SlideShare uma empresa Scribd logo
Sobre o Palestrante
Profº Silas Serpa, profissional com a carreira construída na área de Tecnologia da Informação, sendo
mais de 15 anos de experiência atuando com gestão de projetos e portfólio, desenvolvimento de
soluções, gestão de tecnologia e gestão de projetos e infraestrutura, para empresas de médio e grande
porte, dentro e fora do país, dos segmentos de Varejo, Telecom, Setor Público, Mercado Financeiro,
Transportes (rodoviário e metroviário) e Prestação de Serviços.
Especialista como Gerente de Projetos e (PMO) Escritório de Projetos, alinhado com a Gestão
Estratégica da Companhia (Portfólios), bem como na Implantação e/ou reestruturação de Escritórios de
Projetos.
Gestão dos riscos, desenvolvimento de cronograma, controle de escopo, prazos, custos e qualidade dos
projetos.
Forte atuação como Scrum Master, focado na estruturação, liderança e aplicação/implementação dos
métodos Ágeis em times de fábrica de software dentro das organizações. Habilidade de Negociação e
Comunicação, Gestão de Conflitos e Gerenciamento de Crise.
Palestrante eventual do PMI e docente em universidades, como FGV, (Gerenciamento de Projetos e
Institucional PMI).
Articulista sobre temas relacionados a Gerenciamento de Projeto.
Contatos
silasserpa@icloud.com
Telefone (11) 9-4129-6695
Skype : silasserpa
https://br.linkedin.com/in/profsilasserpa
http://www.profsilasserpa.jimdo.com
https://www.facebook.com/profsilasserpa
1. Os primeiros conceitos
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
3. Tríplice Restrição
4. Escopo, Custo e Tempo
Agenda
5. Qualidade do Projeto
6. FCS
1. Os primeiros conceitos
Projeto
O produto ou o serviço
é diferente de todos os
similares feitos
anteriormente
Único
Todo projeto tem
um começo e um
fim bem definidos
Temporário
Progressivo
As características de cada projeto
são mais detalhadas na medida
em que for maior o entendimento
do produto ou serviço
1. O que é Projeto
1. Os primeiros conceitos
​GP é possuidor de Capacidade Técnica em
Projetos, ser Eterno Insatisfeito, Correr Riscos
calculados, Promotor da União garantindo a boa
Comunicação, Mover-se além dos limites,
Partilhador de méritos, Automotivado, tem
Compromisso com a Mudança, gosta do
Anonimato e tem Bom Humor.
2. O que é um Gerente de Projetos
1. Os primeiros conceitos
3. Competências de um Gerente de Projeto
Total
incerteza
Incerteza
geral
Incerteza
específica
Total
certeza
Sem informação Completa informação
Espectro de Incertezas
Unknown
Unknowns
Known
Unknowns
Knowns
Informação parcial
Incerteza Risco Certeza
Gerenciamento Contingência Atividades
1. Os primeiros conceitos
4. Como o GP deve tomar decisões em um Projeto
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
1. Escolha e adote uma metodologia
2. Comunicar-se com os envolvidos a cada
instante
3. Defina o Escopo, Custo ou Esforço e Tempo
do projeto e detalhe as atividades
4. Conheça muito bem o seu time
5. Desenvolva o cronograma com os
envolvidos, use o espectro das incertezas
6. Monitore os riscos e seja pró-ativo
7. Formalize o início e o encerramento do
projeto
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
1. Escolha e adote uma metodologia
PMI SCRUM Prince2
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
2. Comunicar-se com os envolvidos a cada
instante
 Os gerentes de projetos normalmente gastam um
tempo muito grande na comunicação com a equipe do
projeto, partes interessadas, cliente e patrocinador
 90% do tempo do gerente do projeto é gasto com
comunicação
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
3. Defina o Escopo, Custo ou Esforço e Tempo
do projeto e detalhe as atividades
ESCOPO
CUSTO ou ESFORÇO
TEMPO
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
4. Conheça muito bem o seu time
Conflitos são inevitáveis, mas podem ser benéficos
 São resolvidos através da identificação das causas e
envolvendo as pessoas diretamente envolvidas e seu
gerente imediato
As 7 maiores fontes de conflitos (em ordem)
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
5. Desenvolva o cronograma com os
envolvidos, use o espectro das incertezas
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
6. Monitore os riscos e seja proativo
2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos
7. Formalize o início e o encerramento do
projeto
Início Planejamento Execução Encerramento
Monitoramento e Controle
3. Tríplice Restrição
3. Tríplice Restrição
(ToC - Theory of Constraints) é um paradigma de gestão que considera
qualquer sistema gerenciável como sendo limitado em alcançar mais do que
suas metas por um número muito pequeno de restrições.
