Câncer de Via Biliar

2.131 visualizações

Publicada em

Tudo sobre o Câncer de Via Biliar

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.131
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
941
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Câncer de Via Biliar

  1. 1. Câncer de Via Biliar
  2. 2. Câncer de Via Biliar O câncer pode se desenvolver em qualquer parte da via biliar e conforme sua localização é dividido em três grupos: • Câncer de via biliar intra-hepática - Se desenvolve nos ramos menores das vias biliares do fígado. Apenas 10% dos tumores são de vias biliares intra-hepáticas. • Câncer de via biliar peri-hilar - Se desenvolve no hilo, onde os ductos hepáticos se juntam quando saem do fígado. • Câncer de via biliar distal - São encontrados abaixo do ducto biliar, próximos ao intestino delgado. Mais de 95% dos cânceres são carcinomas, sendo a maioria adenocarcinoma. O carcinoma de via biliar também é conhecido como colangiocarcinoma.
  3. 3. Fatores de Risco A causa exata da maioria dos cânceres de vias biliares não é conhecida, mas os pesquisadores descobriram vários fatores de risco que tornam uma pessoa propensa a desenvolver a doença. Parece haver uma ligação entre esse tipo de câncer e substâncias químicas que podem irritar e inflamar a via biliar, como cálculos biliares ou parasitoses. As mutações genéticas relacionadas ao câncer de via biliar são normalmente adquiridas durante a vida. Por exemplo, alterações adquiridas no gene supressor de tumor da proteína p53 são encontradas na maioria dos casos de câncer de via biliar. Outros genes que podem desempenhar um papel importante no câncer de via biliar são KRAS, HER2/neu e c-met.
  4. 4. Sinais e Sintomas Quando o câncer de via biliar causa sintomas, geralmente é porque a via biliar está bloqueada. Os principais sinais e sintomas do câncer de via biliar são: • Icterícia. • Coceira. • Fezes brilhosas. • Urina Escura. • Dor Abdominal. • Perda de Apetite. • Febre. • Náuseas e Vômitos.
  5. 5. Diagnóstico do Câncer de Via Biliar: Imagem Os principais exames realizados para o diagnóstico ou estadiamento do câncer de via biliar são: • Ultrassom. • Ecografia endoscópica ou laparoscópica. • Tomografia computadorizada. • Ressonância magnética. • Colangiografia (por ressonância, endoscópica e transhepática). • Tomografia por emissão de pósitrons. • Angiografia. • Laparoscopia.
  6. 6. Diagnóstico do Câncer de Via Biliar: Laboratório Alguns exames de sangue ajudam no diagnóstico do câncer de via biliar, como: • Exames da Função Hepática - Um nível elevado de bilirrubina mostra que pode haver problemas com a via biliar, vesícula biliar ou fígado. Dessa forma, são solicitados perfil hepático, fosfatase alcalina, albumina, AST, ALT e GGT. Se os níveis dessas substâncias estão aumentados, pode indicar bloqueio da via biliar, mas não necessariamente pelo câncer. • Marcadores Tumorais - São substâncias produzidas pelas células cancerosas, que podem às vezes ser encontradas no sangue. Pessoas com câncer de via biliar podem ter níveis sanguíneos elevados do antígeno carcinoembrionário (CEA) e 19-9 CA.
  7. 7. Estadiamento do Câncer de Via Biliar O sistema de estadiamento utilizado é o sistema TNM que tem três critérios para avaliar o estágio da doença (tumor, linfonodos e metástase). No entanto, existem três diferentes sistemas de estadiamento para os cânceres de via biliar, dependendo de onde se origina. O câncer de via biliar intra-hepática, que se inicia no fígado, é estadiado separadamente do câncer de via biliar extra-hepático. Além disso, os cânceres extra-hepáticos são divididos em dois grupos: tumores perihilares e tumores distais. Para fins de tratamento, os médicos utilizam frequentemente um sistema baseado em se o tumor é susceptível de ser operável (ou não). Em termos gerais, a maioria dos tumores do estágio III e IV são inoperáveis, mas pode haver exceções.
  8. 8. Tratamento: Cirurgia Existem dois tipos de procedimento cirúrgico para o câncer de via biliar: a cirurgia potencialmente curativa e a paliativa. A cirurgia potencialmente curativa é realizada quando os exames de imagem ou resultados de cirurgias anteriores mostram que existe uma boa chance de ser retirado todo o tumor. Os tumores podem ser descritos como ressecáveis, quando podem ser completamente removidos por cirurgia, e irressecáveis, aqueles que se disseminaram para outros órgãos ou são difíceis de serem completamente retirados. Infelizmente, apenas uma pequena parte dos cânceres de via biliar é ressecável quando diagnosticado. A cirurgia paliativa é realizada para aliviar a dor ou prevenir complicações, como obstrução das vias biliares.
  9. 9. Tratamento: Quimioterapia A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais. Para os tumores de via biliar operáveis, a quimioterapia pode ser realizada após a cirurgia, muitas vezes em conjunto com a radioterapia, para tentar reduzir o risco de recidiva. Esse procedimento é denominado tratamento adjuvante. Devido à má resposta dos tumores hepáticos à quimioterapia sistêmica, a aplicação dos quimioterápicos é diretamente na artéria hepática (Infusão da artéria hepática), onde a droga vai para o tumor através da artéria hepática, com doses maiores sem aumentar os efeitos colaterais. Os medicamentos utilizados incluem: 5- fluorouracil, Gemcitabina, Mitomicina C, Doxorrubicina, Cisplatina, Capecitabina e Oxaliplatina.
  10. 10. Tratamento: Radioterapia A radioterapia pode ser utilizada para tratar o câncer de via biliar: • Após a cirurgia - Para destruir células cancerígenas remanescentes da cirurgia. Isto é conhecido como terapia adjuvante. • Antes da Cirurgia - Para reduzir o tamanho do tumor e facilitar a cirurgia. Essa técnica é denominada terapia neoadjuvante. • Cânceres Avançados - Como principal tratamento para pacientes com doença não operável, mas que não se espalhou para outros órgãos. • Radioterapia Paliativa - Para aliviar os sintomas da doença em estágio avançado, como dor ou reduzir tumores que podem estar bloqueando a passagem do sangue ou da bile, ou ainda pressionando estruturas nervosas.
  11. 11. Novos Tratamentos: Terapia Alvo Até o momento, a quimioterapia não oferece bons resultados para a maioria dos cânceres de via biliar. Novos medicamentos que agem de forma diferente dos quimioterápicos padrões estão em desenvolvimento. O alvo de vários desses medicamentos são os vasos sanguíneos do tumor. O sorafenibe, já usado para alguns tipos de câncer de fígado, funciona em parte, impedindo a formação de novos vasos sanguíneos, está sendo avaliado para uso contra o câncer de via biliar. O bevacizumab, que tem como alvo o desenvolvimento dos vasos sanguíneos, também está sendo estudado contra o câncer de via biliar. Outras novas medicações têm alvos diferentes. Por exemplo, drogas que visam o EGFR têm mostrado benefícios contra vários tipos de câncer. Alguns deles, como o erlotinib, cetuximab, lapatinib e vandetanib estão em fase de estudo para uso em pacientes com câncer de via biliar.

×