SlideShare uma empresa Scribd logo
   É um desdobramento do Realismo.
   Romance cientificista – “de tese”.
   Influência do positivismo, determinismo, do
    darwinismo.
   Proposta de revelar “patologias sociais”.
    Sexo, prostituição, adultério, homossexualidade,
    violência, assassinatos, vícios, etc.
   Zoomorfização do homem.
   Análise de camadas sociais mais baixas.
• Obra-prima do Naturalismo brasileiro.

• Personagem principal: o próprio Cortiço.

• Cortiço: um organismo vivo.

• Romance social: cortiço x sobrado.
    Em primeiro plano, está a história do português
    João Romão, que, em sua ambição desmedida,
    ascende socialmente de vendeiro amante de uma
    escrava a dono de um “Império” (o Cortiço), futuro
    Visconde e respeitado marido da filha do Barão.

   Paralelamente, são apresentadas histórias dos
    miseráveis moradores do Cortiço, que têm suas
    vidas condicionadas pelo ambiente em que vivem,
    pela natureza brasileira, pelas raças a que
    pertencem...
1- (Unifap-AP)

"E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e
lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma
coisa viva, uma geração, que parecia brotar espontânea, ali mesmo,
daquele lameiro, e multiplicar-se como larvas no esterco.”
Após análise do texto acima, fragmento do romance O Cortiço de
Aluísio Azevedo, e da ilustração que representa um espaço urbano de
Macapá, responda:

a)O que o texto tem em comum com a ilustração?

b) No romance, a ligação entre as personagens e o meio procura
demonstrar um dos grandes princípios do Naturalismo. Que princípio
é esse?

