SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor Fábio Guimarães
ROMANTISMO
em Portugal
 Não se restringe apenas a ser uma escola
literária: é um espírito de época. (gostos de
um certo tempo em todas as atividades
artísticas exercidas pelo ser humano)
 Não confunda: Romantismo/escola, com
Romantismo/sentimento.
 A escola nasceu das necessidades de um
século de grandes modificações.( 2ª metade
do séc. XVIII e a 1ª metade do séc. XIX. Nasce
na Alemanha e Inglaterra.
 É o oposto da razão, típica do Classicismo.
 Emoção farta e transbordante.
 O romântico é sempre um exaltado,
apaixonado, temperamental.
 O Romantismo aparece no momento da
ascensão definitiva da burguesia,
Revolução Francesa e Liberalismo.
 Imitação dos padrões de comportamento
social da nobreza, desejando um mundo e
sonho e fantasia.
 O Romantismo em Portugal apresenta em sua
evolução dois momentos significativos. O
primeiro deles representa o esforço de se firmar
como movimento literário apoiado pela cultura
popular, no nacionalismo, na busca das origens
medievais do país, enquanto o segundo constitui
um momento de maturidade e de transição para
o Realismo.
Contexto histórico
 Como no resto da Europa, o Romantismo surgiu em
Portugal num período de efervescência política –
alguns anos após a revolução de 1820 que levou os
liberais portugueses ao poder.
 Participaram dessa revolução vários setores da
burguesia portuguesa, nos quais se incluíam
magistrados, comerciantes, militares, professores.
Influenciados pelos ideais da Revolução Francesa,
esses setores defendiam a reforma das instituições, a
elaboração de uma Constituição, a liberdade de
comércio, o direito de participação política do
cidadão.
 Lutavam, enfim, pela modernização de Portugal.
Marco Inicial
 O marco inicial do Romantismo português é a
publicação, em Paris, do poema “Camões”, em
1825, em que o autor, Almeida Garret, faz uma
espécie de biografia sentimental do famoso
poeta-soldado. Mas o Romantismo como
movimento literário firma-se só a partir de 1836,
com a criação da revista Panorama, na qual se
publicam textos já claramente românticos de
importantes escritores portugueses.
O Romantismo em Portugal
Prosa e Poesia.
 Contexto
 Portugal, diferente do Brasil que exaltava a
pátria, estava em crise, permeado de
revoltas.
 Intelectuais que se auto-exilaram na França
ena Inglaterra trazem os novos ideias de lá
para Portugal.
 Início= Com o poema Camões de Almeida
Garret.(1825)
1ª geração
 Características:
 - Sobrevivência de
características
neoclássicas;
- Nacionalismo;
- Historicismo,
medievalismo.
 Principais autores:
 Almeida Garret,
Alexandre Herculano
e Antônio Feliciano de
Castilho.
Primeira fase
Almeida Garret e Alexandre Herculano
 Almeida Garret
 Publicou Retrato de Vênus e foi processado
por obscenidade (1821)
 Foi influenciado por Lord Byron e Walter
Scott.
 Em sua obra destacam-se:
- Frei Luís de Sousa(1844)- Teatro
- Viagens da minha terra (1846) Romance
- Folhas caídas (1853) Poesias
 Alexandre Herculano
 O mais conhecido escritor romântico português
 Sua prosa captura o medievalismo e o
nacionalismo.
 Sofreu inluência de Fernão Lopes.
 Mais importantes romances:
- Euríco, o presbítero (1843)
- O monge de Cister(1841)
2ª geração:
 Características:
 - Mal do século;
- Excessos do
subjetivismo e do
emocionalismo
românticos;
- Irracionalismo;
- Escapismo, fantasia;
- Pessimismo.
 Principais autores:
 Camilo Castelo
Branco, Soares
Passos
Segunda fase
 Camilo Castelo Branco
 Teve uma vida muito turbulenta que envolveu:
orfandade, casamento precoce, amantes,
raptos, duelos, prisão e suicídio.
 Escreveu obras:
- Ultrarromânticas
- Satíricas
- De transição
3ª geração:
 Características:
 - Diluição das
características
românticas;
- amor carnal
- Pré-realismo.
 Principais autores:
 João de Deus, Júlio
Diniz.
Terceira fase
Julio Diniz
 Seus romances têm como cenário:
 A vida simples do campo.
 Finais felizes.
 O amor tudo suporta.
 O interior dos personagens é desvendado.
 Romances mais importantes:
 As pupilas do senhor reitor (1867), Uma família inglesa(1868).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
NathalyNara
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Carla Teixeira
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Matheus Beleboni
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
Cláudia Heloísa
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
Isabel DA COSTA
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Lucélia Rodrigues
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Susana Sobrenome
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
Andréia Peixoto
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
domplex123
 

