SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
O texto poético
Noções de versificação
O Texto lírico/poético caracteriza-se por:

Aspectos de Conteúdo:
1. Existência de um sujeito que revela e explora uma
vivência interior.
2. Um mundo filtrado pela experiência de um sujeito
Nota:
Não é o próprio autor que se expressa no poema, mas sim o “eu
poético” ou “sujeito poético” que assume neste texto o papel
equivalente ao do narrador no texto narrativo.
 O “eu poético” também é uma criação literária, uma ficção).


Aspectos Formais/Linguísticos:
1. Escrita em verso (mais frequentemente)
O poema apresenta uma mancha gráfica diferente da prosa
2. Predomínio da primeira pessoa gramatical
3. Musicalidade.
4. Linguagem subjetiva
Análise do poema faz-se ao nível da:

Estrutura externa         de uma poema diz respeito a
aspectos formais do mesmo, por isso estrutura externa é
equivalente a análise formal. Neste tipo de análise,
devem considerar-se os seguintes itens: número de estrofes,
número de versos que constituem cada estrofe, nome de cada
uma das estrofes, número de sílabas métricas, nome de cada
um dos versos, tipos de rimas, ritmo.

Estrutura interna,              consiste na   análise do
conteúdo da mensagem, na qual o poema pode ser dividido
em partes, tem de haver uma justificação para a divisão feita,
relacionam-se as diferentes partes (adições, oposições,
associações e paralelismo léxico-semântico), encontram-se o
tema e o assunto, relaciona-se o título com o conteúdo, etc.

Tudo o resto depende muito do tipo de poema em causa, do
autor e ainda do período literário em que se insere.
Noções de Versificação – Estrutura Externa

 Recorda ou aprende algumas noções específicas da poesia:




    Verso: cada uma das linhas do poema, que pode ter
   sentido completo ou não.

   Estrofe: conjunto de versos que formam uma unidade
   gráfica; as estrofes encontram-se separadas por um
   espaço em branco.

   Estrutura estrófica: as estrofes podem ser classificadas
   consoante o número de versos que a constituem.
Estrutura Estrófica
Conforme o número de versos que as
constituem, as estrofes recebem nomes
diferentes:

1 - Monóstico
2 - Dístico
3- Terceto
4 - Quadra
5 - Quintilha
6- Sextilha
7- Sétima
8- Oitava
9 - Nona
10 - Décima
Mais de 10 - Irregular
RIMA
consiste na semelhança de sons, normalmente nas sílabas finais dos
versos

ESQUEMA RIMÁTICO
atribui-se uma letra a cada rima (som), pela ordem das letras do alfabeto:

Rima cruzada: os versos rimam alternadamente, o 1º com o 3º e o 2º
com o 4º, etc – abab;

Rima emparelhada: os versos rimam seguidos – aabb;

Rima interpolada: dois versos que rimam são separados por dois ou
mais versos de rima diferente – abba ; abcda, etc.
Classificação da rima quanto ao seu lugar no verso


Exemplos:
As horas pela alameda a
Arrastam vestes de seda, a
Vestes de seda sonhada b
Pela alameda alongada. b

A rima é emparelhada porque rimam dois versos seguidos
( aa/bb/)
Nunca julgues que quem canta a
É feliz porque é ilusão:b
Nem sempre diz a garganta a
O que sente o coração. b




A rima é cruzada porque os versos rimam
alternadamente (abab ; abcb)
Ó meu relógio de sol, a
      Agulha de marear.b
      Minha rota sobre o mar,b
      Faixa da luz do farol! a




  A rima é interpolada nos 1º e 4º versos porque estão
separados por dois (ou mais) versos de rima diferente.
Tu estás em mim como eu estive no berço a
      Como a árvore sob a sua crosta b
      Como o navio no fundo do mar c




          .

Versos brancos ou soltos: não rimam com outros na estrofe.
Métrica –     Diz respeito à medida do verso, que se pode quantificar e
classificar.
Há poemas em que os versos têm todos a mesma medida,isto é, o
mesmo número de sílabas métricas, noutros, os versos apresentam
medidas diferentes.

Escansão – é a desigação que se dá à medição dos versos
  através da contagem de sílabas métricas.



Atencão:
As sílabas métricas podem não corresponder às sílabas
gramaticais, pois contam-se até à sílaba tónica da última palavra
de cada verso.
Ex.
 Pes/ca/dor/da/bar/ca/be /la → 8 sílabas gramaticais
Pes/ca/dor/da/bar/ca/be(la) → 7 sílabas métricas
Mas, afinal, o que se mede?
Medem-se ou contam-se as sílabas que constituem o verso.
Mas atenção, não são as sílabas gramaticais,são as silabas tal como
nos soam ao ouvido, conforme são pronunciadas em voz alta. Por
vezes podem coincidir, mas devemos tomar mais atenção à pronúncia
do verso e não às sílabas da palavra considerada isoladamente.

