SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ

Assunto: Movimento Literário Humanismo em Portugal
Tema: Humanismo: descoberta da capacidade humana
Alunos e números: Bianca Alves dos Santos nº 7
Bruno Fernandes dos Santos – n° 10
Larissa Laira dos Santos –
n° 23
Nathalia Rodrigues de Araújo – n° 30
Vinicius Augusto Sales da Silva n° 37
Série: 1° Ano A – Ensino Médio
Professora Maria Piedade Teodoro da Silva
Disciplina: Língua Portuguesa

Jacareí, 12 de novembro de 2013
I.

INTRODUÇÃO

Esta pesquisa tem como objetivo expor, o contexto sócio – cultural
(qualifica um grupo de variáveis contextuais com influência no
desempenho e na atividade e reflete os valores, costumes e tradições
da sociedade e influencia as trocas e os sistemas de trabalho),
mostrando aos alunos do 1°Ensimo Médio A da Escola Estadual
Professor João Cruz, as características do Movimento Literário
Humanismo, além de apresentar as influências desse movimento na
literatura atual.
A palavra “Humanismo” está relacionada ao contexto sócio – cultural:
o Antropocentrismo (o radical de origem grega “antropo” que significa
homem), forma de pensamento que passa colocar o Homem no centro
do interesse e reflexão, isto é, valorização e capacidade humana.
O Movimento Literário Humanismo se inaugura no século XV e se
estende até o século XVI. Nesse período, ocorreram mudanças na
sociedade, que se divide em clero, nobreza e plebe; porém está
surgindo uma nova classe social, a burguesia ligada ao comércio,
identificando-se o capitalismo.
A estética humanista reflete as mudanças pelas quais passaram a
sociedade: entre a concepção medieval e a concepção moderna. Esse
1-o principio fundamental da existência de
Deus como explicação para a verdade da vida
é substituído pelo principio da autonomia da
razão.
2-a divisão do mundo em esferas superior e
inferior é trocada pela observação da natureza
na tentativa de descobrir leis de
funcionamento baseadas em elementos físicos
e não sobrenaturais.
3-A dependência da revelação divina divulgada
e ensinada pela Igreja da lugar a uma
autossuficiência da inteligência humana.
(BARRETO, 2010)
II. HUMANISMO: DESCOBERTA DA CAPACIDADE
HUMANA

