SlideShare uma empresa Scribd logo
Experiência de organização da
Atenção Ambulatorial Especializada
Santo Antônio do Monte - MG
Santo Antônio do Monte - Minas Gerais
Santo Antônio do Monte
BELO HORIZONTE
194 Km
População: 27.556 habitantes (IBGE, 2014)
Extensão territorial:1.126 Km2.
População SIAB: 26.593 habitantes.
Maior produtor de fogos de artifícios da América Latina e o
segundo maior produtor mundial.
Rede Municipal de Saúde
Atenção Terciária
 Hospital Município
 Pronto Atendimento Municipal/ FUNDAÇÃO DE SAUDE
(FDJMMG)
 UPA em processo de finalização
Atenção Primária
 8 Unidades de Saúde da Família (97 % de cobertura)
 1 NASF
 Farmácia Municipal
 Laboratório Municipal
Atenção Secundária
 Centro Atenção Ambulatorial Especializada em
Condições Crônicas/FUNDAÇÃO DE SAÚDE(FDJMMG)
Unidade de Apoio à Saúde da Família
Serviço de Especialidades Odontológicas
CAPS I
Centro de Imagem e Diagnostico/ FUNDAÇÃO DE SAUDE
(FDJMMG)
o Estrutura Física da década de 70, edificada para abrigar escola técnica
profissionalizante. Foi abandonada, sendo totalmente depredada.
o Dr. Wilmar Filho em seu primeiro mandato como Prefeito conseguiu a sessão de
uso do prédio e por meio de mutirões reconstruiu todas as instalações.
o 1990 a 2005 Centro de Atendimento Especializado em Imagem e Diagnostico
Mamografia, Tomografia, Raio X Simples e Contrastados, Ultrassonografia,
Litotripsia Extra Corpórea, Densitometria Óssea, Endoscopia Digestiva Alta,
EEG, ECG, Teste Ergométrico e Pequenas Cirurgias.
Consultas Especializadas: Mastologia, Neurologia,Ortopedia,Urologia,Obstetricia,
Ginecologia, Cardiologia, Gastroenterologia e Fisioterapia.
Fundação de Saúde – F.D.J.M.M.G.
o 2007 instalado o Centro Viva Vida em parceria SES/MG devido a serie histórica
de atendimento anterior;
o 2009 Prêmio estadual “Ênnio Leão”- Edição 2009 por apresentar resultados de
ações de qualidade na Rede Materna Infantil.
o 2010 Implantação do Centro Hiperdia passando a se chamar Centro Integrado
de Referência Secundária.
o 2012 Foi considerada referência no Cuidado das Condições Crônicas.
o 2013 Instalação e gestão do Pronto Atendimento Municipal
o 2013 Parceiro da OPAS,CONASS,SES/MG e Prefeitura de Santo Antônio do
Monte no LIACC/Samonte.
o 2015 Parceira com a Universidade Federal de Minas Gerais.
Fundação de Saúde – F.D.J.M.M.G.
Atenção Ambulatorial Especializada
em Condições Crônicas
Objetivo na Rede: Redução da morbimortalidade materno-
infantil e câncer de colo uterino, mama e planejamento
reprodutivo, atendimento à vitima de violência sexual.
Público alvo:
 Gestantes e crianças de alto e muito alto risco, mulheres
com alterações mamográficos e ou exames ginecológico,
planejamento familiar, tratamento de lesões de DST’s,
assistência à vítima de violência sexual.
Atendimentos especializados:
 Obstetrícia, pediatria, ginecologia, mastologia,
enfermagem, nutrição, serviço social e fisioterapia.
Exames e Procedimentos Especializados:
 Mamografia, ultrassom, cardiotocografia basal, PAAF,
core biopsy, cirurgia de alta frequência (CAF),
eletrocauterização, colposcopia, inserção de DIU.
Atenção Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas
Objetivo na Rede: Redução da morbimortalidade por complicações decorrentes
das complicações da hipertensão e diabetes.
Público Alvo:
 Hipertensos e Diabéticos de alto e muito alto risco
Atendimentos especializados:
 Cardiologia, Diabetologia, Angiologia, Retinologia, Enfermagem, Nutrição,
Serviço Social, Educador Físico, Farmácia Clínica e Fisioterapia.
Exames e Procedimentos Especializados:
 ECG, holter, MAPA, teste ergométrico, retinografia, fotocoagulação à laser,
doppler vascular manual, screening da neuropatia diabética, curativo lesões
decorrentes do pé diabético.
Centro de Imagem
e Diagnóstico
Fonte: SIA/SUS
Pronto Atendimento
Fonte: Fundo
Municipal de Saúde
Centro de Atenção
Especializada Condições
Crônicas
Fonte: Fundo Estadual de
Saúde
Núcleo de Ensino
e Pesquisa - NEP
Núcleo de Gestão
Complexo da Fundação de Saúde
Conselho
Administrativo
Mas, qual a diferença deste Centro de
Atenção Ambulatorial Especializada em
Condições Crônicas, relação ao Centro de
Especialidade Tradicional (CET)? Hum...
Sei não! Deve ser o de sempre, mais do
mesmo.
Modelo de
atenção?
Tem regulação.
Garantia de
continuidade
do cuidado?
Como?
Como
executar?
Quanto
custa?
Qual o
resultado?
Como
mudar a
visão?
Como
convencer?
O usuário vai
entender?
O recurso
será
suficiente?
Precisa fazer
assim
mesmo?
Como serão
divididas as
cotas por
mês?
A rede tá
preparada?
Qual o
público?
Qual
equipe?
Pesquisa
