SlideShare uma empresa Scribd logo
Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose
A tuberculose é uma doença prevenível pela
vacinação, contudo, em vista de sua grande
reincidência, integra, juntamente com a hanseníase,
um programa específico, por apresentarem
características semelhantes.
As complicações dessas doenças são graves,
quando não tratados adequadamente ou quando
os casos são identificados em estágio mais
avançado. Pode haver sérios comprometimentos,
gerando incapacidades e morte.
Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose
FATORES DE RISCO:
 Desnutrição
 Baixa eficácia dos programas de controle e
prevenção
 Mutações nos bacilos
 Aglomerações urbanas
 Aids
Fatores De Risco:
 Desnutrição – provoca debilitação do organismo, o
qual passa a não mais produzir seus elementos de
defesa, oferecendo pouca ou nenhuma resistência
aos agentes infecciosos.
Fatores De Risco:
 Baixa eficácia dos programas de controle e prevenção
Paciente abandona o tratamento por diversos motivos:
 Dificuldade de acesso ao serviço de saúde,
 Reações orgânicas ao medicamento,
 Deficiência alimentar,
 Acreditar estár curado, desaparecimento da sintomatologia.
 Serviços de saúde com falta de medicamentos,
 Não realizar a busca ativa de faltosos e casos suspeitos;
 Não possuir profissionais adequadamente preparados.
Nesses casos, a conseqüência é a ampliação do número de
pessoas que continuam doentes e sem tratamento,
favorecendo o aumento da transmissão das doenças.
Fatores De Risco:
 Mutações nos bacilos –tuberculose: quando os
doentes não seguem corretamente o tratamento
prescrito a bactéria pode criar resistência, através
de mudanças em sua estrutura, não sendo mais
destruída pela dosagem administrada. Nesses
casos, há necessidade de se recorrer a
medicamentos mais potentes.
Fatores De Risco:
 Aglomerações urbanas – nas grandes cidades as
pessoas convivem cada vez mais próximas umas
das outras, seja em shopping centers, cinemas,
estádios de futebol, veículos de transporte lotados
e/ou outros espaços. Considerando-se que a
transmissão da hanseníase e tuberculose ocorre
por meio das vias aéreas, tal condição aumenta o
risco de transmissão dessas doenças.
Fatores De Risco:
 Aids – a síndrome da imunodeficiência adquirida
caracterizase pela queda brutal nas defesas do
organismo, o que facilita a instalação de doenças
oportunistas. A ocorrência da pandemia de Aids
aumentou muito a incidência de tuberculose
porque cerca de um terço da humanidade
carrega o bacilo de Koch, sem entretanto
manifestar a doença, mas quando acometido pela
síndrome da imunodeficiência adquirida há
manifestação da tuberculose.
Doença infecciosa e contagiosa (notificação
compulsória)
Agente Etiológico: bactéria Mycobacterium
tuberculosis, também conhecida como bacilo de
Koch.
Transmissão: como a da hanseníase, ocorre por meio
das gotículas de saliva expelidas quando espirramos,
tossimos ou falamos, sendo o sistema respiratório a
porta de entrada da doença pelas vias aéreas
superiores.
Período de incubação : varia entre 4 e 12 semanas.
Estima-se que cada doente com tuberculose seja
capaz de contaminar dez outros indivíduos.
Após a inalação dos bacilos contidos nas gotículas
de saliva, depositam-se nos alvéolos. Em resposta, o
sistema imunológico libera células que formam uma
parede em volta dos bacilos para impedir que se
espalhem. Esse conjunto é chamado de tubérculo, e
muitas pessoas o possuem sem nunca adoecer.
Se a imunidade estiver comprometida o tecido do
tubérculo se degrada e se transforma em uma massa
que libera outros bacilos, os quais são transportados
pelos sistemas circulatório e linfático para os tecidos
vizinhos, formando nódulos visíveis nas imagens
radiológicas.
Outra possibilidade é a de os bacilos serem
transportados para tecidos mais distantes, como
pele, rins, meninges, que também podem ser
atingidos pela tuberculose.
Se a imunidade estiver comprometida o tecido do
tubérculo se degrada e se transforma em uma massa
que libera outros bacilos, os quais são transportados
pelos sistemas circulatório e linfático para os tecidos
vizinhos, formando nódulos visíveis nas imagens
radiológicas.
