SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Toxoplasmose
Congênita
Toxoplasmose é uma doença infecciosa, congênita ou adquirida,
causada por um protozoário chamado Toxoplasma gondii(um
dos parasitas mais comuns do mundo), encontrado nas fezes
dos gatos e outros felinos.
Homens e outros animais também podem hospedar o parasita.
Toxoplasma gondii
• A gestante pode adquirir a toxoplasmose devido:
• a ingestão de oocistos em água e alimentos contaminados(
vegetais e frutas);
• cistos em carnes mal passadas;
• locais onde eventualmente possa haver fezes de felinos (terra,
areia), que são os únicos hospedeiros definitivos de T. gondii
(BRASIL, 2012)
• O risco de infecção fetal esta relacionado a idade gestacional
em que ocorreu a doença, sendo maior no terceiro trimestre e
no período periparto (ate 80%).
• Entretanto, o risco de lesões fetais graves e maior nas infecções
maternas precoces, se a soroconversao ocorreu no primeiro
trimestre gestacional, ha 75% de chance da criança apresentar
manifestações clinicas ate os três primeiros anos de vida.
(FEBRASGO, 2011)
As alterações mais encontradas em recém-nascidos
com toxoplasmose congênita são:
• Coriorretinite
• Hepatoesplenomegalia
• Linfadenopatia
• Icterícia
• Anemia
• Estabrismo
• Crises convulsivas
(MINISTERIO DA SAUDE, 2011).
• Erupção cutânea
• Hidrocefalia
• Calcificações cerebrais
• Macro ou microcefalia
• Restrição do crescimento intra-
uterino
• Prematuridade
• Crises convulsivas
Figura 1: Lactente com toxoplasmose congênita apresentando
microcefalia e ptose palpebral a esquerda. A mãe não foi tratada durante a
gestação
Figura 2: Mesmo paciente apresentando icterícia hepatomegalia e
esplenomegalia
Linfadenopatia
Sintomas da toxoplasmose na grávida
• Na maior parte das mulheres a toxoplasmose adquirida na
gravidez não causa nenhum sintoma.
• Mas alguns podem surgir como:
• Febre;
• Calafrios;
• Gânglios Linfáticos;
• Cefaléia;
• Dor nos músculos e nas articulações.
Diagnóstico da infecção materna
• O diagnóstico e feito pela sorologia IgM e IgG.
• IgG (Imunoglobulina G) e IgM (Imunoglobulina
M) são anticorpos que o organismo produz quando entra em
contato com algum tipo de micro-organismo invasor.
• A diferença entre eles é que o IgM é produzido na fase aguda
da infecção, enquanto que o IgG, que também surge na fase
aguda, é mais específico e serve para proteger a pessoa de
futuras infecções, permanecendo por toda a vida.
• A gestante que apresentar infecção por T. gondii, por meio da
pesquisa de anticorpos IgM reagentes, em qualquer trimestre
gestacional, devera ser iniciado o tratamento na Atenção
Primaria e simultaneamente ser encaminhada para Referencia
de Alto Risco, mantendo o acompanhamento concomitante na
Unidade de Atenção Primaria a Saúde.
Tratamento na mãe
• O tratamento devera ser instituído tão precoce quanto
possível, assim que houver comprovação laboratorial da
toxoplasmose adquirida na gestação.
• A terapêutica envolve droga de ação parasitostatica
(Espiramicina) que atua sobre a infecção placentária e uma
associação de parasiticidas (Sulfadiazina e Pirimetamina com
Acido Folinico) que eliminam os agentes que atravessaram a
barreira placentária e que atingiram o liquido amniótico e/ou o
feto.
Diagnóstico no recém nascido
• São critérios diagnósticos para confirmação de toxoplasmose
congênita:
1- Presença de IgM positiva após o 5º dia de vida;
2- IgA positiva nos primeiros 6 meses de vida;
3- IgG específica persistentemente positiva após o 12º mês de
vida;
4- Alterações sugestivas de infecção congênita associadas à
presença de IgM e/ou IgG específica em títulos ascendentes;
5- PCR para T. gondii positivo em sangue periférico.
• Deverá ser realizado os seguintes exames no recém-nascido
para avaliar o comprometimento do mesmo:
• Hemograma com plaquetas;
• Bioquímica;
• Radiografia de crânio;
• US transfontanela e/ou tomografia computadorizada do crânio
(TCC);
• Exame Oftalmológico;
• Líquor (líquido da espinha);
• Exame audiológico: para avaliar perda auditiva.
Tratamento na criança
• Iniciar precocemente e estender até um ano de idade (mesmo
nos casos de infecção subclínica).
• Controle:
• hemograma e plaquetas a cada 15 a 30 dias (durante o uso de
sulfadiazina e pirimetamina).
Prevenção
• Cozinhar bem a carne;
• Usar luvas quando mexer no jardim;
• Lavar todas as frutas e vegetais;
• Lavar bem as mãos após manusear com carne crua, frutas e vegetais;
• Não mexer ou limpar as fezes dos gatos.
Toxoplasmose congênita: causas, sintomas e tratamento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidez
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
 