clínica
operacional
Centro de Atenção Ambulatorial Especializada
São equipamentos regionais de saúde, localizado preferencialmente
em cidades polos, vinculados a APS da área coberta.
Oferecem serviços ambulatoriais de média e o alta complexidade, com
assistência multiprofissional e atuação interdisciplinar, possuem
carteira de serviços definidas baseada na necessidade em saúde e
população alvo previamente estratificada pela APS.
Financiados com recursos públicos estaduais, com repasses de
recursos de custeio Fundo/Fundo, podendo ser gerido pelas
secretarias municipais de saúde ou por consórcios e ou fundações de
gestão de saúde.
(FDJMMG,2014)
Área de Abrangência do Centro Atenção Ambulatorial Especializada
de Santo Antônio do Monte e suas respectivas coberturas de APS
População: 456.263 habitantes
(DATASUS, (2012)
o 13 municípios
o 74 Equipes de Saúde da
Família
o 27 Unidades Modelos
Tradicionais
84,82%
100%
100%
91,96%
31,74%
64,49%
86,03%
73,29%
97%
100%
100%
100%
100%
Cobertura APS da Região de
Saúde: 66,9%
Região de Saúde : Divinópolis/Santo
Antônio do Monte
Plano de cuidado individualizado ilustrado
Atuação do Centro Atenção Ambulatorial Especializado
 Utilização de protocolos clínicos;
 Atenção programada;
 Gestão do tempo de espera;
 Atenção Continua;
 Plano de Cuidados Individualizado;
 Atendimento multiprofissional e abordagem interdisciplinar;
 Autocuidado apoiado;
 Gestão de Caso: “ Caso Alerta”;
 Atenção compartilhada;
 Grupo de Pares;
 Alfabetização sanitária;
 Auditoria Interna de Processos;
 Monitoramento de indicadores clínicos por individuo e do serviço;
 Interconsulta aos profissionais de outros pontos da rede;
 Responsabilização familiar no cuidado com os usuários;
 Monitoramento permanente de todas as etapas do processo assistencial;
 Monitoramento permanente dos usuários faltosos com busca permanente;
 Articulação com comunidade, com estimulo aos apoiadores locais do cuidado;
Atuação do Centro Atenção Ambulatorial Especializado
 Mapeamento permanente da rede assistencial;
 Suporte aos municípios a implantar o agendamentos descentralizado nas ESF;
 Auxilio Organização pelos municípios do transporte Sanitário;
 Sistema de controle de agendamento, atendimento, monitoramento e
estatística de utilização; monitoramento do absenteísmo;
 Controle de encaminhamentos errôneos por parte das ESF;
 Educação Permanente dos profissionais do Centro e das EPS;
 Módulo de habilidades em serviço;
 Supervisão direta e indireta das ESF;
 Comunicação fluída entre centro com os outros pontos da rede;
 Contato permanente com as equipes ESF;
 Elaboração de Pesquisas Clínicas Operacionais;
 Capacitação de outros serviços do estado e do país;
0
200
400
600
800
1000
1200
O que você achou
da limpeza dessa
unidade?
O que você achou
do conforto da
sala de espera?
O que você achou
da disponibilidade
de materiais
como papel
higiênico,
sabonete e papel
toalha?
O que você achou
do atendimento
da recepção?
O que você achou
do atendimento
da equipe de
enfermagem?
O que você achou
do atendimento
do(s) médico(s)?
O que você achou
da qualidade dos
serviços?
Ótimo
Bom
Regular
Ruim
Péssimo
PERCENTUAL DOS RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO
APLICADO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO 2014.
TOTAL DE QUESTIONÁRIOS RESPONDIDOS : 1.394
FONTE: Questionários respondidos pelos usuários do CVVH no período de Janeiro a dezembro de 2015. Consolidado
pelo NEP/FDJMMG, 2014.
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
1600
Você sabe por que você foi encaminhado
para esse serviço?
Você foi atendido no horario marcado? Você entendeu as orientações e
recomendações qie os profissionais desse
serviço fizeram para o (a) senhor(a)?
Sim
Não
2%
98%
42%
PERCENTUAL DOS RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO
APLICADO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO 2014.
TOTAL DE QUESTIONÁRIOS RESPONDIDOS : 1.525
FONTE: Questionários respondidos pelos usuários do CVVH no período de Janeiro a dezembro de 2015. Consolidado
pelo NEP/FDJMMG, 2014.
96%
4%
58%
o Gestantes de alto risco acompanhadas no Centro Viva Vida que
necessitaram de CTI (2005 a fevereiro 2015): 2
o Mortalidade materna entre as gestantes de alto risco
acompanhadas no Centro Viva Vida (2005 a fevereiro de 2015): 0
o Mortalidade fetal das gestantes acompanhadas no Centro Viva
Vida (2005 a fevereiro 2015): 07
o Mortalidade Infantil (2005 a fevereiro de 2015): 01
(FDJMMG, 2015)
Resultados
o 77% dos usuários diabéticos atendidos no Centro apresentaram
melhoras nos valores da hemoglobina glicada;