1. Origens
O Movimento Literário Humanismo corresponde ao
período que vai desde a nomeação de Fernão Lopes
(escritor e cronista português do século XV), para o
cargo publicitário de cronista – mor da Torre de Tombo
(biblioteca portuguesa) em 1434, até o retorno de Sá de
Miranda (poeta português), da Itália introduzida em
Portugal a nova estética clássica que seria as
manifestações artísticas como a arquitetura, a escultura
e a pintura, dão ênfase ao teatro e a poesia. Tendo
como característica geral do Movimento Literário
Humanismo: “Interesse pelo ser humano e crítica a seu
comportamento”.(CADORE 1998).
2. O cronista - mor: Fernão Lopes cronista e crítico
da sociedade brasileira
Fernão Lopes, nomeado como guarda – mor em 1418,
nasceu entre 1378 e 1383. Promovido como cronista – mor
do rei em 1434 exercendo essa função durante vinte anos,
substituído em 1454 por Gomes Eanes de Azuara por estar
velho e fraco. Supõe- se que faleceu em 1460. É
considerado o “pai da Historia”.
Suas obras contêm crítica e ironia à sociedade portuguesa,
sendo considerado o introdutor da historiografia portuguesa.
Embora a crônica histórica já existisse antes
Fernão Lopes, em suas mãos o gênero ganha
novos contornos. O cronista foi cauteloso na
coleta de provas e documentos:
entrevistou testemunhas, consultou arquivos de
igreja e visitou cemitérios.
Filtrou e consolidou tudo isso num relato que se
distingue pela organização e pela clareza,
dispensando as informações que não podiam ser
suficientemente comprovadas.
De sua obra, três crônicas se destacam: Crônica de
el - Rei dom Pedro, Crônica de el-Rei dom Fernando
e Crônica de el-Rei dom João I (inacabada). A parte
principal da obra de Fernão Lopes,
portanto, atravessa os dois últimos
reinados da primeira dinastia
portuguesa, a de Borgonha, que
culminam na crise de 1383-1385,
quando dom João de Portugal assume o
trono e da inicio à dinastia
de Avis.
Assim, em suas três crônicas principais,
Fernão Lopes faz a analise
e o registro de uma era historicamente
movimentada da vida portuguesa. A
qualidade de sua obra acaba tendo um
importante papel na definição de uma
identidade nacional e contribui para a
solidificação de Portugal como nação.
(BARRETO, 2010).
A seguir, dois fragmentos de crônicas de Fernão Lopes.
Os matadores de Inês de Castro
A Portugal foram trazidos Alvaro Gonçalvez e Pero Coelho, e
chegavam a Santarém onde elRei Don Pedro era, e elRei,
comprazer de sua vinda, porém mal magoado porque Diego Lopes
fugira, o shaiu fora arreceber, e sanha cruel sem piedade lhos fez
per sua mão meter a tromento, querendo que lhe confessassem
quais foram da morte de Dona Inês culpados, e que era o que seu
padre tratava, quando andavam desavindos por acaso da morte
dela; e nenhum deles respondeu a tais perguntas coisa que e a
elRei prouvesse, e elRei com queixume dizem que deu um açoute
no rosto a Pero Coelho, e ele se soltou contra elRei, em
desonestas e fieis palavras, chamando-lhe traidor, feprejuro, algoz
e carniceiro dos homens: e elRei dizendo que lhe trouxessem
cebola e vinagre para o coelho, enfradousse deles e mandou-os
matar.
A maneira de sua morte, sendo dita pelo medo, seria muito
estranha e crua de contar, cá mandou tirar o coração pelos peitos
a Pero Coelho; e a Alvaro Gonçalvez pelas costas; e quais
palavras ouvem, e aquele que lhe vir; enfim mandou-os queimar;
e todo feito ante os passos onde El pousava, de guisa que
comendo olhava quando mandava fazer.
Muito perdeu el-Rei de sua boa fama por tal escambo como este,
o que foi avisado em Portugal e em Castela por muito grande mal,
dizendo à todos bons que o ouviam, que os reis erravam muito
indo contra as suas verdades, pois que estes cavalheiros estava
sobre segurança acoutados em seus reinos.(NICOLA,2010)
Crônica de D. João I
Crônica de Dom João I: "Grande licença deu a afeição que
tiveram carrego de ordenar estórias, mormente dos
senhores em cuja mercê e terras viviam, e onde foram
nados seus antigos avós, sendo-lhes muito favoráveis no
recontamento de seus feitos. E tal favoreça como esta
nasce de mundanal afeição, a qual não é salvo
conformidade de alguma cousa ao entendimento do
homem. Assim que a terra em que os homens, por longo
costume e tempo, foram criados gera tal conformidade
entre o seu entendimento e ela, que, havendo de julgar
alguma sua cousa, assim em louvor como por contrario,
nunca por eles é diretamente recontada, porque, louvandoa, dizem sempre mais de aquilo que é e, se de outro modo,
não escrevem suas perdas tão minguada mente como
aconteceram”.
Do ponto de vista de da forma, então o Fernão Lopes
representa uma literatura de expressão oral e de raiz
popular. Ele próprio diz que nas suas páginas não se
encontra a formosura das palavras, mas a nudez da
verdade. Era um autodidata. Foi um dos legítimos
representantes do saber popular, mas já no seu tempo um
novo tipo de saber começava a surgir: de cunho-erudito
acadêmico, humanista, classizante. Para uma metodologia
da escrita da história comprometida com a “verdade nua e
crua” a partir da crônica de D. João I. (NICOLA, 2010)
3. Teatro Vicentino
O teatro vicentino pode ser acompanhado em três fases,
em que é possível dividir a obra de Gil Vicente.
A primeira fase se passa de 1502 a 1508, foca as peças
predominantemente religiosas, ou seja, já deixa notar a
influencia do espirito Humanista. Enquanto a segunda
fase passa m 1508 a 1516, coloca a temática religiosa a
critica social e finalmente, a terceira fase representa ao
movimento mais alto da obra de Gil Vicente. Dela fazem
parte suas obras primas, por exemplo, a trilogia das
buscas (Auto da barca do Inferno, Agito da busca da
Glória e Auto da barca do Pitágoras) e a Farsa de Inês
Pereira. Nessa época a critica de costumes chega ao seu
ponto mais alto e do clero a plebe todas as camadas
sociais são exemplos de como o ser humano, mostrando
por tipos sócios específicos, que aparentemente moldam
aquela sociedade. Parecido com a comédia, a farsa é mais
objetiva e seu humor, na obra de Gil Vicente, tem mesmo
poder sátiro e moralizante observados nos autores.
3.1 Características do teatro vicentino
As encenações do teatro de Gil Vicente são encenações
religiosas ou litúrgicas, que eram apresentadas no
interior das igrejas, se dividiam partes diferentes como:
Ministério - representando de uma passagem da vida de
Jesus Cristo, como o natal e a páscoa.
Milagre - Representa de um milagre operado por um
santo.
Moralidade- Representações dramáticas. A encenação
profanasse. Assim chamadas por serem realizadas fora
das igrejas, se dividiam em dois tipos:
Arremedilho ou Arremedo: Imitação cômica de pessoas
ou de acontecimentos.
Momos: Encenações carnavalescas de temática muito
variada, com personagens mascarados. (NICOLA, 2010)
.
Leia agora um trecho extraído da obra Auto da barca do
inferno, de Gil Vicente. Nessa peça, dois barqueiros (o
diabo e o anjo) esperam chegar às almas que levarão
para o inferno ou o céu, respectivamente. Na cena
abaixo, o barqueiro Diabo conversa com um Frade.
(BARRETO, 2010).
Auto da barca do Inferno
Chega um Frade com uma Moça
pela mão, e um broquel e uma
espada da outra; vem cantando e
dançando.
[...]
DIABO – Que é isso, Padre?
Que vai lá?
FRADE – Deo Gratias!
Sou cortesão.
DIABO – Sabeis também o tordião?
FRADE – Por que não? Comoora sei!
DIABO – Pois entrai! Eu tangerei
E faremos um serão
E essa dama, ela é vossa?
FRADE – Por minha a tenho eu,
E sempre a tive de meu.
DIABO – Fizeste bem, que é
formosa!