A tuberculose pode apresentar-se:
 Pulmonar.
 Extrapulmonar (pleural, ganglionar, osteoarticular,
entérica, de vias urinárias, cutânea ou meníngea
(mais grave).
A meníngea, ou meningite tuberculosa, ocorre
quando o bacilo de Koch atinge o sistema nervoso
central.
Diagnóstico: sintomas, raios X e pesquisa da presença
do bacilo de Koch no escarro.
Sintomas:
 Tosse persistente, por cerca de 4 semanas,
 Catarro esverdeado ou com raios de sangue
(existentes ou não),
 Febre no final da tarde,
 Emagrecimento, falta de apetite,
 Suor noturno.
Amostra de escarro:
 coletada em jejum, pela manhã.
 No dia anterior à coleta, o cliente deve ingerir
grande quantidade de líquidos, para tornar o
escarro mais fluido e fácil de ser produzido.
 Antes de eliminar a amostra num recipiente
apropriado, deve ser orientado a respirar
profundamente, para que a secreção se mobilize e
seja eliminada em maior quantidade.
O teste Derivado Proteínico Purificado-Padrão (PPD)
permite avaliar se o indivíduo já teve contato anterior
com o bacilo e se possui defesas contra o mesmo.
Na realização do PPD, é injetada uma substância
denominada tuberculina, derivada do bacilo de
Koch purificado. A inoculação é feita com 0,1 ml da
solução por via intradérmica, na face interna do
terço médio do antebraço. Após 72 a 96 horas, o
arco de induração é medido com uma régua
milimetrada, que demonstra a reação do organismo
ao bacilo.
O teste Derivado Proteínico Purificado-Padrão (PPD)
permite avaliar se o indivíduo já teve contato anterior
com o bacilo e se possui defesas contra o mesmo.
Teste derivado proteínico purificado-padrão (PPD)
Tratamento:, requer paciência, é
demorado, assim como o da
hanseníase, podendo variar de 6 a 12
meses, conforme o caso e evolução do
paciente.
Cada caso requer o uso de um
esquema de associação de drogas que
pode levar à ocorrência de reações
indesejáveis, as quais são minimizadas
com alguns cuidados, conforme
descrito no quadro a seguir:
Após iniciado o tratamento, é importante informar o
doente de que os sintomas irão regredir; além disso,
orientá-lo quanto a alguns cuidados que deve tomar,
como repouso, alimentação adequada, aumento da
ingestão de líquidos.
A atuação na prevenção e controle da hanseníase e
tuberculose
A forma mais eficiente de combate à transmissão da
hanseníase e tuberculose, com vistas ao controle, é a
identificação precoce dos sintomáticos, com
tratamento de início rápido e adesão total do cliente.
Tal necessidade resulta do fato de o doente bacilífero
ser a principal fonte de infecção de ambas as
doenças, ou seja, aquele que continua a emitir o
bacilo no ambiente.
A atuação na prevenção e controle da hanseníase e
tuberculose
O atual modelo de assistência deve redirecionar suas
práticas para solucionar os problemas apontados
(falta de informação, alto índice de abandono ao
tratamento, etc.), a fim de atingir as seguintes metas
de diminuição da incidência de casos.
A atuação na prevenção e controle da hanseníase e
tuberculose
Além do tratamento eficaz para controlar o número
de casos de hanseníase e tuberculose, outras
medidas devem ser tomadas para garantir a
diminuição da transmissão destas doenças.
Assim, é importante orientar que a casa do doente
deve estar sempre muito ventilada, permitindo a
entrada da luz solar, pois os bacilos não resistem
muito tempo em ambiente limpo e iluminado. Não é
necessário separar utensílios como talheres, copos,
pratos, roupas ou lençóis; deve-se apenas manter a
higiene habitual.
A atuação na prevenção e controle da hanseníase e
tuberculose
As pessoas mais próximas ao doente são chamadas
comunicantes - familiares, colegas de trabalho ou
escola. Geralmente, apenas os comunicantes
domiciliares precisam ser avaliados.
Para os comunicantes de tuberculose, o profissional
de saúde deve solicitar a realização do PPD e
exames de raios X, quando necessários.
Atividades:
1. Qual os fatores de risco para
hanseniase tuberculose?
2. Qual a forma de transmissão da
tuberculose?
3. Qual os sintomas da tuberculose?
4. Quais as orientações com relação
ao tratamento e aos comunicantes
do paciente com tuberculose?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf

Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Josy Farias
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Mario Gandra
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
JussaraGranado
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Aline Cristina
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
Kaio
KaioKaio
Kaio
Catiaprof
 
Resumo da Dengue
Resumo da Dengue Resumo da Dengue
Resumo da Dengue
Mylla Marques
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
Adriana Mércia
 
2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt
GeniViana
 
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.pptTuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
MonicaAguilar22698
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Trabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptx
Trabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptxTrabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptx
Trabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptx
gustavoluizdp21
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
jorge luiz dos santos de souza
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Charles Carvalho
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteProjecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Nick Addams Pensador
 
Condições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravosCondições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravos
LORRANE RAFAELA DE SOUZA BRASILEIRO
 

Semelhante a Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf (20)

Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Kaio
KaioKaio
Kaio
 
Resumo da Dengue
Resumo da Dengue Resumo da Dengue
Resumo da Dengue
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt
 
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.pptTuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Trabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptx
Trabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptxTrabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptx
Trabalho - tttttttTuberculose.Rev01.pptx
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteProjecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
 
Condições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravosCondições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravos
 

Mais de Giza Carla Nitz

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 

Mais de Giza Carla Nitz (20)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
 

Último

3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Ruan130129
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (8)

3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf

  • 1.
  • 2. Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose A tuberculose é uma doença prevenível pela vacinação, contudo, em vista de sua grande reincidência, integra, juntamente com a hanseníase, um programa específico, por apresentarem características semelhantes. As complicações dessas doenças são graves, quando não tratados adequadamente ou quando os casos são identificados em estágio mais avançado. Pode haver sérios comprometimentos, gerando incapacidades e morte.
  • 3. Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose FATORES DE RISCO:  Desnutrição  Baixa eficácia dos programas de controle e prevenção  Mutações nos bacilos  Aglomerações urbanas  Aids
  • 4. Fatores De Risco:  Desnutrição – provoca debilitação do organismo, o qual passa a não mais produzir seus elementos de defesa, oferecendo pouca ou nenhuma resistência aos agentes infecciosos.
  • 5. Fatores De Risco:  Baixa eficácia dos programas de controle e prevenção Paciente abandona o tratamento por diversos motivos:  Dificuldade de acesso ao serviço de saúde,  Reações orgânicas ao medicamento,  Deficiência alimentar,  Acreditar estár curado, desaparecimento da sintomatologia.  Serviços de saúde com falta de medicamentos,  Não realizar a busca ativa de faltosos e casos suspeitos;  Não possuir profissionais adequadamente preparados. Nesses casos, a conseqüência é a ampliação do número de pessoas que continuam doentes e sem tratamento, favorecendo o aumento da transmissão das doenças.
  • 6. Fatores De Risco:  Mutações nos bacilos –tuberculose: quando os doentes não seguem corretamente o tratamento prescrito a bactéria pode criar resistência, através de mudanças em sua estrutura, não sendo mais destruída pela dosagem administrada. Nesses casos, há necessidade de se recorrer a medicamentos mais potentes.
  • 7. Fatores De Risco:  Aglomerações urbanas – nas grandes cidades as pessoas convivem cada vez mais próximas umas das outras, seja em shopping centers, cinemas, estádios de futebol, veículos de transporte lotados e/ou outros espaços. Considerando-se que a transmissão da hanseníase e tuberculose ocorre por meio das vias aéreas, tal condição aumenta o risco de transmissão dessas doenças.
  • 8. Fatores De Risco:  Aids – a síndrome da imunodeficiência adquirida caracterizase pela queda brutal nas defesas do organismo, o que facilita a instalação de doenças oportunistas. A ocorrência da pandemia de Aids aumentou muito a incidência de tuberculose porque cerca de um terço da humanidade carrega o bacilo de Koch, sem entretanto manifestar a doença, mas quando acometido pela síndrome da imunodeficiência adquirida há manifestação da tuberculose.
  • 9.
