SlideShare uma empresa Scribd logo

Tumores malignos de cólon e reto

1 de 23
Tumores malignos
de cólon e reto
POR FERNANDA BERTHIER, JACQUELINE MENEZES, KAYO
BAPTISTA E TASSIA SAITO, ACADÊMICOS DA QUADRAGÉSIMA
SEGUNDA TURMA DA FACULDADE DE MEDICINA DA
UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES. DISCIPLINA DE
COLOPROCTOLOGIA. JUNHO DE 2013.
Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
Importância do Tema
▪ A região colorretal é o sítio mais frequente de neoplasias primárias do que qualquer outro
local do corpo humano;
▪ Grande associação genética e familiar;
▪ Alta incidência de tumores benignos que malignizam;
▪ Importância de diagnóstico precoce.
Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
Epidemiologia
▪ Terceiro tipo de câncer mais comum entre os homens e segundo para o sexo feminino;
▪ 2012: 14.180 casos novos de câncer do cólon e reto em homens e 15.960 em
mulheres, totalizando 30.140 casos;
▪ Risco estimado de 15 casos novos a cada 100 mil homens e 16 a cada 100 mil mulheres;
▪ Segunda causa de morte por neoplasia maligna, perdendo para o câncer de mama nas
mulheres e de pulmão, nos homens.
▪ Taxas específicas de mortalidade por este câncer apresentam tendência de crescimento em
ambos os sexos no estado de São Paulo (Fundação Oncocentro de São Paulo - Fosp).
(INCA, 2012).
Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
Etiologia
▪ FATORES DIETÉTICOS: CCR representa uma doença típica dos países ocidentais e
industrializados, onde o consumo de carnes, gorduras e carboidratos é alto
▪ FATORES GENÉTICOS: Oncogenes (K-ras), genes supressores tumorais (APC, DCC e p53) e
genes reparadores do DNA ou MMR (genes denominados MSH2, MLH1, PMS1, PMS2 e MSH6).
▪ DOENÇAS FAMILIARES: Polipose Adenomatosa Familiar (PAF) – representa 1% das
modalidades de CCR hereditário. O acúmulo de mutações genéticas é responsável pela
progressão do epitélio colônico normal para adenoma displásico e deste para carcinoma invasivo
(100% dos pacientes portadores de PAF evoluem para câncer); Síndrome de Lynch (HNPCC) –
câncer colorretal é precedido por poucos ou nenhum pólipo e ocorre em idade mais jovem;
Polipose Juvenil (JUP) – representa cerca de 0,01% dos casos de CCR; e Síndrome de Peutz-
Jegher – risco de câncer é de 10 a 18x maior que a população geral (todas de caráter
autossômico dominante).
Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
Fatores de Risco
▪ Idade
▪ Histórico familiar positivo para CCR
▪ Tabagismo
▪ Álcool
▪ Sedentarismo
▪ Fatores ocupacionais
▪ RXT
▪ Doença inflamatória intestinal
▪ Pólipos adenomatosos
▪ Câncer de novo

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Entendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretalEntendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretal
 
Tumores hepáticos
Tumores hepáticosTumores hepáticos
Tumores hepáticos
 
Neoplasias Periampulares
Neoplasias PeriampularesNeoplasias Periampulares
Neoplasias Periampulares
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 
Câncer colo retal
Câncer colo retalCâncer colo retal
Câncer colo retal
 
Tumor do colon
Tumor do colonTumor do colon
Tumor do colon
 
Adenocarcinoma de Pâncreas
Adenocarcinoma de PâncreasAdenocarcinoma de Pâncreas
Adenocarcinoma de Pâncreas
 
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
Tratamento Cirúrgico dos Tumores PeriampularesTratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
 
Câncer de estômago
Câncer de estômagoCâncer de estômago
Câncer de estômago
 
Câncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasCâncer de Pâncreas
Câncer de Pâncreas
 
Tumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosTumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos Hepáticos
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
abdome agudo obstrutivo 1.pptx
abdome agudo obstrutivo 1.pptxabdome agudo obstrutivo 1.pptx
abdome agudo obstrutivo 1.pptx
 
