Manual do-paciente-hernia-umbilical-ettinger-1-1

727 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
727
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual do-paciente-hernia-umbilical-ettinger-1-1

  1. 1. Hérnia Umbilical Manual do paciente www.ettinger.med.br Copyright – João Ettinger - 2013
  2. 2. • O que é uma hérnia? • Hérnia é uma protrusão (abertura) na parede abdominal causada por ruptura desta parede. Ela pode ocorrer em vários locais como por exemplo no umbigo (hérnia umbilical) e na região inguinal (hérnia inguinal ou da virilha). Desenho mostrando uma pessoa com hérnia ventral. Observe que o intestino penetra em uma abertura (fraqueza ou buraco) na parede abdominal, fazendo uma protrusão (saliência ou abaulamento). Hérnia umbilical É uma hérnia causada por fraqueza da parede abdominal anterior devido a defeito da cicatriz umbilical, incisões prévias ou aumento da pressão intra-abdominal. As hérnias umbilicais na criança podem se fechar espontaneamente até os cinco anos. 1 www.ettinger.med.br
  3. 3. • Quais são os sintomas da hérnia umbilical? • As pessoas que tem hérnia umbilical são geralmente capazes de observar uma saliência ou abaulamento na cicatriz umbilical. Esta saliência fica embaixo da pele e se torna mais evidente quando a pessoa tosse, ergue peso ou faz força. Muitas pessoas também sentem desconforto ou dor fraca ou até forte quando fazem estes movimentos. • A hérnia tende a aumentar de tamanho com o passar do tempo. Após alguns meses ou anos, a hérnia pode ficar muito grande e em algumas pessoas pode perder o domicílio, ou seja o conteúdo do saco herniário não retorna mais para dentro da cavidade abdominal, o que é raro nas hérnias umbilicais. • Hérnia umbilical • O umbigo é a cicatriz deixada pelo cordão umbilical. O anel umbilical constitui um ponto de fraqueza da parede abdominal. As hérnias umbilicais fazem parte das hérnias ventrais, espontâneas ou congênitas. Geralmente espontâneas, ocasionalmente representam o reaparecimento ou a persistência duma hérnia umbilical congênita e devem-se à falência do fechamento do anel umbilical após a ligadura do cordão umbilical. Em cerca de 90% das vezes, é um defeito adquirido que resulta de um aumento na pressão intrabdominal. As hérnias umbilicais no adulto são herniações indiretas através do canal umbilical. Não se fecham espontaneamente como ocorre nas crianças; pelo contrário, vão aumentando de tamanho. Têm tendência a encarcerar e a estrangular, não se fechando espontaneamente. O saco herniário pode conter omento(gordura intrabdominal), intestino delgado, intestino grosso ou estômago. Nos casos de estrangulamento a cirurgia de urgência é necessária pois pode ocorrer necrose do conteúdo herniário. 2 www.ettinger.med.br
  4. 4. • A hérnia umbilical pode complicar? • A complicação mais temida da hérnia é o estrangulamento, que ocorre quando o intestino fica preso dentro da hérnia, não podendo mais retornar para o abdômen e se não for tratado com urgência sofre gangrena (necrose do intestino). Esta complicação pode ocorrer tanto em pessoas com hérnia pequena como nas com hérnia grande. • O estrangulamento provoca uma dor contínua, mais intensa, de várias horas de duração, no local da hérnia. O intestino para de funcionar e o paciente pode apresentar distensão do abdômen (estufamento), perda do apetite, náuseas e vômitos. Se você apresentar estes sintomas não perca tempo. Procure o seu médico imediatamente. Esta complicação necessita de operação de emergência. • O estrangulamento pode ocorrer em pessoas que tem hérnia há poucos dias ou mesmo anos. Lembre-se! O uso de suspensórios ou fundas não evita a ocorrência de estrangulamento e não dá para saber quando esta complicação vai ocorrer. Ela aparece de repente. • Diagnóstico • O exame da região abdominal pelo médico é suficiente para estabelecer o diagnóstico de hérnia umbilical em quase todos pacientes. Quando um cirurgião identifica hérnia no exame do paciente, não há necessidade de fazer exames complementares para confirmar o diagnóstico de hérnia umbilical. Entretanto, em alguns casos extremos, exames como a ultrassonografia e a tomografia podem ser úteis. Hérnia estrangulada 3 www.ettinger.med.br
