SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
Aragon Vieira Salvador
Engenheiro especialista em Gestão de Projetos
Agenda
 Apresentação pessoal
 Projetos de Engenharia – Conceitos básicos
Agosto 2016 Aragon Salvador 2
Dê-me uma alavanca e um ponto de apoio e moverei o mundo. Arquimedes
Apresentação pessoal
 Engenheiro de Produção Mecânica com 6 anos de experiência na gestão e desenvolvimento de projetos.
 Atuo no gerenciamento dos projetos, desde a elaboração de orçamentos, propostas técnicas e comerciais, contratos,
planejamento, execução, monitoramento e controle até sua entrega final e aceite do cliente.
 Participei de mais de 36 projetos com grande relevância.
 Atuei em projetos de novas plantas industriais, de melhorias como aumento da capacidade produtiva e eficiência
energética e projetos de EHS (saúde, segurança e meio ambiente).
 Atuei em projetos nas fases da engenharia conceitual, básica e executiva nos segmentos: petroquímico, químico,
mineração, cimento, celulose e papel, óleo e gás, automotivo, bombeiros, alimentício e outros.
 Utilizo no gerenciamento dos Projetos o guia PMBOK do PMI, aplicando os processos, técnicas e ferramentas para
conduzir e atingir os resultados planejados para o sucesso do projeto e tenho conhecimento em metodologia FEL para
projetos.
 Habilidades no gerenciamento da viabilidade econômica, do planejamento, dos riscos, escopos e prazos reduzidos,
visando à redução de custos, melhorias dos processos e qualidade nas entregas do projeto.
 Trabalho em equipe e atuei na liderança em alguns projetos.
 Facilidade no relacionamento com o time, gestores, clientes e fornecedores.
 Gestão e participação de contratos de clientes e fornecedores.
 Habilidade em relatórios de indicadores de desempenho dos projetos para equipes internas, gestores e clientes.
 Domínio em ferramentas de projetos: Excel, MS Project, AutoCAD, WBS tool, etc.
Principais resultados em 2015 e 2016: receita de R$ 3.110.000,00 em projetos, 6 projetos entregues e redução de custo de 20%
nos projetos. Recebi premiação de bônus salarial. Realizei mais de 10 viagens nacionais á trabalho, visitei clientes,
fornecedores e participei de feiras de negócios. Participo ativamente para aplicação de boas práticas de Gestão de Projetos .
Desde 2014, venho me especializando na área de Gerenciamento de Projetos, buscando atuar em projetos de qualquer área
e segmentos do mercado. Estou em processo de certificação PMP (Profissional de Gerenciamento de Projetos) do PMI.
Agosto 2016 Aragon Salvador 3
Conceito de Projeto
Quando uma empresa contratada é escolhida por apresentar as melhores
condições técnicas e comerciais, dá-se início a uma série de atividades que têm
como objetivo produzir as entregas previstas por um contrato de fornecimento.
Essas atividades serão organizadas e restringidas por objetivos e recursos,
atreladas a tempo, qualidade, custo e escopo, impostos por um contrato de
fornecimento, e passará a ser denominada PROJETO. No Guia PMBOK® (2015)
encontramos o seguinte significado: projeto é “um esforço temporário
empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo”. Onde
podemos destacar:
 Temporário: não fazemos projetos que acontecem eternamente, existe um
prazo a ser cumprido e considerado;
 Empreendido: para se alcançar um determinado grupo de objetivos, faz-se
importante empreender (ou investir) recursos e administração;
 Exclusivo: o ineditismo de um projeto é o primeiro grupo de riscos a ser
analisado, se não foi feito ainda (mesmo que se assemelhe em muito com
outros projetos) é preciso se cercar de muitos cuidados para se alcançar o
sucesso objetivado.
Agosto 2016 Aragon Salvador 4
Conceito de Projeto
Ao final do projeto, existirão os produtos (ou
entregas) e as lições aprendidas (o que deu certo, o
que deu errado) ou o aprendizado daquele projeto.
Os produtos serão repassados de maneira
harmoniosa para o cliente (hand over) que à partir
dali se inicia a operação (e/ou manutenção) de cada
entrega. As lições aprendidas serão registradas e
repassadas aos departamentos envolvidos com o
objetivo de melhorar seus processos internos
(processos comerciais e de gestão).
A gestão desse contrato de fornecimento será feita
por meio do planejamento, execução,
monitoramento e ações de correção de desvios e
encerramento (como descrito por Edward Deming
em seu ciclo PDCA – Plan, Do, Check, Act).
Agosto 2016 Aragon Salvador 5
Modelo PDCA
Conceito de Projeto
Agosto 2016 Aragon Salvador 6
Processos de Gestão de um Projeto
Escopo
Tempo
Custo
Qualidade
Projeto de Engenharia
Agosto 2016 Aragon Salvador 7
Projeto de engenharia é o empreendimento (negócio) seja industrial, civil,
comercial ou outros, que deverá acontecer dentro de um prazo estabelecido,
custo negociado, qualidade imposta e escopo acordado entre Contratante e
Contratado. Cabe, porém ao gerente do projeto e sua equipe identificar
corretamente quais são as restrições e premissas do projeto, pois podem, em
raras exceções, serem diferentes destas apontadas (prazo, custo, qualidade e
escopo).
Em projetos de engenharia e construção a contratante pode ser a empresa
usuária (mineradoras, siderúrgicas, refinarias, etc.) ou a subcontratante
(construtoras, empreiteiras, gerenciadoras, etc.). O Contratado é um grupo de
empresas (consórcio) ou uma empresa específica, que domina o know how para
fazer engenharia, comprar, construir, montar, testar e entregar para a Contratante.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 8
O guia PMBOK do PMI com seus 47 processos de gestão de
projetos e os 5 grupos de processos compõem um framework
(guia, padrão, referência) para gerenciamento das fases de um
empreendimento industrial.
 Seja qual for a etapa que estivermos atuando (viabilidade,
engenharia, suprimentos, construção/fabricação, montagem,
pré-operação e entrega), esse framework de gerenciamento
do projeto é aderente e aumenta as chances de sucesso,
facilitando uma comunicação comum e uma gestão única de
interesses envolvidos.
 Ou seja, para construir (ou fabricar) e em seguida fazer a
montagem, o padrão de gestão proposto pelo PMBOK® pode
e deve ser utilizado, adequado a cada tipo de
empreendimento e a cada fase específica, afinal de contas
ele é um framework (mapa mental) que contém as melhores
práticas em se tratando de planejar, executar, monitorar,
controlar e encerrar empreendimentos industriais.
Projeto de Engenharia Industrial
Premissas e Restrições
Agosto 2016 Aragon Salvador 9
Premissa
 Trata-se de tudo que deverá ser considerado como verdadeiro (e necessário) no início
do projeto. As premissas são definidas após pleno conhecimento do objeto do contrato
de construção e montagem, elas serão os primeiros itens a serem tratados como riscos
no projeto, pois o seu adiamento irá adiar também o início do empreendimento.
Alguns exemplos de Premissas em projetos de construção e montagem:
 Canteiro de obras liberado e com utilidades (energia, esgoto, água, contêineres);
 Área do escopo do contrato liberada para início das atividades de construção e
montagem;
 Matéria-prima posta no fabricante;
 Trajeto entre fábrica e local de instalação (site) liberado;
 Diretrizes de planejamento e QSMS estabelecidas;
 Documentos de engenharia finalizados (engenharia detalhada certificada).
Projeto de Engenharia Industrial
Premissas e Restrições
Agosto 2016 Aragon Salvador 10
Restrição
 Os limites do projeto são estabelecidos para que Contratante e Contratado saibam suas
responsabilidades e as fronteiras do fornecimento. As restrições são estabelecidas e negociadas
ainda na fase de proposta, a visita técnica para essa fase deve ser bem criteriosa para entender
todos os limites das entregas. Além das restrições é importante também conhecer os limites de
bateria do projeto, que é a delimitação física da ocupação do projeto.
São exemplos de Restrições para projetos industriais:
 Que determinada montagem só poderá acontecer em horário noturno;
 Que o líder de campo deverá falar inglês e possuir experiência de 25 anos na área de montagem
industrial;
 70% da mão de obra deverão ser contratadas na região.
Alguns limites de bateria (exemplos):
 Serão feitas medições de espessura nas tubulações compreendidas entre a saída do ponto A e
entrada do ponto B;
 Os cabos serão lançados somente nos painéis de supervisão e controle;
 Nas áreas compreendidas entre os Limites de Bateria de instalações industriais e as ruas
adjacentes, não pode haver qualquer tipo de construção, exceto as casas de controle, subestações,
entradas de tubulações, hidrantes, postes de iluminação, os sistemas subterrâneos e canaletas de
drenagem (exemplo retirado na Norma Petrobrás, N.1674- Revisão C – set/98).
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 11
Planejamento
 Diferente do que se pensa, o planejamento não é prever tudo e sim estabelecer um cenário futuro
plausível entre Contratante e Contratado, analisando os riscos e recursos necessários nesse
ambiente futuro. O planejamento gera a linha de base para escopo, qualidade, custo e prazo, ou
seja, trata-se de um acordo entre os envolvidos do projeto para que as expectativas e interesses
possam ser alcançados.
 Uma característica fundamental a ser observada é o fato de o planejamento ser dinâmico e não
apenas uma etapa dos processos de gestão de projetos. No decorrer do prazo do empreendimento,