Toxoplasmose!
Toxoplasmose!Toxoplasmose!
Toxoplasmose!
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula toxoplasmose
Aula toxoplasmoseAula toxoplasmose
Aula toxoplasmose
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
DST-SÍFILIS
DST-SÍFILISDST-SÍFILIS
DST-SÍFILIS
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 

Semelhante a Toxoplasmose congênita: causas, sintomas e tratamento

3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte iiLurdesmartins17
 
Citomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaCitomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaRaphael Machado
 
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1Isadora Melo Franco
 
TOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptxTOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptxHudson46808
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasARTHUR CALIXTO
 
Aainfecções na gestação
Aainfecções na gestaçãoAainfecções na gestação
Aainfecções na gestaçãoRafael Ghisi
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxFlviaFranchin
 
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...Pelo Siro
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaFranciskelly
 
xrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdfxrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdfraphaelbiscaia
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfHilderlanArajo
 
Protocolo de toxoplasmose
Protocolo de toxoplasmoseProtocolo de toxoplasmose
Protocolo de toxoplasmosetvf
 
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptxINFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptxPaulaMelo127834
 
Slides Doenças Exantemáticas MS.ppt
Slides Doenças Exantemáticas MS.pptSlides Doenças Exantemáticas MS.ppt
Slides Doenças Exantemáticas MS.pptMarcioCruz62
 

Semelhante a Toxoplasmose congênita: causas, sintomas e tratamento (20)

3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
 
Citomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaCitomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: Patologia
 
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
Diagnóstico laboratorial-da-toxoplasmose-congênita1
 
apresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptxapresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptx
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênitaToxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
 
TOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptxTOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptx
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
 
Toxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyoToxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyo
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
 
Aainfecções na gestação
Aainfecções na gestaçãoAainfecções na gestação
Aainfecções na gestação
 
Dst
DstDst
Dst
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
 
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
xrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdfxrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdf
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
Rubéola na Gestação
Rubéola na GestaçãoRubéola na Gestação
Rubéola na Gestação
 
Protocolo de toxoplasmose
Protocolo de toxoplasmoseProtocolo de toxoplasmose
Protocolo de toxoplasmose
 
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptxINFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
 
Slides Doenças Exantemáticas MS.ppt
Slides Doenças Exantemáticas MS.pptSlides Doenças Exantemáticas MS.ppt
Slides Doenças Exantemáticas MS.ppt
 

Mais de Patricia Nunes

Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentosTipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentosPatricia Nunes
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoPatricia Nunes
 
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.Patricia Nunes
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosPatricia Nunes
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioPatricia Nunes
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilPatricia Nunes
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaPatricia Nunes
 

Mais de Patricia Nunes (14)

Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentosTipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentos
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumático
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e Magnesio
 
Colostomia
ColostomiaColostomia
Colostomia
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasil
 
TCE
TCETCE
TCE
 
Vitaminas
Vitaminas Vitaminas
Vitaminas
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 

Último

CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOCCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOTHIALYMARIASILVADACU
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (14)

CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOCCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 