Em projetos ou na operação, você pode focar em três áreas essenciais para
produtos ou serviços de qualidade (Escopo, Prazo e Custo).
Um produto ou serviço de qualidade provavelmente:
• Atende as necessidades implícitas e explícitas do Cliente (Escopo)
• É disponibilizado a tempo (Prazo)
• Com preço e custos compatíveis (Custo)
3. Tríplice Restrição
Custo
/
Esforço
Tempo
Escopo
Qualidade
O que iremos entregar e O que
não iremos entregar ?
Quanto irá Pagar ? Qual o
Esforço dos Recursos é
necessário ?
Quando iremos entregar ?
O que foi Combinado ?
4. Escopo, Custo e Tempo
Escopo
O que iremos entregar e O que
não iremos entregar ?
• Prevenir trabalhos extras ou gold plating
• Ter claro “Premissas e Restrições”
• Defina “Escopo de Projeto” e “Escopo de Produto”
3. Tríplice Restrição
Escopo
O que iremos entregar e O que
não iremos entregar ?
• Todas as mudanças, ou solicitações, devem ser registradas.
• Se não estiver, a primeira ação a ser tomada é solicitar ao
requisitante que registre a solicitação de mudança.
• A baseline de escopo somente será alterada se houver uma
solicitação de mudança de escopo aprovada.
• Deve-se avaliar a mudança sobre todas as demais áreas de
conhecimento (custo e tempo)
• Não se esqueça, toda mudança de escopo afeta a EAP e,
consequentemente todos os processos subsequentes
devem ser reavaliados.
3. Tríplice Restrição
Tempo
Quando iremos entregar ?
3. Tríplice Restrição
Tempo
Quando iremos entregar ?
 Devem ser baseadas na EAP para serem mais precisas
 Sempre que possível devem ser realizadas pelas pessoas
que vão realizar as atividades
 Usar informações históricas é chave para estimativas mais
precisas
 São mais precisas quando feitas em componentes
menores
3. Tríplice Restrição
Custo
/
Esforço
Quanto irá Pagar ? Qual o
Esforço dos Recursos é
necessário ?
3. Tríplice Restrição
Custo
/
Esforço
Quanto irá Pagar ? Qual o
Esforço dos Recursos é
necessário ?
 Escopo definido, com restrições de custo, se existir
 Diagrama de rede
 Tipos de recursos, quantidade e quando eles serão
necessários
 Plano de gerenciamento de risco pois inclui o custo
associado a riscos
 Envolve a estimativa dos custos dos recursos
necessários para terminar cada atividade do cronograma
 Deve ser feita a partir da EAP
 Leva-se em consideração os riscos envolvidos em cada
atividade
 Normalmente expressas em moeda, mas também pode-
se usar outros tipos de medida, como por exemplo
homem/hora
4. Qualidade do Projeto
4. Qualidade do Projeto
A Qualidade em Projetos busca assegurar que o projeto satisfaça as
necessidades do cliente e envolve todas atividades do projeto por todo o seu
ciclo de vida.
O GP deve conscientizar toda equipe sobre a importância de buscar os
objetivos da qualidade e para isso, deve oferecer as condições necessárias
para que o time possa alcançá-los.
5. FCS
1. Utilizar informações históricas para auxilio de estimativas
de recursos
2. Efetuar o Monitoramento do projeto através da Técnica do
Valor Agregado (Earned Value Management)
3. Elaborar o Planejamento de Resposta aos Riscos do
projeto (registro de riscos ou documento similar)
4. Estabelecer os responsáveis pelas respostas aos riscos
5. Envolver as partes interessadas no esforço de
identificação de riscos
6. Realizar a análise quantitativa de riscos
7. Executar as respostas aos riscos planejadas
5. FCS
8. Fazer constar da EAP / Cronograma os processos de
aquisição dos itens críticos
9. Detalhar as especificações no nível adequado para o
entendimento dos fornecedores
10. Definir os calendários dos recursos
11. Realizar uma reunião de partida (kick-off), antes do inicio
da execução do trabalho previsto em um contrato importante
do projeto
12. A organização dar a autoridade necessária para o
exercício da função do gerente de projeto
13. A organização possuir um projeto ou programa para
alcançar a maturidade em gerenciamento de projetos
5. FCS
14. Utilizar o método da cadeia crítica foi para o
desenvolvimento do cronograma
15. A equipe de o projeto estar comprometida com o projeto
16. O gerente de o projeto ter gerenciado um projeto de
escopo semelhante ao do projeto
17. Utilizar uma ferramenta informatizada de gerenciamento
de riscos para calcular os resultados da análise quantitativa
Profº Silas Serpa, MBA, PMP, CSM, ITIL, MSP
Cel.: (11) 9-4129-6695
Skype : silasserpa
https://br.linkedin.com/in/profsilasserpa
http://www.profsilasserpa.jimdo.com
https://www.facebook.com/profsilasserpa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos Ágeis e Scrum - Introdução
Métodos Ágeis e Scrum - IntroduçãoMétodos Ágeis e Scrum - Introdução
Métodos Ágeis e Scrum - IntroduçãoYuri Morais
 
