SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
TOXOPLASMOSE
MÁCYO IDEMBERG
INTERNO - SCMS
OBJETIVOS
• Principal
• Revisar sobre a toxoplasmose, doença infecciosa de grande importância para
obstetrícia, por suas graves complicações sobre o concepto.
• Específicos
• Esclarecer de modo didático, o que é, quais as formas de transmissão, o
diagnóstico, o tratamento e quais as complicações para o feto se não tratado
adequadamente.
Toxoplasma gondii
• Protozoário microscópico do filo Apicomplexa, de ciclo de vida
facultativamente heterogéneo, tendo os felídeos como hospedeiros
definitivos, enquanto que as outras espécies de mamíferos e as aves
funcionam como hospedeiros intermediários. O Toxoplasma gondii é
a única espécie conhecida do gênero Toxoplasma.
• Classificação científica
• Reino: Chromalveolata
• Superfilo: Alveolata
• Filo: Apicomplexa
• Classe: Conoidasida
• Ordem: Eucoccidiorida
• Família: Sarcocystidae
• Género: Toxoplasma
• Espécie: T. gondii
• Nome binomial
• Toxoplasma gondii
• ( Nicolle & Manceaux, 1908 )
HISTÓRICO
• O Toxoplasma foi isolado, primeiramente em 1908 por Nicolle &
Manceaux, de um roedor africano da espécie Ctenodactylus gundi, a
qual originou o nome.
• Na mesma época, em São Paulo, Splendore isolou o mesmo agente
de coelhos. O ciclo deste parasita só foi totalmente publicado em
1970 por Dubey e colaboradores
FORMAS INFECTANTES
CICLO DE VIDA
• O ciclo de vida do T. gondii é heteróxeno facultativo (hetero = outros, xenos =
estrangeiros) e eurixeno (eurys = largo). Possui reprodução assexuado nos hospedeiros
definitivos e intermediários, e sexuada apenas nos felinos, incluindo o gato doméstico.
• Os hospedeiros intermediários se infectam através da ingestão de oocistos espurulados
nos alimentos contaminados. Estes oocistos, uma vez no organismo, invadem o epitélio
intestinal entre outras células, desde que sejam mononucleares. Multiplicam-se por
reprodução assexuada, formando taquizoitos. Os taquizoitos livres, quando na fase
inicial, podem ser transmitidos de forma vertical para os fetos. Os taquizoitos se aderem
ao epitélio, não sendo assim arrastado pelas fezes, mas alguns se transformam em cistos,
que são formas resistentes inativas, que são eliminados nas fezes. Já nos hospedeiros
definitivos, além da forma assexuada, o T. gondii também pode assumir a forma sexuada.
Esta fase ocorre no intestino dos felinos. Os felinos se contaminam através da ingestão
de animais contaminados por taquizoitos ou bradizoitos. Menos de 50% dos felinos que
ingerem taquizoitos eliminam oocistos, e 100% quando ingerem bradizoitos eliminam
oocistos nas fezes. Na fase assexuada, o parasita passa por um processo chamado
esquizogonia, onde o núcleo do parasita se divide várias vezes formando o esquizonte.
Este passa por um outro processo chamado gametogonia, onde esses esquizontes se
dividirão em gametas, gerando zigotos (oocistos).
Quais as formas de contrair a infecção?
• São três formas:
• A mais comum é a ingestão de carne – bovina, suína ou de aves –, crua ou mal
cozida, contendo cistos do protozoário.
• O consumo de leite e derivados cru, não pasteurizado, com presença de
taquizoítos.
• Ingerir diretamente Oocistos, seja através do consumo de hortaliças mal
higienizadas, ao manusear terra contaminada, seja diretamente ou
indiretamente por falta de higiene.
TOXOPLASMOSE
• Uma zoonose de distribuição mundial causada pelo Toxoplasma
gondii.
• É uma doença infecciosa, congênita ou adquirida.
• Adquire especial relevância quando atinge a gestante, visto o elevado
risco de acometimento fetal.
CURIOSIDADE
• Ela causa mudanças comportamentais nos seus hospedeiros, para
que os mesmos sejam predados por felinos, os hospedeiros
definitivos da espécie T. gondii. Umas das principais mudanças é a
