SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Universidade Federal do
    Tocantins – UFT




                          SEMINÁRIO:
                          CÂNCER DE
                          MAMA
                           Acadêmicos: Jaqueline
                          Milhomem e Thiessa Vieira.
ANATOMIA DAS MAMAS
PATOGENIA DO CÂNCER MAMA
            Tumores esporádicos- RE +

  Exposição
  hormonal-
  estrógeno
                      Estimula a
                   proliferação de
                  células mamárias
    Seus                             Coloca células
 metabólitos                         em risco para
podem gerar                          dano no DNA
mutações ou
radicais livres
Tumores RE -
Superexpressão dos
                           Intensa proliferação
receptores TRKs da
                                  celular
   família ERBB



            Tumores hereditários

Mutação hereditária
                                Mutação do
em um dos alelos de
                               segundo alelo
 BRCA1 ou BRCA2


                Proliferação
                desregulada
EPIDEMIOLOGIA
 Neoplasiamais incidente nas mulheres,
 exceto pele não-melanoma  49 casos
 novos/100 mil em 2010;

 Regiãosudeste- apresenta mais casos:
 65/100 mil;

 Tocantins-   16,97/100 mil;

 1º
   em mortalidade entre mulheres- 11,49/100
 mil em 2007.
FATORES DE RISCO

 Idade  acima de 50 anos;
 Não ter filhos;
 Primeira gestação após os 30 anos;
 Exposição significativa a raio X;
 Primeira menstruação cedo;
 Menopausa tardia;
 Dieta rica em gorduras;
 Uso prolongado de ACO (ainda discutível);
   Mulheres com parente de 1o grau (mãe, irmã ou
    filha) e diagnóstico de câncer de mama < dos
    50 anos;
   Mulheres com parente de 1o grau com
    diagnóstico de câncer de mama bilateral ou
    câncer de ovário, em qualquer idade;
   Mulheres com história de câncer de mama
    masculino;
   Mulheres com diagnóstico histopatológico de
    lesão mamária proliferativa com atipia ou
    neoplasia lobular in situ;
   Histórico psicossocial de etilismo e tabagismo;
   Obesidade.
TIPOS DE CÂNCER DE MAMA
 Classificado
            de acordo com o crescimento e
  espalhamento  se ductal ou lobular.


                               Lobular
             Carcinoma in
                 situ
                               Ductal
CA de Mama

                              Medular, colóide,
                  Tumores     papilífero, lobular,
                 invasivos   tubular, moléstia de
                             Paget e inflamatório
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 Nóduloou tumor no seio, acompanhado ou
 não de dor;

 Alteraçõesna pele- abaulamentos,
 retrações ou aspecto de “casca de laranja”;

À expressão da papila, secreção
 sanguinolenta;

 Nódulos   palpáveis na axila.
SEMIOLOGIA DAS MAMAS
               ANAMNESE
 Nódulo
 Dor
 Derrame    papilar
 Antecedentes gineco-obstétricos
 Antecedentes mastológicos
 Antecedentes familiares
 Perfil psicossocial
EXAME FÍSICO
 Inspeção   estática

 Inspeção   dinâmica

 Palpação
EXAMES COMPLEMENTARES
 Mamografia
     Rastreamento
     Avaliação complementar
     Seguimento



 Ultrassonografia
     Diferenciação entre lesões
     Avaliação de mamas densas
     Detecção de lesões intra-císticas
     Punção e demarcação de lesões impalpáveis
CLASSIFICAÇÃO BI-RADS
DIAGNÓSTICO

1- Exame Clínico
                          Anamnese

                      Inspeção estática e
                           dinâmica

                     Palpação das axilas e
                          das mamas
2- Diagnóstico das lesões
           palpáveis


Mulheres < 35      Mulheres = ou
    anos            > 35 anos


    USG             Mamografia
Citológico-
                                PAAF
              Confirmação
 Lesões                     Histológico-
suspeitas                       PAG

                               Biópsia
                            convencional



Lesões palpáveis com
  imagem negativa
lesões não-palpáveis
  3- Diagnóstico das

                          Nos casos Categoria 3 (BI-RADS ) devem ser
                        realizados 2 controles radiológicos com intervalo
                       semestral, seguidos de dois controles com intervalo
                                              anual


                       Nas lesões Categoria 4 e 5 (BI-RADS ) está indicado
                       estudo histopatológico, que pode ser realizado por
                        meio de PAG, mamotomia ou biópsia cirúrgica*