  • 10. Doença infecciosa e contagiosa (notificação compulsória) Agente Etiológico: bactéria Mycobacterium tuberculosis, também conhecida como bacilo de Koch. Transmissão: como a da hanseníase, ocorre por meio das gotículas de saliva expelidas quando espirramos, tossimos ou falamos, sendo o sistema respiratório a porta de entrada da doença pelas vias aéreas superiores. Período de incubação : varia entre 4 e 12 semanas. Estima-se que cada doente com tuberculose seja capaz de contaminar dez outros indivíduos.
  • 11. Após a inalação dos bacilos contidos nas gotículas de saliva, depositam-se nos alvéolos. Em resposta, o sistema imunológico libera células que formam uma parede em volta dos bacilos para impedir que se espalhem. Esse conjunto é chamado de tubérculo, e muitas pessoas o possuem sem nunca adoecer.
  • 12. Se a imunidade estiver comprometida o tecido do tubérculo se degrada e se transforma em uma massa que libera outros bacilos, os quais são transportados pelos sistemas circulatório e linfático para os tecidos vizinhos, formando nódulos visíveis nas imagens radiológicas. Outra possibilidade é a de os bacilos serem transportados para tecidos mais distantes, como pele, rins, meninges, que também podem ser atingidos pela tuberculose.
  • 13. Se a imunidade estiver comprometida o tecido do tubérculo se degrada e se transforma em uma massa que libera outros bacilos, os quais são transportados pelos sistemas circulatório e linfático para os tecidos vizinhos, formando nódulos visíveis nas imagens radiológicas.
  • 14.
  • 15. A tuberculose pode apresentar-se:  Pulmonar.  Extrapulmonar (pleural, ganglionar, osteoarticular, entérica, de vias urinárias, cutânea ou meníngea (mais grave). A meníngea, ou meningite tuberculosa, ocorre quando o bacilo de Koch atinge o sistema nervoso central.
  • 16. Diagnóstico: sintomas, raios X e pesquisa da presença do bacilo de Koch no escarro. Sintomas:  Tosse persistente, por cerca de 4 semanas,  Catarro esverdeado ou com raios de sangue (existentes ou não),  Febre no final da tarde,  Emagrecimento, falta de apetite,  Suor noturno.
  • 17.
  • 18. Amostra de escarro:  coletada em jejum, pela manhã.  No dia anterior à coleta, o cliente deve ingerir grande quantidade de líquidos, para tornar o escarro mais fluido e fácil de ser produzido.  Antes de eliminar a amostra num recipiente apropriado, deve ser orientado a respirar profundamente, para que a secreção se mobilize e seja eliminada em maior quantidade.
  • 19. O teste Derivado Proteínico Purificado-Padrão (PPD) permite avaliar se o indivíduo já teve contato anterior com o bacilo e se possui defesas contra o mesmo. Na realização do PPD, é injetada uma substância denominada tuberculina, derivada do bacilo de Koch purificado. A inoculação é feita com 0,1 ml da solução por via intradérmica, na face interna do terço médio do antebraço. Após 72 a 96 horas, o arco de induração é medido com uma régua milimetrada, que demonstra a reação do organismo ao bacilo.
  • 20. O teste Derivado Proteínico Purificado-Padrão (PPD) permite avaliar se o indivíduo já teve contato anterior com o bacilo e se possui defesas contra o mesmo.
  • 21.
  • 22. Teste derivado proteínico purificado-padrão (PPD)
  • 23. Tratamento:, requer paciência, é demorado, assim como o da hanseníase, podendo variar de 6 a 12 meses, conforme o caso e evolução do paciente. Cada caso requer o uso de um esquema de associação de drogas que pode levar à ocorrência de reações indesejáveis, as quais são minimizadas com alguns cuidados, conforme descrito no quadro a seguir:
  • 24.
  • 25. Após iniciado o tratamento, é importante informar o doente de que os sintomas irão regredir; além disso, orientá-lo quanto a alguns cuidados que deve tomar, como repouso, alimentação adequada, aumento da ingestão de líquidos.
  • 26. A atuação na prevenção e controle da hanseníase e tuberculose A forma mais eficiente de combate à transmissão da hanseníase e tuberculose, com vistas ao controle, é a identificação precoce dos sintomáticos, com tratamento de início rápido e adesão total do cliente. Tal necessidade resulta do fato de o doente bacilífero ser a principal fonte de infecção de ambas as doenças, ou seja, aquele que continua a emitir o bacilo no ambiente.
  • 27. A atuação na prevenção e controle da hanseníase e tuberculose O atual modelo de assistência deve redirecionar suas práticas para solucionar os problemas apontados (falta de informação, alto índice de abandono ao tratamento, etc.), a fim de atingir as seguintes metas de diminuição da incidência de casos.
  • 28. A atuação na prevenção e controle da hanseníase e tuberculose Além do tratamento eficaz para controlar o número de casos de hanseníase e tuberculose, outras medidas devem ser tomadas para garantir a diminuição da transmissão destas doenças. Assim, é importante orientar que a casa do doente deve estar sempre muito ventilada, permitindo a entrada da luz solar, pois os bacilos não resistem muito tempo em ambiente limpo e iluminado. Não é necessário separar utensílios como talheres, copos, pratos, roupas ou lençóis; deve-se apenas manter a higiene habitual.
  • 29. A atuação na prevenção e controle da hanseníase e tuberculose As pessoas mais próximas ao doente são chamadas comunicantes - familiares, colegas de trabalho ou escola. Geralmente, apenas os comunicantes domiciliares precisam ser avaliados. Para os comunicantes de tuberculose, o profissional de saúde deve solicitar a realização do PPD e exames de raios X, quando necessários.
  • 30. Atividades: 1. Qual os fatores de risco para hanseniase tuberculose? 2. Qual a forma de transmissão da tuberculose? 3. Qual os sintomas da tuberculose? 4. Quais as orientações com relação ao tratamento e aos comunicantes do paciente com tuberculose?