SlideShare uma empresa Scribd logo
Imposto sobre a Renda e Proventos
de Qualquer Natureza
Tácio Lacerda Gama
Professor da graduação e pós-graduação da PUC-SP,
onde obteve os títulos de doutor e mestre em direito,
Sócio do Barros Carvalho Advogados Associados
Formas de Estudar Direito Tributário
Legitimidade (Competência)
Versus
Apuração (RMIT)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Legitimidade dos Tributos
Feita pela análise da Competência Tributária
C = E . M
[Sc . P(p1.p2.p3...) . E . T] → [S (Sa.Sp) . M(s.e.t.c)]
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Critérios de análise da
Legitimidade do IR
1) Quem pode criar?
2) Como deve ser criado?
3) Onde deve ser criado?
4) Quando deve ser criado?
5) Sobre o que pode incidir?
6) Quais os condicionantes positivos?
7) Quais os condicionantes negativos?
8) Quais são as regras gerais?
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Epd cide - abril 2012
Epd   cide - abril 2012Epd   cide - abril 2012
Epd cide - abril 2012

O documento discute o regime jurídico das contribuições interventivas e corporativas no Brasil. Apresenta os conceitos dessas espécies tributárias e analisa os elementos que compõem suas hipóteses de incidência e consequentes normativos, tais como sujeitos ativo e passivo, base de cálculo e alíquota. Também examina os princípios e imunidades aplicáveis a essas contribuições segundo a Constituição Federal.

Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais

O documento discute conceitos fundamentais de planejamento tributário no Brasil, como elisão fiscal, evasão fiscal, elusão fiscal, dolo, fraude, simulação e dissimulação. Também aborda jurisprudência sobre incorporações atípicas, debêntures participativas e desconsideração de atos jurídicos com fins tributários. O objetivo é esclarecer os limites entre planejamento tributário lícito e ilícito.

professora fabiana del padre tomé
Planejamento Tributário
Planejamento TributárioPlanejamento Tributário
Planejamento Tributário

O documento discute os conceitos de planejamento tributário, elisão fiscal e capacidade contributiva. Aborda a autonomia privada do contribuinte para organizar suas atividades e a necessidade de ponderação entre autonomia privada e capacidade contributiva. Explica que a elisão fiscal é o afastamento lícito da incidência tributária, enquanto a evasão é o afastamento ilícito mediante ocultação.

planejamentotributárioplanejamento
Apuração do IR
Feita pela análise da RMIT
Hip [Cm(v.c). Ce. Ct]. Cons [Cs(Sa.Sp).Cq (bc.al)]
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Critérios de análise da apuração do IR
1 – Que torna o tributo devido?
2 – Onde o tributo se torna devido?
3 – Quando ele se torna devido?
4 – Quem deve pagar?
5 – Quem deve receber?
6 – Como se calcula o que deve ser pago?
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quem pode criar o ICMS-Transporte?
Enunciado Constitucional
Art. 153. Compete à União instituir
impostos sobre:
III – renda e proventos de qualquer
natureza;
§2º O imposto previsto no inciso
III:
I – será informado pelos critérios
da generalidade, da
universalidade e da
progressividade, na forma da
lei;
Efeitos imediatos
 Conteúdos semânticos mínimos de
renda e proventos;
 Ganhos econômicos gerados pela
capital, trabalho ou pela combinação de
ambos.
 Generalidade, universalidade e
progressividade como corolários do
Princípio de Capacidade Contributiva.
 Deve abranger a totalidade das pessoas
que obtenham acréscimo patrimonial,
decorrente do conjunto de suas
atividades e operações, as quais não
podem ser discriminadas, sob pena de
maltratar o princípio da isonomia
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Como o IR deve ser criado?
Diplomas fundamentais do IPTU
Constituição Federal de 1988
Regulamentos federais (Decreto 3000/99)
Leis Federais ( Lei 9430/96)
Código Tributário Nacional
Portarias, Resoluções, Instruções Normativas,
etc.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário

Este documento fornece um resumo de uma aula sobre as materialidades constitucionais e complementares do ICMS sobre operações relativas à circulação de mercadorias na Lei Complementar 87/96. O documento discute os critérios materiais, espaciais e temporais que definem o antecedente normativo da regra-matriz de incidência tributária do ICMS e os critérios subjetivos e quantitativos que compõem o consequente prescritor.

samuel gaudêncio
Ibet planejamento tributário - 2013
Ibet  planejamento tributário - 2013Ibet  planejamento tributário - 2013
Ibet planejamento tributário - 2013

O documento discute categorias fundamentais do planejamento tributário. Apresenta questões sobre o que é planejamento tributário e seu contexto atual, além de categorias e lugares comuns sobre o tema. Também aborda novos elementos para o planejamento como a determinação para prevalecer a substância econômica sobre a forma jurídica.

PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO

O documento discute conceitos e incidência tributária no Brasil. Em 3 frases: 1) Apresenta definições de tributos, impostos, taxas e contribuições e os princípios que limitam o poder de tributar. 2) Explica a incidência de impostos como IPI, ICMS, PIS, Cofins e ISS, incluindo bases de cálculo e regimes de apuração. 3) Discorre sobre regimes tributários como Simples Nacional, Lucro Real, Presumido e Arbitrado e suas regras de enquadramento.

Onde e quando o IR pode ser criado?
No local em que é exercida a sua competência.
A qualquer momento, respeitado o regime
jurídico tributário vigente.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Sobre o que pode incidir o IR?
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
CTN
Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos
de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da
disponibilidade econômica ou jurídica:
I – de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da
combinação de ambos;
II – de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos
patrimoniais não compreendidos no inciso anterior.
§1º A incidência do imposto independe da denominação da receita ou do
rendimento, da localização, condição jurídica ou nacionalidade da fonte,
da origem e da forma de percepção.
§2º Na hipótese de receita ou de rendimento oriundos do exterior, a lei
estabelecerá as condições e o momento em que se dará sua
disponibilidade, para fins de incidência do imposto referido neste artigo.
Conceitos de renda e proventos
Renda → aquisição de disponibilidade econômica ou jurídica da
renda derivada do capital ou trabalho ou combinação de ambos.
Provento → forma específica de rendimento tributável,
tecnicamente compreendida como o que é fruto não da
realização imediata e simultânea de um patrimônio, mas, sim, do
acréscimo patrimonial resultante de uma atividade que já cessou,
e que ainda produz rendimentos, como os benefícios de origem
previdenciária, pensões, aposentadorias.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Conceito jurídico de renda – andaimes
constitucionais
14. Nos estudos teóricos (...), sustentei a conclusão de que ‘renda’ (na
acepção fiscal do termo) é a soma algébrica de todos os rendimentos
tributáveis e de todas as despesas dedutíveis, respectivamente
realizados e incorridas no espaço de tempo fixado pela lei, para a sua
apuração periódica (o ‘ano base’). Em outras palavras, ‘renda’ é, para
efeitos fiscais, o acréscimo patrimonial líquido verificado entre duas
datas predeterminadas. Nesta última frase, a palavra chave é
‘acréscimo’: com efeito, a característica fundamental da renda (termo
genérico que, como vimos, inclui a espécie ‘lucro’) é a de configurar
uma aquisição de riqueza nova que vem aumentar o patrimônio que a
produziu e que pode ser consumida ou reinvestida sem o reduzir.”
(SOUSA, Rubens Gomes de. Pareceres 1: Imposto de Renda. Ed. Póstuma. São Paulo:
Resenha Tributária, 1975, p. 66/67.)
.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Ibet VIII substância econômica sobre a forma jurídica
Ibet VIII   substância econômica sobre a forma jurídicaIbet VIII   substância econômica sobre a forma jurídica
Ibet VIII substância econômica sobre a forma jurídica

O documento discute a ideia de que a "substância econômica deve prevalecer sobre a forma jurídica" em assuntos tributários. O autor argumenta que essa ideia é problemática porque no direito tributário tudo que é tocado se torna direito tributário, e o que não é tocado é irrelevante. Ele também defende que a consistência dos fatos jurídicos depende da conjugação entre forma e matéria comprovadas por provas, não apenas pela substância econômica.

planejamentosubstância versus forma
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011

O documento discute os limites do planejamento tributário, definindo-o como a redução lícita da carga tributária por meio de atos lícitos. Aborda condutas ilícitas como fraude à lei, simulação e abuso de direito, que contaminam o planejamento e podem levar à desconsideração ou nulidade de atos para fins tributários. Também analisa a função do artigo 116 do CTN na desconsideração de atos com finalidade exclusiva de reduzir tributos.

63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg

O documento descreve as principais características dos tributos no Brasil. Em três frases: 1) Os tributos podem ser classificados como vinculados ou não vinculados, sendo os impostos exemplos de tributos não vinculados. 2) As espécies tributárias incluem impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais. 3) Cada espécie tributária possui características próprias relacionadas a seu fato gerador, base de cálculo e competência para instit

Conceito pressuposto de renda
Rendimento  aquisição de um novo direito subjetivo patrimonial,
que se realiza em certo instante e que decorre de um determinado
fato jurídico.
Renda  acréscimo de riqueza que alguém obtém em determinado
período de tempo.
José Arthur Lima Gonçalves  saldo positivo resultante do confronto
entre certas entradas e saídas ao longo de um período de tempo.
Quiroga  acréscimo patrimonial
Estático: ITR; IGF; IPVA e IPTU
Dinâmico: II, IE, IR, IPI, IOF, IT
.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes positivos
à criação do IR?
Princípios gerais da tributação:
- Legalidade (art. 150, I, CR)
- Anterioridade (art. 150, III, “b” e “c”, CR)
- Irretroatividade (art. 150, III, “a”, CR)
- Capacidade contributiva (art. 145, §1º)
- Isonomia (art. 150, I)
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes positivos
à criação do IR?
Princípios especiais do ICMS-Transporte
• Generalidade;
• Universalidade;
• Progressividade.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Princípio da Generalidade
Generalidade  todo o acréscimo patrimonial deve
receber o mesmo tratamento
• Generalidade X seletividade (vedação)
Classificação cédulas e diferentes alíquotas 
inconstitucionalidade
•Carga igual para 2 acréscimos de origem distinta
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Planejamento tributário aula
Planejamento tributário   aulaPlanejamento tributário   aula
Planejamento tributário aula

O documento discute planejamento tributário e elementos relevantes para sua análise, como: 1) Novas determinações da contabilidade e CVM para que a substância econômica prevaleça sobre a forma jurídica; 2) Usurpações de competência por parte das administrações tributárias e oposição do Poder Judiciário; 3) Decisões do CARF que corrigem abusos da fiscalização em matéria de ágio.