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto Wellington Oliveira
 
Apresentacao Pmbok
Apresentacao PmbokApresentacao Pmbok
Apresentacao PmbokLuiz Neto
 
Manual de Consultoria
Manual de ConsultoriaManual de Consultoria
Manual de ConsultoriaOswaldo Neto
 
Gerenciamento de projetos apostila completa
Gerenciamento de projetos   apostila completaGerenciamento de projetos   apostila completa
Gerenciamento de projetos apostila completaPaulo Junior
 
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processosTppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processosLuciana C. L. Silva
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosRafael Pozzobon
 
Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...
Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...
Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...Rodrigo Thahira, PfMP, PMP, PRINCE2, PMO-CC
 
Modais de transporte logística
Modais de transporte logísticaModais de transporte logística
Modais de transporte logísticaMAYKON89
 
Modelo Canvas - Plano de Negócios
Modelo Canvas - Plano de NegóciosModelo Canvas - Plano de Negócios
Modelo Canvas - Plano de NegóciosAngelo Yasui
 
Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoDionísio Carmo-Neto
 
Gerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOK
Gerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOKGerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOK
Gerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOKClaudio Barbosa
 
Project model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacaoProject model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacaoleopaiva217101
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosFernando Dantas
 

Mais procurados (20)

Métodos Ágeis e Scrum - Introdução
Métodos Ágeis e Scrum - IntroduçãoMétodos Ágeis e Scrum - Introdução
Métodos Ágeis e Scrum - Introdução
 
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto Processos de gerenciamento de projetos de  um projeto
Processos de gerenciamento de projetos de um projeto
 
Gestão de Projetos
Gestão de ProjetosGestão de Projetos
Gestão de Projetos
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Apresentacao Pmbok
Apresentacao PmbokApresentacao Pmbok
Apresentacao Pmbok
 
Manual de Consultoria
Manual de ConsultoriaManual de Consultoria
Manual de Consultoria
 
Gerenciamento de projetos apostila completa
Gerenciamento de projetos   apostila completaGerenciamento de projetos   apostila completa
Gerenciamento de projetos apostila completa
 
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processosTppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
 
Introdução a Gerenciamento de Projetos
Introdução a Gerenciamento de ProjetosIntrodução a Gerenciamento de Projetos
Introdução a Gerenciamento de Projetos
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
 
Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...
Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...
Como definir indicadores de desempenho para um PMO @ Fórum Internacional de P...
 
Modais de transporte logística
Modais de transporte logísticaModais de transporte logística
Modais de transporte logística
 
Modelo Canvas - Plano de Negócios
Modelo Canvas - Plano de NegóciosModelo Canvas - Plano de Negócios
Modelo Canvas - Plano de Negócios
 
Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario Executivo
 
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
 
Gerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOK
Gerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOKGerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOK
Gerenciamento de Projetos - Disciplinas PMBOK
 
Gestão contratos
Gestão   contratosGestão   contratos
Gestão contratos
 
Project model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacaoProject model-canvas-apresentacao
Project model-canvas-apresentacao
 
Aula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de ProjetosAula 2 - Gestão de Projetos
Aula 2 - Gestão de Projetos
 

Destaque

Recuperação de projetos em crise
Recuperação de projetos em criseRecuperação de projetos em crise
Recuperação de projetos em criseSilas Serpa
 
Palestra declaração do escopo é função do gerente de projetos
Palestra   declaração do escopo é função do gerente de projetosPalestra   declaração do escopo é função do gerente de projetos
Palestra declaração do escopo é função do gerente de projetosSilas Serpa
 