E não vos punham lá grosa
No nosso convento santo?
FRADE – E eles fazem outro tanto!
E assim fui bem açoutado
DIABO – Que cousa tão preciosa!
Entrai padre reverendo!
FRADE – Para onde levais gente?
DIABO – Para aquele fogo ardente
Que não temeste vivendo
FRADE – Juro a Deus que não te
entendo!
E esse hábito não me vale?
DIABO – Gentil padre mundanal,
A Berzebu vos encomendo
FRADE – Corpo de Deus
consagrado!
Pela fé de Jesus Cristo.
Que eu não posso entender isto!
Eu hei-dei de ser condenado?
um padre tão namorado,
E tanto dado à virtude!
sim Deus me de saúde,
Que estou maravilhado
DIABO – Não cureis de mais
detença
Embarcai e partiremos
Tomarei um par de remos.
FRADE – Não ficou isso na avença
DIABO – Pois dada essa já a
sentença
FRADE – Por Deus, essa seria ela?
Não vai a tal caravela
Minha senhora Florença?
Como?! Por ser namorada,
E folgar com uma mulher,
se há um frade de perder,
Com tanto salmo rezado?
DIABO – Ora estás bem aviado
FRADE – Mas estás bem corrigido
DIABO – Devoto padre e marido,
Haveis de ser cá pingado.

Não vai a tal caravela
Minha senhora Florença?
Como?! Por ser namorada,
E folgar com uma mulher,
se há um frade de perder,
Com tanto salmo rezado?
DIABO – Ora estás bem aviado
FRADE – Mas estás bem
corrigido
DIABO – Devoto padre e
marido,
Haveis de ser cá pingado.
Vicente, Gil. Auto da barca do
Inferno. SP: Companhia Editora
Nacional, 2005. P.43-46 (Série
Lazuli clássicos).
4. Poesia Palaciana
A poesia do século XV não era mais acompanhada por instrumento
musical como acontecia no Movimento Literário Trovadorismo. Essa
nova situação obrigava os autores a trabalharem melhor as rimas e
os versos.Essa poesia é chamada de poesia palaciana, porque
revela os sentimentos e os costumes dos nobres que viviam nos
palácios. Nesses poemas, percebe-se certa sensualidade e a
manifestação de desejos materiais. Na poesia trovadoresca esses
aspectos eram proibidos. A produção da poesia palaciana foi
reunida no “Cancioneiro Geral”, que é uma obra que contém mais
ou menos mil textos de 286 autores diferentes. O Cancioneiro
Geral foi organizado e publicado em 1516. Composições coletivas
que eram produzidas com a finalidade ser apresentadas para a
corte nos serões do Paço Real. D. Afonso V era conhecido como “O
Humanista” e produzia uma série de serões, concursos poéticos,
audição de música e recitação de poesia. Essas poesias se
diferenciavam das cantigas de trovadores porque nelas a música
era separada da letra e o amor era menos idealizado, mais real
João ou Joam Roiz de Castel-Branco, também João Ruiz de
Castelo-Branco, foi um cavaleiro nobre português, fidalgo da Casa
Real, cortezão poeta humanista. Abaixo esta uma de suas obras, o
poema “Cantiga sua partindo-se”.
Cantiga sua partindo-se
Senhora, partem tão tristes
Meus olhos por vós, meu bem,
Que nunca tão triste vistes
Outros nenhuns por ninguém.
Tão tristes, tão saudosos,
Tão doentes da partida,
Tão cansados, tão chorosos,
Da morte mais desejosa
Cem mil vezes que da vida.
Partem tão tristes os tristes,
Tão fora d’esperar bem,
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhuns por ninguém.
Castelo Branco. (NICOLA, 2010).
Francisco de Sá de Miranda nasceu em Coimbra no dia 28
de agosto de 1481 e faleceu no dia 15 de
Março de 1558 com 76 anos, foi um poeta português. A
importância desse poeta para Portugal reside na ida dele
para Itália e de lá trazer uma nova proposta literária
“Medida nova” “a volta de Sá de Miranda da Itália, em
1527, trazendo novos padrões estético – versos
decassílabos e soneto -, pôs fim ao período humanista,
dando inicio ao Classicismo.” (CARDORE,1998)
Para Sá de Miranda, a poesia não é uma ocupação, mas
uma missão sagrada. O poeta é como um profeta, e deve
denunciar os vícios da sociedade, sobretudo da Corte, o
abandono dos campos e a preocupação exagerada do luxo,
que tudo corrompe, deve propor a vida sadia em contato
com a madre natureza, a simplicidade e a felicidade dos
lavradores. E uma de suas obras mais aclamada foi “Entre
tremor e desejo”.
Entre tremor e desejo
Entre tremor e desejo,
Vã esperança e vã dor,
Entre amor e desamor,
Meu triste coração vejo.
Nestes extremos cativo
Ando sem fazer mudança,
E já vivi d'esperança
E agora vivo de choro vivo.
Contra mi mesmo pelejo,
Vem d'ua dor outra dor
E d'um desejo maior
Nasce outro mor desejo.
Sá de Miranda. (NICOLA,2010).
5. Influência do Movimento Literário Humanismo na
literatura atual
Observam-se, na literatura atual, influências do
Movimento Literário Humanismo tanto no teatro, na poesia
e na produção de crônicas jornalísticas publicadas em
jornais e em revistas impressas e online.
A partir das crônicas de Fernão Lopes, nota-se a
exploração desse gênero, principalmente, nos séculos XX
e XXI. E alguns autores dos dias atuais, como exemplo
Fernando Sabino, Millôr Fernandes, Moacyr Scliar, Carlos
Heitor Cony, Fernando Bonassi, Affonso Romano de
Sant’Anna e Luis Fernando Verissimo.
A Pessoa Errada
Pensando bem
Em tudo o que a gente vê, e vivência
E ouve e pensa
Não existe uma pessoa certa pra gente
Existe uma pessoa
Que se você for parar pra pensar
É, na verdade, a pessoa errada.
Porque a pessoa certa
Faz tudo certinho
Chega na hora certa,
Fala as coisas certas,
Faz as coisas certas,
Mas nem sempre a gente tá precisando
das coisas certas.
Aí é a hora de procurar a pessoa
errada.
A pessoa errada te faz perder a cabeça
Fazer loucuras
Perder a hora
Morrer de amor
A pessoa errada vai ficar um dia
sem te procurar
Que é pra na hora que vocês se
encontrarem
A entrega ser muito mais verdadeira