                       * Biópsia deve ser precedida por marcação
4- Diagnóstico citopatológico

    Padrões: benigno, + para
    malignidade, malignidade
    indeterminada e suspeito
        para mailgnidade


5- Diagnóstico histopatológico


   Características da neoplasia,
   dos linfonodos e das margens
             cirúrgicas
ESTADIAMENTO- TNM
 Tamanho   do tumor;

 Comprometimento       nodal;

 Metástase.
TAMANHO DO TUMOR
   Tx - tumor não pode ser avaliado
   Tis - carcinoma in situ
   T1 - tumor com até 2 cm em sua maior dimensão
       T1 mic - carcinoma microinvasor (até 1 mm)
       T1a - tumor com até 0,5 cm em sua maior dimensão
       T1b - tumor com mais de 0,5 - 1 cm em sua maior dimensão
       T1c - tumor com mais de 1 cm - 2 cm em sua maior dimensão
   T2 - tumor com mais de 2 - 5 cm em sua maior dimensão
   T3 - tumor com mais de 5 cm em sua maior dimensão
   T4 - qualquer T com extensão para pele ou parede
    torácica
       T4a extensão para a parede torácica
       T4b edema (peau d'orange), ulceração da pele da mama,
         nódulos cutâneos satélites na mesma mama
       T4c associação do T4a e T4b
       T4d carcinoma inflamatório
COMPROMETIMENTO NODAL
   Nx - Os linfonodos não podem ser avaliados
   N0 - Ausência de metástase
   N1      -     Linfonodo(s)   homolateral(is)      móvel(is)
    comprometido(s)
   N2 - Metástase para linfonodo(s) axilar(es) homolateral(is)
       N2a - Metástase para linfonodo(s) axilar(es) homolateral(is)
        fixo(s) uns aos outros ou à estruturas vizinhas
       N2b - Metástase aparente somente para linfonodo(s) da
        cadeia mamária interna homolateral, sem evidência de
        metástase axilar
   N3 - Metástase para linfonodo(s) infraclavicular(es)
       N3a - Metástase para linfonodo(s) infraclavicular(es)
        homolateral(is)
       N3b - Metástase para linfonodo(s) da mamária interna
        homolateral e para linfonodo(s) axilar(es)
       N3c - Metástase para linfonodo(s) supraclavicular(es)
        homolateral(is)
METÁSTASES
 Mxmetástase à distância não pode ser
 avaliada

 M0   ausência de metástase à distância

 M1  presença de metástase à distância
 (incluindo LFN supraclaviculares)
TRATAMENTO
 Loco-regional:   cirurgia e radioterapia;

 Sistêmico:   hormonioterapia e quimioterapia.
CIRURGIA
 Depende   do estadiamento e do tipo
 histológico, pode ser:

    Conservadora  retirada de um segmento da
     mama + gânglios axilares ou linfonodo
     sentinela;

    Não conservadora  mastectomia.

 *Desvantagens: mutilação, mov. do braço,
 linfedema, dormência.
Setorectomia             Quadrantectomia




               Tumorectomia
                 alargada
Mastectomia    Radical
  simples     modificada
RADIOTERAPIA
 Objetivos:
     Matar células remanescentes pós-cirurgia;
     Reduzir o tamanho do tumor pré-cirurgia.


 Indicações:
     Tumores com d > ou = a 5cm;
     Pele comprometida pelo tumor;
     Dissecção inadequada da axila;
     Margens comprometidas;
     4 ou + linfonodos acometidos.
QUIMIOTERAPIA E HORMONIOTERAPIA
 Estadios   I, II e III (operável):
     Baixo risco de recorrência- Tamoxifeno* (TMX)
      por 5 anos;

     Risco elevado- terapêutica condicionada à
      responsividade    aos     hormônios,   ao
      comprometimento nodal e à presença de
      menopausa.

  *O uso prolongado pode duplicar a incidência de
  câncer de endométrio.
 Estadio   III (não-operável):
    Uso de antracíclicos ou CMF (Ciclofosfamida,
     metotrexate e fluoracil) ou TMX por 4 a 6 meses
     na impossibilidade de fazer QMT.


 Estadio   IV (paliativo):
    Hormonioterapia isolada- só para tumores com
     receptor hormonal +;
    QMT- para tumores – para receptores hormonais;
FATORES PROGNÓSTICOS
 Tamanho    do Tumor

 Condição    dos linfonodos axilares

 Nível   socio-econômico

 Idade
 Tipo   histológico

 Grau    histológico

 Angiogênese


 Receptores    hormonais
DETECÇÃO PRECOCE
   Exame clínico da mama em todas a partir de 40
    anos. Parte do atendimento integral à saúde da
    mulher.