É preciso respeitar algumas regras quando se faz a escansão:

1. Só se devem contar as sílabas até à ultima sílaba tónica da última
   palavra do verso.Se o verso terminar numa palavra exdrúxula,não
   deves contabilizaras duas últimas sílabas.
Ex. Nas/ru/as/da/fei/ra – 5 sílabas métricas

2. Se, no verso se sucederem duas vogais átonas, uma átona e uma
tónica ou uma átona e um ditongo e puderem ser pronunciadas em
    apenas uma emissão de som, temos uma liberdade poética que só
    é concedida aos poetas.
Faz-se a elisão, ou seja, só se conta como uma sílaba métrica,
sempre que duas ou três vogais puderem ser pronunciadas numa só
emissão de som.
Ex.Lá/pa/ra o/nor/te é/me/lhor – 7 sílabas métricas
Exemplo:

• O/ po/e/ta/ é/ um/ fin/gi/dor - 9 sílabas gramaticais
• Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te – 8 sílabas gramaticais
• Que/ che/ga/ a/ fin/gir/ que/ é/ dor – 9 sílabas gramaticais
• A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te. – 8 sílabas gramaticais

O/ poe/ta é/ um/ fin/gi/dor - 7 sílabas métricas

Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te – 7 sílabas métricas

Que/ che/ga a/ fin/gir/ que é/ dor - 7 sílabas métricas

A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te. - 7 sílabas métricas
Classificação dos versos quanto ao número de sílabas
métricas:
 • Monossílabo : 1 sílaba
 • Dissílabo : 2 sílabas
 • Trissílabo : 3 sílabas
 • Tetrassílabo: 4 sílabas
 • Pentassílabo ou Redondilha Menor: 5 sílabas
 • Hexassílabo ou Heróico Quebrado: 6 sílabas
 • Heptassílabo ou Redondilha Maior: 7 sílabas
 • Octossílabo: 8 sílabas
 • Eneassílabo: 9 sílabas
 • Decassílabo: 10 sílabas
 • Hendecassílabo: 11 sílabas
 • Dodecassílabo ou Alexandrino: 12 sílabas
Como proceder à analise formal de um poema?
•    URGENTEMENTE
•    É urgente o Amor,                    Indicar o número versos e de estrofes;
•    É urgente um barco no mar.           Classificar as estrofes quanto ao número
•                                         de versos ;
•    É urgente destruir certas palavras    Referir os tipos de rima;
•    ódio, solidão e crueldade,           Classificar o número de versos quanto ao
•    alguns lamentos,                     número de sílabas métricas.
•    muitas espadas.
•
                                             Poema composto por 14 versos, divididos
•    É urgente inventar alegria,              em quatro estrofes, distribuídos por 1
•    multiplicar os beijos, as searas,        dístico e 3 quadras
•    é urgente descobrir rosas e rios
•    e manhãs claras.                      Presença de rima:
•                                         Interpolada (2ª estrofe)
                                          e
•    Cai o silêncio nos ombros,           Cruzada ( 3ª e 4ª estrofes)
•    e a luz impura até doer.             e
•    É urgente o amor,                    Versos soltos (1ª estrofe)
•    É urgente permanecer.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deFernanda Pantoja
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garretbecresforte
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisterita Silva
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoFatima Mendonca
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosRui Matos
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicosameliapadrao
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicosSílvia Faim
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxNome Sobrenome
 
análise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de Sena
análise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de Senaanálise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de Sena
análise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de SenaAMLDRP
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 

Mais procurados (20)

Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garret
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicos
 
Processos fonológicos
Processos fonológicosProcessos fonológicos
Processos fonológicos
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
 
análise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de Sena
análise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de Senaanálise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de Sena
análise poema Não hei-de morrer sem saber - Jorge de Sena
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 

Destaque (19)

Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
 
1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
 
O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
 
A conjunção
A conjunçãoA conjunção
A conjunção
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Gênero Lírico
Gênero LíricoGênero Lírico
Gênero Lírico
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 
Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Noções de versificação 2
Noções de versificação 2
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Versificacao
VersificacaoVersificacao
Versificacao
 

Semelhante a Análise formal de poema em 14 versos

Texto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de VersificaçãoTexto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de VersificaçãoCristina Seiça
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaBrenda Tacchelli
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoSusana Sobrenome
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxssusere47050
 
