no Sul de França
(Provença), e os trovadores e jograis espalharam-na por
todas as cortes europeias.
O Romance da Rosa, romance escrito sobre a temática do
amor, teve uma grande divulgação.
59
60
Em Portugal, esta poesia trovadoresca desenvolveu-se,
assumindo dois géneros principais: cantigas de amigo e
cantigas de amor.
O amor foi uma componente essencial da sociabilidade
cortesã e da cultura erudita da Idade Média.
Para muitos foi um código de vida, um ideal de vida.
O culto da memória dos antepassados é uma
característica das famílias nobres.
Os títulos nobiliárquicos são herdados, por isso é
importante prestar homenagem aos antepassados.
Aos serões, nas cortes senhoriais, era normal comentar e
elogiar os feitos dos antepassados.
No século XII, muitos senhores fizeram passar a escrito
essas memórias.
Surge uma literatura genealógica que se desenvolveu ao
longo dos séculos XIII e XIV.
61
Em Portugal surgem os livros de
linhagens (ou nobiliários).
O mais interessante é o “Terceiro
Livro de Linhagens”, da autoria do
Conde de Barcelos, D. Pedro.
É uma espécie de História
Universal, que começa com Adão e
vai até às famílias nobres da
Reconquista cristã da Península
Ibérica, de onde descendem as
famílias nobres portuguesas.
História A, 10º ano, Módulo 2 62
Nos séculos XIII e XIV, os Europeus adquirem uma nova
visão do Mundo.
O gosto pelas viagens difunde-se.
Mercadores, peregrinos, diplomatas, missionários,
cavaleiros andantes percorrem os caminhos da Europa, e
alguns deles viajam para além dela, as cruzadas, Marco
Polo, etc..
História A, 10º ano, Módulo 2 63
64
Os mercadores são grandes viajantes, movidos pela
necessidade de realizarem negócios.
Em meados do século XIII, os irmãos Polo, realizaram
uma viagem até à longínqua China, fruto da abertura
do império Mongol (na altura governava a China).
Marco Polo, filho de um dos irmãos, que os
acompanhou, escreveu, o mais famoso livro de
viagens, “O Livro de Marco Polo”, onde contava as
suas aventuras na China.
Muitas vezes estas viagens de negócios de mercadores,
juntavam missões político-diplomáticas, e os
comerciantes desempenhavam o papel de
embaixadores.
Roma era a cidade onde se encontravam muitos desses
embaixadores, pois o Papa desempenhava o papel de
medianeiro entre os conflitos, não só entre estados mas
entre senhores.
História A, 10º ano, Módulo 2 65
Romarias e peregrinações
O fervor religioso desempenhava um papel muito
importante na Idade Média.
Abundavam igrejas, capelas e ermidas que eram objeto de
uma devoção especial, pela posse de uma relíquia ou
qualquer outro artefacto religioso.
67
As romarias organizavam-se numa determinada data
do ano e atraíam numerosos fiéis das zonas
circundantes.
Organizavam-se cerimónias religiosas mas também era
um tempo e local para convívio, festa (cantar, dançar) e
tratar de negócios.
As romarias foram umas das expressões mais notáveis
da cultura popular medieval.
O costume das grandes peregrinações reavivou-se no
século XII.
Grandes senhores, burgueses, homens do povo, velhos,
novos doentes e sãos, organizavam-se em grupos e
partiam em peregrinação.
Três principais locais de peregrinação na Idade Média:
Jerusalém (cenário da vida e morte de Cristo);
Roma (sede do papado e da morte do apóstolo Pedro)
Santiago de Compostela (onde a lenda situava o túmulo
do apóstolo São Tiago).
68
A peregrinação mais longa e perigosa, mas a mais
redentora é a que terminava em Jerusalém.
Mas, em geral, os europeus afluíam para Santiago de
Compostela.
História A, 10º ano, Módulo 2 69
Ao longo dos caminhos foram nascendo albergarias,
albergues, mosteiros e hospitais.
Chegados ao seu destino, os peregrinos recebiam a
bênção e as indulgências.
História A, 10º ano, Módulo 2 70
Todas estas romarias e peregrinações contribuíram para a
divulgação da cultura medieval e para a criação de uma
cultura europeia.
História A, 10º ano, Módulo 2 71
72
Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte
bibliografia:
ROSAS, Maria Antónia Monterroso; Couto, Célia Pinto; Jesus,
Elisabete, Entre Tempos 10, Porto Editora
SANCHES, Mário; História A, 10º ano, O essencial, Edições Asa,
2005
Apresentação em Power Point da Areal Editora
FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas
da História 10, Areal Editores, 2013
COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O
tempo da História 10, Porto Editora, 2011
Antão, António, Preparação para o Exame Nacional 2014,
História A, 2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
Vítor Santos
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império Romano
Vítor Santos
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
Maria Cristina Ribeiro
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
Joana Filipa Rodrigues
 
