SlideShare uma empresa Scribd logo
Risco
Cardiovascular
Escore de Framingham
Mais importante do que diagnosticar no
indivíduo uma patologia isoladamente, seja
diabetes, hipertensão ou presença de
dislipidemia, é avaliá-lo em termos de seu
risco cardiovascular.
RISCO CARDIOVASCULAR/
ESCORE DE FRAMINGHAM
CASO SÉRGIO
Alguns fatores de Risco Cardiovascular
HipertensãoObesidade Diabetes Mellitus
Sedentarismo Tabagismo Estresse
CASO SÉRGIO
Todos os usuários devem ser classificados não apenas de
acordo com os graus de hipertensão, mas também em termos
de risco cardiovascular global, resultante da coexistência de
diferentes fatores de risco, de lesões de órgãos e de outras
doença.
As decisões sobre a estratégia do tratamento dependem, em
grande parte, do grau de risco inicial. O risco cardiovascular
global pode ser avaliado por meio de vários métodos, e é
definido como a probabilidade de um indivíduo ter um
evento (por exemplo, angina, infarto do miocárdio, AVC ou
morte) durante um período de tempo, por exemplo, 10 anos.
O INSTRUMENTO MAIS UTILIZADO É O
ESCORE DE FRAMINGHAM
CASO SÉRGIO
A possibilidade de se estimar o risco absoluto em dez anos
permite ações preventivas, principalmente dirigir a estratégia
populacional e a busca de alto risco.
O Framinghanm Heart Study foi o pioneiro entre as grandes
coortes começando em 1948 e ainda encontra-se em atividade.
Atualmente são seguidos os filhos dos participantes originais de
Framingham.
O estudo está na terceira geração de pesquisadores. Apesar de
antigo, os dados de Framingham continuam trazendo novas
informações como os escores para os vários tipos de doença
vascular muito utilizados em epidemiologia e na prática clínica.
ESCORE DE FRAMINGHAM
APRENDA AGORA COMO UTILIZÁ-LO !
CASO SÉRGIO
Entre os fatores de risco, existem aqueles
considerados como alto risco cardiovascular, risco
intermediário ou baixo risco:
FONTE : Brasil. Ministério da Saúde, Caderno de Atenção Básica nº 29, 2010.c
CASO SÉRGIO
Na prática, para se determinar o risco cardiovascular (RCV), deve-se primeiro
classificar o paciente segundo seus fatores de risco, podendo fazer parte de
um dos três grupos abaixo:
1. Se o paciente apresenta apenas um fator de risco baixo/intermediário, não
há necessidade de calcular o RCV, pois ele é considerado como baixo risco
CV e terá menos que 10% de chance de morrer por acidente vascular cerebral
(AVC) ou infarto agudo do miocárdio (IAM) nos próximos 10 anos.
2. Se apresentar ao menos um fator de risco alto CV, não há necessidade de
calcular o RCV, pois esse paciente é considerado como alto risco CV e terá
mais ou igual a 20% de chance de morrer por acidente vascular cerebral
(AVC) ou Infarto agudo do miocárdio (IAM) nos próximos 10 anos.
3. Se apresentar mais do que um fator de risco baixo/intermediário, há
necessidade de calcular o RCV, pois esse paciente pode mudar para baixo,
para alto ou permanecer como risco intermediário.
Segue abaixo o quadro de como calcular a classificação do risco
cardiovascular daqueles que fazem parte do grupo três.
CASO SÉRGIO
Calcule o número de
pontos de cada fator de
risco e, com a soma,
encontre o escore total de
risco.
CASO SÉRGIO
FONTE : Brasil. Ministério da Saúde, Caderno de Atenção Básica nº 29, 2010.
Classificação de risco CV
(estudo de Framingham)
GRAU DE RISCO
CARDIOVASCULAR
RISCO EM 10 ANOS
Baixo < 10%