perda da aversão natural ao cheiro de urina de felinos, por exemplo,
pelos ratos e chimpanzés, que tem felinos como principais
predadores naturais. Isso também ocorre com seres humanos, que
perdem a aversão a urina de gato, por exemplo.
QUADRO CLÍNICO
• NA GESTANTE
• Na grande maioria das vezes assintomática
ou com sintomas bastante inespecíficos
(febre, linfadenomegalias).
• NO RN
• Restrição do crescimento intrauterino
• Morte fetal
• Prematuridade
• Microcefalia
• Hidrocefalia
• Retardo mental
• Microftalmia
• Pneumonite
• Retinocoroidite
• Calcificações cerebrais
• Hepatoesplenomegalia
• Linfadenopatia
• Icterícia
• Anemia
• Anormalidades liquóricas
• Estrabismo
• Crises convulsivas
• Distermias
• Sangramentos
• Erupção cutânea
DIAGNÓSTICO
• Muito importante, mesmo na ausência de sintomas
• CLÍNICO
• Pouco fidedigna, investigar processos febris, linfoadenomegalia, contato com felinos,
manuseio de terra ou carne crua.
• LABORATORIAL
• Imunofluorescência (ELISA)
• Hemoglutinação
• Objetivo principal: Prevenção da toxoplasmose congênita e suas sequelas
• Falta consenso sobre o real benefício do rastreamento universal para
toxoplasmose
• MS recomenda: triagem sorológica, principalmente em lugares de alta
prevalência
Objetivo principal (do diagnóstico)
• Prevenção da infecção aguda (prevenção primária)
• Detecção e tratamento precoce visando prevenir transmissão fetal
• Tratamento adequado, caso haja contaminação intraútero
T
r
i
a
g
e
m
IgA
• Os anticorpos IgA, em adultos, podem ficar positivos por mais de um
ano, tendo pouco valor para diagnóstico de infecção recente.
Informação!
• Em 2007, uma metanálise das coortes disponíveis estimou o risco de
TV em 15% quando a soroconversão ocorreu com 13 semanas de
gestação, 44%, com 26 semanas, e 71%, com 36 semanas.
• A fraquencia da TV e a gravidade da doença estão inversamente
relacionadas.
Formas de prevenção?
• Lavar as mãos ao manipular alimentos;
• Lavar bem frutas, legumes e verduras antes de se alimentar;
• Não ingerir carnes cruas, mal cozidas ou mal passadas, incluindo
embutidos;
• Evitar contato com o solo e terra de jardim, se indispensável, usar
luvas e lavar bem as mãos após;
• Evitar contato com fezes de gato(felino) no lixo ou solo;
• Após manusear carne crua, lavar bem as mãos, assim como também
toda a superfície que entrou em contato com o alimento e todos os
utensílios utilizados;
• Não consumir leite e derivados crus, não pasteurizados, seja de vaca
ou de cabra;
• Propor que outra pessoa limpe a caixa de areia dos gatos e, caso não
seja possível, limpá-la e trocá-la diariamente, utilizando luvas e
parzinha;
• Alimentar os gatos com carne cozida ou ração, não deixando que
estes ingiram caça;
• Lavar bem as mãos após contato com os animais.
INTERPRETAÇÃO DOS EXAMES E CONDUTA
• Se alta prevalência, rastreamento cada 2 ou 3 meses com método
enzimático
• Se IgG ou IgM + (notadamente IgM), iniciar imediatamente o uso de
espiramicina 1g (3.000.000 UI) cada 8 horas (3g dia) VO. Repetir o
exame na mesma amostra. Os laboratórios devem ser instruídos
sobre os procedimentos a serem adotados diante da detecção de Ac
IgM.
• Confirmada a infecção aguda:
• Antes das 30 semanas:
• Manter espiramicina, mesma dose, até o fim da gravidez.
• Depois das 30 semanas:
• Instituir tratamento tríplice materno
• Pirimetamina, 25mg de 12/12 horas , VO
• Sulfadiazina, 1.500mg de 12/12 horas, VO
• Ácido folínico, 10 mg/dia (imprescindível para prevenção de aplasia medular causada pela
pirimetamina)
• Por que não usar a Espiramicina após 30 semanas?
• A espiramicina não atravessa a barreira placentária, tendo efeito
apenas de impedir ou retardar a passagem do Toxoplasma gondii para
o feto, diminuindo ou evitando o acometimento do mesmo. Portanto,
não está indicada quando há certeza ou mesmo probabilidade muito
