SlideShare uma empresa Scribd logo
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
AULA 10: GERENCIAMENTO DA QUALIDADE EM SAÚDE
Profa
. Andréia Neves
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
• Conhecer os conceitos de qualidade em serviços
• Conhecer o conceito de auditoria administrativa e sua
aplicação na assistência de enfermagem
• Conhecer o conceito de acreditação hospitalar e sua
evolução histórica
 
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
HISTÓRIA DO CONCEITO DE QUALIDADE EM
SERVIÇOS
• Podemos dizer que a história da qualidade começou com
a Revolução Industrial e a disseminação da produção em série,
• a qualidade como conhecemos hoje surgiu devido
a segunda guerra mundial,
• Nessa época já existia preocupação com a qualidade dos
produtos,
• Para isso, foram criados os inspetores de qualidade,
responsáveis por inspecionar produto por produto.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• Com uma dívida para pagar devido à derrota, os
japoneses começam a investir em suas industrias.
• O que fez com que os japoneses logo se sobressaíssem
foi o fato de que a maioria de sua população tinha
instrução, possuía pelo menos o nível médio, ao contrário
dos americanos, e eram disciplinados, o que facilitou, e
muito, o desenvolvimento de suas indústrias.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• os japoneses desenvolveram um método de controle de
qualidade que ao invés de encontrar e eliminar as peças
defeituosas buscava evitar que os defeitos ocorressem
• O próximo grande passo da história da qualidade pode
ser chamado de “normalização”.
•A partir de 1987, com a criação da ISO9000, o que houve
foi mas uma popularização impressionante em meio às
indústrias das certificações dos “sistemas de garantia da
qualidade” segundo padrões adotados internacionalmente.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• Quando se fala em qualidade em saúde, não se pode deixa
de falar de Florence Nightingale (1820-1910) que implantou o
primeiro modelo de melhoria continua da qualidade em
saúde, em 1854 durante a Guerra da Crimeia, baseando-se
também em dados estatísticos.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
A qualidade na saúde é composta por três domínios:
• a função biológica (que é medida por uma série de exames),
• o domínio físico (que observa a parte funcional) e,
• o bem-estar (que analisa a parte mental).
• Na área de saúde, a repetição da técnica não garante o
resultado.
• A opção pelo uso da técnica está respaldada por critérios
de probabilidade.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Qualidade da assistência à saúde deve maximizar medidas
abrangentes para o bem-estar do cliente, em todas as suas
partes, levando em consideração o equilíbrio entre ganhos e
perdas, inerentes ao processo de atenção médico hospitalar.
Conceito
Refere-se às atividades que avaliam, monitoram ou
regulamentam os serviços prestados aos consumidores. Na
enfermagem, o objetivo do cuidado com qualidade é
assegurar qualidade e, o mesmo tempo, atender as metas
planejadas.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
METODOLOGIA DOS 5 S
 A prática do 5S representa hoje uma ferramenta de sucesso
para a melhoria do padrão de qualidade dentro das
organizações. Bem planejado e implementado, traz
excelentes resultados, mas não substitui um programa de
Qualidade Total.
 O 5S possibilita o estabelecimento de ambiente favorável à
instalação da Qualidade Total.
 O 5S foi desenvolvido no Japão, e a prática, junto com o
conceito de Qualidade Total, tornou-se uma eficiente
ferramenta para a melhoria contínua da qualidade e
produtividade
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
O processo do 5S , isto é, a prática de “bons hábitos”,
parte do princípio de que as pessoas mudam o
comportamento influenciadas por projetos bem-sucedidos de
comportamento grupal e pelas condições ambientais que o
cercam .
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Elementos dos 5S :
SEIRI: Seleção, utilização, descarte.
Tem como objetivo eliminar o que não tem utilidade.
Liberar espaço para realizar a arrumação e a organização.
 
