SlideShare uma empresa Scribd logo
HUMANISMO

• “Valorização do ser humano” .


• “Einstein foi um grande humanista”

• “Gandhi defendeu valores humanistas”
• Cultura que floresceu na Europa
  na passagem da Idade Média
       para o Renascimento
Um Período de
                      Transição
Contexto Histórico
Aperfeiçoamento da imprensa - graças a ela impulsiona-se o saber
 Inicia-se o mercantilismo “Europa” – Impulsionando a expansão marítima
A burguesia se desenvolve e expande
 Na Itália - características da cultura Greco-romana são reavivadas
 Teocentrismo X Antropocentrismo
 Ascensão do Absolutismo
 A ciência ganha espaço
Decadência do sistema Feudal


• As guerras pelo controle de terras
• A fome
• As epidemias
• O surgimento da Burguesia (Renascimento comercial)
• Feudalismo  Mercantilismo
• Êxodo rural  Surgimento de cidades portuárias
• A economia de subsistência  Atividades comerciais
Origens do pensamento
                        Humanista
Trata-se de um movimento intelectual italiano - final do séc. XIII e
                                            irradiou por quase toda a Europa


Intelectuais gregos, refugiaram-se na Itália, difundem
uma nova visão de mundo (mais antropocêntrica) de
encontro à visão teocêntrica medieval (1453).

Caracteriza-se por uma nova visão do homem em relação
a Deus e a si mesmo.
Razão: a nova realidade social e econômica da época.
Razão

    Teocentrismo x Antropocentrismo
Na LITERATURA recupera-se os ideais clássicos e na ARTE os seus
modelos – fontes de inspiração ricas e valorizadas.
A renovação da LITERATURA, das ARTES e da CIÊNCIA – recebeu o
nome de RENASCENTISMO.

                      Francesco Petrarca (Arezzo, 20 de14 Versos
                            Inventor - SONETO - Poema Julho de
                      1304 - Arquà Petrarca, 19 de Julho de 1374)
                      Pai Inspirou a filosofia humanista que levou à
                           do humanismo
                                          Renascença.
                          Petrarca acreditava no valor prático e na
                       moral dos estudos da História e da Literatura
                                             antigas
                                              Isto é:
                              O estudo do pensamento e da ação
                                           humanas.
1   A nomeação de Fernão    O retorno de Francisco Sá de         1
4   Lopes a cronista-mor    Miranda da Itália, quando            5
3   da Torre do Tombo,      introduziu uma nova estética, o      2
4   em 1434 .               Classicismo, em 1527.                7

Marco cronológico
                           Um movimento cultural a par
                           do estudo e da imitação dos
                           clássicos.
                           Fez do homem o objeto
                           do conhecimento, reivindicando
                           para ele uma posição de importância
                           no contexto do universo, sem,
                           contudo, negar o valor supremo
                           de Deus.
Um período
                                    sincrético
Trata-se da transição entre a literatura TROVADORESCA (oral) e o
RENASCIMENTO - séc. XVI (classicismo). Conviviam entre si o velho e o
novo conviviam entre si.


               Características do Renascimento

          Antropocentrismo                             Hendoísmo

     Otimismo                              Universalidade

             racionalismo                           Espírito crítico
A produção         Poética dos nobres
                   Historiográfica de Fernão Lopes
                   Atividade teatral de Gil Vicente

             Historiografia Portuguesa: Fernão Lopes
             • União do literário e do histórico.
             • Crônica histórica.
             • Imparcialidade na visão dos acontecimentos.
             • Interesse pelo lado humano dos acontecimentos que
             determinaram a história critica o rei e os nobres em seus
             textos.
             • Causas econômicas e psicológicas do processo
             histórico.
             • Estilo coloquial.
             • Retrato psicológico dos personagens.
Fernão Lopez
Prosa               Registravam a vida dos personagens e
    Crônicas          acontecimentos históricos.
  