o 94% dos usuários hipertensos atendidos no Centro apresentaram
melhoras nos valores da pressão arterial;
o 97% dos usuários portadores de lesão nos pés e mãos em
decorrência do diabetes evoluíram para cicatrização;
(FDJMMG, 2013)
Resultados
• Foram realizadas 9 supervisões diretas a APS e SMS em
municípios da região coberta com apoio da SRS/Divinópolis;
• Foram realizadas 13 supervisões indiretas a APS e SMS em
municípios da região coberta;
• Foram realizadas 26 capacitações teórica e prática com
profissionais da APS dos 13 municípios;
• Foram capacitados 350 profissionais da APS municípios da região
coberta;
• Foram capacitados 6 outros serviços de atenção secundária do
estado;
• Recebidas 47 visitas técnicas orientadas de todo país.
(FDJMMG, 2014)
Resultados 2014
O estudo para o estabelecimento do custeio dos centro de
atenção ambulatorial deve ser feito por estudo detalhado da
necessidade em saúde da região coberta, utilizando para isso
parâmetros epidemiológicos específicos, considerando os vazios
assistenciais e pontos de atenção disponíveis, considerando os
atuais níveis de evidências disponíveis na literatura.
Financiamento do Centro Atenção Ambulatorial Especializada
Exemplo de base cálculo para esse financiamento:
 Programação por necessidade em saúde;
 Estabelecimento da diretriz clínica baseada em evidencias
cientificas atuais para cada condição de saúde;
 Estabelecimento da carteira de serviço;
 Financiamento por performance;
Financiamento atual do Centro Atenção Ambulatorial
Especializada em Condições Crônicas
Atualmente o Centro é financiado pela SES/MG com valor mensal de
R$ 165.404,92 repassados por quadrimestre totalizando
R$ 661.619,68.
O repasse é feito observando a performance do Centro, sendo que
70% da parcela de custeio é fixo e 30% da parcela é variável
observando os seguintes indicadores regionais (Sistema GEICOM) no
quadrimestre:
 Taxa de Internação por diabetes mellitus e suas complicações e
 Taxa de Internações por acidente vascular encefálico (AVE).
Além da supervisão anual in loco pela SES/MG e SRS/Divinópolis
aplicada guia de supervisão que avalia 11 itens a que são atribuídas
porcentagens que tem peso vaiável.
O crescimento do serviço é gradativo dos 25% da população alvo dos
13 municípios da região de saúde.
Financiamento atual do Centro Atenção
Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas
Em 2013 a SES/MG quando foi fixado o valor mensal do custeio,
foram utilizados como base de cálculo dos valores da tabela do SUS.
Mas, o diferencial do Centro de Especialidades para que ele dê
resultado assistencial é a forma de remuneração dos profissionais;
exames etc.
A remuneração de todas as equipes do Centro é diferenciada dos
valores da tabela SUS, já que todos os profissionais são especialistas
com perfis diferenciados, atuam não só no atendimentos diretos aos
usuários/família, mas suporte as ESF e a rede assistencial.
Outro diferencial de um Centro neste modelo é que a equipe de
gestão está sempre reavaliando os custos financeiros juntamente
com a equipe assistencial para que o investimento seja sempre em
beneficio as necessidades de saúde do usuário e o alcance de
resultados assistenciais.
ATENÇÃO PROGRAMADA PORTADORES DE HAS DE MUITO ALTO RISCO
Exemplo I – Cálculo da necessidade de cardiologistas para atendimento dos portadores de
HAS de Muito Alto Risco
Portadores de HAS de Muito Alto Risco: 2.876
2.876*4 consultas ano cardiologia = 11.504 consultas por ano * 20 minutos
230.080 minutos de cardiologia/60= 3.835h de cardiologia por ano/8h trabalho dia
480 dias de trabalho por ano/12= 40 dias por mês/4= 10 dias por semana
= 2 cardiologistas com carga horária de 8h/dia.
A remuneração do profissional do Centro Integrado é global. O MACC abole o pagamento
de profissionais por produtividade. Prevê a remuneração por carga horária trabalhada.
No horário dedicado as atividades do Centro Integrado o profissional deve estar
disponível para as atividades de atendimento aos usuários, educativas com profissionais
da APS e acompanhamento do módulo prática de capacitação em serviço, reuniões de
equipe, discussões de casos clínicos, interconsulta com profissionais da APS, estudos de
atualizações especificas e elaboração de protocolos e treinamentos.
A grande questão
O que é preciso para implantar o MACC?
 Quebra de paradigma
 Sair da zona de conforto
Fundação de Saúde FDJMMG
Santo Antônio do Monte - MG
(37) 3281-2347
E-mail: coordenacaocvvh@fundacaojmmg.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
blogped1
 