Toxoplasmose congênita: causas, sintomas e tratamento

  • 2. Toxoplasmose é uma doença infecciosa, congênita ou adquirida, causada por um protozoário chamado Toxoplasma gondii(um dos parasitas mais comuns do mundo), encontrado nas fezes dos gatos e outros felinos. Homens e outros animais também podem hospedar o parasita. Toxoplasma gondii
  • 3. • A gestante pode adquirir a toxoplasmose devido: • a ingestão de oocistos em água e alimentos contaminados( vegetais e frutas); • cistos em carnes mal passadas; • locais onde eventualmente possa haver fezes de felinos (terra, areia), que são os únicos hospedeiros definitivos de T. gondii (BRASIL, 2012)
  • 4.
  • 5. • O risco de infecção fetal esta relacionado a idade gestacional em que ocorreu a doença, sendo maior no terceiro trimestre e no período periparto (ate 80%). • Entretanto, o risco de lesões fetais graves e maior nas infecções maternas precoces, se a soroconversao ocorreu no primeiro trimestre gestacional, ha 75% de chance da criança apresentar manifestações clinicas ate os três primeiros anos de vida. (FEBRASGO, 2011)
  • 6. As alterações mais encontradas em recém-nascidos com toxoplasmose congênita são: • Coriorretinite • Hepatoesplenomegalia • Linfadenopatia • Icterícia • Anemia • Estabrismo • Crises convulsivas (MINISTERIO DA SAUDE, 2011). • Erupção cutânea • Hidrocefalia • Calcificações cerebrais • Macro ou microcefalia • Restrição do crescimento intra- uterino • Prematuridade • Crises convulsivas
  • 7. Figura 1: Lactente com toxoplasmose congênita apresentando microcefalia e ptose palpebral a esquerda. A mãe não foi tratada durante a gestação Figura 2: Mesmo paciente apresentando icterícia hepatomegalia e esplenomegalia Linfadenopatia
  • 8. Sintomas da toxoplasmose na grávida • Na maior parte das mulheres a toxoplasmose adquirida na gravidez não causa nenhum sintoma. • Mas alguns podem surgir como: • Febre; • Calafrios; • Gânglios Linfáticos; • Cefaléia; • Dor nos músculos e nas articulações.
  • 9. Diagnóstico da infecção materna • O diagnóstico e feito pela sorologia IgM e IgG. • IgG (Imunoglobulina G) e IgM (Imunoglobulina M) são anticorpos que o organismo produz quando entra em contato com algum tipo de micro-organismo invasor. • A diferença entre eles é que o IgM é produzido na fase aguda da infecção, enquanto que o IgG, que também surge na fase aguda, é mais específico e serve para proteger a pessoa de futuras infecções, permanecendo por toda a vida.
  • 10. • A gestante que apresentar infecção por T. gondii, por meio da pesquisa de anticorpos IgM reagentes, em qualquer trimestre gestacional, devera ser iniciado o tratamento na Atenção Primaria e simultaneamente ser encaminhada para Referencia de Alto Risco, mantendo o acompanhamento concomitante na Unidade de Atenção Primaria a Saúde.
  • 11.
  • 12. Tratamento na mãe • O tratamento devera ser instituído tão precoce quanto possível, assim que houver comprovação laboratorial da toxoplasmose adquirida na gestação. • A terapêutica envolve droga de ação parasitostatica (Espiramicina) que atua sobre a infecção placentária e uma associação de parasiticidas (Sulfadiazina e Pirimetamina com Acido Folinico) que eliminam os agentes que atravessaram a barreira placentária e que atingiram o liquido amniótico e/ou o feto.
  • 13. Diagnóstico no recém nascido • São critérios diagnósticos para confirmação de toxoplasmose congênita: 1- Presença de IgM positiva após o 5º dia de vida; 2- IgA positiva nos primeiros 6 meses de vida; 3- IgG específica persistentemente positiva após o 12º mês de vida; 4- Alterações sugestivas de infecção congênita associadas à presença de IgM e/ou IgG específica em títulos ascendentes; 5- PCR para T. gondii positivo em sangue periférico.
  • 14. • Deverá ser realizado os seguintes exames no recém-nascido para avaliar o comprometimento do mesmo: • Hemograma com plaquetas; • Bioquímica; • Radiografia de crânio; • US transfontanela e/ou tomografia computadorizada do crânio (TCC); • Exame Oftalmológico; • Líquor (líquido da espinha); • Exame audiológico: para avaliar perda auditiva.
  • 15. Tratamento na criança • Iniciar precocemente e estender até um ano de idade (mesmo nos casos de infecção subclínica). • Controle: • hemograma e plaquetas a cada 15 a 30 dias (durante o uso de sulfadiazina e pirimetamina).
  • 16. Prevenção • Cozinhar bem a carne; • Usar luvas quando mexer no jardim; • Lavar todas as frutas e vegetais; • Lavar bem as mãos após manusear com carne crua, frutas e vegetais; • Não mexer ou limpar as fezes dos gatos.