c) Justifique esse princípio.
    O ambiente social e a natureza impõem-se
    sobre o indivíduo, ao gosto dos deterministas.
   O cortiço e a natureza tropical são tratados
    como organismos vivos.
   Personagens planas (sem profundidade
    psicológica) – interessa o fatalismo
    determinista.
   Personagens, constantemente, animalizadas
   Dos treze aos vinte e cinco anos trabalha como empregado
    de um patrício.
   Movido pela ambição capitalista.
   A falta de escrúpulos é parte “natural” de sua
    personalidade, é consequência da patologia de que sofre
    (“moléstia nervosa, febre de enriquecer”).
   Comporta-se de acordo com sua própria moral, segundo a
    qual tudo se justifica em nome dos seus interesses.
   O fato de ser um explorador dos seus semelhantes faz parte
    da ordem natural das coisas: é um animal vencedor
    impondo sua força na selva da vida.
   Deseja ascender economicamente, mas, depois, também
    socialmente (busca status).
    No início da narrativa, é uma crioula de cerca de trinta anos,
    quitandeira afamada, escrava de ganho (que pagava aluguel por
    sua liberdade) de um velho cego do interior.
   A união com João Romão não altera sua natureza e muito menos
    seus hábitos de escrava, pelo contrário: passa a carregar (de bom
    grado, é verdade, pois agora está “livre”) três fardos de uma só
    vez – torna-se caixeira e criada (trabalhando como burro de carga
    para enriquecer o amante-patrão) e amante (servindo de fêmea
    ao seu homem):
   “(...) Bertoleza, sempre suja e tisnada, sempre sem domingo nem
    dia santo”.
   Apenas em um momento da narrativa Bertoleza tem voz ativa:
    quando se recusa a ser encostada por João Romão como um traste
    qualquer: tem consciência do quanto é responsável pela ascensão
    do amante e quer tratamento à altura de sua importância na vida
    dele.
    “Prezava, acima de tudo, a sua posição social e tremia só
    com a ideia de ver-se novamente pobre, sem recursos e sem
    coragem para recomeçar a vida, depois de se haver
    habituado a umas tantas regalias e afeito à hombridade de
    português rico que já não tem pátria na Europa.”
   Enquanto João Romão vence pela capacidade de trabalho,
    pela habilidade natural para negociar e explorar e pela falta
    de escrúpulos, Miranda vence pela capacidade de dobrar-
    se às conveniências sociais: é humilhado pela mulher, com
    quem se casou para enriquecer, e sente inveja da força e
    esperteza do vizinho vendeiro, mas consegue o
    reconhecimento e a admiração dos homens ao fazer fortuna
    com a herança de Estela e conquistar o título de Barão.
   Busca uma identidade social que só consegue vergando-se
    às conveniências.
   Seu nome vem do latim “miror” – admirar – e indica seu
    papel em relação a João Romão.
    É a personagem que melhor representa a hipocrisia social
    na narrativa.
   É uma caricatura naturalista típica: só tem defeitos: manias (a
    proteção ao Valentim, a fixação com a beleza), taras (a
    insaciabilidade sexual).
   “Dona Estela, coitada! é que se precipitava, a passos de
    granadeiro, para a velhice, a despeito da resistência com
    que se rendia; tinha já dois dentes postiços, pintava o
    cabelo, e dos cantos da boca duas rugas serpenteavam-lhe
    pelo queixo abaixo, desfazendo-lhe a primitiva graça
    maliciosa dos lábios; ainda assim, porém, conservava o
    pescoço branco, liso e grosso, e os seus braços não
    desmereciam dos antigos créditos.”
   A relação entre Miranda e Estela, baseada apenas em
    convenções sociais, revela uma crítica (comum na literatura
    realista e naturalista) aos casamentos arranjados, baseados
    em interesses ou conveniências.
“— Você quer saber? afirmava ela, eu bem percebo
quanto aquele traste do senhor meu marido me
detesta, mas isso tanto se me dá como a primeira
camisa que vesti! Desgraçadamente para nós,
mulheres de sociedade, não podemos viver sem
esposo, quando somos casadas; de forma que tenho
de aturar o que me caiu em sorte, quer goste dele
quer não goste! Juro-lhe, porém, que, se consinto que
o Miranda se chegue às vezes para mim, é porque
entendo que paga mais à pena ceder do que puxar
discussão com uma besta daquela ordem!.”
   De início, quando se mudou para o cortiço para trabalhar na pedreira, o
    cavouqueiro “era tão metódico e tão bom como trabalhador quanto o era
    como homem. (...)
   Era um português de seus trinta e cinco a quarenta anos, alto, espadaúdo,
    barbas ásperas, cabelos pretos e maltratados caindo-lhe sobre a testa, por
    debaixo de um chapéu de feltro ordinário: pescoço de touro e cara de
    Hércules, na qual os olhos, todavia, humildes como os olhos de um boi de
    canga, exprimiam tranquila bondade”.
   Destacava-se não só pela “força de touro que o tornava respeitado e temido
    por todo o pessoal dos trabalhadores, como ainda, e, talvez, principalmente, a
    grande seriedade do seu caráter e a pureza austera dos seus costumes. Era
    homem de uma honestidade a toda prova e de uma primitiva simplicidade no
    seu modo de viver”.
   Ele é a figura acabada do indivíduo dobrado pelo meio: toda a força física e
    retidão de caráter de Jerônimo não resistiram à força do sol tropical, e o
    contacto com Rita Baiana (símbolo da tropicalidade) transformou-o
    completamente; fazendo aflorar sua sensualidade, minando sua resistência
    física e transformando também sua personalidade, tornando-o preguiçoso,
    gastador, beberrão e desavergonhado:
• “O português abrasileirou-se para sempre; fez-se preguiçoso,
amigo das extravagâncias e dos abusos, luxurioso e ciumento; fora-
se-lhe de vez o espírito da economia e da ordem; perdeu a
esperança de enriquecer, e deu-se todo, todo inteiro, à felicidade
de possuir a mulata e ser possuído só por ela, só ela, e mais
ninguém”.
• Sua trajetória – de animal vencido – é oposta à de João Romão – o
animal vencedor que domina e transforma o meio de acordo com
seus interesses.
• A descrição de Jerônimo como um Hércules é apropriada: assim
como o herói da mitologia greco-romana, ele era muito forte, e
assim como Hércules definhou antes da morte envenenado por
vestir um robe, enviado por sua mulher Dejanira, que (sem que ela
soubesse) continha o veneno da Hidra, Jerônimo morre
“envenenado” por “vestir a pele” de um brasileiro ao apaixonar-se
por Rita Baiana.
   Símbolo da força sensual da natureza tropical
    brasileira.
   Rita é o centro irradiador de alegria e sensualidade
    no cortiço: “E toda ela respirava o asseio das
    brasileiras e um odor sensual de trevos e plantas
    aromáticas. Irrequieta, saracoteando o atrevido e rijo
    quadril baiano, (...) pondo à mostra um fio de dentes
    claros e brilhantes que enriqueciam a sua fisionomia
    com um realce fascinador”.
   Descrita por meio de metáforas ou comparações a
    elementos da flora e da fauna brasileira, Rita resume
    o fascínio e o poder da terra brasileira sobre o
    estrangeiro (particularizado em Jerônimo),
    entorpecendo e enfeitiçando-lhe as sensações:
“Naquela mulata estava o grande mistério, a síntese das impressões que
ele recebeu chegando aqui: ela era a luz ardente do meio-dia; ela era o
calor vermelho das sestas da fazenda; era o aroma quente dos trevos e das
baunilhas, que o atordoara nas matas brasileiras; era a palmeira virginal e
esquiva que se não torce a nenhuma outra planta; era o veneno e era o
açúcar gostoso; era o sapoti mais doce que o mel e era a castanha do caju,
que abre feridas com o seu azeite de fogo; ela era a cobra verde e
traiçoeira, a lagarta viscosa, a muriçoca doida, que esvoaçava havia muito
tempo em torno do corpo dele, assanhando-lhe os desejos, acordando-lhe
as fibras embambecidas pela saudade da terra, picando-lhe as artérias,
para lhe cuspir dentro do sangue uma centelha
daquele amor setentrional, uma nota daquela música feita de gemidos de
prazer, uma larva daquela nuvem de cantáridas que zumbiam em torno da
Rita Baiana e espalhavam-se pelo ar numa fosforescência afrodisíaca.”