A historia da saude no brasil
A historia da saude no brasilA historia da saude no brasil
A historia da saude no brasil
Sheise Alves Santa Brigida
 
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha BahiaRede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Lucas Matos
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
ivanaferraz
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
Amanda Thaysa
 
NOAS 01/2001
NOAS 01/2001NOAS 01/2001
NOAS 01/2001
ivanaferraz
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96
Rose Manzioli
 
Sala de-vacina
Sala de-vacinaSala de-vacina
Sala de-vacina
Yane Silva
 
Pactopela saude
Pactopela saudePactopela saude
Pactopela saude
Marcos Nery
 
Lei 8080 e lei 8142
Lei 8080 e lei 8142Lei 8080 e lei 8142
Lei 8080 e lei 8142
Fisioterapeuta
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
Alinebrauna Brauna
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ricardo Alexandre
 
Resumo lei 8142
Resumo lei 8142Resumo lei 8142
Resumo lei 8142
Taís Flores
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMORELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
Mayara Dos Santos Camuzzi
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, BrasilSAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Principios e diretrizes
Principios e diretrizesPrincipios e diretrizes
Principios e diretrizes
Roberto Antonio da Costa Dutra
 

Mais procurados (20)

Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
A historia da saude no brasil
A historia da saude no brasilA historia da saude no brasil
A historia da saude no brasil
 
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha BahiaRede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
 
NOAS 01/2001
NOAS 01/2001NOAS 01/2001
NOAS 01/2001
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96
 
Sala de-vacina
Sala de-vacinaSala de-vacina
Sala de-vacina
 
Pactopela saude
Pactopela saudePactopela saude
Pactopela saude
 
Lei 8080 e lei 8142
Lei 8080 e lei 8142Lei 8080 e lei 8142
Lei 8080 e lei 8142
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
 
Resumo lei 8142
Resumo lei 8142Resumo lei 8142
Resumo lei 8142
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMORELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, BrasilSAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
SAÚDE da CRIANÇA: 70 anos de história. Ministério da Saúde, Brasil
 
Principios e diretrizes
Principios e diretrizesPrincipios e diretrizes
Principios e diretrizes
 

Destaque

Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010
Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010
Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010
Murilo Cesar
 
Jornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendências
Jornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendênciasJornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendências
Jornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendências
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Programa Viva Vida - Projeto Mães de Minas
Programa Viva Vida - Projeto Mães de MinasPrograma Viva Vida - Projeto Mães de Minas
Programa Viva Vida - Projeto Mães de Minas
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Joaquim Wilmar
 
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em DivinópolisServiços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
MovSaúde Divinópolis
 
Programas de Reabilitação Cardíaca no Saúde Suplementar
Programas de Reabilitação Cardíaca no Saúde SuplementarProgramas de Reabilitação Cardíaca no Saúde Suplementar
Programas de Reabilitação Cardíaca no Saúde Suplementar
Eduardo Kühr
 
Boas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato Sabatinni
Boas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato SabatinniBoas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato Sabatinni
Boas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato Sabatinni
ILGC - Instituto Latino Americano de Gestão Competitiva
 
Planejamento Orçamentário em Eventos 2
Planejamento Orçamentário em Eventos 2Planejamento Orçamentário em Eventos 2
Planejamento Orçamentário em Eventos 2
mairamed
 
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio VilaçaApresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
Luísa Romanov
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Aroldo Gavioli
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Joana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenariaJoana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenaria
comunidadedepraticas
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
JOAQUIN DE LA PENA
 
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimentoAtenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
jardelf
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Sergio_Framingham
Sergio_FraminghamSergio_Framingham
Sergio_Framingham
comunidadedepraticas
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
comunidadedepraticas
 
Politicas de saude
Politicas de saudePoliticas de saude
Politicas de saude
Instituto Consciência GO
 

Destaque (20)

Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010
Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010
Guia indicadores desempenho gestao publica jun2010
 
Jornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendências
Jornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendênciasJornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendências
Jornada Novos Caminhos para a Gestão Municipal: necessidades e tendências
 
Programa Viva Vida - Projeto Mães de Minas
Programa Viva Vida - Projeto Mães de MinasPrograma Viva Vida - Projeto Mães de Minas
Programa Viva Vida - Projeto Mães de Minas
 