A pessoa errada, é na verdade,
aquilo que a gente chama
de pessoa certa
Essa pessoa vai te fazer chorar
Mas uma hora depois vai estar enxugando
suas lágrimas
Mas vai estar 100% da vida dela
esperando você
Vai estar o tempo todo pensando em
você.
A pessoa errada
tem que aparecer pra todo mundo
Porque a vida não é certa
Nada aqui é certo
O que é certo mesmo, é que temos que
viver
Cada momento
Cada segundo
Amando, sorrindo, chorando,
emocionando, pensando, agindo,
querendo, conseguindo
E só assim
É possível chegar àquele momento do dia
Em que a gente diz:
"Graças à Deus deu tudo certo"
Quando na verdade
Tudo o que ele quer
É que a gente encontre a pessoa errada
III. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Esta pesquisa teve como objetivo de conhecer do movimento
Literário Humanismo, se inicia no século XV, mostrando as
influências do pensamento religioso medieval e a
revalorização da antiguidade clássica elaborada pelo
renascimento. Sabemos sobre Fernão Lopes e suas crônica,
as que se destacam: "Crônica de El - Rei dom Pedro",
"crônica de El - Rei dom Fernando" e "crônica de E l- Rei dom
João I" (inacabada). A parte principal da obra de Fernão
Lopes, portanto, atravessa os dois últimos reinados da
primeira dinastia portuguesa. Gil Vicente é outro destaque na
literatura humanismo para ser considerada o primeiro
dramaturgo de Portugal antes de escrever suas obras era
muito pouco conhecido, sua primeira aparição foi em 1502 na
celebração do nascimento de Dom João III. Nos aposentos
reais de Dona Maria encenou o "monólogo do vaqueiro" ,
fantasiado de vaqueiro.
IV. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARRETO, Ricardo Gonçalves. Ser Protagonista, São Paulo. SM, 2010.
CARDORE, Luís Agostinho. Curso prático do Português, São Paulo:
Ática, 1998. NICOLA, José de. Português Ensino Médio. Volume 1, São
Paulo: Scipione, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11176 42038-1-pb
11176 42038-1-pb11176 42038-1-pb
11176 42038-1-pb
Rosane Alves
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Marta Morais
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Likaa
 
Quinhentismo e barroco
Quinhentismo e barrocoQuinhentismo e barroco
Quinhentismo e barroco
Valeria Nunes
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 
Humanismo nota de aula
Humanismo nota de aula Humanismo nota de aula
Humanismo nota de aula
Péricles Penuel
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Literatura aula 02 - humanismo
Literatura   aula 02 - humanismoLiteratura   aula 02 - humanismo
Literatura aula 02 - humanismo
mfmpafatima
 
Resumo Literatura
Resumo LiteraturaResumo Literatura
Resumo Literatura
Larissa Lima
 
Origens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesaOrigens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesa
diegopla
 
História da Literatura Brasileira
História da Literatura BrasileiraHistória da Literatura Brasileira
História da Literatura Brasileira
Sérgio Amaral
 
O humanismo em portugal
O humanismo em portugalO humanismo em portugal
O humanismo em portugal
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
Sinziana Socol
 
A literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxA literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xx
Pjaquinha
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
José Ricardo Lima
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Kelwin Souza
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais procurados (19)

11176 42038-1-pb
11176 42038-1-pb11176 42038-1-pb
11176 42038-1-pb
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Quinhentismo e barroco
Quinhentismo e barrocoQuinhentismo e barroco
Quinhentismo e barroco
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo nota de aula
Humanismo nota de aula Humanismo nota de aula
Humanismo nota de aula
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Literatura aula 02 - humanismo
Literatura   aula 02 - humanismoLiteratura   aula 02 - humanismo
Literatura aula 02 - humanismo
 