Tumores de ovário
Tumores de ovárioTumores de ovário
Tumores de ovário
 
Câncer colorretal
Câncer colorretalCâncer colorretal
Câncer colorretal
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
Seminario cancer pulmão joice
Seminario cancer pulmão joiceSeminario cancer pulmão joice
Seminario cancer pulmão joice
 
Abdome Agudo
Abdome AgudoAbdome Agudo
Abdome Agudo
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
 
Melanoma Maligno
Melanoma MalignoMelanoma Maligno
Melanoma Maligno
 

Destaque

O cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e rectoO cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e rectoOncologia
 
Prevençao do Cancer Colorretal
Prevençao do Cancer ColorretalPrevençao do Cancer Colorretal
Prevençao do Cancer ColorretalOncoguia
 
Câncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoCâncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoOncoguia
 
Câncer de ânus
Câncer de ânusCâncer de ânus
Câncer de ânusElís Souza
 
Colon Classification
Colon ClassificationColon Classification
Colon ClassificationLaura Inafuko
 
Pedido de medicamentos
Pedido de medicamentosPedido de medicamentos
Pedido de medicamentosOncoguia
 
Melanoma y otros tumores malignos de la piel
Melanoma y otros tumores malignos de la pielMelanoma y otros tumores malignos de la piel
Melanoma y otros tumores malignos de la pielIsabella Gomez Gonzalez
 
Planejamento hsp campanha ama - ano da mastologia
Planejamento hsp   campanha ama - ano da mastologiaPlanejamento hsp   campanha ama - ano da mastologia
Planejamento hsp campanha ama - ano da mastologiaCampspaula
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica Urovideo.org
 
Aula de endometriose versao 3
Aula de endometriose versao 3Aula de endometriose versao 3
Aula de endometriose versao 3Loury Souza
 
Protocolo de Colon
Protocolo de ColonProtocolo de Colon
Protocolo de Colonguest77650f
 
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo UterinoDiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterinochirlei ferreira
 
Cáncer Intestino Delgado
Cáncer Intestino Delgado  Cáncer Intestino Delgado
Cáncer Intestino Delgado Adria Rivas
 

Destaque (20)

O cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e rectoO cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e recto
 
Cancro colo rectal
Cancro colo rectal Cancro colo rectal
Cancro colo rectal
 
Prevençao do Cancer Colorretal
Prevençao do Cancer ColorretalPrevençao do Cancer Colorretal
Prevençao do Cancer Colorretal
 
Câncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoCâncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino Delgado
 
Câncer de ânus
Câncer de ânusCâncer de ânus
Câncer de ânus
 
câncer
câncercâncer
câncer
 
Colon Classification
Colon ClassificationColon Classification
Colon Classification
 
Cancro da mama final
Cancro da mama finalCancro da mama final
Cancro da mama final
 
A vida é uma escola
A vida é uma escolaA vida é uma escola
A vida é uma escola
 
Pedido de medicamentos
Pedido de medicamentosPedido de medicamentos
Pedido de medicamentos
 
Melanoma y otros tumores malignos de la piel
Melanoma y otros tumores malignos de la pielMelanoma y otros tumores malignos de la piel
Melanoma y otros tumores malignos de la piel
 
Planejamento hsp campanha ama - ano da mastologia
Planejamento hsp   campanha ama - ano da mastologiaPlanejamento hsp   campanha ama - ano da mastologia
Planejamento hsp campanha ama - ano da mastologia
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica
 
Aula de endometriose versao 3
Aula de endometriose versao 3Aula de endometriose versao 3
Aula de endometriose versao 3
 
Protocolo de Colon
Protocolo de ColonProtocolo de Colon
Protocolo de Colon
 
Endometriose
Endometriose Endometriose
Endometriose
 
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo UterinoDiagnóStico E Tratamento  Das DoençAs Do Colo Uterino
DiagnóStico E Tratamento Das DoençAs Do Colo Uterino
 
12. tumores de intestino delgado
12.  tumores de intestino delgado12.  tumores de intestino delgado
12. tumores de intestino delgado
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
 
