SlideShare uma empresa Scribd logo
ROMANTISMO
 (1836-1881)
• O     romantismo     é     todo    um    período
  cultural, artístico e literário que se inicia na
  Europa no final do século XVIII, espalhando-se
  pelo mundo até o final do século XIX.

• O berço do romantismo pode ser considerado
  três países: Itália, Alemanha e Inglaterra.
  Porém, na França, o romantismo ganha força
  como em nenhum outro país e, através dos
  artistas franceses,   os  ideais  românticos
  espalham-se pela Europa e pela América.
Antecedentes Históricos
• O Romantismo foi o primeiro movimento literário da era
  denominada romântica ou moderna.

• Surgiu na Inglaterra e na Alemanha, na primeira metade
  do século XVIII.

• As ideias românticas ganharam maior impulso a partir do
  advento da Revolução Francesa (1789) e se difundiram
  pela Europa e pelas Américas.

• As transformações revolucionárias atingiram todos os
  segmentos: social, econômicos, político, filosófico e
  artístico-cultural. A humanidade acompanhava mudanças
  profundas e fundamentais para a formação de uma nova
  identidade mais idealista, o que possibilitou o
  desenvolvimento da estética romântica.
Fatores históricos decisivos para as
     transformações dos séculos XVIII e XIX
• A queda dos sistemas de governo tirânicos.

• Os ideais de liberdade e igualdade.

• Formação de uma mentalidade nacionalista.

• A consolidação do pensamento liberal.

• A revolução Francesa.

• A Revolução Industrial Inglesa.

• A Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Romantismo: A Arte Burguesa
• A      burguesia,    vitoriosa     na    Revolução
  Francesa,     experimentou      franca    ascensão
  e, afrontando os poderes da Monarquia, exigiram
  seu espaço na estrutura sociopolítica, bem como o
  cumprimento dos ideais de sua bandeira
  revolucionária,               a             utopia:
  Liberdade, Igualdade, Fraternidade. Valorizaram o
  trabalho, o comércio, a indústria e todos os meios
  capazes de gerar lucro.

• Os burgueses, ansiosos por adquirir cultura, passaram
  a ser mecenas, ou seja, patrocinaram a arte que
  correspondia aos seus interesses. Foi criado o drama
  para o público burguês, inventou-se a narrativa em
  forma de romance, para os leitores ansiosos por
  consumir cultura e arte burguesistas.
Características Românticas
• Valorização de elementos populares - Surgiu de
  relação entre a burguesia e o Romantismo e
  objetivava retirar o privilégio da elite aristocrática.
  Intensificaram-se os temas ligados á vida urbana;
  incentivou-se público a participar de manifestações
  culturais.

• Imaginação Criadora - Libertação da arte agora
  afastada das rígidas regras clássicas. Liberdade para
  a forma e para o conteúdo. Criação de mundos
  imaginários nos quais o romântico acreditava.
• Nacionalismo      -    louvor    e     exaltação    de
  pátria,    resgatava      as    origens     de    cada
  nação, valorizações dos elementos da terra
  natal, dos bens e das riquezas nacionais, das
  paisagens naturais. Exaltavam-se as personalidades
  e os heróis da história, os valores gloriosos da pátria.
  No Brasil, houve a valorização do passado colonial:
  o índio foi tomado como herói nacional repleto de
  glórias que só existiram nos ideários românticos.
  Outra forma de nacionalismo brasileiro foi
  conhecida         na        terceira       fase     do
  Romantismo, quando o escravo e os ideais de
  liberdade ocuparam os versos condoreiros.
• Subjetivismo - atitude individual e única. A poesia
  não assume mais os moldes clássicos e, sim, a
  vontade do Eu criador.

• Egocentrismo - Houve o triunfo absoluto do EU; o
  reinado da poesia confessional na qual o sujeito
  lírico declarava seus sentimentos.

• Sentimentalismo - analisa e expressa a realidade
  por meio de sentimentos; a emoção foi valorizada
  em detrimento do racionalismo.
• Supervalorização do amor - O amor foi
  considerado um valor supremo na vida.
  Entretanto, a conquista amorosa era difícil:
  havia o mito do amor impossível, o estigma da
  paixão desesperadora. A perda ou não
  realização amorosa levava o romântico ao
  desespero, à loucura ou à morte.

