SlideShare uma empresa Scribd logo
CLASSICISMO
O que foi o Renascimento?
• Importante movimento de renovação cultural, ocorrido
na Europa durante os séculos XV e XVI.
• É considerado o marco inicial da era moderna.
• Estimulou a vida urbana e o surgimento de um novo
homem.
•Naturalismo: volta à natureza
•Hedonismo: defesa do prazer individual
•Neoplatonismo: elevação espiritual por meio da
interiorização.
Qual a visão do mundo?
• “Homem tornou-se a medida de todas as coisas”.
• Não se tratava de opor o homem a Deus e medir suas
forças. Deus continuou sendo soberano. Tratava-se na
verdade de valorizar as pessoas em si, encontrar nelas
as qualidades e as virtudes negadas pelo pensamento
católico medieval.
Contexto histórico
• Plenitude de uma grande transformação política,
econômica e cultural ; assinala o início dos tempos
modernos. Esse período é conhecido como
Renascimento, porque os homens estavam
preocupados em redescobrir a Antiguidade
(renasce a cultura antiga).
• O teocentrismo medieval (Deus no centro de tudo)
cede lugar ao antropocentrismo, o homem adquire
consciência de sua capacidade realizadora:
conquista, inventa, cria, descobre, produz. A
preocupação passa a ser com a realidade imediata,
com o humano e com a vida terrena, deixando em
segundo plano as questões referentes à eternidade,
à salvação e à redenção da alma.
• O homem do Renascimento identifica na
cultura greco-latina os valores da época e passa
a cultuá-la. Integra seu universo artístico os
deuses da mitologia grega.
• Procura compreender o mundo sob o prisma da
razão e associa ao equilíbrio entre razão e
emoção de Beleza, Bem e Verdade.
Contexto histórico
• Todas essas mudanças têm como pano de fundo, a
crise dos valores medievais, com o enfraquecimento do
teocentrismo e da hierarquia nobreza-clero-povo,
devida à decomposição do feudalismo e ao surgimento
da burguesia.
• A substituição de uma concepção teocêntrica por outra
antropocêntrica não significou hostilidade em relação
ao cristianismo. Tratava-se apenas de uma mudança de
perspectiva cultural, de Deus para o Homem, que se
tornou a medida de todas as coisas.
Contexto histórico
• A concepção estética que surgiu a partir do Humanismo
e do Renascimento convencionou-se chamar
Classicismo, porque “clássicos” eram os antigos artistas
e filósofos greco-latinos dignos de serem estudados nas
“classes”.
• O Classicismo estendeu-se aos séculos XVI, XVII, e XVIII,
o que determinou que os historiadores incluíssem sob
a denominação “época clássica”, não apenas o
Renascimento, mas também o Barroco e o Arcadismo
(este último também conhecido como Neoclassicismo).
Contexto histórico
Naquele tempo...
. Crise da Igreja.
. Expansão marítima.
. Mercantilismo.
. Absolutismo monárquico.
. Reforma protestante
. Copérnico: heliocentrismo.
. Galileu Galilei: sistema astronômico.
Em Portugal...
. Conquista do norte da África;
. Caminho marítimo para as Índias;
. Descobrimento do Brasil;
. Monopólio do Poder político e econômico do
rei;
. Dinastia de Avis: D. Afonso V, D. JoãoII,
D. Manuel, o Venturoso
Monalisa
Revela o interesse do
Renascimento pelo
homem. Reproduzida
de todas as formas
imagináveis, a magia
dessa figura “feminina”
continua intacta.
A última ceia
Visão mais humanista
Davi
A valorização do ser
humano resultou na
criação de muitas telas
e esculturas que
valorizavam as formas
humanas ou que
retratavam corpos nus.
Pietá
A figura do Cristo morto parece
ter vida correndo nas veias. Os
olhos abaixados da Virgem, ao
contrário da tradição, emocionam
pela dor e pela resignação. Seu
manto, drapeado, arranca do
mármore uma leveza.
Arquitetura
A aplicação dessas ordens não é arbitrária, elas
representam as tão almejadas proporções
humanas: a base é o pé, a coluna, o corpo, e o
capitel, a cabeça.
Arquitetura
Palácio de Carlos V
Alhandra, Granada
Palácio de Vázquez
de Molina Úbeda,
Jaén
Arquitetura
Cúpula da igreja de
Bruneleschi, Florença.
LITERATURA - MARCO INICIAL
Em 1527, quando Francisco Sá de Miranda
retorna a Portugal, vindo da Itália, trazendo o
doce estilo novo (soneto + medida nova).
1- Imitação dos autores clássicos gregos e
romanos da antigüidade
2- Uso da mitologia
3- Predomínio da razão sobre os sentimentos
4- Uso de uma linguagem sóbria, simples, sem
excesso de figuras literárias
5- Idealismo
6- Amor Platônico
7- Busca da universalidade e impessoalidade
Características do Classicismo
Características do Classicismo
• 1. Imitação e observância da estética dos autores
da Antiguidade: gregos: Homero, Teócrito,
Anacreonte, Sófocles, Aristóteles, Demóstenes
etc.; latinos: Cícero, Virgílio, Ovídio, Plauto,
Horácio etc.
• 2. Preocupação com a forma, busca da perfeição
formal. Rigorosa exigência quanto à metrica e à
rima; acentuada preocupação com a correção
gramatical, com a clareza na expressão do
pensamento, com o equilíbrio entre os gêneros
literários.
• 3. Construção frasal tendendo à inversão dos
termos da oração e das orações no período,
por imitação aos latinos:
Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho,
e vejo o que não vi nunca, nem cri
que houvesse cá, recolhe-se a alma a si
e vou tresviando, como em sonho.
(Sá de Miranda)
Características do Classicismo
• 4. Utilização da mitologia greco-latina para
efeitos artísticos, considerando-se também que
as personagens mitológicas simbolizam ações,
sentimentos e atitudes humanas.
• 5. Universalidade e impessoalidade. Preocupação
com as verdades eternas e gerais, evitando-se o
particular e o pessoal: a individualidade e o
subjetivismo devem ceder lugar à preocupação
com o homem e com a objetividade.
Características do Classicismo
• 6. Temas sobre os descobrimentos e a expansão,
preocupação com a História e com as realizações
humanas.
• 7. Idealismo. Apesar de objetiva, a arte clássica
não é naturalista; a realidade sensível devia ser
idealizada pelo artista. Por exemplo, a mulher
amada não era descrita como simples criatura
humana, mas idealizada como um ser angelical, e
a natureza era descrita como uma região
paradisíaca.
Características do Classicismo
LUÍS VAZ
DE
CAMÕES
Luís Vaz de Camões,
poeta-filósofo: de
influência medieval e
clássica, de temática