Case de Gerenciamento de Projetos - Rock in Sumaré
Case de Gerenciamento de Projetos - Rock in SumaréCase de Gerenciamento de Projetos - Rock in Sumaré
Case de Gerenciamento de Projetos - Rock in SumaréEli Rodrigues
 
Projetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon Salvador
Projetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon SalvadorProjetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon Salvador
Projetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon SalvadorAragon Vieira
 
Curso de excel vba
Curso de excel vbaCurso de excel vba
Curso de excel vbaSilas Serpa
 
gerenciamento projetos
gerenciamento projetosgerenciamento projetos
gerenciamento projetosoleinik
 
Presentation 2
Presentation 2Presentation 2
Presentation 2cocolatto
 
Open-V
Open-VOpen-V
Open-VOPEN-V
 
Interactive module
Interactive moduleInteractive module
Interactive modulewalkupdw
 
Planning offline
Planning offlinePlanning offline
Planning offlinetspicuzza
 
Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?
Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?
Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?celinecelines semaan vernon
 
LSS Connection 2010 Issue 2
LSS Connection 2010 Issue 2LSS Connection 2010 Issue 2
LSS Connection 2010 Issue 2Rebeca Borrero
 
Hiring UX/UI designers
Hiring UX/UI designersHiring UX/UI designers
Hiring UX/UI designersLeadzpipe
 
DuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & Presentations
DuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & PresentationsDuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & Presentations
DuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & PresentationsDuVita, LLC
 

Destaque (20)

Recuperação de projetos em crise
Recuperação de projetos em criseRecuperação de projetos em crise
Recuperação de projetos em crise
 
Palestra declaração do escopo é função do gerente de projetos
Palestra   declaração do escopo é função do gerente de projetosPalestra   declaração do escopo é função do gerente de projetos
Palestra declaração do escopo é função do gerente de projetos
 
Case de Gerenciamento de Projetos - Rock in Sumaré
Case de Gerenciamento de Projetos - Rock in SumaréCase de Gerenciamento de Projetos - Rock in Sumaré
Case de Gerenciamento de Projetos - Rock in Sumaré
 
Projetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon Salvador
Projetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon SalvadorProjetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon Salvador
Projetos de Engenharia - Conceitos Básicos - Aragon Salvador
 
Curso de excel vba
Curso de excel vbaCurso de excel vba
Curso de excel vba
 
gerenciamento projetos
gerenciamento projetosgerenciamento projetos
gerenciamento projetos
 
Presentation 2
Presentation 2Presentation 2
Presentation 2
 
Open-V
Open-VOpen-V
Open-V
 
Interactive module
Interactive moduleInteractive module
Interactive module
 
Sonex deposit meeting_ws_20110301
Sonex deposit meeting_ws_20110301Sonex deposit meeting_ws_20110301
Sonex deposit meeting_ws_20110301
 
Learning studio
Learning studioLearning studio
Learning studio
 
Planning offline
Planning offlinePlanning offline
Planning offline
 
UKRepNet presentation at Pure UK User Group Meeting Dundee
UKRepNet presentation at Pure UK User Group Meeting DundeeUKRepNet presentation at Pure UK User Group Meeting Dundee
UKRepNet presentation at Pure UK User Group Meeting Dundee
 
ABA Eastern Europe
ABA Eastern EuropeABA Eastern Europe
ABA Eastern Europe
 
Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?
Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?
Design Yo' Self : Why should designers care about Open Source Software?
 
LSS Connection 2010 Issue 2
LSS Connection 2010 Issue 2LSS Connection 2010 Issue 2
LSS Connection 2010 Issue 2
 
Cny70
Cny70Cny70
Cny70
 
Hiring UX/UI designers
Hiring UX/UI designersHiring UX/UI designers
Hiring UX/UI designers
 
DuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & Presentations
DuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & PresentationsDuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & Presentations
DuVita's CRUISE to SUCCESS- Presenters & Presentations
 
Lecture 1
Lecture 1Lecture 1
Lecture 1
 

Semelhante a Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto

Seminário Aese - Implementar um processo de LSS
Seminário Aese - Implementar um processo de LSSSeminário Aese - Implementar um processo de LSS
Seminário Aese - Implementar um processo de LSSPedrodosSantos
 
Fcs de um projeto
Fcs de um projetoFcs de um projeto
Fcs de um projetoSilas Serpa
 