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
 
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em DivinópolisServiços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
Serviços de saúde pública da atenção secundária ausentes em Divinópolis
 
Programas de Reabilitação Cardíaca no Saúde Suplementar
Programas de Reabilitação Cardíaca no Saúde SuplementarProgramas de Reabilitação Cardíaca no Saúde Suplementar
Programas de Reabilitação Cardíaca no Saúde Suplementar
 
Boas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato Sabatinni
Boas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato SabatinniBoas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato Sabatinni
Boas práticas da gestão na saúde - Dr. Renato Sabatinni
 
Planejamento Orçamentário em Eventos 2
Planejamento Orçamentário em Eventos 2Planejamento Orçamentário em Eventos 2
Planejamento Orçamentário em Eventos 2
 
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio VilaçaApresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e Emergência
 
Joana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenariaJoana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenaria
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimentoAtenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Sergio_Framingham
Sergio_FraminghamSergio_Framingham
Sergio_Framingham
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
 
Politicas de saude
Politicas de saudePoliticas de saude
Politicas de saude
 

Semelhante a Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Antônio do Monte/MG

A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Aplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do Monte
Aplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do MonteAplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do Monte
Aplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do Monte
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de Osório
Educ&Saude
 
A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização d...
A implantação  do Modelo de Atenção  às Condições Crônicas para organização d...A implantação  do Modelo de Atenção  às Condições Crônicas para organização d...
A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização d...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Apresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - Ses
Apresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - SesApresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - Ses
Apresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - Ses
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Dra. sandra gargur - 20/09/2012
Dra. sandra gargur - 20/09/2012Dra. sandra gargur - 20/09/2012
Dra. sandra gargur - 20/09/2012
Anais IV CBED
 
Gestão populacional
Gestão populacionalGestão populacional
Gestão populacional
VZ Associados Consultoria em Saude
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptx
ElaineCamargos
 
Atencao basica a_saude
Atencao basica a_saudeAtencao basica a_saude
Atencao basica a_saude
Isabela Moura
 
#susmaisforte
#susmaisforte#susmaisforte
#susmaisforte
Ministério da Saúde
 
Plano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrioPlano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrio
Brenner Cardoso
 
Apresentação maurício botelho ses
Apresentação maurício botelho   sesApresentação maurício botelho   ses
Apresentação maurício botelho ses
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Protocolo hipo
Protocolo hipoProtocolo hipo
Protocolo hipo
Adriana Lima
 
Ama
AmaAma
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
Bi_Oliveira
 
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.pptAcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
TercioSantos7
 
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera MunicipalAtenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...
A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...
A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Apresentacao-Antonio-corrigida.pptx
Apresentacao-Antonio-corrigida.pptxApresentacao-Antonio-corrigida.pptx
Apresentacao-Antonio-corrigida.pptx
JuanitoFlorentino4
 

Semelhante a Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Antônio do Monte/MG (20)

A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
 
Aplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do Monte
Aplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do MonteAplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do Monte
Aplicação do LIACC na Zona Rural de Santo Antônio do Monte
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de Osório
 
A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização d...
A implantação  do Modelo de Atenção  às Condições Crônicas para organização d...A implantação  do Modelo de Atenção  às Condições Crônicas para organização d...
A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização d...
 
Apresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - Ses
Apresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - SesApresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - Ses
Apresentação Desafios da Rede Hiperdia - Dr. Ailton Cezário Alves Júnior - Ses
 
Dra. sandra gargur - 20/09/2012
Dra. sandra gargur - 20/09/2012Dra. sandra gargur - 20/09/2012
Dra. sandra gargur - 20/09/2012
 
Gestão populacional
Gestão populacionalGestão populacional
Gestão populacional
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptx
 
Atencao basica a_saude
Atencao basica a_saudeAtencao basica a_saude
Atencao basica a_saude
 
#susmaisforte
#susmaisforte#susmaisforte
#susmaisforte
 
Plano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrioPlano de governo muda sombrio
Plano de governo muda sombrio
 
Apresentação maurício botelho ses
Apresentação maurício botelho   sesApresentação maurício botelho   ses
Apresentação maurício botelho ses
 
Protocolo hipo
Protocolo hipoProtocolo hipo
Protocolo hipo
 
Ama
AmaAma
Ama
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
 
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.pptAcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
 
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera MunicipalAtenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
Atenção Primária à Saúde e seu Desenvolvimento na Esfera Municipal
 
A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...
A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...
A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada na Rede de Atenção à Saúd...
 