variada e abrangente
(os mistérios da
condição humana, a
presença do homem no
mundo, os conceitos e
contradições amorosas
etc.)
A Obra:
Breve Introdução à
Epopeia da Língua
Portuguesa
A poesia e a vida…
 Obra Poética
• Camões cultivou, além dos metros tradicionais, todos os géneros
poéticos renascentistas, destacando-se o Soneto e a Canção.
Também escreveu teatro: os autos Anfitriões, Filodemo e El-rei
Seleuco.
• É possível considerar que Camões transformou em poesia parte
da sua experiência de vida (como fazem, cada um aproveitando de
modo diferente essa experiência, muitos poetas) mas essa
consideração não deve transformar em autobiografia cada texto
seu...
Os Lusíadas
Cantando espalharei por toda a parte…
 O que é uma epopeia?
Podemos dizer que a epopeia é uma narrativa em verso,
isto é, uma história que alguém conta e que tem a forma
de um poema.
De que falam as epopeias? As epopeias celebram os
feitos grandiosos de heróis, sejam eles lendários ou
personagens históricas.
A Epopeia
Cantando espalharei por toda a parte…
 O que é uma epopeia?
Podemos dizer que a epopeia é uma narrativa em verso, isto é,
uma história que alguém conta e que tem a forma de um
poema.
De que falam as epopeias? As epopeias celebram os feitos
grandiosos de heróis, sejam eles lendários ou personagens
históricas.
A Epopeia
Aquiles – Ilíada (sec. IX-VII a.C.)
Ulisses – Odisseia (sec. IX-VII a.C.)
Eneias – Eneida (séc. I a.C.)
Vasco da Gama (e o povo Português)
– Os Lusíadas (sec. XVI)
Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida, descontente,
Repousa lá no céu eternamente
E viva eu cá na terra sempre triste.
Se lá no assento etéreo, onde subiste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele amor ardente
Que já nos olhos meus tão puro viste.
E se vires que pode merecer-te
Alguma cousa a dor que me ficou
Da mágoa, sem remédio, de perder-te,
Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
Quão cedo de meus olhos te levou.
Os Lusíadas
Os Lusíadas (1572)
O poema se organiza tradicionalmente em cinco partes:
1. Proposição (Canto I, Estrofes 1 a 3)
Apresentação da matéria a ser cantada: os feitos dos navegadores portugueses, em especial
os da esquadra de Vasco da Gama e a história do povo português.
2. Invocação (Canto I, Estrofes 4 e 5)
O poeta invoca o auxílio das musas do rio Tejo, as Tágides, que irão inspirá-lo na
composição da obra.
3. Dedicatória (Canto I, Estrofes 6 a 18)
O poema é dedicado ao rei Dom Sebastião, visto como a esperança de propagação da fé
católica e continuação das grandes conquistas portuguesas por todo o mundo.
4. Narração (Canto I, Estrofe 19 a Canto X, Estrofe 144)
A matéria do poema em si. A viagem de Vasco da Gama e as glórias da história heróica
portuguesa.
5. Epílogo (Canto X, Estrofes 145 a 156)
Grande lamento do poeta, que reclama o fato de sua “voz rouca” não ser ouvida com mais
atenção.
 São elementos da estrutura clássica da epopeia:
a Proposição;
a Invocação;
a Dedicatória (elemento facultativo);
a Narração (iniciada in medias res)
A Epopeia
Quando os
acontecimentos já
decorrem, sendo depois
retomados por analepse.
Onde o poeta apresenta o
assunto da sua epopeia.
Onde o poeta pede o
auxílio de entidades
superiores.
A armada de Vasco da Gama partiu do Restelo no dia 8 de Julho de 1497 e
chegou a Calecute, na Índia, no dia 20 de Maio de 1498.
Resumo do enredo
Portugal, como foi visto anteriormente,
passava por um momento de grandiosidade
diante das demais nações européias. Esse
momento era ainda mais valorizado pelo
espírito de nacionalismo que surgia nos
séculos XV e XVI. Motivados com a
liderança nas grandes navegações, foram
várias as tentativas de fazer uma epopéia
sobre o assunto e, com isso, registrar para a
posteridade esse momento de glória.
A morte de Inês de Castro
O EPISÓDIO DE INÊS DE CASTRO
Camões, como outros artistas que retrataram a morte
de Inês de Castro, prefere a imagem da espada
encravada no peito, sem dúvida, mais lírica, à do
degolamento:
Tais contra Inês os brutos matadores,
No colo de alabastro, que sustinha
As obras com que Amor matou de amores
Aquele que depois a fez rainha,
As espadas banhando e as brancas flores
Que ela dos olhos seus regadas tinha,
Se encarniçavam, férvidos e irosos,
No futuro castigo não cuidosos.
Tu, só tu puro Amor, com força crua,
Que os corações humanos tanto obriga
Deste causa à molesta morte sua,
Como se fora pérfida inimiga.
Se dizem, fero Amor, que a sede tua
Nem com lágrimas tristes se mitiga,
É porque queres, áspero e tirano
Tuas aras banhar em sangue humano.
Cap06 classicismo
O lirismo dentro da obra épica
Os Lusíadas é uma obra de caráter épico onde o universo
masculino é o predominante. Assim, todo o episódio de Inês de
Castro entra em perfeito contraste com a restante obra. Neste
episódio a personagem central é feminina e o lirismo presente nos
sonetos camonianos é transposto para estas estâncias. Luís de
Camões consegue estabelecer com o leitor um contacto
inquestionavelmente emotivo. com os versos O desespero que
Camões coloca nas falas de Inês (inventadas por si) faz com que
um universo de terror progrida e “arraste” consigo o próprio leitor.
Existem momentos em que o leitor é levado a sentir compaixão e
levado também a partilhar o sofrimento das personagens da
tragédia, a piedade perante tal destino trágico instala-se dando
assim origem à Catarse.
O velho do Restelo
—"Ó glória de mandar! Ó vã cobiça
Desta vaidade, a quem chamamos Fama!
Ó fraudulento gosto, que se atiça
C'uma aura popular, que honra se chama!
Que castigo tamanho e que justiça
Fazes no peito vão que muito te ama!
Que mortes, que perigos, que tormentas,
Que crueldades neles experimentas!
— "Dura inquietação d'alma e da vida,
Fonte de desamparos e adultérios,
Sagaz consumidora conhecida
De fazendas, de reinos e de impérios:
Chamam-te ilustre, chamam-te subida,
Sendo dina de infames vitupérios;
Chamam-te Fama e Glória soberana,
Nomes com quem se o povo néscio engana!
O velho do Restelo
EPISÓDIO DO VELHO DO RESTELO
A cena mostra, logo de início urna massa aflita e desesperada com a partida
de seus filhos e esposos. As mulheres, chorando, representam toda a multidão