Pmbok
PmbokPmbok
Pmboklcbj
 
Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Deisi Motter
 
[EBOOK] Plano de Projeto
[EBOOK] Plano de Projeto[EBOOK] Plano de Projeto
[EBOOK] Plano de ProjetoLeonardo Souza
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPeter Mello
 
He 2015-03 - mkt adm
He 2015-03 - mkt  admHe 2015-03 - mkt  adm
He 2015-03 - mkt admFlavioCLima
 
A Gerencia Intuitiva
A Gerencia IntuitivaA Gerencia Intuitiva
A Gerencia IntuitivaAbraao Dahis
 
A Gerencia Intuitiva
A Gerencia IntuitivaA Gerencia Intuitiva
A Gerencia Intuitivaguest576a1e
 
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptxanhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptxAlisson Batista
 
Gestão de Projetos de A a Z
Gestão de Projetos de A a ZGestão de Projetos de A a Z
Gestão de Projetos de A a ZFabiano Morais
 
Project builder puc minas
Project builder puc minasProject builder puc minas
Project builder puc minasThiago Reis
 
Toc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosToc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosAragon Vieira
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPjoao87vidal
 
Boas práticas em gestão de cronogramas
Boas práticas em gestão de cronogramasBoas práticas em gestão de cronogramas
Boas práticas em gestão de cronogramasOsvaldo Pedra
 
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirSeminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirPeter Mello
 
Aplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeisAplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeisfayrusm
 

Semelhante a Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto (20)

Seminário Aese - Implementar um processo de LSS
Seminário Aese - Implementar um processo de LSSSeminário Aese - Implementar um processo de LSS
Seminário Aese - Implementar um processo de LSS
 
Fcs de um projeto
Fcs de um projetoFcs de um projeto
Fcs de um projeto
 
Pmbok
PmbokPmbok
Pmbok
 
Gerenciamento de projetos de TI
Gerenciamento de projetos de TIGerenciamento de projetos de TI
Gerenciamento de projetos de TI
 
Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)
 
[EBOOK] Plano de Projeto
[EBOOK] Plano de Projeto[EBOOK] Plano de Projeto
[EBOOK] Plano de Projeto
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 Portfolio
 
Treinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetosTreinamento em gestão de projetos
Treinamento em gestão de projetos
 
He 2015-03 - mkt adm
He 2015-03 - mkt  admHe 2015-03 - mkt  adm
He 2015-03 - mkt adm
 
A Gerencia Intuitiva
A Gerencia IntuitivaA Gerencia Intuitiva
A Gerencia Intuitiva
 
A Gerencia Intuitiva
A Gerencia IntuitivaA Gerencia Intuitiva
A Gerencia Intuitiva
 
Doc.Igor_6
Doc.Igor_6Doc.Igor_6
Doc.Igor_6
 
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptxanhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
 
Gestão de Projetos de A a Z
Gestão de Projetos de A a ZGestão de Projetos de A a Z
Gestão de Projetos de A a Z
 
Project builder puc minas
Project builder puc minasProject builder puc minas
Project builder puc minas
 
Toc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosToc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetos
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GP
 
Boas práticas em gestão de cronogramas
Boas práticas em gestão de cronogramasBoas práticas em gestão de cronogramas
Boas práticas em gestão de cronogramas
 
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - VladimirSeminario Riscos 2006 - Vladimir
Seminario Riscos 2006 - Vladimir
 
Aplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeisAplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeis
 

Mais de Silas Serpa

Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...
Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...
Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...Silas Serpa
 
Criatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdf
Criatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdfCriatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdf
Criatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdfSilas Serpa
 
F4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdf
F4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdfF4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdf
F4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdfSilas Serpa
 
Produtividade Ágil
Produtividade ÁgilProdutividade Ágil
Produtividade ÁgilSilas Serpa
 
Anti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdf
Anti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdfAnti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdf
Anti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdfSilas Serpa
 
Radical Candor - Liderança Humana 2.0.pdf
Radical Candor - Liderança Humana 2.0.pdfRadical Candor - Liderança Humana 2.0.pdf
Radical Candor - Liderança Humana 2.0.pdfSilas Serpa
 
Modelo de Aplicação - Design Organizcional.pdf
Modelo de Aplicação - Design Organizcional.pdfModelo de Aplicação - Design Organizcional.pdf
Modelo de Aplicação - Design Organizcional.pdfSilas Serpa
 
Product owner mais que escrever historias
Product owner   mais que escrever historiasProduct owner   mais que escrever historias
Product owner mais que escrever historiasSilas Serpa
 
Indicadores Ágeis
Indicadores ÁgeisIndicadores Ágeis
Indicadores ÁgeisSilas Serpa
 