Apresentacao-Antonio-corrigida.pptx
Apresentacao-Antonio-corrigida.pptxApresentacao-Antonio-corrigida.pptx
Apresentacao-Antonio-corrigida.pptx
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 

Último

anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 

Último (6)

anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 

Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Antônio do Monte/MG

  • 1. Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada Santo Antônio do Monte - MG
  • 2. Santo Antônio do Monte - Minas Gerais Santo Antônio do Monte BELO HORIZONTE 194 Km População: 27.556 habitantes (IBGE, 2014) Extensão territorial:1.126 Km2. População SIAB: 26.593 habitantes. Maior produtor de fogos de artifícios da América Latina e o segundo maior produtor mundial.
  • 3. Rede Municipal de Saúde Atenção Terciária  Hospital Município  Pronto Atendimento Municipal/ FUNDAÇÃO DE SAUDE (FDJMMG)  UPA em processo de finalização Atenção Primária  8 Unidades de Saúde da Família (97 % de cobertura)  1 NASF  Farmácia Municipal  Laboratório Municipal Atenção Secundária  Centro Atenção Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas/FUNDAÇÃO DE SAÚDE(FDJMMG) Unidade de Apoio à Saúde da Família Serviço de Especialidades Odontológicas CAPS I Centro de Imagem e Diagnostico/ FUNDAÇÃO DE SAUDE (FDJMMG)
  • 4. o Estrutura Física da década de 70, edificada para abrigar escola técnica profissionalizante. Foi abandonada, sendo totalmente depredada. o Dr. Wilmar Filho em seu primeiro mandato como Prefeito conseguiu a sessão de uso do prédio e por meio de mutirões reconstruiu todas as instalações. o 1990 a 2005 Centro de Atendimento Especializado em Imagem e Diagnostico Mamografia, Tomografia, Raio X Simples e Contrastados, Ultrassonografia, Litotripsia Extra Corpórea, Densitometria Óssea, Endoscopia Digestiva Alta, EEG, ECG, Teste Ergométrico e Pequenas Cirurgias. Consultas Especializadas: Mastologia, Neurologia,Ortopedia,Urologia,Obstetricia, Ginecologia, Cardiologia, Gastroenterologia e Fisioterapia. Fundação de Saúde – F.D.J.M.M.G.
  • 5. o 2007 instalado o Centro Viva Vida em parceria SES/MG devido a serie histórica de atendimento anterior; o 2009 Prêmio estadual “Ênnio Leão”- Edição 2009 por apresentar resultados de ações de qualidade na Rede Materna Infantil. o 2010 Implantação do Centro Hiperdia passando a se chamar Centro Integrado de Referência Secundária. o 2012 Foi considerada referência no Cuidado das Condições Crônicas. o 2013 Instalação e gestão do Pronto Atendimento Municipal o 2013 Parceiro da OPAS,CONASS,SES/MG e Prefeitura de Santo Antônio do Monte no LIACC/Samonte. o 2015 Parceira com a Universidade Federal de Minas Gerais. Fundação de Saúde – F.D.J.M.M.G.
  • 6. Atenção Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas Objetivo na Rede: Redução da morbimortalidade materno- infantil e câncer de colo uterino, mama e planejamento reprodutivo, atendimento à vitima de violência sexual. Público alvo:  Gestantes e crianças de alto e muito alto risco, mulheres com alterações mamográficos e ou exames ginecológico, planejamento familiar, tratamento de lesões de DST’s, assistência à vítima de violência sexual. Atendimentos especializados:  Obstetrícia, pediatria, ginecologia, mastologia, enfermagem, nutrição, serviço social e fisioterapia. Exames e Procedimentos Especializados:  Mamografia, ultrassom, cardiotocografia basal, PAAF, core biopsy, cirurgia de alta frequência (CAF), eletrocauterização, colposcopia, inserção de DIU.
  • 7. Atenção Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas Objetivo na Rede: Redução da morbimortalidade por complicações decorrentes das complicações da hipertensão e diabetes. Público Alvo:  Hipertensos e Diabéticos de alto e muito alto risco Atendimentos especializados:  Cardiologia, Diabetologia, Angiologia, Retinologia, Enfermagem, Nutrição, Serviço Social, Educador Físico, Farmácia Clínica e Fisioterapia. Exames e Procedimentos Especializados:  ECG, holter, MAPA, teste ergométrico, retinografia, fotocoagulação à laser, doppler vascular manual, screening da neuropatia diabética, curativo lesões decorrentes do pé diabético.
  • 8. Centro de Imagem e Diagnóstico Fonte: SIA/SUS Pronto Atendimento Fonte: Fundo Municipal de Saúde Centro de Atenção Especializada Condições Crônicas Fonte: Fundo Estadual de Saúde Núcleo de Ensino e Pesquisa - NEP Núcleo de Gestão Complexo da Fundação de Saúde Conselho Administrativo
  • 9. Mas, qual a diferença deste Centro de Atenção Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas, relação ao Centro de Especialidade Tradicional (CET)? Hum... Sei não! Deve ser o de sempre, mais do mesmo. Modelo de atenção? Tem regulação. Garantia de continuidade do cuidado? Como?