SEITON : Arrumação, organização .
Depois de jogar fora o que não serve pra nada, é hora de
jogar coisas importantes no lugar apropriado. Uma boa
arrumação permite diminuir o desperdício de tempo e
materiais, além de reduzir custos desnecessários (com
manutenção, espaço, limpeza, etc.). Lembre-se do princípio
da ordem da teoria clássica da administração: “Um lugar pra
cada coisa, cada coisa em seu lugar”.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
SEISO : limpeza .
É mais fácil manter a limpeza daquilo que está organizado e
tem utilidade certa.
 
SEIKETSU : padronização .
Utilizando muitas vezes a descrição de processos que
objetivam padronizar a organização, arrumação e rotina de
limpeza, o verdadeiro foco é a transformação cultural das
pessoas.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
SHITSUKE : autodisciplina, ordem mantida.
Significa atitude positiva, colaboração, responsabilidade e
respeito ao próximo. As pessoas adquirem a compreensão dos
valores necessários para a convivência com o grupo de
trabalho e com o público em geral.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
METODOLOGIA DOS 5 S
É uma metodologia que permite constante evolução.
Benefícios conquistados com a implementação do 5S:
eliminação de desperdícios, otimização de tempo,
redução de riscos no trabalho, administração
participativa, espírito de equipe, enriquecimento de
conhecimentos, comportamentos e hábitos positivos,
padronização de processos, incremento de eficiência,
melhoria da Qualidade.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
O BENCHMARKING
• O Benchmarking é um método que tem como objetivo a
comparação entre referências (benchmarks) de processos,
práticas ou medidas de desempenho
• Baseia-se no enfoque de que a maneira eficaz para
promover uma mudança é aprendendo com a experiência
dos outros.
•O benchmarking deve estar focalizado naqueles poucos
processos vitais que exercerão maior influência na obtenção
dos objetivos da empresa.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
São 4 os tipos de benchmarking:
1.Interno: é a comparação entre operações semelhantes
dentro da própria organização.
2. Competitivo: é a comparação com o melhor dos
concorrentes diretos e leva a resultados mais óbvios.
3. Funcional: é a comparação das mesmas funções em
setores distintos entre empresas com processos
semelhantes.
4. Genérico: é a comparação de processos de trabalho com
outros que tenha processos exemplares de trabalhos
inovadores.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
INDICADORES DE SAÚDE
A construção de um indicador é um processo cuja
complexidade pode variar desde a simples contagem
direta de casos de um determinado problema, até o
cálculo de proporções, razões, taxas ou índices mais
sofisticados.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
O grau de excelência de um indicador deve ser definido
por:
Sua validade (capacidade de medir o que se pretende)
 
Sua confiabilidade (reproduzir os mesmos resultados quando
aplicado em condições similares).
Outros atributos de um indicador são:
oMensurabilidade (basear-se em dados disponíveis ou fáceis
de conseguir),
oRelevância (responder a prioridades de saúde)
oCusto-efetividade (os resultados justificam o investimento
de tempo e recursos).
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Tipos de indicadores:
-Indicadores de processo
informam se aquilo que foi planejado está acontecendo, ou
seja, verifica o andamento dos meios.
Ex: O índice de evoluções realizadas pelos enfermeiros.
 
-Indicadores de resultados
informam se as metas e objetivos planejados foram
alcançados, ou seja, verifica os fins.
Ex: O índice de infecções hospitalares
 
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Auditoria
 
É a avaliação sistemática e formal de uma atividade, por
alguém não envolvido diretamente na sua execução, para
determinar se essa atividade está sendo levada a efeito de
acordo com seus objetivos
Auditoria em enfermagem:
é a avaliação sistemática da qualidade da assistência de
enfermagem, verificada através das anotações de
enfermagem no prontuário do paciente e/ou das próprias
condições deste.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
BREVE HISTÓRICO DA AUDITORIA EM
ENFERMAGEM NO BRASIL
 