Workshop - Agile Coach
Workshop - Agile CoachWorkshop - Agile Coach
Workshop - Agile CoachSilas Serpa
 
Workshop - Fora da caixa
Workshop - Fora da caixaWorkshop - Fora da caixa
Workshop - Fora da caixaSilas Serpa
 
Treinamento Agile Coach
Treinamento Agile CoachTreinamento Agile Coach
Treinamento Agile CoachSilas Serpa
 
Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva Silas Serpa
 
Palestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreaming
Palestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreamingPalestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreaming
Palestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreamingSilas Serpa
 
Desenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon Dreaming
Desenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon DreamingDesenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon Dreaming
Desenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon DreamingSilas Serpa
 
Gerenciamento da configuração
Gerenciamento da configuraçãoGerenciamento da configuração
Gerenciamento da configuraçãoSilas Serpa
 
Curso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms projectCurso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms projectSilas Serpa
 
Controlando valor agregado com o project
Controlando valor agregado com o projectControlando valor agregado com o project
Controlando valor agregado com o projectSilas Serpa
 
Curso de dashboard
Curso de dashboardCurso de dashboard
Curso de dashboardSilas Serpa
 

Mais de Silas Serpa (20)

Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...
Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...
Autogerenciamento, Priorização e produtividade - Tudo se inicia com Senso de ...
 
Criatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdf
Criatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdfCriatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdf
Criatividade e Design Thinking na Gestao de Projetos - FIA - 26-10-23.pdf
 
F4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdf
F4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdfF4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdf
F4P - Agilidade Contra Fome ( Silas Serpa ).pdf
 
Produtividade Ágil
Produtividade ÁgilProdutividade Ágil
Produtividade Ágil
 
Anti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdf
Anti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdfAnti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdf
Anti - Padrões do Planejamento Estratégico.pdf
 
Radical Candor - Liderança Humana 2.0.pdf
Radical Candor - Liderança Humana 2.0.pdfRadical Candor - Liderança Humana 2.0.pdf
Radical Candor - Liderança Humana 2.0.pdf
 
Modelo de Aplicação - Design Organizcional.pdf
Modelo de Aplicação - Design Organizcional.pdfModelo de Aplicação - Design Organizcional.pdf
Modelo de Aplicação - Design Organizcional.pdf
 
Okr
OkrOkr
Okr
 
Product owner mais que escrever historias
Product owner   mais que escrever historiasProduct owner   mais que escrever historias
Product owner mais que escrever historias
 
Indicadores Ágeis
Indicadores ÁgeisIndicadores Ágeis
Indicadores Ágeis
 
Workshop - Agile Coach
Workshop - Agile CoachWorkshop - Agile Coach
Workshop - Agile Coach
 
Workshop - Fora da caixa
Workshop - Fora da caixaWorkshop - Fora da caixa
Workshop - Fora da caixa
 
Treinamento Agile Coach
Treinamento Agile CoachTreinamento Agile Coach
Treinamento Agile Coach
 
Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva Workshop Retrospectiva
Workshop Retrospectiva
 
Palestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreaming
Palestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreamingPalestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreaming
Palestra - Desenvolvimento de projetos colaborativos usando dragon dreaming
 
Desenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon Dreaming
Desenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon DreamingDesenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon Dreaming
Desenvolvimento de projetos colaborativos usando Dragon Dreaming
 
Gerenciamento da configuração
Gerenciamento da configuraçãoGerenciamento da configuração
Gerenciamento da configuração
 
Curso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms projectCurso de gestão de projetos & ms project
Curso de gestão de projetos & ms project
 
Controlando valor agregado com o project
Controlando valor agregado com o projectControlando valor agregado com o project
Controlando valor agregado com o project
 
Curso de dashboard
Curso de dashboardCurso de dashboard
Curso de dashboard
 

Último

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 

Último (20)

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Escopo custo e tempo gerando a qualidade do projeto

