SlideShare uma empresa Scribd logo
ATENÇÃO PRIMÁRIA À
SAÚDE
ACOLHIMENTO MAIS MÉDICOS – EDITAL 12_2016
APS
 No Brasil utilizamos o termo atenção básica e o termo atenção primária à saúde
para falar de uma determinada forma de organização do sistema de sistema de
saúde
 Há denotações de sentido em ambos o termos, às vezes compreendido como
simples, primitivo, menor complexidade, tecnologias menos avançadas,
qualificação técnica menor...
 Há portanto uma tendência desvalorização deste trabalho na APS ou AB,
desvalorização dos profissionais que trabalham na APS como o médico
 Há muitas questões em jogo, interesses econômicos, corporativos para a
diminuição da importância e função da APS
APS
 Inúmeros trabalhos apontam o impacto positivo da APS comparando-se países
 De Starfield 2002
 “ uma comparação entre 12 nações industrializadas ocidentais diferentes indica
que países com uma orientação mais forte para a atenção primária , na verdade,
possuem maior probabilidade de ter melhores níveis de saúde e custos mais
baixos”
APS
APS
 Também por Starfield são definidos atributos da APS:
 Primeiro contato
 Longitudinalidade
 Integralidade
 Coordenação
 Orientação familiar
 Orientação comunitária
APS
 Primeiro contato
APS
 Primeiro contato
 Implica acessibilidade
Quando a população e a equipe identificam aquele serviço como o priemiro recurso a
ser buscado quando há uma necessidade ou problema de saúde
Oficialmente no Brasil a APS é a ports de entrada do sistema de saúde , espera-se dos
serviços nesse nível de atenção que sejam acessíveis e resolutivos frente as principais
necessidades da população
Precisa assim de ferramentas apropriadas de trabalho, como abordagem
interdisciplinar, planejamento de ações
APS
 longitudinalidade
APS
 Longitudinalidade
 Implica a existência de uma fonte regular de atenção e seu uso ao longo do tempo ,
independente da presença de problemas específicos relacionados à saúde ou do tipo
de problema
 Diferenciar da continuidade do cuidado
 Responsabilização por um individuo ao longo de sua vida – os estudos sobre
longitudinalidade tem investigado o vínculo interpessoal entre usuários e sua fonte de
atenção (entendimento entre susário e profissionais, tranquilidade pra falar de seus
problemas , o quanto sentem interesse dos profissionais em conhecer a vida e não só a
doença)
 Este atributo traz melhor compreensão do processo saúde doença e portanto pode
produzir diagnósticos e tratamentos mais precisos e reduzem os encaminhamentos
desnecessários para especialistas ou procedimentos mais complexos, exemplos
APS
 integralidade
APS
 Integralidade
 Responsabilidade por todos os problemas de saúde de uma população adscrita
 É um dos pilares do SUS
 4 dimensões : primazia de ações de promoção e prevenção, atenção em três níveis
de complexidade da assistência, articulação de ações de pomoção, proteção e
prevenção e abordagem integral do indivíduo
 Ser humano bio-psico-social
 Ser humano inserido em um determinado local com peculiaridades que conferem
características ao processo saúde e doença
 Oferta de serviços diversos
APS
 Coordenação do cuidado
APS
 Coordenação do cuidado
 Capacidade de responsabilidade pelo sujeito , mesmo quando partilha-se o
cuidado com outros serviços especializados
 Capacidade de garantir a continuidade da atenção por meio de equipes de saúde
com o reconhecimento dos problemas que requerem seguimento constante
 Ressalta-se a Importância da informação circular, da existência de processos
regulatórios, da necessidade de inserção próxima aos indivíduos para possibilitar
direcionar melhor as demandas
 Senão houver boa coordenação do cuidado há risco de não atender as
necessidades reais, fazer tratamentos desnecessários, duplicidade de ações,
medicalização excessiva, exemplo : paciente idoso
APS
 Orientação familiar
 Focalização na família implica considerar a família como sujeito da atenção , o que
exige uma interação da equipe de saúde com essa unidade social e conhecimento
integral de seus problemas
 Orientação comunitária
 Significa o reconhecimento das necessidades das famílias em função do contexto
físico, econômico, social e cultural em que vivem – análise situacional das
necessidades de saúde das famílias numa perspectiva populacional e sua
integração com programas intersetoriais
 Competência cultural – relação horizontal da equipe de saúde com a população
que respeite as singularidades culturais e as preferências das pessoas e das famílias
APS
 Organização da APS por meio da Estratégia Saúde da Família, início em 1994 e
reforçada pela portaria 648 e a PNAB 2012
 Implicações : prioriza ações de promoção, proteção e recuperação da saúde de
forma integral e continuada; reconhece necessidades que vão além da assistência
médica, baseada nõ estabelecimento de vínculos entre usuários dos serviços de
saúde e os profissionais de saúde , contato permanente com o território; atenção
centrada na família em seu contexto físico e social; compreensão ampliada do
processo saúde doença
 Há outras formas de organização da APS
APS
 Diretrizes organizacionais para que a APS garanta a resolutividade que se espera
 Acolhimento a demanda e busca ativa com avaliação de vulnerabilidade
 Clínica ampliada e compartilhada
 Saúde coletiva
 Participação na gestão (co-gestão)
APS
 Modelo organizacional da APS
 Trabalho em equipe interdisciplinar
 A fragmentação da atenção básica em diversas especialidades ou profissões que
não buscam formas integradas pra a atuação tem-se mostrado como sendo um
modelo inadequado
 Em 1994 adota-se no brasil um desenho de equipes de atenção básica na lógica da
saúde da família , médico, enfermeiro, dentista, técnicos
APS
 Responsabilidade sanitária por um determinado território e construção de
vínculo entre equipes e usuários
 Recomenda-se que as equipes tenham aos seus cuidados um conjunto de pessoas
que vivem num mesmo território
 A longitudinalidade e a construção de vínculos são elementos deste processo
APS
 Abordagem do sujeito, da família e de seu contexto, a bsca da ampliação do
cuidado em APS
APS
 Reformulação da prática do saber e da prática tradicional em saúde
 Buscando ncorporar na abordagem o social e o subjetivo e para tanto deverá
ampliar e reformular o saber clínico, incorporando ferramentas da saúde coletiva,
da saúde mental, ciências sociais
 Papael fundamental da educação permanente
 Muitas vezes acaba-se na APS reproduzindo o modelo dos serviços especializados ,
a abordagem ampliada depende da reformulação do paradigma biomédico (
incluir o sujeito em su família e conexto social, econômico e cultural, incluir
usuários tanto na gestão quanto na construção da própria saúde )
APS
 Articular a APS em uma rede de serviços de saúde que assegure apoio e
amplie a capacidade de resolução
APS
 Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
Fernanda Marinho
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
Flávio Rocha
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Leonardo Savassi
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
Fisioterapia/ Gerencia em Saúde
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
Guiomar Dutra Lima
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
Karen Lira
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
Andreia Morais
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
Jorge Samuel Lima
 