Resumo Literatura
Resumo LiteraturaResumo Literatura
Resumo Literatura
 
Origens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesaOrigens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesa
 
História da Literatura Brasileira
História da Literatura BrasileiraHistória da Literatura Brasileira
História da Literatura Brasileira
 
O humanismo em portugal
O humanismo em portugalO humanismo em portugal
O humanismo em portugal
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
A literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxA literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xx
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 

Semelhante a Escola estadual professor joão cruz

Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do InfernoEstudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Flavio Maia Custodio
 
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptxAula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
JaquelineFernandes79
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
Kátia Silva da Costa
 
Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
MatheusLeandro2012
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
Jonatas Carlos
 
Os Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.pptOs Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.ppt
Elisabete Freitas
 
Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
CindiaAianaFariaLima1
 
A-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptx
A-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptxA-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptx
A-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptx
PRISCILAGUIMARAESPIN
 
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptxCrónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
AntonioCoito1
 
Fernão lopes & gil vicente
Fernão lopes & gil vicenteFernão lopes & gil vicente
Fernão lopes & gil vicente
Lanny Oliiver
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteLiteratura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Miriam Zelmikaitis
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Guilherme Jésus
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
Portal do Vestibulando
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Priscila Pettine
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Priscila Pettine
 
Contextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Contextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.pptContextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Contextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
sandraguerin6
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
heleira02
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
Aline Ferreira
 

Semelhante a Escola estadual professor joão cruz (20)

Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
 
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do InfernoEstudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
 
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptxAula 4 Humanismo em Portugal.pptx
Aula 4 Humanismo em Portugal.pptx
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
 
Os Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.pptOs Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.ppt
 
Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
 
A-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptx
A-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptxA-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptx
A-Idade-Media-e-o-Surgimento-da-Burguesia.pptx
 
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptxCrónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
Crónica de D. Pedro I - parte de uma trilogia.pptx
 
Fernão lopes & gil vicente
Fernão lopes & gil vicenteFernão lopes & gil vicente
Fernão lopes & gil vicente
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteLiteratura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Contextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Contextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.pptContextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
Contextualização histórico-literária - Sermão de Santo António aos Peixes.ppt
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
 