o planejamento deverá ser atualizado e adequado às linhas de base do projeto (qualidade, custo,
prazo e escopo), traduzidas em documentos com Padrões da Qualidade, EAP, Declaração de
Escopo, Orçamento ,Cronograma e outros. Estes documentos, por sua vez, são como organismos
vivos, que devem ser alimentados e multiplicados, conforme a necessidade do empreendimento e
definido no planejamento do Projeto.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 12
Exemplo de Fases de um Projeto de Grande Porte
Ciclo de processos do PMBOK em cada fase
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 13
Gráfico de Custo de Mudanças em relação ao Tempo no Projeto
Custo aumenta
com o avanço do
Projeto
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 14
EAP – Estrutura Analítica do Projeto
Avaliando o escopo do projeto pode-se optar por desenvolver a Estrutura Analítica de Projetos(E.A.P.)
dividida pelas disciplinas da Engenharia (Arquitetura, Civil, Mecânica, Elétrica, Telecomunicações,
Instrumentação, Estruturas, Tubulação, etc.) que podem contemplar o projeto e subdivida novamente pela
áreas, onde se aplicarão aqueles documentos ou até mesmo por equipamentos de maior volúpia. Os
exemplos abaixo demonstram uma sugestão para essa organização dos documentos ou serviços a
serem prestados e posteriormente essas informações serão utilizadas para compor documentos de
acompanhamento (cronogramas, curvas S, etc.).
EAP de Projeto de Engenharia organizado por áreas, equipamentos e disciplinas
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 15
Gestão do Empreendimento – Stakeholders/Partes Interessadas/Partes
Afetadas
 O Projeto necessitará de uma cadência harmoniosa entre os seus objetivos, os interesses dos
envolvidos, os recursos empenhados, a qualidade exigida, tudo dentro de um prazo estabelecido e
um custo planejado. Para que todas essas variáveis não se tornem problemas para o sucesso do
empreendimento, usa-se uma série de processos de gestão, com o objetivo de administrar
adequadamente o cenário presente.
 Somente por meio de atividades de gestão é que o empreendimento poderá acontecer. Não há
tempo e chance para o acaso, é preciso gerenciar com dedicação a participação dos envolvidos
(stakeholders).
Em um projeto industrial os stakeholders podem ser (não se limitando a eles):
 Usuário final (por parte do Contratante);
 Contratado;
 Equipe de Gestão do Projeto;
 Fornecedores;
 Comunidade;
 Órgãos governamentais locais (prefeitura, secretarias, subprefeituras, departamentos de trânsito,
etc.);
 Órgãos reguladores (ANATEL, ANEEL, IBAMA, ANVISA, ANA, etc.);
 Patrimônio Histórico;
 Polícias Militar, Civil, Meio-ambiente, bombeiros, etc.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 16
Conceito de Projeto Industrial
Projeto Industrial é todo empreendimento composto por uma série de envolvidos, altos valores
econômicos e que seu produto (ou entregas) possa atender aos anseios de algum grupo de investidor
(empresas privadas, governo, misto). Não necessariamente as suas entregas originarão uma fábrica ou
indústria, podemos ter aqui também obras de infraestrutura importantes para um planejamento macro de
um país ou região.
Exemplo de Projeto Industrial – fonte Google
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 17
Características dos projetos industriais
 Os projetos industriais têm características muito peculiares se comparados a outros projetos, até
mesmo dentro de uma mesma organização. Quando a empresa decide ampliar sua produção, uma
série de projetos são iniciados, focados a diretrizes estabelecidas por um plano macro de
crescimento, que pode estar ou não no planejamento estratégico da empresa. Assim os projetos
industriais podem ter as seguintes características:
 Alto volume de recursos;
 Investimento financeiro alto;
 Grande número de envolvidos;
 Complexidade de tecnologias;
 Qualidade exacerbada;
 Limites de bateria e Interfaces;
 Prazo curto;
 Atrelado ao planejamento estratégico da organização;
 Faz parte ou não de um programa;
 Localizado em áreas desprovidas de recursos;
 Cadeia de suprimentos variada;
 Recursos financeiros do estrangeiro;
 Compra de material no mercado nacional ou fora do país e outros.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 18
Fases do Empreendimento – Metodologia dos Processos FEL do IPA
 O Front End Loading ou simplesmente FEL é um processo muito utilizado em execução de
empreendimentos industriais, tecnicamente denominados de projetos de capital. Esses projetos
requerem grandes investimentos e os processos FEL são utilizados com o objetivo de minimizar os
riscos de investimentos em empreendimentos não viáveis e sem atratividade para a organização.
Normalmente, o FEL é utilizado no setor industrial como por exemplo: mineração, siderurgia,
metalurgia, energia e petroquímica, locais onde os projetos são de alta complexidade e de alto custo.
 FEL é um processo que visa esclarecer os objetivos empresariais e potencializar o alinhamento
estratégico entre as iniciativas (empreendimento, objeto ou trabalho a ser desenvolvido) e estes
objetivos, visando otimizar a produtividade através da eliminação de investimentos em projetos não
rentáveis e desalinhados com a estratégia do negócio. O FEL ajuda a definir bem o escopo e gerar
um planejamento detalhado que garanta o mínimo de retrabalho e mudanças durante a fase de
execução dos componentes (projetos, programas e outros trabalhos) do portfólio ou carteira de
projetos da organização.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 19
Fases do Empreendimento – Metodologia
dos Processos FEL
O FEL é dividido em três fases com pontos de análise e
aprovação, chamados de Gates ou portões. Estas fases
são:
 FEL I – corresponde à fase de análise do negócio, cujo
objetivo é avaliar a atratividade e oportunidade de
investimento. Nesta fase, os objetivos do projeto são
alinhados aos objetivos estratégicos da organização.
 FEL II – corresponde à fase de estudo de viabilidade
técnica e econômica. Esta fase é responsável em
selecionar as alternativas (opções para desenvolver as
iniciativas), estratégia de contratação e seleção
tecnológica.
 FEL III – corresponde à fase de engenharia básica
(primeira fase da implantação de um projeto onde são
revistos os trabalhos de engenharia preliminar que
consiste em estudos de viabilidade, lista de
equipamentos, fluxogramas e layouts) e visa o
desenvolvimento do projeto básico e do planejamento
da execução do projeto. Nesta fase, o escopo é
fechado através do detalhamento do produto.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 20
Fases do Empreendimento – Metodologia dos Processos FEL
No final de cada uma delas, é exigido uma APROVAÇÃO formal da alta gerência, do PMO estratégico ou
da diretoria, representada aqui por um PORTÃO ou GATE.
Nesse momento, o conselho avalia as entregáveis da etapa em questão. A principal entrega e o grande
diferencial da metodologia, diz respeito à qualidade e estreita margem de erro do orçamento em relação
ao custo real do projeto. A cada fase de validação representado pelos portões (Gates), o parecer do
conselho permite apenas três resultados:
1. Aprovado para continuar seu caminho à etapa seguinte (permissão para atravessar o portão);
2. Abortar o projeto; ou
3. Reavaliar o empreendimento.
Somente após o projeto ter
passado pelos três portões, e ter
tido sua aprovação final, ele
estará pronto para entrar na fase
de execução e operação.
Front End Loading (FEL) e as fases do empreendimento industrial
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 21
Fases de um empreendimento
industrial típico
 Todo empreendimento industrial é
divido em fases e, geralmente, são as
que estão ao lado elencadas. Cabe
ressaltar que os nomes podem ser
diferentes, dependendo do setor de
atuação, porém a essência é sempre
a mesma, isto é, uma etapa
relativamente à viabilidade
econômica, uma dedicada à
visualização técnica do tema, outra
detalhando o projeto, definição do
que será comprado e quando, a
efetiva construção e montagem e,
finalmente, uma etapa dedicada a
testes operacionais e de
funcionalidade para verificação se o
que foi construído e montado, atinge
as metas técnicas estabelecidas nas
normas e especificações técnicas.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 22
Projeto Conceitual
Na fase de projeto conceitual é dada maior atenção aos aspectos de processo que consolidam as
características futuras desejadas para a operação das fábricas, bem como a adaptabilidade dos novos
equipamentos e componentes.
O projeto conceitual é desenvolvido nos escritórios das empresas pelos engenheiros, projetistas e
desenhistas. Essa etapa contempla as seguintes atividades: estudos de processos e layout,
dimensionamento, desenvolvimento de desenhos ,desenvolvimento de especificações técnicas e outros.
Geralmente na etapa de projeto conceitual os seguintes documentos são desenvolvidos:
 Relatório de projeto conceitual;
 Fluxogramas de processo e engenharia;
 Desenhos de arranjo;
 Especificações de equipamentos e componentes;
 Listas de equipamentos;
 Listas de materiais de construção;
 Especificação técnica de equipamentos;
 Folhas de dados.
Ponto importante é que os documentos emitidos devem ser cuidadosamente analisados pelo contratante e