que ficava em terra firme vendo seus queridos partirem para o desconhecido:
Em tão longo caminho e duvidoso,
Por perdidos as gentes nos julgavam;
As mulheres c’um choro piedoso,
Mães, esposas, irmãs, que o temeroso
Amor mais desconfia, acrescentavam
A desesperação e frio medo
De já nos não tornar a ver tão cedo
Qual via dizendo: — “Ó filho, a quem eu tinha
Só para refrigério e doce amparo
Desta cansada já velhice minha,
Que em choro acabará penoso e amaro
Porque me deixas, mísera e mesquinha?
Porque de mi te vás, á filho caro,
A fazer funéreo enterramento
Onde sejas de peixes mantimento?
A fala do velho do Restelo pode ser interpretada como a
sobrevivência da mentalidade feudal, agrária, oposta ao
expansionismo e às navegações, que configuravam os interesses
da burguesia e da monarquia. É a expressão rigorosa do
conservadorismo. Certo é que Camões, mesmo numa epopéia que
se propõe a exaltar as Grandes Navegações, dá a palavra aos que
se opõem ao projeto expansionista. Portanto, O Velho do Restelo
representa a oposição passado x presente, antigo x novo. O Velho
chama de vaidoso aqueles que, por cobiça ou ânsia de glória, por
sua audácia ou coragem, se lançam às aventuras ultramarinas.
Simboliza a preocupação daqueles que antevêem um futuro
sombrio para a Pátria.
Gigante Adamastor
GIGANTE ADAMASTOR
O gigante chama os portugueses de ousados e afirma que nunca
repousam e que tem por meta a glória particular, pois chegaram aos
confins do mundo. Repare na ênfase que se dá ao fato de aquelas
águas nunca terem sido navegadas por outros: o gigante diz que
aquele mar que há tanto ele guarda nunca foi conhecido por outros.
E disse: "Ó gente ousada, mais que quantas
No mundo cometeram grandes cousas,
Tu, que por guerras cruas, tais e tantas,
E por trabalhos vãos nunca repousas,
Pois os vedados términos quebrantas
E navegar nos longos mares ousas,
Que eu tanto tempo há já que guardo e tenho,
Nunca arados d’estranho ou próprio lenho:
Não acabava, quando uma figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura;
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má e a cor terrena e pálida;
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.
Cap06 classicismo
No plano histórico, simboliza a superação
pelos portugueses do medo do “Mar
Tenebroso”, das superstições medievais que
povoavam o Atlântico e o Índico de monstros
e abismos. Adamastor é uma visão, um
espectro, uma alucinação que existe só nas
crendices dos portugueses. É contra seus
próprios medos que os navegadores triunfam.
Cap06 classicismo
Vasco da Gama quando chegou às Índias.
Ilha dos amores
ILHA DOS AMORES
Vênus imagina um meio de recompensá-los por todas as dificuldades
enfrentadas com um prêmio. Auxiliada por Cupido prepara-lhes uma
ilha maravilhosa onde as mais belas ninfas esperarão por eles. Camões
mostra o local como um verdadeiro paraíso:
Nesta frescura tal desembarcaram
Já das naus os segundos argonautas,
Onde pela floresta se deixavam
Andar as belas deusas, como incautas
Algüas doces cítaras tocavam,
Algüas harpas e sonoras flautas;
Outras, cos arcos de ouro, se fingiam
Seguir os animais que não seguiam.
(...)
Duma os cabelos de ouro o vento leva
Correndo, e de outra as flaldas delicadas.
Acende-se o desejo, que se cava
Nas alvas carnes, súbito mostradas.
Mas cá onde mais se alarga, ali tereis
Parte também, co pau vermelho nota;
De Santa Cruz o nome lhe poreis;
Descobri-la-á a primeira vossa frota.
Ao longo desta costa, que tereis,
Irá buscando a parte mais remota
O Magalhães, no feito, com verdade
Português, porém não na lealdade.
Cap06 classicismo
Todo o episódio tem um carácter simbólico.
Em primeiro lugar, serve para desmitificar o recurso à mitologia
pagã, apresentada aqui como simples ficção, útil para "fazer versos
deleitosos".
Em segundo lugar, representa a glorificação do povo português, a
quem é reconhecido um estatuto de excepcionalidade. Pelo seu
esforço continuado, pela sua persistência, pela sua fidelidade à
tarefa de expansão da fé cristã, os portugueses como que se
divinizam. Tornam-se assim dignos de ombrear com os deuses,
adquirindo um estatuto de imortalidade que é afinal o prémio
máximo a que pode aspirar o ser humano.
De certo modo, podemos dizer que é o amor que conduz os
portugueses à imortalidade. Não o amor no sentido vulgar da
palavra, mas o amor num sentido mais amplo: o amor
desinteressado, o amor da pátria, o amor ao dever, o empenhamento
total nas tarefas colectivas, a capacidade de suportar todas as
dificuldades, todos os sacrifícios.
Voltando aos comentários que se podem tecer a respeito do epílogo da
obra, é perceptível certo tom melancólico nas palavras do poeta que,
prevendo o fim dos bons tempos de Portugal, aproveita para fazer sua
“voz rouca” ser ouvida novamente ao criticar a corte que cercava
D.Sebastião e a perda dos bons costumes da sociedade, a corrupção que
por sua vez levaria o país ao “caos”, como se pode notar na estrofe 145
“No mais, Musa, no mais, que a lira tenho
Destemperada e a voz enrouquecida,
E não do canto, mas de ver que venho
Cantar a gente surda e endurecida.
O favor com quem mais se acende o engenho
Não no dá a pátria, não, que está metida
No gosto da cobiça e na rudeza
Dua austera, apagada e vil tristeza.”.
De mais, há que se dizer que Camões
estava correto em sua “profecia”, pois após
8 anos da publicação de “Os Lusíadas”,
data que coincide com a morte do poeta, o
rei D.Sebastião desaparece na Batalha de
Alcácer-Quibir, o que tem como
consequência o declive de Portugal e
submissão ao domínio espanhol.
Cap06 classicismo
Saiba mais!
• http://www.vidaslusofonas.pt/luis_de_camoe
s.htm
• http://manoelneves.com/categoria/literatura/
classicismo/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Kelwin Souza
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
FERNANDO ERNO
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
FOLHA NAZA
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Humanismo
HumanismoHumanismo
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
Ceber Alves
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
Taís Ferreira
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Dani Bertollo
 