Escola estadual professor joão cruz

  • 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ Assunto: Movimento Literário Humanismo em Portugal Tema: Humanismo: descoberta da capacidade humana Alunos e números: Bianca Alves dos Santos nº 7 Bruno Fernandes dos Santos – n° 10 Larissa Laira dos Santos – n° 23 Nathalia Rodrigues de Araújo – n° 30 Vinicius Augusto Sales da Silva n° 37 Série: 1° Ano A – Ensino Médio Professora Maria Piedade Teodoro da Silva Disciplina: Língua Portuguesa Jacareí, 12 de novembro de 2013
  • 2. I. INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo expor, o contexto sócio – cultural (qualifica um grupo de variáveis contextuais com influência no desempenho e na atividade e reflete os valores, costumes e tradições da sociedade e influencia as trocas e os sistemas de trabalho), mostrando aos alunos do 1°Ensimo Médio A da Escola Estadual Professor João Cruz, as características do Movimento Literário Humanismo, além de apresentar as influências desse movimento na literatura atual. A palavra “Humanismo” está relacionada ao contexto sócio – cultural: o Antropocentrismo (o radical de origem grega “antropo” que significa homem), forma de pensamento que passa colocar o Homem no centro do interesse e reflexão, isto é, valorização e capacidade humana. O Movimento Literário Humanismo se inaugura no século XV e se estende até o século XVI. Nesse período, ocorreram mudanças na sociedade, que se divide em clero, nobreza e plebe; porém está surgindo uma nova classe social, a burguesia ligada ao comércio, identificando-se o capitalismo. A estética humanista reflete as mudanças pelas quais passaram a sociedade: entre a concepção medieval e a concepção moderna. Esse
  • 3. 1-o principio fundamental da existência de Deus como explicação para a verdade da vida é substituído pelo principio da autonomia da razão. 2-a divisão do mundo em esferas superior e inferior é trocada pela observação da natureza na tentativa de descobrir leis de funcionamento baseadas em elementos físicos e não sobrenaturais. 3-A dependência da revelação divina divulgada e ensinada pela Igreja da lugar a uma autossuficiência da inteligência humana. (BARRETO, 2010)
  • 4. II. HUMANISMO: DESCOBERTA DA CAPACIDADE HUMANA 1. Origens O Movimento Literário Humanismo corresponde ao período que vai desde a nomeação de Fernão Lopes (escritor e cronista português do século XV), para o cargo publicitário de cronista – mor da Torre de Tombo (biblioteca portuguesa) em 1434, até o retorno de Sá de Miranda (poeta português), da Itália introduzida em Portugal a nova estética clássica que seria as manifestações artísticas como a arquitetura, a escultura e a pintura, dão ênfase ao teatro e a poesia. Tendo como característica geral do Movimento Literário Humanismo: “Interesse pelo ser humano e crítica a seu comportamento”.(CADORE 1998).
  • 5. 2. O cronista - mor: Fernão Lopes cronista e crítico da sociedade brasileira Fernão Lopes, nomeado como guarda – mor em 1418, nasceu entre 1378 e 1383. Promovido como cronista – mor do rei em 1434 exercendo essa função durante vinte anos, substituído em 1454 por Gomes Eanes de Azuara por estar velho e fraco. Supõe- se que faleceu em 1460. É considerado o “pai da Historia”. Suas obras contêm crítica e ironia à sociedade portuguesa, sendo considerado o introdutor da historiografia portuguesa. Embora a crônica histórica já existisse antes Fernão Lopes, em suas mãos o gênero ganha novos contornos. O cronista foi cauteloso na coleta de provas e documentos: entrevistou testemunhas, consultou arquivos de igreja e visitou cemitérios. Filtrou e consolidou tudo isso num relato que se distingue pela organização e pela clareza, dispensando as informações que não podiam ser suficientemente comprovadas. De sua obra, três crônicas se destacam: Crônica de el - Rei dom Pedro, Crônica de el-Rei dom Fernando e Crônica de el-Rei dom João I (inacabada). A parte
  • 6. principal da obra de Fernão Lopes, portanto, atravessa os dois últimos reinados da primeira dinastia portuguesa, a de Borgonha, que culminam na crise de 1383-1385, quando dom João de Portugal assume o trono e da inicio à dinastia de Avis. Assim, em suas três crônicas principais, Fernão Lopes faz a analise e o registro de uma era historicamente movimentada da vida portuguesa. A qualidade de sua obra acaba tendo um importante papel na definição de uma identidade nacional e contribui para a solidificação de Portugal como nação. (BARRETO, 2010).
  • 7. A seguir, dois fragmentos de crônicas de Fernão Lopes. Os matadores de Inês de Castro A Portugal foram trazidos Alvaro Gonçalvez e Pero Coelho, e chegavam a Santarém onde elRei Don Pedro era, e elRei, comprazer de sua vinda, porém mal magoado porque Diego Lopes fugira, o shaiu fora arreceber, e sanha cruel sem piedade lhos fez per sua mão meter a tromento, querendo que lhe confessassem quais foram da morte de Dona Inês culpados, e que era o que seu padre tratava, quando andavam desavindos por acaso da morte dela; e nenhum deles respondeu a tais perguntas coisa que e a elRei prouvesse, e elRei com queixume dizem que deu um açoute no rosto a Pero Coelho, e ele se soltou contra elRei, em desonestas e fieis palavras, chamando-lhe traidor, feprejuro, algoz e carniceiro dos homens: e elRei dizendo que lhe trouxessem cebola e vinagre para o coelho, enfradousse deles e mandou-os matar. A maneira de sua morte, sendo dita pelo medo, seria muito estranha e crua de contar, cá mandou tirar o coração pelos peitos a Pero Coelho; e a Alvaro Gonçalvez pelas costas; e quais palavras ouvem, e aquele que lhe vir; enfim mandou-os queimar; e todo feito ante os passos onde El pousava, de guisa que comendo olhava quando mandava fazer. Muito perdeu el-Rei de sua boa fama por tal escambo como este, o que foi avisado em Portugal e em Castela por muito grande mal, dizendo à todos bons que o ouviam, que os reis erravam muito indo contra as suas verdades, pois que estes cavalheiros estava sobre segurança acoutados em seus reinos.(NICOLA,2010)