grande de infecção fetal (como quando a gestante adquire a infecção
após a 30ª sem.). Nesses casos, está indicado o tratamento tríplice,
que atua sobre o feto.
• Exame solicitado na 1ª consulta detecta Ac IgM:
• Gestação < 16 semanas
• Realizar imediatamente teste de avidez de IgG, na mesma amostra de soro (os laboratórios
devem ser instruídos para esse procedimento)
• Baixa avidez
• Infecção aguda, iniciar imediatamente tratamento com espiramicina
• Alta avidez
• Infecção antiga, não havendo necessidade de tratamento nem testes adicionais
• Gestação > 16 semanas
• Iniciar tratamento com espiramicina.
• Não há necessidade de realização de teste de avidez, pois mesmo uma infecção alta não
descartaria infecção adquirida durante a gestação, embora possa ser útil para ajudar a
determinar a época em que ocorreu.
• Em algumas pessoas a avidez dos Ac IgG permanece baixa por mais tempo, não sendo a
avidez baixa uma certeza de infecção recente.
• Notificação compulsória!
Diagnóstico de infecção fetal
• Na presença de infecção aguda materna
• Pesquisa do Toxoplasma gondii no líquido amniótico
• PCR no líquido amniótico, a partir da 18ª semana
• PCR comum tem muitos falsos + e falsos –
• Indicada PCR em tempo real
• Exame ecográfico
• Diagnostica apenas as complicações da toxoplasmose fetal
• HIDROCEFALIA, calcificações cerebrais, ascite fetal e alterações de ecotextura hepática e
esplênica
• Mas está indicada sua realização mensal, pois a presença de sinais anormais
pode determinar a mudança do tratamento
Conduta com o recém nascido
• Todo recém nascido filho de gestante que teve diagnóstico de certeza
ou suspeita de toxoplasmose na gestação deve ser submetido a
investigação completa para o diagnóstico de toxoplasmose congênita.
• Exame clínico e neurológico
• Exame oftalmológico completo com fundoscopia
• Exame de imagem cerebral
• Exames hematológicos e de função hepática
• O lactente deve ser acompanhado e o tratamento iniciado a critério do
pediatra.
Em regiões de alta edemicidade
• Na toxoplasmose adquirida após 30ª semana de gestação, o risco de
infecção é alto o suficiente para dispensar procedimentos de
diagnóstico fetal e indicar o início imediato do tratamento em
esquema tríplice
Lembrete
• A infecção (contato com o parasita) não causa, necessariamente, a doença. Para
isto, é necessário que o sistema imunológico esteja debilitado, como muitas vezes
ocorre com pacientes idosos, portadores de HIV e transplantados.
• Nem todos os gatos têm toxoplasmose. Na verdade, são poucos os que
apresentam a doença. Estima-se que apenas 1% da população felina elimine os
cistos do protozoário T. gondii no ambiente
• Nem todos os gatos podem transmitir a toxoplasmose através da eliminação de
oocistos nas fezes. Quando o fazem, é por um curto período de tempo, e
geralmente só nas primeiras semanas de vida.
• Os oocistos de T. gondii que são eliminados nas fezes não são capazes de causar a
doença imediatamente. É preciso que as fezes contaminadas permaneçam no
meio ambiente por alguns dias para que os oocistos esporulem. Só então, estes
se tornarem infectantes.
Então, o gato é o vilão?
bibliografia
• Manual Técnico, Gestação de alto risco do Ministério da Saúde, 5ª
edição, Editora MS, Brasília-DF, 2012.
• http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
42302000000400033&lng=pt&nrm=iso
• http://www0.rio.rj.gov.br/ijv/toxoplasmose.shtm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Himenolepsiase
HimenolepsiaseHimenolepsiase
Himenolepsiase
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
HPV
HPVHPV
HPV
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 
Toxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidezToxoplasmose e a gravidez
Toxoplasmose e a gravidez
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
 
