Trabalho sobre Pé Diabético
O diabetes  mellitus  é uma doença do me-tabolismo, que se ca-racteriza pela elevação dos níveis de glicose no sangue. O q...
Ele é provocado por de-feitos na produção, secre-ção e na ação da insulina (um hormônio liberado pelo pâncreas, responsáve...
Mas, o que preocupa mesmo é que mais da meta-de dos diabéticos desconhe-cem que estão com a doença, e muitas vezes só é di...
O  PÉ DIABÉTICO  é decor-rente das complicações do diabe-tes, como a chamada  neuropatia diabética  (que são as alterações...
As complicações nos pés desses pacientes em função do menor fluxo sangüíneo e da formação de feridas, que infeccionam e sã...
Para evitar complicações cir-culatórias nos membros inferio-res é fundamental, o controle da taxa de glicose no sangue (gl...
Os fatores de risco para o aparecimento da neuropatia são o tempo de evolução da doença, a hi-perglicemia (quantidade exce...
O pé diabético é caracteri-zado na prática médica,  por   com-plicações do diabetes mellitus   que atingem os pés , podend...
<ul><li>O  pé diabético  pode apresentar três tipos de complicações: </li></ul><ul><li>neuropática : ocorrem alterações ne...
O paciente deve obser-var os seus sintomas e pe-dir que o médico examine os seus pés, facilitando o tratamento e evitando ...
<ul><li>Diminuição ou desaparecimento dos reflexos nos tendões de Aquiles, nas ar-ticulações dos joelhos e nos calcanhares...
<ul><li>É importantíssimo que o paci-ente fique atento as regiões dos pés, nas quais há perda de sensibi-lidade. É justame...
O diagnóstico do pé diabé-tico  é feito pela história clínica do paciente e pelo exame cuida-doso dos pés pelo médico, par...
Lembre-se  que os cui-dados constantes com os pés e a visita regular ao médico, podem diminuir em muito, as complicações o...
O diabetes é uma doença séria que pode causar muitos problemas nos pés, ao afetar os nervos perifé-ricos das pernas, levan...
A circulação sangüínea nas pernas e nos pés do pa-ciente diabético está frequen-temente diminuída, principal-mente nos ind...
<ul><li>Lave diariamente seus pés com água morna e sabão neu-tro (nunca use água muito quente). </li></ul><ul><li>Seque cu...
<ul><li>Se sua pele for seca, aplique um creme ou loção hidratante, para mantê-la suave e macia. </li></ul><ul><li>Mantenh...
<ul><li>Examine seus pés diariamente, observando se existem cortes, bo-lhas ou ferimentos, se necessário, com o auxílio de...
<ul><li>Use sempre meias de algo-dão folgadas e limpas, com as costuras voltadas para fora. </li></ul><ul><li>Não utilize ...
<ul><li>Procure sempre usar sapa-tos confortáveis e macios. A adaptação a sapatos novos de-ve ser gradual, pouco tempo em ...
<ul><li>Examine sempre o interior de seus sapatos, antes de calçá-los para ver se há corpos estranhos, como: pedras, defor...
<ul><li>EVITE FUMAR!  O cigarro pre-judica seriamente a circulação san-güínea. Em diabéticos, isto pode levar a uma  GANGR...
<ul><li>Examine seus pés diariamente. Se for necessário, peça ajuda a um familiar ou use um espelho. </li></ul><ul><li>Lav...
<ul><li>Seque bem seus pés, espe-cialmente entre os dedos. </li></ul><ul><li>Aplique diariamente um hidratante nas pernas ...
<ul><li>Corte as unhas sempre em ângulo reto, evitando cortar os cantos. </li></ul><ul><li>Não utilize esparadrapos ou fit...
<ul><li>Não use bolsas de água quente ou banhos de imersão.  </li></ul><ul><li>Não use sapatos apertados. Sapatos novos de...
<ul><li>Nunca ande descalço, mesmo em casa. </li></ul><ul><li>Não remova os calos, nem tente corrigir unhas encravadas. Pr...
<ul><li>Procure seu médico se tiver frieiras, bolhas, calos, rachadu-ras, alterações de cor ou feri-das nos pés. </li></ul...
