SlideShare uma empresa Scribd logo
1
História A - Módulo 0
Estudar/Aprender História
Unidade 0
http://divulgacaohistoria.com/
2
Aprendizagens Relevantes
Identificar a importância da cronologia no estudo da
História.
Compreender a noção de período histórico como resultado
de uma reflexão sobre permanências e mutações nos
modos de vida das sociedades, num dado espaço.
3
Reconhecer a diversidade de documentos históricos e a
necessidade de uma leitura crítica.
Compreender a noção de período histórico como
resultado de uma reflexão sobre permanências e
mutações nos modos de vida das sociedades, num dado
espaço.
Analisar materiais iconográficos (quadros ou frisos
cronológicos, mapas e cronologias).
Referir a importância do espaço no trabalho do
historiador.
4
Fontes e Património
5
Todas estas imagens tem algo em comum
São fontes históricas
6
O que é uma fonte histórica?
É todo e qualquer vestígio da atividade humana.
O Historiador utiliza as fontes históricas para estudar o
passado.
Deve fazer uma análise crítica das fontes.
7
Desde o primeiro rabisco feito por nossos antepassados nas
paredes das cavernas até a mais recente crónica de jornal não
faltam registros escritos para contar um pouco da realidade
vivida em cada época pela humanidade. A simples existência
desses relatos indica a importância da sua leitura.
Navegar pela maior diversidade de fontes possível é
importante mas não é tudo. O essencial é analisar,
questionar, confrontar e contextualizá-las, entendendo que
as relações entre presente, passado e futuro vão além de uma
mera sequência de fatos em ordem cronológica.
8
Em História, o historiador encontra no texto as
principais informações sobre seu tema de pesquisa,
identifica trechos que necessitam de investigação extra
para serem entendidos e é capaz de confrontar a
opinião de um autor com a de outros que já
escreveram sobre o mesmo assunto.
Adaptado de https://novaescola.org.br/conteudo/2421/a-
leitura-critica-de-fontes-historicas
9
O historiador investiga a história através das fontes
Classificação das fontes históricas:
Escritas: manuscritas, impressas e digitais;
Materiais/arqueológicas: arquitetura, moedas, armas,
pinturas, filmes, fotografias, etc.
Orais: entrevistas, músicas, etc.
10
Para investigar as fontes históricas, o historiador conta
com a ajuda de outras ciências: Arqueologia,
Matemática (estatística), Sociologia, Geografia, etc.
11
A preservação das fontes históricas é fundamental para o
conhecimento histórico.
O Património Cultural é fundamental para a preservação
da memória coletiva dos povos.
O Património Cultural é constituído por bens materiais e
bens imateriais.
12
O Património Cultural é constituído por escritos, lendas,
monumentos, fotografias, pinturas, móveis, estruturas
arquitetónicas, música, etc.
Direção-Geral do Património Cultural
O tempo da História
Cronologia (O tempo)
Método de avaliar intervalos de tempo;
Os calendários têm de ter um início;
A nossa civilização utiliza o nascimento de Cristo como
ponto inicial;
Nascimento de Cristo
1 2022
2022
1 000 000 a.c
a.c
d.c
13
Outros calendários
14
ERA Acontecimento inicial
Acontecimento no
calendário cristão
Grécia Antiga Início dos Jogos Olímpicos 776 a.c.
Império Romano Fundação lendária de Roma 753 a.c.
Muçulmanos
Hégira (viagem de Maomé de
Meca para Medina)
622 d.c.
Cristã Nascimento de Cristo 1 d.c.
Existem muitos outros calendários: Maia (início em 11
de agosto de 3114 a.C.; Chinês (atualmente no ano
4720), etc.
Periodização (tradicional) da História
15
Pré-História História
Paleolítico
(+/- 4.000.000 anos)
Primeiros hominídeos
Neolítico
(+/- 12.000 anos)
Descoberta da agricultura
Idade Antiga
de +/- 4.000 a.c
Invenção da escrita
a 476 d.c
(queda do Império
Romano do ocidente
Idade Média
De 476 d.c. a 1453 d.c.
(Queda do Império
Romano do Oriente)
Idade Moderna
De 1453 a 1789
(início da Revolução Francesa
Idade Contemporânea
De 1789 aos nossos dias
Civilizações Pré-Clássicas
De +/- 4.000 a.c. até ao início
do século V a.c.
Civilizações Clássicas
Do início do século V a.c. a
476 d.c.
(Civilizações Grega e Romana)
Friso cronológico
Tempo em História
16
Idade Antiga Idade Média Idade Moderna Idade Contemporânea
II Guerra Mundial
Absolutismo
Feudalismo
Batalha de Maratona
4 “acontecimentos” históricos
3 tipos diferentes, se tivermos em atenção a