Cronistas - encarregados de organizar documentos/narrativas sobre a
história de Portugal cronologicamente. Verificar a autenticidade dos fatos
históricos, suas causas ou conseqüências, até então nunca feitos.

                                Função de transmitir ensinamentos sobre
     Prosa doutrinária
                                práticas diárias e a vida.

 A prosa doutrinária no sentido de orientar o fidalgo no convívio social e no
 adestramento físico para a guerra (escrita por monarcas).
 O culto do esporte, principalmente o da caça, ocupava o primeiro lugar
 nessa pedagogia pragmática.
Relatos dos feitos heróicos de um
    Novelas de cavalaria
                          cavaleiro.




Poesia
    As formas fixas do Trovadorismo foram abandodaas,
    Perdeu-se o acompanhamento musical (Poesia recitada),
    Adquiri um ritmo próprio,
    Passou a ser apresentada em reuniões e e festas da corte,
    Seu principal ambiente - palácio ou castelo, "Poesia Palaciana".
Poesia
 Estrutura            Predomínio - redondilhas
                      5 sílabas (redondilha menor), ou
 formal               7 sílabas (redondilha maior)

                      Satíricas = os temas principais eram a vida na
 TEMAS                corte e as conseqüências indesejáveis da
                      expansão ultramarina.
                      De sofrimento = coita; súplica triste e
                      Apaixonada. (Nota-se como as características
                      trovadorescas ainda permanecem)

                      As poesias desse período foram reunidas, em
                      1516, por Garcia de Resende; " encontramos
O cancioneiro geral   286 poetas (dentre eles, o próprio Garcia de
                      Resende) com mais de mil composições.
Teatro Português de Gil Vicente
       Encenações de caráter RELIGIOSO e PROFANO



            Mistério                          Arremedo

Religioso                        Profano
            Milagre                          Pantomima


            Moralidade                         Farsa
Teatro
Gil Vicente – fundador do teatro português, atuou
na Corte de 1502 até 1537, seu trabalho
 documenta as transformações pelas quais o país
Passou.
Principais obras:
- A Farsa de Inês Pereira;
-O Auto da Lusitânia;
- O auto da barca do inferno, e
- outros.




                                                    Gil Vicente
Características do Teatro Vicentino
             Seu teatro tem caráter popular e se utiliza de
             Temas da idade média. foi homem de
             coragem, que não hesitou em denunciar com
             lucidez, mordacidade e sentido de humor os
             abusos, hipocrisias e incoerências que estavam
             a sua volta. Suas personagens não apresentam
             características particularizadas, ao contrário,
             são generalizações, estereótipos, que
             representam toda categoria profissional ou
             uma classe social (personagens-tipo)
             (povoam suas peças as alcoviteiras, os fidalgos,
             os frades, os judeus, os médicos charlatões).
A produção teatral de Gil Vicente divide-se em três fases:

          - Primeira Fase – marcada pelos traços medievais e pela influência
          espanhola de Juan del Encina. São desta fase: O Monólogo do
          Vaqueiro, o Auto Pastoril Castelhano, o Auto dos Reis Magos, entre
          outros.
          - Segunda Fase – aparecem a sátira dos costumes e a forte crítica
          social. São desta fase: Quem tem farelos?, O Velho da Horta, o Auto
          da Índia e a Exortação da Guerra.
          - Terceira Fase – aprofundamento da crítica social através da
          tragicomédia alegórica, da variedade temática e lingüística, é o
          período da maturidade expressiva. São desta fase: A Trilogia das
          Barcas(Auto da Barca do Inferno; Auto da Barca da Glória, Auto da
          Barca do purgatório), a Farsa de Inês Pereira, o Auto da Lusitânia.
F ragmento do Auto da B                arca
              do Inferno
Diabo: [...] entrai! Eu tangerei! Frade: Ah corpo de Deus consagrado!
Frade: Por minha lá tenho eu             Pela fé de Jesu Cristo
e sempre a tive de meu.                  que eu nom posso entender isto!
Diabo: Fezestes bem que é fermosa.       Eu hei de ser condenado?!
e não vos punham lá grosa                Um Padre tão namorado
no vosso convento santo?                 e tanto dado a virtude!
Frade: E eles fazem outro tanto!...      Assi Deus me dê saúde
Diabo: Que cousa tão preciosa!           que eu estou maravilhado!
Entrai Padre reverendo!                  Diabo: Nom cureis de mais detença!
Frade: Para onde levais gente?           Embarcai e partiremos.
Diabo: Para aquele fogo ardente          Tomareis um par de remos.
que nom temeste vivendo.                 Frade: Nom ficou isso na avença.
Frade: Juro a Deus que nom te entendo!   Diabo: Pois dada está já a sentença
E este hábito nom me val?
Diabo: Gentil Padre mundanal,
a Berzebu vos encomendo!
Gil Vicente
vivo
   A obra de Gil Vicente permanece viva ao
   longo dos séculos. Em 1955 Ariano
   Suassuna dramaturgo, romancista e poeta
   brasileiro, escreve a peça o Auto da
   compadecida , em forma de auto, em três
   atos. Baseado na Obra de Gil Vicente.
O AUTO DA COMPADECIDA
COM Matheus Nachtergaele
O PAGADOR DE PROMESSAS (1960)
(Dias Gomes) – 1/10 títulos - Vest. 2010
Sinopse – Zé-do-Burro, homem simples, fez uma
  promessa à Sta. Bárbara, curar seu burro. Nicolau fica
  bom e Zé tenta cumprir a promessa (levar uma enorme
  cruz ao altar da Igreja de Sta. Bárbara no dia da santa.
  Chegando lá, Zé e sua mulher, Rosa, encontram-na
  fechada. A partir daí, os interesses locais se voltam
  para o pequeno caso, e cada segmento social da cidade
  quer tomar partido da situação da forma que puder.

Dias Gomes desenvolve uma severa crítica aos rígidos
  princípios de setores da Igreja e da sociedade que
  julgam e condenam desconhecendo as raízes históricas
  e sociais dos próprios cultos.
TAREFAS
• Livro – leitura – p. 94 a 101
• Livro – exercícios – p. 98 e 102

• Atividades extras:
  - Assistir : “O auto da compadecida”
  - Ler        : “O pagador de Promessas” (Dias Gomes)
Glossário

• Antropocentrismo - é uma concepção que
  considera que a humanidade deve permanecer
  no centro do entendimento dos humanos, isto é
  o universo deve ser avaliado de acordo com a
  sua relação com o Homem.
Humanismo
Glossário
• Burguesia é uma classe social que surgiu na Europa
  na Idade Média (séculos XI e XII) com o renascimento
  comercial e urbano. Dedicava-se ao comércio de
  mercadorias e prestação de serviços (
  atividades financeiras).

• Cruzada - movimentos militares, de caráter
  parcialmente cristão, que partiram da
  Europa Ocidental e cujo objetivo era colocar a
  Terra Santa (Palestina - Jerusalém sob a soberania
  dos cristãos. Estes movimentos estenderam-se entre
  os séculos XI e XIII, época em que a Palestina estava
  sob controle dos turcos muçulmanos . Os povos
  locais viam estas peregrinações armadas como
Glossário

• Conquista de Ceuta, cidade islâmica no
  Norte d'África , por tropas portuguesas sob o
  comando de João I de Portugal, deu-se a
  22 de Agosto de 1415.
• As causas e origens da conquista de Ceuta não
  são hoje suficientemente claras: uma das
  razões, a Causa Bélica, teria sido a
  oportunidade dos infantes (D. Duarte,
  D. Pedro e D. Henrique) serem armados
  cavaleiros por um feito de guerra.
Glossário