Mais procurados (20)

Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
Aula Educação em Saúde - Savassi - UFOP 2o período 2014
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
 

Semelhante a Atenção Primária à Saúde

Aps
ApsAps
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptxAULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
EnfaVivianeCampos
 
Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...
Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...
Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...
Instituto Consciência GO
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Instituto Consciência GO
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
Francielttonsantos
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
naiellyrodrigues
 
Cola
ColaCola
Ciclo i 01
Ciclo i 01Ciclo i 01
Ciclo i 01
Rodrigo Abreu
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
ssuser51d27c1
 
Aula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saudeAula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saude
jorge luiz dos santos de souza
 
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIROATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
Centro Universitário Ages
 
psf
psfpsf
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
MarianeBarbosa26
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
LucianaSousa469679
 
SlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.pptSlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.ppt
RAFAEL COSTA
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
Ana Carol
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
danilo rodrigues
 
A09v12n2
A09v12n2A09v12n2
A09v12n2
Clarissa Amorim
 
Assinstentesocial e residenciamultiprofissional
Assinstentesocial e residenciamultiprofissionalAssinstentesocial e residenciamultiprofissional
Assinstentesocial e residenciamultiprofissional
jorge luiz dos santos de souza
 

Semelhante a Atenção Primária à Saúde (20)

Aps
ApsAps
Aps
 
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptxAULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
AULA 2 SAÚDE PÚBLICA saude coletiva.pptx
 
Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...
Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...
Saúde da Família: Limites e possibilidades para uma abordagem integral de ate...
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Cola
ColaCola
Cola
 
Ciclo i 01
Ciclo i 01Ciclo i 01
Ciclo i 01
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
Aula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saudeAula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saude
 