        “desde que Jerônimo propendeu para ela, fascinando-a
        com a sua tranquila seriedade de animal bom e forte, o
        sangue da mestiça reclamou os seus direitos de
        apuração, e Rita preferiu no europeu o macho de raça
        superior”.
    É uma caricatura do marginal malandro
    e valente. Mas sua agilidade e esperteza
    não foram suficientes para vencer
    Jerônimo, o “Hércules” europeu.
    “teria trinta anos, boa estatura, carne ampla e rija, cabelos fortes
    de um castanho fulvo, dentes pouco alvos, mas sólidos e perfeitos,
    cara cheia, fisionomia aberta; um todo de bonomia toleirona,
    desabotoando-lhe pelos olhos e pela boca numa simpática
    expressão de honestidade simples e natural”. “Piedade merecia
    bem o seu homem, muito diligente, sadia, honesta, forte, bem
    acomodada com tudo e com todos, trabalhando de sol a sol e
    dando sempre tão boas contas da obrigação, que os seus
    fregueses de roupa, apesar daquela mudança para Botafogo, não a
    deixaram quase todos“.
•REVOLTA CONTRA A NATUREZA BRASILEIRA: “sem se conformar
com a ausência do marido, chorava o seu abandono e ia também
agora se transformando de dia para dia, vencida por um desmazelo
de chumbo, uma dura desesperança, a que nem as lágrimas
bastavam para adoçar as agruras; (...) começou a afundar sem
resistência na lama do seu desgosto, covardemente, sem forças para
iludir-se com uma esperança fátua, abandonando-se ao abandono,
desistindo dos seus princípios, do seu próprio caráter, sem se ter já
neste mundo na conta de alguma coisa e continuando a viver
somente porque a vida era teimosa e não queria deixá-la ir
apodrecer lá embaixo, por uma vez. Deu para desleixar-se no
serviço; as suas freguesas de roupa começaram a reclamar; foi-lhe
fugindo o trabalho pouco a pouco; fez-se madraça e moleirona (...).”