•    Idealização da Mulher - Mulher convertida em
    anjo,       musa,         deusa,         criatura
    pura, poderosa, perfeita, inatingível, capaz de
    maravilhar a vida do homem se lhe
    correspondesse. A mulher, porém, tornava-se
    perversa, maligna, impiedosa, quando pela
    recusa arruinava a vida do galante que a
    cortejava.
• Byronismo (mal do século) - Na ânsia de plenitude
  impossível, o artista sentia-se desajustado e
  insatisfeito, além de decepcionado, devido á
  falência        da       utopia      revolucionária:
  liberdade, igualdade, fraternidade. Assim, o
  romântico passou a ver o homem da época como
  um ser fragmentado, peça da engrenagem
  social, sem individualidade ou liberdade. Os
  desajustes e as insatisfações conduziram ao mal do
  século, definido como a aflição e a dor dos
  descontentes com o mundo. Era a influência do
  modo de vida byroniano do poeta inglês Lord
  George        Byron,      protótipo    do      herói
  romântico, sombrio, elegante e desajustado.
Aspecto Estilístico
• Os românticos abandonam a forma fixa (raros os
  sonetos, odes, oitavas e etc.), abandonam o uso
  obrigatório da rima e acabam valorizando o verso
  branco, negam os gêneros literários em que
  abandonam o tradicional, fazendo com que
  alguns gêneros não fizessem mais parte como: a
  tragédia e a comédia, onde foram surgindo
  outros como: o drama, o romance de costumes
  entre outros.
Contribuições Culturais

• O romantismo promoveu uma ruptura com as
  concepções clássicas da arte e permitiu uma
  revolução cultural.



• Enriqueceu a Língua Portuguesa, com a
  incorporação de neologismos e a aproximação
  entre a Língua Literária e a Língua oral e coloquial.
Romantismo no Brasil
           (1836-1881)
• Marco inicial: Publicação de "Suspiros Poéticos e
  Saudades", de Gonçalves de Magalhães , em 1836.

• Marco final: Publicação de "Memórias Póstumas de
  Brás Cubas", de Machado de Assis , em 1881, que
  inaugura o realismo.
Contexto Histórico-cultural

• A Independência é o principal fato político do
  século     19  e    vai    determinar     os   rumos
  políticos, econômicos e sociais do Brasil até a
  Proclamação da República            (1889). Merece
  destaque também o Segundo reinado, em que o
  país    conheceu     um     período     de    grande
  desenvolvimento em relação aos três séculos
  anteriores. Apesar disso tudo, o Brasil continuou um
  país fundamentalmente agrário, cuja economia se
  baseava no latifúndio, na monocultura e na mão
  de obra escrava .
• Recém independente, o país procura afirmar sua
  identidade, tentando desenvolver uma cultura
  própria, baseada em suas raízes indígenas ou
  sertanejas. No entanto, isso se faz a partir da
  reprodução     dos   modelos    do      romantismo
  europeu, o que reflete o caráter intrinsecamente
  contraditório do Romantismo brasileiro.
As gerações românticas

   Primeira geração romântica - primeiro
      grupo (1836-1840)- nacionalismo


• O início do romantismo brasileiro caracterizou-se
  por
  religiosidade, misticismo, antilusitanismo, nacionalis
  mo.
• O espírito nacionalista levou ao culto da natureza
  profundamente elogiada dentro do caráter
  ufanista, com elevação máxima das belezas
  naturais do paraíso tropical. A natureza surgiu
  estilizada para expressar intenções ideológicas de
  base nacionalista.

• O gênero lírico era amplamente cultivado ao lado
  da ficção e do teatro, de influência inglesa e
  francesa. Os autores que se destacaram foram:
  Manuel de Araújo Porto Alegre, Antônio Teixeira e
  Souza e Domingos Gonçalves Magalhães.
Primeira geração romântica – segundo
       grupo (1840-1850)- indianismo

• Surgiu o índio, um herói visto com espírito da
  civilização nacional e da luta contra a tradição
  lusitana. Contudo, o indígena que se pintou à
  moda romântica tinha seu próprio modelo
  importado da França. Os franceses Cooper e
  Chateaubriand, entusiasmados com o selvagem
  da América, levaram-no para a sua literatura e
  pintaram     os  aborígenes    com    as   tintas
  heroicas, inspirados nos heróis de cavalaria
  medieval.
• Antônio Gonçalves Dias e José de Alencar,
  principalmente, escreveram dentro desse modelo
  de índio idealizado como bravo, gentil, valente,
  nobre, corajoso, puro, belo, bom por natureza e
  capaz de todas as proezas em nome da honra e
  da glória. Foi o herói improvisado para configurar
  ideologicamente o que deveria ter sido o primeiro
  habitante do Brasil.

• Assim, o indígena passou a ser a mais autêntica
  ilustração para o Mito do Bom Selvagem, do
  filósofo francês Rosseau : O homem nasce puro,
  belo, bom e assim permanece enquanto estiver em
  contato com a natureza.