Como a Equipe de Enfermagem pode Salvar o Pé Diabético
Eles merecem tratamen-to VIP . Mas, por descuido das autoridades de saúde e o desconhecimento dos pró-prios pacientes, os ...
Pode parecer uma boba-gem alguém que não olhe a sola de seus pés ou entre os seus dedos. Mas, a simples ignorân-cia desse ...
Parte de tudo isso ocorre por  falta de sensibilidade. Falta de sensibilidade à dor, que o paciente diabético desenvolve. ...
Do lado mais sensível da história, mobilizam-se profissio-nais de saúde e suas equipes, como: Médicos,  Enfermeiros  e Fis...
  A   EQUIPE DE ENFER-MAGEM  cutuca, trata, cha-ma a atenção do paciente e não abandona a causa. Ensina o paciente a fazer...
O ensina a sentir a pul-sação dos pés, inspecionar a sola e os dedos dos pés todos os dias. Ele deve manter os pés o mais ...
Nunca andar descalço nem mesmo em casa; usar sempre meias de algodão folgadas e lim-pas; procurar usar sempre sapa-tos con...
Fala de hábitos de vida saudáveis, a importância da dieta, de parar de fumar, de se exercitar regularmente, de controlar a...
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Curso CEFAE Professor Orientador: Enfermeira Dra. Ana Lúcia Novaes.
Alunos Participantes: Ana Paula Silva, Andressa Costa, Graziele Silva, Gustavo Souza, Luiz Fernando Júnior,  Mara Luana , ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ana.Apres.PéDiabéTico.Ok.Pronto

4.165 visualizações

Publicada em

Resumo sobre o "pé-diabético".

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Ana.Apres.PéDiabéTico.Ok.Pronto

  1. 1. Trabalho sobre Pé Diabético
  2. 2. O diabetes mellitus é uma doença do me-tabolismo, que se ca-racteriza pela elevação dos níveis de glicose no sangue. O que é Diabetes?
  3. 3. Ele é provocado por de-feitos na produção, secre-ção e na ação da insulina (um hormônio liberado pelo pâncreas, responsável pelo controle ideal dos níveis de açúcar no sangue).
  4. 4. Mas, o que preocupa mesmo é que mais da meta-de dos diabéticos desconhe-cem que estão com a doença, e muitas vezes só é diagnos-ticada quando aparecem as suas complicações.
  5. 5. O PÉ DIABÉTICO é decor-rente das complicações do diabe-tes, como a chamada neuropatia diabética (que são as alterações nos nervos periféricos), problemas circulatórios (micro e macroan-giopatia diabética) e as infecções , todas responsáveis pela má cir-culação sangüínea, nos membros inferiores.
  6. 6. As complicações nos pés desses pacientes em função do menor fluxo sangüíneo e da formação de feridas, que infeccionam e são de difícil cicatrização, podem exigir uma intervenção médica e de enfermagem rápida.
  7. 7. Para evitar complicações cir-culatórias nos membros inferio-res é fundamental, o controle da taxa de glicose no sangue (glice-mia) e o exame diário cuidadoso dos pés, principalmente na região do calcanhar, para observar a sensibilidade e evitar a ocorrên-cia de feridas e calosidades.
  8. 8. Os fatores de risco para o aparecimento da neuropatia são o tempo de evolução da doença, a hi-perglicemia (quantidade excessiva de açúcar no sangue) ou a hipoglicemia (quantidade extremamente baixa de açúcar no sangue), a obesidade, as anormalidades na circulação sangüí-nea, o tabagismo, a hipertensão arte-rial e a idade avançada.