  5. 5. EXAMES PRÉ-OPERATÓRIOS • RX do Tórax • Eletrocardiograma • Sumário de urina • Parasitológico de fezes • Exames de sangue – Hemograma – Tempo de protrombina – Glicemia – Uréia e creatinina 4 www.ettinger.med.br
  6. 6. • TRATAMENTO • A única forma de tratamento da hérnia umbilical no adulto é a realização de uma operação chamada de herniorrafia. Esta operação é muito simples, desde que o paciente não apresente doenças graves ou hérnia muito grande. • Existem duas maneiras de realizar o tratamento cirúrgico da hérnia umbilical: 1) incisão ou corte conhecido como método aberto ou convencional, neste método telas sintéticas podem ser utilizadas ou não e 2) videocirurgia ou laparoscópico ("técnica dos furinhos"). O seu médico poderá ajudá-lo a decidir Qual operação é melhor para você. Esta decisão deve ser tomada após considerar a sua idade, o tamanho da hérnia, se existe obesidade importante associada, se você tem outras doenças e a sua preferência . método aberto Proceed ventral patch laparoscópico 5 www.ettinger.med.br método aberto convencional
  7. 7. • HERNIORRAFIA ATRAVÉS DE UM CORTE • Esta técnica é simples e pode ser utilizada com anestesia peridural (anestesia ao redor da coluna). A operação é iniciada com uma incisão (corte) na região umbilical. O tamanho do corte depende do tamanho da hérnia. Nas crianças e pessoas magras é geralmente menor e nos obesos maior. • Após a localização da hérnia, a mesma é empurrada para dentro do abdômen (barriga) e a abertura (buraco ou fraqueza) da parede abdominal é fechada com pontos. Em muitos casos, uma tela é necessária para reforçar a parede abdominal e reduzir a possibilidade de recidiva da hérnia. Esta tela é feita de material sintético, que é extremamente resistente e não provoca rejeição do organismo. O seu cirurgião vai decidir se a tela é necessária no tratamento da sua hérnia. Desenho mostrando o tratamento da hérnia realizado através de uma incisão na região abdominal. A hérnia(saco herniário) é empurrado para dentro do abdômen (barriga) e a abertura (buraco ou fraqueza) da parede abdominal é fechada com uma tela sintética bastante resistente. 6 www.ettinger.med.br
  8. 8. • HERNIORRAFIA ATRAVÉS DA VIDEOCIRURGIA • O tratamento cirúrgico da hérnia umbilical pode ser facilmente realizado por videocirurgia em alguns pacientes ("operação dos furinhos"). Esta operação é geralmente realizada com anestesia geral. Inicialmente, é injetado gás (gás carbônico) dentro do abdômen (barriga) para poder criar um espaço, onde o cirurgião poderá fazer a operação com segurança. Após a realização de 3 furinhos de meio a um centímetro na parte lateral de seu abdômen (barriga), uma câmera de televisão pequena é colocada na parede abdominal através de um dos furinhos para que o cirurgião e a sua equipe possam visualizar o local da hérnia em um monitor de video. Com o auxilio de instrumentos especiais (pinças, tesouras, material de sutura, etc), colocados através dos outros furinhos, a hérnia é empurrada para dentro do abdômen (barriga) e o buraco na parede abdominal é fechado com uma tela. • A operação de hérnia umbilical por videocirurgia ou também conhecida como "operação dos furinhos" é realizada através de apenas 3 furinhos de meio e um centímetro. • Não é necessário fazer um corte grande na barriga (abdômen). • O cirurgião e sua equipe podem visualizar a hérnia em uma televisão. A hérnia e o defeito na parede abdominal são filmados por uma pequena câmera colocada através de um dos furinhos. 7 Herniorrafia laparoscópica Realizada pelo Dr. Ettinger no HSR www.ettinger.med.br Portais posicionados para realizar a operação
