Câncer de Testículo

1.941 visualizações

Publicada em

Tudo sobre o câncer de testículo

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.941
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.083
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Câncer de Testículo

  1. 1. Câncer de Testículo
  2. 2. O que é o Câncer de Testículo? O câncer é o crescimento de células anormais no corpo. O câncer de testículo pode se desenvolver em um ou ambos os testículos de homens jovens. É um tipo de câncer altamente tratável e geralmente curável.
  3. 3. Fatores de Risco Vários fatores podem tornar uma pessoa mais propensa a desenvolver câncer de testículo: • Criptorquidia. • Histórico familiar. • Infecção pelo HIV. • Carcinoma in situ. • Câncer no outro testículo. • Idade. • Raça e etnia. • Estatura.
  4. 4. Sinais e Sintomas Na maioria dos casos de câncer de testículo, os homens têm um nódulo em um dos testículos ou podem perceber o testículo aumentado ou inchado. Às vezes, o nódulo provoca dor, mas na maioria das vezes não é doloroso. Os homens com câncer de testículo podem notar uma sensação de peso ou dor abdominal ou no escroto.
  5. 5. A Importância do Autoexame Por se tratar de uma doença que tem maior incidência em homens jovens é muito importante que seja realizado periodicamente o autoexame dos testículos. Assim se recomenda que já os meninos aprendam a realizar o autoexame conhecendo assim muito melhor seu próprio corpo e ficando atento a quaisquer mudanças. Pergunte ao seu médico de confiança como deve ser realizado o autoexame. Lembre-se a detecção e o diagnóstico precoce do câncer de testículo pode determinar a cura da doença.
  6. 6. Tipos de Câncer de Testículo • Tumores de células germinativas - 90% dos cânceres de testículo se desenvolvem nas células germinativas, que produzem o esperma. • Seminomas - Se desenvolvem a partir das células produtoras de espermatozoides. Existem 2 tipos: seminoma clássico (95% dos casos) e espermatocítico (raro). • Não seminomas - Tipo de tumor de células germinativas que ocorre geralmente entre a adolescência e os 30 anos. Tipos de tumores não seminomas: carcinoma embrionário, carcinoma de saco vitelino, coriocarcinoma e teratomas. • Carcinoma in situ - Forma não invasiva da doença. • Tumores estromais - Se desenvolvem nos tecidos que produzem hormônios e nos tecidos de suporte dos testículos, correspondendo a 5% dos tumores testiculares. Tipos principais são: tumores de células de Leydig e tumores de células de Sertoli.
  7. 7. Diagnóstico do Câncer de Testículo: Imagem Os exames de imagem ajudam a localizar o tumor e são extremamente úteis para determinar a extensão da doença, o que se denomina estadiamento do câncer de testículo: • Radiografia de tórax. • Ultrassom. • Tomografia computadorizada. • Ressonância magnética. • Tomografia emissão de pósitrons.
  8. 8. Diagnóstico do Câncer de Testículo: Marcadores Tumorais Se o exame físico e os resultados dos exames de imagem sugerem um diagnóstico de câncer de testículo, o médico solicitará a realização de marcadores tumorais Muitos cânceres de testículo secretam níveis elevados das proteínas alfa- fetoproteína (AFP) e gonadotropina coriónica humana (HCG). Quando estas proteínas (marcadores tumorais) estão presentes no sangue, sugerem a existência de um tumor maligno.
  9. 9. Estadiamento do Câncer de Testículo • Estágio I - T1-T4 N0 M0 SX. • Estágio IA - T1 N0 M0 S0. • Estágio IB - T2-T4 N0 M0 S0. • Estágio IS - Qualquer T N0 M0 S1-S3. • Estágio II - Qualquer T N1-N3 M0 SX. • Estágio IIA - Qualquer T N1 M0 S0-S1. • Estágio IIB - Qualquer T N2 M0 S0-S1. • Estágio IIC - Qualquer T N3 M0 S0-S1. • Estágio III - Qualquer T Qualquer N M1 SX. • Estágio IIIA - Qualquer T Qualquer N M1a S0-S1. • Estágio IIIB - Qualquer T N1-N3 M0 S2 ou Qualquer T Qualquer N M1a S2. • Estágio IIIC - Qualquer T N1-N3 M0 S3 ou Qualquer T Qualquer N M1a S3 ou Qualquer T Qualquer N M1b Qualquer S.
  10. 10. Tratamento: Cirurgia A cirurgia é normalmente o primeiro tratamento realizado para todos os cânceres de testículo. Os principais procedimentos cirúrgicos são: • Orquiectomia inguinal radical - Remove os testículos que contém o câncer. Todos os estágios da doença são normalmente tratados com este tipo de cirurgia. • Dissecação do linfonodo retroperitoneal - Dependendo do tipo e estadiamento alguns linfonodos do abdome podem ser retirados durante a cirurgia ou em outro procedimento diagnóstico. Cerca de 5% a 10% dos pacientes têm complicações temporárias após a cirurgia, como obstrução intestinal ou infecções na cicatriz. • Cirurgia laparoscópica - Em alguns casos, o cirurgião pode remover os linfonodos através de incisões pequenas no abdome usando um laparoscópio.
  11. 11. Tratamento: Radioterapia No tratamento do câncer de testículo, a radioterapia é utilizada principalmente para destruir as células cancerígenas que se disseminaram para os gânglios linfáticos. Em geral, a radioterapia é utilizada para pacientes com tumores do tipo seminomas, que são mais sensíveis à radiação. Não parece funcionar muito bem nos tumores não seminomas. Algumas vezes é utilizada após a orquiectomia, sendo direcionada para os gânglios linfáticos do abdome (linfonodos retroperitoneais), para destruir quaisquer células cancerígenas remanescentes. O objetivo da radioterapia após a cirurgia visa eliminar o câncer nos linfonodos e tratar pequenas quantidades de seminoma que se disseminaram para os gânglios linfáticos.
  12. 12. Tratamento: Quimioterapia A químio é frequentemente utilizada para o câncer de testículo disseminado ou para diminuir o risco da recidiva. Não é usada para tratar a doença que está apenas no testículo. O uso de duas ou mais drogas quimioterápicas é muitas vezes mais eficaz do que apenas um medicamento. As principais drogas utilizadas para tratar o câncer de testículo são: cisplatina, vinblastina, bleomicina, ciclofosfamida, etoposido, paclitaxel e ifosfamida. Os esquemas quimioterápicos mais comumente usados no tratamento inicial são bleomicina, etoposido, e cisplatina (BEP ou PEB) ou etoposido e cisplatina (PE). Outra combinação que pode ser utilizada é a VIP, que inclui as drogas VP-16 ou vinblastina ifosfamida e cisplatina.
  13. 13. Vivendo com Câncer de Testículo O tratamento do câncer de testículo é, na maioria das vezes, extremamente estressante. Com o término do tratamento o paciente percebe a doença como um todo e alguns medos ou incertezas podem tomar conta dele. O paciente acaba revendo seus relacionamentos e coisas aparentemente sem importância começam a ter valor. Como o tratamento cirúrgico pode ser um tratamento bastante agressivo é muito importante que o paciente divida com a família e a cônjuge está situação. Lidar sozinho talvez não seja o mais adequado. Lembre-se é importante receber apoio seja dos familiares, amigos, pacientes ou até em sua própria fé.

×