• Os autores principais dessa fase foram Gonçalves
  Dias, José de Alencar, Joaquim Manoel de
  Macedo e Bernardo Guimarães.
Segunda geração romântica – byronismo ou
      ultrarromantismo (1850-1860)

• A geração contaminada pelo “mal do século”:
  individualismo, negativismo, pessimismo, insatisfaçã
  o com o mundo, angústia, desespero, crise
  existencial (herança do Barroco). Nessa fase, o
  sentimentalismo e a emoção romântica atingiram
  o auge absoluto. A influência satânica do poeta
  inglês Lord Byron tem seu maior exemplar brasileiro
  no poeta Álvares de Azevedo em sua obra.
• Enquanto a poesia segue a linha byroniana, a
  ficção consolida-se sobre a forma sertanista,
  urbana, indianista. Surge a narrativa histórica para
  delinear as origens do Brasil e o seu
  desenvolvimento. A utopia das idéias continuava a
  influenciar as visões românticas.

• Os autores principais são: na poesia- Gonçalves
  Dias; Álvares de Azevedo; Casimiro de Abreu;
  Junqueira Freire; Fagundes Varela; Laurindo
  Rabelo; na prosa- José de Alencar, fiel
  representante da ideologia romântica; Manuel
  Antônio de Almeida, que se rebelou contra o
  romantismo burguês, escrevendo a obra Memórias
  de um Sargento de Milícias, que focaliza a
  sociedade suburbana e desmoraliza a corte
  amorosa.
Terceira geração romântica – condoreirismo
                (1860-1880)

• Os condoreiros praticaram um nacionalismo de
  ordem diversa, pois não exaltavam as maravilhas
  da pátria, mas reivindicavam liberdade, igualdade
  das condições sociais e independência política;
  defendiam, enfim, a formação de uma
  consciência nacional. O tom lírico não se limitava a
  cantar    amores     impossíveis   ou    desgraças
  amorosas, porque se expandia para versejar sobre
  o erotismo do amor ou se coletivizava para
  expressar as paixões pelas causas sociopolíticas.
• Os assuntos centrais ligam-se à Guerra do
  Paraguai, à Abolição da Escravatura, à luta pela
  Proclamação da República. O homem negro
  transformou-se em personagem real e sofrida no
  canto eloquente dos condoreiros (condor é uma
  ave altaneira).

• O grande condoreiro do Brasil chamava-se Antônio
  Frederico de Castro Alves, dono de uma poesia
  vibrante que evocava o liberalismo idealizado e
  repelia a vergonhosa escravidão, denunciando as
  condições desumanas em que os escravos viviam.
• A terceira fase do Romantismo foi uma transição
  para o Realismo, pois os condoreiros apoiavam-se
  numa filosofia de caráter humano-realístico. A
  influência de Vitor Hugo, as preocupações com a
  forma, o erotismo no lirismo amoroso demarcaram
  novos caminhos para a literatura porvindoura.

• Os autores da terceira geração foram Joaquim de
  Sousa      Andrade       (Sousândrade),   Tobias
  Barreto, Franklin Távora, Visconde de Taunay e
  Castro Alves.
Prosa no Romantismo
• Antes do período artístico romântico, as
  composições em prosa eram menos frequentes.

• A prosa literária desenvolveu-se no Romantismo.

• A espécie preferida pelo público era o romance de
  temática sentimental.

• Cultivava-se o gosto pelos folhetins, histórias de
  amor editadas em jornais com capítulos publicados
  em série.
• O primeiro romance romântico brasileiro, datado
  em 1843, é O Filho de Pescador, de Teixeira e
  Souza.

• O romance que impulsionava o apego sentimental
  do publico foi A Moreninha, de Joaquim Manuel de
  Macedo,        uma       historia   de     amor
  convencional, publicada em 1844, que fixa os
  costumes      da     sociedade     carioca    da
  época, contaminada por francesismos.
Tipos de Romance

• Romance Histórico-indianista

• Romance regionalista

• Romance urbano

•   Romance analítico
Principais autores e obras em prosa
      Bernardo Joaquim da Silva Guimarães (1825-1884)

• Obras principais: Lendas e Romances (histórico); Lendas e
  Tradições da Província de Minas Gerais; O Ermitão da Glória
  (regionalista); O Garimpeiro; O Seminarista; A Escrava Isaura.

• O Seminarista é sua obra mais notável na qual se critica o
  celibato clerical e apresenta o apelo ao sexo, contrário à
  corte amorosa de Romantismo.

• Temas característicos
  a) Romances basicamente regionalistas, com uma intriga
  amorosa indispensável, desenvolvida entre personagens
  boas ou más ao extremo.
  b) Paisagens minuciosamente descritas e hábitos regionais
  do povo mineiro.
Alfredo D'Escragnolle Taunay (1843-1899)

• Visconde de Taunay é o autor de um dos melhores romances
  regionalistas do Romantismo.

• Obras principais: Inocência; A Retirada de Laguna; O
  Encilhamento; Manuscritos de uma Mulher; Mocidade de
  Trajano.