  9. 9. Desenho mostrando o fechamento do buraco (abertura ou fraqueza) da parede abdominal por onde a hérnia passava (fazia abaulamento). Uma tela sintética extremamente resistente é usada para fechar o buraco. 8 www.ettinger.med.br Posicionamento dos portais Visão das estruturas internas dentro do orifício herniário Retirada das estruturas internas de dentro do orifício herniário Mensuração do tamanho do orifício herniário Posicionamento da tela no defeito Posicionamento da tela no defeito para fixação Fixação da tela nas bordas com grampos de titânio Fixação da tela ao redor do defeito herniário com grampos de titânio Resultado final com tela cobrindo todo o orifício herniário HERNIORRAFIA ATRAVÉS DA VIDEOCIRURGIA
  10. 10. • VANTAGENS DA OPERAÇÃO LAPAROSCÓPICA • Recuperação rápida do paciente. A maioria dos pacientes fica internada no hospital somente de 12 a 24 horas e pode retomar ao trabalho e realizar todas as atividades, que não necessitem erguer muito peso, em 1 ou 2 semanas. • Resolução Completa e definitiva da doença • Pouca dor pós-operatória • Cicatriz cirúrgica mínima • Risco de infecção pequeno • Todos pacientes com hérnia umbilical precisam operar? • Todas as pessoas com hérnia umbilical, devem ser operadas, com exceção das que tem outras doenças graves, das que apresentam risco cirúrgico elevado e das crianças até cinco anos de idade. • Complicações • Apesar dos resultados do tratamento cirúrgico serem excelentes alguns pacientes podem ter complicações, como em qualquer procedimento cirúrgico. As complicações mais comuns são infecção, hematoma (coleção de sangue), retenção urinária (impossibilidade temporária de urinar), recidiva da hérnia e risco anestésico. Caso não seja possível realizar a operação pela técnica videolaparoscópica ("técnica dos furinhos"), pode ser necessário fazer uma incisão (corte) maior no abdômen para terminar a operação. 9 www.ettinger.med.br
  11. 11. • Orientações Pós-Operatórias • A recuperação da operação é geralmente muito rápida e a maioria dos pacientes volta as suas atividades normais em poucos dias. As orientações abaixo devem ser seguidas para que você tenha pouco desconforto e sua recuperação ocorra sem intercorrências. • Não tem dieta especial Você pode comer ou ingerir qualquer alimento que você queira inclusive alimentos sólidos. Alguns pacientes podem apresentar náuseas e vômitos no primeiro dia após a operação devido aos medicamentos e anestésicos recebidos. Se você tiver náuseas e vômitos, ingira somente líquidos em pequenas quantidades de cada vez. Estes sintomas geralmente desaparecem em 1 ou 2 dias, após o organismo eliminar os medicamentos recebidos no hospital. Se as náuseas e vômitos persistirem após este período, procure o seu médico. • Os cortes ou furinhos serão fechados com pontos e cobertos com curativo (micropore). É comum que ocorra hematoma ("azulado" ou "roxo") ou pequenos sangramentos. Isto é normal. Não se preocupe. Não retire o micropore, a menos que o seu médico o oriente neste sentido. Pode tomar banho completo e molhar o micropore. Seque o abdômen normalmente com toalha, sem necessidade de cuidados especiais com os cortes. Entretanto, se o corte tiver aparência de infecção (vermelho, com secreção de pus ou com cheiro forte), contacte o seu médico. • Respire fundo 3 vezes a cada hora para expandir melhor o seu pulmão e evitar complicações como febre e pneumonia. • Evite ficar muito tempo deitado ou sentado. Procure andar várias vezes ao dia. Pode andar e subir escada. Não tem perigo. Assim que você tiver se movimentando rapidamente e com pouca dor, poderá dirigir. Você poderá erguer até 5kg no primeiro mês de pós-operatório e até 10kg entre o primeiro e o terceiro mês. Após este período você não tem mais limitações. • Em caso de dúvidas ou caso apresente alguma complicação, procure o seu médico. 10 www.ettinger.med.br