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIROATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
 
psf
psfpsf
psf
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
 
SlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.pptSlidesdoPSF.ppt
SlidesdoPSF.ppt
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
 
A09v12n2
A09v12n2A09v12n2
A09v12n2
 
Assinstentesocial e residenciamultiprofissional
Assinstentesocial e residenciamultiprofissionalAssinstentesocial e residenciamultiprofissional
Assinstentesocial e residenciamultiprofissional
 

Mais de Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS

Procedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúdeProcedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis CongênitaOficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Nomes Populares de Doenças e Sintomas
Nomes Populares de Doenças e SintomasNomes Populares de Doenças e Sintomas
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Registro em APS
Registro em APSRegistro em APS
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - SobrediagnósticoPrevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFCMedicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Comunicação e Interação Médico-Paciente
Comunicação e Interação Médico-PacienteComunicação e Interação Médico-Paciente
Comunicação e Interação Médico-Paciente
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Impactos da Violência no Município de São Paulo
Impactos da Violência no Município de São PauloImpactos da Violência no Município de São Paulo
Impactos da Violência no Município de São Paulo
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca AíDESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 

Mais de Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS (20)

Procedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúdeProcedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúde
 
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
 
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis CongênitaOficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Nomes Populares de Doenças e Sintomas
Nomes Populares de Doenças e SintomasNomes Populares de Doenças e Sintomas
Nomes Populares de Doenças e Sintomas
 
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
 
Registro em APS
Registro em APSRegistro em APS
Registro em APS
 
Projeto Terapêutico Singular
Projeto Terapêutico SingularProjeto Terapêutico Singular
Projeto Terapêutico Singular
 
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
 
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - SobrediagnósticoPrevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
 
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFCMedicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
 
Comunicação e Interação Médico-Paciente
Comunicação e Interação Médico-PacienteComunicação e Interação Médico-Paciente
Comunicação e Interação Médico-Paciente
 
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
 
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
 
Impactos da Violência no Município de São Paulo
Impactos da Violência no Município de São PauloImpactos da Violência no Município de São Paulo
Impactos da Violência no Município de São Paulo
 
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca AíDESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
 