contratada com vistas à emissão de comentários e inclusão de melhorias. Este processo de comentários
pode gerar a necessidade de revisar alguns documentos. Essas revisões são atendidas no inicio do
desenvolvimento da etapa de projeto básico.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 23
Projeto Básico
A próxima etapa realizada pela empresa é o projeto básico.
O objetivo desta fase é permitir ao cliente a visualização quantitativa dos investimentos necessários para a
implementação do projeto. Todos os ajustes necessários de desenhos e especificações são executados
nesta etapa, sendo emitidos documentos novos e revisados pelos contratantes, para que eles possam
levantar o custo de fabricação e/ou aquisição de equipamentos e componentes no mercado. Recebidas
todas as cotações, a empresa aguarda pela tomada de decisão do contratante, que avalia se deve ou não
continuar com o projeto. Caso este projeto tenha ultrapassados seus limites de planejamentos de custos, o
cliente solicita a empresa uma alternativa para que os custos se enquadrem no seu planejamento inicial,
quando essa alternativa não é viável o cliente pode decidir pelo cancelamento do projeto.
Na etapa de projeto básico os seguintes documentos, novos ou revisados, são emitidos:
 Relatório de projeto básico;
 Fluxogramas de processo e engenharia;
 Desenhos para cotação;
 Desenhos de arranjo;
 Desenhos de conjunto;
 Especificações de equipamentos e componentes para cotação;
 Listas de equipamentos;
 Listas de materiais de construção;
 Especificação técnica de equipamentos;
 Folhas de dados.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 24
Projeto Detalhado ou Executivo
Assim que aprovado a etapa de projeto básico, deve-se dar inicio ao desenvolvimento da etapa de projeto
detalhado. Esta etapa é dada maior atenção para os aspectos de fabricação, montagem, operação e
manutenção dos novos equipamentos e componentes. Para o detalhamento do projeto a empresa
necessita receber uma série de documentos dos fornecedores de equipamentos e componentes, os quais
são indispensáveis para a elaboração do projeto detalhado. Esses documentos são muito importantes, pois
caso apresentem qualquer tipo de problema ou não forem entregues na data especificada, podem
comprometer todo o desenvolvimento do restante do projeto e o prazo final de entrega.
Geralmente ocorrem mudanças no escopo, como por exemplo: mudança dos equipamentos ou alguns
ajustes no dimensional de equipamentos e componentes. Caso o escopo sofra alguma mudança, revisões
ou novos documentos devem ser desenvolvidos. Todos os desenhos e documentos técnicos dos
fornecedores devem estar certificados para fabricação. Na etapa de projeto detalhado os seguintes
documentos são desenvolvidos:
 Relatório de projeto detalhado (Aprovado);
 Memorial descritivo de montagem mecânica, elétrica, civil, etc. (Aprovados);
 Fluxogramas de processo e engenharia (Aprovados);
 Desenhos de arranjo , conjunto, detalhes e fabricação; ( Aprovados);
 Especificações de equipamentos e componentes para fabricação (Aprovados);
 Listas de equipamentos (Aprovados);
 Listas de materiais de construção ( Aprovados);
 Folhas de dados ( Aprovados).
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 25
Engenharia Básica
 Definição exata da(s) característica(s) do produto(s) e processos;
 Engenharia conceitual - que define a concepção da fábrica, como, por exemplo, optar entre uma linha
de processo para 50t/dia e duas linhas de 25t/dia, em uma indústria química;
 Projeto básico - que define o fluxo de produção, as unidades auxiliares e os parâmetros básicos de
cada equipamento ou conjunto de equipamentos. O projeto básico deve conter os fluxogramas
qualitativos e quantitativos de equipamentos, fluxogramas de engenharia e processos, arranjo físico,
balanços de massa, energia e de utilidades, esquemas de transporte interno, definição das
características dos sistemas de utilidades, digramas de tubulações, uni filares e de instrumentação e
definição dos fatores de produção, incluindo mão de obra;
 Revisão dos parâmetros econômicos: investimentos, recursos, análise financeira,etc.
Engenharia de compras
 Agora em posse das especificações do projeto básico, é possível pesquisar entre os fabricantes quais
são os modelos disponíveis de equipamentos que se adaptam ao processo. Também envolve a
composição de todos os suprimentos necessários às instalações industriais e só é possível após a sua
caracterização na engenharia de detalhamento.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 26
Engenharia de detalhamento
Caracteriza-se por ser um conjunto de documentos com os detalhes da interligação, desenhos de plantas
de localização, arranjos físicos com cortes, vistas, elevações, desenhos de fabricação e montagem, listas
de materiais, especificações de instalações (elétricas, hidráulicas, de vapor e outras) e seus materiais,
projetos arquitetônicos, cálculo estrutural, entre outros. O projeto deve ser detalhado suficientemente para
permitir a montagem com segurança
Montagem
É a materialização de tudo o que até então havia sido feito no papel. O grau de liberdade da fase de
montagem é inversamente proporcional ao grau de detalhamento do projeto.
Projeto organizacional
Tem objetivo deixar a nova empresa ou unidade operacionalmente pronta antes da fase de “posta em
marcha”. Para tanto, é necessário definir organograma, funções, e a necessidade de recursos de cada
setor, além de contratá-los e treiná-los. Essa é uma etapa que deve acontecer paralelamente à
implantação, para não afetar a etapa final, de colocação em marcha.
Posta em Marcha e Comissionamento
É a fase da partida das máquinas, é o momento em que são analisados principalmente: o desempenho de
equipamentos, a qualidade dos produtos, a adequação de matérias- primas e adequação da mão de obra.
Gerenciamento da Implantação
Administração de todo o processo de: implantação, de planejamento e controle do andamento. É uma
função que tem importância diretamente proporcional ao porte do projeto.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 27
Etapas de Construção e Montagem
Conceito de Construção
 Construção ou fabricação trata-se da etapa de processar a matéria-prima adquirida na fase de suprimentos e
transformá-la no produto final ou parcial. Na fase de construção ou fabricação o projeto detalhado (executivo) será
posto em ação para o desenvolvimento do empreendimento.
Dá-se o nome de construção mais comumente para:
o Obras civis (pontes, viadutos, acessos, etc.);
o Galpões;
o Prédios;
o Estacionamento, cantina, enfermaria, área de estoque;
o Superestruturas para receber equipamentos e outros.
Dá-se o nome de fabricação mais comumente para:
o Equipamentos;
o Parte de equipamentos;
o Estruturas metálicas e tubulação;
o Estruturas de concreto.
Na arquitetura e na engenharia, a construção é a execução do projeto previamente elaborado, seja de uma edificação ou de
uma obra de arte, que são obras de maior porte destinadas a infraestrutura como pontes, viadutos ou túneis. É a execução
de todas as etapas do projeto da fundação ao acabamento. Consistem em construir o que consta em projeto, respeitando as
técnicas construtivas e as normas técnicas vigentes.
O mesmo conceito pode ser aplicado para a fabricação, o que será também executado conforme técnicas de fabricação e
normas técnicas vigentes. Trata-se da execução de todas as etapas do processamento da matéria-prima, montagem de
subconjuntos, instalação de instrumentos e sistemas supervisórios.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 28
Etapas de Construção e Montagem
Exemplo de uma EAP de uma obra típica de Construção e Montagem
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 29
Conceito de Montagem
Para Fernandas (2009) “A montagem
industrial, montagem eletromecânica ou
simplesmente montagem, tem aplicação em
todos os tipos de instalações industriais, não
somente na implantação de novas unidades,
mas também na ampliação, reforma e
manutenção das já existentes”.
A montagem executa a união lógica e física
das partes de uma instalação. Física por ser
o agrupamento de partes de um equipamento
ou sistema de máquinas maior por uso de
soldas, união de flanges numa tubulação,
torqueamento de parafusos, assentamento
em base civil de uma máquina, etc. Lógica,
por unir sistemas de instrumentação,
automação, circuitos elétricos e eletrônicos,
utilizando ou não ligações físicas.
Nos próximos slides alguns exemplos de
projetos.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 30
Exemplo de Projeto Isométrico de Tubulação industrial
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 31
Exemplo de Projeto vista de planta de unidade de processo industrial
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 32
Exemplo de Projeto vista de elevação de unidade de processo industrial
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 33
Projeto 3D fábrica de reciclagem de plástico, utilizado no meu TCC.
Projeto de Engenharia Industrial
Agosto 2016 Aragon Salvador 34
Projeto 3D fábrica de reciclagem de plástico, vista interna da fábrica.
Gestão de projetos de engenharia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 17 parte 4 bdi
Aula 17   parte 4 bdiAula 17   parte 4 bdi
Aula 17 parte 4 bdiFelipe Petit
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obrasAlan Santos
 