Educação Elementar
Educação ElementarEducação Elementar
Educação Elementar
Mara Godinho
 
O românico
O românicoO românico
O românico
Carla Teixeira
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Prenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordemPrenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordem
cattonia
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
cattonia
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
Susana Simões
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
Ana Barreiros
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império Romano
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
 
Educação Elementar
Educação ElementarEducação Elementar
Educação Elementar
 
O românico
O românicoO românico
O românico
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Prenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordemPrenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordem
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
04 a renovacao da espiritualidade e da religiosidade
 

Semelhante a 02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf

Valores
ValoresValores
Valores
manuela Sousa
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
Ana Barreiros
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
a15385LeandroFilipeG
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Rúben Soares
 
Cultura,arte e religião
Cultura,arte e religiãoCultura,arte e religião
Cultura,arte e religião
Teresa Maia
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
CLEBER LUIS DAMACENO
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 20122C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
www.historiadasartes.com
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Andrea Vieira de Souza
 
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por  Maísa da Silva FernandesArte Gótica - por  Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Maísa Fernandes
 
Arte Românica e Gótica
Arte Românica e GóticaArte Românica e Gótica
Arte Românica e Gótica
Silmara Nogueira
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
Rafael Lucas da Silva
 
Gótico
GóticoGótico
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
GEORGE TAVARES
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
Vítor Santos
 
Renascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade médiaRenascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade média
Isabel Aguiar
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
Carla Freitas
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Semelhante a 02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf (20)

Valores
ValoresValores
Valores
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
 
Cultura,arte e religião
Cultura,arte e religiãoCultura,arte e religião
Cultura,arte e religião
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 20122C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por  Maísa da Silva FernandesArte Gótica - por  Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
 
Arte Românica e Gótica
Arte Românica e GóticaArte Românica e Gótica
Arte Românica e Gótica
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
 
Gótico
GóticoGótico
Gótico
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
 
Renascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade médiaRenascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade média
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
Vítor Santos
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
Vítor Santos
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
Vítor Santos
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 