1950 - Primeiros trabalhos de auditoria em enfermagem;
1970 - os trabalhos sobre o assunto abordavam a definição e
classificação de auditoria em saúde com similaridade a área
contábil, mas o enfoque primordial era na assistência
prestada ao paciente;
1983 - no Hospital Universitário - USP foi implantada a
auditoria de processo, constituindo-se numa atividade
pioneira em hospital público;
Atualidade, na área pública predomina-se auditoria de
cuidados e nas instituições privadas auditoria de contas.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
FINALIDADES:
 
 Identificar áreas (unidades) deficientes no serviço de
enfermagem (dimensionamento do pessoal, procedimentos,
registros, relacionamento, etc...);
 Fornecer dados para melhoria dos programas de
enfermagem;
 Obter dados para programação da educação continuada.
“A análise constitui a essência da ação auditorial.
Verificar sem interpretar, criticar e orientar é tarefa
ineficaz e não interessa aos métodos científicos”.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
TIPOS DE AUDITORIA
 
 Retrospectiva: após a alta do paciente .
É utilizado o prontuário do paciente.
(até 50 altas/mês(100%), mais de 50 altas/mês (10%)
+ 100% dos óbitos em qualquer situação).
 Operacional ou concorrente: Durante a internação.
Utiliza-se: exame do paciente, entrevista com paciente,
equipe e acompanhantes, pesquisa junto à equipe
médica.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DA AUDITORIA
• Quanto à forma de intervenção: interna ou externa.
• Quanto ao tempo: contínua ou periódica.
• Quanto à natureza: Normal ou específica.
• Quanto ao limite: Total ou parcial
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
MODALIDADES DE AUDITORIA:
 
 Auditoria de cuidados: Sistematização da Assistência de
Enfermagem (Resolução nº 272/2002), etapas – entrevista,
histórico, exame físico, diagnóstico, prescrição e evolução; e
Controle da qualidade.
 Auditoria de contas : Elaboração, definição e apresentação
de contas; Processo de avaliação dos enfermeiros auditores
do hospital e operadora/seguradora; Ferramentas para
avaliação das contas; e Negociação dos profissionais que
atuam na área.
 Auditoria de gestão - Trabalha-se com avaliação;
supervisão, planejamento, execução, controle e gestão; e
Contribuição com a administração da instituição de atuação.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO AUDITOR:
 
• Direito de acessar, in loco toda a documentação necessária,
sendo-lhe vedada a retirada dos prontuários ou cópias da
instituição, podendo, se necessário, examinar o paciente,
desde que devidamente autorizado pelo mesmo, quando
possível, ou por seu representante legal;
• Havendo identificação de indícios de irregularidades no
atendimento do cliente, cuja comprovação necessite de
análise do prontuário do paciente, é permitida a retirada de
cópias exclusivamente para fins de instrução de auditoria;
 
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
ACREDITAÇÃO HOPITALAR
 
Caracteriza-se por ser um sistema de avaliação externa, de
caráter voluntário, periódico e reservado. Envolve aspectos
relacionados ao desenvolvimento da qualidade tais como, o
acesso e a garantia da continuidade do atendimento;
os processos diagnósticos, terapêuticos e de
reabilitação/recuperação; a segurança dos procedimentos e
atos médicos; o desempenho dos recursos humanos e, ainda,
as adequadas condições das instalações e equipamentos.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
ACREDITAÇÃO HOPITALAR
É uma das estratégias mais importantes no campo da
garantia da qualidade, permitindo uma abordagem
inovadora e integradora para tratar a questão da saúde a
partir de sua lógica e especificidade, e que vem sendo
utilizada em vários países.
 