sua duração
O que diferencia estes acontecimentos, se
tivermos em conta a sua duração?
17
acontecimentos Duração dos acontecimentos
II Guerra Mundial
Absolutismo
Batalha de Maratona
Feudalismo
6 anos
séculos
séculos
1 dia Tempo
breve
Tempo
médio
Longa duração
Longa duração
18
Tempo Breve (horas ou dias);
Tempo dos acontecimentos, dos factos;
(Uma batalha, uma cerimónia, uma eleição, etc.)
19
Tempo Médio (meses ou poucos anos);
Tempo da conjuntura;
(Uma crise ou prosperidade económica, uma guerra, etc.)
20
Tempo de Longa Duração (muitos anos ou séculos);
Tempo da estrutura;
Um sistema económico ou político, capitalismo, feudalismo,
absolutismo);
21
Podemos distinguir vários períodos de tempo:
− o tempo curto: o acontecimento, que ocorre em pouco tempo;
− o tempo médio ou conjuntura: o período mais alargado em que se
verificam certas características que refletem um momento que se
prolonga durante vários anos ou até décadas;
− o tempo de longa duração ou estrutura: o acontecimento que se
desenvolve durante um período de maior duração, que pode
abranger um século, vários séculos ou até milénios;
− o tempo cíclico: é o tempo dos acontecimentos ou fenómenos que
se repetem de forma cíclica ou periódica, nomeadamente crises
económicas, crises demográficas, por exemplo, que se repetem
ciclicamente, ao longo de várias épocas
− In Apresentação da Areal Editora
22
O século é um período de 100 anos.
Um meio século ou primeira ou segunda metade do
século é um período de 50 anos.
Um quartel ou um quarto de século é um período de
25 anos.
Uma década é um período de 10 anos.
23
− In Apresentação da Areal Editora
O que vamos estudar este ano
ESAG, História A, 2012/2013 24
Durante muito tempo, a História foi entendida como
uma sucessão de factos (tempo breve), ligados entre si,
por uma relação de causas/efeitos;
Nos dias de hoje privilegia-se o estudo do tempo médio
e longo, das conjuntura e estruturas.
O Espaço na História
25
26
O espaço, a geografia, influencia o desenrolar da História.
27
As civilizações, ao longo da História, inserem-se num
determinado tempo, mas também num determinado
espaço geográfico;
O espaço geográfico condiciona o desenvolvimento dessa
civilização;
ESAG, História A, 2012/2013 28
https://tudorbrasil.com/2016/01/22/a-mulher-no-antigo-egito/
As cidades no Antigo Egito
não eram muralhadas,
consegues imaginar a
razão?
A partir do mapa podemos
inferir qual a atividade
económica principal dos
egípcios?
ESAG, História A, 2012/2013 29
Mapa e relevo da Grécia. Qual seria a principal atividade
económica na Grécia Antiga?
ESAG, História A, 2012/2013 30
Os oceanos, durante a maior parte da História da
Humanidade, separaram povos e civilizações.
ESAG, História A, 2012/2013 31
A investigação em História
Campo de
Estudo
Objeto de Estudo
Político Regimes políticos, Estados, Revoluções, Guerras,
líderes, etc.
Económico Atividades económicas (agricultura, indústria,
comércio, finanças), moeda, preços, empresas, etc.
Social Classes sociais, vida quotidiana, minorias, etc.
Demográfico Natalidade, mortalidade, crescimento/diminuição da
população, pirâmide etária, etc.
Cultural Artes, filosofia, tecnologias, crenças religiosas,
ciência, cinema, etc.
Tipos de esquema
D. Afonso VI
Rei de Leão e
Castela
(1040-1109)
D. Urraca
(?-1126)
D. Raimundo
(?-1107)
D. Henrique
Conde Portucale
(?-1112)
D. Sancho
(1099-1108)
D. Teresa
(?-1130)
~
1091 ~
D. Afonso VIi
Rei de Leão e
Castela
(1105-1157)
D. Afonso
Henriques
Rei de Portugal
(?-1185)
Esquema linear – traduz uma sequência causal ou cronológica
Re
i
Nobrez
a
Clero
Pov
o
Esquema Hierárquico – ordena, de cima para baixo, por ordem
decrescente
Crescimento económico do século XIII
Melhorias
climática
Paz
Crescimento
demográfico
Desenvolvimento
agrícola
Dinamização
das trocas
Revitalização
urbana
Crescimento económico
Esquema Sistémico – estabelece interações entre realidades
diferentes ou aspetos diferentes da mesma realidade.
Relação causa-efeito
Interaçã
o
Definição, composição, descrição
ESAG, História A, 2012/2023 37
Esta apresentação foi construída tendo por base a
seguinte bibliografia:
Rosas, Maria Antónia Monterroso; Couto, Célia Pinto;
Jesus, Elisabete, Entre Tempos 10, Porto Editora
Sanches, Mário; História A, 10º ano, O essencial, Edições
Asa, 2005
Apresentação em Power Point da Areal Editora