• Por fim, entrega-se completamente à bebida, torna-se passiva aos
abusos dos homens, é expulsa da Avenida São Romão e refugia-se no
Cabeça-de-Gato.
   Leandra, a Machona.
   Leocádia e Bruno.
   Augusta Carne-Mole e Alexandre.
   Albino.
   Paula, Bruxa.
   Marciana e Florinda.
   Pombinha.
   Léonie.
   Juju.
   Senhorinha.
   Zulmira.
   Henriquinho.
   Botelho.
    O romance apresenta, como é comum na
    narrativa naturalista, um narrador
    onisciente, que tudo observa, relata,
    investiga.
    É comum o movimento narrativo que parte
    de um quadro geral ou vista panorâmica do
    ambiente para a enumeração e ou
    descrição exaustiva de seus detalhes
    (objetos, personagens, ações),
   capacidade extraordinária para fixar os
    movimentos das cenas.
   Tempo compreendido entre os anos de
    1872 e 1880 (em determinada passagem
    o velho Botelho fala da lei do ventre livre
    em 1871).
   O autor naturalista olha para o seu
    tempo.
    Rio de Janeiro – bairro do Botafogo
    (o cortiço e o sobrado de Miranda)

   O CORTIÇO, A VENDA, O PÁTIO, A
    PEDREIRA – locais onde trabalhava e se
    divertia o povo.

    O sol: elemento que condiciona o
    relacionamento entre os que ali vivem.
• Linguagem precisa, sóbria e objetiva empregada pelo narrador.

• Registro da linguagem falada do Brasil e de Portugal .

•Gírias, jargões, ditos populares e xingamentos agressivos.

• Valorização dos estímulos visuais – CROMATISMO.

• Mistura da percepção de diferentes sentidos – SINESTESIA.

• Prosa sonora – aliterações, assonâncias e onomatopéias.

• Comparações e metáforas – presença marcante de animais.

• Pontuação emotiva – exagero de exclamações e reticências.
Gabarito do Exercício

1- a) O texto descreve um ambiente miserável, em que as pessoas
vivem em condições de vida subumanas. O mesmo ocorre na
ilustração.
b) O princípio do Determinismo do meio.
c) Segundo os naturalistas, baseados nas teorias deterministas, o
homem é produto do meio, age em função das influências que este
exerce sobre sua história, sua configuração biológica e sua
personalidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Aniela Condak
 
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CICLivro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Maria J
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
O Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio AzevedoO Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio Azevedo
Nicholas Nascimento
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
Seduc/AM
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
elianegeraldo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
teresakashino
 
O Cortiço..
O Cortiço..O Cortiço..
O Cortiço..
Gabriel Leal
 
O primo basílio
O primo basílioO primo basílio
O primo basílio
Marcia Oliveira
 
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosaAnálise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
ma.no.el.ne.ves
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Josi Motta
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
José Ricardo Lima
 
Os ratos
Os ratosOs ratos
Os ratos
Rejane Adriano
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
O cortiço - Naturalismo
O cortiço - NaturalismoO cortiço - Naturalismo
O cortiço - Naturalismo
Daniele dos Santos Souza Onodera
 
Vidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - GênesisVidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - Gênesis
jasonrplima
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
Língua portuguesa ficha literaria o cortiço
Língua portuguesa ficha literaria o cortiçoLíngua portuguesa ficha literaria o cortiço
Língua portuguesa ficha literaria o cortiço
Wesley Germano Otávio
 

Mais procurados (20)

O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CICLivro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio AzevedoO Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio Azevedo
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
 
O Cortiço..
O Cortiço..O Cortiço..
O Cortiço..
 