• Temas característicos:
  a) Em Inocência, uma das obras mais importantes de
  Visconde de Taumay, utilizou-se uma linguagem adequada
  para descrever a paisagem do sertão (sudeste do Mato Grosso)
  e ainda ficou a fala popular.
  b) A fim de envolver o leitor e de acordo com a mentalidade
  romântica, inventou em sentimento de amor impossível entre a
  bela Inocência e Cirilo. O caso amoroso tem um final trágico,
  pois o rapaz é assassinado, e a moça morre consumida pelo
  desespero da paixão.
José Martiniano de Alencar (1820-1877)

•   Foi o ficcionista que mais agradou o gosto do publico
    burguês, consolidando o romance nacional brasileiro

• Retratou posturas políticas e burguesas em sintonia com a
  mentalidade de homem conservador em todos os parâmetros:
  monarquista, escravocrata, político (senador do império de
  Pedro II), proprietário de terras.

• Era um nacionalista fiel que atacava as formas literárias
  importadas e a timidez verbal dos poetas que se propunham a
  cantar o Brasil, como escreveu a Carta sobre a Confederação
  dos Tamoios, em que criticou a obra épica de Gonçalves de
  Magalhães por sua falta de energia e de brasilidade.

• Sempre com linguagem requintada, Alencar inventou um
  passado glorioso para o Brasil, com um índio herói fantástico.
  Retratou a vida urbana em meio às intrigas amorosas mais
  instigantes: conflitos sentimentais marcados por um final feliz
  (Senhora - Diva) ou interrompidos com uma morte trágica
  (Lucíola).
Manuel Antônio de Almeida (1830-1861)



• Obra principal: Memórias de um Sargento de
  Milícias.

• Temas característicos: O romance apresenta
  elementos que contradizem as convenções
  literárias da época; tem como cenário as ruas e os
  casebres do Rio de Janeiro. A linguagem revela
  absoluta “molecagem” (desmoraliza a corte
  amorosa,      tratando   satiricamente       a    intriga
  sentimental). Descreve cenas populares, com um
  toque de realismo. È um documentário mais real da
  sociedade do século XIX, aproxima-se do que
  seriam as narrativas do realistas / naturalistas.
Bernardo    Alfredo   José de   Manuel
Guimarães   Taunay    Alencar   Antônio
                                  de
                                Almeida
Poesia no Romantismo
• A característica principal da Poesia Romântica é a
  expressão plena dos sentimentos pessoais, com
  os autores voltados para o seu mundo interior e
  fazendo da literatura um meio de desabafo e
  confissão. A vida passa a ser encarada de um
  ângulo pessoal, em que se sobressai um intenso
  desejo de liberdade.

• O estilo romântico revela-se inicialmente idealista e
  sonhador, depois, crítico e retórico, mas sempre
  sentimental e nacionalista.
Antônio Gonçalves Dias

• Foi ele quem consolidou o
  Romantismo brasileiro, com
  sua poesia de alta qualidade.

• Obras     principais:  Primeiros
  Cantos;               Segundos
  Cantos, Sextilhas do Frei Antão
  – Último Cantos.

• Temas característicos:
  a) Lirismo Amoroso
  b) Indianismo
  c) Exílio
Manuel Antônio Álvares de
           Azevedo

• É o poeta brasileiro que mais
  autenticamente representou
  o byronismo, sendo o mais
  individualista,  subjetivo    e
  sofrido poeta do Romantismo.
  Autor    de     uma      poesia
  confessional    que exprime
  sentimentos, dores e emoções
  do eu lírico ultrarromântico.
  Morreu aos 21 anos.

• Obras      principais:   Pedro
  Ivo,    Lira      dos     Vinte
  Anos, Conde Lopo.
Joaquim de Sousa Andrade

• Obras     principais: Guesa
  Errante; Obras Poéticas

• Temas          característicos:
  Sousândrade era adepto
  das causas republicanas e
  abolicionistas. Sua poesia é
  marcada por originalidade,
  inovadora e revolucionária,
  afastadas     dos     modelos
  românticos. A linguagem
  ousada       aproxima       da
  realidade. O vocabulário é
  diversificado             com
  neologismos, palavras em
  inglês, expressões indígenas.
Antônio Frederico de Castro
              Alves

• Nutria um grande amor patriótico,
acreditava representar o espírito
nacionalista do povo brasileiro, tendo
escrito poemas de louvor para exaltar
os feitos populares. É um dos mais
expressivos     talentos   da     poesia
brasileira, apesar de ter morrido aos 24
anos de tuberculose. Encarou a morte
com realismo e amargura.
       • Obras principais: Espumas Flutuantes.
  Poemas mais famosos: Vozes d’África e Navio Negreiro.