Vida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil VicenteVida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil Vicente
Tiago Barata
 

Mais procurados (20)

Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Vida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil VicenteVida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil Vicente
 

Semelhante a Cap06 classicismo

3 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp023 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp02
Cibeli Soares Leite
 
camoes
camoescamoes
Os LusíAdas HistóRia De Uma Viagem
Os LusíAdas  HistóRia De Uma ViagemOs LusíAdas  HistóRia De Uma Viagem
Os LusíAdas HistóRia De Uma Viagem
Paulo Faria
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
Maida Marciano
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
mariasantos1451
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Fernanda Soares
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
Thani Almeida
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
caty1998
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camões
Ana Helena
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
greghouse48
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
harlissoncarvalho
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
Gabriel Andrade
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Jorge Basílio
 
Oslusiadas contexto
Oslusiadas contextoOslusiadas contexto
Oslusiadas contexto
paulocapelo
 
CLASSICISMO
CLASSICISMOCLASSICISMO
CLASSICISMO
marianna65
 
Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
anigoncalves
 

Semelhante a Cap06 classicismo (20)

3 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp023 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp02
 
camoes
camoescamoes
camoes
 
Os LusíAdas HistóRia De Uma Viagem
Os LusíAdas  HistóRia De Uma ViagemOs LusíAdas  HistóRia De Uma Viagem
Os LusíAdas HistóRia De Uma Viagem
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camões
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Oslusiadas contexto
Oslusiadas contextoOslusiadas contexto
Oslusiadas contexto
 