Malaria
Malaria Malaria
Malaria
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
 
Helmintos (1)
Helmintos (1)Helmintos (1)
Helmintos (1)
 
Herança ligada ao X.
Herança ligada ao X.Herança ligada ao X.
Herança ligada ao X.
 
Heredograma novo
Heredograma novoHeredograma novo
Heredograma novo
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 

Semelhante a Toxoplasmose: transmissão, diagnóstico e prevenção

Sistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptxSistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptxAlanaFagundes
 
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotorasDoenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotorasdnei
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasARTHUR CALIXTO
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmoseJoao Paulo Peixoto
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistasISJ
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasDiegoOliveira520215
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAdila Trubat
 
Tenias e teníases resumo
Tenias e teníases   resumoTenias e teníases   resumo
Tenias e teníases resumoElderENF
 
TOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptxTOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptxHudson46808
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Lucia Tavares
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose3a2011
 

Semelhante a Toxoplasmose: transmissão, diagnóstico e prevenção (20)

Sistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptxSistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptx
 
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotorasDoenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódio
 
Tenias e teníases resumo
Tenias e teníases   resumoTenias e teníases   resumo
Tenias e teníases resumo
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
TOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptxTOXOPLASMOSE.pptx
TOXOPLASMOSE.pptx
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Toxoplamose.pptx
Toxoplamose.pptxToxoplamose.pptx
Toxoplamose.pptx
 
Toxoplasma gondii
Toxoplasma gondiiToxoplasma gondii
Toxoplasma gondii
 
Toxoplasmose folder
Toxoplasmose folderToxoplasmose folder
Toxoplasmose folder
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Toxoplasmose: transmissão, diagnóstico e prevenção