Intermediário 10-20%
Alto > 20%
CASO SÉRGIO
Após estimar o risco cardiovascular
do paciente como baixo,
intermediário ou alto risco
devem-se definir as metas em
relação a níveis pressórico, perfil
lipídico, entre outros, a serem
alcançadas para a redução do risco
de mortalidade e morbidade do
paciente.
VEJA A TABELA A SEGUIR:
CASO SÉRGIO
RISCO CV ALTO INTERMEDIÁRIO BAIXO LIMITE
PA < 135/85 <140/80 < 140/80
LDL < 100 < 130 < 160 < 190
CT/HDL* < 4 < 5 < 6 < 7
METAS A SEREM ALCANÇADAS
Abaixo está apresentado um quadro com as principais
metas. Deve-se identificar no quadro a coluna de metas do
paciente. Sempre o limite para iniciar uma intervenção é a
próxima coluna da direita.
FONTE : Brasil. Ministério da Saúde, Caderno de Atenção Básica nº 29, 2010.
CASO SÉRGIO
Formas de cálculo
- Usar tabelas prontas que vão pontuar cada um dos
fatores de risco
- Atualmente estão disponíveis programas especiais
/calculadoras online que são destinadas a este fim:
onde se inserem dados como nível de pressão arterial-
idade – colesterol e frações etc.. e o programa calcula o
score. Você pode baixar o software em seu computador,
tablet ou smartfone.
A partir deste instrumento, os indivíduos são classificados em risco de
desenvolver um evento cardiovascular maior (ECV), definido por infarto
do miocárdio ou morte por causa cardiovascular.
CASO SÉRGIO
VAMOS AGORA APLICAR O QUE
VOCÊ APRENDEU ?
CASO SÉRGIO
CALCULE O RISCO CARDIOVASCULAR DE
SEU SERGIO!
1. RELEMBRE A TABELA DE FATORES PARA CLASSIFICAÇÃO INICAL
CASO SÉRGIO
1. Sexo Masculino
2. Obesidade
3. Sedentarismo
4. Histórico Familiar
2. VOLTE AO CASO PERCEBA QUE DENTRE OS FATORES
LINKADOS PELA TABELA SEU SERGIO APRESENTA 4
FATORES DE BAIXO/ RISCO INTERMEDIÁRIO:
QUAIS SERIAM ?
CASO SÉRGIO
SEU SÉRGIO =
+ de 1 fator de risco baixo/intermediário
CALCULAR
ESCORE DE FRAMINGHAM
CASO SÉRGIO
IDADE (35 Anos) = 0
HDL ( 49 mg/dl) = 0
LDL = (163 mg/dl) = 1
(NÃO TEM NO CASO / FAÇA O CALCULO ! )
PRESSÃO ARTERIAL (140 x 95 mmHg ) = 2
DIABETES (não) = 0
TABAGISMO (não) = 0
3 = 6% (Baixo Risco)
CASO SÉRGIO
Perceba que este escore representa uma ferramenta
acessível e eficaz para identificação de vários fatores de
risco que se interagem e potenciam-se.
O risco cardiovascular é obtido através da interação de
todos os fatores de risco de um individuo, e tem por
objetivo identificar quem deve ser aconselhado e quem
deve receber tratamento para prevenção a doença.
Na Estratégia de Saúde da Família (ESF) a articulação de
ações de prevenção e tratamento da doença juntamente
com ações de promoção da saúde é o principal meio para
realização da prevenção primária.
CASO SÉRGIO
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da
pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica . Brasília:
Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 37).
Disponível em:
http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.
pdf
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Rastreamento. [Internet].Brasília: Ministério da Saúde; 2010.
(Cadernos de Atenção Primária, n. 29). Disponível em:
http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad29.
pdf
• VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de
Cardiologia, v. 95, p. I–III, 2010. Disponível em:
http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_as
sociados.pdf
CASO SÉRGIO
Sergio_Framingham