O primo basílio
O primo basílioO primo basílio
O primo basílio
 
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosaAnálise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Os ratos
Os ratosOs ratos
Os ratos
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
O cortiço - Naturalismo
O cortiço - NaturalismoO cortiço - Naturalismo
O cortiço - Naturalismo
 
Vidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - GênesisVidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - Gênesis
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
Língua portuguesa ficha literaria o cortiço
Língua portuguesa ficha literaria o cortiçoLíngua portuguesa ficha literaria o cortiço
Língua portuguesa ficha literaria o cortiço
 

Destaque

Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
Claudia Lazarini
 
O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
Claudia Lazarini
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
Claudia Lazarini
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Claudia Lazarini
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
Claudia Lazarini
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Claudia Lazarini
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
Claudia Lazarini
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
Claudia Lazarini
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Claudia Lazarini
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
Claudia Lazarini
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especial
Ana Batista
 
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Nuno Correia
 
O cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoO cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio Azevedo
Elaine Blogger
 

Destaque (14)

Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
 
O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especial
 
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
 
O cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoO cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio Azevedo
 

Semelhante a 1890 O Cortiço

O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
RildeniceSantos
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Octávio Da Matta
 
O cortiço material de aula
O cortiço   material de aulaO cortiço   material de aula
O cortiço material de aula
rafabebum
 
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdfocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
PyetraLorranny
 
Til - José de Alencar
Til - José de AlencarTil - José de Alencar
Til - José de Alencar
SESI012
 
Cópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptxCópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptx
walternascimento19
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
RildeniceSantos
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Connce Santana
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Soraia Falcão
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
Maria das Dores Justo
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
Ana Borges
 
Literatura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz ClaudioLiteratura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz Claudio
sabercriar
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesa
Ronaldo Mesquita
 
Trabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua PortuguesaTrabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua Portuguesa
Laercio Guimaraes Miranda
 
Pré modernismo on line
Pré modernismo on linePré modernismo on line
Pré modernismo on line
andreguerra
 
Análise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAnálise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanês
André Aleixo
 

Semelhante a 1890 O Cortiço (20)

O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço material de aula
O cortiço   material de aulaO cortiço   material de aula
O cortiço material de aula
 
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdfocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
 
Til - José de Alencar
Til - José de AlencarTil - José de Alencar
Til - José de Alencar
 
Cópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptxCópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptx
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
 
Literatura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz ClaudioLiteratura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz Claudio
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesa
 
Trabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua PortuguesaTrabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua Portuguesa
 
Pré modernismo on line
Pré modernismo on linePré modernismo on line
Pré modernismo on line
 
Análise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAnálise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanês
 

Mais de Claudia Lazarini

O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
Claudia Lazarini
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
Claudia Lazarini
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
Claudia Lazarini
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
Claudia Lazarini
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
Claudia Lazarini
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
Claudia Lazarini
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
Claudia Lazarini
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
Claudia Lazarini
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 

Mais de Claudia Lazarini (9)