  • 2. OBJETIVOS • Principal • Revisar sobre a toxoplasmose, doença infecciosa de grande importância para obstetrícia, por suas graves complicações sobre o concepto. • Específicos • Esclarecer de modo didático, o que é, quais as formas de transmissão, o diagnóstico, o tratamento e quais as complicações para o feto se não tratado adequadamente.
  • 3. Toxoplasma gondii • Protozoário microscópico do filo Apicomplexa, de ciclo de vida facultativamente heterogéneo, tendo os felídeos como hospedeiros definitivos, enquanto que as outras espécies de mamíferos e as aves funcionam como hospedeiros intermediários. O Toxoplasma gondii é a única espécie conhecida do gênero Toxoplasma.
  • 4. • Classificação científica • Reino: Chromalveolata • Superfilo: Alveolata • Filo: Apicomplexa • Classe: Conoidasida • Ordem: Eucoccidiorida • Família: Sarcocystidae • Género: Toxoplasma • Espécie: T. gondii • Nome binomial • Toxoplasma gondii • ( Nicolle & Manceaux, 1908 )
  • 5. HISTÓRICO • O Toxoplasma foi isolado, primeiramente em 1908 por Nicolle & Manceaux, de um roedor africano da espécie Ctenodactylus gundi, a qual originou o nome. • Na mesma época, em São Paulo, Splendore isolou o mesmo agente de coelhos. O ciclo deste parasita só foi totalmente publicado em 1970 por Dubey e colaboradores
  • 7. CICLO DE VIDA • O ciclo de vida do T. gondii é heteróxeno facultativo (hetero = outros, xenos = estrangeiros) e eurixeno (eurys = largo). Possui reprodução assexuado nos hospedeiros definitivos e intermediários, e sexuada apenas nos felinos, incluindo o gato doméstico. • Os hospedeiros intermediários se infectam através da ingestão de oocistos espurulados nos alimentos contaminados. Estes oocistos, uma vez no organismo, invadem o epitélio intestinal entre outras células, desde que sejam mononucleares. Multiplicam-se por reprodução assexuada, formando taquizoitos. Os taquizoitos livres, quando na fase inicial, podem ser transmitidos de forma vertical para os fetos. Os taquizoitos se aderem ao epitélio, não sendo assim arrastado pelas fezes, mas alguns se transformam em cistos, que são formas resistentes inativas, que são eliminados nas fezes. Já nos hospedeiros definitivos, além da forma assexuada, o T. gondii também pode assumir a forma sexuada. Esta fase ocorre no intestino dos felinos. Os felinos se contaminam através da ingestão de animais contaminados por taquizoitos ou bradizoitos. Menos de 50% dos felinos que ingerem taquizoitos eliminam oocistos, e 100% quando ingerem bradizoitos eliminam oocistos nas fezes. Na fase assexuada, o parasita passa por um processo chamado esquizogonia, onde o núcleo do parasita se divide várias vezes formando o esquizonte. Este passa por um outro processo chamado gametogonia, onde esses esquizontes se dividirão em gametas, gerando zigotos (oocistos).
  • 8.
  • 9.
  • 10. Quais as formas de contrair a infecção? • São três formas: • A mais comum é a ingestão de carne – bovina, suína ou de aves –, crua ou mal cozida, contendo cistos do protozoário. • O consumo de leite e derivados cru, não pasteurizado, com presença de taquizoítos. • Ingerir diretamente Oocistos, seja através do consumo de hortaliças mal higienizadas, ao manusear terra contaminada, seja diretamente ou indiretamente por falta de higiene.
  • 11. TOXOPLASMOSE • Uma zoonose de distribuição mundial causada pelo Toxoplasma gondii. • É uma doença infecciosa, congênita ou adquirida. • Adquire especial relevância quando atinge a gestante, visto o elevado risco de acometimento fetal.
  • 12. CURIOSIDADE • Ela causa mudanças comportamentais nos seus hospedeiros, para que os mesmos sejam predados por felinos, os hospedeiros definitivos da espécie T. gondii. Umas das principais mudanças é a perda da aversão natural ao cheiro de urina de felinos, por exemplo, pelos ratos e chimpanzés, que tem felinos como principais predadores naturais. Isso também ocorre com seres humanos, que perdem a aversão a urina de gato, por exemplo.
  • 13. QUADRO CLÍNICO • NA GESTANTE • Na grande maioria das vezes assintomática ou com sintomas bastante inespecíficos (febre, linfadenomegalias). • NO RN • Restrição do crescimento intrauterino • Morte fetal • Prematuridade • Microcefalia • Hidrocefalia • Retardo mental • Microftalmia • Pneumonite • Retinocoroidite • Calcificações cerebrais • Hepatoesplenomegalia • Linfadenopatia • Icterícia • Anemia • Anormalidades liquóricas • Estrabismo • Crises convulsivas • Distermias • Sangramentos • Erupção cutânea
  • 14. DIAGNÓSTICO • Muito importante, mesmo na ausência de sintomas • CLÍNICO • Pouco fidedigna, investigar processos febris, linfoadenomegalia, contato com felinos, manuseio de terra ou carne crua. • LABORATORIAL • Imunofluorescência (ELISA) • Hemoglutinação • Objetivo principal: Prevenção da toxoplasmose congênita e suas sequelas • Falta consenso sobre o real benefício do rastreamento universal para toxoplasmose • MS recomenda: triagem sorológica, principalmente em lugares de alta prevalência
  • 15. Objetivo principal (do diagnóstico) • Prevenção da infecção aguda (prevenção primária) • Detecção e tratamento precoce visando prevenir transmissão fetal • Tratamento adequado, caso haja contaminação intraútero
  • 17. IgA • Os anticorpos IgA, em adultos, podem ficar positivos por mais de um ano, tendo pouco valor para diagnóstico de infecção recente.
  • 18. Informação! • Em 2007, uma metanálise das coortes disponíveis estimou o risco de TV em 15% quando a soroconversão ocorreu com 13 semanas de gestação, 44%, com 26 semanas, e 71%, com 36 semanas. • A fraquencia da TV e a gravidade da doença estão inversamente relacionadas.