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptxae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptxMarleneVieiraSilva
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificaçãoJosé Luís
 
Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoRoberta Savana
 
A estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptx
A estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptxA estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptx
A estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptxJssicaCassiano2
 
Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificaçãoDeia1975
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 

Semelhante a Análise formal de poema em 14 versos (20)

Texto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de VersificaçãoTexto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de Versificação
 
Poesia lírica
Poesia líricaPoesia lírica
Poesia lírica
 
Texto poético
Texto poéticoTexto poético
Texto poético
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)
 
Nota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemasNota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemas
 
Poesia 3
Poesia 3Poesia 3
Poesia 3
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
 
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptxae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificação
 
Linguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificaçãoLinguagem poética e versificação
Linguagem poética e versificação
 
A estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptx
A estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptxA estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptx
A estrutura dos poemas ensino fundamental 8 ano.pptx
 
Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificação
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
 
Texto poético.ppt
Texto poético.pptTexto poético.ppt
Texto poético.ppt
 
Versificacao
VersificacaoVersificacao
Versificacao
 

Mais de Claudia Lazarini (9)

O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

Último

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 

Análise formal de poema em 14 versos

  • 1. O texto poético Noções de versificação
  • 2. O Texto lírico/poético caracteriza-se por: Aspectos de Conteúdo: 1. Existência de um sujeito que revela e explora uma vivência interior. 2. Um mundo filtrado pela experiência de um sujeito Nota: Não é o próprio autor que se expressa no poema, mas sim o “eu poético” ou “sujeito poético” que assume neste texto o papel equivalente ao do narrador no texto narrativo. O “eu poético” também é uma criação literária, uma ficção). Aspectos Formais/Linguísticos: 1. Escrita em verso (mais frequentemente) O poema apresenta uma mancha gráfica diferente da prosa 2. Predomínio da primeira pessoa gramatical 3. Musicalidade. 4. Linguagem subjetiva
  • 3. Análise do poema faz-se ao nível da: Estrutura externa de uma poema diz respeito a aspectos formais do mesmo, por isso estrutura externa é equivalente a análise formal. Neste tipo de análise, devem considerar-se os seguintes itens: número de estrofes, número de versos que constituem cada estrofe, nome de cada uma das estrofes, número de sílabas métricas, nome de cada um dos versos, tipos de rimas, ritmo. Estrutura interna, consiste na análise do conteúdo da mensagem, na qual o poema pode ser dividido em partes, tem de haver uma justificação para a divisão feita, relacionam-se as diferentes partes (adições, oposições, associações e paralelismo léxico-semântico), encontram-se o tema e o assunto, relaciona-se o título com o conteúdo, etc. Tudo o resto depende muito do tipo de poema em causa, do autor e ainda do período literário em que se insere.
  • 4. Noções de Versificação – Estrutura Externa Recorda ou aprende algumas noções específicas da poesia: Verso: cada uma das linhas do poema, que pode ter sentido completo ou não. Estrofe: conjunto de versos que formam uma unidade gráfica; as estrofes encontram-se separadas por um espaço em branco. Estrutura estrófica: as estrofes podem ser classificadas consoante o número de versos que a constituem.
  • 5. Estrutura Estrófica Conforme o número de versos que as constituem, as estrofes recebem nomes diferentes: 1 - Monóstico 2 - Dístico 3- Terceto 4 - Quadra 5 - Quintilha 6- Sextilha 7- Sétima 8- Oitava 9 - Nona 10 - Décima Mais de 10 - Irregular