O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

Último

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

1890 O Cortiço

  • 1.
  • 2. É um desdobramento do Realismo.  Romance cientificista – “de tese”.  Influência do positivismo, determinismo, do darwinismo.  Proposta de revelar “patologias sociais”.  Sexo, prostituição, adultério, homossexualidade, violência, assassinatos, vícios, etc.  Zoomorfização do homem.  Análise de camadas sociais mais baixas.
  • 3. • Obra-prima do Naturalismo brasileiro. • Personagem principal: o próprio Cortiço. • Cortiço: um organismo vivo. • Romance social: cortiço x sobrado.
  • 4. Em primeiro plano, está a história do português João Romão, que, em sua ambição desmedida, ascende socialmente de vendeiro amante de uma escrava a dono de um “Império” (o Cortiço), futuro Visconde e respeitado marido da filha do Barão.  Paralelamente, são apresentadas histórias dos miseráveis moradores do Cortiço, que têm suas vidas condicionadas pelo ambiente em que vivem, pela natureza brasileira, pelas raças a que pertencem...
  • 5. 1- (Unifap-AP) "E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma coisa viva, uma geração, que parecia brotar espontânea, ali mesmo, daquele lameiro, e multiplicar-se como larvas no esterco.”
  • 6. Após análise do texto acima, fragmento do romance O Cortiço de Aluísio Azevedo, e da ilustração que representa um espaço urbano de Macapá, responda: a)O que o texto tem em comum com a ilustração? b) No romance, a ligação entre as personagens e o meio procura demonstrar um dos grandes princípios do Naturalismo. Que princípio é esse? c) Justifique esse princípio.
  • 7. O ambiente social e a natureza impõem-se sobre o indivíduo, ao gosto dos deterministas.  O cortiço e a natureza tropical são tratados como organismos vivos.  Personagens planas (sem profundidade psicológica) – interessa o fatalismo determinista.  Personagens, constantemente, animalizadas
  • 8. Dos treze aos vinte e cinco anos trabalha como empregado de um patrício.  Movido pela ambição capitalista.  A falta de escrúpulos é parte “natural” de sua personalidade, é consequência da patologia de que sofre (“moléstia nervosa, febre de enriquecer”).  Comporta-se de acordo com sua própria moral, segundo a qual tudo se justifica em nome dos seus interesses.  O fato de ser um explorador dos seus semelhantes faz parte da ordem natural das coisas: é um animal vencedor impondo sua força na selva da vida.  Deseja ascender economicamente, mas, depois, também socialmente (busca status).
  • 9. No início da narrativa, é uma crioula de cerca de trinta anos, quitandeira afamada, escrava de ganho (que pagava aluguel por sua liberdade) de um velho cego do interior.  A união com João Romão não altera sua natureza e muito menos seus hábitos de escrava, pelo contrário: passa a carregar (de bom grado, é verdade, pois agora está “livre”) três fardos de uma só vez – torna-se caixeira e criada (trabalhando como burro de carga para enriquecer o amante-patrão) e amante (servindo de fêmea ao seu homem):  “(...) Bertoleza, sempre suja e tisnada, sempre sem domingo nem dia santo”.  Apenas em um momento da narrativa Bertoleza tem voz ativa: quando se recusa a ser encostada por João Romão como um traste qualquer: tem consciência do quanto é responsável pela ascensão do amante e quer tratamento à altura de sua importância na vida dele.
  • 10. “Prezava, acima de tudo, a sua posição social e tremia só com a ideia de ver-se novamente pobre, sem recursos e sem coragem para recomeçar a vida, depois de se haver habituado a umas tantas regalias e afeito à hombridade de português rico que já não tem pátria na Europa.”  Enquanto João Romão vence pela capacidade de trabalho, pela habilidade natural para negociar e explorar e pela falta de escrúpulos, Miranda vence pela capacidade de dobrar- se às conveniências sociais: é humilhado pela mulher, com quem se casou para enriquecer, e sente inveja da força e esperteza do vizinho vendeiro, mas consegue o reconhecimento e a admiração dos homens ao fazer fortuna com a herança de Estela e conquistar o título de Barão.  Busca uma identidade social que só consegue vergando-se às conveniências.  Seu nome vem do latim “miror” – admirar – e indica seu papel em relação a João Romão.