  • 10. Como executar? Quanto custa? Qual o resultado? Como mudar a visão? Como convencer? O usuário vai entender? O recurso será suficiente? Precisa fazer assim mesmo? Como serão divididas as cotas por mês? A rede tá preparada? Qual o público? Qual equipe?
  • 12. Centro de Atenção Ambulatorial Especializada São equipamentos regionais de saúde, localizado preferencialmente em cidades polos, vinculados a APS da área coberta. Oferecem serviços ambulatoriais de média e o alta complexidade, com assistência multiprofissional e atuação interdisciplinar, possuem carteira de serviços definidas baseada na necessidade em saúde e população alvo previamente estratificada pela APS. Financiados com recursos públicos estaduais, com repasses de recursos de custeio Fundo/Fundo, podendo ser gerido pelas secretarias municipais de saúde ou por consórcios e ou fundações de gestão de saúde. (FDJMMG,2014)
  • 13. Área de Abrangência do Centro Atenção Ambulatorial Especializada de Santo Antônio do Monte e suas respectivas coberturas de APS População: 456.263 habitantes (DATASUS, (2012) o 13 municípios o 74 Equipes de Saúde da Família o 27 Unidades Modelos Tradicionais 84,82% 100% 100% 91,96% 31,74% 64,49% 86,03% 73,29% 97% 100% 100% 100% 100% Cobertura APS da Região de Saúde: 66,9% Região de Saúde : Divinópolis/Santo Antônio do Monte
  • 14.
  • 15.
  • 16. Plano de cuidado individualizado ilustrado
  • 17. Atuação do Centro Atenção Ambulatorial Especializado  Utilização de protocolos clínicos;  Atenção programada;  Gestão do tempo de espera;  Atenção Continua;  Plano de Cuidados Individualizado;  Atendimento multiprofissional e abordagem interdisciplinar;  Autocuidado apoiado;  Gestão de Caso: “ Caso Alerta”;  Atenção compartilhada;  Grupo de Pares;  Alfabetização sanitária;  Auditoria Interna de Processos;  Monitoramento de indicadores clínicos por individuo e do serviço;  Interconsulta aos profissionais de outros pontos da rede;  Responsabilização familiar no cuidado com os usuários;  Monitoramento permanente de todas as etapas do processo assistencial;  Monitoramento permanente dos usuários faltosos com busca permanente;  Articulação com comunidade, com estimulo aos apoiadores locais do cuidado;
  • 18. Atuação do Centro Atenção Ambulatorial Especializado  Mapeamento permanente da rede assistencial;  Suporte aos municípios a implantar o agendamentos descentralizado nas ESF;  Auxilio Organização pelos municípios do transporte Sanitário;  Sistema de controle de agendamento, atendimento, monitoramento e estatística de utilização; monitoramento do absenteísmo;  Controle de encaminhamentos errôneos por parte das ESF;  Educação Permanente dos profissionais do Centro e das EPS;  Módulo de habilidades em serviço;  Supervisão direta e indireta das ESF;  Comunicação fluída entre centro com os outros pontos da rede;  Contato permanente com as equipes ESF;  Elaboração de Pesquisas Clínicas Operacionais;  Capacitação de outros serviços do estado e do país;
  • 19. 0 200 400 600 800 1000 1200 O que você achou da limpeza dessa unidade? O que você achou do conforto da sala de espera? O que você achou da disponibilidade de materiais como papel higiênico, sabonete e papel toalha? O que você achou do atendimento da recepção? O que você achou do atendimento da equipe de enfermagem? O que você achou do atendimento do(s) médico(s)? O que você achou da qualidade dos serviços? Ótimo Bom Regular Ruim Péssimo PERCENTUAL DOS RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO APLICADO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO 2014. TOTAL DE QUESTIONÁRIOS RESPONDIDOS : 1.394 FONTE: Questionários respondidos pelos usuários do CVVH no período de Janeiro a dezembro de 2015. Consolidado pelo NEP/FDJMMG, 2014.
  • 20. 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 Você sabe por que você foi encaminhado para esse serviço? Você foi atendido no horario marcado? Você entendeu as orientações e recomendações qie os profissionais desse serviço fizeram para o (a) senhor(a)? Sim Não 2% 98% 42% PERCENTUAL DOS RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO APLICADO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO 2014. TOTAL DE QUESTIONÁRIOS RESPONDIDOS : 1.525 FONTE: Questionários respondidos pelos usuários do CVVH no período de Janeiro a dezembro de 2015. Consolidado pelo NEP/FDJMMG, 2014. 96% 4% 58%
  • 21. o Gestantes de alto risco acompanhadas no Centro Viva Vida que necessitaram de CTI (2005 a fevereiro 2015): 2 o Mortalidade materna entre as gestantes de alto risco acompanhadas no Centro Viva Vida (2005 a fevereiro de 2015): 0 o Mortalidade fetal das gestantes acompanhadas no Centro Viva Vida (2005 a fevereiro 2015): 07 o Mortalidade Infantil (2005 a fevereiro de 2015): 01 (FDJMMG, 2015) Resultados
