SlideShare uma empresa Scribd logo
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Tipos: urbana, regional, indianista e histórica;
Índio como herói;
Idealização da nação;
Passado histórico glorioso;
Interesses da elite;
Adequação ao novo público leitor;
Linguagem "brasileira".
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
PROSA O primeiro romance brasileiro – O
filho do pescador, de Teixeira e
Souza – foi publicado em 1843,
entretanto não conquistou muita
popularidade, pois apresentava
uma trama bastante confusa. Foi
com A Moreninha (1844), de
Joaquim Manuel de Macedo, que
surgiu o verdadeiro romance
romântico brasileiro.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
A PROSA ESTÁ COMPREENDIDA
EM QUATRO CATEGORIAS:
Prosa social-urbana – ambientada nas cidades;
Prosa histórica - incorpora figuras históricas ou até lendárias,
situando-as em seu tempo e espaço reais.
Prosa Indianista (que também é histórica) – tem como
protagonista o índio – focalizado também, como na poesia,
em uma perspectiva heroica;
Prosa Regionalista – necessidade de valorizar culturalmente
todo os espaços do Brasil.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
JOSÉ DE ALENCAR
Mais que um escritor romântico, José de Alencar tentou
construir as bases de uma literatura tipicamente brasileira.
Com longas metáforas e seu modo de escrever peculiar,
Alencar critica o Rio de Janeiro imperial e os costumes da
sociedade brasileira. Suas críticas à sociedade da segunda
metade do século XIX renderam ao autor diversas críticas
negativas na época.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA
De junho de 1852 a julho de 1853 publicou,
anonimamente, os folhetins que compõem as
"Memórias de um Sargento de Milícias", reunidas
em livro entre 1854-55, em dois volumes, com o
pseudônimo de "Um Brasileiro". Na 3ª edição, em
1863 - já póstuma - apareceu seu nome
verdadeiro.
Seu romance fez sucesso pelo humor imparcial e
amoral, o estilo coloquial e, principalmente, por
seu grande talento como narrador.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
BERNARDO GUIMARÃES
15/8/1825, OURO PRETO (MG) 10/3/1884, OURO PRETO (MG).
Em 1875, publicou o romance que melhor
o situaria na campanha abolicionista e viria
a ser a mais popular das suas obras:
"A escrava Isaura".
Vale ressaltar que – apesar de todas as críticas literárias
com relação à obra- a vitalidade de sua narrativa, o
torna um sucesso, já duas vezes adaptado para as
novelas de televisão. Uma delas, exibida em vários
países do mundo, fez tamanho sucesso na China, que
tornou a atriz Lucélia Santos (que fez o papel de Isaura)
uma celebridade naquele país.
Capa da edição
francesa
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
I. Romance Romântico UrbanoP R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Ambientado no Rio de
Janeiro, com temática
envolvendo amor e
dinheiro. Destaque
dado às personagens
femininas.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
O Filho do Pescador
(1843)
Teixeira de Sousa
Antecedente:
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Marco Inicial:
A Moreninha
(1844)
Joaquim M. de Macedo
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Joaquim Manuel de Macedo
O moço loiro, A luneta mágica,
As mulheres de mantilha.
Também escreveu várias comédias e dramas.
Escreveu aproximadamente 20 romances:
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Famoso por seu
único romance:
Memórias de um
sargento de milícias
(1854-1855).
Manuel Antônio de Almeida
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
José de Alencar
Principais romances:
Senhora e Lucíola.
Os outros:
A viuvinha, Diva, A pata
da gazela, Sonhos d’ouro,
Encarnação
Principal romancista romântico.
Enquadra-se tanto dentro do romance
urbano como no romance regionalista.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
II . Romance Romântico IndianistaP R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
O índio como
protagonista,
idealizado; a
paisagem
selvática;
a linguagem e os costumes indígenas; o
confronto entre as civilizações indígena e
europeia
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
O guarani: o índio
goitacá Peri
protegendo e
salvando sua amada
Ceci, uma branca...
Iracema: a índia
tabajara e seu
devotado amor por
Martim, um guerreiro
branco...
Ubirajara: os feitos e
os afetos de Jaguarê,
índio araguaia, no
período pré-
cabalino...
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
III. Romance Romântico HistóricoP R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
painel de época,
remontando aos
primórdios de nossa
formação sócio-cultural.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
a exploração, em tom de comédia, da histórica
rivalidade entre os brasileiros de Olinda e os
portugueses do Recife, por volta de 1710.
Guerra dos mascates:
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
A reconstituição do período colonial da
Bahia seiscentista.
As minas de prata:
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
II. Romance Romântico Regionalista
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Romance regionalista:
tentativa de caracterização do
que, na época, eram as grandes
regiões do país:
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Bernardo Guimarães
Iniciador do romance romântico
sertanista (regionalista) com
O ermitão de Muquém (1866).
Autor de uns dez romances,
sendo mais famosos:
O seminarista, O garimpeiro
e A escrava Isaura.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Franklin Távora
O Cabeleira, Cangaceiro célebre, precursor de Lampião.
Polêmico , critica o
regionalismo de
Alencar e sustenta
que o Norte/Nordeste
têm melhores
condições de produzir
uma autêntica
literatura brasileira.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Seu romance mais
conhecido é
O Cabeleira (1876).
Misto de reconstituição
histórica e regionalismo,
conta a vida de
José Gomes
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Norte (O sertanejo);
Sul (O gaúcho);
Centro (O tronco do ipê; Til).
A paisagem local; os habitantes: tipos, costumes,
atividades, estruturas sociais e linguagem.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Visconde de Taunay
Embora romântico
pela trama amorosa, o
romance apresenta
caráter realista pela
precisão, detalhismo e
verossimilhança nas
descrições.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Inocência (1872).
É a história
comovente e
dramática de
Cirino e Inocência,
passada nos sertões do Mato Grosso.
P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
Aspectos temáticos
Sofrimento – A caminhada do sertanejo em busca de seus objetivos
através de longas distâncias, sendo que no percurso, existe a
dificuldade do abrigo.
Simplicidade – É claramente observada através do comportamento
e diálogos entre as personagens típicas.
Contradições – Comprava-se entre o jeito de ser do sertão e a
forma avançada da Europa (Pereira e Meyer).
Amor impossível – Um amor tão puro e verdadeiro que por falta de
condições de existência preferiu a morte, ou pelo menos, foram
levados a ela.
Honra – Pereira para manter a honra familiar, sacrificava sua
própria filha, já que sua palavra estava acima de tudo.
Beleza – É retratada através da paisagem do sertão e da jovem
Inocência.
Escravidão – é representada por Maria Conga e outros.P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
Flavio Maia Custodio
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Cláudia Heloísa
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
Colégio Santa Luzia
 
Romantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - ProsaRomantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - Prosa
Cynthia Funchal
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
Colégio Santa Luzia
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
Gabriel Luck
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 

Mais procurados (20)

Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
 
Romantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - ProsaRomantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - Prosa
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
3ª fase do modernismo - Clarice Lispector
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 

Destaque

A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileira
Adeildo Júnior
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Luciene Gomes
 
Crase 1
Crase 1Crase 1
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
Andriane Cursino
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
Ana Karina Silva
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
NAPNE
 
world wibe web
world wibe webworld wibe web
world wibe web
MHTbcy34
 
43560 1322437714630
43560 132243771463043560 1322437714630
43560 1322437714630
Gustavo Paz
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
profconrad
 
Joy
JoyJoy
Bernardo guimarães
Bernardo guimarãesBernardo guimarães
Bernardo guimarães
Evandro Correa
 
Bernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarãesBernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarães
030577
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
Prosa romântica brasileira
Prosa romântica brasileiraProsa romântica brasileira
Prosa romântica brasileira
Seduc/AM
 
Quincas Borba - Obra Machadiana
Quincas Borba - Obra MachadianaQuincas Borba - Obra Machadiana
Quincas Borba - Obra Machadiana
claralopes7
 
Figuras de linguagem apresentação
Figuras de linguagem   apresentaçãoFiguras de linguagem   apresentação
Figuras de linguagem apresentação
Zenia Ferreira
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
Walace Cestari
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Andriane Cursino
 
O seminarista 97 2003
O seminarista 97  2003O seminarista 97  2003
O seminarista 97 2003
Leslley Cristian
 

Destaque (20)

A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileira
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Crase 1
Crase 1Crase 1
Crase 1
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 
world wibe web
world wibe webworld wibe web
world wibe web
 
43560 1322437714630
43560 132243771463043560 1322437714630
43560 1322437714630
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 
Joy
JoyJoy
Joy
 
Bernardo guimarães
Bernardo guimarãesBernardo guimarães
Bernardo guimarães
 
Bernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarãesBernardo joaquim da silva guimarães
Bernardo joaquim da silva guimarães
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
Prosa romântica brasileira
Prosa romântica brasileiraProsa romântica brasileira
Prosa romântica brasileira
 
Quincas Borba - Obra Machadiana
Quincas Borba - Obra MachadianaQuincas Borba - Obra Machadiana
Quincas Borba - Obra Machadiana
 
Figuras de linguagem apresentação
Figuras de linguagem   apresentaçãoFiguras de linguagem   apresentação
Figuras de linguagem apresentação
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
O seminarista 97 2003
O seminarista 97  2003O seminarista 97  2003
O seminarista 97 2003
 