Apresentação planejamento tributário faap
Apresentação planejamento tributário faapApresentação planejamento tributário faap
Apresentação planejamento tributário faap

O documento discute conceitos de planejamento tributário lícito e ilícito, como elisão fiscal, evasão fiscal, fraude à lei, negócio jurídico indireto e simulação. Também apresenta casos julgados pelo Conselho de Contribuintes e pela jurisprudência que analisaram operações como incorporação às avessas e debêntures participativas.

Ibdt setembro 2012 - cid es
Ibdt   setembro 2012 - cid esIbdt   setembro 2012 - cid es
Ibdt setembro 2012 - cid es

O documento discute as contrapartidas tributárias pela atuação do Estado no domínio econômico. Apresenta os conceitos de regime jurídico, norma jurídica e contrapartidas pela ação estatal. Também diferencia as competências do Estado no domínio econômico e analisa casos polêmicos de contribuições interventivas.

cidesincidênciatributo
Princípio da Universalidade
CÓDIGO DE 2002
Art. 91 - Constitui universalidade de direito o complexo de
relações jurídicas, de uma pessoa, dotadas de valor econômico.
• Universalidade: deve se considerar a universalidade dos
elementos positivos e negativos que compõem um determinado
patrimônio.
• Universalidade e pessoalidade  conceitos imbricados. O
titular é o elo entre os acréscimos e decréscimo da
universalidade de bens e direitos.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Princípio da Progressividade
-Quanto maior o acréscimo patrimonial decorrente do conjunto
de operações realizadas pelo contribuinte, maior a sua
capacidade contributiva e, portanto, mais oneroso,
progressivamente, o imposto.
-Não há como aplicá-la eficazmente sem o atendimento nos
princípios da generalidade e universalidade.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Quais os condicionantes negativos
à criação do IR?
Imunidades tributárias
a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros;
b) templos de qualquer culto;
c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações,
das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de
assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;
d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão.
§ 3º - As vedações do inciso VI, "a", e do parágrafo anterior não se aplicam ao
patrimônio, à renda e aos serviços, relacionados com exploração de atividades
econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em
que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem
exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao
bem imóvel.
Exemplo: Distribuição de jornais, livros e periódicos
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Disponibilidade econômica ou jurídica
• Doutrina
Econômica  fruto já colhido “cash basis”
Jurídica  fruto pendente “accrual basis”
• Rubens Gomes de Souza
Econômica  produção do rendimento
Jurídica  dinheiro no caixa
• Norma legal juridiciza fato econômico que passa a ser jurídico. Ambos os
frutos pertencem ao titular do patrimônio
• Efeito  renda pode ser tributada desde quando produzida
• Problema de política fiscal — determinar se o imposto deve ser pago
mediante o regime de caixa ou competência
• Ricardo Mariz de Oliveira
Jurídica  fato jurídico
Econômica fatos não jurídicos
Não  origem é irrelevante. O acréscimo é sempre jurídico

Recomendado para você

Ibet planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
Ibet   planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012Ibet   planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
Ibet planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012

O documento discute planejamento tributário no Brasil. Apresenta a evolução do tema no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) com a nova visão de buscar o propósito negocial em vez da estrita legalidade. Também resume alguns julgamentos relevantes sobre operações com ágio, destacando a necessidade de haver propósito negocial real e não apenas a forma jurídica.

Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpalNulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal

O documento discute as nulidades no lançamento tributário, abordando suas principais questões: (1) Apresenta as principais teorias sobre nulidades; (2) Discorre sobre a legislação que trata do tema no Brasil; (3) Explora os elementos fundamentais de uma nulidade, incluindo vício, prejuízo e reconhecimento.

02 09-13 - professora florence haret
02 09-13 - professora florence haret02 09-13 - professora florence haret
02 09-13 - professora florence haret

1) O documento discute questões relacionadas à prova no planejamento tributário, como a responsabilidade da administração em comprovar os elementos do fato tributário versus a licitude das operações realizadas pelos contribuintes. 2) É analisada a linha tênue entre planejamento tributário lícito (elisão fiscal) e simulação/fraude tributária. 3) São apresentados os princípios que regem a interpretação dessas matérias, como legalidade, tipicidade e irretroatividade da lei tributária.

Elementos da hipótese de incidência
 Aspecto Material: Aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica:
• I - de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da
combinação de ambos;
• II - de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos
patrimoniais não compreendidos no inciso anterior.
 Aspecto Temporal: Regime Anual ou Trimestral; eventos de
incorporação, cisão, fusão ou extinção.
 Aspecto Quantitativo: Valor do acréscimo patrimonial.
 Aspecto Espacial: Residentes no Brasil ou rendimentos cuja fonte se
localize no Brasil.
 Sujeito Passivo: Beneficiário da Renda ou Rendimento. Responsáveis.
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
3 regras-matrizes de incidência tributária
IRPJ
Lucro Presumido – opcional para as pessoas jurídicas não
obrigadas à apuração pelo Lucro Real
– sempre trimestral
IRPJ
Lucro Arbitrado – aplicado na presença de certas circunstâncias,
como escrituração imprestável, extravio ou
destruição de documentos.
IRPJ – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Art. 44. A base de cálculo do imposto é o montante real,
arbitrado ou presumido, da renda ou dos proventos
tributáveis.
Art. 45. Contribuinte do imposto é o titular da
disponibilidade a que se refere o artigo 43, sem
prejuízo de atribuir a lei essa condição ao possuidor,
a qualquer título, dos bens produtores de renda ou
dos proventos tributáveis.
Parágrafo único. A lei pode atribuir à fonte pagadora a
condição de responsável pelo imposto cuja retenção
e recolhimento lhe caibam.
Código Tributário Nacional
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Aspectos relevantes em relação ao CTN
– Fato gerador = “aquisição” da disponibilidade jurídica ou
econômica da renda
– Conceitos de disponibilidade “jurídica” e “econômica”
– Renda X “rendimentos”
– Base de cálculo – real, presumida ou arbitrada
– Sujeito passivo – “contribuinte” / “responsável”
Código Tributário Nacional
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Palestra | Planejamento Tributário
Palestra | Planejamento TributárioPalestra | Planejamento Tributário
Palestra | Planejamento Tributário

O documento discute a Medida Provisória 685/2015, que institui a obrigação de declarar operações que resultem em redução de tributos. Apresenta os principais pontos da MP e problemas relacionados à subjetividade, insegurança jurídica e transferência do ônus da fiscalização ao contribuinte. O palestrante também lista 15 problemas da MP, incluindo a ausência de regulamentação e possíveis violações ao Estado Democrático de Direito.

prorelitemp 685planejamento tributário
07 2014 - gestão tributária
07 2014 - gestão tributária07 2014 - gestão tributária
07 2014 - gestão tributária

O documento discute conceitos fundamentais da gestão tributária no Brasil, incluindo: 1) o Estado cobra tributos para custear suas despesas e o ônus deve ser repartido entre todos os cidadãos; 2) tributos são pagamentos compulsórios em moeda instituídos por lei; 3) os princípios da capacidade contributiva e da isonomia tributária ditam que todos devem contribuir de acordo com sua capacidade econômica.

financeirafinançastributária
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama

O documento discute três pontos principais: 1) a jurisprudência do STJ que considera juros de mora como indenização e não tributáveis pelo IR; 2) o julgamento pelo STJ de um leading case sobre a tributação de juros de mora, que está empatado; 3) a proposta de Súmula Vinculante sobre a necessidade de aprovação do Confaz para isenções e benefícios fiscais do ICMS.

Diferentes modalidades de imposto sobre a renda
da pessoa física:
• IRPF mensal – “Carnê-Leão”
• Aplicável para todos aqueles que recebem rendimentos de
pessoas físicas ou do exterior (não sujeitos à tributação na
fonte)
• É adiantamento do imposto devido na declaração de ajuste
anual.
• Recolhimento mensal obrigatório pelo próprio sujeito passivo.
• Autorizadas as deduções previstas na legislação e livro-caixa.
• Autorizada compensação de imposto pago no exterior.
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
• IRRF – Fonte – Antecipação do devido na declaração
• Quaisquer rendimentos pagos por pessoas jurídicas a
pessoas físicas estão sujeitos à incidência do IR na fonte
de acordo com a tabela progressiva – 0, 7,5%, 15%, 22,5%,
27,5%.
(Lei nº 11.945/09)
• Autorizadas as deduções previstas em lei.
• Imposto retido e recolhido pela fonte pagadora dos
rendimentos.
• Adiantamento do devido na declaração de ajuste anual.
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
• IRPF – Anual
• Apurado na “Declaração de Ajuste Anual” no exercício
seguinte ao da apuração da renda.
• Todos os rendimentos recebidos por pessoas físicas
residentes no País, sujeitos ao Carnê-Leão e ao IRRF – Fonte –
Antecipação – 0, 7,5%, 15%, 22,5%, 27,5%.
• Autorizadas as deduções previstas em lei.
• Imposto apurado e recolhido pela pessoa física.
• Ajuste de alíquotas.
• Compensação do IR pago ao longo do ano (Carnê-Leão,
“Mensalão” e IRRF – Fonte – Antecipação).
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
• IRRF – Definitivo – Ganhos de Capital
• Incide sobre os ganhos de capital apurados por pessoas físicas
que sejam residentes fiscais no País.
• Recolhido pela pessoa física, à alíquota de 15%, no mês
seguinte ao da ocorrência do fato gerador.
• Há isenções específicas (alienação de bens de pequeno valor,
alienação do único imóvel no valor de até R$440 mil,
alienação de imóvel para aquisição de outro em 180 dias,
fatores de redução).
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama

Este documento resume uma apresentação sobre a incidência do Imposto de Renda sobre Pessoas Jurídicas (IRPJ) em multas e juros de mora. Apresenta conceitos fundamentais do direito tributário e analisa a legislação e jurisprudência aplicáveis, concluindo que os juros de mora têm natureza indenizatória e portanto não são tributados pelo IRPJ.

Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gamaAula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama

O documento discute a evolução histórica do entendimento do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) sobre planejamento tributário. Apresenta 12 casos julgados pelo CARF que ilustram como sua jurisprudência mudou de uma abordagem baseada na estrita legalidade para uma análise da essência econômica dos negócios jurídicos.

Aula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosAula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principios

O documento discute os princípios tributários constitucionais e características da competência tributária no Brasil. Aborda conceitos como territorialidade, legalidade, isonomia, irretroatividade e anterioridade. Apresenta também exemplos de jurisprudência sobre questões polêmicas relacionadas a esses princípios como limites à tributação fora do território e confisco tributário.

competência e princípiossistema tributário
• IRRF – Exclusivo – Aplicações Financeiras
• Incide sobre os rendimentos de aplicações financeiras
auferidos por pessoas físicas residentes no País.
• Recolhido pela Fonte Pagadora.
• Alíquotas regressivas – aplicações financeiras de renda fixa –
conforme o prazo da aplicação.
• Alíquota única – 15% para aplicações financeiras de renda
variável.
• Não ajustável na declaração de ajuste anual.
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
• IRPF – Carnê-Leão e IRRF- Fonte – Alíquotas
Base de Cálculo (R$) Alíquota(%) ParcelaaDeduzir do IR (R$)
Até1.637,11 - -
De1.637,12 até2.453,50 7,5 122,78
De2.453,51 até3.271,38 15 306,80
De3.271,39 até4.087,65 22,5 552,15
Acima de4.087,65 27,5 756,53
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
IRRF – antecipação e IRPF – Anual - DEDUÇÕES
• Dedução Mensal do Rendimento Tributável
– Contribuição Previdenciária Oficial e Privada
– Despesas escrituradas no Livro Caixa
– Dependentes (valor fixo de R$164,56)
– Pensão Alimentícia
– Proventos e Pensões de Maiores de 65 anos
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
IRRF – antecipação e IRPF – Anual - DEDUÇÕES
• Dedução na Declaração de Rendimentos
– Despesas Médicas
– Despesas com Educação própria (limite de R$ 3.091.35) e
de dependentes (limite de R$ 1.974,72)
– Contribuições aos Fundos de Aposentadoria Programada
Individual – FAPI
– Contribuição patronal ao INSS (empregados domésticos).
IRPF – Legislação Ordinária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributáriaAula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária

Este documento discute conceitos fundamentais do direito tributário brasileiro: 1) Apresenta a estrutura da regra-matriz de incidência tributária e suas partes constituintes: hipótese e conseqüente; 2) Discutem-se os critérios material, temporal e espacial que delimitam a hipótese da regra-matriz; 3) Explica-se a relação entre a hipótese e a base de cálculo do tributo e suas funções na identificação da espécie tributária.

aula ibet
Aula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipvaAula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipva

O documento discute os principais aspectos do IPTU no Brasil. Em 3 frases: 1) O IPTU é um imposto municipal incidente sobre a propriedade predial e territorial urbana que tem como critérios a propriedade, localização na zona urbana e valor venal do imóvel como base de cálculo. 2) O IPTU pode ter alíquotas progressivas em razão do valor do imóvel e diferenciadas de acordo com a localização e uso, cumprindo funções fiscais e extrafiscais. 3) A base de c

Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoItbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração

O documento discute a legitimidade e apuração do ITBI e ITCMD, abordando: 1) A competência dos municípios para instituir o ITBI e os critérios de análise da legitimidade; 2) Os critérios para análise da apuração do ITBI, incluindo o que torna o tributo devido, onde é devido, quem deve pagar e como é calculado.

Diversidade de regras matrizes 
– Sujeito passivo – pessoa física
» Verbo – auferir
» Complemento - renda
– Sujeito passivo – fonte pagadora
» Verbo – pagar
» Complemento - rendimentos
IRPF – Regras-matrizes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Normas em que a pessoa física beneficiária
dos rendimentos é sujeito passivo:
IR – mensal (“Carnê-Leão”)
IR – anual
IR – definitivo (ganhos de capital)
IRPF – Regras-matrizes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Normas em que a fonte pagadora dos rendimentos
é sujeito passivo:
IRRF – antecipação
IRRF – exclusivo
IRPF – Regras-matrizes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
• Técnicas para evitar múltiplas incidências
sobre a mesma base:
– Exclusão da base de cálculo de rendimentos já tributados –
enunciados relativos à base de cálculo;
– Crédito do tributo retido contra o que será devido –
Normas de Crédito.
IRPF – Regras-matrizes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Iptu
IptuIptu
Iptu

O documento discute aspectos do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Em três frases, resume: 1) O IPTU é um imposto municipal incidente sobre a propriedade predial e territorial urbana. 2) O documento explica os critérios de legitimidade e apuração do IPTU, incluindo sobre o que incide, quem pode criá-lo e como é calculado. 3) Também discute questões como imunidades tributárias, condicionantes positivos e negativos para a criação do IPTU e jurisprudência sobre o tema.

Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011

O documento apresenta o programa do semestre para a disciplina de Tributos Federais, descrevendo os principais tributos que serão estudados, a metodologia de ensino, avaliação dos alunos e bibliografia básica.

Aula tf 6 contribuições
Aula tf 6   contribuiçõesAula tf 6   contribuições
Aula tf 6 contribuições

O documento discute os regimes de apuração do PIS e da COFINS, destacando: 1) O regime cumulativo tributa a receita independente da existência de lucro e é a exceção à regra geral do não-cumulativo; 2) O regime não-cumulativo permite abatimento de créditos tributários e varia de acordo com a atividade econômica; 3) Existem receitas excluídas do regime não-cumulativo, como de telecomunicações, transporte aéreo e serviços de educação.

IRPF – regras-matrizes
• Técnicas para evitar que o patrimônio da fonte
pagadora seja tributado:
– Instituição de Norma de Retenção.
IRPF – Regras-matrizes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
CTN – Sujeição passiva
• Substituição Tributária
– Sujeito Passivo – contribuinte ou responsável (art. 121 do
CTN).
– Definição de sujeito passivo – pessoa obrigada a pagar o
tributo
– Contribuinte ou responsável – relação “direta” ou
“indireta” com o fato gerador
CTN – Sujeição passiva
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
CTN – Sujeição Passiva
• Responsabilidade –
– Substituição
– Solidariedade
– Responsabilidade de terceiros
– Sucessão
CTN – Sujeição passiva
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
• Art. 128. Sem prejuízo do disposto neste Capítulo, a lei
pode atribuir de modo expresso a responsabilidade pelo
crédito tributário a terceira pessoa, vinculada ao fato
gerador da respectiva obrigação, excluindo a
responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este
em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da
referida obrigação.
CTN – Substituição Tributária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Aula tft2 1
Aula tft2 1Aula tft2 1
Aula tft2 1

O documento apresenta o programa do semestre para a disciplina de Tributos Federais, descrevendo os principais tributos que serão estudados, a metodologia de ensino, avaliação dos alunos e bibliografia básica.

Aula tft 2.2ppt
Aula tft 2.2pptAula tft 2.2ppt
Aula tft 2.2ppt

O documento discute aspectos do empréstimo compulsório no Brasil, mencionando que: (1) A União pode instituir empréstimos compulsórios em casos de calamidade pública ou investimentos urgentes de interesse nacional; (2) Os empréstimos compulsórios devem ser restituídos com correção monetária e juros; (3) Um exemplo histórico foi o empréstimo compulsório sobre consumo de energia elétrica entre 1964-1994.

Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011

O documento apresenta o programa do semestre para a disciplina de Tributos Federais, descrevendo os principais tributos que serão estudados, a metodologia de ensino, avaliação dos alunos e bibliografia básica recomendada.

Substituição Tributária
• As situações identificadas pela Doutrina como “substituição
tributária”, nada mais são, do ponto de vista normativo, que
regra-matriz de incidência tributária.
• Identifica-se, porém, seu sujeito passivo como substituto,
quando existe outra norma jurídica que autoriza o
ressarcimento, perante outrem, do montante do tributo
recolhido aos cofres públicos.
CTN – Substituição Tributária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Substituição Tributária
• IRRF – hipótese clara de substituição
– Conseqüência – possibilidade de construção de RMIT tendo “pagar
rendimentos” no antecedente
• Norma de Retenção – imprescindível para:
– Garantir a capacidade contributiva específica da fonte pagadora;
– Garantir que o imposto instituído incida sobre renda, e não sobre
patrimônio, ficando respeitada a competência da União para a
instituição do imposto.
CTN – Substituição Tributária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Substituição Tributária - IR
Art. 45. Contribuinte do imposto é o titular da disponibilidade a que se
refere o art. 43, sem prejuízo de a lei atribuir essa condição ao
possuidor, a qualquer título, dos bens produtores de renda ou dos
proventos tributáveis.
Parágrafo único. A lei pode atribuir à fonte pagadora da renda ou dos
proventos tributáveis a condição de responsável ( = substituto) pelo
imposto cuja retenção e recolhimento lhe caibam.
CTN – Substituição Tributária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Substituição Tributária
H pagar rendimentos H Pagar rendimentos
RM
IT
Norma de
Retenção
C obrigação da fonte
pagadora (sujeito passivo)
de pagar à União (sujeito
ativo) o imposto
C Permissão para que a
fonte pagadora (sujeito
ativo) retenha do
beneficiário dos
rendimentos (sujeito
passivo) o montante do
imposto
IR – Substituição Tributária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Aula tf 2
Aula tf 2Aula tf 2
Aula tf 2

O documento discute aspectos do empréstimo compulsório, tributo restituível instituído pela União para situações extraordinárias ou investimentos públicos urgentes. Apresenta um caso prático sobre empréstimo compulsório sobre consumo de energia elétrica entre 1964-1994 e discute questões sobre sua devolução, correção monetária e responsabilidade da União.