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 0_história_A.pdf

Prevupe - Introdução aos estudos históricos
Prevupe - Introdução aos estudos históricosPrevupe - Introdução aos estudos históricos
Prevupe - Introdução aos estudos históricos
Rodrigo Ferreira
 
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
JONASFERNANDESDELIMA1
 
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
RafaelyLeite1
 
História conceitos
História   conceitosHistória   conceitos
História conceitos
Neryvann Cliff
 
História como ciência
História como ciênciaHistória como ciência
História como ciência
JoaquimCarvalho1984
 
Introdução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do HistoriadorIntrodução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do Historiador
Andre Lucas
 
Aula de introdução aos estudos Históricos
Aula de introdução aos estudos Históricos  Aula de introdução aos estudos Históricos
Aula de introdução aos estudos Históricos
Mariana Willendorff Oliveira
 
História-e-Memória.pdf
História-e-Memória.pdfHistória-e-Memória.pdf
História-e-Memória.pdf
alealmeida14
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
Nila Michele Bastos Santos
 
História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadores
Ivanilton Junior
 
1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos
Suellen Barbosa
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
João Medeiros
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
Privada
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
Privada
 
2.introdução á história.14
2.introdução á história.142.introdução á história.14
2.introdução á história.14
Jose Ribamar Santos
 
A ciência histórica
A ciência históricaA ciência histórica
A ciência histórica
cattonia
 
2.introdução á história.15.
2.introdução á história.15.2.introdução á história.15.
2.introdução á história.15.
Jose Ribamar Santos
 
Curso de História para ENEM 2017
Curso de História para ENEM 2017Curso de História para ENEM 2017
Curso de História para ENEM 2017
Estratégia ENEM
 
O tempo e a historia
O tempo e a historiaO tempo e a historia
O tempo e a historia
Jovania Zanotelli
 
O ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presenteO ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presente
eunamahcado
 

Semelhante a 0_história_A.pdf (20)

Prevupe - Introdução aos estudos históricos
Prevupe - Introdução aos estudos históricosPrevupe - Introdução aos estudos históricos
Prevupe - Introdução aos estudos históricos
 
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
 
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
 
História conceitos
História   conceitosHistória   conceitos
História conceitos
 
História como ciência
História como ciênciaHistória como ciência
História como ciência
 
Introdução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do HistoriadorIntrodução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do Historiador
 
Aula de introdução aos estudos Históricos
Aula de introdução aos estudos Históricos  Aula de introdução aos estudos Históricos
Aula de introdução aos estudos Históricos
 
História-e-Memória.pdf
História-e-Memória.pdfHistória-e-Memória.pdf
História-e-Memória.pdf
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
 
História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadores
 
1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
 
2.introdução á história.14
2.introdução á história.142.introdução á história.14
2.introdução á história.14
 
A ciência histórica
A ciência históricaA ciência histórica
A ciência histórica
 
2.introdução á história.15.
2.introdução á história.15.2.introdução á história.15.
2.introdução á história.15.
 
Curso de História para ENEM 2017
Curso de História para ENEM 2017Curso de História para ENEM 2017
Curso de História para ENEM 2017
 
O tempo e a historia
O tempo e a historiaO tempo e a historia
O tempo e a historia
 
O ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presenteO ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presente
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 