Cáncer Intestino Delgado
Cáncer Intestino Delgado  Cáncer Intestino Delgado
Cáncer Intestino Delgado
 

Semelhante a Tumores malignos de cólon e reto

Semelhante a Tumores malignos de cólon e reto (20)

Câncer do colo do útero
Câncer do colo do úteroCâncer do colo do útero
Câncer do colo do útero
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Neoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplasNeoplasias primárias múltiplas
Neoplasias primárias múltiplas
 
ONCOLOGIA
ONCOLOGIAONCOLOGIA
ONCOLOGIA
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
 
Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboral
 
novembro azul.pptx
novembro azul.pptxnovembro azul.pptx
novembro azul.pptx
 
Cancer de ovario
Cancer de ovarioCancer de ovario
Cancer de ovario
 
Câncer de fígado
Câncer de fígadoCâncer de fígado
Câncer de fígado
 
Trab. cancro
Trab. cancroTrab. cancro
Trab. cancro
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
 
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerO Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
 
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptxApresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
Apresentação_Marina_Simone_outubro evidsau (1).pptx
 
Câncer de Rim
Câncer de RimCâncer de Rim
Câncer de Rim
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
 

Tumores malignos de cólon e reto

  • 1. Tumores malignos de cólon e reto POR FERNANDA BERTHIER, JACQUELINE MENEZES, KAYO BAPTISTA E TASSIA SAITO, ACADÊMICOS DA QUADRAGÉSIMA SEGUNDA TURMA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES. DISCIPLINA DE COLOPROCTOLOGIA. JUNHO DE 2013. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 2. Importância do Tema ▪ A região colorretal é o sítio mais frequente de neoplasias primárias do que qualquer outro local do corpo humano; ▪ Grande associação genética e familiar; ▪ Alta incidência de tumores benignos que malignizam; ▪ Importância de diagnóstico precoce. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 3. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 4. Epidemiologia ▪ Terceiro tipo de câncer mais comum entre os homens e segundo para o sexo feminino; ▪ 2012: 14.180 casos novos de câncer do cólon e reto em homens e 15.960 em mulheres, totalizando 30.140 casos; ▪ Risco estimado de 15 casos novos a cada 100 mil homens e 16 a cada 100 mil mulheres; ▪ Segunda causa de morte por neoplasia maligna, perdendo para o câncer de mama nas mulheres e de pulmão, nos homens. ▪ Taxas específicas de mortalidade por este câncer apresentam tendência de crescimento em ambos os sexos no estado de São Paulo (Fundação Oncocentro de São Paulo - Fosp). (INCA, 2012). Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 5. Etiologia ▪ FATORES DIETÉTICOS: CCR representa uma doença típica dos países ocidentais e industrializados, onde o consumo de carnes, gorduras e carboidratos é alto ▪ FATORES GENÉTICOS: Oncogenes (K-ras), genes supressores tumorais (APC, DCC e p53) e genes reparadores do DNA ou MMR (genes denominados MSH2, MLH1, PMS1, PMS2 e MSH6). ▪ DOENÇAS FAMILIARES: Polipose Adenomatosa Familiar (PAF) – representa 1% das modalidades de CCR hereditário. O acúmulo de mutações genéticas é responsável pela progressão do epitélio colônico normal para adenoma displásico e deste para carcinoma invasivo (100% dos pacientes portadores de PAF evoluem para câncer); Síndrome de Lynch (HNPCC) – câncer colorretal é precedido por poucos ou nenhum pólipo e ocorre em idade mais jovem; Polipose Juvenil (JUP) – representa cerca de 0,01% dos casos de CCR; e Síndrome de Peutz- Jegher – risco de câncer é de 10 a 18x maior que a população geral (todas de caráter autossômico dominante). Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 6. Fatores de Risco ▪ Idade ▪ Histórico familiar positivo para CCR ▪ Tabagismo ▪ Álcool ▪ Sedentarismo ▪ Fatores ocupacionais ▪ RXT ▪ Doença inflamatória intestinal ▪ Pólipos adenomatosos ▪ Câncer de novo
