SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Enfermeira Giza Carla Nitz
Especialista em Urgência e Emergência
Disfunções Respiratórias:
 DPOC:
 Enfisema
 Bronquite Crônica
 Asma
Pneumonia
Insuficiência Respiratória
A vida humana depende da troca sistemática de
gases, realizada pelo sistema respiratório. A
respiração é composta de dois movimentos - a
inspiração e a expiração - que correspondem à
expansão e ao relaxamento da musculatura
pulmonar e da parede torácica.
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
O ato de respirar mantém um padrão regular e
ininterrupto, varia de 12 a 20 respirações por minuto,
no adulto. É essencial para a vida, pois é responsável
pela absorção de oxigênio pelas células e a
eliminação do gás carbônico pelos pulmões.
SINAIS VITAIS
O ar entra pelo nariz, onde é purificado e aquecido. Passa pela
faringe, laringe e segue pela traquéia, brônquios e bronquíolos.
Os brônquios e os bronquíolos são revestidos de cílios que
realizam o movimento de varredura, retirando, assim, muco e
substâncias estranhas ao pulmão.
O ar chega então aos alvéolos,
havendo aí a troca gasosa entre
oxigênio e gás carbônico.
Os pulmões, em número de dois,
ocupam a caixa torácica. Existem
ainda músculos que auxiliam no
movimento respiratório, também
chamados de músculos acessórios
da respiração, dentre eles: o
diafragma, os intercostais e o
esternocleidomastóide.
Origem de doenças respiratórias:
 Infecciosa,
 Neoplásica e as
 Crônico degenerativas (doença pulmonar
obstrutiva crônica – DPOC).
A DPOC se caracteriza por alterações progressivas da
função pulmonar, resultando em obstrução ao fluxo
aéreo. É constituída pelo enfisema, bronquite e asma.
DPOC - Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
A obstrução aérea que reduz o fluxo de ar, varia
conforme a doença adjacente:
 Bronquite crônica: o acúmulo excessivo de
secreções bloqueia as vias respiratórias;
 Enfisema: a troca gasosa comprometida (oxigênio,
carbono) resulta da destruição das paredes do
alvéolo super estendido;
 Asma: as vias aéreas inflamadas e constritas
obstruem o fluxo aéreo.
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Manifestações clínicas:
 Dispnéia (em repouso, pode ser grave);
 Tosse (uso de músculos acessórios); • Aumento no
trabalho respiratório;
 Perda de peso (interferência na alimentação);
 Intolerância os esforços/exercícios.
 Ruídos Adventícios (sibilos,roncos,estertores:sons
anormais percebidos na ausculta pulmonar)
 Baqueamento dos dedos: aumento do volume das
pontas dos dedos das mãos e perda do ângulo de
emergência da unha;
Definição: É uma doença crônica irreversível,
caracterizada por obstrução brônquica e distensão
alveolar. Há perda da elasticidade dos pulmões,
destruição alveolar e capilar por acúmulo de ar nos
alvéolos. À medida que a destruição alveolar
progride, as trocas gasosas diminuem. Há uma
adaptação progressiva com a convivência de menor
taxa de oxigênio no organismo tornando a pessoa
intolerante a altas taxas de oxigênio.
Fatores de risco: fumo, poluição ambiental
persistente, entre outros.
O consumo do tabaco é um fator de risco importante
para adoecer, sendo a principal causa de câncer de
pulmões e de DPOC. No entanto, o abandono do
hábito de fumar está relacionado com a
dependência química e psíquica e requer uma
atenção especial, que não apenas o uso de jargões
como: “Pare de fumar!”.
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Sinais e sintomas (fase tardia):
 Cansaço aos esforços rotineiros,