• Dinastia - uma sucessão de soberanos,
  pertencentes à mesma família, por diversas
  gerações. A Dinastia de Avis foi a segunda
  dinastia a reinar em Portugal. Teve início no
  final da crise de 1383-1385 , quando o
  Mestre da Ordem de Avis, D. João, filho natural
  de el-rei D. Pedro I, foi aclamado Rei nas
  Cortes de Coimbra.
Glossário
• Feudalismo - um modo de organização social
  e político baseado nas relações servo-
  contratuais (servis). Tem suas origens na
  decadência do Império Romano E predominou
  na Europa durante a Idade Média.
• Os senhores feudais conseguiam as terras
  porque o rei dava-as para eles. Os camponeses
  cuidavam da agropecuária dos feudos e, em
  troca, recebiam o direito a um pedaço de terra
  para morar, além da proteção contra ataques
  bárbaros .
Glossário
•    Fidalgo ( filho-de-algo), passa então a designar a camada social
    não titulada que tinha o estatuto de nobre hereditário , juntamente
    com os titulares , os senhores de terras, com jurisdição. Porém é
    necessário compreender que este fidalgo genérico, não titulado,
    subentende "de linhagem" na coloquialidade.
•   A fidalguia, na Monarquia Portuguesa, constituía uma categoria
    social e jurídica própria. Depois de D. Afonso V, todos os reis
    criaram categorias formais de fidalgos, inscritos nos livros reais em
    três categorias diversas na sua importância, fidalgos esses que
    integravam indiscutivelmente a nobreza hereditária do reino.
•   Aos novos fidalgos, não de linhagem nem de solar, chegados à
    fidalguia por mercê do soberano, era dado um pouco
    depreciativamente pelos seus pares o nome de fidalgos do
    Livro .
Glossário
• Período Sincrético - Na história das religiões, o
  sincretismo é uma fusão de concepções ... Categoria:
  Religiões sincréticas, conceitos religiosos ...

• Teocentrismo (do grego θεóς, theos, "Deus"; e
  κέντρον, kentron, "centro") é a teoria segundo a qual
  Deus é o centro do universo, tudo foi criado por Ele e
  por Ele é dirigido. Opõe-se ao Antropocentrismo e ao
  Humanismo. Pensamento que dominou a Idade Média,
  sendo depois sucedido pelo pensamento
  antropocêntrico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
Jose Arnaldo Silva
 
1.1 humanismo
1.1   humanismo1.1   humanismo
1.1 humanismo
Ivana Mayrink
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
Colégio Santa Luzia
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Bruna Wagner
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Ana Paula Brisolar
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
ISJ
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Ajudar Pessoas
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
O barroco
O barrocoO barroco
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
guesta61019
 
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNTTrabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Camila Roberta Silva
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
1.1 humanismo
1.1   humanismo1.1   humanismo
1.1 humanismo
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNTTrabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 

Destaque

Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
MatheusLeandro2012
 
Humanismo
Humanismo Humanismo
Humanismo
suellenromere
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Marta Morais
 
1762147 635006084031252500
1762147 6350060840312525001762147 635006084031252500
1762147 635006084031252500
Sergio Cardoso
 
Análise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do infernoAnálise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do inferno
ma.no.el.ne.ves
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
713773
 
Um pouco de Teoria do Currículo
Um pouco de Teoria do CurrículoUm pouco de Teoria do Currículo
Um pouco de Teoria do Currículo
Maria Cristina Bortolozo
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
Elizabeth Lima
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
Claudia Lazarini
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
angeldenis21
 
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do InfernoEstudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Flavio Maia Custodio
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
poxalivs
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
TataVaz TataVaz
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
Elaine Bogo Pavani
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
Scriba Digital
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
Paulo Alexandre
 
Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
Andrea Dressler
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
Renascimento e Humanismo
Renascimento e HumanismoRenascimento e Humanismo
Renascimento e Humanismo
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Lucas pk'
 

Destaque (20)

Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
 
Humanismo
Humanismo Humanismo
Humanismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
1762147 635006084031252500
1762147 6350060840312525001762147 635006084031252500
1762147 635006084031252500
 
Análise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do infernoAnálise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do inferno
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 
Um pouco de Teoria do Currículo
Um pouco de Teoria do CurrículoUm pouco de Teoria do Currículo
Um pouco de Teoria do Currículo
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
 
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do InfernoEstudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Renascimento e Humanismo
Renascimento e HumanismoRenascimento e Humanismo
Renascimento e Humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

Semelhante a Humanismo

Lit humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
Lit  humanismo-renasc-classicismo português - profª kattyLit  humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
Lit humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
Katty Rasga
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
whybells
 
Literatura aula 02 - humanismo
Literatura   aula 02 - humanismoLiteratura   aula 02 - humanismo
Literatura aula 02 - humanismo
mfmpafatima
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Priscila Pettine
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Priscila Pettine
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
Jonatas Carlos
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
Humanismo 160313223949
Humanismo 160313223949Humanismo 160313223949
Humanismo 160313223949
raissacalandrine
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Douglas Maga
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Kelwin Souza
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
BiiancaAlvees
 
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente   HumanismoC:\Fakepath\Gil Vicente   Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
Eneida da Rosa
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
Kátia Silva da Costa
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Fernanda Soares
 

Semelhante a Humanismo (20)

Lit humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
Lit  humanismo-renasc-classicismo português - profª kattyLit  humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
Lit humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
 
Literatura aula 02 - humanismo
Literatura   aula 02 - humanismoLiteratura   aula 02 - humanismo
Literatura aula 02 - humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
Humanismo 160313223949
Humanismo 160313223949Humanismo 160313223949
Humanismo 160313223949
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
Escola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruzEscola estadual professor joão cruz
Escola estadual professor joão cruz
 
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente   HumanismoC:\Fakepath\Gil Vicente   Humanismo
C:\Fakepath\Gil Vicente Humanismo
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
 

Mais de Claudia Lazarini

O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
Claudia Lazarini
 
O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
Claudia Lazarini
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
Claudia Lazarini
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
Claudia Lazarini
 
Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
Claudia Lazarini
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
Claudia Lazarini
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
Claudia Lazarini
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
Claudia Lazarini
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Claudia Lazarini
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Claudia Lazarini
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
Claudia Lazarini
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Claudia Lazarini
 
1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
Claudia Lazarini
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
Claudia Lazarini
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
Claudia Lazarini
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
Claudia Lazarini
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
Claudia Lazarini
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
Claudia Lazarini
 

Mais de Claudia Lazarini (19)