O sistema de acreditação foi utilizado originalmente para
proteção da profissão médica e dos pacientes contra os
efeitos nocivos de ambientes e organizações inadequadas à
prática.
A história da acreditação aponta um deslocamento da
ênfase sobre o ambiente para a ênfase da prática clínica.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE ACREDITAÇÃO
 
A acreditação visa, a melhoria da qualidade do atendimento
prestado.
Em nosso país esta é uma demanda crescente da rede de
hospitais públicos e privados.
A gestão dos serviços de saúde, o aumento crescente dos
custos dos cuidados médicos, a necessidade de atender aos
direitos do consumidor dos serviços de saúde, as
expectativas crescentes quanto às "boas práticas"
hospitalares e a ética profissional, a preocupação com a
garantia da segurança no atendimento e nos procedimentos
médico-hospitalares, são aspectos que exigem métodos
inovadores para seu adequado enfrentamento.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
A ACREDITAÇÃO POSSIBILITA:
• Ampliar a segurança dos usuários na escolha e utilização
dos serviços;
• Introduzir a qualidade como um processo permanente de
aprimoramento institucional; •Buscar maior eficiência e
efetividade do atendimento;
• Racionalizar a utilização de recursos humanos, financeiros
e tecnológicos;
•Desenvolver e aprimorar continuamente os recursos
humanos;
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
A ACREDITAÇÃO POSSIBILITA:
•Colocar a disposição de profissionais e hospitais, referenciais
de excelência dos cuidados prestados em torno dos quais
possam reorganizar suas práticas, diminuir riscos para os
pacientes e profissionais e melhorar o desempenho
institucional;
• Obter avaliação objetiva do desempenho da organização,
utilizando uma abordagem em que a avaliação está centrada
no processo do cuidado ao paciente;
• Demonstrar padrões de excelência para clientes e
financiadores ampliando o diferencial de qualidade em um
mercado cada vez mais competitivo.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
AULA 10: GERENCIAMENTO DA QUALIDADE EM SAÚDE
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Nesta Aula, você:
• Entendeu os conceitos de qualidade em serviços
• Conheceu o processo histórico do controle de qualidade
nas organizações
• Conheceu os conceitos de auditoria e acreditação
hospitalar.
Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
ESPERO POR VOCÊ !!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Gerenciamento
GerenciamentoGerenciamento
Gerenciamento07082001
 
Administração apliacada à enfermagem apostila
Administração apliacada à enfermagem   apostilaAdministração apliacada à enfermagem   apostila
Administração apliacada à enfermagem apostilaWilma Medeiros
 
Aula Ética Profissional Enfermagem
Aula Ética Profissional EnfermagemAula Ética Profissional Enfermagem
Aula Ética Profissional EnfermagemReginaldoDias31
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãosProqualis
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de EnfermagemAndréa Dantas
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarNEELLITON SANTOS
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteProqualis
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteAroldo Gavioli
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemresenfe2013
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagemuniversitária
 

Mais procurados (20)

Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Gerenciamento
GerenciamentoGerenciamento
Gerenciamento
 
Administração apliacada à enfermagem apostila
Administração apliacada à enfermagem   apostilaAdministração apliacada à enfermagem   apostila
Administração apliacada à enfermagem apostila
 
Aula Ética Profissional Enfermagem
Aula Ética Profissional EnfermagemAula Ética Profissional Enfermagem
Aula Ética Profissional Enfermagem
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Aula 01 O Hospital
Aula 01 O HospitalAula 01 O Hospital
Aula 01 O Hospital
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
 

Semelhante a Gerência em Enfermagem

Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeAlex Eduardo Ribeiro
 
1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...
1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...
1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...Helen Magalhães Messias
 
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013Fabiola Bento
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxGiseleSouza53260
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxFábio Nascimento
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxclaudio864549
 
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinicoGarantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinicoBnb Percussionista
 
Aula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdfAula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdfCarlaGeiza
 
Qualidade e Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e  Avaliação dos Serviços de SaúdeQualidade e  Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e Avaliação dos Serviços de SaúdeOsmarino Gomes Pereira
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoBiomedicina SP
 
Gestão em UAN hospitalar
Gestão em UAN hospitalarGestão em UAN hospitalar
Gestão em UAN hospitalarLaís Almeida
 
Controle daqualidadetotal parte1-v2
Controle daqualidadetotal parte1-v2Controle daqualidadetotal parte1-v2
Controle daqualidadetotal parte1-v2Letícia Marchizelli
 
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdfAula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdfNSPSoCamiloMacap
 

Semelhante a Gerência em Enfermagem (20)

Trabalho da marlene
Trabalho da marleneTrabalho da marlene
Trabalho da marlene
 
Qualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDeQualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDe
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 
1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...
1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...
1 a importância do processo administrativo para garantia da qualidade em unid...
 