CLASSICISMO
CLASSICISMOCLASSICISMO
CLASSICISMO
 
Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
 

Mais de whybells

Protocordados1
Protocordados1Protocordados1
Protocordados1
whybells
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
whybells
 
A classificacao biologica
A classificacao biologicaA classificacao biologica
A classificacao biologica
whybells
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
whybells
 
Agnatha
AgnathaAgnatha
Agnatha
whybells
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismo
whybells
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
whybells
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
whybells
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
whybells
 
Polissemia
PolissemiaPolissemia
Polissemia
whybells
 
Semantica
SemanticaSemantica
Semantica
whybells
 
teatro romantico
teatro romanticoteatro romantico
teatro romantico
whybells
 
o romance de formacao de raul pompeia
o romance de formacao de raul pompeiao romance de formacao de raul pompeia
o romance de formacao de raul pompeia
whybells
 
Verbos formacao dos tempos verbais
Verbos formacao dos tempos verbaisVerbos formacao dos tempos verbais
Verbos formacao dos tempos verbais
whybells
 
Verbos classificacao
Verbos classificacaoVerbos classificacao
Verbos classificacao
whybells
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
whybells
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
whybells
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
whybells
 
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismocap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
whybells
 
cap12e cap13 - expansão marítima e renascimento
cap12e cap13 - expansão marítima e renascimentocap12e cap13 - expansão marítima e renascimento
cap12e cap13 - expansão marítima e renascimento
whybells
 

Mais de whybells (20)

Protocordados1
Protocordados1Protocordados1
Protocordados1
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
A classificacao biologica
A classificacao biologicaA classificacao biologica
A classificacao biologica
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
Agnatha
AgnathaAgnatha
Agnatha
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismo
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Polissemia
PolissemiaPolissemia
Polissemia
 
Semantica
SemanticaSemantica
Semantica
 
teatro romantico
teatro romanticoteatro romantico
teatro romantico
 
o romance de formacao de raul pompeia
o romance de formacao de raul pompeiao romance de formacao de raul pompeia
o romance de formacao de raul pompeia
 
Verbos formacao dos tempos verbais
Verbos formacao dos tempos verbaisVerbos formacao dos tempos verbais
Verbos formacao dos tempos verbais
 
Verbos classificacao
Verbos classificacaoVerbos classificacao
Verbos classificacao
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
 
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismocap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
 
cap12e cap13 - expansão marítima e renascimento
cap12e cap13 - expansão marítima e renascimentocap12e cap13 - expansão marítima e renascimento
cap12e cap13 - expansão marítima e renascimento
 