• Temas característicos:
a) Poesia da Natureza: personificou a natureza que aparece em
   todos os enfoques
b) Lirismo Amoroso
c) Poesia Social Condoreira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
O barroco
O barrocoO barroco
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
Diego Barcelar
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Carla Teixeira
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 

Semelhante a Romantismo

Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
ANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
WandersonBarros16
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
Sirlene Rosa Santos
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
Andriane Cursino
 
Romantismo à brasileira
Romantismo à brasileiraRomantismo à brasileira
Romantismo à brasileira
Walace Cestari
 
História da arte romantismo
História da arte   romantismoHistória da arte   romantismo
História da arte romantismo
Ana Cristina D Assumpcão
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ValeriaCristina51
 
romantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdfromantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdf
RAIKAGIULIANNEBARRET
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Salete Costa
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
LeandraLima23
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Andriane Cursino
 
Romantismo revisão
Romantismo revisãoRomantismo revisão
Romantismo revisão
Jadson Reis de Sousa
 
Romantismo-pptx.pptx
Romantismo-pptx.pptxRomantismo-pptx.pptx
Romantismo-pptx.pptx
LorennaArajo6
 

Semelhante a Romantismo (20)

Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
Romantismo à brasileira
Romantismo à brasileiraRomantismo à brasileira
Romantismo à brasileira
 
História da arte romantismo
História da arte   romantismoHistória da arte   romantismo
História da arte romantismo
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
romantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdfromantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo revisão
Romantismo revisãoRomantismo revisão
Romantismo revisão
 
Romantismo-pptx.pptx
Romantismo-pptx.pptxRomantismo-pptx.pptx
Romantismo-pptx.pptx
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 