 Tosse produtiva,
 Uso abusivo da musculatura acessória,
 Definindo o tórax em barril agitação/sonolência,
 Dificuldade de concentração,
 Tremor das mãos
 Anorexia com perda de peso.
 Desconforto relacionado com a menor capacidade de
respirar (dispnéia),
Essa doença caracteriza-se por evolução lenta e gradual.
A asma, a tuberculose e o envelhecimento
favorecem o surgimento do enfisema em
conseqüência da fibrose, com perda da elasticidade
pulmonar.
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Alguns exames são solicitados para avaliar a
capacidade respiratória individual e o tamanho da
lesão, dentre eles a tomografia computadorizada e a
espirometria.
• Espirometria – É a aferição da capacidade
respiratória dos pulmões, através de um
instrumento denominado espirômetro, o qual mede
o ar inalado e exalado dos pulmões.
Complicações freqüentes do enfisema são:
 Insuficiência respiratória aguda.
 Pneumotórax - acúmulo de ar no espaço
intrapleural, alterando a mecânica respiratória e as
trocas gasosas, causando colapso e dor.
Pneumotórax
Definição: caracteriza-se pelo aumento das glândulas
produtoras de muco dos brônquios, manifestando-se
por tosse matinal, com excesso de secreção espessa,
esbranquiçada e viscosa. Muitas vezes é confundida
com o estado gripal, porém se diferencia pela sua
duração que pode se estender até dois meses (gripe
mal curada).
Embora a causa não esteja esclarecida, está
diretamente relacionada ao hábito de fumar. Outros
fatores, como a idade, a predisposição genética, a
poluição atmosférica, a exposição contínua ao ar frio
e à umidade e contatos com poeiras industriais,
favorecem o aparecimento da doença.
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
À medida que os períodos de infecção se tornam
mais freqüentes, o muco pode apresentar-se
amarelado, esverdeado, acinzentado e até
purulento. A evolução da bronquite culmina com a
lesão da camada interna dos brônquios,
prejudicando a ventilação e a função cardíaca.
Nessa etapa da doença, os sinais associados são:
cianose, edema e acesso de tosse noturna.
As principais complicações da bronquite crônica são
a infecção pulmonar, a insuficiência cardíaca e o
enfisema.
Definição: Consiste na obstrução dos bronquíolos, em
decorrência do bronquioespasmo (estreitamento dos
brônquios), associada ao edema das mucosas e à
produção excessiva de muco (catarro).
Os principais sintomas da asma são:
 Tosse seca,
 Dispnéia,
 Sibilo (som de chiado)
Estas manifestações ocorrem em crises de duração
variável, podendo ser de minutos, horas e até de
dias.
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Causa: por vários fatores, entre eles:
 Alérgenos (poeira domiciliar, ácaros, poluição
ambiental, pêlos de animais e alguns alimentos);
 Infecções respiratórias;
 Fatores emocionais;
 Atividade física intensa;
 Alguns medicamentos;
 Hereditariedade ;
 Alterações climáticas.
É uma doença comum, podendo ser reversível, afetando
cerca de 10% da população, abrangendo indivíduos de
todas as idades.
Tratamento: na asma aguda, visa restaurar a função
pulmonar rapidamente, evitar complicações e
controlar os fatores desencadeantes das crises.
É uma doença comum, podendo ser reversível,
afetando cerca de 10% da população, abrangendo
indivíduos de todas as idades.
Um único ataque de falta de ar não significa,
necessariamente, que seja asma. Certas infecções e
algumas substâncias químicas podem causar falta de
ar, e isso dura pouco tempo.
Tratamento:
 Oxigenioterapia (contínua ou intermitente);
 Broncodilatadores (melhorar o fluxo aéreo, prevenir
a dispnéia);
 Corticosteróides;
 Reabilitação pulmonar (componentes
educacionais, psicossociais, comportamentais e
físicos);
 Exercícios respiratórios (tosse assistida, respiração
profunda, drenagem postural, entre outros);
 Retreinamento/exercícios.
 Orientação para abandonar o cigarro.
Assistência de enfermagem:
 Controle dos fatores de risco: fornecer
orientações quanto aos fatores desencadeantes
de crises, auxiliando os portadores a
reconhecerem os sinais e sintomas iniciais da
crise;
 Uso de medicações: broncodilatadoras,
mucolíticos e corticóides prescritas;
 Monitoramento da função respiratória: através do
controle dos sinais vitais; avaliação da coloração
e temperatura da pele, da mucosa e do nível de
consciência;
Assistência de enfermagem:
 Oxigenoterapia: administrar oxigênio conforme
orientações do enfermeiro e/ou médico;
 Fluidificação e expectoração de secreções: através da
hidratação, do estímulo de tosse e nebulização; ensinar
o uso da musculatura acessória; orientar quanto à
importância de manter atividade física regular
(caminhadas e natação);
 Prevenção de infecções respiratórias: orientar quanto à
exposição a riscos de infecção; evitar ambientes
fechados; agasalhar-se adequadamente e manter
nutrição adequada;
Assistência de enfermagem:
Exercícios respiratórios: orientar quanto à
importância da realização frequente dos
exercícios e sua finalidade; ensinar as
técnicas mais modernas como a da
respiração diafragmática, respiração com
lábios entreabertos, etc.;
Fisioterapia respiratória: a fisioterapia para
limpeza das vias aéreas inferiores é
importante, mas é passível de supervisão de
profissional especializado. O cliente deve ser
orientado e encaminhado.
Assistência de enfermagem:
Atenção: A administração de oxigênio à
pessoa com enfisema só poderá ser feita
sob estrita prescrição, pois o
fornecimento acima do permitido pode
inibir o centro respiratório.
Atualmente, a vacina que previne a
gripe é uma grande aliada no controle
destas afecções, especialmente nos
idosos que são mais susceptíveis.
Atividades:
 Defina DPC.
 Diferencie bronquite crônica ,enfisema
e asma.
 Quais as manifestações clínicas (sinais e
sintomas) da DPOC?
 Qual o tratamento para DPOC?
 Descreva a assistência de enfermagem
para DPOC.
Referencias:
• Silva, KDG. Sistema de Classificação de Pacientes em uma Unidade de Clínicas
Médicas de um Hospital Público do Distrito Federal. Trabalho de conclusão de
curso Brasília 2013.
• Maria HBC, Sandro RGS, Manual de Procedimentos do Enfermeiro. Hospital
Regional de Taguatinga. Brasília 2012.
• Rothrock JC, Meeker MH. Alexander: Meeker MH, Rothrock JC Alexander:
cuidados de enfermagem ao paciente clinico. 10ª ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan; 1997. p. 3-17
• Brasil. DECRETO No 94.406, DE 8 DE JUNHO DE 1987. dispõe sobre o exercício da
enfermagem, e dá Com. Ciências Saúde. 2017; 28(3/4):419-428 427 Demanda
do enfermeiro na clínica médica de um hospital público do Distrito Federal
outras providências. [online]. Disponível em: http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/ D94406.htm
Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf
Sinais e sintomas:
 Dispnéia e tosse,
 Escarro espumoso e tingido muitas vezes de
sangue,
 Taquicardia, dispneia grave, sibilos
 Pele cianótica, fria, úmida (diaforese),
 Inquietação, ansiedade, medo, etc.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf

03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Doenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idososDoenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idosos
AdrianaCurtinaz
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
Bruno Cavalcante Costa
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Pneumonia.pptx
Pneumonia.pptxPneumonia.pptx
Pneumonia.pptx
FlvioFreitas19
 
Pneumonia.pptx
Pneumonia.pptxPneumonia.pptx
Pneumonia.pptx
Flávio Freitas
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
Flávia Salame
 
Estrutura e funcao dos pulmoes
Estrutura e funcao dos pulmoesEstrutura e funcao dos pulmoes
Estrutura e funcao dos pulmoes
envysdiogo
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapia
Deylane Melo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
elizgalvao
 
0326 asma - Marion
0326 asma - Marion0326 asma - Marion
0326 asma - Marion
laiscarlini
 
Aulaneuro
AulaneuroAulaneuro
Aulaneuro
tathianepvh
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Giza Carla Nitz
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
lioMiltonPires1
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Cronica
Doença Pulmonar Obstrutiva CronicaDoença Pulmonar Obstrutiva Cronica
Doença Pulmonar Obstrutiva Cronica
Ana Karoline
 
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptxAULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
JoaoLucasSilva9
 
Projeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bemProjeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bem
MARCIO LOPES
 
DPOC
DPOCDPOC
Asma
AsmaAsma
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
Ana Hollanders
 

Semelhante a Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf (20)

03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
 
Doenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idososDoenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idosos
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Pneumonia.pptx
Pneumonia.pptxPneumonia.pptx
Pneumonia.pptx
 
Pneumonia.pptx
Pneumonia.pptxPneumonia.pptx
Pneumonia.pptx
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
 
Estrutura e funcao dos pulmoes
Estrutura e funcao dos pulmoesEstrutura e funcao dos pulmoes
Estrutura e funcao dos pulmoes
 
Aula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapiaAula oxigenoterapia
Aula oxigenoterapia
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
0326 asma - Marion
0326 asma - Marion0326 asma - Marion
0326 asma - Marion
 
Aulaneuro
AulaneuroAulaneuro
Aulaneuro
 
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdfAula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
Aula 16 - Doenças Respiratórias - Insuficiencia Respiratória.pdf
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Cronica
Doença Pulmonar Obstrutiva CronicaDoença Pulmonar Obstrutiva Cronica
Doença Pulmonar Obstrutiva Cronica
 
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptxAULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
 
Projeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bemProjeto educacional respire bem
Projeto educacional respire bem
 
DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
 

Mais de Giza Carla Nitz

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 

Mais de Giza Carla Nitz (20)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 