  • 8. Crônica de D. João I Crônica de Dom João I: "Grande licença deu a afeição que tiveram carrego de ordenar estórias, mormente dos senhores em cuja mercê e terras viviam, e onde foram nados seus antigos avós, sendo-lhes muito favoráveis no recontamento de seus feitos. E tal favoreça como esta nasce de mundanal afeição, a qual não é salvo conformidade de alguma cousa ao entendimento do homem. Assim que a terra em que os homens, por longo costume e tempo, foram criados gera tal conformidade entre o seu entendimento e ela, que, havendo de julgar alguma sua cousa, assim em louvor como por contrario, nunca por eles é diretamente recontada, porque, louvandoa, dizem sempre mais de aquilo que é e, se de outro modo, não escrevem suas perdas tão minguada mente como aconteceram”. Do ponto de vista de da forma, então o Fernão Lopes representa uma literatura de expressão oral e de raiz popular. Ele próprio diz que nas suas páginas não se encontra a formosura das palavras, mas a nudez da verdade. Era um autodidata. Foi um dos legítimos representantes do saber popular, mas já no seu tempo um novo tipo de saber começava a surgir: de cunho-erudito acadêmico, humanista, classizante. Para uma metodologia da escrita da história comprometida com a “verdade nua e crua” a partir da crônica de D. João I. (NICOLA, 2010)
  • 9. 3. Teatro Vicentino O teatro vicentino pode ser acompanhado em três fases, em que é possível dividir a obra de Gil Vicente. A primeira fase se passa de 1502 a 1508, foca as peças predominantemente religiosas, ou seja, já deixa notar a influencia do espirito Humanista. Enquanto a segunda fase passa m 1508 a 1516, coloca a temática religiosa a critica social e finalmente, a terceira fase representa ao movimento mais alto da obra de Gil Vicente. Dela fazem parte suas obras primas, por exemplo, a trilogia das buscas (Auto da barca do Inferno, Agito da busca da Glória e Auto da barca do Pitágoras) e a Farsa de Inês Pereira. Nessa época a critica de costumes chega ao seu ponto mais alto e do clero a plebe todas as camadas sociais são exemplos de como o ser humano, mostrando por tipos sócios específicos, que aparentemente moldam aquela sociedade. Parecido com a comédia, a farsa é mais objetiva e seu humor, na obra de Gil Vicente, tem mesmo poder sátiro e moralizante observados nos autores.
  • 10. 3.1 Características do teatro vicentino As encenações do teatro de Gil Vicente são encenações religiosas ou litúrgicas, que eram apresentadas no interior das igrejas, se dividiam partes diferentes como: Ministério - representando de uma passagem da vida de Jesus Cristo, como o natal e a páscoa. Milagre - Representa de um milagre operado por um santo. Moralidade- Representações dramáticas. A encenação profanasse. Assim chamadas por serem realizadas fora das igrejas, se dividiam em dois tipos: Arremedilho ou Arremedo: Imitação cômica de pessoas ou de acontecimentos. Momos: Encenações carnavalescas de temática muito variada, com personagens mascarados. (NICOLA, 2010) . Leia agora um trecho extraído da obra Auto da barca do inferno, de Gil Vicente. Nessa peça, dois barqueiros (o diabo e o anjo) esperam chegar às almas que levarão para o inferno ou o céu, respectivamente. Na cena abaixo, o barqueiro Diabo conversa com um Frade. (BARRETO, 2010).
  • 11. Auto da barca do Inferno Chega um Frade com uma Moça pela mão, e um broquel e uma espada da outra; vem cantando e dançando. [...] DIABO – Que é isso, Padre? Que vai lá? FRADE – Deo Gratias! Sou cortesão. DIABO – Sabeis também o tordião? FRADE – Por que não? Comoora sei! DIABO – Pois entrai! Eu tangerei E faremos um serão E essa dama, ela é vossa? FRADE – Por minha a tenho eu, E sempre a tive de meu. DIABO – Fizeste bem, que é formosa! E não vos punham lá grosa No nosso convento santo? FRADE – E eles fazem outro tanto! E assim fui bem açoutado DIABO – Que cousa tão preciosa! Entrai padre reverendo! FRADE – Para onde levais gente? DIABO – Para aquele fogo ardente Que não temeste vivendo FRADE – Juro a Deus que não te entendo! E esse hábito não me vale? DIABO – Gentil padre mundanal, A Berzebu vos encomendo FRADE – Corpo de Deus consagrado! Pela fé de Jesus Cristo. Que eu não posso entender isto! Eu hei-dei de ser condenado? um padre tão namorado,
  • 12. E tanto dado à virtude! sim Deus me de saúde, Que estou maravilhado DIABO – Não cureis de mais detença Embarcai e partiremos Tomarei um par de remos. FRADE – Não ficou isso na avença DIABO – Pois dada essa já a sentença FRADE – Por Deus, essa seria ela? Não vai a tal caravela Minha senhora Florença? Como?! Por ser namorada, E folgar com uma mulher, se há um frade de perder, Com tanto salmo rezado? DIABO – Ora estás bem aviado FRADE – Mas estás bem corrigido DIABO – Devoto padre e marido, Haveis de ser cá pingado. Não vai a tal caravela Minha senhora Florença? Como?! Por ser namorada, E folgar com uma mulher, se há um frade de perder, Com tanto salmo rezado? DIABO – Ora estás bem aviado FRADE – Mas estás bem corrigido DIABO – Devoto padre e marido, Haveis de ser cá pingado. Vicente, Gil. Auto da barca do Inferno. SP: Companhia Editora Nacional, 2005. P.43-46 (Série Lazuli clássicos).