  • 19. Formas de prevenção? • Lavar as mãos ao manipular alimentos; • Lavar bem frutas, legumes e verduras antes de se alimentar; • Não ingerir carnes cruas, mal cozidas ou mal passadas, incluindo embutidos; • Evitar contato com o solo e terra de jardim, se indispensável, usar luvas e lavar bem as mãos após; • Evitar contato com fezes de gato(felino) no lixo ou solo; • Após manusear carne crua, lavar bem as mãos, assim como também toda a superfície que entrou em contato com o alimento e todos os utensílios utilizados;
  • 20. • Não consumir leite e derivados crus, não pasteurizados, seja de vaca ou de cabra; • Propor que outra pessoa limpe a caixa de areia dos gatos e, caso não seja possível, limpá-la e trocá-la diariamente, utilizando luvas e parzinha; • Alimentar os gatos com carne cozida ou ração, não deixando que estes ingiram caça; • Lavar bem as mãos após contato com os animais.
  • 21. INTERPRETAÇÃO DOS EXAMES E CONDUTA • Se alta prevalência, rastreamento cada 2 ou 3 meses com método enzimático • Se IgG ou IgM + (notadamente IgM), iniciar imediatamente o uso de espiramicina 1g (3.000.000 UI) cada 8 horas (3g dia) VO. Repetir o exame na mesma amostra. Os laboratórios devem ser instruídos sobre os procedimentos a serem adotados diante da detecção de Ac IgM.
  • 22. • Confirmada a infecção aguda: • Antes das 30 semanas: • Manter espiramicina, mesma dose, até o fim da gravidez. • Depois das 30 semanas: • Instituir tratamento tríplice materno • Pirimetamina, 25mg de 12/12 horas , VO • Sulfadiazina, 1.500mg de 12/12 horas, VO • Ácido folínico, 10 mg/dia (imprescindível para prevenção de aplasia medular causada pela pirimetamina) • Por que não usar a Espiramicina após 30 semanas?
  • 23. • A espiramicina não atravessa a barreira placentária, tendo efeito apenas de impedir ou retardar a passagem do Toxoplasma gondii para o feto, diminuindo ou evitando o acometimento do mesmo. Portanto, não está indicada quando há certeza ou mesmo probabilidade muito grande de infecção fetal (como quando a gestante adquire a infecção após a 30ª sem.). Nesses casos, está indicado o tratamento tríplice, que atua sobre o feto.
  • 24. • Exame solicitado na 1ª consulta detecta Ac IgM: • Gestação < 16 semanas • Realizar imediatamente teste de avidez de IgG, na mesma amostra de soro (os laboratórios devem ser instruídos para esse procedimento) • Baixa avidez • Infecção aguda, iniciar imediatamente tratamento com espiramicina • Alta avidez • Infecção antiga, não havendo necessidade de tratamento nem testes adicionais • Gestação > 16 semanas • Iniciar tratamento com espiramicina. • Não há necessidade de realização de teste de avidez, pois mesmo uma infecção alta não descartaria infecção adquirida durante a gestação, embora possa ser útil para ajudar a determinar a época em que ocorreu. • Em algumas pessoas a avidez dos Ac IgG permanece baixa por mais tempo, não sendo a avidez baixa uma certeza de infecção recente. • Notificação compulsória!
  • 25. Diagnóstico de infecção fetal • Na presença de infecção aguda materna • Pesquisa do Toxoplasma gondii no líquido amniótico • PCR no líquido amniótico, a partir da 18ª semana • PCR comum tem muitos falsos + e falsos – • Indicada PCR em tempo real • Exame ecográfico • Diagnostica apenas as complicações da toxoplasmose fetal • HIDROCEFALIA, calcificações cerebrais, ascite fetal e alterações de ecotextura hepática e esplênica • Mas está indicada sua realização mensal, pois a presença de sinais anormais pode determinar a mudança do tratamento
  • 26. Conduta com o recém nascido • Todo recém nascido filho de gestante que teve diagnóstico de certeza ou suspeita de toxoplasmose na gestação deve ser submetido a investigação completa para o diagnóstico de toxoplasmose congênita. • Exame clínico e neurológico • Exame oftalmológico completo com fundoscopia • Exame de imagem cerebral • Exames hematológicos e de função hepática • O lactente deve ser acompanhado e o tratamento iniciado a critério do pediatra.
  • 27. Em regiões de alta edemicidade • Na toxoplasmose adquirida após 30ª semana de gestação, o risco de infecção é alto o suficiente para dispensar procedimentos de diagnóstico fetal e indicar o início imediato do tratamento em esquema tríplice
  • 28. Lembrete • A infecção (contato com o parasita) não causa, necessariamente, a doença. Para isto, é necessário que o sistema imunológico esteja debilitado, como muitas vezes ocorre com pacientes idosos, portadores de HIV e transplantados. • Nem todos os gatos têm toxoplasmose. Na verdade, são poucos os que apresentam a doença. Estima-se que apenas 1% da população felina elimine os cistos do protozoário T. gondii no ambiente • Nem todos os gatos podem transmitir a toxoplasmose através da eliminação de oocistos nas fezes. Quando o fazem, é por um curto período de tempo, e geralmente só nas primeiras semanas de vida. • Os oocistos de T. gondii que são eliminados nas fezes não são capazes de causar a doença imediatamente. É preciso que as fezes contaminadas permaneçam no meio ambiente por alguns dias para que os oocistos esporulem. Só então, estes se tornarem infectantes.
  • 29. Então, o gato é o vilão?
  • 30.
  • 31. bibliografia • Manual Técnico, Gestação de alto risco do Ministério da Saúde, 5ª edição, Editora MS, Brasília-DF, 2012. • http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 42302000000400033&lng=pt&nrm=iso • http://www0.rio.rj.gov.br/ijv/toxoplasmose.shtm