Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah

909 visualizações

Publicada em

Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
909
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • ESSAS LESOES SÃO CADA VEZ MAIS ESTUDADAS PARA TENTAR FAZER DIAGNOSTICOS PRECISO E TRATAMENTO PRECOCE E EFICAZ, DEVIDO A SUA IMPOTENCIA FUNCIONAL QUE GERA E CONSEQUENTE AFASTAMENTO DOS ATLETAS, PARA MENOR TEMPO DE RETORNO AS ATIVIDADES
  •  distensão da musculatura isquiotibial, normalmente ocorre quando tais músculos são contraídos bruscamente durante algumas atividades, como corrida, salto ou por movimentos excessivos de extensão da coxa ou de flexão do joelho. ////// Queimação ou estalo, já no momento da lesão. A dor é sentida ao andar, dobrar ou esticar a perna. Alguns dias após o ocorrido, pode surgir um hematoma logo abaixo da lesão.
  •  A dor é localizada em um ponto específico, surge durante a contração muscular contra-resistência e pode ser ausente no repouso
  • Lesão Músculo Tendínea Dr Omar Mohamad M. Abdallah

    1. 1. Dr. Omar Mohamad M. Abdallah R2 de Ortopedia e Traumatologia Hospital Santa Rita
    2. 2. O tecido músculo-esquelético é o tecido de maior massa no corpo humano, com 45% do peso corporal total; A parte do tecido SNC Contração; São as lesões mais recorrentes na prática esportiva É responsável pelo movimento articular. INTRODUÇÃO
    3. 3. Musc -esquelético tem 2 estruras principais :  Miofibrilas - o responsável pela função contrátil do músculo pela sua inervação;  Tecido conectivo- Aderência das células musculares durante a contração por uma rede de conexões e estruturas vasculares e nervosas;  Tecido conectivo integra as miofibrilas Contração individual de cada fibra em um movimento Locomoção eficiente
    4. 4. Para ocorre é necessário ação da actina + miosina dos músculos; Miosina à actina é bloqueada por moléculas de tropomiosina; Excitação elétrica da fibra Liberação de acetilcolina –neurônio; CA2 Troponina faz a interação da miosina com a actina; Se desloca passando de extensão para a flexão Fisiologia da contração muscular
    5. 5. TIPO I: CONTRAÇAO LENTA, MAIS RESISTENTE A FADIGA, ALTO NUMERO DE MITOCONDRIAS , ENZIMAS AEROBIAS E RICA EM CAPILARES SANGINEOS TIPO IIA: CONTRAÇAO RAPIDA, MAS COM CARACTERISTICAS METABOLICAS PARECIDAS COM ATIPO I, CAPACIDADE DE GERAR ENERGIA INDEPENDENTE DA PRESENÇA DE OXIGENIO TIPO IIB: FIBRAS DE CONTRAÇAO RAPIDAVERDADEIRAS, POSSUEM ALTA CAPACIDADE DE FORNECER ENERGIA DE CURTA A MEDIA DURAÇAO , MAIS ASSOCIADOS A LESOES Tipos de Fibras
    6. 6. PODEM SURGIR DE FORMA DIRETA OU INDIRETA Contração concêntrica - ocorre quando um músculo encurta de comprimento e desenvolve tensão; Contração excêntrica - É o desenvolvimento de tensão, enquanto o músculo está sendo estendido - fibras rápidas; FISIOPATOLOGIA
    7. 7. Contusões- músculo é submetido a uma força compressiva e repentina; Estiramentos - estão mais associados às atividades de salto e de velocidade ; Lacerações - Ruptura próxima à junção miotendínea; Ocorre em músculos superficiais que trabalham cruzando duas articulações;  RETO FEMORAL, SEMITENDÍNEO E GASTROCNEMIO Lesão Musculares
    8. 8. LEVE OU GRAU I •POUCA OU NENHUMA LIMITAÇAO MODERADA OU GRAU II •LIMITAÇAO DE CONTRAÇÃO •HEMATOMA OU ECMOSE GRAVE OU GRAU III •SECÇÃOTRANSVERSA CLASSIFICAÇÃO
    9. 9. Fase 1: destruição – caracterizada por necrose das miofibrilas, formação do hematoma pela proliferação de células inflamatórias; ·Fase 2: reparo - fagocitose do tecido necrótico, regeneração das miofibrilas neoformação vascular e no crescimento neural ·Fase 3: remodelação - período de maturação das miofibrilas regeneradas reorganização do tecido cicatricial recuperação da capacidade funcional muscular. AS FASES DE REPARO DA LESAO MUSCULAR
    10. 10. • PACIENTEAPRESENTA DORAPÓS UMA QUEDA COM OS JOELHOS FLETIDO, • DOR AGUDA ACIMA DA PATELA • INCAPACIDADE DE SE MANTER NA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA SEM AUXILIO • INCAPACIDADE DE ESTENSÀO E ATIVA DO JOELHO • APRESENTA SINAL DO SULCOOUGAP • USG • RNM • APÓS REPARO CIRURGICO • IMOBILIZAÇAO POR 4 A 6 SEMANAS LESÃO MUSCULAR DO QUADRÍCEPS
    11. 11. •M. SEMITENDÍNEO ( Bícips femural e Semimembranoso ) •LESÃO MAIS COMUNS NOS ATLETAS •PELA SUSPEITA CLÍNICA • US • RNM •ROTURA COMPLETA É RARA •IMOBILIZADO EM FLEXÃO LESÃO DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS
    12. 12. CABEÇA MEDIAL DOR REPENTINA COM EDEMA FOCAL E ECMOSE USG É CONFIAVEL EXCLUIRTVP E SINDR COMPARTIMENTAL TRATAMENTO É CONSERVADOR CIRURGIA SE GRAU 3 LESÃO DO MUSCULO GASTROCNÊMIO
    13. 13. • HOMENS JOVENS • FORÇA INESPERADA DE DORSIFLEXÃO DO TORNOZELO ASSOCIADO A UMA FORTE CONTRAÇÃO MUSCULAR DA PANTURRILHA • 2 A 6 CM ACIMA DA INSERÇÃO NO CALCÂNEO • EXAME FÍSICO COM EDEMA • DEPRESSÃO LOCAL • THOMPSOM + • RNM • TRATAMENTO • CIRURGICO LESÃO DOTENDÃO DO CALCÂNEO
    14. 14. HISTÓRIA EXAME FÍSICO •INSPEÇÃO E PALPAÇÃO USG RNM •MAIOR PRECISÃO E ACURACIA DIAGNÓTICO
    15. 15. • OBJETIVO, MINIMIZAR SANGRAMENTO AINES TREINAMENTO ISOMÉTRICO • NÃO MUDA ADM – MAS SIM HIPERTROFIA MUSCULAR • FORÇA ESTÁTICA TREINAMENTO ISOTÔNICO • MUDA A ADM - FORTALECENDOA MUSCULATURA • RESISTÊNCIA • FORÇA DE MOVIMENTO EXERCICÍOS ISOCINÉTICO COM CARGA MINIMA • MÚSCULOCONTRAI E ENCURTACOM AVELOCIDADE MANTIDA • GANHO DE FORÇA UNIFORME TRATAMENTO
    16. 16. •GRANDES HEMATOMAS • •ROTURAS COMPLETAS •LESÒES PARCIAIS COM MAIS DE 50% •MAIS DE 4 A 6 MESES DE DOR À EXTENSAO CIRURGICO

    ×