O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
 
O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
 
Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
 
1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Humanismo

  • 1. HUMANISMO • “Valorização do ser humano” . • “Einstein foi um grande humanista” • “Gandhi defendeu valores humanistas”
  • 2. • Cultura que floresceu na Europa na passagem da Idade Média para o Renascimento
  • 3. Um Período de Transição Contexto Histórico Aperfeiçoamento da imprensa - graças a ela impulsiona-se o saber  Inicia-se o mercantilismo “Europa” – Impulsionando a expansão marítima A burguesia se desenvolve e expande  Na Itália - características da cultura Greco-romana são reavivadas  Teocentrismo X Antropocentrismo  Ascensão do Absolutismo  A ciência ganha espaço
  • 4. Decadência do sistema Feudal • As guerras pelo controle de terras • A fome • As epidemias • O surgimento da Burguesia (Renascimento comercial) • Feudalismo  Mercantilismo • Êxodo rural  Surgimento de cidades portuárias • A economia de subsistência  Atividades comerciais
  • 5. Origens do pensamento Humanista Trata-se de um movimento intelectual italiano - final do séc. XIII e irradiou por quase toda a Europa Intelectuais gregos, refugiaram-se na Itália, difundem uma nova visão de mundo (mais antropocêntrica) de encontro à visão teocêntrica medieval (1453). Caracteriza-se por uma nova visão do homem em relação a Deus e a si mesmo. Razão: a nova realidade social e econômica da época. Razão Teocentrismo x Antropocentrismo
  • 6. Na LITERATURA recupera-se os ideais clássicos e na ARTE os seus modelos – fontes de inspiração ricas e valorizadas. A renovação da LITERATURA, das ARTES e da CIÊNCIA – recebeu o nome de RENASCENTISMO. Francesco Petrarca (Arezzo, 20 de14 Versos Inventor - SONETO - Poema Julho de 1304 - Arquà Petrarca, 19 de Julho de 1374) Pai Inspirou a filosofia humanista que levou à do humanismo Renascença. Petrarca acreditava no valor prático e na moral dos estudos da História e da Literatura antigas Isto é: O estudo do pensamento e da ação humanas.
  • 7. 1 A nomeação de Fernão O retorno de Francisco Sá de 1 4 Lopes a cronista-mor Miranda da Itália, quando 5 3 da Torre do Tombo, introduziu uma nova estética, o 2 4 em 1434 . Classicismo, em 1527. 7 Marco cronológico Um movimento cultural a par do estudo e da imitação dos clássicos. Fez do homem o objeto do conhecimento, reivindicando para ele uma posição de importância no contexto do universo, sem, contudo, negar o valor supremo de Deus.
  • 8. Um período sincrético Trata-se da transição entre a literatura TROVADORESCA (oral) e o RENASCIMENTO - séc. XVI (classicismo). Conviviam entre si o velho e o novo conviviam entre si. Características do Renascimento Antropocentrismo Hendoísmo Otimismo Universalidade racionalismo Espírito crítico
  • 9. A produção Poética dos nobres Historiográfica de Fernão Lopes Atividade teatral de Gil Vicente Historiografia Portuguesa: Fernão Lopes • União do literário e do histórico. • Crônica histórica. • Imparcialidade na visão dos acontecimentos. • Interesse pelo lado humano dos acontecimentos que determinaram a história critica o rei e os nobres em seus textos. • Causas econômicas e psicológicas do processo histórico. • Estilo coloquial. • Retrato psicológico dos personagens. Fernão Lopez
  • 10. Prosa Registravam a vida dos personagens e Crônicas acontecimentos históricos.  Cronistas - encarregados de organizar documentos/narrativas sobre a história de Portugal cronologicamente. Verificar a autenticidade dos fatos históricos, suas causas ou conseqüências, até então nunca feitos. Função de transmitir ensinamentos sobre  Prosa doutrinária práticas diárias e a vida. A prosa doutrinária no sentido de orientar o fidalgo no convívio social e no adestramento físico para a guerra (escrita por monarcas). O culto do esporte, principalmente o da caça, ocupava o primeiro lugar nessa pedagogia pragmática.