  • 1.
  • 2. Sobre o Palestrante Profº Silas Serpa, profissional com a carreira construída na área de Tecnologia da Informação, sendo mais de 15 anos de experiência atuando com gestão de projetos e portfólio, desenvolvimento de soluções, gestão de tecnologia e gestão de projetos e infraestrutura, para empresas de médio e grande porte, dentro e fora do país, dos segmentos de Varejo, Telecom, Setor Público, Mercado Financeiro, Transportes (rodoviário e metroviário) e Prestação de Serviços. Especialista como Gerente de Projetos e (PMO) Escritório de Projetos, alinhado com a Gestão Estratégica da Companhia (Portfólios), bem como na Implantação e/ou reestruturação de Escritórios de Projetos. Gestão dos riscos, desenvolvimento de cronograma, controle de escopo, prazos, custos e qualidade dos projetos. Forte atuação como Scrum Master, focado na estruturação, liderança e aplicação/implementação dos métodos Ágeis em times de fábrica de software dentro das organizações. Habilidade de Negociação e Comunicação, Gestão de Conflitos e Gerenciamento de Crise. Palestrante eventual do PMI e docente em universidades, como FGV, (Gerenciamento de Projetos e Institucional PMI). Articulista sobre temas relacionados a Gerenciamento de Projeto. Contatos silasserpa@icloud.com Telefone (11) 9-4129-6695 Skype : silasserpa https://br.linkedin.com/in/profsilasserpa http://www.profsilasserpa.jimdo.com https://www.facebook.com/profsilasserpa
  • 3. 1. Os primeiros conceitos 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 3. Tríplice Restrição 4. Escopo, Custo e Tempo Agenda 5. Qualidade do Projeto 6. FCS
  • 4.
  • 5. 1. Os primeiros conceitos Projeto O produto ou o serviço é diferente de todos os similares feitos anteriormente Único Todo projeto tem um começo e um fim bem definidos Temporário Progressivo As características de cada projeto são mais detalhadas na medida em que for maior o entendimento do produto ou serviço 1. O que é Projeto
  • 6. 1. Os primeiros conceitos ​GP é possuidor de Capacidade Técnica em Projetos, ser Eterno Insatisfeito, Correr Riscos calculados, Promotor da União garantindo a boa Comunicação, Mover-se além dos limites, Partilhador de méritos, Automotivado, tem Compromisso com a Mudança, gosta do Anonimato e tem Bom Humor. 2. O que é um Gerente de Projetos
  • 7. 1. Os primeiros conceitos 3. Competências de um Gerente de Projeto
  • 8. Total incerteza Incerteza geral Incerteza específica Total certeza Sem informação Completa informação Espectro de Incertezas Unknown Unknowns Known Unknowns Knowns Informação parcial Incerteza Risco Certeza Gerenciamento Contingência Atividades 1. Os primeiros conceitos 4. Como o GP deve tomar decisões em um Projeto
  • 9. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 1. Escolha e adote uma metodologia 2. Comunicar-se com os envolvidos a cada instante 3. Defina o Escopo, Custo ou Esforço e Tempo do projeto e detalhe as atividades 4. Conheça muito bem o seu time 5. Desenvolva o cronograma com os envolvidos, use o espectro das incertezas 6. Monitore os riscos e seja pró-ativo 7. Formalize o início e o encerramento do projeto
  • 10. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 1. Escolha e adote uma metodologia PMI SCRUM Prince2
  • 11. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 2. Comunicar-se com os envolvidos a cada instante  Os gerentes de projetos normalmente gastam um tempo muito grande na comunicação com a equipe do projeto, partes interessadas, cliente e patrocinador  90% do tempo do gerente do projeto é gasto com comunicação
  • 12. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 3. Defina o Escopo, Custo ou Esforço e Tempo do projeto e detalhe as atividades ESCOPO CUSTO ou ESFORÇO TEMPO
  • 13. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 4. Conheça muito bem o seu time Conflitos são inevitáveis, mas podem ser benéficos  São resolvidos através da identificação das causas e envolvendo as pessoas diretamente envolvidas e seu gerente imediato As 7 maiores fontes de conflitos (em ordem)
  • 14. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 5. Desenvolva o cronograma com os envolvidos, use o espectro das incertezas
  • 15. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 6. Monitore os riscos e seja proativo
  • 16. 2. Os 7 Passos da Gestão de Projetos 7. Formalize o início e o encerramento do projeto Início Planejamento Execução Encerramento Monitoramento e Controle