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
 
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
 
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
 

Atenção Primária à Saúde

  • 1. ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE ACOLHIMENTO MAIS MÉDICOS – EDITAL 12_2016
  • 2. APS  No Brasil utilizamos o termo atenção básica e o termo atenção primária à saúde para falar de uma determinada forma de organização do sistema de sistema de saúde  Há denotações de sentido em ambos o termos, às vezes compreendido como simples, primitivo, menor complexidade, tecnologias menos avançadas, qualificação técnica menor...  Há portanto uma tendência desvalorização deste trabalho na APS ou AB, desvalorização dos profissionais que trabalham na APS como o médico  Há muitas questões em jogo, interesses econômicos, corporativos para a diminuição da importância e função da APS
  • 3. APS  Inúmeros trabalhos apontam o impacto positivo da APS comparando-se países  De Starfield 2002  “ uma comparação entre 12 nações industrializadas ocidentais diferentes indica que países com uma orientação mais forte para a atenção primária , na verdade, possuem maior probabilidade de ter melhores níveis de saúde e custos mais baixos”
  • 4. APS
  • 5. APS  Também por Starfield são definidos atributos da APS:  Primeiro contato  Longitudinalidade  Integralidade  Coordenação  Orientação familiar  Orientação comunitária
  • 7. APS  Primeiro contato  Implica acessibilidade Quando a população e a equipe identificam aquele serviço como o priemiro recurso a ser buscado quando há uma necessidade ou problema de saúde Oficialmente no Brasil a APS é a ports de entrada do sistema de saúde , espera-se dos serviços nesse nível de atenção que sejam acessíveis e resolutivos frente as principais necessidades da população Precisa assim de ferramentas apropriadas de trabalho, como abordagem interdisciplinar, planejamento de ações
  • 9. APS  Longitudinalidade  Implica a existência de uma fonte regular de atenção e seu uso ao longo do tempo , independente da presença de problemas específicos relacionados à saúde ou do tipo de problema  Diferenciar da continuidade do cuidado  Responsabilização por um individuo ao longo de sua vida – os estudos sobre longitudinalidade tem investigado o vínculo interpessoal entre usuários e sua fonte de atenção (entendimento entre susário e profissionais, tranquilidade pra falar de seus problemas , o quanto sentem interesse dos profissionais em conhecer a vida e não só a doença)  Este atributo traz melhor compreensão do processo saúde doença e portanto pode produzir diagnósticos e tratamentos mais precisos e reduzem os encaminhamentos desnecessários para especialistas ou procedimentos mais complexos, exemplos
  • 11. APS  Integralidade  Responsabilidade por todos os problemas de saúde de uma população adscrita  É um dos pilares do SUS  4 dimensões : primazia de ações de promoção e prevenção, atenção em três níveis de complexidade da assistência, articulação de ações de pomoção, proteção e prevenção e abordagem integral do indivíduo  Ser humano bio-psico-social  Ser humano inserido em um determinado local com peculiaridades que conferem características ao processo saúde e doença  Oferta de serviços diversos
  • 13. APS  Coordenação do cuidado  Capacidade de responsabilidade pelo sujeito , mesmo quando partilha-se o cuidado com outros serviços especializados  Capacidade de garantir a continuidade da atenção por meio de equipes de saúde com o reconhecimento dos problemas que requerem seguimento constante  Ressalta-se a Importância da informação circular, da existência de processos regulatórios, da necessidade de inserção próxima aos indivíduos para possibilitar direcionar melhor as demandas  Senão houver boa coordenação do cuidado há risco de não atender as necessidades reais, fazer tratamentos desnecessários, duplicidade de ações, medicalização excessiva, exemplo : paciente idoso
  • 14. APS  Orientação familiar  Focalização na família implica considerar a família como sujeito da atenção , o que exige uma interação da equipe de saúde com essa unidade social e conhecimento integral de seus problemas  Orientação comunitária  Significa o reconhecimento das necessidades das famílias em função do contexto físico, econômico, social e cultural em que vivem – análise situacional das necessidades de saúde das famílias numa perspectiva populacional e sua integração com programas intersetoriais  Competência cultural – relação horizontal da equipe de saúde com a população que respeite as singularidades culturais e as preferências das pessoas e das famílias
  • 15. APS  Organização da APS por meio da Estratégia Saúde da Família, início em 1994 e reforçada pela portaria 648 e a PNAB 2012  Implicações : prioriza ações de promoção, proteção e recuperação da saúde de forma integral e continuada; reconhece necessidades que vão além da assistência médica, baseada nõ estabelecimento de vínculos entre usuários dos serviços de saúde e os profissionais de saúde , contato permanente com o território; atenção centrada na família em seu contexto físico e social; compreensão ampliada do processo saúde doença  Há outras formas de organização da APS
  • 16. APS  Diretrizes organizacionais para que a APS garanta a resolutividade que se espera  Acolhimento a demanda e busca ativa com avaliação de vulnerabilidade  Clínica ampliada e compartilhada  Saúde coletiva  Participação na gestão (co-gestão)
  • 17. APS  Modelo organizacional da APS  Trabalho em equipe interdisciplinar  A fragmentação da atenção básica em diversas especialidades ou profissões que não buscam formas integradas pra a atuação tem-se mostrado como sendo um modelo inadequado  Em 1994 adota-se no brasil um desenho de equipes de atenção básica na lógica da saúde da família , médico, enfermeiro, dentista, técnicos
  • 18. APS  Responsabilidade sanitária por um determinado território e construção de vínculo entre equipes e usuários  Recomenda-se que as equipes tenham aos seus cuidados um conjunto de pessoas que vivem num mesmo território  A longitudinalidade e a construção de vínculos são elementos deste processo
  • 19. APS  Abordagem do sujeito, da família e de seu contexto, a bsca da ampliação do cuidado em APS
  • 20. APS  Reformulação da prática do saber e da prática tradicional em saúde  Buscando ncorporar na abordagem o social e o subjetivo e para tanto deverá ampliar e reformular o saber clínico, incorporando ferramentas da saúde coletiva, da saúde mental, ciências sociais  Papael fundamental da educação permanente  Muitas vezes acaba-se na APS reproduzindo o modelo dos serviços especializados , a abordagem ampliada depende da reformulação do paradigma biomédico ( incluir o sujeito em su família e conexto social, econômico e cultural, incluir usuários tanto na gestão quanto na construção da própria saúde )
  • 21. APS  Articular a APS em uma rede de serviços de saúde que assegure apoio e amplie a capacidade de resolução