Noções de Orçamento e Planejamento de Obras
Noções de Orçamento e Planejamento de ObrasNoções de Orçamento e Planejamento de Obras
Noções de Orçamento e Planejamento de ObrasGéssica Bueno
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosAnderson Pontes
 
Apostila gestão de projetos
Apostila   gestão de projetosApostila   gestão de projetos
Apostila gestão de projetosCamila Oliveira
 
NBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
NBR 6492 94 - Representão de Projeto ArquitetônicoNBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
NBR 6492 94 - Representão de Projeto ArquitetônicoThaynara Ferraz
 
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de ProjetosAula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de ProjetosAyslanAnholon
 
Inst. agua fria predial hidraulica
Inst. agua fria predial   hidraulicaInst. agua fria predial   hidraulica
Inst. agua fria predial hidraulicaPriscilla Scura
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPMY TECNOLOGIA LTDA
 
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02   introducao engenharia civilAulas 01 e 02   introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civilSilas Rocha
 
Corte - Arquitetura
Corte - ArquiteturaCorte - Arquitetura
Corte - Arquiteturahique314
 
Cortes e fachadas
Cortes e fachadasCortes e fachadas
Cortes e fachadasYuri Daher
 

Mais procurados (20)

Aula 17 parte 4 bdi
Aula 17   parte 4 bdiAula 17   parte 4 bdi
Aula 17 parte 4 bdi
 
Planta baixa
Planta baixaPlanta baixa
Planta baixa
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
PMBOK
PMBOKPMBOK
PMBOK
 
Noções de Orçamento e Planejamento de Obras
Noções de Orçamento e Planejamento de ObrasNoções de Orçamento e Planejamento de Obras
Noções de Orçamento e Planejamento de Obras
 
Aula 02 Planejamento e Controle de Obras
Aula 02 Planejamento e Controle de ObrasAula 02 Planejamento e Controle de Obras
Aula 02 Planejamento e Controle de Obras
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Apostila gestão de projetos
Apostila   gestão de projetosApostila   gestão de projetos
Apostila gestão de projetos
 
NBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
NBR 6492 94 - Representão de Projeto ArquitetônicoNBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
NBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
 
Gestão de Obras
Gestão de ObrasGestão de Obras
Gestão de Obras
 
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de ProjetosAula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
 
Inst. agua fria predial hidraulica
Inst. agua fria predial   hidraulicaInst. agua fria predial   hidraulica
Inst. agua fria predial hidraulica
 
Gerenciamento do Escopo em Projetos
Gerenciamento do Escopo em ProjetosGerenciamento do Escopo em Projetos
Gerenciamento do Escopo em Projetos
 
Modelo de plano de ação
Modelo de plano de açãoModelo de plano de ação
Modelo de plano de ação
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacional
 
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02   introducao engenharia civilAulas 01 e 02   introducao engenharia civil
Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil
 
Corte - Arquitetura
Corte - ArquiteturaCorte - Arquitetura
Corte - Arquitetura
 
Cortes e fachadas
Cortes e fachadasCortes e fachadas
Cortes e fachadas
 
Cronograma físico financeiro, tutorial
Cronograma físico financeiro, tutorialCronograma físico financeiro, tutorial
Cronograma físico financeiro, tutorial
 
Fundamentos da Gestão de Projetos
Fundamentos da Gestão de ProjetosFundamentos da Gestão de Projetos
Fundamentos da Gestão de Projetos
 

Destaque

Projeto Água Nova
Projeto Água NovaProjeto Água Nova
Projeto Água NovaMarco Coghi
 
1.ClassificaçãO De Investimentos
1.ClassificaçãO De Investimentos1.ClassificaçãO De Investimentos
1.ClassificaçãO De InvestimentosFineduc
 
9 Projeto conceitual
9 Projeto conceitual9 Projeto conceitual
9 Projeto conceitualMarcel Gois
 
Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3ABCursos OnLine
 
Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3
Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3
Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3ABCursos OnLine
 
Projeto de Gestão de Entrega com baixas online
Projeto de Gestão de Entrega com baixas onlineProjeto de Gestão de Entrega com baixas online
Projeto de Gestão de Entrega com baixas onlineRoberson Buffulin
 
Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3ABCursos OnLine
 
Curso de gestão de pessoal parte 5/5
Curso de gestão de pessoal   parte 5/5Curso de gestão de pessoal   parte 5/5
Curso de gestão de pessoal parte 5/5ABCursos OnLine
 
Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...
Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...
Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...Carlos Dias
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICASirleitr
 
Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software
Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software 	Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software
Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software UFPA
 
Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016
Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016
Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016Victor Hugo Germano
 
O gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânica
O gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânicaO gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânica
O gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânicaDouglas Pinho
 
10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto Detalhado10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto DetalhadoMarcel Gois
 
Template Declaracao Escopo do Projeto
Template Declaracao Escopo do ProjetoTemplate Declaracao Escopo do Projeto
Template Declaracao Escopo do ProjetoValter Vasconcelos
 

Destaque (20)

O Que é Projeto?
 O Que é Projeto? O Que é Projeto?
O Que é Projeto?
 
Projeto Água Nova
Projeto Água NovaProjeto Água Nova
Projeto Água Nova
 
1.ClassificaçãO De Investimentos
1.ClassificaçãO De Investimentos1.ClassificaçãO De Investimentos
1.ClassificaçãO De Investimentos
 
9 Projeto conceitual
9 Projeto conceitual9 Projeto conceitual
9 Projeto conceitual
 
Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 3/3
 
Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3
Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3
Curso de Gestão do tempo -Parte 2/3
 
Projeto de Gestão de Entrega com baixas online
Projeto de Gestão de Entrega com baixas onlineProjeto de Gestão de Entrega com baixas online
Projeto de Gestão de Entrega com baixas online
 
Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3
Curso de Gestão do tempo - Parte 1/3
 
Ebook departamento-pessoal
Ebook departamento-pessoalEbook departamento-pessoal
Ebook departamento-pessoal
 
Curso de gestão de pessoal parte 5/5
Curso de gestão de pessoal   parte 5/5Curso de gestão de pessoal   parte 5/5
Curso de gestão de pessoal parte 5/5
 
Time Management Part 2
Time Management Part 2Time Management Part 2
Time Management Part 2
 
Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...
Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...
Gestão de Projetos De engenharia - (TAP) TERMO DE ABERTURA DE PROJETO-PRESTAÇ...
 