  9. 9. O pé diabético é caracteri-zado na prática médica, por com-plicações do diabetes mellitus que atingem os pés , podendo levar a graves infecções e em alguns casos, à amputação do membro afetado. Sintomas do Pé Diabético
  10. 10. <ul><li>O pé diabético pode apresentar três tipos de complicações: </li></ul><ul><li>neuropática : ocorrem alterações neu-rológicas, que diminuem a sensibilidade dos pés; </li></ul><ul><li>vascular : ocorre a diminuição da cir-culação sangüínea nos pés; </li></ul><ul><li>neurovascular : é quando as alterações neurológicas e vasculares ocorrem ao mesmo tempo. </li></ul>
  11. 11. O paciente deve obser-var os seus sintomas e pe-dir que o médico examine os seus pés, facilitando o tratamento e evitando con-seqüências mais graves pa-ra o futuro, tais como:
  12. 12. <ul><li>Diminuição ou desaparecimento dos reflexos nos tendões de Aquiles, nas ar-ticulações dos joelhos e nos calcanhares são sintomas freqüentes. </li></ul><ul><li>Diminuição na sensibilidade tér-mica dolorosa (sensação de quente ou frio) e regiões dormentes (como se es-tivessem sob anestesia), também são sintomas que avisam sobre os riscos de ocorrências de lesões. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>É importantíssimo que o paci-ente fique atento as regiões dos pés, nas quais há perda de sensibi-lidade. É justamente esta atenção, que evitará que o diabético se dê conta do problema apenas quando este for sério, o que pode provocar - em alguns casos - a GANGRENA DIABÉTICA , quando já não há flu-xo de sangue circulante no pé. </li></ul>
  14. 14. O diagnóstico do pé diabé-tico é feito pela história clínica do paciente e pelo exame cuida-doso dos pés pelo médico, para identificar a perda da sensibi-lidade, alterações na pele (pre-sença de calosidades), nas unhas e a diminuição da circulação sangüínea.
  15. 15. Lembre-se que os cui-dados constantes com os pés e a visita regular ao médico, podem diminuir em muito, as complicações observadas nos pés de portadores do diabetes.
  16. 16. O diabetes é uma doença séria que pode causar muitos problemas nos pés, ao afetar os nervos perifé-ricos das pernas, levando a uma perda progressiva da sensibilidade. O resultado da perda de tal sensação é chamada de Neuropatia Diabética . Como tratar o Pé Diabético?
  17. 17. A circulação sangüínea nas pernas e nos pés do pa-ciente diabético está frequen-temente diminuída, principal-mente nos indivíduos fuman-tes. No entanto, muitos desses problemas podem ser preve-nidos das seguintes maneiras:
  18. 18. <ul><li>Lave diariamente seus pés com água morna e sabão neu-tro (nunca use água muito quente). </li></ul><ul><li>Seque cuidadosamente os seus pés com uma toalha macia, especialmente entre os dedos e ao redor das unhas. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Se sua pele for seca, aplique um creme ou loção hidratante, para mantê-la suave e macia. </li></ul><ul><li>Mantenha suas unhas cuida-dosamente aparadas, cortando-as em linha reta com uma tesoura apropriada. Após cortá-las, lixe-as bem, eliminando pontas aguçadas, sem retirar as cutículas. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Examine seus pés diariamente, observando se existem cortes, bo-lhas ou ferimentos, se necessário, com o auxílio de um espelho ou de um familiar. </li></ul><ul><li>Nunca ande descalço, nem mes-mo dentro de casa. Proteja seus pés se for andar ou caminhar na praia. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Use sempre meias de algo-dão folgadas e limpas, com as costuras voltadas para fora. </li></ul><ul><li>Não utilize bolsas de água quente ou escalda-pés para aquecer seus pés, pois poderá queimar a pele. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Procure sempre usar sapa-tos confortáveis e macios. A adaptação a sapatos novos de-ve ser gradual, pouco tempo em cada dia. Evite sempre sa-patos abertos, sandálias e chi-nelos. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>Examine sempre o interior de seus sapatos, antes de calçá-los para ver se há corpos estranhos, como: pedras, deformações das palmilhas ou pregos, que podem ferir os seus pés. </li></ul><ul><li>Não corte os calos ou calosi-dades. Procure um especialista quando precisar tratar algum. </li></ul>