  • 6. RIMA consiste na semelhança de sons, normalmente nas sílabas finais dos versos ESQUEMA RIMÁTICO atribui-se uma letra a cada rima (som), pela ordem das letras do alfabeto: Rima cruzada: os versos rimam alternadamente, o 1º com o 3º e o 2º com o 4º, etc – abab; Rima emparelhada: os versos rimam seguidos – aabb; Rima interpolada: dois versos que rimam são separados por dois ou mais versos de rima diferente – abba ; abcda, etc.
  • 7. Classificação da rima quanto ao seu lugar no verso Exemplos: As horas pela alameda a Arrastam vestes de seda, a Vestes de seda sonhada b Pela alameda alongada. b A rima é emparelhada porque rimam dois versos seguidos ( aa/bb/)
  • 8. Nunca julgues que quem canta a É feliz porque é ilusão:b Nem sempre diz a garganta a O que sente o coração. b A rima é cruzada porque os versos rimam alternadamente (abab ; abcb)
  • 9. Ó meu relógio de sol, a Agulha de marear.b Minha rota sobre o mar,b Faixa da luz do farol! a A rima é interpolada nos 1º e 4º versos porque estão separados por dois (ou mais) versos de rima diferente.
  • 10. Tu estás em mim como eu estive no berço a Como a árvore sob a sua crosta b Como o navio no fundo do mar c . Versos brancos ou soltos: não rimam com outros na estrofe.
  • 11. Métrica – Diz respeito à medida do verso, que se pode quantificar e classificar. Há poemas em que os versos têm todos a mesma medida,isto é, o mesmo número de sílabas métricas, noutros, os versos apresentam medidas diferentes. Escansão – é a desigação que se dá à medição dos versos através da contagem de sílabas métricas. Atencão: As sílabas métricas podem não corresponder às sílabas gramaticais, pois contam-se até à sílaba tónica da última palavra de cada verso. Ex. Pes/ca/dor/da/bar/ca/be /la → 8 sílabas gramaticais Pes/ca/dor/da/bar/ca/be(la) → 7 sílabas métricas
  • 12. Mas, afinal, o que se mede? Medem-se ou contam-se as sílabas que constituem o verso. Mas atenção, não são as sílabas gramaticais,são as silabas tal como nos soam ao ouvido, conforme são pronunciadas em voz alta. Por vezes podem coincidir, mas devemos tomar mais atenção à pronúncia do verso e não às sílabas da palavra considerada isoladamente. É preciso respeitar algumas regras quando se faz a escansão: 1. Só se devem contar as sílabas até à ultima sílaba tónica da última palavra do verso.Se o verso terminar numa palavra exdrúxula,não deves contabilizaras duas últimas sílabas. Ex. Nas/ru/as/da/fei/ra – 5 sílabas métricas 2. Se, no verso se sucederem duas vogais átonas, uma átona e uma tónica ou uma átona e um ditongo e puderem ser pronunciadas em apenas uma emissão de som, temos uma liberdade poética que só é concedida aos poetas. Faz-se a elisão, ou seja, só se conta como uma sílaba métrica, sempre que duas ou três vogais puderem ser pronunciadas numa só emissão de som. Ex.Lá/pa/ra o/nor/te é/me/lhor – 7 sílabas métricas
  • 13. Exemplo: • O/ po/e/ta/ é/ um/ fin/gi/dor - 9 sílabas gramaticais • Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te – 8 sílabas gramaticais • Que/ che/ga/ a/ fin/gir/ que/ é/ dor – 9 sílabas gramaticais • A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te. – 8 sílabas gramaticais O/ poe/ta é/ um/ fin/gi/dor - 7 sílabas métricas Fin/ge/ tão/ com/ple/ta/men/te – 7 sílabas métricas Que/ che/ga a/ fin/gir/ que é/ dor - 7 sílabas métricas A/ dor/ que/ de/ve/ras/ sen/te. - 7 sílabas métricas
  • 14. Classificação dos versos quanto ao número de sílabas métricas: • Monossílabo : 1 sílaba • Dissílabo : 2 sílabas • Trissílabo : 3 sílabas • Tetrassílabo: 4 sílabas • Pentassílabo ou Redondilha Menor: 5 sílabas • Hexassílabo ou Heróico Quebrado: 6 sílabas • Heptassílabo ou Redondilha Maior: 7 sílabas • Octossílabo: 8 sílabas • Eneassílabo: 9 sílabas • Decassílabo: 10 sílabas • Hendecassílabo: 11 sílabas • Dodecassílabo ou Alexandrino: 12 sílabas
  • 15. Como proceder à analise formal de um poema? • URGENTEMENTE • É urgente o Amor, Indicar o número versos e de estrofes; • É urgente um barco no mar. Classificar as estrofes quanto ao número • de versos ; • É urgente destruir certas palavras  Referir os tipos de rima; • ódio, solidão e crueldade, Classificar o número de versos quanto ao • alguns lamentos, número de sílabas métricas. • muitas espadas. •  Poema composto por 14 versos, divididos • É urgente inventar alegria, em quatro estrofes, distribuídos por 1 • multiplicar os beijos, as searas, dístico e 3 quadras • é urgente descobrir rosas e rios • e manhãs claras.  Presença de rima: • Interpolada (2ª estrofe) e • Cai o silêncio nos ombros, Cruzada ( 3ª e 4ª estrofes) • e a luz impura até doer. e • É urgente o amor, Versos soltos (1ª estrofe) • É urgente permanecer.