SlideShare uma empresa Scribd logo

Aainfecções na gestação

1 de 28
Baixar para ler offline
Aainfecções na gestação
Vias de infecção
Transplacentária
Durante estágios de infecção sangüínea materna
Bactérias, virus, parasitas
Transmembrana intacta
Contigüidade
Amniótica com membranas rotas
Aainfecções na gestação
Humoral e celular: 9 – 15 semanas
Resposta primária: IgM
Imunidade passiva: IgG
 16 semanas: aumenta o transporte
26 semanas: concentração fetal = materna
Imunidade fetal
Métodos propedêuticos Fetais
Alterações morfológicas e funcionais
Ultra-sonografia, ecocardiografia, Doppler
Tomografia computadorizada
Ressonância magnética
Imunologia
Dosagem de IgM fetal por cordocentese
Identificação do microorganismo
PCR do líquido amniótico
Cordocentese: PCR e cultura
Infecções e Gestação
Sífilis
Hepatites
Estreptococo do grupo B
Citomegalovírus
Rubéola
Toxoplasmose
HIV

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tv das hepatites
Tv das hepatitesTv das hepatites
Tv das hepatitestvf
 
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Caroline Reis Gonçalves
 
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênitaManejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênitaCentro Universitário Ages
 

Mais procurados (19)

Risco Reprodutivo e Contracepção
Risco Reprodutivo e ContracepçãoRisco Reprodutivo e Contracepção
Risco Reprodutivo e Contracepção
 
Dengue na Infância
Dengue na InfânciaDengue na Infância
Dengue na Infância
 
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicialDiagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
 
Tv das hepatites
Tv das hepatitesTv das hepatites
Tv das hepatites
 
Sífilis Congênita
Sífilis CongênitaSífilis Congênita
Sífilis Congênita
 
Detecção Precoce do Câncer Infantil
Detecção Precoce do Câncer InfantilDetecção Precoce do Câncer Infantil
Detecção Precoce do Câncer Infantil
 
Diagnóstico de Malformações Fetais
Diagnóstico de Malformações FetaisDiagnóstico de Malformações Fetais
Diagnóstico de Malformações Fetais
 
Infecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o Prematuro
Infecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o PrematuroInfecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o Prematuro
Infecções Respiratórias Virais na Sazonalidade e o Impacto para o Prematuro
 
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitávelErro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
 
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
Aula 2 - Ginecologia - Infertilidade, saúde sexual e reprodutiva, planejament...
 
Marcos Legais da Interrupção da Gestação no Brasil
Marcos Legais da Interrupção da Gestação no BrasilMarcos Legais da Interrupção da Gestação no Brasil
Marcos Legais da Interrupção da Gestação no Brasil
 
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênitaManejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
 
DIU de cobre nas maternidades
DIU de cobre nas maternidadesDIU de cobre nas maternidades
DIU de cobre nas maternidades
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodosCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
 
Mola Hidatiforme
Mola HidatiformeMola Hidatiforme
Mola Hidatiforme
 
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à práticaSegurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 

Semelhante a Aainfecções na gestação

A criança e a aids
A criança e a aidsA criança e a aids
A criança e a aidsdoismileonze
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte iiLurdesmartins17
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Enfº Ícaro Araújo
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxFlviaFranchin
 
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...Pelo Siro
 
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptxINFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptxPaulaMelo127834
 
Hiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No RnHiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No Rnalecfcms
 
3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdf
3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdf3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdf
3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdfEzequielSouza41
 
Gravidez e virus da imunodefeciencia
Gravidez e virus da imunodefecienciaGravidez e virus da imunodefeciencia
Gravidez e virus da imunodefecienciauccarcozelo
 
Gravidez e vírus da imunodefeciência
Gravidez e vírus da imunodefeciênciaGravidez e vírus da imunodefeciência
Gravidez e vírus da imunodefeciênciauccarcozelo
 
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Liene Campos
 
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Liene Campos
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptx
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptxDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptx
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptxDiogoSouza688960
 

Semelhante a Aainfecções na gestação (20)

A criança e a aids
A criança e a aidsA criança e a aids
A criança e a aids
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
 
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
 
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
 
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
 
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptxINFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
INFECÇÃO NEONATAL 2.pptx
 
COVID-19 e Amamentação
COVID-19 e AmamentaçãoCOVID-19 e Amamentação
COVID-19 e Amamentação
 
Hiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No RnHiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No Rn
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdf
3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdf3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdf
3 - HIV Atualização na atenção ao portador HIVAids.pdf
 
