R2 Omar Mohamad M. Abdallah
Ortopedia e Traumatologia
Hospital Santa Rita
Distúrbio crônico caracterizado pelo
comprometimento do metabolismo da glicose,
associado a deficiência absoluta ou relat...
A infecção no pé é a causa mais comum de internação
do diabetico nos EUA.
Com faixa etaria entre 50 e 60 anso
Com DM po...
60 a 70 % dos diabéticos apresentam algum grau de
neuropatia diabética após 10 anos de DM.
50 a 75% das amputações não t...
Associação do comprometimento vascular por
aterosclerose e microangiopatia, neuropatia periférica e
deformidade favorecem ...
2 formas
MacroangiopatiasMacroangiopatias
Doença oclusiva arterial (aterosclerose)
Encontrada em 50% dos diabéticos co...
A VASCULOPATIA É RESPONSÁVEL PELA DORA VASCULOPATIA É RESPONSÁVEL PELA DOR
E PELA GANGRENA NO PÉ DIABÉTICOE PELA GANGRENA ...
É responsavel pelas úlceras no pé diabetico.
3 formas
Autonomica
Sensitiva
Motora
AutonomicaAutonomica
Alterações na pele (pele seca, quebradiça, irritavel,...)
SensitivaSensitiva
Ocorre por desmielin...
As deformidades propiciam proeminencias ósseas e
articulares, que associadas a hipossensibilidade,
facilitam o aparecimen...
A ÚLCERA PLANTAR É SECUNDÁRIA ÀA ÚLCERA PLANTAR É SECUNDÁRIA À
SOBRECARGA MECANICA EM ÁREA DESOBRECARGA MECANICA EM ÁREA D...
A infecção possui duas características
importantes:
Polimicrobiana
Usualmente não apresenta sinais flogísticos locais
d...
Agentes mais comuns:
Gram + (mais comum)
Staphilococcus
Streptococcus B
Enterococcus ( mais virulento, bacteremia, re...
História clinica (tipo de DM, quantos anos de evolução,
hábitos de vida...)
Examinar pulsos das artérias tibiais posteri...
Classificação de Wagner e Meggitt
Grau 0- pele íntegra
Grau I- úlcera superficial, chegando ate subcutaneo
Grau II- úl...
TRATAMENTO
Grau 0
•Pé em Risco
•Objetivo:
•Profilaxia ulcera
•Orientação Medico
Educacional
•Uso de Palmilhas
Tratamento
Grau I e II
Gesso de contato total (GCT)
• Distribuir pressão mecânica na região plantar
• Diminui a pressão no...
Tratamento
Grau III
Infecção Ativa
 Internamento
 Compensação do diabetes
 ATB amplo espectro
 Aminoglicosídeo + penic...
Tratamento
Grau IV
Gangrena Antepé
 Seca – automumificação
 Umida - amputação
Tratamento
Grau V
Gangrena Pé
 Nenhum procedimento local
 Paciente toxêmico - urgência
 Amputações abaixo, ao nível ou ...
Todo tecido doente deve ser ressecado
Níveis de amputação podem ser:
Dedo(s)
Raio(s)
Transmetatarsal
Desarticulação ...
Pé diabético  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Pé diabético  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Pé diabético  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pé diabético Dr Omar Mohamad M. Abdallah

567 visualizações

Publicada em

Pé diabético Dr Omar Mohamad M. Abdallah

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pé diabético Dr Omar Mohamad M. Abdallah