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
Nome Sobrenome
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
bruninhogaldino
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
Centro Universitário Ages
 
Pse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na EscolaPse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na Escola
Ana Luzia
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Cíntia Costa
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Professor Robson
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
Cíntia Costa
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
Leonardo Savassi
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 

Mais procurados (20)

Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Pse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na EscolaPse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na Escola
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 

Destaque

Joana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenariaJoana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenaria
comunidadedepraticas
 
Joana_Abordagem_nutricional_HAS
Joana_Abordagem_nutricional_HASJoana_Abordagem_nutricional_HAS
Joana_Abordagem_nutricional_HAS
comunidadedepraticas
 
Joana_Entrevista_motivacional
Joana_Entrevista_motivacionalJoana_Entrevista_motivacional
Joana_Entrevista_motivacional
comunidadedepraticas
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
comunidadedepraticas
 
Sergio_Adesao_tratamento
Sergio_Adesao_tratamentoSergio_Adesao_tratamento
Sergio_Adesao_tratamento
comunidadedepraticas
 
Sergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_redeSergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_rede
comunidadedepraticas
 
Fator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicasFator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicas
sedis-suporte
 
Joana_Prescrição_AF_hipertensos
Joana_Prescrição_AF_hipertensosJoana_Prescrição_AF_hipertensos
Joana_Prescrição_AF_hipertensos
comunidadedepraticas
 
Sergio_HAS_diagnostico
Sergio_HAS_diagnosticoSergio_HAS_diagnostico
Sergio_HAS_diagnostico
comunidadedepraticas
 
Sergio_HAS_tratamento_medicamentoso
Sergio_HAS_tratamento_medicamentosoSergio_HAS_tratamento_medicamentoso
Sergio_HAS_tratamento_medicamentoso
comunidadedepraticas
 
Joana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismoJoana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismo
comunidadedepraticas
 
Joana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoaJoana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoa
comunidadedepraticas
 
Samuel_Saude_bucal_DM
Samuel_Saude_bucal_DMSamuel_Saude_bucal_DM
Samuel_Saude_bucal_DM
comunidadedepraticas
 
Jose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricialJose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricial
comunidadedepraticas
 
Joana_Grupos_terapeuticos
Joana_Grupos_terapeuticosJoana_Grupos_terapeuticos
Joana_Grupos_terapeuticos
comunidadedepraticas
 
Joana_Tabagismo
Joana_TabagismoJoana_Tabagismo
Joana_Tabagismo
comunidadedepraticas
 
Samuel_Complicações_agudas
Samuel_Complicações_agudasSamuel_Complicações_agudas
Samuel_Complicações_agudas
comunidadedepraticas
 
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idosoJose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
comunidadedepraticas
 
Samuel_Tratamento_farmacologico_DM
Samuel_Tratamento_farmacologico_DMSamuel_Tratamento_farmacologico_DM
Samuel_Tratamento_farmacologico_DM
comunidadedepraticas
 
Jose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_AconselhamentoJose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_Aconselhamento
comunidadedepraticas
 

Destaque (20)

Joana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenariaJoana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenaria
 
Joana_Abordagem_nutricional_HAS
Joana_Abordagem_nutricional_HASJoana_Abordagem_nutricional_HAS
Joana_Abordagem_nutricional_HAS
 
Joana_Entrevista_motivacional
Joana_Entrevista_motivacionalJoana_Entrevista_motivacional
Joana_Entrevista_motivacional
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
 
Sergio_Adesao_tratamento
Sergio_Adesao_tratamentoSergio_Adesao_tratamento
Sergio_Adesao_tratamento
 
Sergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_redeSergio_Componentes_rede
Sergio_Componentes_rede
 
Fator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicasFator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicas
 
Joana_Prescrição_AF_hipertensos
Joana_Prescrição_AF_hipertensosJoana_Prescrição_AF_hipertensos
Joana_Prescrição_AF_hipertensos
 
Sergio_HAS_diagnostico
Sergio_HAS_diagnosticoSergio_HAS_diagnostico
Sergio_HAS_diagnostico
 
Sergio_HAS_tratamento_medicamentoso
Sergio_HAS_tratamento_medicamentosoSergio_HAS_tratamento_medicamentoso
Sergio_HAS_tratamento_medicamentoso
 
Joana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismoJoana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismo
 
Joana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoaJoana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoa
 
Samuel_Saude_bucal_DM
Samuel_Saude_bucal_DMSamuel_Saude_bucal_DM
Samuel_Saude_bucal_DM
 
Jose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricialJose_Clemente_Apoio_matricial
Jose_Clemente_Apoio_matricial
 