  • 18. 3. Tríplice Restrição (ToC - Theory of Constraints) é um paradigma de gestão que considera qualquer sistema gerenciável como sendo limitado em alcançar mais do que suas metas por um número muito pequeno de restrições. Em projetos ou na operação, você pode focar em três áreas essenciais para produtos ou serviços de qualidade (Escopo, Prazo e Custo). Um produto ou serviço de qualidade provavelmente: • Atende as necessidades implícitas e explícitas do Cliente (Escopo) • É disponibilizado a tempo (Prazo) • Com preço e custos compatíveis (Custo)
  • 19. 3. Tríplice Restrição Custo / Esforço Tempo Escopo Qualidade O que iremos entregar e O que não iremos entregar ? Quanto irá Pagar ? Qual o Esforço dos Recursos é necessário ? Quando iremos entregar ? O que foi Combinado ?
  • 20. 4. Escopo, Custo e Tempo Escopo O que iremos entregar e O que não iremos entregar ? • Prevenir trabalhos extras ou gold plating • Ter claro “Premissas e Restrições” • Defina “Escopo de Projeto” e “Escopo de Produto”
  • 21. 3. Tríplice Restrição Escopo O que iremos entregar e O que não iremos entregar ? • Todas as mudanças, ou solicitações, devem ser registradas. • Se não estiver, a primeira ação a ser tomada é solicitar ao requisitante que registre a solicitação de mudança. • A baseline de escopo somente será alterada se houver uma solicitação de mudança de escopo aprovada. • Deve-se avaliar a mudança sobre todas as demais áreas de conhecimento (custo e tempo) • Não se esqueça, toda mudança de escopo afeta a EAP e, consequentemente todos os processos subsequentes devem ser reavaliados.
  • 23. 3. Tríplice Restrição Tempo Quando iremos entregar ?  Devem ser baseadas na EAP para serem mais precisas  Sempre que possível devem ser realizadas pelas pessoas que vão realizar as atividades  Usar informações históricas é chave para estimativas mais precisas  São mais precisas quando feitas em componentes menores
  • 24. 3. Tríplice Restrição Custo / Esforço Quanto irá Pagar ? Qual o Esforço dos Recursos é necessário ?
  • 25. 3. Tríplice Restrição Custo / Esforço Quanto irá Pagar ? Qual o Esforço dos Recursos é necessário ?  Escopo definido, com restrições de custo, se existir  Diagrama de rede  Tipos de recursos, quantidade e quando eles serão necessários  Plano de gerenciamento de risco pois inclui o custo associado a riscos  Envolve a estimativa dos custos dos recursos necessários para terminar cada atividade do cronograma  Deve ser feita a partir da EAP  Leva-se em consideração os riscos envolvidos em cada atividade  Normalmente expressas em moeda, mas também pode- se usar outros tipos de medida, como por exemplo homem/hora
  • 26. 4. Qualidade do Projeto
  • 27. 4. Qualidade do Projeto A Qualidade em Projetos busca assegurar que o projeto satisfaça as necessidades do cliente e envolve todas atividades do projeto por todo o seu ciclo de vida. O GP deve conscientizar toda equipe sobre a importância de buscar os objetivos da qualidade e para isso, deve oferecer as condições necessárias para que o time possa alcançá-los.
  • 28. 5. FCS 1. Utilizar informações históricas para auxilio de estimativas de recursos 2. Efetuar o Monitoramento do projeto através da Técnica do Valor Agregado (Earned Value Management) 3. Elaborar o Planejamento de Resposta aos Riscos do projeto (registro de riscos ou documento similar) 4. Estabelecer os responsáveis pelas respostas aos riscos 5. Envolver as partes interessadas no esforço de identificação de riscos 6. Realizar a análise quantitativa de riscos 7. Executar as respostas aos riscos planejadas
  • 29. 5. FCS 8. Fazer constar da EAP / Cronograma os processos de aquisição dos itens críticos 9. Detalhar as especificações no nível adequado para o entendimento dos fornecedores 10. Definir os calendários dos recursos 11. Realizar uma reunião de partida (kick-off), antes do inicio da execução do trabalho previsto em um contrato importante do projeto 12. A organização dar a autoridade necessária para o exercício da função do gerente de projeto 13. A organização possuir um projeto ou programa para alcançar a maturidade em gerenciamento de projetos
  • 30. 5. FCS 14. Utilizar o método da cadeia crítica foi para o desenvolvimento do cronograma 15. A equipe de o projeto estar comprometida com o projeto 16. O gerente de o projeto ter gerenciado um projeto de escopo semelhante ao do projeto 17. Utilizar uma ferramenta informatizada de gerenciamento de riscos para calcular os resultados da análise quantitativa
  • 31.
  • 32. Profº Silas Serpa, MBA, PMP, CSM, ITIL, MSP Cel.: (11) 9-4129-6695 Skype : silasserpa https://br.linkedin.com/in/profsilasserpa http://www.profsilasserpa.jimdo.com https://www.facebook.com/profsilasserpa