  1. 1. R2 Omar Mohamad M. Abdallah Ortopedia e Traumatologia Hospital Santa Rita
  2. 2. Distúrbio crônico caracterizado pelo comprometimento do metabolismo da glicose, associado a deficiência absoluta ou relativa de insulina.
  3. 3. A infecção no pé é a causa mais comum de internação do diabetico nos EUA. Com faixa etaria entre 50 e 60 anso Com DM por mais de 10 anos.
  4. 4. 60 a 70 % dos diabéticos apresentam algum grau de neuropatia diabética após 10 anos de DM. 50 a 75% das amputações não traumaticas do membro inferior estão relacionadas a complicações do diabetes 85% destas amputações são precedidas de ulceras plantares. Taxa de mortalidade: aprox 50% após 3 anos de amputações maiores.
  5. 5. Associação do comprometimento vascular por aterosclerose e microangiopatia, neuropatia periférica e deformidade favorecem o aparecimento de ulceras, infecções e gangrena.
  6. 6. 2 formas MacroangiopatiasMacroangiopatias Doença oclusiva arterial (aterosclerose) Encontrada em 50% dos diabéticos com mais de 10 anos de evolução É relacionada a habitos de vida (fumo, obesidade, alimentação...) MicroangiopatiasMicroangiopatias Espessamento da íntima dos capilares e das arteríolas do pé Prejuízo na difusão, dificultado a passagem de nutrientes para o espaço extravascular.
  7. 7. A VASCULOPATIA É RESPONSÁVEL PELA DORA VASCULOPATIA É RESPONSÁVEL PELA DOR E PELA GANGRENA NO PÉ DIABÉTICOE PELA GANGRENA NO PÉ DIABÉTICO
  8. 8. É responsavel pelas úlceras no pé diabetico. 3 formas Autonomica Sensitiva Motora
  9. 9. AutonomicaAutonomica Alterações na pele (pele seca, quebradiça, irritavel,...) SensitivaSensitiva Ocorre por desmielinização segmentar e alterações nas células de schwann, provocando graus variados de perda de sensibilidade. Inicia-se nas porções mais distais das extremidades. Responsavel pela artropatia neuropatica de Charcot. MotoraMotora Fraqueza ou paralisia da musculatura intrínseca, levando a deformidades no pé, principalmente antepé.
  10. 10. As deformidades propiciam proeminencias ósseas e articulares, que associadas a hipossensibilidade, facilitam o aparecimento de lesões na pele. Lesão inicial é um necrose tissular abaixo do revestimento epitelial, formando uma cavidade central indolor. A ulceração da pele leva a uma exposição da cavidade, com consequente contaminação secundária por microorganismos.
  11. 11. A ÚLCERA PLANTAR É SECUNDÁRIA ÀA ÚLCERA PLANTAR É SECUNDÁRIA À SOBRECARGA MECANICA EM ÁREA DESOBRECARGA MECANICA EM ÁREA DE SENSIBILIDADE DIMINUIDASENSIBILIDADE DIMINUIDA
  12. 12. A infecção possui duas características importantes: Polimicrobiana Usualmente não apresenta sinais flogísticos locais de forma evidente e costuma evoluir sem febre Staphylococcus aureus e o Streptococcus são os agentes patógenos mais detectados.
  13. 13. Agentes mais comuns: Gram + (mais comum) Staphilococcus Streptococcus B Enterococcus ( mais virulento, bacteremia, resistência) Gram – Escherichia coli Proteus Pseudomonas Enterobacter Anaeróbios Bacteroides fragilis / sp Clostridium sp
  14. 14. História clinica (tipo de DM, quantos anos de evolução, hábitos de vida...) Examinar pulsos das artérias tibiais posteriores e dorsais do pé, comparar temperatura, coloração e tempo de enchimento venoso e capilar. Testar a parte motora, sensibilidade e reflexos.
  15. 15. Classificação de Wagner e Meggitt Grau 0- pele íntegra Grau I- úlcera superficial, chegando ate subcutaneo Grau II- úlcera atinge planos mais profundos(fascias, tendões, capsulas articulares, ligamentos ou ossos) Grau III- infecção ativa (abscesso, celulite ou osteomielite) Grau IV - gangrena do antepé Grau V- gangrena em todo pé
  16. 16. TRATAMENTO Grau 0 •Pé em Risco •Objetivo: •Profilaxia ulcera •Orientação Medico Educacional •Uso de Palmilhas
  17. 17. Tratamento Grau I e II Gesso de contato total (GCT) • Distribuir pressão mecânica na região plantar • Diminui a pressão no local da úlcera • Diminui o edema intersticial • Permite a mobilização do paciente e tratamento ambulatorial • Protege o pé e a região ulcerada • Cicatrização em 6 a 8 semanas
  18. 18. Tratamento Grau III Infecção Ativa  Internamento  Compensação do diabetes  ATB amplo espectro  Aminoglicosídeo + penicilina  Drenagem + Debridamento amplo. Manter abertas  Retorno ao Grau I e II
  19. 19. Tratamento Grau IV Gangrena Antepé  Seca – automumificação  Umida - amputação
  20. 20. Tratamento Grau V Gangrena Pé  Nenhum procedimento local  Paciente toxêmico - urgência  Amputações abaixo, ao nível ou acima do joelho, dependendo do estado vascular
  21. 21. Todo tecido doente deve ser ressecado Níveis de amputação podem ser: Dedo(s) Raio(s) Transmetatarsal Desarticulação tarsometatarsal (Lisfranc) Desarticulação no mediopé (Chopart) Desarticulação no tornozelo (Syme)

×