Cap06 classicismo

  • 2. O que foi o Renascimento? • Importante movimento de renovação cultural, ocorrido na Europa durante os séculos XV e XVI. • É considerado o marco inicial da era moderna. • Estimulou a vida urbana e o surgimento de um novo homem. •Naturalismo: volta à natureza •Hedonismo: defesa do prazer individual •Neoplatonismo: elevação espiritual por meio da interiorização.
  • 3. Qual a visão do mundo? • “Homem tornou-se a medida de todas as coisas”. • Não se tratava de opor o homem a Deus e medir suas forças. Deus continuou sendo soberano. Tratava-se na verdade de valorizar as pessoas em si, encontrar nelas as qualidades e as virtudes negadas pelo pensamento católico medieval.
  • 4. Contexto histórico • Plenitude de uma grande transformação política, econômica e cultural ; assinala o início dos tempos modernos. Esse período é conhecido como Renascimento, porque os homens estavam preocupados em redescobrir a Antiguidade (renasce a cultura antiga). • O teocentrismo medieval (Deus no centro de tudo) cede lugar ao antropocentrismo, o homem adquire consciência de sua capacidade realizadora: conquista, inventa, cria, descobre, produz. A preocupação passa a ser com a realidade imediata, com o humano e com a vida terrena, deixando em segundo plano as questões referentes à eternidade, à salvação e à redenção da alma.
  • 5. • O homem do Renascimento identifica na cultura greco-latina os valores da época e passa a cultuá-la. Integra seu universo artístico os deuses da mitologia grega. • Procura compreender o mundo sob o prisma da razão e associa ao equilíbrio entre razão e emoção de Beleza, Bem e Verdade. Contexto histórico
  • 6. • Todas essas mudanças têm como pano de fundo, a crise dos valores medievais, com o enfraquecimento do teocentrismo e da hierarquia nobreza-clero-povo, devida à decomposição do feudalismo e ao surgimento da burguesia. • A substituição de uma concepção teocêntrica por outra antropocêntrica não significou hostilidade em relação ao cristianismo. Tratava-se apenas de uma mudança de perspectiva cultural, de Deus para o Homem, que se tornou a medida de todas as coisas. Contexto histórico
  • 7. • A concepção estética que surgiu a partir do Humanismo e do Renascimento convencionou-se chamar Classicismo, porque “clássicos” eram os antigos artistas e filósofos greco-latinos dignos de serem estudados nas “classes”. • O Classicismo estendeu-se aos séculos XVI, XVII, e XVIII, o que determinou que os historiadores incluíssem sob a denominação “época clássica”, não apenas o Renascimento, mas também o Barroco e o Arcadismo (este último também conhecido como Neoclassicismo). Contexto histórico
  • 8. Naquele tempo... . Crise da Igreja. . Expansão marítima. . Mercantilismo. . Absolutismo monárquico. . Reforma protestante . Copérnico: heliocentrismo. . Galileu Galilei: sistema astronômico.
  • 9. Em Portugal... . Conquista do norte da África; . Caminho marítimo para as Índias; . Descobrimento do Brasil; . Monopólio do Poder político e econômico do rei; . Dinastia de Avis: D. Afonso V, D. JoãoII, D. Manuel, o Venturoso
  • 10. Monalisa Revela o interesse do Renascimento pelo homem. Reproduzida de todas as formas imagináveis, a magia dessa figura “feminina” continua intacta.
  • 11. A última ceia Visão mais humanista
  • 12. Davi A valorização do ser humano resultou na criação de muitas telas e esculturas que valorizavam as formas humanas ou que retratavam corpos nus.
  • 13. Pietá A figura do Cristo morto parece ter vida correndo nas veias. Os olhos abaixados da Virgem, ao contrário da tradição, emocionam pela dor e pela resignação. Seu manto, drapeado, arranca do mármore uma leveza.
  • 14. Arquitetura A aplicação dessas ordens não é arbitrária, elas representam as tão almejadas proporções humanas: a base é o pé, a coluna, o corpo, e o capitel, a cabeça.
  • 15. Arquitetura Palácio de Carlos V Alhandra, Granada Palácio de Vázquez de Molina Úbeda, Jaén
  • 16. Arquitetura Cúpula da igreja de Bruneleschi, Florença.
  • 17. LITERATURA - MARCO INICIAL Em 1527, quando Francisco Sá de Miranda retorna a Portugal, vindo da Itália, trazendo o doce estilo novo (soneto + medida nova).
  • 18. 1- Imitação dos autores clássicos gregos e romanos da antigüidade 2- Uso da mitologia 3- Predomínio da razão sobre os sentimentos 4- Uso de uma linguagem sóbria, simples, sem excesso de figuras literárias 5- Idealismo 6- Amor Platônico 7- Busca da universalidade e impessoalidade Características do Classicismo
  • 19. Características do Classicismo • 1. Imitação e observância da estética dos autores da Antiguidade: gregos: Homero, Teócrito, Anacreonte, Sófocles, Aristóteles, Demóstenes etc.; latinos: Cícero, Virgílio, Ovídio, Plauto, Horácio etc. • 2. Preocupação com a forma, busca da perfeição formal. Rigorosa exigência quanto à metrica e à rima; acentuada preocupação com a correção gramatical, com a clareza na expressão do pensamento, com o equilíbrio entre os gêneros literários.
  • 20. • 3. Construção frasal tendendo à inversão dos termos da oração e das orações no período, por imitação aos latinos: Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma a si e vou tresviando, como em sonho. (Sá de Miranda) Características do Classicismo
  • 21. • 4. Utilização da mitologia greco-latina para efeitos artísticos, considerando-se também que as personagens mitológicas simbolizam ações, sentimentos e atitudes humanas. • 5. Universalidade e impessoalidade. Preocupação com as verdades eternas e gerais, evitando-se o particular e o pessoal: a individualidade e o subjetivismo devem ceder lugar à preocupação com o homem e com a objetividade. Características do Classicismo
  • 22. • 6. Temas sobre os descobrimentos e a expansão, preocupação com a História e com as realizações humanas. • 7. Idealismo. Apesar de objetiva, a arte clássica não é naturalista; a realidade sensível devia ser idealizada pelo artista. Por exemplo, a mulher amada não era descrita como simples criatura humana, mas idealizada como um ser angelical, e a natureza era descrita como uma região paradisíaca. Características do Classicismo