Semelhante a Romantismo prosa

Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
guest6789389c
 
Romance é Show
Romance é ShowRomance é Show
Romance é Show
José Ricardo Lima
 
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Romantismo no Brasil - Til - Gerações do Romantismo
Romantismo no Brasil - Til - Gerações do RomantismoRomantismo no Brasil - Til - Gerações do Romantismo
Romantismo no Brasil - Til - Gerações do Romantismo
210314
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Paula Meyer Piagentini
 
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
Bruno Fernandes
 
Romance regional FB
Romance regional FBRomance regional FB
Romance regional FB
Andresa Soeiro
 
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptxO Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
dhione1
 
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Matheus Boniatti
 
Romantismo II
Romantismo IIRomantismo II
Romantismo II
CarlaRosario
 
Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1
Seduc/AM
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
jojopaiva
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
João Mendonça
 
Romantismo Prosa
Romantismo ProsaRomantismo Prosa
Romantismo Prosa
Gabriella Lima
 
A Morte do Palhaço
A Morte do PalhaçoA Morte do Palhaço
A Morte do Palhaço
José Alves
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
FOLHA NAZA
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
manuudias
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
VIVIAN TROMBINI
 
A literatura portuguesa
A literatura portuguesaA literatura portuguesa
A literatura portuguesa
Professora Cleusa da Paz
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
CntiaAleixo
 

Semelhante a Romantismo prosa (20)

Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
 
Romance é Show
Romance é ShowRomance é Show
Romance é Show
 
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
Viagens na minha terra 3ª B -  2013Viagens na minha terra 3ª B -  2013
Viagens na minha terra 3ª B - 2013
 
Romantismo no Brasil - Til - Gerações do Romantismo
Romantismo no Brasil - Til - Gerações do RomantismoRomantismo no Brasil - Til - Gerações do Romantismo
Romantismo no Brasil - Til - Gerações do Romantismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
 
Romance regional FB
Romance regional FBRomance regional FB
Romance regional FB
 
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptxO Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
 
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
 
Romantismo II
Romantismo IIRomantismo II
Romantismo II
 
Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Romantismo Prosa
Romantismo ProsaRomantismo Prosa
Romantismo Prosa
 
A Morte do Palhaço
A Morte do PalhaçoA Morte do Palhaço
A Morte do Palhaço
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
 
A literatura portuguesa
A literatura portuguesaA literatura portuguesa
A literatura portuguesa
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
José Antonio Ferreira da Silva
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
José Antonio Ferreira da Silva
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
José Antonio Ferreira da Silva
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
José Antonio Ferreira da Silva
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
José Antonio Ferreira da Silva
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
José Antonio Ferreira da Silva
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
José Antonio Ferreira da Silva
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Coesão
CoesãoCoesão
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
José Antonio Ferreira da Silva
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
José Antonio Ferreira da Silva
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Monografia
MonografiaMonografia
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
José Antonio Ferreira da Silva
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
José Antonio Ferreira da Silva
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
José Antonio Ferreira da Silva
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
José Antonio Ferreira da Silva
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva (20)

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Bioetica
 
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Pratica livro
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
 