Qsgc
QsgcQsgc
Qsgc
 
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
 
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptxINTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
INTRODUÇÃO SISTEMAS DA QUALIDADE.pptx
 
CME E CC.pdf
CME E CC.pdfCME E CC.pdf
CME E CC.pdf
 
AULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.pptAULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.ppt
 
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinicoGarantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
Garantia e controle_da_qualidade_no_laboratorio_clinico
 
Aula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdfAula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 1 - Qualidade e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde.pdf
 
Qualidade e Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e  Avaliação dos Serviços de SaúdeQualidade e  Avaliação dos Serviços de Saúde
Qualidade e Avaliação dos Serviços de Saúde
 
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio ClinicoGarantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
Garantia e Controle da Qualidade no Laboratorio Clinico
 
Gestão em UAN hospitalar
Gestão em UAN hospitalarGestão em UAN hospitalar
Gestão em UAN hospitalar
 
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
 
Controle daqualidadetotal parte1-v2
Controle daqualidadetotal parte1-v2Controle daqualidadetotal parte1-v2
Controle daqualidadetotal parte1-v2
 
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdfAula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
Aula-16-Qualidade-em-Saúde.pdf
 

Mais de Samira Rahaamid Paz

Mais de Samira Rahaamid Paz (7)

Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
 
Aula 08 (4)
Aula 08 (4)Aula 08 (4)
Aula 08 (4)
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
 
Climat+®rio trabalho yara
Climat+®rio   trabalho yaraClimat+®rio   trabalho yara
Climat+®rio trabalho yara
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Caso Clínico - alta complexidade
Caso Clínico - alta complexidadeCaso Clínico - alta complexidade
Caso Clínico - alta complexidade
 
DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Gerência em Enfermagem

  • 1. ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM AULA 10: GERENCIAMENTO DA QUALIDADE EM SAÚDE Profa . Andréia Neves
  • 2. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CONTEÚDO PROGRAMÁTICO • Conhecer os conceitos de qualidade em serviços • Conhecer o conceito de auditoria administrativa e sua aplicação na assistência de enfermagem • Conhecer o conceito de acreditação hospitalar e sua evolução histórica  
  • 3. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM HISTÓRIA DO CONCEITO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS • Podemos dizer que a história da qualidade começou com a Revolução Industrial e a disseminação da produção em série, • a qualidade como conhecemos hoje surgiu devido a segunda guerra mundial, • Nessa época já existia preocupação com a qualidade dos produtos, • Para isso, foram criados os inspetores de qualidade, responsáveis por inspecionar produto por produto.
  • 4. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • Com uma dívida para pagar devido à derrota, os japoneses começam a investir em suas industrias. • O que fez com que os japoneses logo se sobressaíssem foi o fato de que a maioria de sua população tinha instrução, possuía pelo menos o nível médio, ao contrário dos americanos, e eram disciplinados, o que facilitou, e muito, o desenvolvimento de suas indústrias.
  • 5. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • os japoneses desenvolveram um método de controle de qualidade que ao invés de encontrar e eliminar as peças defeituosas buscava evitar que os defeitos ocorressem • O próximo grande passo da história da qualidade pode ser chamado de “normalização”. •A partir de 1987, com a criação da ISO9000, o que houve foi mas uma popularização impressionante em meio às indústrias das certificações dos “sistemas de garantia da qualidade” segundo padrões adotados internacionalmente.
  • 6. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • Quando se fala em qualidade em saúde, não se pode deixa de falar de Florence Nightingale (1820-1910) que implantou o primeiro modelo de melhoria continua da qualidade em saúde, em 1854 durante a Guerra da Crimeia, baseando-se também em dados estatísticos.
  • 7. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM A qualidade na saúde é composta por três domínios: • a função biológica (que é medida por uma série de exames), • o domínio físico (que observa a parte funcional) e, • o bem-estar (que analisa a parte mental). • Na área de saúde, a repetição da técnica não garante o resultado. • A opção pelo uso da técnica está respaldada por critérios de probabilidade.
  • 8. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Qualidade da assistência à saúde deve maximizar medidas abrangentes para o bem-estar do cliente, em todas as suas partes, levando em consideração o equilíbrio entre ganhos e perdas, inerentes ao processo de atenção médico hospitalar. Conceito Refere-se às atividades que avaliam, monitoram ou regulamentam os serviços prestados aos consumidores. Na enfermagem, o objetivo do cuidado com qualidade é assegurar qualidade e, o mesmo tempo, atender as metas planejadas.
  • 9. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM METODOLOGIA DOS 5 S  A prática do 5S representa hoje uma ferramenta de sucesso para a melhoria do padrão de qualidade dentro das organizações. Bem planejado e implementado, traz excelentes resultados, mas não substitui um programa de Qualidade Total.  O 5S possibilita o estabelecimento de ambiente favorável à instalação da Qualidade Total.  O 5S foi desenvolvido no Japão, e a prática, junto com o conceito de Qualidade Total, tornou-se uma eficiente ferramenta para a melhoria contínua da qualidade e produtividade
  • 10. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O processo do 5S , isto é, a prática de “bons hábitos”, parte do princípio de que as pessoas mudam o comportamento influenciadas por projetos bem-sucedidos de comportamento grupal e pelas condições ambientais que o cercam .
  • 11. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Elementos dos 5S : SEIRI: Seleção, utilização, descarte. Tem como objetivo eliminar o que não tem utilidade. Liberar espaço para realizar a arrumação e a organização.   SEITON : Arrumação, organização . Depois de jogar fora o que não serve pra nada, é hora de jogar coisas importantes no lugar apropriado. Uma boa arrumação permite diminuir o desperdício de tempo e materiais, além de reduzir custos desnecessários (com manutenção, espaço, limpeza, etc.). Lembre-se do princípio da ordem da teoria clássica da administração: “Um lugar pra cada coisa, cada coisa em seu lugar”.
  • 12. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM SEISO : limpeza . É mais fácil manter a limpeza daquilo que está organizado e tem utilidade certa.   SEIKETSU : padronização . Utilizando muitas vezes a descrição de processos que objetivam padronizar a organização, arrumação e rotina de limpeza, o verdadeiro foco é a transformação cultural das pessoas.