02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf

  • 1. Unidade 3 - Valores, vivências e quotidiano http://divulgacaohistoria.com/ História A - Módulo 2 O dinamismo civilizacional da Europa Ocidental nos séculos XIII a XIV – espaços, poderes e vivências
  • 2. A partir do século XI, a cidade da Idade Média, ao contrário do campo, torna-se um local de inovações. É um mundo fervilhante de negócios e outras atividades económicas. Na cidade desencadeiam-se profundas mudanças económicas, sociais, culturais, religiosas e artísticas. Alteram-se valores e vivências do quotidiano medieval que irá levar à transformação desse mundo. História A, 10º ano, Módulo 2 2
  • 3. A Experiência urbana Uma nova sensibilidade artística: o Gótico “A arte das Catedrais significou em primeiro lugar o renascimento das cidades. Estas ao longo dos séculos XII e XIII não pararam de crescer. A catedral (gótica) é a igreja do bispo, portanto a igreja da cidade.” George Duby, O tempo das catedrais 3
  • 4. Catedral de Colónia História A, 10º ano, Módulo 2 4
  • 5. O burguês torna-se orgulhoso de si e da sua cidade. Cada cidade pretende ser melhor que as cidades vizinhas. Os habitantes da cidade contribuem generosamente para as grandes construções urbanas (muralhas, praças, palácios, igrejas). História A, 10º ano, Módulo 2 5
  • 6. 6 Surge um novo estilo artístico, o Gótico, que fruto de novos elementos arquitetónicos e construtivos vai elevar as torres dos palácios e das igrejas que podem ser vistas de muito longe. O Gótico abrange todas as vertentes artísticas mas é na Igreja (catedral) que teve a sua maior expressão, é o seu expoente máximo.
  • 7. A construção da catedral gótica corresponde a uma nova conceção do cristianismo. “Deus é luz. (…) Luz absoluta, Deus está mais ou menos velado em cada criatura, consoante ela é menos ou mais refratária à sua iluminação. Esta conceção contém a chave da nova arte, da arte de França. Arte de claridade e de irradiação (…).” G. Duby, O tempo das catedrais História A, 10º ano, Módulo 2 7
  • 9. Catedral de Amiens História A, 10º ano, Módulo 2 9
  • 10. O Abade Suger, da Abadia de S. Dinis (arredores de Paris) foi o grande ideólogo (teólogo), criador do estilo gótico. 10
  • 11. Na reconstrução da cabeceira da Igreja de S. Dinis (1137), Paris, incentivou os mestres de obras a deixarem entrar a luz. Fez da catedral o reino de Deus na Terra. Surge uma nova teologia: “Deus é luz”. “Esta conceção contém a chave da nova arte, Arte de França, de que a Igreja de S. Dinis, de Suger, foi o modelo.” George Duby, O tempo das catedrais História A, 10º ano, Módulo 2 11
  • 12. As catedrais góticas distinguem-se pela sua elevação e verticalidade; Exterior profusamente decorado; Interior amplo e luminoso, devido às aberturas adornadas com vitrais. Catedral de Amiens 12
  • 13. A luz, filtrada pelos vitrais, ajuda a criar uma atmosfera propícia à meditação, é uma luz divina, uma revelação de Deus, deslumbra. História A, 10º ano, Módulo 2 13
  • 14. A catedral (A casa de Deus), pelas suas dimensões, evidenciava-se na paisagem urbana. Era o centro religioso, cultural, social e por vezes económico da cidade. História A, 10º ano, Módulo 2 14 https://espanafascinante.com/lugares/que-ver-en-catedral-de-burgos/
  • 15. As catedrais góticas, comparadas com as igrejas românicas, são estruturas leves e graciosas. A catedral, é também o orgulho das cidades, e todos os seus habitantes contribuíram para a sua construção. Catedral gótica e românica História A, 10º ano, Módulo 2 15
  • 16. O estilo Gótico veio substituir o estilo Românico. As igrejas românicas tinham um aspecto maciço, pesado e um interior escuro. Igrejas românicas História A, 10º ano, Módulo 2 16
  • 17. São novos elementos construtivos que tornam possíveis estas construções: Arco ogival ou quebrado; Abóbada de cruzamento de ogivas; Arcobotante. História A, 10º ano, Módulo 2 17
  • 18. A maior parte do peso é descarregado nas colunas Arco quebrado ou ogival (gótico) Arco de volta perfeita (românico) 18
  • 19. O arco ogival é mais dinâmico, forma as abóbadas de cruzamento de ogivas; O peso é distribuído através das nervuras do arco e é descarregado nas colunas e nos contrafortes exteriores; O peso é melhor distribuído, mais fácil de sustentar. História A, 10º ano, Módulo 2 19