Gestão de Projetos
Gestão de ProjetosGestão de Projetos
Gestão de Projetos
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
 
Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software
Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software 	Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software
Design Thinking em Projetos de Engenharia de Software
 
Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016
Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016
Auto-gestão, negócios e produtividade - Agile Floripa 2016
 
ApresentaçãO Projeto Industrial
ApresentaçãO Projeto IndustrialApresentaçãO Projeto Industrial
ApresentaçãO Projeto Industrial
 
O gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânica
O gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânicaO gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânica
O gerenciamento em tempo real da manutenção centrada em confiabilidade mecânica
 
10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto Detalhado10 D Projeto Detalhado
10 D Projeto Detalhado
 
Template Declaracao Escopo do Projeto
Template Declaracao Escopo do ProjetoTemplate Declaracao Escopo do Projeto
Template Declaracao Escopo do Projeto
 

Semelhante a Gestão de projetos de engenharia

Gestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos HibridaGestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos HibridaAragon Vieira
 
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosGestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosAntonio Marcos Montai Messias
 
Projeto e Construção da Nova Sede do Escritório de Engenharia
Projeto e Construção da Nova Sede do Escritório de EngenhariaProjeto e Construção da Nova Sede do Escritório de Engenharia
Projeto e Construção da Nova Sede do Escritório de EngenhariaMarco Coghi
 
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de ProjetosElaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetoselonvila
 
Gestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos ComplexosGestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos ComplexosGUGP SUCESU-RS
 
Pmbok
PmbokPmbok
Pmboklcbj
 
Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...
Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...
Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...Anderson Garcia
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010Gilda Almeida Sandes
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPeter Mello
 
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Projetos e TI
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPjoao87vidal
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010Gilda Almeida Sandes
 
Projeto Integração
Projeto IntegraçãoProjeto Integração
Projeto IntegraçãoMarco Coghi
 
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...Carlos Alberto Alves
 
Eduardo Benatti CV 2012
Eduardo Benatti   CV   2012Eduardo Benatti   CV   2012
Eduardo Benatti CV 2012Ebenatti
 

Semelhante a Gestão de projetos de engenharia (20)

Gestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos HibridaGestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos Hibrida
 
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosGestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
 
Projeto e Construção da Nova Sede do Escritório de Engenharia
Projeto e Construção da Nova Sede do Escritório de EngenhariaProjeto e Construção da Nova Sede do Escritório de Engenharia
Projeto e Construção da Nova Sede do Escritório de Engenharia
 
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de ProjetosElaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
 
Gestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos ComplexosGestão de Custos em Projetos Complexos
Gestão de Custos em Projetos Complexos
 
Gestao Projetos - Aula 02
Gestao Projetos - Aula 02Gestao Projetos - Aula 02
Gestao Projetos - Aula 02
 
Pmbok
PmbokPmbok
Pmbok
 
Pm bok x prince2
Pm bok x prince2Pm bok x prince2
Pm bok x prince2
 
Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...
Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...
Como a Pré-Construção influencia o desempenho dos Data Centers. Por Anderson ...
 
Gestão de Projetos
Gestão de ProjetosGestão de Projetos
Gestão de Projetos
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
 
Implantação de um PMO modelo Canvas
Implantação de um PMO modelo CanvasImplantação de um PMO modelo Canvas
Implantação de um PMO modelo Canvas
 
Project
ProjectProject
Project
 
Pmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 PortfolioPmi Global 2008 Portfolio
Pmi Global 2008 Portfolio
 
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
Webaula 50 - Como Definir e Controlar o Escopo de um Projeto – O Papel Fundam...
 
Conceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GPConceitos gerais de GP
Conceitos gerais de GP
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
 
Projeto Integração
Projeto IntegraçãoProjeto Integração
Projeto Integração
 
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
 
Eduardo Benatti CV 2012
Eduardo Benatti   CV   2012Eduardo Benatti   CV   2012
Eduardo Benatti CV 2012
 

Mais de Aragon Vieira

DMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - Lean
DMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - LeanDMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - Lean
DMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - LeanAragon Vieira
 
Modelo de User Stories - Ágil
Modelo de User Stories - ÁgilModelo de User Stories - Ágil
Modelo de User Stories - ÁgilAragon Vieira
 
Modelo de Sprint Backlog
Modelo de Sprint BacklogModelo de Sprint Backlog
Modelo de Sprint BacklogAragon Vieira
 
Como fazer a gestão do Time de Desenvolvimento
Como fazer a gestão do Time de DesenvolvimentoComo fazer a gestão do Time de Desenvolvimento
Como fazer a gestão do Time de DesenvolvimentoAragon Vieira
 
Gerenciamento de Portfólio de Projetos
Gerenciamento de Portfólio de ProjetosGerenciamento de Portfólio de Projetos
Gerenciamento de Portfólio de ProjetosAragon Vieira
 
Modelo - Termo de abertura de projeto
 Modelo  - Termo de abertura de projeto   Modelo  - Termo de abertura de projeto
Modelo - Termo de abertura de projeto Aragon Vieira
 
Modelo de Roadmap de Produto
Modelo de Roadmap de ProdutoModelo de Roadmap de Produto
Modelo de Roadmap de ProdutoAragon Vieira
 
Modelo de backlog de sprint - Scrum
Modelo de backlog de sprint - ScrumModelo de backlog de sprint - Scrum
Modelo de backlog de sprint - ScrumAragon Vieira
 
Gráfico de produtividade Time de desenvolvimento - modelo
Gráfico de produtividade   Time de desenvolvimento - modeloGráfico de produtividade   Time de desenvolvimento - modelo
Gráfico de produtividade Time de desenvolvimento - modeloAragon Vieira
 
Modelo Roadmap de produto - template
Modelo Roadmap de produto - templateModelo Roadmap de produto - template
Modelo Roadmap de produto - templateAragon Vieira
 
EAP - Estrutura analítica de projetos
EAP -  Estrutura analítica de projetosEAP -  Estrutura analítica de projetos
EAP - Estrutura analítica de projetosAragon Vieira
 
Toc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosToc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosAragon Vieira
 
Colocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em práticaColocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em práticaAragon Vieira
 
Visão do Produto no Scrum
Visão do Produto no ScrumVisão do Produto no Scrum
Visão do Produto no ScrumAragon Vieira
 
Projeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de SoftwareProjeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de SoftwareAragon Vieira
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficeAragon Vieira
 
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresMetodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresAragon Vieira
 
Fluxograma processo - desenvolvimento de software
Fluxograma   processo - desenvolvimento de softwareFluxograma   processo - desenvolvimento de software
Fluxograma processo - desenvolvimento de softwareAragon Vieira
 

Mais de Aragon Vieira (20)

DMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - Lean
DMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - LeanDMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - Lean
DMAIC - Ferramentas para projetos Six Sigma - Lean
 
Modelo de User Stories - Ágil
Modelo de User Stories - ÁgilModelo de User Stories - Ágil
Modelo de User Stories - Ágil
 
Modelo de Sprint Backlog
Modelo de Sprint BacklogModelo de Sprint Backlog
Modelo de Sprint Backlog
 
Como fazer a gestão do Time de Desenvolvimento
Como fazer a gestão do Time de DesenvolvimentoComo fazer a gestão do Time de Desenvolvimento
Como fazer a gestão do Time de Desenvolvimento
 
Gerenciamento de Portfólio de Projetos
Gerenciamento de Portfólio de ProjetosGerenciamento de Portfólio de Projetos
Gerenciamento de Portfólio de Projetos
 
Modelo - Termo de abertura de projeto
 Modelo  - Termo de abertura de projeto   Modelo  - Termo de abertura de projeto
Modelo - Termo de abertura de projeto
 
Modelo de Roadmap de Produto
Modelo de Roadmap de ProdutoModelo de Roadmap de Produto
Modelo de Roadmap de Produto
 
Modelo de backlog de sprint - Scrum
Modelo de backlog de sprint - ScrumModelo de backlog de sprint - Scrum
Modelo de backlog de sprint - Scrum
 
Gráfico de produtividade Time de desenvolvimento - modelo
Gráfico de produtividade   Time de desenvolvimento - modeloGráfico de produtividade   Time de desenvolvimento - modelo
Gráfico de produtividade Time de desenvolvimento - modelo
 
Modelo Roadmap de produto - template
Modelo Roadmap de produto - templateModelo Roadmap de produto - template
Modelo Roadmap de produto - template
 
EAP - Estrutura analítica de projetos
EAP -  Estrutura analítica de projetosEAP -  Estrutura analítica de projetos
EAP - Estrutura analítica de projetos
 
Toc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetosToc aplicada a gestão de projetos
Toc aplicada a gestão de projetos
 
Colocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em práticaColocando o Scrum em prática
Colocando o Scrum em prática
 
Visão do Produto no Scrum
Visão do Produto no ScrumVisão do Produto no Scrum
Visão do Produto no Scrum
 
Projeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de SoftwareProjeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de Software
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
 
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresMetodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
 
Framework Scrum
Framework   ScrumFramework   Scrum
Framework Scrum
 
Framework PMO
Framework  PMOFramework  PMO
Framework PMO
 
Fluxograma processo - desenvolvimento de software
Fluxograma   processo - desenvolvimento de softwareFluxograma   processo - desenvolvimento de software
Fluxograma processo - desenvolvimento de software
 

Último

Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxTherionAkkad2
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 

Último (7)

Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 

Gestão de projetos de engenharia

  • 1. Aragon Vieira Salvador Engenheiro especialista em Gestão de Projetos
  • 2. Agenda  Apresentação pessoal  Projetos de Engenharia – Conceitos básicos Agosto 2016 Aragon Salvador 2 Dê-me uma alavanca e um ponto de apoio e moverei o mundo. Arquimedes
  • 3. Apresentação pessoal  Engenheiro de Produção Mecânica com 6 anos de experiência na gestão e desenvolvimento de projetos.  Atuo no gerenciamento dos projetos, desde a elaboração de orçamentos, propostas técnicas e comerciais, contratos, planejamento, execução, monitoramento e controle até sua entrega final e aceite do cliente.  Participei de mais de 36 projetos com grande relevância.  Atuei em projetos de novas plantas industriais, de melhorias como aumento da capacidade produtiva e eficiência energética e projetos de EHS (saúde, segurança e meio ambiente).  Atuei em projetos nas fases da engenharia conceitual, básica e executiva nos segmentos: petroquímico, químico, mineração, cimento, celulose e papel, óleo e gás, automotivo, bombeiros, alimentício e outros.  Utilizo no gerenciamento dos Projetos o guia PMBOK do PMI, aplicando os processos, técnicas e ferramentas para conduzir e atingir os resultados planejados para o sucesso do projeto e tenho conhecimento em metodologia FEL para projetos.  Habilidades no gerenciamento da viabilidade econômica, do planejamento, dos riscos, escopos e prazos reduzidos, visando à redução de custos, melhorias dos processos e qualidade nas entregas do projeto.  Trabalho em equipe e atuei na liderança em alguns projetos.  Facilidade no relacionamento com o time, gestores, clientes e fornecedores.  Gestão e participação de contratos de clientes e fornecedores.  Habilidade em relatórios de indicadores de desempenho dos projetos para equipes internas, gestores e clientes.  Domínio em ferramentas de projetos: Excel, MS Project, AutoCAD, WBS tool, etc. Principais resultados em 2015 e 2016: receita de R$ 3.110.000,00 em projetos, 6 projetos entregues e redução de custo de 20% nos projetos. Recebi premiação de bônus salarial. Realizei mais de 10 viagens nacionais á trabalho, visitei clientes, fornecedores e participei de feiras de negócios. Participo ativamente para aplicação de boas práticas de Gestão de Projetos . Desde 2014, venho me especializando na área de Gerenciamento de Projetos, buscando atuar em projetos de qualquer área e segmentos do mercado. Estou em processo de certificação PMP (Profissional de Gerenciamento de Projetos) do PMI. Agosto 2016 Aragon Salvador 3
  • 4. Conceito de Projeto Quando uma empresa contratada é escolhida por apresentar as melhores condições técnicas e comerciais, dá-se início a uma série de atividades que têm como objetivo produzir as entregas previstas por um contrato de fornecimento. Essas atividades serão organizadas e restringidas por objetivos e recursos, atreladas a tempo, qualidade, custo e escopo, impostos por um contrato de fornecimento, e passará a ser denominada PROJETO. No Guia PMBOK® (2015) encontramos o seguinte significado: projeto é “um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo”. Onde podemos destacar:  Temporário: não fazemos projetos que acontecem eternamente, existe um prazo a ser cumprido e considerado;  Empreendido: para se alcançar um determinado grupo de objetivos, faz-se importante empreender (ou investir) recursos e administração;  Exclusivo: o ineditismo de um projeto é o primeiro grupo de riscos a ser analisado, se não foi feito ainda (mesmo que se assemelhe em muito com outros projetos) é preciso se cercar de muitos cuidados para se alcançar o sucesso objetivado. Agosto 2016 Aragon Salvador 4
  • 5. Conceito de Projeto Ao final do projeto, existirão os produtos (ou entregas) e as lições aprendidas (o que deu certo, o que deu errado) ou o aprendizado daquele projeto. Os produtos serão repassados de maneira harmoniosa para o cliente (hand over) que à partir dali se inicia a operação (e/ou manutenção) de cada entrega. As lições aprendidas serão registradas e repassadas aos departamentos envolvidos com o objetivo de melhorar seus processos internos (processos comerciais e de gestão). A gestão desse contrato de fornecimento será feita por meio do planejamento, execução, monitoramento e ações de correção de desvios e encerramento (como descrito por Edward Deming em seu ciclo PDCA – Plan, Do, Check, Act). Agosto 2016 Aragon Salvador 5 Modelo PDCA
  • 6. Conceito de Projeto Agosto 2016 Aragon Salvador 6 Processos de Gestão de um Projeto Escopo Tempo Custo Qualidade
  • 7. Projeto de Engenharia Agosto 2016 Aragon Salvador 7 Projeto de engenharia é o empreendimento (negócio) seja industrial, civil, comercial ou outros, que deverá acontecer dentro de um prazo estabelecido, custo negociado, qualidade imposta e escopo acordado entre Contratante e Contratado. Cabe, porém ao gerente do projeto e sua equipe identificar corretamente quais são as restrições e premissas do projeto, pois podem, em raras exceções, serem diferentes destas apontadas (prazo, custo, qualidade e escopo). Em projetos de engenharia e construção a contratante pode ser a empresa usuária (mineradoras, siderúrgicas, refinarias, etc.) ou a subcontratante (construtoras, empreiteiras, gerenciadoras, etc.). O Contratado é um grupo de empresas (consórcio) ou uma empresa específica, que domina o know how para fazer engenharia, comprar, construir, montar, testar e entregar para a Contratante.
  • 8. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 8 O guia PMBOK do PMI com seus 47 processos de gestão de projetos e os 5 grupos de processos compõem um framework (guia, padrão, referência) para gerenciamento das fases de um empreendimento industrial.  Seja qual for a etapa que estivermos atuando (viabilidade, engenharia, suprimentos, construção/fabricação, montagem, pré-operação e entrega), esse framework de gerenciamento do projeto é aderente e aumenta as chances de sucesso, facilitando uma comunicação comum e uma gestão única de interesses envolvidos.  Ou seja, para construir (ou fabricar) e em seguida fazer a montagem, o padrão de gestão proposto pelo PMBOK® pode e deve ser utilizado, adequado a cada tipo de empreendimento e a cada fase específica, afinal de contas ele é um framework (mapa mental) que contém as melhores práticas em se tratando de planejar, executar, monitorar, controlar e encerrar empreendimentos industriais.
  • 9. Projeto de Engenharia Industrial Premissas e Restrições Agosto 2016 Aragon Salvador 9 Premissa  Trata-se de tudo que deverá ser considerado como verdadeiro (e necessário) no início do projeto. As premissas são definidas após pleno conhecimento do objeto do contrato de construção e montagem, elas serão os primeiros itens a serem tratados como riscos no projeto, pois o seu adiamento irá adiar também o início do empreendimento. Alguns exemplos de Premissas em projetos de construção e montagem:  Canteiro de obras liberado e com utilidades (energia, esgoto, água, contêineres);  Área do escopo do contrato liberada para início das atividades de construção e montagem;  Matéria-prima posta no fabricante;  Trajeto entre fábrica e local de instalação (site) liberado;  Diretrizes de planejamento e QSMS estabelecidas;  Documentos de engenharia finalizados (engenharia detalhada certificada).
  • 10. Projeto de Engenharia Industrial Premissas e Restrições Agosto 2016 Aragon Salvador 10 Restrição  Os limites do projeto são estabelecidos para que Contratante e Contratado saibam suas responsabilidades e as fronteiras do fornecimento. As restrições são estabelecidas e negociadas ainda na fase de proposta, a visita técnica para essa fase deve ser bem criteriosa para entender todos os limites das entregas. Além das restrições é importante também conhecer os limites de bateria do projeto, que é a delimitação física da ocupação do projeto. São exemplos de Restrições para projetos industriais:  Que determinada montagem só poderá acontecer em horário noturno;  Que o líder de campo deverá falar inglês e possuir experiência de 25 anos na área de montagem industrial;  70% da mão de obra deverão ser contratadas na região. Alguns limites de bateria (exemplos):  Serão feitas medições de espessura nas tubulações compreendidas entre a saída do ponto A e entrada do ponto B;  Os cabos serão lançados somente nos painéis de supervisão e controle;  Nas áreas compreendidas entre os Limites de Bateria de instalações industriais e as ruas adjacentes, não pode haver qualquer tipo de construção, exceto as casas de controle, subestações, entradas de tubulações, hidrantes, postes de iluminação, os sistemas subterrâneos e canaletas de drenagem (exemplo retirado na Norma Petrobrás, N.1674- Revisão C – set/98).
  • 11. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 11 Planejamento  Diferente do que se pensa, o planejamento não é prever tudo e sim estabelecer um cenário futuro plausível entre Contratante e Contratado, analisando os riscos e recursos necessários nesse ambiente futuro. O planejamento gera a linha de base para escopo, qualidade, custo e prazo, ou seja, trata-se de um acordo entre os envolvidos do projeto para que as expectativas e interesses possam ser alcançados.  Uma característica fundamental a ser observada é o fato de o planejamento ser dinâmico e não apenas uma etapa dos processos de gestão de projetos. No decorrer do prazo do empreendimento, o planejamento deverá ser atualizado e adequado às linhas de base do projeto (qualidade, custo, prazo e escopo), traduzidas em documentos com Padrões da Qualidade, EAP, Declaração de Escopo, Orçamento ,Cronograma e outros. Estes documentos, por sua vez, são como organismos vivos, que devem ser alimentados e multiplicados, conforme a necessidade do empreendimento e definido no planejamento do Projeto.