  12. 12. Cirurgia Laparoscópica A cirurgia laparoscópica para cura das hérnias trouxe muitas vantagens, como: – Pequenos cortes no abdome – Menos dor no pós-operatório – Menor chance de abscessos na parede abdominal – Retorno mais rápido ao trabalho – Retorno precoce às atividades físicas – Melhor estética em relação às cicatrizes Muitos tipos de hérnias podem ser corrigidas por laparoscopia – Hérnia inguinal – Hérnia incisional – Hérnia ventral – Hérnia umbilical – Hérnia epigástrica 11 www.ettinger.med.br
  13. 13. Cirurgião Prof. Dr. João Ettinger CRM BA - 11080 • Doutorado em Medicina Interna – EBMSP • Editor da Revista Eletrônica do Colégio Brasileiro de Cirurgiões • Pós-graduação em Metodologia da Pesquisa – SOBRADPEC • Preceptor de Cirurgia Geral – Residência do HSR, HC e HAN • Preceptor de Cirurgia do Ap. Digestivo– Residência do HSR • Coordenador do Fellowship de Cirurgia Bariátrica do HSR • Especialista em Cirurgia Geral – MEC / CFM • Especialista em Cirurgia do Aparelho Digestivo – CBCD / AMB • Título de Qualificação em Cirurgia laparoscópica - SOBRACIL • Título de Qualificação em Cirurgia do Trauma e Emergência - CBC • Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica • Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva • Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica • Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões • Fellow - American Hernia Society • Fellow – International Federation for the Surgery of Obesity • Atuação Cirurgia Geral - Bariátrica - Ap. Digestivo – Hérnias - Laparoscopia 12
  14. 14. Experiência O Dr. João Ettinger tem uma larga experiência no tratamento das hérnias da parede abdominal, realiza a correção das hérnias pelos métodos mais modernos, tanto convencional quanto laparoscópico. Também fez estágios fora do Brasil nos mais renomados centros mundiais, como o Shouldice Hospital no Canadá, o Lichtenstein Hernia Institute em Los Angeles e o Hernia Center de Memphis nos EUA, além de ter realizado monografia para o Colégio Brasileiro de Cirurgiões tendo como tema a correção das hérnias inguinais. Também já realizou cirurgia demonstrativa ao vivo, no Congresso Nacional de Hérnia no Rio de Janeiro, também sendo convidado para palestras e debates em Congressos Nacionais. Ainda ensina como realizar o tratamento desta doença na Residência de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo do Hospital São Rafael e do Hospital Ana Nery. É Fellow da American Hernia Society. Shouldice Hospital Toronto - Canadá 13 Cirurgia ao vivo Congresso Brasileiro de Hernia Rio de Janeiro Dr. Voeller e Dr. Ettinger Hernia Center – Memphis - EUA Dr. Ettinger e Dr. Parviz Amid Lichtenstein Hernia Institute Los Angeles - EUA Dr. Ettinger e Dr. Nyhus Londres World Hernia Congress Inglaterra www.ettinger.med.br International Hernia Congress Nova Iorque 2012
  15. 15. ATENDIMENTO Consultórios Bahia Gastro Center (Centro Médico Garibaldi) (71) 3355 0906 / 8802 3774 Hospital São Rafael – Cirurgia Geral I 3281 6582 / 3281 6400 Hospital Aliança – Sala 702 2108 4711 / 3505 3350 / 8802 3774 www.ettinger.med.br HOSPITAL SÃO RAFAEL- Avenida São Rafael, 2152 - São Marcos - Salvador BA Cirurgia Geral I Térreo, Sec 71 3409-8000 / 3281-6582 / 3281 6400 14 HOSPITAL ALIANÇA – CENTRO MÉDICO - Av. Juraci Magalhães Jr. 2096, Sala 702 (71) 3505 3350 / 2108-4654 / 8802 3774 BAHIA GASTRO CENTER- Av. Garibaldi 1555, Centro Médico Garibaldi, Sala 401, (71) 3355 0906 / 3261 6967 / 8802 3778 Linha direta Dr. João Ettinger - Cel 9983 1304 dr.ettinger@gmail.com
  16. 16. Deus seja louvado! 15

×