   Mamografia 50 - 69 anos, intervalo máximo 2 anos.

   Exame clínico da mama e mamografia a partir dos
    35 anos, para grupos de risco.

   Garantia de acesso ao diagnóstico, tratamento e
    seguimento para todas as mulheres com
    alterações.
Auto-exame

                  Em pé, em frente ao espelho. Observe o bico
                  dos seios, a superfície o contorno das mamas.




Em pé, em frente ao espelho, levante os
braços. Observe se com movimento
aparecem alterações de contorno e
superfície das mamas.
Deitada, a mão direita apalpa a mama
                   esquerda.     Faça     movimentos   suaves
                   circulares apertando levemente com a ponta
                   dos dedos.




Deitada, a mão esquerda apalpa a mama
direita. Repita deste lado os movimentos
circulares, apertando levemente com as
pontas dos dedos.
Câncer de Mama: Fatores de Risco e Detecção Precoce

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.biankathamara
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)educacaodetodos
 
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018Simone Amucc
 
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino Jorge Luiz de Souza Neto
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroPaulaRhuama
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mamapralucianaevangelista
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de MamaOncoguia
 

Mais procurados (20)

Cancer de mama 2012
Cancer de mama 2012 Cancer de mama 2012
Cancer de mama 2012
 
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
 
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
Aula 1 entendendo o cancer de mama 2018
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De MamaApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
 
Outubro Rosa - Cancer de Mama
Outubro Rosa - Cancer de MamaOutubro Rosa - Cancer de Mama
Outubro Rosa - Cancer de Mama
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
 
Prevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do úteroPrevenção de câncer de colo do útero
Prevenção de câncer de colo do útero
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Cancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero prontoCancer do cólo do útero pronto
Cancer do cólo do útero pronto
 
Tudo sobre a Saúde da Mama
Tudo sobre a Saúde da MamaTudo sobre a Saúde da Mama
Tudo sobre a Saúde da Mama
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 

Semelhante a Câncer de Mama: Fatores de Risco e Detecção Precoce

Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralEstúdio Site Ltda
 
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mamapalestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mamaMirianSouzaRibeiro
 
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...Caroline Reis Gonçalves
 
Fatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas final
Fatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas finalFatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas final
Fatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas finalInstituto Qualittas de Pós Graduação
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 cangelalessadeandrade
 
Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide Mateus Cornélio
 

Semelhante a Câncer de Mama: Fatores de Risco e Detecção Precoce (20)

Cancro da mama
Cancro da mamaCancro da mama
Cancro da mama
 
Cancêr de mama
Cancêr de mamaCancêr de mama
Cancêr de mama
 
Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboral
 
Cancer de ovario
Cancer de ovarioCancer de ovario
Cancer de ovario
 
Sleo ca mama
Sleo ca mamaSleo ca mama
Sleo ca mama
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
PATOLOGIA MAMÁRIA.ppt
PATOLOGIA MAMÁRIA.pptPATOLOGIA MAMÁRIA.ppt
PATOLOGIA MAMÁRIA.ppt
 
ONCOLOGIA
ONCOLOGIAONCOLOGIA
ONCOLOGIA
 
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mamapalestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
 
Ca De Mama
Ca De MamaCa De Mama
Ca De Mama
 
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
Fisiopatologia do Câncer de Ovários - Apresentação de artigo - New insights i...
 
Fatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas final
Fatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas finalFatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas final
Fatores prognósticos e preditivos em neoplasias mamárias caninas e felinas final
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
 
Mulher e Cancro da Mama
Mulher e Cancro da MamaMulher e Cancro da Mama
Mulher e Cancro da Mama
 
Tne tgi
Tne tgiTne tgi
Tne tgi
 
Ca de mama
Ca de mamaCa de mama
Ca de mama
 
Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide
 
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológicoLesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
Lesões mamárias benignas - aspecto histopatológico
 