  • 20. As abóbadas tornam-se mais leves, elásticas e dinâmicas adaptando-se às formas e dimensões dos espaços a cobrir; Uma catedral gótica é constituída por uma sucessão de tramos tramo Tramo é o espaço definido por 4 colunas. História A, 10º ano, Módulo 2 20
  • 21. Cabeceira (abside) Transepto 3 Naves (mas pode ter 5 ou 7). A nave central é mais alta e mais larga. A catedral gótica é tripartida - planta História A, 10º ano, Módulo 2 21
  • 22. Botaréu Arcobotantes Contraforte gótico é constituído por: Botaréu (estribo, contraforte): elemento maciço e vertical, adossado (encostado) às paredes das naves laterais; Arcobotantes: meios arcos que ajudam a descarregar o peso da nave central nos botaréus estribos. 22
  • 23. Estas inovações técnicas permitem que o peso das abóbadas seja descarregado nas colunas o que vai permitir abrir grandes aberturas nas paredes e aumentar a altura das abóbadas. História A, 10º ano, Módulo 2 23
  • 24. Pináculos Pináculos são elementos decorativos que servem para aumentar a sensação de altura das catedrais. História A, 10º ano, Módulo 2 24
  • 25. As catedrais góticas estão repletas de esculturas. Existe uma intensa relação entre a arquitetura e a escultura. História A, 10º ano, Módulo 2 25
  • 26. As esculturas invadem todos os elementos estruturais da catedral, sobretudo a fachada e os portais. Estas esculturas demonstram uma qualidade que tinha sido perdida com a queda do Império Romano. História A, 10º ano, Módulo 2 26
  • 27. A decoração para além do seu valor estético, tem uma valor doutrinal, é o “livro de imagens” da Cristandade, relata a vida de santos, e episódios do Antigo e Novo Testamento. É uma “lição” doutrinal para os crentes. 27
  • 28. Os vitrais coloridos, para além de ajudarem a criar no interior da catedral, uma atmosfera propícia à exaltação religiosa, são uma outra forma de ensinar aos crentes as verdades religiosas. A maior parte da população era analfabeta, por isso as imagens tinham uma grande importância. História A, 10º ano, Módulo 2 28
  • 29. As mutações na expressão da religiosidade: ordens mendicantes e confrarias A cidade medieval é um lugar de fortes contrastes: Por um lado existia a riqueza dos que tinham enriquecido com o desenvolvimento económico, e demonstravam-no quer nas suas vestes quer na ostentação das suas casas; História A, 10º ano, Módulo 2 29
  • 30. 30 Por outro lado, a cidade atraia as populações do campo que nem sempre encontravam emprego, ou pelo menos emprego certo e bem remunerado, e por isso viviam na miséria; A cidade medieval é feita destes contrastes entre a riqueza de uns e a miséria de outros que viviam isolados e sem amigos a quem pedir ajuda.
  • 31. Vão surgir organismos de solidariedade destinados à ajuda mútua e à prática da caridade. As ordens mendicantes trazem um novo espírito de renovação espiritual e promovem a fraternidade para o sofrimento. 31
  • 32. 32 A Igreja Católica identificava-se com os ricos, os seus mais altos dignatários viviam uma vida de luxo, alheados da miséria que existia à sua volta. Esta atitude tinha provocado a revolta de muitos crentes que se afastaram do catolicismo aderindo a heresias que eram violentamente reprimidas pela Igreja. Heresia é um desvio à doutrina oficial da Igreja Católica.
  • 33. Dentro da própria Igreja vão nascer outros movimentos de contestação da vida de luxo e preconizavam um retorno à humildade e pobreza originais. Francisco de Assis e Domingos de Gusmão, vão criar as ordens mendicantes que vão contribuir para a mudança de mentalidades. História A, 10º ano, Módulo 2 33
  • 34. S. Francisco (1182-1226), filho de um rico mercador da cidade de Assis (Itália) levou uma vida de boémia até aos 20 anos. Uma doença fê-lo mudar a sua atitude, renunciou aos bens terrenos e começou a pregar a palavra de Deus. Defendia a pobreza e a humildade; História A, 10º ano, Módulo 2 34
  • 35. 35 Criou uma nova ordem de Frades Menores (humildes) , os Franciscanos, que viviam na pobreza, ganhavam o seu sustento trabalhando e mendigando (mendicantes); Instalam-se na cidade, sobretudo nas zonas mais miseráveis e pregam a palavra de Deus e praticam a caridade. Ao contrário das outras ordens não vivem isolados nos conventos. Esta ordem estabeleceu-se muito cedo em Portugal.