  • 13. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM SHITSUKE : autodisciplina, ordem mantida. Significa atitude positiva, colaboração, responsabilidade e respeito ao próximo. As pessoas adquirem a compreensão dos valores necessários para a convivência com o grupo de trabalho e com o público em geral.
  • 14. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM METODOLOGIA DOS 5 S É uma metodologia que permite constante evolução. Benefícios conquistados com a implementação do 5S: eliminação de desperdícios, otimização de tempo, redução de riscos no trabalho, administração participativa, espírito de equipe, enriquecimento de conhecimentos, comportamentos e hábitos positivos, padronização de processos, incremento de eficiência, melhoria da Qualidade.
  • 15. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O BENCHMARKING • O Benchmarking é um método que tem como objetivo a comparação entre referências (benchmarks) de processos, práticas ou medidas de desempenho • Baseia-se no enfoque de que a maneira eficaz para promover uma mudança é aprendendo com a experiência dos outros. •O benchmarking deve estar focalizado naqueles poucos processos vitais que exercerão maior influência na obtenção dos objetivos da empresa.
  • 16. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM São 4 os tipos de benchmarking: 1.Interno: é a comparação entre operações semelhantes dentro da própria organização. 2. Competitivo: é a comparação com o melhor dos concorrentes diretos e leva a resultados mais óbvios. 3. Funcional: é a comparação das mesmas funções em setores distintos entre empresas com processos semelhantes. 4. Genérico: é a comparação de processos de trabalho com outros que tenha processos exemplares de trabalhos inovadores.
  • 17. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM INDICADORES DE SAÚDE A construção de um indicador é um processo cuja complexidade pode variar desde a simples contagem direta de casos de um determinado problema, até o cálculo de proporções, razões, taxas ou índices mais sofisticados.
  • 18. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O grau de excelência de um indicador deve ser definido por: Sua validade (capacidade de medir o que se pretende)   Sua confiabilidade (reproduzir os mesmos resultados quando aplicado em condições similares). Outros atributos de um indicador são: oMensurabilidade (basear-se em dados disponíveis ou fáceis de conseguir), oRelevância (responder a prioridades de saúde) oCusto-efetividade (os resultados justificam o investimento de tempo e recursos).
  • 19. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Tipos de indicadores: -Indicadores de processo informam se aquilo que foi planejado está acontecendo, ou seja, verifica o andamento dos meios. Ex: O índice de evoluções realizadas pelos enfermeiros.   -Indicadores de resultados informam se as metas e objetivos planejados foram alcançados, ou seja, verifica os fins. Ex: O índice de infecções hospitalares  
  • 20. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Auditoria   É a avaliação sistemática e formal de uma atividade, por alguém não envolvido diretamente na sua execução, para determinar se essa atividade está sendo levada a efeito de acordo com seus objetivos Auditoria em enfermagem: é a avaliação sistemática da qualidade da assistência de enfermagem, verificada através das anotações de enfermagem no prontuário do paciente e/ou das próprias condições deste.
  • 21. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM BREVE HISTÓRICO DA AUDITORIA EM ENFERMAGEM NO BRASIL   1950 - Primeiros trabalhos de auditoria em enfermagem; 1970 - os trabalhos sobre o assunto abordavam a definição e classificação de auditoria em saúde com similaridade a área contábil, mas o enfoque primordial era na assistência prestada ao paciente; 1983 - no Hospital Universitário - USP foi implantada a auditoria de processo, constituindo-se numa atividade pioneira em hospital público; Atualidade, na área pública predomina-se auditoria de cuidados e nas instituições privadas auditoria de contas.
  • 22. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM FINALIDADES:    Identificar áreas (unidades) deficientes no serviço de enfermagem (dimensionamento do pessoal, procedimentos, registros, relacionamento, etc...);  Fornecer dados para melhoria dos programas de enfermagem;  Obter dados para programação da educação continuada. “A análise constitui a essência da ação auditorial. Verificar sem interpretar, criticar e orientar é tarefa ineficaz e não interessa aos métodos científicos”.
  • 23. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM TIPOS DE AUDITORIA    Retrospectiva: após a alta do paciente . É utilizado o prontuário do paciente. (até 50 altas/mês(100%), mais de 50 altas/mês (10%) + 100% dos óbitos em qualquer situação).  Operacional ou concorrente: Durante a internação. Utiliza-se: exame do paciente, entrevista com paciente, equipe e acompanhantes, pesquisa junto à equipe médica.