Aula tf 4
Aula tf 4Aula tf 4
Aula tf 4

O documento discute tributos federais como empréstimos compulsórios, competência residual da União e imposto extraordinário da União. Resume questões sobre esses tributos em seminários para concursos públicos e discute conceitos como alíquotas progressivas no Imposto sobre Grandes Fortunas.

Aula tf 3
Aula tf 3Aula tf 3
Aula tf 3

O documento descreve as principais características do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no Brasil. O IPI é um imposto federal incidente sobre produtos industrializados, observando os princípios da seletividade e da não-cumulatividade. A alíquota do imposto deve variar de acordo com a essencialidade do produto, sendo menor para itens essenciais e maior para supérfluos.

IRRF / Substituição Tributária
• Conclusão prática:
Há no direito brasileiro grande diversidade de regras-matrizes
de incidência tributária do imposto sobre a renda, umas
prevendo em seus antecedentes as condutas de auferir renda
ou lucro, por pessoas físicas ou jurídicas, outras descrevendo
as condutas de pagar rendimentos, hipóteses em que se
identificará, invariavelmente, a coexistência de norma de
retenção ou ressarcimento.
IRRF – Substituição Tributária
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
RMIT – IRPF mensal
A Cm - Auferir (verbo) renda proveniente do
exterior ou de pessoas físicas (complemento)
Ce – No território brasileiro ou no exterior
(residência fiscal brasileira)
Ct – Último dia de cada mês
RMIT
C Cs - Sp - beneficiário dos rendimentos (pessoa física)
Sa – União Federal
Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções
alíquota – progressiva 0% a 27,5%
RMIT – IRPF mensal
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
RMIT – IRPF anual
A Cm - Auferir (verbo) renda, exceto rendimentos sujeitos a
tributação exclusiva / definitiva (complemento)
Ce – No território brasileiro ou no exterior
(residência fiscal brasileira)
Ct – Último dia de cada ano
RMIT
C Cs - Sp - beneficiário dos rendimentos (pessoa física)
Sa – União Federal
Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções
alíquota – progressiva 0% a 27,5%
RMIT – IRPF anual
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
RMIT – IRPF definitivo
A Cm - Auferir (verbo) ganhos de capital na alienação de
bens (complemento)
Ce – No território brasileiro ou no exterior
(residência fiscal brasileira, ou bem localizado
no Brasil)
Ct – Instante em que é recebido o preço ajustado pela
alienação do bem
RMIT
C Cs - Sp – alienante do bem (pessoa física)
Sa – União Federal
Cq – base de cálculo – ganho de capital (-) reduções
alíquota – 15%
RMIT – IRPF definitivo
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

AULA IR - primeira parte
AULA IR - primeira parteAULA IR - primeira parte
AULA IR - primeira parte

O documento resume os principais aspectos do Imposto de Renda sobre a Pessoa Física e Jurídica no Brasil, incluindo sua base constitucional, critérios de incidência, princípios como generalidade, universalidade e progressividade, e aspectos materiais, temporais e espaciais.

Aula tf 5 contribuições
Aula tf 5   contribuiçõesAula tf 5   contribuições
Aula tf 5 contribuições

O documento discute as principais características das contribuições federais no Brasil, incluindo: 1) Contribuições sociais destinadas a financiar a seguridade social brasileira. 2) Contribuições corporativas pagas para conselhos profissionais. 3) PIS/PASEP e COFINS, cujas receitas financiam programas como o seguro-desemprego e a seguridade social.

Aula tf 7 ii
Aula tf 7   iiAula tf 7   ii
Aula tf 7 ii

O documento discute o Imposto sobre Importação (II) no Brasil. Em suma: (1) O II incide sobre produtos estrangeiros que entram no território nacional e tem como fatos geradores a entrada e o registro da declaração de importação; (2) Sua base de cálculo é o valor aduaneiro e suas alíquotas são definidas na Tarifa Aduaneira; (3) Existem diversos regimes de tributação para as importações, como o regime de ex-tarifário que reduz temporariamente o II para bens de capital e de tecnologia quando não houver produ

RMIT – IRRF antecipação
A Cm - Pagar (verbo) rendimentos a pessoa física
sujeitos a ajuste na declaração anual (complemento)
Ce – No território brasileiro
Ct – Momento do pagamento dos rendimentos
RMIT
C Sp – fonte pagadora (pessoa física ou jurídica)
Sa – União Federal
Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções
alíquota – progressiva 0% a 27,5%
RMIT – IRRF antecipação
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
RMIT – IRRF exclusivo
A Cm - Pagar (verbo) rendimentos a pessoa física
sujeitos a tributação exclusiva na fonte (complemento)
Ce – No território brasileiro
Ct – Momento do pagamento dos rendimentos
RMIT
C Sp – fonte pagadora (pessoa física ou jurídica)
Sa – União Federal
Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções
alíquota – fixa ou variável
RMIT – IRRF exclusivo
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Normas de regulação
• Como evitar que haja bi-tributação dos mesmos rendimentos?
– Exclusão da base de cálculo.
• Como permitir deduções que consideram o período de um ano após
tributações mensais por IRRF e IRPF?
– Ajuste na declaração com crédito do imposto pago
• Como evitar que evitar que o patrimônio da fonte pagadora seja
tributado, em lugar dos rendimentos pagos ao beneficiário?
– Norma de retenção.
Normas de regulamentação
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
Norma da Retenção
A Cm - Pagar (verbo) rendimentos a pessoa física
tributáveis na fonte – exclusivamente ou por antecipação
(complemento)
Ce – No território brasileiro
Ct – Momento do pagamento dos rendimentos
RMIT
C Sp – fonte pagadora (pessoa física ou jurídica)
Sa – União Federal
Objeto da relação jurídica – permitido reter do
beneficiário o montante a se recolhido a título de IRRF
Norma de retenção
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Prescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRFPrescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRF

1) O documento discute os conceitos de decadência e prescrição em matéria tributária, definindo decadência como a perda do direito material e prescrição como a perda do direito de ação. 2) São estabelecidas quatro regras para a decadência do direito do Fisco em constituir o crédito tributário, variando de acordo com fatores como o tipo de lançamento e a ocorrência de anulação de lançamento anterior. 3) Vícios formais no lançamento, como ausência de fundamentação legal, caracterizam n

IOF
IOFIOF
IOF

O documento discute a legitimidade e a apuração do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio, Seguro ou sobre Operações relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) em 3 frases: 1) A legitimidade do IOF é analisada por meio da competência tributária, enquanto a apuração é analisada pela Regra de Incidência e Momento de Tributação (RMIT). 2) O documento lista critérios para analisar a legitimidade e apuração do IOF e discute sobre quem pode

RMIT Aplicada
RMIT AplicadaRMIT Aplicada
RMIT Aplicada

O documento discute a Regra Matriz de Incidência Tributária (RMIT) como uma forma de entender o Direito Tributário de maneira sistemática. A RMIT reúne os elementos do fato gerador da obrigação tributária e os elementos da relação jurídica tributária que se instaura com a ocorrência do fato gerador. A RMIT possui uma hipótese, contendo critérios material, espacial e temporal, e um consequente, contendo critérios subjetivo e quantitativo.

Norma do Crédito
A Cm - Sofrer retenção, sobre rendimentos recebidos, para
fins de recolhimento do IRF-Antecipação pela fonte
pagadora, e/ou pagar IR-Mensal.
Ce – No território brasileiro
Ct – Momento do recebimento dos rendimentos
RMIT
C Sa – pessoa física que sofrer retenção de IRRF ou pagar
IRPF mensal
Sp – União Federal
Objeto da relação jurídica – O beneficiário dos
rendimentos terá direito, contra a União, de compensar
com o IR-Anual devido, o respectivo montante
Norma do crédito
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
IRRF – questões relevantes
• Obrigação Tributária versus Dever Instrumental – a fonte
pagadora é obrigada a recolher o imposto, ainda que não o
tenha retido
• Consonância com o conceito de tributo do artigo 3• do CTN
• Compatibilidade entre a incidência na fonte do imposto sobre
a renda e as imunidades
IRRF – Questões relevantes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
IRRF – questões relevantes
• Conseqüências da não-retenção do montante do
IRRF pela fonte pagadora:
– Norma do reajustamento da base de cálculo do imposto
(gross up);
– Presunção de retenção, pelo beneficiário dos
rendimentos.
IRRF – Questões relevantes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
IRRF – questões relevantes
• Responsabilização pelo inadimplemento da
obrigação tributária cometida à fonte pagadora:
– Obrigações tributárias distintas;
– Ausência de solidariedade ou subsidiariedade;
– Oponibilidade ao Fisco, pela fonte, do pagamento
realizado pelo beneficiário.
IRRF – Questões relevantes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Recomendado para você

Regra matriz de incidência aplicada
Regra matriz de incidência aplicadaRegra matriz de incidência aplicada
Regra matriz de incidência aplicada

O documento discute a Regra Matriz de Incidência Tributária (RMIT) e seus elementos constituintes. A RMIT é apresentada como uma forma de compreender a relação entre o fato gerador e a base de cálculo do tributo. São descritos os elementos da hipótese (critérios material, espacial e temporal) e do consequente (critérios subjetivo e quantitativo) da RMIT. Exemplos de aplicação da RMIT são fornecidos para diferentes tributos, como ITR, IOF, II, IE e IR.

regra matriz de incidênciadireito
Icms – aspectos gerais fundo branco
Icms – aspectos gerais   fundo brancoIcms – aspectos gerais   fundo branco
Icms – aspectos gerais fundo branco

O documento discute aspectos gerais do ICMS, como: 1) Quem pode criar o ICMS - Competência exclusiva dos Estados e do Distrito Federal de acordo com a Constituição Federal; 2) Como o ICMS deve ser criado - Deve obedecer às leis complementares e regulamentos estaduais que disciplinam o tributo; 3) Sobre o que pode incidir o ICMS - Pode incidir sobre circulação de mercadorias e serviços de transporte e comunicação.