  • 22. o 77% dos usuários diabéticos atendidos no Centro apresentaram melhoras nos valores da hemoglobina glicada; o 94% dos usuários hipertensos atendidos no Centro apresentaram melhoras nos valores da pressão arterial; o 97% dos usuários portadores de lesão nos pés e mãos em decorrência do diabetes evoluíram para cicatrização; (FDJMMG, 2013) Resultados
  • 23. • Foram realizadas 9 supervisões diretas a APS e SMS em municípios da região coberta com apoio da SRS/Divinópolis; • Foram realizadas 13 supervisões indiretas a APS e SMS em municípios da região coberta; • Foram realizadas 26 capacitações teórica e prática com profissionais da APS dos 13 municípios; • Foram capacitados 350 profissionais da APS municípios da região coberta; • Foram capacitados 6 outros serviços de atenção secundária do estado; • Recebidas 47 visitas técnicas orientadas de todo país. (FDJMMG, 2014) Resultados 2014
  • 24. O estudo para o estabelecimento do custeio dos centro de atenção ambulatorial deve ser feito por estudo detalhado da necessidade em saúde da região coberta, utilizando para isso parâmetros epidemiológicos específicos, considerando os vazios assistenciais e pontos de atenção disponíveis, considerando os atuais níveis de evidências disponíveis na literatura. Financiamento do Centro Atenção Ambulatorial Especializada Exemplo de base cálculo para esse financiamento:  Programação por necessidade em saúde;  Estabelecimento da diretriz clínica baseada em evidencias cientificas atuais para cada condição de saúde;  Estabelecimento da carteira de serviço;  Financiamento por performance;
  • 25.
  • 26. Financiamento atual do Centro Atenção Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas Atualmente o Centro é financiado pela SES/MG com valor mensal de R$ 165.404,92 repassados por quadrimestre totalizando R$ 661.619,68. O repasse é feito observando a performance do Centro, sendo que 70% da parcela de custeio é fixo e 30% da parcela é variável observando os seguintes indicadores regionais (Sistema GEICOM) no quadrimestre:  Taxa de Internação por diabetes mellitus e suas complicações e  Taxa de Internações por acidente vascular encefálico (AVE). Além da supervisão anual in loco pela SES/MG e SRS/Divinópolis aplicada guia de supervisão que avalia 11 itens a que são atribuídas porcentagens que tem peso vaiável. O crescimento do serviço é gradativo dos 25% da população alvo dos 13 municípios da região de saúde.
  • 27. Financiamento atual do Centro Atenção Ambulatorial Especializada em Condições Crônicas Em 2013 a SES/MG quando foi fixado o valor mensal do custeio, foram utilizados como base de cálculo dos valores da tabela do SUS. Mas, o diferencial do Centro de Especialidades para que ele dê resultado assistencial é a forma de remuneração dos profissionais; exames etc. A remuneração de todas as equipes do Centro é diferenciada dos valores da tabela SUS, já que todos os profissionais são especialistas com perfis diferenciados, atuam não só no atendimentos diretos aos usuários/família, mas suporte as ESF e a rede assistencial. Outro diferencial de um Centro neste modelo é que a equipe de gestão está sempre reavaliando os custos financeiros juntamente com a equipe assistencial para que o investimento seja sempre em beneficio as necessidades de saúde do usuário e o alcance de resultados assistenciais.
  • 28. ATENÇÃO PROGRAMADA PORTADORES DE HAS DE MUITO ALTO RISCO Exemplo I – Cálculo da necessidade de cardiologistas para atendimento dos portadores de HAS de Muito Alto Risco Portadores de HAS de Muito Alto Risco: 2.876 2.876*4 consultas ano cardiologia = 11.504 consultas por ano * 20 minutos 230.080 minutos de cardiologia/60= 3.835h de cardiologia por ano/8h trabalho dia 480 dias de trabalho por ano/12= 40 dias por mês/4= 10 dias por semana = 2 cardiologistas com carga horária de 8h/dia. A remuneração do profissional do Centro Integrado é global. O MACC abole o pagamento de profissionais por produtividade. Prevê a remuneração por carga horária trabalhada. No horário dedicado as atividades do Centro Integrado o profissional deve estar disponível para as atividades de atendimento aos usuários, educativas com profissionais da APS e acompanhamento do módulo prática de capacitação em serviço, reuniões de equipe, discussões de casos clínicos, interconsulta com profissionais da APS, estudos de atualizações especificas e elaboração de protocolos e treinamentos.
  • 29.
  • 30. A grande questão O que é preciso para implantar o MACC?  Quebra de paradigma  Sair da zona de conforto
  • 31. Fundação de Saúde FDJMMG Santo Antônio do Monte - MG (37) 3281-2347 E-mail: coordenacaocvvh@fundacaojmmg.com.br