  • 36. S. Domingos de Gusmão (1170-1221) fundou a ordem dos Dominicanos, que partilhavam os ideais de pobreza mas davam mais importância à pregação como forma de combater as heresias. O estudo da Teologia era muito importante para estes frades. S. Tomás de Aquino atingiu grande fama como teólogo e professor universitário como outros membros desta ordem. 36
  • 37. 37 As ordens mendicantes contribuíram para a renovação da vida religiosa e espiritual desenvolvendo um espírito de solidariedade e de ajuda ao próximo. Vão inspirar a criação de confrarias e outras associações de socorros mútuos.
  • 38. As confrarias eram associações de ajuda mútua (entreajuda), de cariz religioso que se organizavam sob a proteção de um santo. Agrupavam homens de um mesmo ofício, pela vizinhança, ou pela devoção a um mesmo santo. As confrarias ligadas a profissões desenvolveram-se muito pois já estavam agrupadas em corporações. História A, 10º ano, Módulo 2 38
  • 39. Corporação é uma associação de carácter socioprofissional que agrupa os trabalhadores de uma determinada atividade. Na Idade Média eram conhecidas por artes, guildas ou casas. Cada uma tinha os seus próprios estatutos que regulamentavam salários, preços e o acesso à profissão. 39
  • 40. 40 Geralmente a cada corporação associava-se uma confraria que prestava assistência aos seus membros. As confrarias funcionavam com base no pagamento de uma quota por parte dos seus membros e de contribuições dos membros mais ricos. Organizavam a assistência a membros. Reuniam-se periodicamente para decidir as atividades a realizarem.
  • 41. A expansão do ensino elementar. A fundação de Universidades. Até ao século XI, a frequência de uma escola eram o privilégio quase que exclusivo de clérigos e monges. Os mosteiros, com as suas escolas, bibliotecas e monges copistas eram os centros do saber. Estas escolas tinham como objetivo fundamental a preparação de futuros monges, por isso o ensino estava direcionado para a religião, por outro lado estes mosteiros localizavam-se no campo, longe da cidade. História A, 10º ano, Módulo 2 41
  • 42. No século XI, organizaram-se as primeiras escolas urbanas. A tutela da Igreja mantém-se mas o público destas novas escolas, escolas das catedrais, é outro, destinam-se a um público mais vasto, para além de clérigos admitem leigos nos seus estudos. Estas novas escolas urbanas procuram responder às novas necessidades da administração e da economia. As cidades precisam de funcionários e juristas para o seus tribunais, de notários e escrivães para as suas repartições públicas. Surge um novo funcionalismo que precisa de ser letrado (instruído). 42
  • 43. Por outro lado os negócios tornam-se cada vez mais complexos, surgem as primeiras grandes companhias comerciais que exigem registos precisos. Nas grandes cidades comerciais (Florença, Veneza, Lubeque, etc.) surgem escolas, muitas vezes privadas, onde para além do ensino da Lógica e Gramática, desenvolve-se o ensino da Aritmética. História A, 10º ano, Módulo 2 43
  • 44. No século XII, algumas escolas das catedrais, alcançaram fama internacional atraíam estudantes de toda a Europa. Algumas especializaram-se no ensino de determinadas áreas, como o Direito, a Teologia ou a Medicina. Surgiu a necessidade de organizar o ensino nessas escolas que determinasse os conteúdos a lecionar, os exames a realizar. Que determinassem um estatuto para docentes e discentes. Criaram-se organizações de tipo corporativo, a que se chamaram Universidades. História A, 10º ano, Módulo 2 44
  • 45. Universidade provém do termo latino universitas, corporação de professores e estudantes, com vista à organização de um estabelecimento de ensino superior (studium), surgem no século XII. As universidades foram dependentes da Igreja e o seu objetivo primordial era a formação de novos clérigos. História A, 10º ano, Módulo 2 45
  • 46. 46 A partir do século XIII, o número de estudantes laicos aumentou, e a universidade tornou-se o centro de formação do funcionalismo público. Estudar na universidade passou a ser uma forma de adquirir prestígio e subir na escala social. As Universidades conferiam os graus de bacharel, licenciado e doutor.