0_história_A.pdf

  • 1. 1 História A - Módulo 0 Estudar/Aprender História Unidade 0 http://divulgacaohistoria.com/
  • 2. 2 Aprendizagens Relevantes Identificar a importância da cronologia no estudo da História. Compreender a noção de período histórico como resultado de uma reflexão sobre permanências e mutações nos modos de vida das sociedades, num dado espaço.
  • 3. 3 Reconhecer a diversidade de documentos históricos e a necessidade de uma leitura crítica. Compreender a noção de período histórico como resultado de uma reflexão sobre permanências e mutações nos modos de vida das sociedades, num dado espaço. Analisar materiais iconográficos (quadros ou frisos cronológicos, mapas e cronologias). Referir a importância do espaço no trabalho do historiador.
  • 5. 5 Todas estas imagens tem algo em comum São fontes históricas
  • 6. 6 O que é uma fonte histórica? É todo e qualquer vestígio da atividade humana. O Historiador utiliza as fontes históricas para estudar o passado. Deve fazer uma análise crítica das fontes.
  • 7. 7 Desde o primeiro rabisco feito por nossos antepassados nas paredes das cavernas até a mais recente crónica de jornal não faltam registros escritos para contar um pouco da realidade vivida em cada época pela humanidade. A simples existência desses relatos indica a importância da sua leitura. Navegar pela maior diversidade de fontes possível é importante mas não é tudo. O essencial é analisar, questionar, confrontar e contextualizá-las, entendendo que as relações entre presente, passado e futuro vão além de uma mera sequência de fatos em ordem cronológica.
  • 8. 8 Em História, o historiador encontra no texto as principais informações sobre seu tema de pesquisa, identifica trechos que necessitam de investigação extra para serem entendidos e é capaz de confrontar a opinião de um autor com a de outros que já escreveram sobre o mesmo assunto. Adaptado de https://novaescola.org.br/conteudo/2421/a- leitura-critica-de-fontes-historicas
  • 9. 9 O historiador investiga a história através das fontes Classificação das fontes históricas: Escritas: manuscritas, impressas e digitais; Materiais/arqueológicas: arquitetura, moedas, armas, pinturas, filmes, fotografias, etc. Orais: entrevistas, músicas, etc.
  • 10. 10 Para investigar as fontes históricas, o historiador conta com a ajuda de outras ciências: Arqueologia, Matemática (estatística), Sociologia, Geografia, etc.
  • 11. 11 A preservação das fontes históricas é fundamental para o conhecimento histórico. O Património Cultural é fundamental para a preservação da memória coletiva dos povos. O Património Cultural é constituído por bens materiais e bens imateriais.
  • 12. 12 O Património Cultural é constituído por escritos, lendas, monumentos, fotografias, pinturas, móveis, estruturas arquitetónicas, música, etc. Direção-Geral do Património Cultural
  • 13. O tempo da História Cronologia (O tempo) Método de avaliar intervalos de tempo; Os calendários têm de ter um início; A nossa civilização utiliza o nascimento de Cristo como ponto inicial; Nascimento de Cristo 1 2022 2022 1 000 000 a.c a.c d.c 13
  • 14. Outros calendários 14 ERA Acontecimento inicial Acontecimento no calendário cristão Grécia Antiga Início dos Jogos Olímpicos 776 a.c. Império Romano Fundação lendária de Roma 753 a.c. Muçulmanos Hégira (viagem de Maomé de Meca para Medina) 622 d.c. Cristã Nascimento de Cristo 1 d.c. Existem muitos outros calendários: Maia (início em 11 de agosto de 3114 a.C.; Chinês (atualmente no ano 4720), etc.
  • 15. Periodização (tradicional) da História 15 Pré-História História Paleolítico (+/- 4.000.000 anos) Primeiros hominídeos Neolítico (+/- 12.000 anos) Descoberta da agricultura Idade Antiga de +/- 4.000 a.c Invenção da escrita a 476 d.c (queda do Império Romano do ocidente Idade Média De 476 d.c. a 1453 d.c. (Queda do Império Romano do Oriente) Idade Moderna De 1453 a 1789 (início da Revolução Francesa Idade Contemporânea De 1789 aos nossos dias Civilizações Pré-Clássicas De +/- 4.000 a.c. até ao início do século V a.c. Civilizações Clássicas Do início do século V a.c. a 476 d.c. (Civilizações Grega e Romana) Friso cronológico
  • 16. Tempo em História 16 Idade Antiga Idade Média Idade Moderna Idade Contemporânea II Guerra Mundial Absolutismo Feudalismo Batalha de Maratona 4 “acontecimentos” históricos 3 tipos diferentes, se tivermos em atenção a sua duração O que diferencia estes acontecimentos, se tivermos em conta a sua duração?