Gravidez e virus da imunodefeciencia
Gravidez e virus da imunodefecienciaGravidez e virus da imunodefeciencia
Gravidez e virus da imunodefeciencia
 
Gravidez e vírus da imunodefeciência
Gravidez e vírus da imunodefeciênciaGravidez e vírus da imunodefeciência
Gravidez e vírus da imunodefeciência
 
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
 
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptx
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptxDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptx
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA GESTAÇÃO.pptx
 

Aainfecções na gestação

  • 2. Vias de infecção Transplacentária Durante estágios de infecção sangüínea materna Bactérias, virus, parasitas Transmembrana intacta Contigüidade Amniótica com membranas rotas
  • 4. Humoral e celular: 9 – 15 semanas Resposta primária: IgM Imunidade passiva: IgG  16 semanas: aumenta o transporte 26 semanas: concentração fetal = materna Imunidade fetal
  • 5. Métodos propedêuticos Fetais Alterações morfológicas e funcionais Ultra-sonografia, ecocardiografia, Doppler Tomografia computadorizada Ressonância magnética Imunologia Dosagem de IgM fetal por cordocentese Identificação do microorganismo PCR do líquido amniótico Cordocentese: PCR e cultura
  • 6. Infecções e Gestação Sífilis Hepatites Estreptococo do grupo B Citomegalovírus Rubéola Toxoplasmose HIV
  • 7. Transmissão vertical da Sífilis A Sífilis é 4 vezes mais prevalente do que o HIV nas gestantes. Estima-se 48.000 gestantes com sífilis/ano*. *Fonte: Estudo Sentinela Parturiente, 2004. Sífilis
  • 8. *Fonte: Estudo Sentinela Parturiente, 2004. Sífilis Transmissão vertical da Sífilis  São cerca de 4 mil casos notificados de sífilis congênita em média, ao ano. Estima-se cerca de 12 mil novas infecções.  Até 40% das infecções fetais podem ter como desfecho o óbito, seja como aborto, natimorto ou óbito neonatal (daí a recomendação de realizar o VDRL em todos os casos de perda fetal).
  • 9. *Fonte: Estudo Sentinela Parturiente, 2004. Sífilis Gestante VDRL + FTA-Abs/ TPHA () FTA--Abs/TPHA (+)(+) ou não disponível Falso ++ Não tratar Sífilis Primária Sífilis Secundária ou latente precoce Sífilis Terciária ou duração ignorada P.Benzatina 2,4milhões UI P.Benzatina 4,8milhões UI P.Benzatina 7,2milhões UI Tratar parceiro(s) Preservativo Seguimento sorológico
  • 11.  Maior risco de transmissão durante o trabalho de parto ou parto  Screening com HBsAg  HBsAg é encontrado no leite, mas estudos não mostram aumento significativo da doença pela amamentação HEPATITE B
  • 12. Distribuição dos Marcadores do VHB por Unidade Federada. Brasil HEPATITE B
  • 13. Como as pessoas podem se infectar? É transmitido no contato com sangue e alguns outros fluídos de uma pessoa infectada, semelhante ao HIV] VHB é 50 a 100 vezes mais infeccioso que o HIV. Modos de transmissão:  Sexual  Perinatal  Injeções e transfusões inseguras HEPATITE B
  • 15. Hepatite A Não está associada à transmissão perinatal e o prognóstico da gestação não é comprometido. Não há consenso sobre a Administração de imunoglobulina ao nascimento.
  • 16. Hepatite A Não está associada à transmissão perinatal e o prognóstico da gestação não é comprometido. Não há consenso sobre a Administração de imunoglobulina ao nascimento. Hepatite C Baixa prevalência em gestantes: 0,15 a 2,6%. Há poucas pesquisas sobre o impacto na gestação. Transmissão vertical entre 4 a 10%
  • 17. INCIDÊNCIA Segundo o CDC, aproximadamente, 10 a 30% das gestantes são colonizadas pelo EGB na vagina ou no reto. Geralmente são assintomáticas. Em 2 a 4% se manifesta como infecção do trato urinário na gestação. ESTREPTOCOCO DO GRUPO B
  • 18. PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DA INFECÇÃO NEONATAL PELO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B O estreptococo do grupo B (EGB), ou Streptococcus agalactiae, é hoje considerado como agente causador de uma das mais graves infecções neonatais de início precoce, podendo manifestar-se como uma pneumonia, meningite, osteomielite e até septicemia, seguida de óbito neonatal em cerca de 25% dos casos. Diante da gravidade desta infecção, os Centers for Disease Control and Prevention (CDC), juntamente com a American Academy of Pediatrics (AAP) e o American College of Obstetricians and Gynecologists (ACGO), um protocolo de prevenção desta infecção.