  • 12. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 12 Exemplo de Fases de um Projeto de Grande Porte Ciclo de processos do PMBOK em cada fase
  • 13. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 13 Gráfico de Custo de Mudanças em relação ao Tempo no Projeto Custo aumenta com o avanço do Projeto
  • 14. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 14 EAP – Estrutura Analítica do Projeto Avaliando o escopo do projeto pode-se optar por desenvolver a Estrutura Analítica de Projetos(E.A.P.) dividida pelas disciplinas da Engenharia (Arquitetura, Civil, Mecânica, Elétrica, Telecomunicações, Instrumentação, Estruturas, Tubulação, etc.) que podem contemplar o projeto e subdivida novamente pela áreas, onde se aplicarão aqueles documentos ou até mesmo por equipamentos de maior volúpia. Os exemplos abaixo demonstram uma sugestão para essa organização dos documentos ou serviços a serem prestados e posteriormente essas informações serão utilizadas para compor documentos de acompanhamento (cronogramas, curvas S, etc.). EAP de Projeto de Engenharia organizado por áreas, equipamentos e disciplinas
  • 15. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 15 Gestão do Empreendimento – Stakeholders/Partes Interessadas/Partes Afetadas  O Projeto necessitará de uma cadência harmoniosa entre os seus objetivos, os interesses dos envolvidos, os recursos empenhados, a qualidade exigida, tudo dentro de um prazo estabelecido e um custo planejado. Para que todas essas variáveis não se tornem problemas para o sucesso do empreendimento, usa-se uma série de processos de gestão, com o objetivo de administrar adequadamente o cenário presente.  Somente por meio de atividades de gestão é que o empreendimento poderá acontecer. Não há tempo e chance para o acaso, é preciso gerenciar com dedicação a participação dos envolvidos (stakeholders). Em um projeto industrial os stakeholders podem ser (não se limitando a eles):  Usuário final (por parte do Contratante);  Contratado;  Equipe de Gestão do Projeto;  Fornecedores;  Comunidade;  Órgãos governamentais locais (prefeitura, secretarias, subprefeituras, departamentos de trânsito, etc.);  Órgãos reguladores (ANATEL, ANEEL, IBAMA, ANVISA, ANA, etc.);  Patrimônio Histórico;  Polícias Militar, Civil, Meio-ambiente, bombeiros, etc.
  • 16. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 16 Conceito de Projeto Industrial Projeto Industrial é todo empreendimento composto por uma série de envolvidos, altos valores econômicos e que seu produto (ou entregas) possa atender aos anseios de algum grupo de investidor (empresas privadas, governo, misto). Não necessariamente as suas entregas originarão uma fábrica ou indústria, podemos ter aqui também obras de infraestrutura importantes para um planejamento macro de um país ou região. Exemplo de Projeto Industrial – fonte Google
  • 17. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 17 Características dos projetos industriais  Os projetos industriais têm características muito peculiares se comparados a outros projetos, até mesmo dentro de uma mesma organização. Quando a empresa decide ampliar sua produção, uma série de projetos são iniciados, focados a diretrizes estabelecidas por um plano macro de crescimento, que pode estar ou não no planejamento estratégico da empresa. Assim os projetos industriais podem ter as seguintes características:  Alto volume de recursos;  Investimento financeiro alto;  Grande número de envolvidos;  Complexidade de tecnologias;  Qualidade exacerbada;  Limites de bateria e Interfaces;  Prazo curto;  Atrelado ao planejamento estratégico da organização;  Faz parte ou não de um programa;  Localizado em áreas desprovidas de recursos;  Cadeia de suprimentos variada;  Recursos financeiros do estrangeiro;  Compra de material no mercado nacional ou fora do país e outros.
  • 18. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 18 Fases do Empreendimento – Metodologia dos Processos FEL do IPA  O Front End Loading ou simplesmente FEL é um processo muito utilizado em execução de empreendimentos industriais, tecnicamente denominados de projetos de capital. Esses projetos requerem grandes investimentos e os processos FEL são utilizados com o objetivo de minimizar os riscos de investimentos em empreendimentos não viáveis e sem atratividade para a organização. Normalmente, o FEL é utilizado no setor industrial como por exemplo: mineração, siderurgia, metalurgia, energia e petroquímica, locais onde os projetos são de alta complexidade e de alto custo.  FEL é um processo que visa esclarecer os objetivos empresariais e potencializar o alinhamento estratégico entre as iniciativas (empreendimento, objeto ou trabalho a ser desenvolvido) e estes objetivos, visando otimizar a produtividade através da eliminação de investimentos em projetos não rentáveis e desalinhados com a estratégia do negócio. O FEL ajuda a definir bem o escopo e gerar um planejamento detalhado que garanta o mínimo de retrabalho e mudanças durante a fase de execução dos componentes (projetos, programas e outros trabalhos) do portfólio ou carteira de projetos da organização.
  • 19. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 19 Fases do Empreendimento – Metodologia dos Processos FEL O FEL é dividido em três fases com pontos de análise e aprovação, chamados de Gates ou portões. Estas fases são:  FEL I – corresponde à fase de análise do negócio, cujo objetivo é avaliar a atratividade e oportunidade de investimento. Nesta fase, os objetivos do projeto são alinhados aos objetivos estratégicos da organização.  FEL II – corresponde à fase de estudo de viabilidade técnica e econômica. Esta fase é responsável em selecionar as alternativas (opções para desenvolver as iniciativas), estratégia de contratação e seleção tecnológica.  FEL III – corresponde à fase de engenharia básica (primeira fase da implantação de um projeto onde são revistos os trabalhos de engenharia preliminar que consiste em estudos de viabilidade, lista de equipamentos, fluxogramas e layouts) e visa o desenvolvimento do projeto básico e do planejamento da execução do projeto. Nesta fase, o escopo é fechado através do detalhamento do produto.
  • 20. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 20 Fases do Empreendimento – Metodologia dos Processos FEL No final de cada uma delas, é exigido uma APROVAÇÃO formal da alta gerência, do PMO estratégico ou da diretoria, representada aqui por um PORTÃO ou GATE. Nesse momento, o conselho avalia as entregáveis da etapa em questão. A principal entrega e o grande diferencial da metodologia, diz respeito à qualidade e estreita margem de erro do orçamento em relação ao custo real do projeto. A cada fase de validação representado pelos portões (Gates), o parecer do conselho permite apenas três resultados: 1. Aprovado para continuar seu caminho à etapa seguinte (permissão para atravessar o portão); 2. Abortar o projeto; ou 3. Reavaliar o empreendimento. Somente após o projeto ter passado pelos três portões, e ter tido sua aprovação final, ele estará pronto para entrar na fase de execução e operação. Front End Loading (FEL) e as fases do empreendimento industrial
  • 21. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 21 Fases de um empreendimento industrial típico  Todo empreendimento industrial é divido em fases e, geralmente, são as que estão ao lado elencadas. Cabe ressaltar que os nomes podem ser diferentes, dependendo do setor de atuação, porém a essência é sempre a mesma, isto é, uma etapa relativamente à viabilidade econômica, uma dedicada à visualização técnica do tema, outra detalhando o projeto, definição do que será comprado e quando, a efetiva construção e montagem e, finalmente, uma etapa dedicada a testes operacionais e de funcionalidade para verificação se o que foi construído e montado, atinge as metas técnicas estabelecidas nas normas e especificações técnicas.
  • 22. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 22 Projeto Conceitual Na fase de projeto conceitual é dada maior atenção aos aspectos de processo que consolidam as características futuras desejadas para a operação das fábricas, bem como a adaptabilidade dos novos equipamentos e componentes. O projeto conceitual é desenvolvido nos escritórios das empresas pelos engenheiros, projetistas e desenhistas. Essa etapa contempla as seguintes atividades: estudos de processos e layout, dimensionamento, desenvolvimento de desenhos ,desenvolvimento de especificações técnicas e outros. Geralmente na etapa de projeto conceitual os seguintes documentos são desenvolvidos:  Relatório de projeto conceitual;  Fluxogramas de processo e engenharia;  Desenhos de arranjo;  Especificações de equipamentos e componentes;  Listas de equipamentos;  Listas de materiais de construção;  Especificação técnica de equipamentos;  Folhas de dados. Ponto importante é que os documentos emitidos devem ser cuidadosamente analisados pelo contratante e contratada com vistas à emissão de comentários e inclusão de melhorias. Este processo de comentários pode gerar a necessidade de revisar alguns documentos. Essas revisões são atendidas no inicio do desenvolvimento da etapa de projeto básico.