artigo legal.pdf
artigo legal.pdfartigo legal.pdf
artigo legal.pdf
 
Montenegro ca mama
Montenegro ca mamaMontenegro ca mama
Montenegro ca mama
 

Câncer de Mama: Fatores de Risco e Detecção Precoce

  • 1. Universidade Federal do Tocantins – UFT SEMINÁRIO: CÂNCER DE MAMA Acadêmicos: Jaqueline Milhomem e Thiessa Vieira.
  • 3.
  • 4. PATOGENIA DO CÂNCER MAMA Tumores esporádicos- RE + Exposição hormonal- estrógeno Estimula a proliferação de células mamárias Seus Coloca células metabólitos em risco para podem gerar dano no DNA mutações ou radicais livres
  • 5. Tumores RE - Superexpressão dos Intensa proliferação receptores TRKs da celular família ERBB Tumores hereditários Mutação hereditária Mutação do em um dos alelos de segundo alelo BRCA1 ou BRCA2 Proliferação desregulada
  • 6. EPIDEMIOLOGIA  Neoplasiamais incidente nas mulheres, exceto pele não-melanoma  49 casos novos/100 mil em 2010;  Regiãosudeste- apresenta mais casos: 65/100 mil;  Tocantins- 16,97/100 mil;  1º em mortalidade entre mulheres- 11,49/100 mil em 2007.
  • 7. FATORES DE RISCO  Idade acima de 50 anos;  Não ter filhos;  Primeira gestação após os 30 anos;  Exposição significativa a raio X;  Primeira menstruação cedo;  Menopausa tardia;  Dieta rica em gorduras;  Uso prolongado de ACO (ainda discutível);
  • 8. Mulheres com parente de 1o grau (mãe, irmã ou filha) e diagnóstico de câncer de mama < dos 50 anos;  Mulheres com parente de 1o grau com diagnóstico de câncer de mama bilateral ou câncer de ovário, em qualquer idade;  Mulheres com história de câncer de mama masculino;  Mulheres com diagnóstico histopatológico de lesão mamária proliferativa com atipia ou neoplasia lobular in situ;  Histórico psicossocial de etilismo e tabagismo;  Obesidade.
  • 9. TIPOS DE CÂNCER DE MAMA  Classificado de acordo com o crescimento e espalhamento  se ductal ou lobular. Lobular Carcinoma in situ Ductal CA de Mama Medular, colóide, Tumores papilífero, lobular, invasivos tubular, moléstia de Paget e inflamatório
  • 10. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  Nóduloou tumor no seio, acompanhado ou não de dor;  Alteraçõesna pele- abaulamentos, retrações ou aspecto de “casca de laranja”; À expressão da papila, secreção sanguinolenta;  Nódulos palpáveis na axila.
  • 11. SEMIOLOGIA DAS MAMAS ANAMNESE  Nódulo  Dor  Derrame papilar  Antecedentes gineco-obstétricos  Antecedentes mastológicos  Antecedentes familiares  Perfil psicossocial
  • 12. EXAME FÍSICO  Inspeção estática  Inspeção dinâmica  Palpação
  • 13. EXAMES COMPLEMENTARES  Mamografia  Rastreamento  Avaliação complementar  Seguimento  Ultrassonografia  Diferenciação entre lesões  Avaliação de mamas densas  Detecção de lesões intra-císticas  Punção e demarcação de lesões impalpáveis
  • 15. DIAGNÓSTICO 1- Exame Clínico Anamnese Inspeção estática e dinâmica Palpação das axilas e das mamas
  • 16. 2- Diagnóstico das lesões palpáveis Mulheres < 35 Mulheres = ou anos > 35 anos USG Mamografia
  • 17. Citológico- PAAF Confirmação Lesões Histológico- suspeitas PAG Biópsia convencional Lesões palpáveis com imagem negativa
  • 18. lesões não-palpáveis 3- Diagnóstico das Nos casos Categoria 3 (BI-RADS ) devem ser realizados 2 controles radiológicos com intervalo semestral, seguidos de dois controles com intervalo anual Nas lesões Categoria 4 e 5 (BI-RADS ) está indicado estudo histopatológico, que pode ser realizado por meio de PAG, mamotomia ou biópsia cirúrgica* * Biópsia deve ser precedida por marcação
  • 19. 4- Diagnóstico citopatológico Padrões: benigno, + para malignidade, malignidade indeterminada e suspeito para mailgnidade 5- Diagnóstico histopatológico Características da neoplasia, dos linfonodos e das margens cirúrgicas
  • 20. ESTADIAMENTO- TNM  Tamanho do tumor;  Comprometimento nodal;  Metástase.