Mais procurados (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 

Semelhante a Romantismo em Portugal

ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ValeriaCristina51
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
DaianniSilv
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
Isabelle Ribeiro
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
LeandraLima23
 
Período Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo PortuguêsPeríodo Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo Português
Jomari
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Joyce Micielle
 
tudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismotudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismo
Felipe Alencar Barros
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 
Romantismo - Literatura
Romantismo - LiteraturaRomantismo - Literatura
Romantismo - Literatura
Matheus Brito
 
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
Rrom Martins
 
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
Rrom Martins
 
O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!
Rrom Martins
 
Romantismo breve introd
Romantismo breve introdRomantismo breve introd
Romantismo breve introd
Helena Coutinho
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
Andriane Cursino
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
ANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
2 caminhos romantismo ppt-4
2 caminhos romantismo ppt-42 caminhos romantismo ppt-4
2 caminhos romantismo ppt-4
fatimamendonca64
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
WandersonBarros16
 

Semelhante a Romantismo em Portugal (20)

ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
 
Período Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo PortuguêsPeríodo Literário Romantismo Português
Período Literário Romantismo Português
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
tudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismotudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismo
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 
Romantismo - Literatura
Romantismo - LiteraturaRomantismo - Literatura
Romantismo - Literatura
 
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
O romantismo olha o mundo de forma Apaixonada e Ideal !!!!
 
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
O romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal !!
 
O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!O romantismo olha o mundo de forma!!!
O romantismo olha o mundo de forma!!!
 
Romantismo breve introd
Romantismo breve introdRomantismo breve introd
Romantismo breve introd
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
 
2 caminhos romantismo ppt-4
2 caminhos romantismo ppt-42 caminhos romantismo ppt-4
2 caminhos romantismo ppt-4
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
 

Mais de Fábio Guimarães

Verbo TO BE
Verbo TO BEVerbo TO BE
Verbo TO BE
Fábio Guimarães
 
Substantivo 6 ano
Substantivo 6 anoSubstantivo 6 ano
Substantivo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Verbo 6 ano
Verbo 6 anoVerbo 6 ano
Verbo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Artigo 6 ano
Artigo 6 anoArtigo 6 ano
Artigo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Adjetivo 6 ano
Adjetivo 6 anoAdjetivo 6 ano
Adjetivo 6 ano
Fábio Guimarães
 
Numeral - 6 ano
Numeral - 6 anoNumeral - 6 ano
Numeral - 6 ano
Fábio Guimarães
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Fábio Guimarães
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
Fábio Guimarães
 
Paralelismo
ParalelismoParalelismo
Paralelismo
Fábio Guimarães
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
Fábio Guimarães
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
Fábio Guimarães
 
Pronome
PronomePronome
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
Fábio Guimarães
 
Substrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismoSubstrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismo
Fábio Guimarães
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
Fábio Guimarães
 
Crase
CraseCrase
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
Fábio Guimarães
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
Fábio Guimarães
 
Funções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicaçãoFunções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicação
Fábio Guimarães
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Fábio Guimarães
 

Mais de Fábio Guimarães (20)

Verbo TO BE
Verbo TO BEVerbo TO BE
Verbo TO BE
 
Substantivo 6 ano
Substantivo 6 anoSubstantivo 6 ano
Substantivo 6 ano
 
Verbo 6 ano
Verbo 6 anoVerbo 6 ano
Verbo 6 ano
 
Artigo 6 ano
Artigo 6 anoArtigo 6 ano
Artigo 6 ano
 
Adjetivo 6 ano
Adjetivo 6 anoAdjetivo 6 ano
Adjetivo 6 ano
 
Numeral - 6 ano
Numeral - 6 anoNumeral - 6 ano
Numeral - 6 ano
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
 
Paralelismo
ParalelismoParalelismo
Paralelismo
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Pronome
PronomePronome
Pronome
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
 
Substrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismoSubstrato ideológico do modernismo
Substrato ideológico do modernismo
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Funções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicaçãoFunções da linguagem e elementos da comunicação
Funções da linguagem e elementos da comunicação
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