  • 47. História A, 10º ano, Módulo 2 47
  • 48. Duas das primeiras Universidades a surgirem foram as de Notre-Dame, Paris e a de Bolonha. Em Paris, a Universidade afirmou-se em luta contra as autoridades laicas e eclesiásticas. Em 1231, o papa Gregório IX, autorizou a Universidade de Paris a estabelecer as suas leis e regras de funcionamento. A Universidade de Paris notabilizou-se no ensino da Teologia, a de Bolonha em Direito. História A, 10º ano, Módulo 2 48
  • 49. Os estudos universitários organizavam-se em faculdades, grupos de professores e alunos de um mesmo ramo de saber. O seu número variava conforme as Universidades. Todas tinham as Artes que era a base dos estudos universitários. Durava 6 anos e iniciava-se entre os 14 e 16 anos, conferia o grau de licenciado. 49
  • 50. Em Portugal, D. Dinis, em 1290, fundou o Estudo Geral de Lisboa. Tinha as faculdades de Artes, Direito Canónico, Leis e Medicina. A Teologia continuou a ser privilégio dos mosteiros de Santa Cruz de Coimbra e de Alcobaça. Em 1308, o Estudo Geral foi transferido para Coimbra. Posteriormente foi novamente transferida para Lisboa, e em 1537, a universidade fixou-se definitivamente em Coimbra. História A, 10º ano, Módulo 2 50
  • 51. A cultura leiga e profana nas cortes régias e senhoriais A prosperidade económica refletiu-se na vida cultural. Desenvolve-se um gosto por uma vida mais requintada e pela erudição, não só nas cidades mas também nas cortes dos reis e dos grandes senhores. 51
  • 52. 52 Surge o ideal de cavalaria, o senhor deve ser corajoso, desinteressado, deve defender a causa dos fracos e da justiça. Deve cortejar a sua dama segundo as regras do “amor perfeito”. Nesta nova vivência cortesã a literatura assume um papel central. A literatura difunde os ideais da cavalaria.
  • 53. Nos finais do século XIII, surge , nas cortes da Europa, o ideal do perfeito cavaleiro. Condições para ser um perfeito cavaleiro (profano e religioso): Nascimento nobre; Deve demonstrar honra, coragem, lealdade, virtude e piedade. O cavaleiro combate por Cristo. História A, 10º ano, Módulo 2 53
  • 54. Surgem as narrativas de cavalaria, que relatam episódios romanceados de episódios de cavalaria; Estes romances eram lidos, ao serão, na corte dos grandes senhores e do rei; As novelas arturianas foram muito difundidas nesta época, relatam a vida na corte do rei Artur e dos cavaleiros da Távola Redonda e da sua procura do Santo Graal; 54
  • 55. 55 Na Península Ibérica surgiu o Amadis de Gaula, romance que teve um grande êxito; Na época, trovadores viajavam de corte em corte cantando estes romances.
  • 56. Os nobres deviam passar por um período de aprendizagem antes de serem “armados cavaleiros”: Em jovem (7/8 anos) era enviado para a corte de um senhor com estatuto superior (casa grande); Primeiro era um pajem aprendia a manejar as armas e cavalgar; Depois, na adolescência, tornava-se escudeiro. Tratava das armas e do cavalo do senhor, acompanhava-o nas suas lutas e torneios; Por toda a Europa os senhores dedicavam-se, para além da guerra, à caça, torneios e justas; 56
  • 57. O rei português, D. Duarte (1391-1438), publicou um livro sobre a arte da cavalaria, denominado “Livro da Ensinança da Arte de Bem Cavalgar em Toda a Sela”, considerado o primeiro tratado europeu de cavalaria. Depois de 14 anos de aprendizagem, o jovem escudeiro proferia os votos de cavalaria. Eram votos sagrados, faziam parte de um ritual, em que a própria Igreja tomava parte. Depois de cumprido este ritual, o jovem era investido cavaleiro. Passava a fazer parte da ordem de cavalaria. 57
  • 58. O código de cavalaria integra um código de amor; É um conjunto de regras que definem quem e como se deve amar; O desenvolvimento das cortes na Europa levou a um maior convívio entre os dois sexos, e a partir do século XII, desenvolveu-se o amor cortês. História A, 10º ano, Módulo 2 58
  • 59. Para a divulgação dos ideais do amor cortês contribuíram os poetas; A poesia trovadoresca nasceu no Sul de França (Provença), e os trovadores e jograis espalharam-na por todas as cortes europeias. O Romance da Rosa, romance escrito sobre a temática do amor, teve uma grande divulgação. 59