  • 23. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 23 Projeto Básico A próxima etapa realizada pela empresa é o projeto básico. O objetivo desta fase é permitir ao cliente a visualização quantitativa dos investimentos necessários para a implementação do projeto. Todos os ajustes necessários de desenhos e especificações são executados nesta etapa, sendo emitidos documentos novos e revisados pelos contratantes, para que eles possam levantar o custo de fabricação e/ou aquisição de equipamentos e componentes no mercado. Recebidas todas as cotações, a empresa aguarda pela tomada de decisão do contratante, que avalia se deve ou não continuar com o projeto. Caso este projeto tenha ultrapassados seus limites de planejamentos de custos, o cliente solicita a empresa uma alternativa para que os custos se enquadrem no seu planejamento inicial, quando essa alternativa não é viável o cliente pode decidir pelo cancelamento do projeto. Na etapa de projeto básico os seguintes documentos, novos ou revisados, são emitidos:  Relatório de projeto básico;  Fluxogramas de processo e engenharia;  Desenhos para cotação;  Desenhos de arranjo;  Desenhos de conjunto;  Especificações de equipamentos e componentes para cotação;  Listas de equipamentos;  Listas de materiais de construção;  Especificação técnica de equipamentos;  Folhas de dados.
  • 24. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 24 Projeto Detalhado ou Executivo Assim que aprovado a etapa de projeto básico, deve-se dar inicio ao desenvolvimento da etapa de projeto detalhado. Esta etapa é dada maior atenção para os aspectos de fabricação, montagem, operação e manutenção dos novos equipamentos e componentes. Para o detalhamento do projeto a empresa necessita receber uma série de documentos dos fornecedores de equipamentos e componentes, os quais são indispensáveis para a elaboração do projeto detalhado. Esses documentos são muito importantes, pois caso apresentem qualquer tipo de problema ou não forem entregues na data especificada, podem comprometer todo o desenvolvimento do restante do projeto e o prazo final de entrega. Geralmente ocorrem mudanças no escopo, como por exemplo: mudança dos equipamentos ou alguns ajustes no dimensional de equipamentos e componentes. Caso o escopo sofra alguma mudança, revisões ou novos documentos devem ser desenvolvidos. Todos os desenhos e documentos técnicos dos fornecedores devem estar certificados para fabricação. Na etapa de projeto detalhado os seguintes documentos são desenvolvidos:  Relatório de projeto detalhado (Aprovado);  Memorial descritivo de montagem mecânica, elétrica, civil, etc. (Aprovados);  Fluxogramas de processo e engenharia (Aprovados);  Desenhos de arranjo , conjunto, detalhes e fabricação; ( Aprovados);  Especificações de equipamentos e componentes para fabricação (Aprovados);  Listas de equipamentos (Aprovados);  Listas de materiais de construção ( Aprovados);  Folhas de dados ( Aprovados).
  • 25. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 25 Engenharia Básica  Definição exata da(s) característica(s) do produto(s) e processos;  Engenharia conceitual - que define a concepção da fábrica, como, por exemplo, optar entre uma linha de processo para 50t/dia e duas linhas de 25t/dia, em uma indústria química;  Projeto básico - que define o fluxo de produção, as unidades auxiliares e os parâmetros básicos de cada equipamento ou conjunto de equipamentos. O projeto básico deve conter os fluxogramas qualitativos e quantitativos de equipamentos, fluxogramas de engenharia e processos, arranjo físico, balanços de massa, energia e de utilidades, esquemas de transporte interno, definição das características dos sistemas de utilidades, digramas de tubulações, uni filares e de instrumentação e definição dos fatores de produção, incluindo mão de obra;  Revisão dos parâmetros econômicos: investimentos, recursos, análise financeira,etc. Engenharia de compras  Agora em posse das especificações do projeto básico, é possível pesquisar entre os fabricantes quais são os modelos disponíveis de equipamentos que se adaptam ao processo. Também envolve a composição de todos os suprimentos necessários às instalações industriais e só é possível após a sua caracterização na engenharia de detalhamento.
  • 26. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 26 Engenharia de detalhamento Caracteriza-se por ser um conjunto de documentos com os detalhes da interligação, desenhos de plantas de localização, arranjos físicos com cortes, vistas, elevações, desenhos de fabricação e montagem, listas de materiais, especificações de instalações (elétricas, hidráulicas, de vapor e outras) e seus materiais, projetos arquitetônicos, cálculo estrutural, entre outros. O projeto deve ser detalhado suficientemente para permitir a montagem com segurança Montagem É a materialização de tudo o que até então havia sido feito no papel. O grau de liberdade da fase de montagem é inversamente proporcional ao grau de detalhamento do projeto. Projeto organizacional Tem objetivo deixar a nova empresa ou unidade operacionalmente pronta antes da fase de “posta em marcha”. Para tanto, é necessário definir organograma, funções, e a necessidade de recursos de cada setor, além de contratá-los e treiná-los. Essa é uma etapa que deve acontecer paralelamente à implantação, para não afetar a etapa final, de colocação em marcha. Posta em Marcha e Comissionamento É a fase da partida das máquinas, é o momento em que são analisados principalmente: o desempenho de equipamentos, a qualidade dos produtos, a adequação de matérias- primas e adequação da mão de obra. Gerenciamento da Implantação Administração de todo o processo de: implantação, de planejamento e controle do andamento. É uma função que tem importância diretamente proporcional ao porte do projeto.
  • 27. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 27 Etapas de Construção e Montagem Conceito de Construção  Construção ou fabricação trata-se da etapa de processar a matéria-prima adquirida na fase de suprimentos e transformá-la no produto final ou parcial. Na fase de construção ou fabricação o projeto detalhado (executivo) será posto em ação para o desenvolvimento do empreendimento. Dá-se o nome de construção mais comumente para: o Obras civis (pontes, viadutos, acessos, etc.); o Galpões; o Prédios; o Estacionamento, cantina, enfermaria, área de estoque; o Superestruturas para receber equipamentos e outros. Dá-se o nome de fabricação mais comumente para: o Equipamentos; o Parte de equipamentos; o Estruturas metálicas e tubulação; o Estruturas de concreto. Na arquitetura e na engenharia, a construção é a execução do projeto previamente elaborado, seja de uma edificação ou de uma obra de arte, que são obras de maior porte destinadas a infraestrutura como pontes, viadutos ou túneis. É a execução de todas as etapas do projeto da fundação ao acabamento. Consistem em construir o que consta em projeto, respeitando as técnicas construtivas e as normas técnicas vigentes. O mesmo conceito pode ser aplicado para a fabricação, o que será também executado conforme técnicas de fabricação e normas técnicas vigentes. Trata-se da execução de todas as etapas do processamento da matéria-prima, montagem de subconjuntos, instalação de instrumentos e sistemas supervisórios.
  • 28. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 28 Etapas de Construção e Montagem Exemplo de uma EAP de uma obra típica de Construção e Montagem
  • 29. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 29 Conceito de Montagem Para Fernandas (2009) “A montagem industrial, montagem eletromecânica ou simplesmente montagem, tem aplicação em todos os tipos de instalações industriais, não somente na implantação de novas unidades, mas também na ampliação, reforma e manutenção das já existentes”. A montagem executa a união lógica e física das partes de uma instalação. Física por ser o agrupamento de partes de um equipamento ou sistema de máquinas maior por uso de soldas, união de flanges numa tubulação, torqueamento de parafusos, assentamento em base civil de uma máquina, etc. Lógica, por unir sistemas de instrumentação, automação, circuitos elétricos e eletrônicos, utilizando ou não ligações físicas. Nos próximos slides alguns exemplos de projetos.
  • 30. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 30 Exemplo de Projeto Isométrico de Tubulação industrial
  • 31. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 31 Exemplo de Projeto vista de planta de unidade de processo industrial
  • 32. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 32 Exemplo de Projeto vista de elevação de unidade de processo industrial
  • 33. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 33 Projeto 3D fábrica de reciclagem de plástico, utilizado no meu TCC.
  • 34. Projeto de Engenharia Industrial Agosto 2016 Aragon Salvador 34 Projeto 3D fábrica de reciclagem de plástico, vista interna da fábrica.