  • 7. Quantificação de Risco Quem são? Seguimento - Colonoscopia BAIXO RISCO População geral com mais de 50 anos de idade Realizar colonoscopia a cada 10 anos. Seguimento de 5 em 5 anos. MODERADO RISCO Pacientes com história familiar de CCR, câncer de mama, ovário e endométrio em parentes de primeiro grau com mais de 60 anos; Pacientes que tiveram pólipo adenomatoso Realizar colonoscopia a cada 3 anos ALTO RISCO Pacientes que já tiveram CCR com menos de 60 anos; Pacientes com história de doença inflamatória intestinal; Pacientes com HNPCC, PAF; Colite actínica por RXT prévia Realizar colonoscopia a cada 1 ano (Fonte: Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina) Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 8. Principais linhagens histológicas ▪ Adenocarcinoma é o mais frequente ▪ Outros (raros): sarcomas, linfomas, tumor GIST, carcinoma epidermóide. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 9. Quadro Clínico ▪ O diagnóstico precoce do câncer de cólon é muito complicado por conta do desenvolvimento silencioso da lesão; ▪ Anemia é um sinal relevante, sendo, não raramente, uma maneira de diagnosticar tardiamente o câncer de ceco e cólon ascendente, acompanhada de fraqueza e fadiga. ▪ Acometimento do cólon direito: plenitude epigástrica, empachamento, distensão abdominal, eructação e desconforto referidos nos quadrantes direitos (inferior e superior) do abdômen. Acometimento do cólon esquerdo: dor abdominal, sangramento retal, perda ponderal de peso, tenesmo e alteração do hábito intestinal. Acometimento de reto: sangramento é frequente, misturado ou não com fezes, muco ou pus. Tenesmo, acompanhado ou não de diarreia, e sensação de evacuação incompleta são frequentes. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 10. Exame Físico Alterações mais comuns: ▪ Emagrecimento ▪ Anemia ▪ Alteração ao toque retal: massas endurecidas, alterações de parede e sangramento. ▪ Massa palpável em abdome ▪ Diarreia e/ou constipação ▪ Hepatomegalia ▪ Sinais de inflamação peritoneal à manobra de descompressão ▪ Timpanismo à percussão Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 11. Diagnóstico ▪ Anamnese completa. ▪ Exame físico completo incluindo toque retal e vaginal. ▪ Enema opaco: estreitamento do cólon com sinal da maçã mordida. ▪ Pesquisa de sangue oculto em fezes para detecção precoce do câncer. ▪ Colonoscopia é o padrão-ouro - especificidade e sensibilidade de 95%. ▪ Sigmoidoscopia flexível. Demora menos que a colonoscopia, não exige sedação e a preparação intestinal é mais rápida. Porém, ela tem alcance de apenas 60cm da margem anal, tornando impossível a visualização do cólon direito. ▪ Dosagem sérica de CEA: eleva-se principalmente em estágios mais avançados. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 12. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 13. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 14. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 15. Estadiamento pré-operatório ▪ USG abdome ▪ TC abdome ▪ RX tórax ▪ Dosagem de CEA para avaliação de metástase à distância e para seguimento ▪ Enzimas hepáticas Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 16. Metástases ▪ Principais vias de disseminação: extensão direta local, disseminação linfática, hematogênica ou peritoneal. ▪ Principais órgãos acometidos: pulmões e fígado principalmente, podendo chegar a SNC, ovário e ossos. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 17. Tratamento ▪ Primeira escolha é cirúrgica: via aberta com ressecção de linfonodos regionais. ▪ Retossigmoidectomia abdominal, Retossigmoidectomia abdominoperineal, Colectomia direita, Sigmoidectomia, Colectomia esquerda, Colectomia de transverso, Colectomia total, Protocolectomia total, excisão local. ▪ Mesmo após a cirurgia há grandes chances de recidiva local do câncer, o que justifica a realização de tratamento multidisciplinar para os pacientes em estágios avançados. ▪ Quimioterapia deve ser iniciada de 4 a 6 semanas pós-cirurgia, havendo perda de 14% de sobrevida a cada 4 semanas de atraso ou em casos paliativos. No pré-cirúrgico ela é utilizada apenas em câncer de reto estágios II e III. ▪ Radioterapia não é utilizada usualmente, apenas em câncer de reto em estágio I ou adjuvância com quimioterapia em casos muito específicos. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 18. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013. (A) Colectomia direita, (B) Colectomia direita ampliada, (C) Transversectomia, (D) Colectomia esquerda, (E) Sigmoidectomia, (F) Retossigmoidectomia, (G) Anastomose coloanal (direita, com reservatório em J) e (H) Amputação de reto.
  • 19. Estadiamento pós-operatório Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 20. Fatores prognósticos Além do estadiamento TNM, outros fatores devem ser levados em consideração: ▪ Obstrução/perfuração representam doença avançada e pior prognóstico; ▪ Extensão do tumor na parede do órgão; ▪ Linfonodos contaminados; ▪ Grau de diferenciação do tumor; ▪ Embolização sanguínea; ▪ Invasão neural. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 21. Prognóstico A sobrevida média global em 5 anos se encontra em torno de 55% nos países desenvolvidos e 40% para países em desenvolvimento O prognóstico depende do estágio ao diagnóstico. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013. Estágio ao diagnóstico Distribuição (%) Sobrevivência relativa em 5 anos (%) Localizada (confinada à sítio primário) 40 90.3 Regional (difusa em linfonodos regionais) 36 70.4 Distant (câncer metastático) 20 12.5 Desconhecido (não estadiado) 5 33.6
  • 22. Seguimento pós-terapia ▪ Consultas médicas: 3-6 meses nos primeiros 3 anos e a cada 6 meses até o quinto ano. ▪ TC tórax e abdômen anualmente nos 3 primeiros anos. ▪ Dosagem de CEA a cada 3 meses nos 3 primeiros anos para câncer em estágio II e III. ▪ Colonoscopia um ano após a cirurgia. Se normal, a cada 5 anos. Se anormal, repetir o exame um ano depois, mantendo conduta expectante. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.
  • 23. Referências Ministério da Saúde - MS. Instituto Nacional de Câncer - INCA. Incidência de Câncer no Brasil Estimativas 2008 [acesso em junho de 2013]. Disponível em: http://www.inca.gov.br. Ministério da Saúde - MS. Instituto Nacional de Câncer - INCA. Incidência de Câncer no Brasil Estimativas 2012 [acesso em junho de 2013]. Disponível em: http://www.inca.gov.br. Ministério da Saúde - MS. Secretaria de Atenção à Saúde. Aprova as diretrizes diagnósticas e terapêuticas do câncer de cólon e reto. Portaria n-1601, 2012. MOREIRA L., BALAGUER F., LINDOR N., et al. Identification of Lynch Syndrome Among Patients With Colorectal Cancer. JAMA.2012;308(15):1555-1565. doi:10.1001/jama.2012.13088. PRADO, F.C., RAMOS, J.A., VALLE, J.R., editores. Atualização Terapêutica. São Paulo: Artes Médicas; 2003 COTTI G.C.C., SANTOS F.P.S., SEBASTIANES F.M., HABR-GAMA A., SEID V.E., MARTINO R.B. Genética do câncer colorretal. Rev Med, São Paulo, 2000 abr./dez.;79(2/4):45-64. CRUZ, G.M.G.; FERREIRA, R.M.R.S.; NEVES, P.M. Câncer Retal: Estudo Demográfico, Diagnóstico e Estadiamento de 380 Pacientes Acompanhados ao Longo de Quatro Décadas. Rev bras Coloproct, 2004;24(3):208-224. EUNYOUNG C., SMITH-WARNER S.A., RITZ J., VAN DEN BRANDT P.A., COLDITZ G.A., et al. Alcohol Intake and Colorectal Cancer: A Pooled Analysis of 8 Cohort Studies. Annals of Internal Medicine. 2004 Apr;140(8):603-613. Tumores Malignos de Cólon e Reto – Junho de 2013.