Romantismo

  • 2. • O romantismo é todo um período cultural, artístico e literário que se inicia na Europa no final do século XVIII, espalhando-se pelo mundo até o final do século XIX. • O berço do romantismo pode ser considerado três países: Itália, Alemanha e Inglaterra. Porém, na França, o romantismo ganha força como em nenhum outro país e, através dos artistas franceses, os ideais românticos espalham-se pela Europa e pela América.
  • 3. Antecedentes Históricos • O Romantismo foi o primeiro movimento literário da era denominada romântica ou moderna. • Surgiu na Inglaterra e na Alemanha, na primeira metade do século XVIII. • As ideias românticas ganharam maior impulso a partir do advento da Revolução Francesa (1789) e se difundiram pela Europa e pelas Américas. • As transformações revolucionárias atingiram todos os segmentos: social, econômicos, político, filosófico e artístico-cultural. A humanidade acompanhava mudanças profundas e fundamentais para a formação de uma nova identidade mais idealista, o que possibilitou o desenvolvimento da estética romântica.
  • 4. Fatores históricos decisivos para as transformações dos séculos XVIII e XIX • A queda dos sistemas de governo tirânicos. • Os ideais de liberdade e igualdade. • Formação de uma mentalidade nacionalista. • A consolidação do pensamento liberal. • A revolução Francesa. • A Revolução Industrial Inglesa. • A Declaração Universal dos Direitos Humanos.
  • 6. • A burguesia, vitoriosa na Revolução Francesa, experimentou franca ascensão e, afrontando os poderes da Monarquia, exigiram seu espaço na estrutura sociopolítica, bem como o cumprimento dos ideais de sua bandeira revolucionária, a utopia: Liberdade, Igualdade, Fraternidade. Valorizaram o trabalho, o comércio, a indústria e todos os meios capazes de gerar lucro. • Os burgueses, ansiosos por adquirir cultura, passaram a ser mecenas, ou seja, patrocinaram a arte que correspondia aos seus interesses. Foi criado o drama para o público burguês, inventou-se a narrativa em forma de romance, para os leitores ansiosos por consumir cultura e arte burguesistas.
  • 7. Características Românticas • Valorização de elementos populares - Surgiu de relação entre a burguesia e o Romantismo e objetivava retirar o privilégio da elite aristocrática. Intensificaram-se os temas ligados á vida urbana; incentivou-se público a participar de manifestações culturais. • Imaginação Criadora - Libertação da arte agora afastada das rígidas regras clássicas. Liberdade para a forma e para o conteúdo. Criação de mundos imaginários nos quais o romântico acreditava.
  • 8. • Nacionalismo - louvor e exaltação de pátria, resgatava as origens de cada nação, valorizações dos elementos da terra natal, dos bens e das riquezas nacionais, das paisagens naturais. Exaltavam-se as personalidades e os heróis da história, os valores gloriosos da pátria. No Brasil, houve a valorização do passado colonial: o índio foi tomado como herói nacional repleto de glórias que só existiram nos ideários românticos. Outra forma de nacionalismo brasileiro foi conhecida na terceira fase do Romantismo, quando o escravo e os ideais de liberdade ocuparam os versos condoreiros.
  • 9. • Subjetivismo - atitude individual e única. A poesia não assume mais os moldes clássicos e, sim, a vontade do Eu criador. • Egocentrismo - Houve o triunfo absoluto do EU; o reinado da poesia confessional na qual o sujeito lírico declarava seus sentimentos. • Sentimentalismo - analisa e expressa a realidade por meio de sentimentos; a emoção foi valorizada em detrimento do racionalismo.
  • 10. • Supervalorização do amor - O amor foi considerado um valor supremo na vida. Entretanto, a conquista amorosa era difícil: havia o mito do amor impossível, o estigma da paixão desesperadora. A perda ou não realização amorosa levava o romântico ao desespero, à loucura ou à morte. • Idealização da Mulher - Mulher convertida em anjo, musa, deusa, criatura pura, poderosa, perfeita, inatingível, capaz de maravilhar a vida do homem se lhe correspondesse. A mulher, porém, tornava-se perversa, maligna, impiedosa, quando pela recusa arruinava a vida do galante que a cortejava.
  • 11. • Byronismo (mal do século) - Na ânsia de plenitude impossível, o artista sentia-se desajustado e insatisfeito, além de decepcionado, devido á falência da utopia revolucionária: liberdade, igualdade, fraternidade. Assim, o romântico passou a ver o homem da época como um ser fragmentado, peça da engrenagem social, sem individualidade ou liberdade. Os desajustes e as insatisfações conduziram ao mal do século, definido como a aflição e a dor dos descontentes com o mundo. Era a influência do modo de vida byroniano do poeta inglês Lord George Byron, protótipo do herói romântico, sombrio, elegante e desajustado.
  • 12. Aspecto Estilístico • Os românticos abandonam a forma fixa (raros os sonetos, odes, oitavas e etc.), abandonam o uso obrigatório da rima e acabam valorizando o verso branco, negam os gêneros literários em que abandonam o tradicional, fazendo com que alguns gêneros não fizessem mais parte como: a tragédia e a comédia, onde foram surgindo outros como: o drama, o romance de costumes entre outros.
  • 13. Contribuições Culturais • O romantismo promoveu uma ruptura com as concepções clássicas da arte e permitiu uma revolução cultural. • Enriqueceu a Língua Portuguesa, com a incorporação de neologismos e a aproximação entre a Língua Literária e a Língua oral e coloquial.
  • 14. Romantismo no Brasil (1836-1881) • Marco inicial: Publicação de "Suspiros Poéticos e Saudades", de Gonçalves de Magalhães , em 1836. • Marco final: Publicação de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis , em 1881, que inaugura o realismo.