Joana_Grupos_terapeuticos
Joana_Grupos_terapeuticosJoana_Grupos_terapeuticos
Joana_Grupos_terapeuticos
 
Joana_Tabagismo
Joana_TabagismoJoana_Tabagismo
Joana_Tabagismo
 
Samuel_Complicações_agudas
Samuel_Complicações_agudasSamuel_Complicações_agudas
Samuel_Complicações_agudas
 
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idosoJose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
 
Samuel_Tratamento_farmacologico_DM
Samuel_Tratamento_farmacologico_DMSamuel_Tratamento_farmacologico_DM
Samuel_Tratamento_farmacologico_DM
 
Jose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_AconselhamentoJose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_Aconselhamento
 

Semelhante a Sergio_Framingham

Estratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascularEstratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascular
Tereza Paula
 
Risco cv
Risco cvRisco cv
Risco cv
jose paula
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
giseliarez
 
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
coordraspi
 
Hipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completoHipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completo
Tookmed
 
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor RobsonPressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Professor Robson
 
Controle intensivo da pressão arterial
Controle intensivo da pressão arterialControle intensivo da pressão arterial
Controle intensivo da pressão arterial
Van Der Häägen Brazil
 
Alterações Cardíacas .pdf
Alterações Cardíacas .pdfAlterações Cardíacas .pdf
Alterações Cardíacas .pdf
MonicaAndrade81
 
Doenças Cardiovasculares
 Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
EvenilsonSolza
 
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Marcelo Costa
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
Professor Robson
 
Slides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciais
Slides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciaisSlides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciais
Slides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciais
ivomaxgata
 
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãOFatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
liaalima
 
Texto 11 anti-hipertensivos
Texto 11 anti-hipertensivosTexto 11 anti-hipertensivos
Texto 11 anti-hipertensivos
comunidadedepraticas
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
Arquivo-FClinico
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
Lord Phoenix
 
Dislipidemia - MS
Dislipidemia - MSDislipidemia - MS
Dislipidemia - MS
Arquivo-FClinico
 
E-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças CardiovascularesE-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
EuSaúde
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
Professor Robson
 
Doenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor RobsonDoenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor Robson
Professor Robson
 

Semelhante a Sergio_Framingham (20)

Estratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascularEstratificação de risco cardiovascular
Estratificação de risco cardiovascular
 
Risco cv
Risco cvRisco cv
Risco cv
 
Hipertensão arterial
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Hipertensão arterial
 
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
Estratificação de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial: Seminário Col...
 
Hipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completoHipertensão Arterial manual completo
Hipertensão Arterial manual completo
 
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor RobsonPressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
 
Controle intensivo da pressão arterial
Controle intensivo da pressão arterialControle intensivo da pressão arterial
Controle intensivo da pressão arterial
 
Alterações Cardíacas .pdf
Alterações Cardíacas .pdfAlterações Cardíacas .pdf
Alterações Cardíacas .pdf
 
Doenças Cardiovasculares
 Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
 
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
Cuidado com a pressão sanguínea precisa começar cedo para proteger o coração ...
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
 
Slides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciais
Slides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciaisSlides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciais
Slides_de_apoio_Unidade_3.pptx aulas presenciais
 
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãOFatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
 
Texto 11 anti-hipertensivos
Texto 11 anti-hipertensivosTexto 11 anti-hipertensivos
Texto 11 anti-hipertensivos
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
 
Colesterol
ColesterolColesterol
Colesterol
 
Dislipidemia - MS
Dislipidemia - MSDislipidemia - MS
Dislipidemia - MS
 
E-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças CardiovascularesE-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Doenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor RobsonDoenças da Modernidade Professor Robson
Doenças da Modernidade Professor Robson
 

Mais de comunidadedepraticas

Tutorial InovaSUS
Tutorial  InovaSUSTutorial  InovaSUS
Tutorial InovaSUS
comunidadedepraticas
 
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
comunidadedepraticas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
comunidadedepraticas
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
comunidadedepraticas
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
comunidadedepraticas
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
comunidadedepraticas
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
comunidadedepraticas
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
comunidadedepraticas
 
Cadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUSCadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUS
comunidadedepraticas
 
Plantas tóxicas
Plantas tóxicasPlantas tóxicas
Plantas tóxicas
comunidadedepraticas
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
comunidadedepraticas
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicas
comunidadedepraticas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
comunidadedepraticas
 
Passos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICsPassos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICs
comunidadedepraticas
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
comunidadedepraticas
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
comunidadedepraticas
 

Mais de comunidadedepraticas (20)

Tutorial InovaSUS
Tutorial  InovaSUSTutorial  InovaSUS
Tutorial InovaSUS
 
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
 
Cadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUSCadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUS
 
Plantas tóxicas
Plantas tóxicasPlantas tóxicas
Plantas tóxicas
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
 
Passos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICsPassos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICs
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
 

Sergio_Framingham

  • 2. Mais importante do que diagnosticar no indivíduo uma patologia isoladamente, seja diabetes, hipertensão ou presença de dislipidemia, é avaliá-lo em termos de seu risco cardiovascular. RISCO CARDIOVASCULAR/ ESCORE DE FRAMINGHAM CASO SÉRGIO
  • 3. Alguns fatores de Risco Cardiovascular HipertensãoObesidade Diabetes Mellitus Sedentarismo Tabagismo Estresse CASO SÉRGIO
  • 4. Todos os usuários devem ser classificados não apenas de acordo com os graus de hipertensão, mas também em termos de risco cardiovascular global, resultante da coexistência de diferentes fatores de risco, de lesões de órgãos e de outras doença. As decisões sobre a estratégia do tratamento dependem, em grande parte, do grau de risco inicial. O risco cardiovascular global pode ser avaliado por meio de vários métodos, e é definido como a probabilidade de um indivíduo ter um evento (por exemplo, angina, infarto do miocárdio, AVC ou morte) durante um período de tempo, por exemplo, 10 anos. O INSTRUMENTO MAIS UTILIZADO É O ESCORE DE FRAMINGHAM CASO SÉRGIO
  • 5. A possibilidade de se estimar o risco absoluto em dez anos permite ações preventivas, principalmente dirigir a estratégia populacional e a busca de alto risco. O Framinghanm Heart Study foi o pioneiro entre as grandes coortes começando em 1948 e ainda encontra-se em atividade. Atualmente são seguidos os filhos dos participantes originais de Framingham. O estudo está na terceira geração de pesquisadores. Apesar de antigo, os dados de Framingham continuam trazendo novas informações como os escores para os vários tipos de doença vascular muito utilizados em epidemiologia e na prática clínica. ESCORE DE FRAMINGHAM APRENDA AGORA COMO UTILIZÁ-LO ! CASO SÉRGIO
  • 6. Entre os fatores de risco, existem aqueles considerados como alto risco cardiovascular, risco intermediário ou baixo risco: FONTE : Brasil. Ministério da Saúde, Caderno de Atenção Básica nº 29, 2010.c CASO SÉRGIO
  • 7. Na prática, para se determinar o risco cardiovascular (RCV), deve-se primeiro classificar o paciente segundo seus fatores de risco, podendo fazer parte de um dos três grupos abaixo: 1. Se o paciente apresenta apenas um fator de risco baixo/intermediário, não há necessidade de calcular o RCV, pois ele é considerado como baixo risco CV e terá menos que 10% de chance de morrer por acidente vascular cerebral (AVC) ou infarto agudo do miocárdio (IAM) nos próximos 10 anos. 2. Se apresentar ao menos um fator de risco alto CV, não há necessidade de calcular o RCV, pois esse paciente é considerado como alto risco CV e terá mais ou igual a 20% de chance de morrer por acidente vascular cerebral (AVC) ou Infarto agudo do miocárdio (IAM) nos próximos 10 anos. 3. Se apresentar mais do que um fator de risco baixo/intermediário, há necessidade de calcular o RCV, pois esse paciente pode mudar para baixo, para alto ou permanecer como risco intermediário. Segue abaixo o quadro de como calcular a classificação do risco cardiovascular daqueles que fazem parte do grupo três. CASO SÉRGIO