Regra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicadaRegra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicada

O documento discute conceitos fundamentais do direito tributário, como a regra matriz de incidência tributária (RMIT) e seus elementos. A RMIT é apresentada como forma de superar a dualidade entre fato gerador e base de cálculo, reunindo todos os elementos da hipótese e do consequente da obrigação tributária. São também explicados os critérios que compõem a hipótese e o consequente, assim como exemplos de RMIT para diferentes impostos federais.

tácio lacerda gama
IRRF – questões relevantes
– Posição da SRF – Parecer Normativo nº 01/2002 –
“a responsabilidade da fonte vai somente até o
momento em que o beneficiário fica obrigado a
incluir os valores em sua declaração”;
– Responsabilidade em caso de ação judicial
intentada pelo beneficiário dos rendimentos, ao
final julgada improcedente.
IRRF – Questões relevantes
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
IRRF – Aferição de Validade
• Incidência com Norma de Crédito (Antecipação) X Incidência
sem Norma de Crédito (Exclusiva).
– Capacidade Contributiva
– Progressividade
– Generalidade
– Universalidade
• Limitação às deduções da base de cálculo do IRPF
IRRF – Aferição de validade
Tacio Lacerda Gama
www.parasaber.com.br/taciolacerdagama

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

P lanejamento tributário ibet.2013
P lanejamento tributário   ibet.2013P lanejamento tributário   ibet.2013
P lanejamento tributário ibet.2013
Tacio Lacerda Gama
 
Planejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedoresPlanejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedores
Marcelino Fernandes
 
Categorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributárioCategorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributário
luciapaoliello
 
Epd cide - abril 2012
Epd   cide - abril 2012Epd   cide - abril 2012
Epd cide - abril 2012
Tacio Lacerda Gama
 
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Betânia Costa
 
Planejamento Tributário
Planejamento TributárioPlanejamento Tributário
Planejamento Tributário
Cláudio Colnago
 
A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário
Betânia Costa
 
Ibet planejamento tributário - 2013
Ibet  planejamento tributário - 2013Ibet  planejamento tributário - 2013
Ibet planejamento tributário - 2013
Fernanda Moreira
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
Michelle Moraes
 
Ibet VIII substância econômica sobre a forma jurídica
Ibet VIII   substância econômica sobre a forma jurídicaIbet VIII   substância econômica sobre a forma jurídica
Ibet VIII substância econômica sobre a forma jurídica
Tacio Lacerda Gama
 
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Tathiane Piscitelli
 
63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg
Kamilla Borges
 
Planejamento tributário aula
Planejamento tributário   aulaPlanejamento tributário   aula
Planejamento tributário aula
luciapaoliello
 
Apresentação planejamento tributário faap
Apresentação planejamento tributário faapApresentação planejamento tributário faap
Apresentação planejamento tributário faap
Tacio Lacerda Gama
 
Ibdt setembro 2012 - cid es
Ibdt   setembro 2012 - cid esIbdt   setembro 2012 - cid es
Ibdt setembro 2012 - cid es
Tacio Lacerda Gama
 
Ibet planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
Ibet   planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012Ibet   planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
Ibet planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
Fernanda Moreira
 
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpalNulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
Tacio Lacerda Gama
 
02 09-13 - professora florence haret
02 09-13 - professora florence haret02 09-13 - professora florence haret
02 09-13 - professora florence haret
Fernanda Moreira
 
Palestra | Planejamento Tributário
Palestra | Planejamento TributárioPalestra | Planejamento Tributário
Palestra | Planejamento Tributário
Pactum Consultoria Empresarial
 
07 2014 - gestão tributária
07 2014 - gestão tributária07 2014 - gestão tributária
07 2014 - gestão tributária
Milton Henrique do Couto Neto
 

Mais procurados (20)

P lanejamento tributário ibet.2013
P lanejamento tributário   ibet.2013P lanejamento tributário   ibet.2013
P lanejamento tributário ibet.2013
 
Planejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedoresPlanejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedores
 
Categorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributárioCategorias fundamentais do planejamento tributário
Categorias fundamentais do planejamento tributário
 
Epd cide - abril 2012
Epd   cide - abril 2012Epd   cide - abril 2012
Epd cide - abril 2012
 
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
Planejamento Tributário - Categorias Fundamentais
 
Planejamento Tributário
Planejamento TributárioPlanejamento Tributário
Planejamento Tributário
 
A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário
 
Ibet planejamento tributário - 2013
Ibet  planejamento tributário - 2013Ibet  planejamento tributário - 2013
Ibet planejamento tributário - 2013
 
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIOPLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
PLANEJ. CONTABIL TRIBUTARIO
 
Ibet VIII substância econômica sobre a forma jurídica
Ibet VIII   substância econômica sobre a forma jurídicaIbet VIII   substância econômica sobre a forma jurídica
Ibet VIII substância econômica sobre a forma jurídica
 
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
 
63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg
 
Planejamento tributário aula
Planejamento tributário   aulaPlanejamento tributário   aula
Planejamento tributário aula
 
Apresentação planejamento tributário faap
Apresentação planejamento tributário faapApresentação planejamento tributário faap
Apresentação planejamento tributário faap
 
Ibdt setembro 2012 - cid es
Ibdt   setembro 2012 - cid esIbdt   setembro 2012 - cid es
Ibdt setembro 2012 - cid es
 
Ibet planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
Ibet   planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012Ibet   planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
Ibet planejamento tributário - são paulo - outubro de 2012
 
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpalNulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
 
02 09-13 - professora florence haret
02 09-13 - professora florence haret02 09-13 - professora florence haret
02 09-13 - professora florence haret
 
Palestra | Planejamento Tributário
Palestra | Planejamento TributárioPalestra | Planejamento Tributário
Palestra | Planejamento Tributário
 
07 2014 - gestão tributária
07 2014 - gestão tributária07 2014 - gestão tributária
07 2014 - gestão tributária
 

Destaque

Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Tacio Lacerda Gama
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
luciapaoliello
 
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gamaAula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
Fernanda Moreira
 
Aula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosAula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principios
ACCDias
 
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributáriaAula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
ACCDias
 
Aula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipvaAula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipva
ssclaudia2014
 
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoItbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Tacio Lacerda Gama
 
Iptu
IptuIptu
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Fernandinhaparisi
 
Aula tf 6 contribuições
Aula tf 6   contribuiçõesAula tf 6   contribuições
Aula tf 6 contribuições
Fernandinhaparisi
 
Aula tft2 1
Aula tft2 1Aula tft2 1
Aula tft2 1
Fernandinhaparisi
 
Aula tft 2.2ppt
Aula tft 2.2pptAula tft 2.2ppt
Aula tft 2.2ppt
Fernandinhaparisi
 
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Fernandinhaparisi
 
Aula tf 2
Aula tf 2Aula tf 2
Aula tf 4
Aula tf 4Aula tf 4
Aula tf 3
Aula tf 3Aula tf 3
AULA IR - primeira parte
AULA IR - primeira parteAULA IR - primeira parte
AULA IR - primeira parte
Fernandinhaparisi
 
Aula tf 5 contribuições
Aula tf 5   contribuiçõesAula tf 5   contribuições
Aula tf 5 contribuições
Fernandinhaparisi
 
Aula tf 7 ii
Aula tf 7   iiAula tf 7   ii
Aula tf 7 ii
Fernandinhaparisi
 
Prescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRFPrescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRF
Jean Simei
 

Destaque (20)

Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
 
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gamaAula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
Aula dia 25 08-14 - dr. tácio lacerda gama
 
Aula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principiosAula3 sistema tributario_e_principios
Aula3 sistema tributario_e_principios
 
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributáriaAula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
Aula1 obrigaçãotributáriaesujeiçãopassivatributária
 
Aula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipvaAula iptu itr e ipva
Aula iptu itr e ipva
 
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoItbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
 
Iptu
IptuIptu
Iptu
 
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
 
Aula tf 6 contribuições
Aula tf 6   contribuiçõesAula tf 6   contribuições
Aula tf 6 contribuições
 
Aula tft2 1
Aula tft2 1Aula tft2 1
Aula tft2 1
 
Aula tft 2.2ppt
Aula tft 2.2pptAula tft 2.2ppt
Aula tft 2.2ppt
 
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
Aula introdutória - tributos federais 2º sem 2011
 
Aula tf 2
Aula tf 2Aula tf 2
Aula tf 2
 
Aula tf 4
Aula tf 4Aula tf 4
Aula tf 4
 
Aula tf 3
Aula tf 3Aula tf 3
Aula tf 3
 
AULA IR - primeira parte
AULA IR - primeira parteAULA IR - primeira parte
AULA IR - primeira parte
 
Aula tf 5 contribuições
Aula tf 5   contribuiçõesAula tf 5   contribuições
Aula tf 5 contribuições
 
Aula tf 7 ii
Aula tf 7   iiAula tf 7   ii
Aula tf 7 ii
 
Prescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRFPrescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRF
 