  • 17. 17 acontecimentos Duração dos acontecimentos II Guerra Mundial Absolutismo Batalha de Maratona Feudalismo 6 anos séculos séculos 1 dia Tempo breve Tempo médio Longa duração Longa duração
  • 18. 18 Tempo Breve (horas ou dias); Tempo dos acontecimentos, dos factos; (Uma batalha, uma cerimónia, uma eleição, etc.)
  • 19. 19 Tempo Médio (meses ou poucos anos); Tempo da conjuntura; (Uma crise ou prosperidade económica, uma guerra, etc.)
  • 20. 20 Tempo de Longa Duração (muitos anos ou séculos); Tempo da estrutura; Um sistema económico ou político, capitalismo, feudalismo, absolutismo);
  • 21. 21 Podemos distinguir vários períodos de tempo: − o tempo curto: o acontecimento, que ocorre em pouco tempo; − o tempo médio ou conjuntura: o período mais alargado em que se verificam certas características que refletem um momento que se prolonga durante vários anos ou até décadas; − o tempo de longa duração ou estrutura: o acontecimento que se desenvolve durante um período de maior duração, que pode abranger um século, vários séculos ou até milénios; − o tempo cíclico: é o tempo dos acontecimentos ou fenómenos que se repetem de forma cíclica ou periódica, nomeadamente crises económicas, crises demográficas, por exemplo, que se repetem ciclicamente, ao longo de várias épocas − In Apresentação da Areal Editora
  • 22. 22 O século é um período de 100 anos. Um meio século ou primeira ou segunda metade do século é um período de 50 anos. Um quartel ou um quarto de século é um período de 25 anos. Uma década é um período de 10 anos.
  • 23. 23 − In Apresentação da Areal Editora O que vamos estudar este ano
  • 24. ESAG, História A, 2012/2013 24 Durante muito tempo, a História foi entendida como uma sucessão de factos (tempo breve), ligados entre si, por uma relação de causas/efeitos; Nos dias de hoje privilegia-se o estudo do tempo médio e longo, das conjuntura e estruturas.
  • 25. O Espaço na História 25
  • 26. 26 O espaço, a geografia, influencia o desenrolar da História.
  • 27. 27 As civilizações, ao longo da História, inserem-se num determinado tempo, mas também num determinado espaço geográfico; O espaço geográfico condiciona o desenvolvimento dessa civilização;
  • 28. ESAG, História A, 2012/2013 28 https://tudorbrasil.com/2016/01/22/a-mulher-no-antigo-egito/ As cidades no Antigo Egito não eram muralhadas, consegues imaginar a razão? A partir do mapa podemos inferir qual a atividade económica principal dos egípcios?
  • 29. ESAG, História A, 2012/2013 29 Mapa e relevo da Grécia. Qual seria a principal atividade económica na Grécia Antiga?
  • 30. ESAG, História A, 2012/2013 30 Os oceanos, durante a maior parte da História da Humanidade, separaram povos e civilizações.
  • 31. ESAG, História A, 2012/2013 31 A investigação em História Campo de Estudo Objeto de Estudo Político Regimes políticos, Estados, Revoluções, Guerras, líderes, etc. Económico Atividades económicas (agricultura, indústria, comércio, finanças), moeda, preços, empresas, etc. Social Classes sociais, vida quotidiana, minorias, etc. Demográfico Natalidade, mortalidade, crescimento/diminuição da população, pirâmide etária, etc. Cultural Artes, filosofia, tecnologias, crenças religiosas, ciência, cinema, etc.
  • 33. D. Afonso VI Rei de Leão e Castela (1040-1109) D. Urraca (?-1126) D. Raimundo (?-1107) D. Henrique Conde Portucale (?-1112) D. Sancho (1099-1108) D. Teresa (?-1130) ~ 1091 ~ D. Afonso VIi Rei de Leão e Castela (1105-1157) D. Afonso Henriques Rei de Portugal (?-1185) Esquema linear – traduz uma sequência causal ou cronológica
  • 34. Re i Nobrez a Clero Pov o Esquema Hierárquico – ordena, de cima para baixo, por ordem decrescente
  • 35. Crescimento económico do século XIII Melhorias climática Paz Crescimento demográfico Desenvolvimento agrícola Dinamização das trocas Revitalização urbana Crescimento económico Esquema Sistémico – estabelece interações entre realidades diferentes ou aspetos diferentes da mesma realidade.
  • 37. ESAG, História A, 2012/2023 37 Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: Rosas, Maria Antónia Monterroso; Couto, Célia Pinto; Jesus, Elisabete, Entre Tempos 10, Porto Editora Sanches, Mário; História A, 10º ano, O essencial, Edições Asa, 2005 Apresentação em Power Point da Areal Editora