Último

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Romantismo prosa

  • 1. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 2. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 3. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 4. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 5. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 6. Tipos: urbana, regional, indianista e histórica; Índio como herói; Idealização da nação; Passado histórico glorioso; Interesses da elite; Adequação ao novo público leitor; Linguagem "brasileira". P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 7. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 8. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 9. PROSA O primeiro romance brasileiro – O filho do pescador, de Teixeira e Souza – foi publicado em 1843, entretanto não conquistou muita popularidade, pois apresentava uma trama bastante confusa. Foi com A Moreninha (1844), de Joaquim Manuel de Macedo, que surgiu o verdadeiro romance romântico brasileiro. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 10. A PROSA ESTÁ COMPREENDIDA EM QUATRO CATEGORIAS: Prosa social-urbana – ambientada nas cidades; Prosa histórica - incorpora figuras históricas ou até lendárias, situando-as em seu tempo e espaço reais. Prosa Indianista (que também é histórica) – tem como protagonista o índio – focalizado também, como na poesia, em uma perspectiva heroica; Prosa Regionalista – necessidade de valorizar culturalmente todo os espaços do Brasil. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 11. JOSÉ DE ALENCAR Mais que um escritor romântico, José de Alencar tentou construir as bases de uma literatura tipicamente brasileira. Com longas metáforas e seu modo de escrever peculiar, Alencar critica o Rio de Janeiro imperial e os costumes da sociedade brasileira. Suas críticas à sociedade da segunda metade do século XIX renderam ao autor diversas críticas negativas na época. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 12. MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA De junho de 1852 a julho de 1853 publicou, anonimamente, os folhetins que compõem as "Memórias de um Sargento de Milícias", reunidas em livro entre 1854-55, em dois volumes, com o pseudônimo de "Um Brasileiro". Na 3ª edição, em 1863 - já póstuma - apareceu seu nome verdadeiro. Seu romance fez sucesso pelo humor imparcial e amoral, o estilo coloquial e, principalmente, por seu grande talento como narrador. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 13. BERNARDO GUIMARÃES 15/8/1825, OURO PRETO (MG) 10/3/1884, OURO PRETO (MG). Em 1875, publicou o romance que melhor o situaria na campanha abolicionista e viria a ser a mais popular das suas obras: "A escrava Isaura". Vale ressaltar que – apesar de todas as críticas literárias com relação à obra- a vitalidade de sua narrativa, o torna um sucesso, já duas vezes adaptado para as novelas de televisão. Uma delas, exibida em vários países do mundo, fez tamanho sucesso na China, que tornou a atriz Lucélia Santos (que fez o papel de Isaura) uma celebridade naquele país. Capa da edição francesa P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 14. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 15. I. Romance Romântico UrbanoP R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 16. Ambientado no Rio de Janeiro, com temática envolvendo amor e dinheiro. Destaque dado às personagens femininas. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 17. O Filho do Pescador (1843) Teixeira de Sousa Antecedente: P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 18. Marco Inicial: A Moreninha (1844) Joaquim M. de Macedo P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 19. Joaquim Manuel de Macedo O moço loiro, A luneta mágica, As mulheres de mantilha. Também escreveu várias comédias e dramas. Escreveu aproximadamente 20 romances: P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 20. Famoso por seu único romance: Memórias de um sargento de milícias (1854-1855). Manuel Antônio de Almeida P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 21. José de Alencar Principais romances: Senhora e Lucíola. Os outros: A viuvinha, Diva, A pata da gazela, Sonhos d’ouro, Encarnação Principal romancista romântico. Enquadra-se tanto dentro do romance urbano como no romance regionalista. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 22. II . Romance Romântico IndianistaP R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 23. O índio como protagonista, idealizado; a paisagem selvática; a linguagem e os costumes indígenas; o confronto entre as civilizações indígena e europeia P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 24. O guarani: o índio goitacá Peri protegendo e salvando sua amada Ceci, uma branca... Iracema: a índia tabajara e seu devotado amor por Martim, um guerreiro branco... Ubirajara: os feitos e os afetos de Jaguarê, índio araguaia, no período pré- cabalino... P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 25. III. Romance Romântico HistóricoP R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 26. painel de época, remontando aos primórdios de nossa formação sócio-cultural. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 27. a exploração, em tom de comédia, da histórica rivalidade entre os brasileiros de Olinda e os portugueses do Recife, por volta de 1710. Guerra dos mascates: P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 28. A reconstituição do período colonial da Bahia seiscentista. As minas de prata: P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 29. II. Romance Romântico Regionalista P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 30. Romance regionalista: tentativa de caracterização do que, na época, eram as grandes regiões do país: P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 31. Bernardo Guimarães Iniciador do romance romântico sertanista (regionalista) com O ermitão de Muquém (1866). Autor de uns dez romances, sendo mais famosos: O seminarista, O garimpeiro e A escrava Isaura. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 32. Franklin Távora O Cabeleira, Cangaceiro célebre, precursor de Lampião. Polêmico , critica o regionalismo de Alencar e sustenta que o Norte/Nordeste têm melhores condições de produzir uma autêntica literatura brasileira. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 33. Seu romance mais conhecido é O Cabeleira (1876). Misto de reconstituição histórica e regionalismo, conta a vida de José Gomes P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 34. Norte (O sertanejo); Sul (O gaúcho); Centro (O tronco do ipê; Til). A paisagem local; os habitantes: tipos, costumes, atividades, estruturas sociais e linguagem. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 35. Visconde de Taunay Embora romântico pela trama amorosa, o romance apresenta caráter realista pela precisão, detalhismo e verossimilhança nas descrições. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 36. Inocência (1872). É a história comovente e dramática de Cirino e Inocência, passada nos sertões do Mato Grosso. P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A
  • 37. Aspectos temáticos Sofrimento – A caminhada do sertanejo em busca de seus objetivos através de longas distâncias, sendo que no percurso, existe a dificuldade do abrigo. Simplicidade – É claramente observada através do comportamento e diálogos entre as personagens típicas. Contradições – Comprava-se entre o jeito de ser do sertão e a forma avançada da Europa (Pereira e Meyer). Amor impossível – Um amor tão puro e verdadeiro que por falta de condições de existência preferiu a morte, ou pelo menos, foram levados a ela. Honra – Pereira para manter a honra familiar, sacrificava sua própria filha, já que sua palavra estava acima de tudo. Beleza – É retratada através da paisagem do sertão e da jovem Inocência. Escravidão – é representada por Maria Conga e outros.P R O F . J O S É A N T O N I O F E R R E I R A D A S I L V A