Semelhante a Ir e proventos de qualquer natureza

IOF
IOFIOF
RMIT Aplicada
RMIT AplicadaRMIT Aplicada
RMIT Aplicada
Eduardo Cardoso
 
Regra matriz de incidência aplicada
Regra matriz de incidência aplicadaRegra matriz de incidência aplicada
Regra matriz de incidência aplicada
LacerdaGama
 
Icms – aspectos gerais fundo branco
Icms – aspectos gerais   fundo brancoIcms – aspectos gerais   fundo branco
Icms – aspectos gerais fundo branco
luciapaoliello
 
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicadaRegra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Betânia Costa
 
Fazesp rmit aplicada 15 08
Fazesp  rmit aplicada 15 08Fazesp  rmit aplicada 15 08
Fazesp rmit aplicada 15 08
Tacio Lacerda Gama
 
110730 aula tacio_gv_law - icms
110730 aula tacio_gv_law - icms110730 aula tacio_gv_law - icms
110730 aula tacio_gv_law - icms
Tacio Lacerda Gama
 
Rmit iss
Rmit   issRmit   iss
Rmit iss
luciapaoliello
 
Puc irpj
Puc   irpjPuc   irpj
Puc irpj
luciapaoliello
 
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gamaAula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Fernanda Moreira
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
luciapaoliello
 
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gamaAula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Fernanda Moreira
 
Icms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscalIcms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscal
luciapaoliello
 
Epd cide - abril 2012
Epd   cide - abril 2012Epd   cide - abril 2012
Epd cide - abril 2012
Tacio Lacerda Gama
 
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
Fernanda Moreira
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
Fernanda Moreira
 
Icms
IcmsIcms
Iptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmdIptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmd
Jean Simei
 
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo iiAula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Fernanda Moreira
 
Princípio da Anterioridade
Princípio da AnterioridadePrincípio da Anterioridade
Princípio da Anterioridade
luciapaoliello
 

Semelhante a Ir e proventos de qualquer natureza (20)

IOF
IOFIOF
IOF
 
RMIT Aplicada
RMIT AplicadaRMIT Aplicada
RMIT Aplicada
 
Regra matriz de incidência aplicada
Regra matriz de incidência aplicadaRegra matriz de incidência aplicada
Regra matriz de incidência aplicada
 
Icms – aspectos gerais fundo branco
Icms – aspectos gerais   fundo brancoIcms – aspectos gerais   fundo branco
Icms – aspectos gerais fundo branco
 
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicadaRegra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicada
 
Fazesp rmit aplicada 15 08
Fazesp  rmit aplicada 15 08Fazesp  rmit aplicada 15 08
Fazesp rmit aplicada 15 08
 
110730 aula tacio_gv_law - icms
110730 aula tacio_gv_law - icms110730 aula tacio_gv_law - icms
110730 aula tacio_gv_law - icms
 
Rmit iss
Rmit   issRmit   iss
Rmit iss
 
Puc irpj
Puc   irpjPuc   irpj
Puc irpj
 
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gamaAula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
 
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gamaAula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
Aula do dia 26 08 - dr. tácio lacerda gama
 
Icms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscalIcms + guerra fiscal
Icms + guerra fiscal
 
Epd cide - abril 2012
Epd   cide - abril 2012Epd   cide - abril 2012
Epd cide - abril 2012
 
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
 
Icms
IcmsIcms
Icms
 
Iptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmdIptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmd
 
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo iiAula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
 
Princípio da Anterioridade
Princípio da AnterioridadePrincípio da Anterioridade
Princípio da Anterioridade
 

Mais de Jean Simei

Puc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributáriaPuc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributária
Jean Simei
 
Puc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributáriaPuc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributária
Jean Simei
 
Epd 30 06
Epd 30 06Epd 30 06
Epd 30 06
Jean Simei
 
20120616 icms-serviços-sorocaba (1)
20120616 icms-serviços-sorocaba (1)20120616 icms-serviços-sorocaba (1)
20120616 icms-serviços-sorocaba (1)
Jean Simei
 
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Jean Simei
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
Jean Simei
 
Apresentação caso iii 18.10.11
Apresentação caso iii 18.10.11Apresentação caso iii 18.10.11
Apresentação caso iii 18.10.11
Jean Simei
 
Tributário apresentação icms 18102011 ii
Tributário apresentação icms 18102011 iiTributário apresentação icms 18102011 ii
Tributário apresentação icms 18102011 ii
Jean Simei
 
Caso 7 (sala 242)
Caso 7 (sala 242)Caso 7 (sala 242)
Caso 7 (sala 242)
Jean Simei
 
Apresentaç o tributário
Apresentaç o tributárioApresentaç o tributário
Apresentaç o tributário
Jean Simei
 
Caso 2
Caso 2Caso 2
Caso 2
Jean Simei
 
Trib caso 1
Trib caso 1Trib caso 1
Trib caso 1
Jean Simei
 
Apresentação caso 6 (sala242)
Apresentação   caso 6 (sala242)Apresentação   caso 6 (sala242)
Apresentação caso 6 (sala242)
Jean Simei
 
Caso4 apresentação (sala 242)
Caso4 apresentação (sala 242)Caso4 apresentação (sala 242)
Caso4 apresentação (sala 242)
Jean Simei
 
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Jean Simei
 
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Jean Simei
 
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Jean Simei
 
Processo administrativo cogeae 06.2011
Processo administrativo cogeae 06.2011Processo administrativo cogeae 06.2011
Processo administrativo cogeae 06.2011
Jean Simei
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean Simei
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean Simei
 

Mais de Jean Simei (20)

Puc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributáriaPuc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributária
 
Puc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributáriaPuc sujeição passiva tributária
Puc sujeição passiva tributária
 
Epd 30 06
Epd 30 06Epd 30 06
Epd 30 06
 
20120616 icms-serviços-sorocaba (1)
20120616 icms-serviços-sorocaba (1)20120616 icms-serviços-sorocaba (1)
20120616 icms-serviços-sorocaba (1)
 
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Apresentação caso iii 18.10.11
Apresentação caso iii 18.10.11Apresentação caso iii 18.10.11
Apresentação caso iii 18.10.11
 
Tributário apresentação icms 18102011 ii
Tributário apresentação icms 18102011 iiTributário apresentação icms 18102011 ii
Tributário apresentação icms 18102011 ii
 
Caso 7 (sala 242)
Caso 7 (sala 242)Caso 7 (sala 242)
Caso 7 (sala 242)
 
Apresentaç o tributário
Apresentaç o tributárioApresentaç o tributário
Apresentaç o tributário
 
Caso 2
Caso 2Caso 2
Caso 2
 
Trib caso 1
Trib caso 1Trib caso 1
Trib caso 1
 
Apresentação caso 6 (sala242)
Apresentação   caso 6 (sala242)Apresentação   caso 6 (sala242)
Apresentação caso 6 (sala242)
 
Caso4 apresentação (sala 242)
Caso4 apresentação (sala 242)Caso4 apresentação (sala 242)
Caso4 apresentação (sala 242)
 
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
Icms-transporte e comunicação (aula Tácio Lacerda Gama)
 
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
Ipva (aula Tácio Lacerda Gama)
 
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
Iptu (aula Tácio Lacerda Gama)
 
Processo administrativo cogeae 06.2011
Processo administrativo cogeae 06.2011Processo administrativo cogeae 06.2011
Processo administrativo cogeae 06.2011
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
 
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)Jean simei   imunidade e isenção (são bernardo)
Jean simei imunidade e isenção (são bernardo)
 