  • 15. Contexto Histórico-cultural • A Independência é o principal fato político do século 19 e vai determinar os rumos políticos, econômicos e sociais do Brasil até a Proclamação da República (1889). Merece destaque também o Segundo reinado, em que o país conheceu um período de grande desenvolvimento em relação aos três séculos anteriores. Apesar disso tudo, o Brasil continuou um país fundamentalmente agrário, cuja economia se baseava no latifúndio, na monocultura e na mão de obra escrava .
  • 16. • Recém independente, o país procura afirmar sua identidade, tentando desenvolver uma cultura própria, baseada em suas raízes indígenas ou sertanejas. No entanto, isso se faz a partir da reprodução dos modelos do romantismo europeu, o que reflete o caráter intrinsecamente contraditório do Romantismo brasileiro.
  • 17. As gerações românticas Primeira geração romântica - primeiro grupo (1836-1840)- nacionalismo • O início do romantismo brasileiro caracterizou-se por religiosidade, misticismo, antilusitanismo, nacionalis mo.
  • 18. • O espírito nacionalista levou ao culto da natureza profundamente elogiada dentro do caráter ufanista, com elevação máxima das belezas naturais do paraíso tropical. A natureza surgiu estilizada para expressar intenções ideológicas de base nacionalista. • O gênero lírico era amplamente cultivado ao lado da ficção e do teatro, de influência inglesa e francesa. Os autores que se destacaram foram: Manuel de Araújo Porto Alegre, Antônio Teixeira e Souza e Domingos Gonçalves Magalhães.
  • 19. Primeira geração romântica – segundo grupo (1840-1850)- indianismo • Surgiu o índio, um herói visto com espírito da civilização nacional e da luta contra a tradição lusitana. Contudo, o indígena que se pintou à moda romântica tinha seu próprio modelo importado da França. Os franceses Cooper e Chateaubriand, entusiasmados com o selvagem da América, levaram-no para a sua literatura e pintaram os aborígenes com as tintas heroicas, inspirados nos heróis de cavalaria medieval.
  • 20. • Antônio Gonçalves Dias e José de Alencar, principalmente, escreveram dentro desse modelo de índio idealizado como bravo, gentil, valente, nobre, corajoso, puro, belo, bom por natureza e capaz de todas as proezas em nome da honra e da glória. Foi o herói improvisado para configurar ideologicamente o que deveria ter sido o primeiro habitante do Brasil. • Assim, o indígena passou a ser a mais autêntica ilustração para o Mito do Bom Selvagem, do filósofo francês Rosseau : O homem nasce puro, belo, bom e assim permanece enquanto estiver em contato com a natureza. • Os autores principais dessa fase foram Gonçalves Dias, José de Alencar, Joaquim Manoel de Macedo e Bernardo Guimarães.
  • 21. Segunda geração romântica – byronismo ou ultrarromantismo (1850-1860) • A geração contaminada pelo “mal do século”: individualismo, negativismo, pessimismo, insatisfaçã o com o mundo, angústia, desespero, crise existencial (herança do Barroco). Nessa fase, o sentimentalismo e a emoção romântica atingiram o auge absoluto. A influência satânica do poeta inglês Lord Byron tem seu maior exemplar brasileiro no poeta Álvares de Azevedo em sua obra.
  • 22. • Enquanto a poesia segue a linha byroniana, a ficção consolida-se sobre a forma sertanista, urbana, indianista. Surge a narrativa histórica para delinear as origens do Brasil e o seu desenvolvimento. A utopia das idéias continuava a influenciar as visões românticas. • Os autores principais são: na poesia- Gonçalves Dias; Álvares de Azevedo; Casimiro de Abreu; Junqueira Freire; Fagundes Varela; Laurindo Rabelo; na prosa- José de Alencar, fiel representante da ideologia romântica; Manuel Antônio de Almeida, que se rebelou contra o romantismo burguês, escrevendo a obra Memórias de um Sargento de Milícias, que focaliza a sociedade suburbana e desmoraliza a corte amorosa.
  • 23. Terceira geração romântica – condoreirismo (1860-1880) • Os condoreiros praticaram um nacionalismo de ordem diversa, pois não exaltavam as maravilhas da pátria, mas reivindicavam liberdade, igualdade das condições sociais e independência política; defendiam, enfim, a formação de uma consciência nacional. O tom lírico não se limitava a cantar amores impossíveis ou desgraças amorosas, porque se expandia para versejar sobre o erotismo do amor ou se coletivizava para expressar as paixões pelas causas sociopolíticas.
  • 24. • Os assuntos centrais ligam-se à Guerra do Paraguai, à Abolição da Escravatura, à luta pela Proclamação da República. O homem negro transformou-se em personagem real e sofrida no canto eloquente dos condoreiros (condor é uma ave altaneira). • O grande condoreiro do Brasil chamava-se Antônio Frederico de Castro Alves, dono de uma poesia vibrante que evocava o liberalismo idealizado e repelia a vergonhosa escravidão, denunciando as condições desumanas em que os escravos viviam.
  • 25. • A terceira fase do Romantismo foi uma transição para o Realismo, pois os condoreiros apoiavam-se numa filosofia de caráter humano-realístico. A influência de Vitor Hugo, as preocupações com a forma, o erotismo no lirismo amoroso demarcaram novos caminhos para a literatura porvindoura. • Os autores da terceira geração foram Joaquim de Sousa Andrade (Sousândrade), Tobias Barreto, Franklin Távora, Visconde de Taunay e Castro Alves.
  • 26. Prosa no Romantismo • Antes do período artístico romântico, as composições em prosa eram menos frequentes. • A prosa literária desenvolveu-se no Romantismo. • A espécie preferida pelo público era o romance de temática sentimental. • Cultivava-se o gosto pelos folhetins, histórias de amor editadas em jornais com capítulos publicados em série.
