O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah

531 visualizações

Publicada em

Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Fratura Exposta Dr Omar Mohamad M. Abdallah

  1. 1. Dr. Omar Mohamad M. Abdallah R2 de Ortopedia e Traumatologia Hospital Santa Rita
  2. 2.  Toda fratura que ocorre agudamente com comunicação com o meio externo.  Diretamente – Através de partes moles ou pele;  Indiretamente – Para o interior de cavidade contaminada do corpo – Reto, vagina e boca ;  Deve considerar FE toda lesão de partes moles no mesmo seguimento sangrante ; 
  3. 3.  O trauma em uma FE tem como consequência :  Contaminação – Que gera o risco de infecção ;  Desvascularização – esmagamento ou arracamento de tecidos moles , sucetíveis à infecção; • o combate contra as bacterias; • Processo de cicatrização é lentificado; • Consolidação ossea mais demorada;
  4. 4.  O traumatismo produz sangramento e destruíção celular, desencadeando reações imediatas no organismo – Divididos em 3 fases :  Inflamatória – Interação entre S. de defesa e a microcirculação ;  Ocorre vasocontrição e agregação plaquetária  Isquemia local  Hipoxia  Leucócitos faz a defesa e os macrófagos remoção do Tecido necrótico.
  5. 5.  Através de fatores de crescimento/ mitose celular;  Inicia o processo de cicatrização -> Fibroblastos  Colágeno  Tecido ósseo – Ínicia o processo de consolidação
  6. 6.  Fratura exposta é resultado de força violenta;  Isso se da pela fórmula --> K=mv2/2  K é a energia cinética ser absorvida – Potencial de detruição;  Quando dissipado – Com força maior além de lesão óssea causa  Lesão de partes moles .
  7. 7.  Depende de 2 fatores:  O local acometido;  Gravidade da lesão – Lesão óssea / Lesão de P. moles;  3 achados clínicos :  Dor;  Deformidade do membro;  Sangramento;
  8. 8.  Mão – 27% trazem pouca alteração no estado geral do pcte e hemodinamicamente ;  Ossos longos e pelve – Hemodinamicamente alterados;  Equipe multidiciplinar  Ossos da perna – Mais acometidos 30% ;  Pouca cobertura de tecidos moles;  Podem apresentar lesões graves – Desluvamento;  Ossos do pé – Pouco acometido 13%;
  9. 9.  Tipo I: fratura exposta, limpa, menor que 1cm  Tipo II: fratura exposta > 1cm de extensão, sem dano excessivo das partes moles, sem retalhos ou avulsões  Tipo III: fratura segmentar, ou com dano excessivo de partes moles ou amputação traumática  Tipo IIIa: dano extenso de partes moles, lacerações, fraturas segmentares, ferimentos por arma de fogo (baixa velocidade), com boa cobertura óssea de partes moles  Tipo IIIb: Cobertura inadequada de partes moles  Tipo IIIc: com lesão arterial importante,  requerendo reparo
  10. 10.  Tipo I Cefazolina 1g de 8/8 h 14 dias EV  Tipo II e III Clindamicina 600mg de 6/6 h EV Gentamicina 5mg/Kg/dia 1x/dia EV 14 dias
  11. 11.  Cuidados imediatos :  Cobertura da ferida – Isolando do meio externo;  Talas/Órteses – Dimínui lesão de partes moles;  Quanto menos o tempo de exposição, menor a chance de infecção .  Tscherne – avaliou um grupo de 20 pctes ;  Atendimento de 20 min – Infecção foi de 3,5%;  Atendimento de com mais de 30 min - – Infecção foi de 22,2’%.
  12. 12.  Primeiro atendimento deve ser conforme o ATLS;  Ressuscitação  Estabilização  Concomitante – Essa fase devemos fazer curativo estéril da ferida e imobilização provisória ;  Analizar pulsos periféricos/perfusão distal à fratura;  Avaliação Radigráfica;  Atb profilático + Tetanoprofilaxia .
  13. 13.  Ferida deve ser avaliada uma única vez;  Classificala – Para ver o tratemento de escolha;  Deve ser feito curativo estéril;  Não deve ser realizada limpeza ou exploração na sale de emergencia;
  14. 14.  Cefalotina – 2,3%  Penicilina – 9,7%  Estreptomicina – 10%  Placebo - 14%  Duração 1 – 7 dias – Controvérsias ;  Atualmente – 48 – 72H;  ATB local – Objetivo é preencher com perda osséa;  Na cimentação – 6x que VO ou EV;
  15. 15.  Sua eficácia é comprovanda entre 4 – 6h do tecido exposto;  Objetivo :  Remover corpos estranhos;  Remover tecido desvitalizado;  Reduzir a contaminação bacteriana;  Criar ferida vasculárizada.  Sempre ver a área traumatizada, p/ ver viabilidade tecidual:  Cor  Consistência  Circulação  Contratilidade.
  16. 16.  Lavagem Exaustiva da ferida;  Usar solução salina;  Limpeza com mais de 10L – Diminui a incidência;  É uma ação mecanica – Faz remoção de detritos;  Uso da solução com ou sem pressão ?  Com – Aumenta lesão tecidual, aprofundar corpo estranho;  Diminui colônias bacterianas.  Uso de ATB nos últimos 2l;  Uso de sabão é indicado nas feridas infectadas;
  17. 17.  Fixação Óssea;  Fechamento da ferida ;  Fazer sutura sem tensão ;  Nao deixar espaço morto;  Nos tipo III – Não devem ser fechadas primáriamente;  Reavaliar em 24-48h.

×