Ir e proventos de qualquer natureza

  • 1. Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza Tácio Lacerda Gama Professor da graduação e pós-graduação da PUC-SP, onde obteve os títulos de doutor e mestre em direito, Sócio do Barros Carvalho Advogados Associados
  • 2. Formas de Estudar Direito Tributário Legitimidade (Competência) Versus Apuração (RMIT) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 3. Legitimidade dos Tributos Feita pela análise da Competência Tributária C = E . M [Sc . P(p1.p2.p3...) . E . T] → [S (Sa.Sp) . M(s.e.t.c)] Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 4. Critérios de análise da Legitimidade do IR 1) Quem pode criar? 2) Como deve ser criado? 3) Onde deve ser criado? 4) Quando deve ser criado? 5) Sobre o que pode incidir? 6) Quais os condicionantes positivos? 7) Quais os condicionantes negativos? 8) Quais são as regras gerais? Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 5. Apuração do IR Feita pela análise da RMIT Hip [Cm(v.c). Ce. Ct]. Cons [Cs(Sa.Sp).Cq (bc.al)] Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 6. Critérios de análise da apuração do IR 1 – Que torna o tributo devido? 2 – Onde o tributo se torna devido? 3 – Quando ele se torna devido? 4 – Quem deve pagar? 5 – Quem deve receber? 6 – Como se calcula o que deve ser pago? Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 7. Quem pode criar o ICMS-Transporte? Enunciado Constitucional Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: III – renda e proventos de qualquer natureza; §2º O imposto previsto no inciso III: I – será informado pelos critérios da generalidade, da universalidade e da progressividade, na forma da lei; Efeitos imediatos  Conteúdos semânticos mínimos de renda e proventos;  Ganhos econômicos gerados pela capital, trabalho ou pela combinação de ambos.  Generalidade, universalidade e progressividade como corolários do Princípio de Capacidade Contributiva.  Deve abranger a totalidade das pessoas que obtenham acréscimo patrimonial, decorrente do conjunto de suas atividades e operações, as quais não podem ser discriminadas, sob pena de maltratar o princípio da isonomia Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 8. Como o IR deve ser criado? Diplomas fundamentais do IPTU Constituição Federal de 1988 Regulamentos federais (Decreto 3000/99) Leis Federais ( Lei 9430/96) Código Tributário Nacional Portarias, Resoluções, Instruções Normativas, etc. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 9. Onde e quando o IR pode ser criado? No local em que é exercida a sua competência. A qualquer momento, respeitado o regime jurídico tributário vigente. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 10. Sobre o que pode incidir o IR? Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama CTN Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica: I – de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos; II – de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no inciso anterior. §1º A incidência do imposto independe da denominação da receita ou do rendimento, da localização, condição jurídica ou nacionalidade da fonte, da origem e da forma de percepção. §2º Na hipótese de receita ou de rendimento oriundos do exterior, a lei estabelecerá as condições e o momento em que se dará sua disponibilidade, para fins de incidência do imposto referido neste artigo.
  • 11. Conceitos de renda e proventos Renda → aquisição de disponibilidade econômica ou jurídica da renda derivada do capital ou trabalho ou combinação de ambos. Provento → forma específica de rendimento tributável, tecnicamente compreendida como o que é fruto não da realização imediata e simultânea de um patrimônio, mas, sim, do acréscimo patrimonial resultante de uma atividade que já cessou, e que ainda produz rendimentos, como os benefícios de origem previdenciária, pensões, aposentadorias. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 12. Conceito jurídico de renda – andaimes constitucionais 14. Nos estudos teóricos (...), sustentei a conclusão de que ‘renda’ (na acepção fiscal do termo) é a soma algébrica de todos os rendimentos tributáveis e de todas as despesas dedutíveis, respectivamente realizados e incorridas no espaço de tempo fixado pela lei, para a sua apuração periódica (o ‘ano base’). Em outras palavras, ‘renda’ é, para efeitos fiscais, o acréscimo patrimonial líquido verificado entre duas datas predeterminadas. Nesta última frase, a palavra chave é ‘acréscimo’: com efeito, a característica fundamental da renda (termo genérico que, como vimos, inclui a espécie ‘lucro’) é a de configurar uma aquisição de riqueza nova que vem aumentar o patrimônio que a produziu e que pode ser consumida ou reinvestida sem o reduzir.” (SOUSA, Rubens Gomes de. Pareceres 1: Imposto de Renda. Ed. Póstuma. São Paulo: Resenha Tributária, 1975, p. 66/67.) . Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 13. Conceito pressuposto de renda Rendimento  aquisição de um novo direito subjetivo patrimonial, que se realiza em certo instante e que decorre de um determinado fato jurídico. Renda  acréscimo de riqueza que alguém obtém em determinado período de tempo. José Arthur Lima Gonçalves  saldo positivo resultante do confronto entre certas entradas e saídas ao longo de um período de tempo. Quiroga  acréscimo patrimonial Estático: ITR; IGF; IPVA e IPTU Dinâmico: II, IE, IR, IPI, IOF, IT . Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 14. Quais os condicionantes positivos à criação do IR? Princípios gerais da tributação: - Legalidade (art. 150, I, CR) - Anterioridade (art. 150, III, “b” e “c”, CR) - Irretroatividade (art. 150, III, “a”, CR) - Capacidade contributiva (art. 145, §1º) - Isonomia (art. 150, I) Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 15. Quais os condicionantes positivos à criação do IR? Princípios especiais do ICMS-Transporte • Generalidade; • Universalidade; • Progressividade. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 16. Princípio da Generalidade Generalidade  todo o acréscimo patrimonial deve receber o mesmo tratamento • Generalidade X seletividade (vedação) Classificação cédulas e diferentes alíquotas  inconstitucionalidade •Carga igual para 2 acréscimos de origem distinta Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 17. Princípio da Universalidade CÓDIGO DE 2002 Art. 91 - Constitui universalidade de direito o complexo de relações jurídicas, de uma pessoa, dotadas de valor econômico. • Universalidade: deve se considerar a universalidade dos elementos positivos e negativos que compõem um determinado patrimônio. • Universalidade e pessoalidade  conceitos imbricados. O titular é o elo entre os acréscimos e decréscimo da universalidade de bens e direitos. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 18. Princípio da Progressividade -Quanto maior o acréscimo patrimonial decorrente do conjunto de operações realizadas pelo contribuinte, maior a sua capacidade contributiva e, portanto, mais oneroso, progressivamente, o imposto. -Não há como aplicá-la eficazmente sem o atendimento nos princípios da generalidade e universalidade. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 19. Quais os condicionantes negativos à criação do IR? Imunidades tributárias a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros; b) templos de qualquer culto; c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei; d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão. § 3º - As vedações do inciso VI, "a", e do parágrafo anterior não se aplicam ao patrimônio, à renda e aos serviços, relacionados com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao bem imóvel. Exemplo: Distribuição de jornais, livros e periódicos Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 20. Disponibilidade econômica ou jurídica • Doutrina Econômica  fruto já colhido “cash basis” Jurídica  fruto pendente “accrual basis” • Rubens Gomes de Souza Econômica  produção do rendimento Jurídica  dinheiro no caixa • Norma legal juridiciza fato econômico que passa a ser jurídico. Ambos os frutos pertencem ao titular do patrimônio • Efeito  renda pode ser tributada desde quando produzida • Problema de política fiscal — determinar se o imposto deve ser pago mediante o regime de caixa ou competência • Ricardo Mariz de Oliveira Jurídica  fato jurídico Econômica fatos não jurídicos Não  origem é irrelevante. O acréscimo é sempre jurídico
  • 21. Elementos da hipótese de incidência  Aspecto Material: Aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica: • I - de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos; • II - de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no inciso anterior.  Aspecto Temporal: Regime Anual ou Trimestral; eventos de incorporação, cisão, fusão ou extinção.  Aspecto Quantitativo: Valor do acréscimo patrimonial.  Aspecto Espacial: Residentes no Brasil ou rendimentos cuja fonte se localize no Brasil.  Sujeito Passivo: Beneficiário da Renda ou Rendimento. Responsáveis. Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 22. 3 regras-matrizes de incidência tributária IRPJ Lucro Presumido – opcional para as pessoas jurídicas não obrigadas à apuração pelo Lucro Real – sempre trimestral IRPJ Lucro Arbitrado – aplicado na presença de certas circunstâncias, como escrituração imprestável, extravio ou destruição de documentos. IRPJ – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 23. Art. 44. A base de cálculo do imposto é o montante real, arbitrado ou presumido, da renda ou dos proventos tributáveis. Art. 45. Contribuinte do imposto é o titular da disponibilidade a que se refere o artigo 43, sem prejuízo de atribuir a lei essa condição ao possuidor, a qualquer título, dos bens produtores de renda ou dos proventos tributáveis. Parágrafo único. A lei pode atribuir à fonte pagadora a condição de responsável pelo imposto cuja retenção e recolhimento lhe caibam. Código Tributário Nacional Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 24. Aspectos relevantes em relação ao CTN – Fato gerador = “aquisição” da disponibilidade jurídica ou econômica da renda – Conceitos de disponibilidade “jurídica” e “econômica” – Renda X “rendimentos” – Base de cálculo – real, presumida ou arbitrada – Sujeito passivo – “contribuinte” / “responsável” Código Tributário Nacional Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 25. Diferentes modalidades de imposto sobre a renda da pessoa física: • IRPF mensal – “Carnê-Leão” • Aplicável para todos aqueles que recebem rendimentos de pessoas físicas ou do exterior (não sujeitos à tributação na fonte) • É adiantamento do imposto devido na declaração de ajuste anual. • Recolhimento mensal obrigatório pelo próprio sujeito passivo. • Autorizadas as deduções previstas na legislação e livro-caixa. • Autorizada compensação de imposto pago no exterior. IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 26. • IRRF – Fonte – Antecipação do devido na declaração • Quaisquer rendimentos pagos por pessoas jurídicas a pessoas físicas estão sujeitos à incidência do IR na fonte de acordo com a tabela progressiva – 0, 7,5%, 15%, 22,5%, 27,5%. (Lei nº 11.945/09) • Autorizadas as deduções previstas em lei. • Imposto retido e recolhido pela fonte pagadora dos rendimentos. • Adiantamento do devido na declaração de ajuste anual. IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 27. • IRPF – Anual • Apurado na “Declaração de Ajuste Anual” no exercício seguinte ao da apuração da renda. • Todos os rendimentos recebidos por pessoas físicas residentes no País, sujeitos ao Carnê-Leão e ao IRRF – Fonte – Antecipação – 0, 7,5%, 15%, 22,5%, 27,5%. • Autorizadas as deduções previstas em lei. • Imposto apurado e recolhido pela pessoa física. • Ajuste de alíquotas. • Compensação do IR pago ao longo do ano (Carnê-Leão, “Mensalão” e IRRF – Fonte – Antecipação). IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 28. • IRRF – Definitivo – Ganhos de Capital • Incide sobre os ganhos de capital apurados por pessoas físicas que sejam residentes fiscais no