  • 60. 60 Em Portugal, esta poesia trovadoresca desenvolveu-se, assumindo dois géneros principais: cantigas de amigo e cantigas de amor. O amor foi uma componente essencial da sociabilidade cortesã e da cultura erudita da Idade Média. Para muitos foi um código de vida, um ideal de vida.
  • 61. O culto da memória dos antepassados é uma característica das famílias nobres. Os títulos nobiliárquicos são herdados, por isso é importante prestar homenagem aos antepassados. Aos serões, nas cortes senhoriais, era normal comentar e elogiar os feitos dos antepassados. No século XII, muitos senhores fizeram passar a escrito essas memórias. Surge uma literatura genealógica que se desenvolveu ao longo dos séculos XIII e XIV. 61
  • 62. Em Portugal surgem os livros de linhagens (ou nobiliários). O mais interessante é o “Terceiro Livro de Linhagens”, da autoria do Conde de Barcelos, D. Pedro. É uma espécie de História Universal, que começa com Adão e vai até às famílias nobres da Reconquista cristã da Península Ibérica, de onde descendem as famílias nobres portuguesas. História A, 10º ano, Módulo 2 62
  • 63. Nos séculos XIII e XIV, os Europeus adquirem uma nova visão do Mundo. O gosto pelas viagens difunde-se. Mercadores, peregrinos, diplomatas, missionários, cavaleiros andantes percorrem os caminhos da Europa, e alguns deles viajam para além dela, as cruzadas, Marco Polo, etc.. História A, 10º ano, Módulo 2 63
  • 64. 64 Os mercadores são grandes viajantes, movidos pela necessidade de realizarem negócios. Em meados do século XIII, os irmãos Polo, realizaram uma viagem até à longínqua China, fruto da abertura do império Mongol (na altura governava a China). Marco Polo, filho de um dos irmãos, que os acompanhou, escreveu, o mais famoso livro de viagens, “O Livro de Marco Polo”, onde contava as suas aventuras na China.
  • 65. Muitas vezes estas viagens de negócios de mercadores, juntavam missões político-diplomáticas, e os comerciantes desempenhavam o papel de embaixadores. Roma era a cidade onde se encontravam muitos desses embaixadores, pois o Papa desempenhava o papel de medianeiro entre os conflitos, não só entre estados mas entre senhores. História A, 10º ano, Módulo 2 65
  • 66. Romarias e peregrinações O fervor religioso desempenhava um papel muito importante na Idade Média. Abundavam igrejas, capelas e ermidas que eram objeto de uma devoção especial, pela posse de uma relíquia ou qualquer outro artefacto religioso.
  • 67. 67 As romarias organizavam-se numa determinada data do ano e atraíam numerosos fiéis das zonas circundantes. Organizavam-se cerimónias religiosas mas também era um tempo e local para convívio, festa (cantar, dançar) e tratar de negócios. As romarias foram umas das expressões mais notáveis da cultura popular medieval.
  • 68. O costume das grandes peregrinações reavivou-se no século XII. Grandes senhores, burgueses, homens do povo, velhos, novos doentes e sãos, organizavam-se em grupos e partiam em peregrinação. Três principais locais de peregrinação na Idade Média: Jerusalém (cenário da vida e morte de Cristo); Roma (sede do papado e da morte do apóstolo Pedro) Santiago de Compostela (onde a lenda situava o túmulo do apóstolo São Tiago). 68
  • 69. A peregrinação mais longa e perigosa, mas a mais redentora é a que terminava em Jerusalém. Mas, em geral, os europeus afluíam para Santiago de Compostela. História A, 10º ano, Módulo 2 69
  • 70. Ao longo dos caminhos foram nascendo albergarias, albergues, mosteiros e hospitais. Chegados ao seu destino, os peregrinos recebiam a bênção e as indulgências. História A, 10º ano, Módulo 2 70
  • 71. Todas estas romarias e peregrinações contribuíram para a divulgação da cultura medieval e para a criação de uma cultura europeia. História A, 10º ano, Módulo 2 71
  • 72. 72 Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: ROSAS, Maria Antónia Monterroso; Couto, Célia Pinto; Jesus, Elisabete, Entre Tempos 10, Porto Editora SANCHES, Mário; História A, 10º ano, O essencial, Edições Asa, 2005 Apresentação em Power Point da Areal Editora FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da História 10, Areal Editores, 2013 COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da História 10, Porto Editora, 2011 Antão, António, Preparação para o Exame Nacional 2014, História A, 2013