Romantismo em Portugal

  • 2.  Não se restringe apenas a ser uma escola literária: é um espírito de época. (gostos de um certo tempo em todas as atividades artísticas exercidas pelo ser humano)  Não confunda: Romantismo/escola, com Romantismo/sentimento.  A escola nasceu das necessidades de um século de grandes modificações.( 2ª metade do séc. XVIII e a 1ª metade do séc. XIX. Nasce na Alemanha e Inglaterra.  É o oposto da razão, típica do Classicismo.  Emoção farta e transbordante.
  • 3.  O romântico é sempre um exaltado, apaixonado, temperamental.  O Romantismo aparece no momento da ascensão definitiva da burguesia, Revolução Francesa e Liberalismo.  Imitação dos padrões de comportamento social da nobreza, desejando um mundo e sonho e fantasia.
  • 4.  O Romantismo em Portugal apresenta em sua evolução dois momentos significativos. O primeiro deles representa o esforço de se firmar como movimento literário apoiado pela cultura popular, no nacionalismo, na busca das origens medievais do país, enquanto o segundo constitui um momento de maturidade e de transição para o Realismo.
  • 5. Contexto histórico  Como no resto da Europa, o Romantismo surgiu em Portugal num período de efervescência política – alguns anos após a revolução de 1820 que levou os liberais portugueses ao poder.  Participaram dessa revolução vários setores da burguesia portuguesa, nos quais se incluíam magistrados, comerciantes, militares, professores. Influenciados pelos ideais da Revolução Francesa, esses setores defendiam a reforma das instituições, a elaboração de uma Constituição, a liberdade de comércio, o direito de participação política do cidadão.  Lutavam, enfim, pela modernização de Portugal.
  • 6. Marco Inicial  O marco inicial do Romantismo português é a publicação, em Paris, do poema “Camões”, em 1825, em que o autor, Almeida Garret, faz uma espécie de biografia sentimental do famoso poeta-soldado. Mas o Romantismo como movimento literário firma-se só a partir de 1836, com a criação da revista Panorama, na qual se publicam textos já claramente românticos de importantes escritores portugueses.
  • 7. O Romantismo em Portugal Prosa e Poesia.  Contexto  Portugal, diferente do Brasil que exaltava a pátria, estava em crise, permeado de revoltas.  Intelectuais que se auto-exilaram na França ena Inglaterra trazem os novos ideias de lá para Portugal.  Início= Com o poema Camões de Almeida Garret.(1825)
  • 8. 1ª geração  Características:  - Sobrevivência de características neoclássicas; - Nacionalismo; - Historicismo, medievalismo.  Principais autores:  Almeida Garret, Alexandre Herculano e Antônio Feliciano de Castilho.
  • 9. Primeira fase Almeida Garret e Alexandre Herculano  Almeida Garret  Publicou Retrato de Vênus e foi processado por obscenidade (1821)  Foi influenciado por Lord Byron e Walter Scott.  Em sua obra destacam-se: - Frei Luís de Sousa(1844)- Teatro - Viagens da minha terra (1846) Romance - Folhas caídas (1853) Poesias
  • 10.  Alexandre Herculano  O mais conhecido escritor romântico português  Sua prosa captura o medievalismo e o nacionalismo.  Sofreu inluência de Fernão Lopes.  Mais importantes romances: - Euríco, o presbítero (1843) - O monge de Cister(1841)
  • 11. 2ª geração:  Características:  - Mal do século; - Excessos do subjetivismo e do emocionalismo românticos; - Irracionalismo; - Escapismo, fantasia; - Pessimismo.  Principais autores:  Camilo Castelo Branco, Soares Passos
  • 12. Segunda fase  Camilo Castelo Branco  Teve uma vida muito turbulenta que envolveu: orfandade, casamento precoce, amantes, raptos, duelos, prisão e suicídio.  Escreveu obras: - Ultrarromânticas - Satíricas - De transição
  • 13. 3ª geração:  Características:  - Diluição das características românticas; - amor carnal - Pré-realismo.  Principais autores:  João de Deus, Júlio Diniz.
  • 14. Terceira fase Julio Diniz  Seus romances têm como cenário:  A vida simples do campo.  Finais felizes.  O amor tudo suporta.  O interior dos personagens é desvendado.  Romances mais importantes:  As pupilas do senhor reitor (1867), Uma família inglesa(1868).