  • 23. LUÍS VAZ DE CAMÕES Luís Vaz de Camões, poeta-filósofo: de influência medieval e clássica, de temática variada e abrangente (os mistérios da condição humana, a presença do homem no mundo, os conceitos e contradições amorosas etc.)
  • 24. A Obra: Breve Introdução à Epopeia da Língua Portuguesa
  • 25. A poesia e a vida…  Obra Poética • Camões cultivou, além dos metros tradicionais, todos os géneros poéticos renascentistas, destacando-se o Soneto e a Canção. Também escreveu teatro: os autos Anfitriões, Filodemo e El-rei Seleuco. • É possível considerar que Camões transformou em poesia parte da sua experiência de vida (como fazem, cada um aproveitando de modo diferente essa experiência, muitos poetas) mas essa consideração não deve transformar em autobiografia cada texto seu... Os Lusíadas
  • 26. Cantando espalharei por toda a parte…  O que é uma epopeia? Podemos dizer que a epopeia é uma narrativa em verso, isto é, uma história que alguém conta e que tem a forma de um poema. De que falam as epopeias? As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis, sejam eles lendários ou personagens históricas. A Epopeia
  • 27. Cantando espalharei por toda a parte…  O que é uma epopeia? Podemos dizer que a epopeia é uma narrativa em verso, isto é, uma história que alguém conta e que tem a forma de um poema. De que falam as epopeias? As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis, sejam eles lendários ou personagens históricas. A Epopeia Aquiles – Ilíada (sec. IX-VII a.C.) Ulisses – Odisseia (sec. IX-VII a.C.) Eneias – Eneida (séc. I a.C.) Vasco da Gama (e o povo Português) – Os Lusíadas (sec. XVI)
  • 28. Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te Alguma cousa a dor que me ficou Da mágoa, sem remédio, de perder-te, Roga a Deus, que teus anos encurtou, Que tão cedo de cá me leve a ver-te, Quão cedo de meus olhos te levou.
  • 30. Os Lusíadas (1572) O poema se organiza tradicionalmente em cinco partes: 1. Proposição (Canto I, Estrofes 1 a 3) Apresentação da matéria a ser cantada: os feitos dos navegadores portugueses, em especial os da esquadra de Vasco da Gama e a história do povo português. 2. Invocação (Canto I, Estrofes 4 e 5) O poeta invoca o auxílio das musas do rio Tejo, as Tágides, que irão inspirá-lo na composição da obra. 3. Dedicatória (Canto I, Estrofes 6 a 18) O poema é dedicado ao rei Dom Sebastião, visto como a esperança de propagação da fé católica e continuação das grandes conquistas portuguesas por todo o mundo. 4. Narração (Canto I, Estrofe 19 a Canto X, Estrofe 144) A matéria do poema em si. A viagem de Vasco da Gama e as glórias da história heróica portuguesa. 5. Epílogo (Canto X, Estrofes 145 a 156) Grande lamento do poeta, que reclama o fato de sua “voz rouca” não ser ouvida com mais atenção.
  • 31.  São elementos da estrutura clássica da epopeia: a Proposição; a Invocação; a Dedicatória (elemento facultativo); a Narração (iniciada in medias res) A Epopeia Quando os acontecimentos já decorrem, sendo depois retomados por analepse. Onde o poeta apresenta o assunto da sua epopeia. Onde o poeta pede o auxílio de entidades superiores.
  • 32. A armada de Vasco da Gama partiu do Restelo no dia 8 de Julho de 1497 e chegou a Calecute, na Índia, no dia 20 de Maio de 1498.
  • 33. Resumo do enredo Portugal, como foi visto anteriormente, passava por um momento de grandiosidade diante das demais nações européias. Esse momento era ainda mais valorizado pelo espírito de nacionalismo que surgia nos séculos XV e XVI. Motivados com a liderança nas grandes navegações, foram várias as tentativas de fazer uma epopéia sobre o assunto e, com isso, registrar para a posteridade esse momento de glória.
  • 34. A morte de Inês de Castro
  • 35. O EPISÓDIO DE INÊS DE CASTRO Camões, como outros artistas que retrataram a morte de Inês de Castro, prefere a imagem da espada encravada no peito, sem dúvida, mais lírica, à do degolamento: Tais contra Inês os brutos matadores, No colo de alabastro, que sustinha As obras com que Amor matou de amores Aquele que depois a fez rainha, As espadas banhando e as brancas flores Que ela dos olhos seus regadas tinha, Se encarniçavam, férvidos e irosos, No futuro castigo não cuidosos.
  • 36. Tu, só tu puro Amor, com força crua, Que os corações humanos tanto obriga Deste causa à molesta morte sua, Como se fora pérfida inimiga. Se dizem, fero Amor, que a sede tua Nem com lágrimas tristes se mitiga, É porque queres, áspero e tirano Tuas aras banhar em sangue humano.
  • 38. O lirismo dentro da obra épica Os Lusíadas é uma obra de caráter épico onde o universo masculino é o predominante. Assim, todo o episódio de Inês de Castro entra em perfeito contraste com a restante obra. Neste episódio a personagem central é feminina e o lirismo presente nos sonetos camonianos é transposto para estas estâncias. Luís de Camões consegue estabelecer com o leitor um contacto inquestionavelmente emotivo. com os versos O desespero que Camões coloca nas falas de Inês (inventadas por si) faz com que um universo de terror progrida e “arraste” consigo o próprio leitor. Existem momentos em que o leitor é levado a sentir compaixão e levado também a partilhar o sofrimento das personagens da tragédia, a piedade perante tal destino trágico instala-se dando assim origem à Catarse.
  • 39. O velho do Restelo
  • 40. —"Ó glória de mandar! Ó vã cobiça Desta vaidade, a quem chamamos Fama! Ó fraudulento gosto, que se atiça C'uma aura popular, que honra se chama! Que castigo tamanho e que justiça Fazes no peito vão que muito te ama! Que mortes, que perigos, que tormentas, Que crueldades neles experimentas! — "Dura inquietação d'alma e da vida, Fonte de desamparos e adultérios, Sagaz consumidora conhecida De fazendas, de reinos e de impérios: Chamam-te ilustre, chamam-te subida, Sendo dina de infames vitupérios; Chamam-te Fama e Glória soberana, Nomes com quem se o povo néscio engana!