  • 13. 4. Poesia Palaciana A poesia do século XV não era mais acompanhada por instrumento musical como acontecia no Movimento Literário Trovadorismo. Essa nova situação obrigava os autores a trabalharem melhor as rimas e os versos.Essa poesia é chamada de poesia palaciana, porque revela os sentimentos e os costumes dos nobres que viviam nos palácios. Nesses poemas, percebe-se certa sensualidade e a manifestação de desejos materiais. Na poesia trovadoresca esses aspectos eram proibidos. A produção da poesia palaciana foi reunida no “Cancioneiro Geral”, que é uma obra que contém mais ou menos mil textos de 286 autores diferentes. O Cancioneiro Geral foi organizado e publicado em 1516. Composições coletivas que eram produzidas com a finalidade ser apresentadas para a corte nos serões do Paço Real. D. Afonso V era conhecido como “O Humanista” e produzia uma série de serões, concursos poéticos, audição de música e recitação de poesia. Essas poesias se diferenciavam das cantigas de trovadores porque nelas a música era separada da letra e o amor era menos idealizado, mais real
  • 14. João ou Joam Roiz de Castel-Branco, também João Ruiz de Castelo-Branco, foi um cavaleiro nobre português, fidalgo da Casa Real, cortezão poeta humanista. Abaixo esta uma de suas obras, o poema “Cantiga sua partindo-se”. Cantiga sua partindo-se Senhora, partem tão tristes Meus olhos por vós, meu bem, Que nunca tão triste vistes Outros nenhuns por ninguém. Tão tristes, tão saudosos, Tão doentes da partida, Tão cansados, tão chorosos, Da morte mais desejosa Cem mil vezes que da vida. Partem tão tristes os tristes, Tão fora d’esperar bem, Que nunca tão tristes vistes Outros nenhuns por ninguém. Castelo Branco. (NICOLA, 2010).
  • 15. Francisco de Sá de Miranda nasceu em Coimbra no dia 28 de agosto de 1481 e faleceu no dia 15 de Março de 1558 com 76 anos, foi um poeta português. A importância desse poeta para Portugal reside na ida dele para Itália e de lá trazer uma nova proposta literária “Medida nova” “a volta de Sá de Miranda da Itália, em 1527, trazendo novos padrões estético – versos decassílabos e soneto -, pôs fim ao período humanista, dando inicio ao Classicismo.” (CARDORE,1998) Para Sá de Miranda, a poesia não é uma ocupação, mas uma missão sagrada. O poeta é como um profeta, e deve denunciar os vícios da sociedade, sobretudo da Corte, o abandono dos campos e a preocupação exagerada do luxo, que tudo corrompe, deve propor a vida sadia em contato com a madre natureza, a simplicidade e a felicidade dos lavradores. E uma de suas obras mais aclamada foi “Entre tremor e desejo”.
  • 16. Entre tremor e desejo Entre tremor e desejo, Vã esperança e vã dor, Entre amor e desamor, Meu triste coração vejo. Nestes extremos cativo Ando sem fazer mudança, E já vivi d'esperança E agora vivo de choro vivo. Contra mi mesmo pelejo, Vem d'ua dor outra dor E d'um desejo maior Nasce outro mor desejo. Sá de Miranda. (NICOLA,2010).
  • 17. 5. Influência do Movimento Literário Humanismo na literatura atual Observam-se, na literatura atual, influências do Movimento Literário Humanismo tanto no teatro, na poesia e na produção de crônicas jornalísticas publicadas em jornais e em revistas impressas e online. A partir das crônicas de Fernão Lopes, nota-se a exploração desse gênero, principalmente, nos séculos XX e XXI. E alguns autores dos dias atuais, como exemplo Fernando Sabino, Millôr Fernandes, Moacyr Scliar, Carlos Heitor Cony, Fernando Bonassi, Affonso Romano de Sant’Anna e Luis Fernando Verissimo.
  • 18. A Pessoa Errada Pensando bem Em tudo o que a gente vê, e vivência E ouve e pensa Não existe uma pessoa certa pra gente Existe uma pessoa Que se você for parar pra pensar É, na verdade, a pessoa errada. Porque a pessoa certa Faz tudo certinho Chega na hora certa, Fala as coisas certas, Faz as coisas certas, Mas nem sempre a gente tá precisando das coisas certas. Aí é a hora de procurar a pessoa errada. A pessoa errada te faz perder a cabeça Fazer loucuras Perder a hora Morrer de amor A pessoa errada vai ficar um dia sem te procurar Que é pra na hora que vocês se encontrarem A entrega ser muito mais verdadeira A pessoa errada, é na verdade, aquilo que a gente chama de pessoa certa Essa pessoa vai te fazer chorar Mas uma hora depois vai estar enxugando suas lágrimas Mas vai estar 100% da vida dela esperando você Vai estar o tempo todo pensando em você. A pessoa errada tem que aparecer pra todo mundo Porque a vida não é certa Nada aqui é certo O que é certo mesmo, é que temos que viver Cada momento Cada segundo Amando, sorrindo, chorando, emocionando, pensando, agindo, querendo, conseguindo E só assim É possível chegar àquele momento do dia Em que a gente diz: "Graças à Deus deu tudo certo" Quando na verdade Tudo o que ele quer É que a gente encontre a pessoa errada
  • 19. III. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta pesquisa teve como objetivo de conhecer do movimento Literário Humanismo, se inicia no século XV, mostrando as influências do pensamento religioso medieval e a revalorização da antiguidade clássica elaborada pelo renascimento. Sabemos sobre Fernão Lopes e suas crônica, as que se destacam: "Crônica de El - Rei dom Pedro", "crônica de El - Rei dom Fernando" e "crônica de E l- Rei dom João I" (inacabada). A parte principal da obra de Fernão Lopes, portanto, atravessa os dois últimos reinados da primeira dinastia portuguesa. Gil Vicente é outro destaque na literatura humanismo para ser considerada o primeiro dramaturgo de Portugal antes de escrever suas obras era muito pouco conhecido, sua primeira aparição foi em 1502 na celebração do nascimento de Dom João III. Nos aposentos reais de Dona Maria encenou o "monólogo do vaqueiro" , fantasiado de vaqueiro.
  • 20. IV. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARRETO, Ricardo Gonçalves. Ser Protagonista, São Paulo. SM, 2010. CARDORE, Luís Agostinho. Curso prático do Português, São Paulo: Ática, 1998. NICOLA, José de. Português Ensino Médio. Volume 1, São Paulo: Scipione, 2010.