  • 11. Relatos dos feitos heróicos de um Novelas de cavalaria  cavaleiro. Poesia As formas fixas do Trovadorismo foram abandodaas, Perdeu-se o acompanhamento musical (Poesia recitada), Adquiri um ritmo próprio, Passou a ser apresentada em reuniões e e festas da corte, Seu principal ambiente - palácio ou castelo, "Poesia Palaciana".
  • 12. Poesia Estrutura Predomínio - redondilhas 5 sílabas (redondilha menor), ou formal 7 sílabas (redondilha maior) Satíricas = os temas principais eram a vida na TEMAS corte e as conseqüências indesejáveis da expansão ultramarina. De sofrimento = coita; súplica triste e Apaixonada. (Nota-se como as características trovadorescas ainda permanecem) As poesias desse período foram reunidas, em 1516, por Garcia de Resende; " encontramos O cancioneiro geral 286 poetas (dentre eles, o próprio Garcia de Resende) com mais de mil composições.
  • 13. Teatro Português de Gil Vicente Encenações de caráter RELIGIOSO e PROFANO Mistério Arremedo Religioso Profano Milagre Pantomima Moralidade Farsa
  • 14. Teatro Gil Vicente – fundador do teatro português, atuou na Corte de 1502 até 1537, seu trabalho documenta as transformações pelas quais o país Passou. Principais obras: - A Farsa de Inês Pereira; -O Auto da Lusitânia; - O auto da barca do inferno, e - outros. Gil Vicente
  • 15. Características do Teatro Vicentino Seu teatro tem caráter popular e se utiliza de Temas da idade média. foi homem de coragem, que não hesitou em denunciar com lucidez, mordacidade e sentido de humor os abusos, hipocrisias e incoerências que estavam a sua volta. Suas personagens não apresentam características particularizadas, ao contrário, são generalizações, estereótipos, que representam toda categoria profissional ou uma classe social (personagens-tipo) (povoam suas peças as alcoviteiras, os fidalgos, os frades, os judeus, os médicos charlatões).
  • 16. A produção teatral de Gil Vicente divide-se em três fases: - Primeira Fase – marcada pelos traços medievais e pela influência espanhola de Juan del Encina. São desta fase: O Monólogo do Vaqueiro, o Auto Pastoril Castelhano, o Auto dos Reis Magos, entre outros. - Segunda Fase – aparecem a sátira dos costumes e a forte crítica social. São desta fase: Quem tem farelos?, O Velho da Horta, o Auto da Índia e a Exortação da Guerra. - Terceira Fase – aprofundamento da crítica social através da tragicomédia alegórica, da variedade temática e lingüística, é o período da maturidade expressiva. São desta fase: A Trilogia das Barcas(Auto da Barca do Inferno; Auto da Barca da Glória, Auto da Barca do purgatório), a Farsa de Inês Pereira, o Auto da Lusitânia.
  • 17. F ragmento do Auto da B arca do Inferno Diabo: [...] entrai! Eu tangerei! Frade: Ah corpo de Deus consagrado! Frade: Por minha lá tenho eu Pela fé de Jesu Cristo e sempre a tive de meu. que eu nom posso entender isto! Diabo: Fezestes bem que é fermosa. Eu hei de ser condenado?! e não vos punham lá grosa Um Padre tão namorado no vosso convento santo? e tanto dado a virtude! Frade: E eles fazem outro tanto!... Assi Deus me dê saúde Diabo: Que cousa tão preciosa! que eu estou maravilhado! Entrai Padre reverendo! Diabo: Nom cureis de mais detença! Frade: Para onde levais gente? Embarcai e partiremos. Diabo: Para aquele fogo ardente Tomareis um par de remos. que nom temeste vivendo. Frade: Nom ficou isso na avença. Frade: Juro a Deus que nom te entendo! Diabo: Pois dada está já a sentença E este hábito nom me val? Diabo: Gentil Padre mundanal, a Berzebu vos encomendo!
  • 18. Gil Vicente vivo A obra de Gil Vicente permanece viva ao longo dos séculos. Em 1955 Ariano Suassuna dramaturgo, romancista e poeta brasileiro, escreve a peça o Auto da compadecida , em forma de auto, em três atos. Baseado na Obra de Gil Vicente.
  • 19. O AUTO DA COMPADECIDA COM Matheus Nachtergaele