Aula 14 - Doenças Respiratórias - DPOC (Enfizema, Bronquite Crônica, Asma).pdf

  • 1. Professora Enfermeira Giza Carla Nitz Especialista em Urgência e Emergência
  • 2. Disfunções Respiratórias:  DPOC:  Enfisema  Bronquite Crônica  Asma Pneumonia Insuficiência Respiratória
  • 3. A vida humana depende da troca sistemática de gases, realizada pelo sistema respiratório. A respiração é composta de dois movimentos - a inspiração e a expiração - que correspondem à expansão e ao relaxamento da musculatura pulmonar e da parede torácica.
  • 5. O ato de respirar mantém um padrão regular e ininterrupto, varia de 12 a 20 respirações por minuto, no adulto. É essencial para a vida, pois é responsável pela absorção de oxigênio pelas células e a eliminação do gás carbônico pelos pulmões. SINAIS VITAIS
  • 6. O ar entra pelo nariz, onde é purificado e aquecido. Passa pela faringe, laringe e segue pela traquéia, brônquios e bronquíolos. Os brônquios e os bronquíolos são revestidos de cílios que realizam o movimento de varredura, retirando, assim, muco e substâncias estranhas ao pulmão.
  • 7. O ar chega então aos alvéolos, havendo aí a troca gasosa entre oxigênio e gás carbônico.
  • 8. Os pulmões, em número de dois, ocupam a caixa torácica. Existem ainda músculos que auxiliam no movimento respiratório, também chamados de músculos acessórios da respiração, dentre eles: o diafragma, os intercostais e o esternocleidomastóide.
  • 9. Origem de doenças respiratórias:  Infecciosa,  Neoplásica e as  Crônico degenerativas (doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC). A DPOC se caracteriza por alterações progressivas da função pulmonar, resultando em obstrução ao fluxo aéreo. É constituída pelo enfisema, bronquite e asma. DPOC - Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
  • 10. A obstrução aérea que reduz o fluxo de ar, varia conforme a doença adjacente:  Bronquite crônica: o acúmulo excessivo de secreções bloqueia as vias respiratórias;  Enfisema: a troca gasosa comprometida (oxigênio, carbono) resulta da destruição das paredes do alvéolo super estendido;  Asma: as vias aéreas inflamadas e constritas obstruem o fluxo aéreo.
  • 12. Manifestações clínicas:  Dispnéia (em repouso, pode ser grave);  Tosse (uso de músculos acessórios); • Aumento no trabalho respiratório;  Perda de peso (interferência na alimentação);  Intolerância os esforços/exercícios.  Ruídos Adventícios (sibilos,roncos,estertores:sons anormais percebidos na ausculta pulmonar)  Baqueamento dos dedos: aumento do volume das pontas dos dedos das mãos e perda do ângulo de emergência da unha;
  • 13. Definição: É uma doença crônica irreversível, caracterizada por obstrução brônquica e distensão alveolar. Há perda da elasticidade dos pulmões, destruição alveolar e capilar por acúmulo de ar nos alvéolos. À medida que a destruição alveolar progride, as trocas gasosas diminuem. Há uma adaptação progressiva com a convivência de menor taxa de oxigênio no organismo tornando a pessoa intolerante a altas taxas de oxigênio. Fatores de risco: fumo, poluição ambiental persistente, entre outros.
  • 14. O consumo do tabaco é um fator de risco importante para adoecer, sendo a principal causa de câncer de pulmões e de DPOC. No entanto, o abandono do hábito de fumar está relacionado com a dependência química e psíquica e requer uma atenção especial, que não apenas o uso de jargões como: “Pare de fumar!”.
  • 17. Sinais e sintomas (fase tardia):  Cansaço aos esforços rotineiros,  Tosse produtiva,  Uso abusivo da musculatura acessória,  Definindo o tórax em barril agitação/sonolência,  Dificuldade de concentração,  Tremor das mãos  Anorexia com perda de peso.  Desconforto relacionado com a menor capacidade de respirar (dispnéia), Essa doença caracteriza-se por evolução lenta e gradual.
  • 18. A asma, a tuberculose e o envelhecimento favorecem o surgimento do enfisema em conseqüência da fibrose, com perda da elasticidade pulmonar.
  • 20. Alguns exames são solicitados para avaliar a capacidade respiratória individual e o tamanho da lesão, dentre eles a tomografia computadorizada e a espirometria. • Espirometria – É a aferição da capacidade respiratória dos pulmões, através de um instrumento denominado espirômetro, o qual mede o ar inalado e exalado dos pulmões.
  • 21. Complicações freqüentes do enfisema são:  Insuficiência respiratória aguda.  Pneumotórax - acúmulo de ar no espaço intrapleural, alterando a mecânica respiratória e as trocas gasosas, causando colapso e dor. Pneumotórax
  • 22. Definição: caracteriza-se pelo aumento das glândulas produtoras de muco dos brônquios, manifestando-se por tosse matinal, com excesso de secreção espessa, esbranquiçada e viscosa. Muitas vezes é confundida com o estado gripal, porém se diferencia pela sua duração que pode se estender até dois meses (gripe mal curada). Embora a causa não esteja esclarecida, está diretamente relacionada ao hábito de fumar. Outros fatores, como a idade, a predisposição genética, a poluição atmosférica, a exposição contínua ao ar frio e à umidade e contatos com poeiras industriais, favorecem o aparecimento da doença.