País. • Recolhido pela pessoa física, à alíquota de 15%, no mês seguinte ao da ocorrência do fato gerador. • Há isenções específicas (alienação de bens de pequeno valor, alienação do único imóvel no valor de até R$440 mil, alienação de imóvel para aquisição de outro em 180 dias, fatores de redução). IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 29. • IRRF – Exclusivo – Aplicações Financeiras • Incide sobre os rendimentos de aplicações financeiras auferidos por pessoas físicas residentes no País. • Recolhido pela Fonte Pagadora. • Alíquotas regressivas – aplicações financeiras de renda fixa – conforme o prazo da aplicação. • Alíquota única – 15% para aplicações financeiras de renda variável. • Não ajustável na declaração de ajuste anual. IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 30. • IRPF – Carnê-Leão e IRRF- Fonte – Alíquotas Base de Cálculo (R$) Alíquota(%) ParcelaaDeduzir do IR (R$) Até1.637,11 - - De1.637,12 até2.453,50 7,5 122,78 De2.453,51 até3.271,38 15 306,80 De3.271,39 até4.087,65 22,5 552,15 Acima de4.087,65 27,5 756,53 IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 31. IRRF – antecipação e IRPF – Anual - DEDUÇÕES • Dedução Mensal do Rendimento Tributável – Contribuição Previdenciária Oficial e Privada – Despesas escrituradas no Livro Caixa – Dependentes (valor fixo de R$164,56) – Pensão Alimentícia – Proventos e Pensões de Maiores de 65 anos IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 32. IRRF – antecipação e IRPF – Anual - DEDUÇÕES • Dedução na Declaração de Rendimentos – Despesas Médicas – Despesas com Educação própria (limite de R$ 3.091.35) e de dependentes (limite de R$ 1.974,72) – Contribuições aos Fundos de Aposentadoria Programada Individual – FAPI – Contribuição patronal ao INSS (empregados domésticos). IRPF – Legislação Ordinária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 33. Diversidade de regras matrizes  – Sujeito passivo – pessoa física » Verbo – auferir » Complemento - renda – Sujeito passivo – fonte pagadora » Verbo – pagar » Complemento - rendimentos IRPF – Regras-matrizes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 34. Normas em que a pessoa física beneficiária dos rendimentos é sujeito passivo: IR – mensal (“Carnê-Leão”) IR – anual IR – definitivo (ganhos de capital) IRPF – Regras-matrizes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 35. Normas em que a fonte pagadora dos rendimentos é sujeito passivo: IRRF – antecipação IRRF – exclusivo IRPF – Regras-matrizes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 36. • Técnicas para evitar múltiplas incidências sobre a mesma base: – Exclusão da base de cálculo de rendimentos já tributados – enunciados relativos à base de cálculo; – Crédito do tributo retido contra o que será devido – Normas de Crédito. IRPF – Regras-matrizes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 37. IRPF – regras-matrizes • Técnicas para evitar que o patrimônio da fonte pagadora seja tributado: – Instituição de Norma de Retenção. IRPF – Regras-matrizes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 38. CTN – Sujeição passiva • Substituição Tributária – Sujeito Passivo – contribuinte ou responsável (art. 121 do CTN). – Definição de sujeito passivo – pessoa obrigada a pagar o tributo – Contribuinte ou responsável – relação “direta” ou “indireta” com o fato gerador CTN – Sujeição passiva Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 39. CTN – Sujeição Passiva • Responsabilidade – – Substituição – Solidariedade – Responsabilidade de terceiros – Sucessão CTN – Sujeição passiva Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 40. • Art. 128. Sem prejuízo do disposto neste Capítulo, a lei pode atribuir de modo expresso a responsabilidade pelo crédito tributário a terceira pessoa, vinculada ao fato gerador da respectiva obrigação, excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da referida obrigação. CTN – Substituição Tributária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 41. Substituição Tributária • As situações identificadas pela Doutrina como “substituição tributária”, nada mais são, do ponto de vista normativo, que regra-matriz de incidência tributária. • Identifica-se, porém, seu sujeito passivo como substituto, quando existe outra norma jurídica que autoriza o ressarcimento, perante outrem, do montante do tributo recolhido aos cofres públicos. CTN – Substituição Tributária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 42. Substituição Tributária • IRRF – hipótese clara de substituição – Conseqüência – possibilidade de construção de RMIT tendo “pagar rendimentos” no antecedente • Norma de Retenção – imprescindível para: – Garantir a capacidade contributiva específica da fonte pagadora; – Garantir que o imposto instituído incida sobre renda, e não sobre patrimônio, ficando respeitada a competência da União para a instituição do imposto. CTN – Substituição Tributária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 43. Substituição Tributária - IR Art. 45. Contribuinte do imposto é o titular da disponibilidade a que se refere o art. 43, sem prejuízo de a lei atribuir essa condição ao possuidor, a qualquer título, dos bens produtores de renda ou dos proventos tributáveis. Parágrafo único. A lei pode atribuir à fonte pagadora da renda ou dos proventos tributáveis a condição de responsável ( = substituto) pelo imposto cuja retenção e recolhimento lhe caibam. CTN – Substituição Tributária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 44. Substituição Tributária H pagar rendimentos H Pagar rendimentos RM IT Norma de Retenção C obrigação da fonte pagadora (sujeito passivo) de pagar à União (sujeito ativo) o imposto C Permissão para que a fonte pagadora (sujeito ativo) retenha do beneficiário dos rendimentos (sujeito passivo) o montante do imposto IR – Substituição Tributária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 45. IRRF / Substituição Tributária • Conclusão prática: Há no direito brasileiro grande diversidade de regras-matrizes de incidência tributária do imposto sobre a renda, umas prevendo em seus antecedentes as condutas de auferir renda ou lucro, por pessoas físicas ou jurídicas, outras descrevendo as condutas de pagar rendimentos, hipóteses em que se identificará, invariavelmente, a coexistência de norma de retenção ou ressarcimento. IRRF – Substituição Tributária Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 46. RMIT – IRPF mensal A Cm - Auferir (verbo) renda proveniente do exterior ou de pessoas físicas (complemento) Ce – No território brasileiro ou no exterior (residência fiscal brasileira) Ct – Último dia de cada mês RMIT C Cs - Sp - beneficiário dos rendimentos (pessoa física) Sa – União Federal Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções alíquota – progressiva 0% a 27,5% RMIT – IRPF mensal Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 47. RMIT – IRPF anual A Cm - Auferir (verbo) renda, exceto rendimentos sujeitos a tributação exclusiva / definitiva (complemento) Ce – No território brasileiro ou no exterior (residência fiscal brasileira) Ct – Último dia de cada ano RMIT C Cs - Sp - beneficiário dos rendimentos (pessoa física) Sa – União Federal Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções alíquota – progressiva 0% a 27,5% RMIT – IRPF anual Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 48. RMIT – IRPF definitivo A Cm - Auferir (verbo) ganhos de capital na alienação de bens (complemento) Ce – No território brasileiro ou no exterior (residência fiscal brasileira, ou bem localizado no Brasil) Ct – Instante em que é recebido o preço ajustado pela alienação do bem RMIT C Cs - Sp – alienante do bem (pessoa física) Sa – União Federal Cq – base de cálculo – ganho de capital (-) reduções alíquota – 15% RMIT – IRPF definitivo Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 49. RMIT – IRRF antecipação A Cm - Pagar (verbo) rendimentos a pessoa física sujeitos a ajuste na declaração anual (complemento) Ce – No território brasileiro Ct – Momento do pagamento dos rendimentos RMIT C Sp – fonte pagadora (pessoa física ou jurídica) Sa – União Federal Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções alíquota – progressiva 0% a 27,5% RMIT – IRRF antecipação Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 50. RMIT – IRRF exclusivo A Cm - Pagar (verbo) rendimentos a pessoa física sujeitos a tributação exclusiva na fonte (complemento) Ce – No território brasileiro Ct – Momento do pagamento dos rendimentos RMIT C Sp – fonte pagadora (pessoa física ou jurídica) Sa – União Federal Cq – base de cálculo – rendimentos (-) deduções alíquota – fixa ou variável RMIT – IRRF exclusivo Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 51. Normas de regulação • Como evitar que haja bi-tributação dos mesmos rendimentos? – Exclusão da base de cálculo. • Como permitir deduções que consideram o período de um ano após tributações mensais por IRRF e IRPF? – Ajuste na declaração com crédito do imposto pago • Como evitar que evitar que o patrimônio da fonte pagadora seja tributado, em lugar dos rendimentos pagos ao beneficiário? – Norma de retenção. Normas de regulamentação Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 52. Norma da Retenção A Cm - Pagar (verbo) rendimentos a pessoa física tributáveis na fonte – exclusivamente ou por antecipação (complemento) Ce – No território brasileiro Ct – Momento do pagamento dos rendimentos RMIT C Sp – fonte pagadora (pessoa física ou jurídica) Sa – União Federal Objeto da relação jurídica – permitido reter do beneficiário o montante a se recolhido a título de IRRF Norma de retenção Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 53. Norma do Crédito A Cm - Sofrer retenção, sobre rendimentos recebidos, para fins de recolhimento do IRF-Antecipação pela fonte pagadora, e/ou pagar IR-Mensal. Ce – No território brasileiro Ct – Momento do recebimento dos rendimentos RMIT C Sa – pessoa física que sofrer retenção de IRRF ou pagar IRPF mensal Sp – União Federal Objeto da relação jurídica – O beneficiário dos rendimentos terá direito, contra a União, de compensar com o IR-Anual devido, o respectivo montante Norma do crédito Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 54. IRRF – questões relevantes • Obrigação Tributária versus Dever Instrumental – a fonte pagadora é obrigada a recolher o imposto, ainda que não o tenha retido • Consonância com o conceito de tributo do artigo 3• do CTN • Compatibilidade entre a incidência na fonte do imposto sobre a renda e as imunidades IRRF – Questões relevantes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 55. IRRF – questões relevantes • Conseqüências da não-retenção do montante do IRRF pela fonte pagadora: – Norma do reajustamento da base de cálculo do imposto (gross up); – Presunção de retenção, pelo beneficiário dos rendimentos. IRRF – Questões relevantes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 56. IRRF – questões relevantes • Responsabilização pelo inadimplemento da obrigação tributária cometida à fonte pagadora: – Obrigações tributárias distintas; – Ausência de solidariedade ou subsidiariedade; – Oponibilidade ao Fisco, pela fonte, do pagamento realizado pelo beneficiário. IRRF – Questões relevantes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 57. IRRF – questões relevantes – Posição da SRF – Parecer Normativo nº 01/2002 – “a responsabilidade da fonte vai somente até o momento em que o beneficiário fica obrigado a incluir os valores em sua declaração”; – Responsabilidade em caso de ação judicial intentada pelo beneficiário dos rendimentos, ao final julgada improcedente. IRRF – Questões relevantes Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama
  • 58. IRRF – Aferição de Validade • Incidência com Norma de Crédito (Antecipação) X Incidência sem Norma de Crédito (Exclusiva). – Capacidade Contributiva – Progressividade – Generalidade – Universalidade • Limitação às deduções da base de cálculo do IRPF IRRF – Aferição de validade Tacio Lacerda Gama www.parasaber.com.br/taciolacerdagama