  • 19. Rastreamento: O método de rastreamento é baseado na cultura de secreção vaginal e retal, colhidas por SWAB, para EGB, entre a 35ª e a 37ª semanas de gestação, para todas as gestantes. ESTREPTOCOCO DO GRUPO B
  • 20. Rastreamento: O método de rastreamento é baseado na cultura de secreção vaginal e retal, colhidas por SWAB, para EGB, entre a 35ª e a 37ª semanas de gestação, para todas as gestantes. COLETA swab no intróito vaginal sem utilização de especulo. A amostra deverá ser colhida introduzindo o swab por cerca de 2 cm, fazendo movimentos giratórios por toda a circunferência da parede vaginal. Fazer posteriormente um swab anal introduzindo levemente (em torno de 0,5 cm) no esfíncter anal. Conservação para envio: Meio de transporte: Stuart Após a coleta, manter os tubos em temperatura ambiente até o envio ao laboratório, que poderá ser em um prazo de até 3 dias. ESTREPTOCOCO DO GRUPO B
  • 21. ESTREPTOCOCO DO GRUPO B TRATAMENTO Pacientes com cultura positiva entre 35 e 37 semanas deverão receber Penicilina Cristalina ou Ampicilina endovenosas durante o Trabalho de Parto. Não se trata na gestação
  • 22. Citomegalovírus Síndrome congênita: Baixo peso, microcefalia, calcificações intracranianas, coriorretinite, retardo motor e mental, deficits sensoriais, hepatoesplenomegalia, icterícia, anemia hemolítica, púrpura trombocitopênica
  • 23. Citomegalovírus 100 mães com infecção primária: 40 fetos infectados 2 fetos com infecção sintomática (5%dos infectados) Causa mais comum de infecção perinatal - 0,2 a 2% dos RN (95% assintomáticos) Infecção materna: 85% assintomática - Febre, faringite, linfadenopatia, poliartrite
  • 24. Citomegalovírus Triagem por sorologia rotineira não é recomendada (ACOG, 2000, Manual da FEBRASGO, 2010) Não há como prever efeito fetal, baixa prevalência de defeitos. Não há tratamento ou vacina Alguns casos ocorrem por reinfecção materna por cepa diferente
  • 25. Rubéola Recommendations 1. Since the effects of congenital rubella syndrome vary with the gestational age at the time of infection, accurate gestational dating should be established, as it is critical to counselling. (II-3A) 2. The diagnosis of primary maternal infection should be made by serological testing. (II-2A) 3. In a pregnant woman who is exposed to rubella or who develops signs or symptoms of rubella, serological testing should be performed to determine immune status and risk of congenital rubella syndrome (III-A) 4. Rubella immunization should not be administered in pregnancy but may be safely given post partum. (III-B) 5. Women who have been inadvertently vaccinated in early pregnancy or who become pregnant immediately following vaccination can be reassured that there have been no cases of congenital rubella syndrome documented in theses situations. (III-B) 6. Women wishing to conceive should be counselled and encouraged to have their antibody status determined and undergo rubella vaccination if needed. (I-A)
  • 26. Rubéola Recomendações 1.Uma vez que os efeitos da síndrome da rubéola congênita variam com a idade gestacional no momento da infecção, idade gestacional precisa deve ser estabelecida, como fundamental para o aconselhamento. (II-3A) 1.O diagnóstico de infecção materna primária deve ser feito por testes sorológicos. (II-2A) 1.Em uma mulher grávida, que está exposta a rubéola ou que desenvolve sinais ou sintomas de rubéola, o teste sorológico deve ser realizado para determinar o status imune e risco de síndrome da rubéola congênita (III-A)
  • 27. Rubéola Recomendações 4. Imunização da rubéola não deve ser administrada durante a gravidez, mas pode ser feita com segurança pós parto. (III-B) 5.As mulheres que tenham sido vacinadas inadvertidamente no início da gravidez ou que engravidar imediatamente após a vacinação podem ser tranquilizadas que não houve nenhum caso de síndrome da rubéola congênita documentado nestes casos. (III-B) 6.As mulheres que desejam engravidar devem ser aconselhadas a ter seu status imunológico determinado e a vacinar-se, caso não sejam imunes