  • 41. O velho do Restelo
  • 42. EPISÓDIO DO VELHO DO RESTELO A cena mostra, logo de início urna massa aflita e desesperada com a partida de seus filhos e esposos. As mulheres, chorando, representam toda a multidão que ficava em terra firme vendo seus queridos partirem para o desconhecido: Em tão longo caminho e duvidoso, Por perdidos as gentes nos julgavam; As mulheres c’um choro piedoso, Mães, esposas, irmãs, que o temeroso Amor mais desconfia, acrescentavam A desesperação e frio medo De já nos não tornar a ver tão cedo Qual via dizendo: — “Ó filho, a quem eu tinha Só para refrigério e doce amparo Desta cansada já velhice minha, Que em choro acabará penoso e amaro Porque me deixas, mísera e mesquinha? Porque de mi te vás, á filho caro, A fazer funéreo enterramento Onde sejas de peixes mantimento?
  • 43. A fala do velho do Restelo pode ser interpretada como a sobrevivência da mentalidade feudal, agrária, oposta ao expansionismo e às navegações, que configuravam os interesses da burguesia e da monarquia. É a expressão rigorosa do conservadorismo. Certo é que Camões, mesmo numa epopéia que se propõe a exaltar as Grandes Navegações, dá a palavra aos que se opõem ao projeto expansionista. Portanto, O Velho do Restelo representa a oposição passado x presente, antigo x novo. O Velho chama de vaidoso aqueles que, por cobiça ou ânsia de glória, por sua audácia ou coragem, se lançam às aventuras ultramarinas. Simboliza a preocupação daqueles que antevêem um futuro sombrio para a Pátria.
  • 45. GIGANTE ADAMASTOR O gigante chama os portugueses de ousados e afirma que nunca repousam e que tem por meta a glória particular, pois chegaram aos confins do mundo. Repare na ênfase que se dá ao fato de aquelas águas nunca terem sido navegadas por outros: o gigante diz que aquele mar que há tanto ele guarda nunca foi conhecido por outros. E disse: "Ó gente ousada, mais que quantas No mundo cometeram grandes cousas, Tu, que por guerras cruas, tais e tantas, E por trabalhos vãos nunca repousas, Pois os vedados términos quebrantas E navegar nos longos mares ousas, Que eu tanto tempo há já que guardo e tenho, Nunca arados d’estranho ou próprio lenho:
  • 46. Não acabava, quando uma figura Se nos mostra no ar, robusta e válida, De disforme e grandíssima estatura; O rosto carregado, a barba esquálida, Os olhos encovados, e a postura Medonha e má e a cor terrena e pálida; Cheios de terra e crespos os cabelos, A boca negra, os dentes amarelos.
  • 48. No plano histórico, simboliza a superação pelos portugueses do medo do “Mar Tenebroso”, das superstições medievais que povoavam o Atlântico e o Índico de monstros e abismos. Adamastor é uma visão, um espectro, uma alucinação que existe só nas crendices dos portugueses. É contra seus próprios medos que os navegadores triunfam.
  • 50. Vasco da Gama quando chegou às Índias.
  • 52. ILHA DOS AMORES Vênus imagina um meio de recompensá-los por todas as dificuldades enfrentadas com um prêmio. Auxiliada por Cupido prepara-lhes uma ilha maravilhosa onde as mais belas ninfas esperarão por eles. Camões mostra o local como um verdadeiro paraíso: Nesta frescura tal desembarcaram Já das naus os segundos argonautas, Onde pela floresta se deixavam Andar as belas deusas, como incautas Algüas doces cítaras tocavam, Algüas harpas e sonoras flautas; Outras, cos arcos de ouro, se fingiam Seguir os animais que não seguiam. (...) Duma os cabelos de ouro o vento leva Correndo, e de outra as flaldas delicadas. Acende-se o desejo, que se cava Nas alvas carnes, súbito mostradas.
  • 53. Mas cá onde mais se alarga, ali tereis Parte também, co pau vermelho nota; De Santa Cruz o nome lhe poreis; Descobri-la-á a primeira vossa frota. Ao longo desta costa, que tereis, Irá buscando a parte mais remota O Magalhães, no feito, com verdade Português, porém não na lealdade.
  • 55. Todo o episódio tem um carácter simbólico. Em primeiro lugar, serve para desmitificar o recurso à mitologia pagã, apresentada aqui como simples ficção, útil para "fazer versos deleitosos". Em segundo lugar, representa a glorificação do povo português, a quem é reconhecido um estatuto de excepcionalidade. Pelo seu esforço continuado, pela sua persistência, pela sua fidelidade à tarefa de expansão da fé cristã, os portugueses como que se divinizam. Tornam-se assim dignos de ombrear com os deuses, adquirindo um estatuto de imortalidade que é afinal o prémio máximo a que pode aspirar o ser humano. De certo modo, podemos dizer que é o amor que conduz os portugueses à imortalidade. Não o amor no sentido vulgar da palavra, mas o amor num sentido mais amplo: o amor desinteressado, o amor da pátria, o amor ao dever, o empenhamento total nas tarefas colectivas, a capacidade de suportar todas as dificuldades, todos os sacrifícios.
  • 56. Voltando aos comentários que se podem tecer a respeito do epílogo da obra, é perceptível certo tom melancólico nas palavras do poeta que, prevendo o fim dos bons tempos de Portugal, aproveita para fazer sua “voz rouca” ser ouvida novamente ao criticar a corte que cercava D.Sebastião e a perda dos bons costumes da sociedade, a corrupção que por sua vez levaria o país ao “caos”, como se pode notar na estrofe 145 “No mais, Musa, no mais, que a lira tenho Destemperada e a voz enrouquecida, E não do canto, mas de ver que venho Cantar a gente surda e endurecida. O favor com quem mais se acende o engenho Não no dá a pátria, não, que está metida No gosto da cobiça e na rudeza Dua austera, apagada e vil tristeza.”.
  • 57. De mais, há que se dizer que Camões estava correto em sua “profecia”, pois após 8 anos da publicação de “Os Lusíadas”, data que coincide com a morte do poeta, o rei D.Sebastião desaparece na Batalha de Alcácer-Quibir, o que tem como consequência o declive de Portugal e submissão ao domínio espanhol.