O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah

2.508 visualizações

Publicada em

Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Aulas de Ortopedia
Fratura Supracondiliana de umaro

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Fraturas supracondilianas Dr Omar Mohamad M. Abdallah

  1. 1. Omar Mohamad M. Abdallah R1 Ortopedia e Traumatologia Hospital Santa Rita
  2. 2. Anatomia
  3. 3. Incidência  Essa fratura é exclusivamente do esqueleto imaturo . Uma intensa remodelação óssea na região metafisária.  Trabéculas óssea menos definidas e mais finas, com as corticais adelgaçadas.  Frouxidão ligamentar. Facilita o olécrano a agir como elemento de corte nas quedas com hiperextensão do cotovelo.
  4. 4. Tipos de fraturas supracondilianas  As fraturas supracondileanas dividem-se em 2 tipos: Extensão (97%) • As fraturas em extensão resultam de uma queda com o cotovelo em extensão com uma força de angulação concentrada que age diretamente na região supracondilar, concentrada no olécrano, provocando a fratura.  Flexão (3%) • Nas fraturas em flexão o mecanismo de lesão clássico é o trauma direto sobre a região posterior do cotovelo durante uma queda.
  5. 5. Classificação de Gartland  Dividida em 3 tipos:  Tipo I – Traço de fratura pouco evidente, sem desvio entre os fragmentos.  Tipo II – Traço de fratura evidente, com desvio, com contato de, pelo menos, uma das corticais. Subdividida em valgo ou varo.  Tipo III – Não contato entre as corticais. Subdividida em póstero-medial e póstero- lateral.
  6. 6. Quadro clínico  Sinais clássicos de fratura:  Edema;  Impotência funcional;  Verificar equimose na prega anterior do cotovelo;  Verificar cova na face anterior do braço – Indica que o fragmento proximal penetrou no M. braquial - Pinçamento Anterior.  Derrame articular - Facilmente palpado no espaço posterior ao músculo ancôneo, onde a capsula articular é mais superficial ;  Rotação medial do antebraço em relação ao úmero;  Se a fx está completamente desviada o cotovelo exibe deformidade em “S” – Desvio anterior da porção distal e posterior da porção na região do olécrano. - Deformidade em baioneta .
  7. 7. Tratamento  Fraturas tipo I podem ser tratadas apenas com gesso axilopalmar, com flexão 90°, por 3 a 4 sem.  A maioria das fraturas desviadas do tipo II e fraturas redutíveis do tipo III são tratadas com redução fechada e fixação percutânea com fios de Kirschner.  A fixação percutânea pode ser feita com 2 fios divergentes introduzidos lateralmente, ou 2 fios cruzados, um introduzido medialmente e outro lateralmente, com angulação entre si de 30 a 40º.  Em casos de fraturas irredutíveis, a redução aberta está indicada.
  8. 8. Complicações  O N. radial é lesado pela espícula lateral do fragmento proximal do úmero.  N. interósseo anterior ramo do nervo mediano. Perda motora dos músculos flexores do polegar e indicador.  O nervo ulnar é afetado nas fraturas em flexão, e pode ser transfixado pelo fio de Kirschner.  Pode ocorrer lesão direta da A. braquial.  Síndrome Volkmann - comprometem o músculo flexor profundo dos dedos no terço médio do antebraço.
  9. 9. Fraturas do Cotovelo Fraturas do Côndilo Lateral  Mais comuns depois das supracondilianas: 18,5%  Fraturas articulares, tipo Salter-Harris tipo IV.  Mecanismo de lesão: cotovelo em extensão associado a um valgo compressivo ou a um varismo.
  10. 10. Classificação  Classificação segundo Milch Tipo I: A linha de fratura cursa lateralmente à tróclea. Trata-se de uma fratura Salter-Harris tipo 4, com o cotovelo estável pois a tróclea está intacta. Tipo II: A linha de fratura estende-se até o ápice da tróclea. Trata-se de uma fratura Salter-Harris tipo 2, com o cotovelo instável devido a fratura troclear (mais comum)
  11. 11. Tratamento  Conservador  Fraturas sem desvios ou desvio < 2,0 mm.  Cirúrgico  Escolha, redução fechada e fixação com fios de Kirschner
  12. 12. Complicações  Perda funcional  Retardo de consolidação Vascular Liquido Sinovial  Distúrbios do crescimento: Valgo grave  Pseudo-artrose
  13. 13. Fraturas do Côndilo Medial  1,3% fraturas de cotovelo  Incidência: 8 a 14a  Fratura articular que acomete a tróclea – Cotovelo fletido - A força passa pelo olécrano.  Cotovelo em Extensão - Valgo  Lesão Salter-Harris tipo IV
  14. 14. Classificação segundo Milch  Tipo I: A linha de fratura passa pelo ápice da tróclea. Fratura Salter-Harris tipo II (mais comum)  Tipo II: A linha de fratura passa pelo sulco capitulotroclear. Fratura Salter-Harris tipo IV (pouco freqüente)
  15. 15. Tratamento  Conservador Fraturas com traço articular incompleto; imobilização axilopalmar por 3 a 4 semanas.  Cirúrgico Para as demais.
  16. 16. Complicações  Retardo de consolidação  Pseudo-artrose  Cúbito varo e valgo
  17. 17. Fraturas do Epicôndilo Medial  Fratura extra-articular  8% das fraturas de cotovelo  Ocorre entre 9 e 14a  Associada em cerca de 50% dos casos com a luxação do cotovelo.  Trauma direto – Porção medial do cotovelo.  Avulsão – Flexão e contraçao muscular.  Associado com luxação do cotovelo – Avulsão .
  18. 18. Classificação  Sem desvio  Com deslocamento –Separados por mais de que 5 mm.  Com fragmento encarcerado: Entre a tróclea e a fossa olecraniana
  19. 19. Tratamento  Conservador:não deslocadas ou deslocamento mínimo faz-se imobilização com cotovelo fletido 90°.  Fraturas deslocadas: RAFI  Fraturas encarceradas: redução da luxação e fratura, com fixação interna com fios de Kirschner divergentes
  20. 20. Fraturas do Epicôndilo Lateral  Fraturas extremamente rara, acredita-se que ocorra por avulsão, devido os M. extensores do antebraço ;  A maior complicação é a possibilidade do fragmento encarcerar entre o capítulo e a cabeça do radial .  São tratadas , na maioria das vezes com a simples imobilização.  Tratamento cruento está reservado para as situações que tiver o fragmento entre o capítulo e a cabeça do radial .

×