  24. 24. <ul><li>EVITE FUMAR! O cigarro pre-judica seriamente a circulação san-güínea. Em diabéticos, isto pode levar a uma GANGRENA e até mesmo a amputação de um membro . </li></ul><ul><li>Consulte seu médico sempre que tiver cortes, unhas encravadas e infeccionadas, micoses ou inchaço na barriga das pernas e nos pés. </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Examine seus pés diariamente. Se for necessário, peça ajuda a um familiar ou use um espelho. </li></ul><ul><li>Lave seus pés diariamente com água morna (nunca excessivamen-te quente) e sabão neutro. </li></ul>Cuidados Gerais para o Pé Diabético
  26. 26. <ul><li>Seque bem seus pés, espe-cialmente entre os dedos. </li></ul><ul><li>Aplique diariamente um hidratante nas pernas e nos pés. </li></ul>
  27. 27. <ul><li>Corte as unhas sempre em ângulo reto, evitando cortar os cantos. </li></ul><ul><li>Não utilize esparadrapos ou fitas adesivas diariamen-te na pele. </li></ul>
  28. 28. <ul><li>Não use bolsas de água quente ou banhos de imersão. </li></ul><ul><li>Não use sapatos apertados. Sapatos novos devem ser usados aos poucos. Use-os nos primeiros dias apenas em casa, durante curtos perío-dos de tempo. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Nunca ande descalço, mesmo em casa. </li></ul><ul><li>Não remova os calos, nem tente corrigir unhas encravadas. Procure um tratamento profissional. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>Procure seu médico se tiver frieiras, bolhas, calos, rachadu-ras, alterações de cor ou feri-das nos pés. </li></ul><ul><li>Não use sapatos sem meias. </li></ul><ul><li>Não use lixas, lâminas, raspa-dores elétricos ou produtos quí-micos para retirar calos. </li></ul>
  31. 31. Como a Equipe de Enfermagem pode Salvar o Pé Diabético
  32. 32. Eles merecem tratamen-to VIP . Mas, por descuido das autoridades de saúde e o desconhecimento dos pró-prios pacientes, os pés de diabéticos estão mal cuida-dos e vulneráveis a graves complicações.
  33. 33. Pode parecer uma boba-gem alguém que não olhe a sola de seus pés ou entre os seus dedos. Mas, a simples ignorân-cia desse exame, contribui para levar muitos pacientes diabéti-cos a terem um ou os dois pés amputados.
  34. 34. Parte de tudo isso ocorre por falta de sensibilidade. Falta de sensibilidade à dor, que o paciente diabético desenvolve. Com o passar dos anos, a doença tende a comprometer os nervos dos pés e pernas, a ponto de interromper a comunicação com o cérebro.
  35. 35. Do lado mais sensível da história, mobilizam-se profissio-nais de saúde e suas equipes, como: Médicos, Enfermeiros e Fisioterapeutas, comprometidos com a saúde de pacientes com feridas crônicas, especialmente diabéticos, fazendo o possível para curá-los.
  36. 36. A EQUIPE DE ENFER-MAGEM cutuca, trata, cha-ma a atenção do paciente e não abandona a causa. Ensina o paciente a fazer os seus cu-rativos em casa, a observar a evolução do quadro e acima de tudo, o educa.
  37. 37. O ensina a sentir a pul-sação dos pés, inspecionar a sola e os dedos dos pés todos os dias. Ele deve manter os pés o mais hidratados possível, não lixá-los e não retirar a cutícula. As unhas devem ser cortadas e lixadas retas.
  38. 38. Nunca andar descalço nem mesmo em casa; usar sempre meias de algodão folgadas e lim-pas; procurar usar sempre sapa-tos confortáveis, evitando sapatos abertos ou sandálias; examinar sempre os sapatos antes de calçá-los, pois corpos estranhos (pedras, pregos) podem ferir os pés.
  39. 39. Fala de hábitos de vida saudáveis, a importância da dieta, de parar de fumar, de se exercitar regularmente, de controlar a glicemia e a pressão arterial, para evitar maiores complicações.
  40. 57. Curso CEFAE Professor Orientador: Enfermeira Dra. Ana Lúcia Novaes.
  41. 58. Alunos Participantes: Ana Paula Silva, Andressa Costa, Graziele Silva, Gustavo Souza, Luiz Fernando Júnior, Mara Luana , Márcia Melo , Noeli Cristina, Thiago Brito , Érika Ciodaro, Alessandra Almeida, Andreia Cristina, Andreia Silva, Bianca Bem, Shaila Gomes, Edilene Lima, Elaine Souza , Fabiana Machado, Fabiane Cristina, Telma Oliveira , Zuleica Dias , Juliana Almeida, Adriana Torrão, Alexandra Prado, Alexsandro Santos, Aline Leite, Débora Cristina, Helena Lucena, Quelli Fonseca .

×