  • 21. TAMANHO DO TUMOR  Tx - tumor não pode ser avaliado  Tis - carcinoma in situ  T1 - tumor com até 2 cm em sua maior dimensão  T1 mic - carcinoma microinvasor (até 1 mm)  T1a - tumor com até 0,5 cm em sua maior dimensão  T1b - tumor com mais de 0,5 - 1 cm em sua maior dimensão  T1c - tumor com mais de 1 cm - 2 cm em sua maior dimensão  T2 - tumor com mais de 2 - 5 cm em sua maior dimensão  T3 - tumor com mais de 5 cm em sua maior dimensão  T4 - qualquer T com extensão para pele ou parede torácica  T4a extensão para a parede torácica  T4b edema (peau d'orange), ulceração da pele da mama, nódulos cutâneos satélites na mesma mama  T4c associação do T4a e T4b  T4d carcinoma inflamatório
  • 22. COMPROMETIMENTO NODAL  Nx - Os linfonodos não podem ser avaliados  N0 - Ausência de metástase  N1 - Linfonodo(s) homolateral(is) móvel(is) comprometido(s)  N2 - Metástase para linfonodo(s) axilar(es) homolateral(is)  N2a - Metástase para linfonodo(s) axilar(es) homolateral(is) fixo(s) uns aos outros ou à estruturas vizinhas  N2b - Metástase aparente somente para linfonodo(s) da cadeia mamária interna homolateral, sem evidência de metástase axilar  N3 - Metástase para linfonodo(s) infraclavicular(es)  N3a - Metástase para linfonodo(s) infraclavicular(es) homolateral(is)  N3b - Metástase para linfonodo(s) da mamária interna homolateral e para linfonodo(s) axilar(es)  N3c - Metástase para linfonodo(s) supraclavicular(es) homolateral(is)
  • 23. METÁSTASES  Mxmetástase à distância não pode ser avaliada  M0 ausência de metástase à distância  M1 presença de metástase à distância (incluindo LFN supraclaviculares)
  • 24. TRATAMENTO  Loco-regional: cirurgia e radioterapia;  Sistêmico: hormonioterapia e quimioterapia.
  • 25. CIRURGIA  Depende do estadiamento e do tipo histológico, pode ser:  Conservadora  retirada de um segmento da mama + gânglios axilares ou linfonodo sentinela;  Não conservadora  mastectomia. *Desvantagens: mutilação, mov. do braço, linfedema, dormência.
  • 26. Setorectomia Quadrantectomia Tumorectomia alargada
  • 27. Mastectomia Radical simples modificada
  • 28.
  • 29. RADIOTERAPIA  Objetivos:  Matar células remanescentes pós-cirurgia;  Reduzir o tamanho do tumor pré-cirurgia.  Indicações:  Tumores com d > ou = a 5cm;  Pele comprometida pelo tumor;  Dissecção inadequada da axila;  Margens comprometidas;  4 ou + linfonodos acometidos.
  • 30. QUIMIOTERAPIA E HORMONIOTERAPIA  Estadios I, II e III (operável):  Baixo risco de recorrência- Tamoxifeno* (TMX) por 5 anos;  Risco elevado- terapêutica condicionada à responsividade aos hormônios, ao comprometimento nodal e à presença de menopausa. *O uso prolongado pode duplicar a incidência de câncer de endométrio.
  • 31.  Estadio III (não-operável):  Uso de antracíclicos ou CMF (Ciclofosfamida, metotrexate e fluoracil) ou TMX por 4 a 6 meses na impossibilidade de fazer QMT.  Estadio IV (paliativo):  Hormonioterapia isolada- só para tumores com receptor hormonal +;  QMT- para tumores – para receptores hormonais;
  • 32. FATORES PROGNÓSTICOS  Tamanho do Tumor  Condição dos linfonodos axilares  Nível socio-econômico  Idade
  • 33.  Tipo histológico  Grau histológico  Angiogênese  Receptores hormonais
  • 34. DETECÇÃO PRECOCE  Exame clínico da mama em todas a partir de 40 anos. Parte do atendimento integral à saúde da mulher.  Mamografia 50 - 69 anos, intervalo máximo 2 anos.  Exame clínico da mama e mamografia a partir dos 35 anos, para grupos de risco.  Garantia de acesso ao diagnóstico, tratamento e seguimento para todas as mulheres com alterações.
  • 35. Auto-exame Em pé, em frente ao espelho. Observe o bico dos seios, a superfície o contorno das mamas. Em pé, em frente ao espelho, levante os braços. Observe se com movimento aparecem alterações de contorno e superfície das mamas.
  • 36. Deitada, a mão direita apalpa a mama esquerda. Faça movimentos suaves circulares apertando levemente com a ponta dos dedos. Deitada, a mão esquerda apalpa a mama direita. Repita deste lado os movimentos circulares, apertando levemente com as pontas dos dedos.