  • 24. À medida que os períodos de infecção se tornam mais freqüentes, o muco pode apresentar-se amarelado, esverdeado, acinzentado e até purulento. A evolução da bronquite culmina com a lesão da camada interna dos brônquios, prejudicando a ventilação e a função cardíaca. Nessa etapa da doença, os sinais associados são: cianose, edema e acesso de tosse noturna. As principais complicações da bronquite crônica são a infecção pulmonar, a insuficiência cardíaca e o enfisema.
  • 25. Definição: Consiste na obstrução dos bronquíolos, em decorrência do bronquioespasmo (estreitamento dos brônquios), associada ao edema das mucosas e à produção excessiva de muco (catarro). Os principais sintomas da asma são:  Tosse seca,  Dispnéia,  Sibilo (som de chiado) Estas manifestações ocorrem em crises de duração variável, podendo ser de minutos, horas e até de dias.
  • 27. Causa: por vários fatores, entre eles:  Alérgenos (poeira domiciliar, ácaros, poluição ambiental, pêlos de animais e alguns alimentos);  Infecções respiratórias;  Fatores emocionais;  Atividade física intensa;  Alguns medicamentos;  Hereditariedade ;  Alterações climáticas. É uma doença comum, podendo ser reversível, afetando cerca de 10% da população, abrangendo indivíduos de todas as idades.
  • 28. Tratamento: na asma aguda, visa restaurar a função pulmonar rapidamente, evitar complicações e controlar os fatores desencadeantes das crises. É uma doença comum, podendo ser reversível, afetando cerca de 10% da população, abrangendo indivíduos de todas as idades. Um único ataque de falta de ar não significa, necessariamente, que seja asma. Certas infecções e algumas substâncias químicas podem causar falta de ar, e isso dura pouco tempo.
  • 29. Tratamento:  Oxigenioterapia (contínua ou intermitente);  Broncodilatadores (melhorar o fluxo aéreo, prevenir a dispnéia);  Corticosteróides;  Reabilitação pulmonar (componentes educacionais, psicossociais, comportamentais e físicos);  Exercícios respiratórios (tosse assistida, respiração profunda, drenagem postural, entre outros);  Retreinamento/exercícios.  Orientação para abandonar o cigarro.
  • 30. Assistência de enfermagem:  Controle dos fatores de risco: fornecer orientações quanto aos fatores desencadeantes de crises, auxiliando os portadores a reconhecerem os sinais e sintomas iniciais da crise;  Uso de medicações: broncodilatadoras, mucolíticos e corticóides prescritas;  Monitoramento da função respiratória: através do controle dos sinais vitais; avaliação da coloração e temperatura da pele, da mucosa e do nível de consciência;
  • 31. Assistência de enfermagem:  Oxigenoterapia: administrar oxigênio conforme orientações do enfermeiro e/ou médico;  Fluidificação e expectoração de secreções: através da hidratação, do estímulo de tosse e nebulização; ensinar o uso da musculatura acessória; orientar quanto à importância de manter atividade física regular (caminhadas e natação);  Prevenção de infecções respiratórias: orientar quanto à exposição a riscos de infecção; evitar ambientes fechados; agasalhar-se adequadamente e manter nutrição adequada;
  • 32. Assistência de enfermagem: Exercícios respiratórios: orientar quanto à importância da realização frequente dos exercícios e sua finalidade; ensinar as técnicas mais modernas como a da respiração diafragmática, respiração com lábios entreabertos, etc.; Fisioterapia respiratória: a fisioterapia para limpeza das vias aéreas inferiores é importante, mas é passível de supervisão de profissional especializado. O cliente deve ser orientado e encaminhado.
  • 33. Assistência de enfermagem: Atenção: A administração de oxigênio à pessoa com enfisema só poderá ser feita sob estrita prescrição, pois o fornecimento acima do permitido pode inibir o centro respiratório. Atualmente, a vacina que previne a gripe é uma grande aliada no controle destas afecções, especialmente nos idosos que são mais susceptíveis.
  • 34. Atividades:  Defina DPC.  Diferencie bronquite crônica ,enfisema e asma.  Quais as manifestações clínicas (sinais e sintomas) da DPOC?  Qual o tratamento para DPOC?  Descreva a assistência de enfermagem para DPOC.
  • 35. Referencias: • Silva, KDG. Sistema de Classificação de Pacientes em uma Unidade de Clínicas Médicas de um Hospital Público do Distrito Federal. Trabalho de conclusão de curso Brasília 2013. • Maria HBC, Sandro RGS, Manual de Procedimentos do Enfermeiro. Hospital Regional de Taguatinga. Brasília 2012. • Rothrock JC, Meeker MH. Alexander: Meeker MH, Rothrock JC Alexander: cuidados de enfermagem ao paciente clinico. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1997. p. 3-17 • Brasil. DECRETO No 94.406, DE 8 DE JUNHO DE 1987. dispõe sobre o exercício da enfermagem, e dá Com. Ciências Saúde. 2017; 28(3/4):419-428 427 Demanda do enfermeiro na clínica médica de um hospital público do Distrito Federal outras providências. [online]. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/ D94406.htm
  • 37. Sinais e sintomas:  Dispnéia e tosse,  Escarro espumoso e tingido muitas vezes de sangue,  Taquicardia, dispneia grave, sibilos  Pele cianótica, fria, úmida (diaforese),  Inquietação, ansiedade, medo, etc.