  • 27. • O primeiro romance romântico brasileiro, datado em 1843, é O Filho de Pescador, de Teixeira e Souza. • O romance que impulsionava o apego sentimental do publico foi A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, uma historia de amor convencional, publicada em 1844, que fixa os costumes da sociedade carioca da época, contaminada por francesismos.
  • 28. Tipos de Romance • Romance Histórico-indianista • Romance regionalista • Romance urbano • Romance analítico
  • 29. Principais autores e obras em prosa Bernardo Joaquim da Silva Guimarães (1825-1884) • Obras principais: Lendas e Romances (histórico); Lendas e Tradições da Província de Minas Gerais; O Ermitão da Glória (regionalista); O Garimpeiro; O Seminarista; A Escrava Isaura. • O Seminarista é sua obra mais notável na qual se critica o celibato clerical e apresenta o apelo ao sexo, contrário à corte amorosa de Romantismo. • Temas característicos a) Romances basicamente regionalistas, com uma intriga amorosa indispensável, desenvolvida entre personagens boas ou más ao extremo. b) Paisagens minuciosamente descritas e hábitos regionais do povo mineiro.
  • 30. Alfredo D'Escragnolle Taunay (1843-1899) • Visconde de Taunay é o autor de um dos melhores romances regionalistas do Romantismo. • Obras principais: Inocência; A Retirada de Laguna; O Encilhamento; Manuscritos de uma Mulher; Mocidade de Trajano. • Temas característicos: a) Em Inocência, uma das obras mais importantes de Visconde de Taumay, utilizou-se uma linguagem adequada para descrever a paisagem do sertão (sudeste do Mato Grosso) e ainda ficou a fala popular. b) A fim de envolver o leitor e de acordo com a mentalidade romântica, inventou em sentimento de amor impossível entre a bela Inocência e Cirilo. O caso amoroso tem um final trágico, pois o rapaz é assassinado, e a moça morre consumida pelo desespero da paixão.
  • 31. José Martiniano de Alencar (1820-1877) • Foi o ficcionista que mais agradou o gosto do publico burguês, consolidando o romance nacional brasileiro • Retratou posturas políticas e burguesas em sintonia com a mentalidade de homem conservador em todos os parâmetros: monarquista, escravocrata, político (senador do império de Pedro II), proprietário de terras. • Era um nacionalista fiel que atacava as formas literárias importadas e a timidez verbal dos poetas que se propunham a cantar o Brasil, como escreveu a Carta sobre a Confederação dos Tamoios, em que criticou a obra épica de Gonçalves de Magalhães por sua falta de energia e de brasilidade. • Sempre com linguagem requintada, Alencar inventou um passado glorioso para o Brasil, com um índio herói fantástico. Retratou a vida urbana em meio às intrigas amorosas mais instigantes: conflitos sentimentais marcados por um final feliz (Senhora - Diva) ou interrompidos com uma morte trágica (Lucíola).
  • 32. Manuel Antônio de Almeida (1830-1861) • Obra principal: Memórias de um Sargento de Milícias. • Temas característicos: O romance apresenta elementos que contradizem as convenções literárias da época; tem como cenário as ruas e os casebres do Rio de Janeiro. A linguagem revela absoluta “molecagem” (desmoraliza a corte amorosa, tratando satiricamente a intriga sentimental). Descreve cenas populares, com um toque de realismo. È um documentário mais real da sociedade do século XIX, aproxima-se do que seriam as narrativas do realistas / naturalistas.
  • 33. Bernardo Alfredo José de Manuel Guimarães Taunay Alencar Antônio de Almeida
  • 34. Poesia no Romantismo • A característica principal da Poesia Romântica é a expressão plena dos sentimentos pessoais, com os autores voltados para o seu mundo interior e fazendo da literatura um meio de desabafo e confissão. A vida passa a ser encarada de um ângulo pessoal, em que se sobressai um intenso desejo de liberdade. • O estilo romântico revela-se inicialmente idealista e sonhador, depois, crítico e retórico, mas sempre sentimental e nacionalista.
  • 35. Antônio Gonçalves Dias • Foi ele quem consolidou o Romantismo brasileiro, com sua poesia de alta qualidade. • Obras principais: Primeiros Cantos; Segundos Cantos, Sextilhas do Frei Antão – Último Cantos. • Temas característicos: a) Lirismo Amoroso b) Indianismo c) Exílio
  • 36.
  • 37. Manuel Antônio Álvares de Azevedo • É o poeta brasileiro que mais autenticamente representou o byronismo, sendo o mais individualista, subjetivo e sofrido poeta do Romantismo. Autor de uma poesia confessional que exprime sentimentos, dores e emoções do eu lírico ultrarromântico. Morreu aos 21 anos. • Obras principais: Pedro Ivo, Lira dos Vinte Anos, Conde Lopo.
  • 38. Joaquim de Sousa Andrade • Obras principais: Guesa Errante; Obras Poéticas • Temas característicos: Sousândrade era adepto das causas republicanas e abolicionistas. Sua poesia é marcada por originalidade, inovadora e revolucionária, afastadas dos modelos românticos. A linguagem ousada aproxima da realidade. O vocabulário é diversificado com neologismos, palavras em inglês, expressões indígenas.
  • 39. Antônio Frederico de Castro Alves • Nutria um grande amor patriótico, acreditava representar o espírito nacionalista do povo brasileiro, tendo escrito poemas de louvor para exaltar os feitos populares. É um dos mais expressivos talentos da poesia brasileira, apesar de ter morrido aos 24 anos de tuberculose. Encarou a morte com realismo e amargura. • Obras principais: Espumas Flutuantes. Poemas mais famosos: Vozes d’África e Navio Negreiro. • Temas característicos: a) Poesia da Natureza: personificou a natureza que aparece em todos os enfoques b) Lirismo Amoroso c) Poesia Social Condoreira.