  • 8. Calcule o número de pontos de cada fator de risco e, com a soma, encontre o escore total de risco. CASO SÉRGIO
  • 9. FONTE : Brasil. Ministério da Saúde, Caderno de Atenção Básica nº 29, 2010.
  • 10. Classificação de risco CV (estudo de Framingham) GRAU DE RISCO CARDIOVASCULAR RISCO EM 10 ANOS Baixo < 10% Intermediário 10-20% Alto > 20% CASO SÉRGIO
  • 11. Após estimar o risco cardiovascular do paciente como baixo, intermediário ou alto risco devem-se definir as metas em relação a níveis pressórico, perfil lipídico, entre outros, a serem alcançadas para a redução do risco de mortalidade e morbidade do paciente. VEJA A TABELA A SEGUIR: CASO SÉRGIO
  • 12. RISCO CV ALTO INTERMEDIÁRIO BAIXO LIMITE PA < 135/85 <140/80 < 140/80 LDL < 100 < 130 < 160 < 190 CT/HDL* < 4 < 5 < 6 < 7 METAS A SEREM ALCANÇADAS Abaixo está apresentado um quadro com as principais metas. Deve-se identificar no quadro a coluna de metas do paciente. Sempre o limite para iniciar uma intervenção é a próxima coluna da direita. FONTE : Brasil. Ministério da Saúde, Caderno de Atenção Básica nº 29, 2010. CASO SÉRGIO
  • 13. Formas de cálculo - Usar tabelas prontas que vão pontuar cada um dos fatores de risco - Atualmente estão disponíveis programas especiais /calculadoras online que são destinadas a este fim: onde se inserem dados como nível de pressão arterial- idade – colesterol e frações etc.. e o programa calcula o score. Você pode baixar o software em seu computador, tablet ou smartfone. A partir deste instrumento, os indivíduos são classificados em risco de desenvolver um evento cardiovascular maior (ECV), definido por infarto do miocárdio ou morte por causa cardiovascular. CASO SÉRGIO
  • 14. VAMOS AGORA APLICAR O QUE VOCÊ APRENDEU ? CASO SÉRGIO
  • 15. CALCULE O RISCO CARDIOVASCULAR DE SEU SERGIO! 1. RELEMBRE A TABELA DE FATORES PARA CLASSIFICAÇÃO INICAL CASO SÉRGIO
  • 16. 1. Sexo Masculino 2. Obesidade 3. Sedentarismo 4. Histórico Familiar 2. VOLTE AO CASO PERCEBA QUE DENTRE OS FATORES LINKADOS PELA TABELA SEU SERGIO APRESENTA 4 FATORES DE BAIXO/ RISCO INTERMEDIÁRIO: QUAIS SERIAM ? CASO SÉRGIO
  • 17. SEU SÉRGIO = + de 1 fator de risco baixo/intermediário CALCULAR ESCORE DE FRAMINGHAM CASO SÉRGIO
  • 18. IDADE (35 Anos) = 0 HDL ( 49 mg/dl) = 0 LDL = (163 mg/dl) = 1 (NÃO TEM NO CASO / FAÇA O CALCULO ! ) PRESSÃO ARTERIAL (140 x 95 mmHg ) = 2 DIABETES (não) = 0 TABAGISMO (não) = 0 3 = 6% (Baixo Risco) CASO SÉRGIO
  • 19. Perceba que este escore representa uma ferramenta acessível e eficaz para identificação de vários fatores de risco que se interagem e potenciam-se. O risco cardiovascular é obtido através da interação de todos os fatores de risco de um individuo, e tem por objetivo identificar quem deve ser aconselhado e quem deve receber tratamento para prevenção a doença. Na Estratégia de Saúde da Família (ESF) a articulação de ações de prevenção e tratamento da doença juntamente com ações de promoção da saúde é o principal meio para realização da prevenção primária. CASO SÉRGIO
  • 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica . Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 37). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37. pdf • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Rastreamento. [Internet].Brasília: Ministério da Saúde; 2010. (Cadernos de Atenção Primária, n. 29). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad29. pdf • VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 95, p. I–III, 2010. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_as sociados.pdf CASO SÉRGIO