  • 20. O PAGADOR DE PROMESSAS (1960) (Dias Gomes) – 1/10 títulos - Vest. 2010 Sinopse – Zé-do-Burro, homem simples, fez uma promessa à Sta. Bárbara, curar seu burro. Nicolau fica bom e Zé tenta cumprir a promessa (levar uma enorme cruz ao altar da Igreja de Sta. Bárbara no dia da santa. Chegando lá, Zé e sua mulher, Rosa, encontram-na fechada. A partir daí, os interesses locais se voltam para o pequeno caso, e cada segmento social da cidade quer tomar partido da situação da forma que puder. Dias Gomes desenvolve uma severa crítica aos rígidos princípios de setores da Igreja e da sociedade que julgam e condenam desconhecendo as raízes históricas e sociais dos próprios cultos.
  • 21. TAREFAS • Livro – leitura – p. 94 a 101 • Livro – exercícios – p. 98 e 102 • Atividades extras: - Assistir : “O auto da compadecida” - Ler : “O pagador de Promessas” (Dias Gomes)
  • 22. Glossário • Antropocentrismo - é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do entendimento dos humanos, isto é o universo deve ser avaliado de acordo com a sua relação com o Homem.
  • 24. Glossário • Burguesia é uma classe social que surgiu na Europa na Idade Média (séculos XI e XII) com o renascimento comercial e urbano. Dedicava-se ao comércio de mercadorias e prestação de serviços ( atividades financeiras). • Cruzada - movimentos militares, de caráter parcialmente cristão, que partiram da Europa Ocidental e cujo objetivo era colocar a Terra Santa (Palestina - Jerusalém sob a soberania dos cristãos. Estes movimentos estenderam-se entre os séculos XI e XIII, época em que a Palestina estava sob controle dos turcos muçulmanos . Os povos locais viam estas peregrinações armadas como
  • 25. Glossário • Conquista de Ceuta, cidade islâmica no Norte d'África , por tropas portuguesas sob o comando de João I de Portugal, deu-se a 22 de Agosto de 1415. • As causas e origens da conquista de Ceuta não são hoje suficientemente claras: uma das razões, a Causa Bélica, teria sido a oportunidade dos infantes (D. Duarte, D. Pedro e D. Henrique) serem armados cavaleiros por um feito de guerra.
  • 26. Glossário • Dinastia - uma sucessão de soberanos, pertencentes à mesma família, por diversas gerações. A Dinastia de Avis foi a segunda dinastia a reinar em Portugal. Teve início no final da crise de 1383-1385 , quando o Mestre da Ordem de Avis, D. João, filho natural de el-rei D. Pedro I, foi aclamado Rei nas Cortes de Coimbra.
  • 27. Glossário • Feudalismo - um modo de organização social e político baseado nas relações servo- contratuais (servis). Tem suas origens na decadência do Império Romano E predominou na Europa durante a Idade Média. • Os senhores feudais conseguiam as terras porque o rei dava-as para eles. Os camponeses cuidavam da agropecuária dos feudos e, em troca, recebiam o direito a um pedaço de terra para morar, além da proteção contra ataques bárbaros .
  • 28. Glossário • Fidalgo ( filho-de-algo), passa então a designar a camada social não titulada que tinha o estatuto de nobre hereditário , juntamente com os titulares , os senhores de terras, com jurisdição. Porém é necessário compreender que este fidalgo genérico, não titulado, subentende "de linhagem" na coloquialidade. • A fidalguia, na Monarquia Portuguesa, constituía uma categoria social e jurídica própria. Depois de D. Afonso V, todos os reis criaram categorias formais de fidalgos, inscritos nos livros reais em três categorias diversas na sua importância, fidalgos esses que integravam indiscutivelmente a nobreza hereditária do reino. • Aos novos fidalgos, não de linhagem nem de solar, chegados à fidalguia por mercê do soberano, era dado um pouco depreciativamente pelos seus pares o nome de fidalgos do Livro .
  • 29. Glossário • Período Sincrético - Na história das religiões, o sincretismo é uma fusão de concepções ... Categoria: Religiões sincréticas, conceitos religiosos ... • Teocentrismo (do grego θεóς, theos, "Deus"; e κέντρον, kentron, "centro") é a teoria segundo a qual Deus é o centro do universo, tudo foi criado por Ele e por Ele é dirigido. Opõe-se ao Antropocentrismo e ao Humanismo. Pensamento que dominou a Idade Média, sendo depois sucedido pelo pensamento antropocêntrico.