  • 24. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DA AUDITORIA • Quanto à forma de intervenção: interna ou externa. • Quanto ao tempo: contínua ou periódica. • Quanto à natureza: Normal ou específica. • Quanto ao limite: Total ou parcial
  • 25. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM MODALIDADES DE AUDITORIA:    Auditoria de cuidados: Sistematização da Assistência de Enfermagem (Resolução nº 272/2002), etapas – entrevista, histórico, exame físico, diagnóstico, prescrição e evolução; e Controle da qualidade.  Auditoria de contas : Elaboração, definição e apresentação de contas; Processo de avaliação dos enfermeiros auditores do hospital e operadora/seguradora; Ferramentas para avaliação das contas; e Negociação dos profissionais que atuam na área.  Auditoria de gestão - Trabalha-se com avaliação; supervisão, planejamento, execução, controle e gestão; e Contribuição com a administração da instituição de atuação.
  • 26. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO AUDITOR:   • Direito de acessar, in loco toda a documentação necessária, sendo-lhe vedada a retirada dos prontuários ou cópias da instituição, podendo, se necessário, examinar o paciente, desde que devidamente autorizado pelo mesmo, quando possível, ou por seu representante legal; • Havendo identificação de indícios de irregularidades no atendimento do cliente, cuja comprovação necessite de análise do prontuário do paciente, é permitida a retirada de cópias exclusivamente para fins de instrução de auditoria;  
  • 27. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO HOPITALAR   Caracteriza-se por ser um sistema de avaliação externa, de caráter voluntário, periódico e reservado. Envolve aspectos relacionados ao desenvolvimento da qualidade tais como, o acesso e a garantia da continuidade do atendimento; os processos diagnósticos, terapêuticos e de reabilitação/recuperação; a segurança dos procedimentos e atos médicos; o desempenho dos recursos humanos e, ainda, as adequadas condições das instalações e equipamentos.
  • 28. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO HOPITALAR É uma das estratégias mais importantes no campo da garantia da qualidade, permitindo uma abordagem inovadora e integradora para tratar a questão da saúde a partir de sua lógica e especificidade, e que vem sendo utilizada em vários países.   O sistema de acreditação foi utilizado originalmente para proteção da profissão médica e dos pacientes contra os efeitos nocivos de ambientes e organizações inadequadas à prática. A história da acreditação aponta um deslocamento da ênfase sobre o ambiente para a ênfase da prática clínica.
  • 29. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM PROCESSO DE ACREDITAÇÃO   A acreditação visa, a melhoria da qualidade do atendimento prestado. Em nosso país esta é uma demanda crescente da rede de hospitais públicos e privados. A gestão dos serviços de saúde, o aumento crescente dos custos dos cuidados médicos, a necessidade de atender aos direitos do consumidor dos serviços de saúde, as expectativas crescentes quanto às "boas práticas" hospitalares e a ética profissional, a preocupação com a garantia da segurança no atendimento e nos procedimentos médico-hospitalares, são aspectos que exigem métodos inovadores para seu adequado enfrentamento.
  • 30. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM A ACREDITAÇÃO POSSIBILITA: • Ampliar a segurança dos usuários na escolha e utilização dos serviços; • Introduzir a qualidade como um processo permanente de aprimoramento institucional; •Buscar maior eficiência e efetividade do atendimento; • Racionalizar a utilização de recursos humanos, financeiros e tecnológicos; •Desenvolver e aprimorar continuamente os recursos humanos;
  • 31. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM A ACREDITAÇÃO POSSIBILITA: •Colocar a disposição de profissionais e hospitais, referenciais de excelência dos cuidados prestados em torno dos quais possam reorganizar suas práticas, diminuir riscos para os pacientes e profissionais e melhorar o desempenho institucional; • Obter avaliação objetiva do desempenho da organização, utilizando uma abordagem em que a avaliação está centrada no processo do cuidado ao paciente; • Demonstrar padrões de excelência para clientes e financiadores ampliando o diferencial de qualidade em um mercado cada vez mais competitivo.
  • 32. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
  • 33. AULA 10: GERENCIAMENTO DA QUALIDADE EM SAÚDE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Nesta Aula, você: • Entendeu os conceitos de qualidade em serviços • Conheceu o processo histórico do controle de qualidade nas organizações • Conheceu os conceitos de auditoria e acreditação hospitalar.
  • 34. Aula 10: Gerenciamento da qualidade em saúde ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ESPERO POR VOCÊ !!