  • 11. É a personagem que melhor representa a hipocrisia social na narrativa.  É uma caricatura naturalista típica: só tem defeitos: manias (a proteção ao Valentim, a fixação com a beleza), taras (a insaciabilidade sexual).  “Dona Estela, coitada! é que se precipitava, a passos de granadeiro, para a velhice, a despeito da resistência com que se rendia; tinha já dois dentes postiços, pintava o cabelo, e dos cantos da boca duas rugas serpenteavam-lhe pelo queixo abaixo, desfazendo-lhe a primitiva graça maliciosa dos lábios; ainda assim, porém, conservava o pescoço branco, liso e grosso, e os seus braços não desmereciam dos antigos créditos.”  A relação entre Miranda e Estela, baseada apenas em convenções sociais, revela uma crítica (comum na literatura realista e naturalista) aos casamentos arranjados, baseados em interesses ou conveniências.
  • 12. “— Você quer saber? afirmava ela, eu bem percebo quanto aquele traste do senhor meu marido me detesta, mas isso tanto se me dá como a primeira camisa que vesti! Desgraçadamente para nós, mulheres de sociedade, não podemos viver sem esposo, quando somos casadas; de forma que tenho de aturar o que me caiu em sorte, quer goste dele quer não goste! Juro-lhe, porém, que, se consinto que o Miranda se chegue às vezes para mim, é porque entendo que paga mais à pena ceder do que puxar discussão com uma besta daquela ordem!.”
  • 13. De início, quando se mudou para o cortiço para trabalhar na pedreira, o cavouqueiro “era tão metódico e tão bom como trabalhador quanto o era como homem. (...)  Era um português de seus trinta e cinco a quarenta anos, alto, espadaúdo, barbas ásperas, cabelos pretos e maltratados caindo-lhe sobre a testa, por debaixo de um chapéu de feltro ordinário: pescoço de touro e cara de Hércules, na qual os olhos, todavia, humildes como os olhos de um boi de canga, exprimiam tranquila bondade”.  Destacava-se não só pela “força de touro que o tornava respeitado e temido por todo o pessoal dos trabalhadores, como ainda, e, talvez, principalmente, a grande seriedade do seu caráter e a pureza austera dos seus costumes. Era homem de uma honestidade a toda prova e de uma primitiva simplicidade no seu modo de viver”.  Ele é a figura acabada do indivíduo dobrado pelo meio: toda a força física e retidão de caráter de Jerônimo não resistiram à força do sol tropical, e o contacto com Rita Baiana (símbolo da tropicalidade) transformou-o completamente; fazendo aflorar sua sensualidade, minando sua resistência física e transformando também sua personalidade, tornando-o preguiçoso, gastador, beberrão e desavergonhado:
  • 14. • “O português abrasileirou-se para sempre; fez-se preguiçoso, amigo das extravagâncias e dos abusos, luxurioso e ciumento; fora- se-lhe de vez o espírito da economia e da ordem; perdeu a esperança de enriquecer, e deu-se todo, todo inteiro, à felicidade de possuir a mulata e ser possuído só por ela, só ela, e mais ninguém”. • Sua trajetória – de animal vencido – é oposta à de João Romão – o animal vencedor que domina e transforma o meio de acordo com seus interesses. • A descrição de Jerônimo como um Hércules é apropriada: assim como o herói da mitologia greco-romana, ele era muito forte, e assim como Hércules definhou antes da morte envenenado por vestir um robe, enviado por sua mulher Dejanira, que (sem que ela soubesse) continha o veneno da Hidra, Jerônimo morre “envenenado” por “vestir a pele” de um brasileiro ao apaixonar-se por Rita Baiana.
  • 15. Símbolo da força sensual da natureza tropical brasileira.  Rita é o centro irradiador de alegria e sensualidade no cortiço: “E toda ela respirava o asseio das brasileiras e um odor sensual de trevos e plantas aromáticas. Irrequieta, saracoteando o atrevido e rijo quadril baiano, (...) pondo à mostra um fio de dentes claros e brilhantes que enriqueciam a sua fisionomia com um realce fascinador”.  Descrita por meio de metáforas ou comparações a elementos da flora e da fauna brasileira, Rita resume o fascínio e o poder da terra brasileira sobre o estrangeiro (particularizado em Jerônimo), entorpecendo e enfeitiçando-lhe as sensações:
  • 16. “Naquela mulata estava o grande mistério, a síntese das impressões que ele recebeu chegando aqui: ela era a luz ardente do meio-dia; ela era o calor vermelho das sestas da fazenda; era o aroma quente dos trevos e das baunilhas, que o atordoara nas matas brasileiras; era a palmeira virginal e esquiva que se não torce a nenhuma outra planta; era o veneno e era o açúcar gostoso; era o sapoti mais doce que o mel e era a castanha do caju, que abre feridas com o seu azeite de fogo; ela era a cobra verde e traiçoeira, a lagarta viscosa, a muriçoca doida, que esvoaçava havia muito tempo em torno do corpo dele, assanhando-lhe os desejos, acordando-lhe as fibras embambecidas pela saudade da terra, picando-lhe as artérias, para lhe cuspir dentro do sangue uma centelha daquele amor setentrional, uma nota daquela música feita de gemidos de prazer, uma larva daquela nuvem de cantáridas que zumbiam em torno da Rita Baiana e espalhavam-se pelo ar numa fosforescência afrodisíaca.” “desde que Jerônimo propendeu para ela, fascinando-a com a sua tranquila seriedade de animal bom e forte, o sangue da mestiça reclamou os seus direitos de apuração, e Rita preferiu no europeu o macho de raça superior”.
  • 17. É uma caricatura do marginal malandro e valente. Mas sua agilidade e esperteza não foram suficientes para vencer Jerônimo, o “Hércules” europeu.
  • 18. “teria trinta anos, boa estatura, carne ampla e rija, cabelos fortes de um castanho fulvo, dentes pouco alvos, mas sólidos e perfeitos, cara cheia, fisionomia aberta; um todo de bonomia toleirona, desabotoando-lhe pelos olhos e pela boca numa simpática expressão de honestidade simples e natural”. “Piedade merecia bem o seu homem, muito diligente, sadia, honesta, forte, bem acomodada com tudo e com todos, trabalhando de sol a sol e dando sempre tão boas contas da obrigação, que os seus fregueses de roupa, apesar daquela mudança para Botafogo, não a deixaram quase todos“.
  • 19. •REVOLTA CONTRA A NATUREZA BRASILEIRA: “sem se conformar com a ausência do marido, chorava o seu abandono e ia também agora se transformando de dia para dia, vencida por um desmazelo de chumbo, uma dura desesperança, a que nem as lágrimas bastavam para adoçar as agruras; (...) começou a afundar sem resistência na lama do seu desgosto, covardemente, sem forças para iludir-se com uma esperança fátua, abandonando-se ao abandono, desistindo dos seus princípios, do seu próprio caráter, sem se ter já neste mundo na conta de alguma coisa e continuando a viver somente porque a vida era teimosa e não queria deixá-la ir apodrecer lá embaixo, por uma vez. Deu para desleixar-se no serviço; as suas freguesas de roupa começaram a reclamar; foi-lhe fugindo o trabalho pouco a pouco; fez-se madraça e moleirona (...).” • Por fim, entrega-se completamente à bebida, torna-se passiva aos abusos dos homens, é expulsa da Avenida São Romão e refugia-se no Cabeça-de-Gato.
  • 20. Leandra, a Machona.  Leocádia e Bruno.  Augusta Carne-Mole e Alexandre.  Albino.  Paula, Bruxa.  Marciana e Florinda.  Pombinha.  Léonie.  Juju.  Senhorinha.  Zulmira.  Henriquinho.  Botelho.
  • 21. O romance apresenta, como é comum na narrativa naturalista, um narrador onisciente, que tudo observa, relata, investiga.  É comum o movimento narrativo que parte de um quadro geral ou vista panorâmica do ambiente para a enumeração e ou descrição exaustiva de seus detalhes (objetos, personagens, ações),  capacidade extraordinária para fixar os movimentos das cenas.
  • 22. Tempo compreendido entre os anos de 1872 e 1880 (em determinada passagem o velho Botelho fala da lei do ventre livre em 1871).  O autor naturalista olha para o seu tempo.
  • 23. Rio de Janeiro – bairro do Botafogo (o cortiço e o sobrado de Miranda)  O CORTIÇO, A VENDA, O PÁTIO, A PEDREIRA – locais onde trabalhava e se divertia o povo.  O sol: elemento que condiciona o relacionamento entre os que ali vivem.
  • 24. • Linguagem precisa, sóbria e objetiva empregada pelo narrador. • Registro da linguagem falada do Brasil e de Portugal . •Gírias, jargões, ditos populares e xingamentos agressivos. • Valorização dos estímulos visuais – CROMATISMO. • Mistura da percepção de diferentes sentidos – SINESTESIA. • Prosa sonora – aliterações, assonâncias e onomatopéias. • Comparações e metáforas – presença marcante de animais. • Pontuação emotiva – exagero de exclamações e reticências.
  • 25. Gabarito do Exercício 1- a) O texto descreve um ambiente miserável, em que as pessoas vivem em condições de vida subumanas. O mesmo ocorre na ilustração. b) O princípio do Determinismo do meio. c) Segundo os naturalistas, baseados nas teorias deterministas, o homem é produto do meio, age em função das influências que este exerce sobre sua história, sua configuração biológica e sua personalidade.