SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária de Lagoa
Disciplina de História – 10º E
Ano Letivo 2014/2015
Carlos Fernando M. Costa
 Caraterizar a Alta Idade Média
NÍVEL
POLÍTICO
NÍVEL
ECONÓMICO
NÍVEL
SOCIAL
•Cristianismo;
•Divisão e
distanciamento
entre Oriente e
Ocidente;
•Dinastia
Carolíngia;
•Sacro-Império
•Invasões no
séc. VII e finais
do Séc. IX;
•População
Escassa e
dispersa;
•Fortalecimento
dos poderes
locais;
•Laços de
Dependência
•Agricultura
rudimentar;
•Rendimentos
insuficientes;
•Sistema de
Pousio –
afolhamento
bienal
•Indústrias
primitivas (forja,
olaria e gado)
 Sistema económico, político e
social sustentado na
propriedade sobre a terra - o
feudo.
 Surge com as invasões
bárbaras, que contribuíram para
o processo de ruralização e o
surgimento de diversos reinos.
 Destaca-se o Reino dos Francos.
Mas é no Reino Carolíngio que
se solidificam as principais
estruturas do feudalismo.
 O Feudalismo carateriza-se por…
Uma economia baseada em agricultura
de subsistência
Trabalho servil
Comércio praticamente inexistente,
predominando as trocas
 Em termos sociais, o feudalismo é
caraterizado por…
Grupos sociais com um status definido
pelo nascimento (Nobreza, Clero, Servos)
Relações de suserania entre os nobres
(contratos feudo-vassálicos)
Ascensão social inexistente salvo
algumas exceções.
 Depois do mundo
romano a Europa
viveu um período de
divisões e
instabilidade;
 Durante a Idade
Média, surgem os
senhorios,
principados, cidades
independentes,
reinos e até um
império com honrava
o legado romano.
Conceitos –
Senhorio (Manual
- pág. 12);
Pertenciam a um
nobre ou a um
membro do alto
clero;
Tinham tamanhos
variáveis e
podiam agrupar
um castelo, a
casa senhorial
terras aráveis,
bosques e um ou
mais aglomerados
populacionais;
Além dos rendimentos económicos
provenientes da exploração das terras, os
senhores detinham autoridade sobre os
homens que as habitavam;
 Os senhores tinham o direito
de julgar e aplicar penas;
 Cobrar impostos e outras
taxas;
 Recrutar homens para o
exército;
 Conjunto de poderes públicos
– ban ou bannus;
 Doc.1 – pág. 12
Camponeses trabalhando
num senhorio
 O Senhorio era essencialmente composto por duas
partes:
 a Reserva: parte das terras que o senhor reservava
para si; era cultivada por servos e criados e pelos
camponeses livres sob a forma de trabalho gratuito;
 os Mansos: parcelas da propriedade que o senhor
concedia aos camponeses livres (ou vilãos) para estes
explorarem, em troca, os camponeses davam ao
senhor uma parte da produção sob a forma de
rendas e trabalhavam gratuitamente (2 a 3 dias por
semana) na Reserva (a estes trabalhos gratuitos era
dada a designação de corveias).
 Duques e condes constituíam
os escalões superiores da
nobreza medieval;
 Possuíam grandes senhorios
que podiam ser alargados
devido a concessões régias e
a políticas de casamentos;
 Estes senhorios podiam ir
desde terras agrícolas e
aldeias, a vilas e até cidades;
Ilustração de um senhorio
 Conceitos – Reino (Manual – pág.
12);
 Doc.3 – pág. 14
 A estabilidade de um reino
dependia de duas condições
fundamentais;
› Superioridade de uma família
que exerce a realeza, em
regime hereditário e ter o rei
como autoridade suprema que
deve garantir o bem comum
› Ter o seu território delimitado,
todos os habitantes nascidos no
reino devem obediência ao rei.
Ilustração de um Reino
 Um reino pressupõe a
identificação entre um rei, um
território e os seus habitantes;
 Criação de laços étnicos,
históricos, culturais e políticos
que unem toda a
comunidade;
 No século XIII, na zona
ocidental da Europa, já
existem vários reinos com
alguma estabilidade como
Portugal, Castela, Aragão,
França e Inglaterra;
Reinos da Europa Ocidental,
cerca de 1225
 O ideal de um novo império
universal e cristão com a
autoridade e extensão do
Império Romano renasceu
no século X, através de
Otão I, rei da Germânia.
 Englobando territórios
germânicos e italianos e
com uma aliança entre o
imperador e o Papa, surge
o Sacro-Império Romano-
Germânico;
Sacro-Império Romano-
Germânico
 As disputas entre o Papa e o
imperador, o crescimento e
desenvolvimento dos reinos e
a afirmação dos grandes
senhores não permitiram ao
Sacro-Império o “domínio
universal” que fora idealizado.
 No século XIII o Sacro-Império
Romano-Germânico não é
mais do que um conjunto de
territórios governados por
príncipes locais que escolhiam
um imperador sem poder
efetivo. Otão II
 A partir do séc. XI, as cidades
procuram a sua emancipação,
não aceitavam o domínio dos
grandes senhores;
 Conceitos – Comuna (Pág. 16)
 No Norte de Itália, os
mercadores obrigam os
habitantes da cidade a unirem-
se e selam sob juramento solene
de entreajuda e lealdade, a
comuna;
 A comuna, associação de
gentes da cidade, apresentava
ao senhor as reivindicações dos
seus habitantes;
Palácio Comunal de Siena
 As lutas comunais levaram ao
surgimento das chamadas
Cartas Comunais, nesta estavam
estipulados os direitos e
privilégios das cidades;
 A libertação do poder dos
senhores levou ao
desenvolvimento de várias
cidades, estas podiam definir as
suas próprias normas, leis, taxas,
justiça e todos os outros aspetos
da vida urbana;
Selos das cidades de Meulan
e Saint-Omer
 O clima de instabilidade nos
tempos medievais dificultava a
delineação de fronteiras;
 As guerras, anexações e
acordos políticos mudavam
constantemente os territórios;
 O desmembramento ou
junção de senhorios, as
liberdades conquistadas pelas
cidades, as usurpações
senhoriais e a autoridade real
fazia com que muitas fronteiras
fossem efémeras ou mal
definidas;
A guerra era constante na
Idade Média
 CADERNO DO ALUNO – FICHA Nº 7 –
Questões 1-5
1. Identificar o império a que se reporta o Doc. 1.
O Sacro Império Romano-Germânico
2. Identificar o grupo que, para além do rei, assume o
protagonismo na cerimónia de coroação (Doc. 2).
O clero. O rei encontra-se rodeado de bispos.
3. Dizer sobre quem se exerce a autoridade do rei (Doc. 2).
O poder do rei exerce-se sobre todos os homens que
habitam o território do seu reino
 CADERNO DO ALUNO – FICHA Nº 7 – Questões 1-5
3. Referir três elementos característicos de um senhorio patentes na
imagem do Doc. 3.
− A propriedade fundiária, da qual se destacam as áreas aráveis e
os prados; o castelo, residência senhorial; os homens que habitam
no domínio.
4. Com base no Doc. 4, mostrar que as comunas gozavam de
liberdades administrativas.
− Face à nomeação de um funcionário régio para a cidade de
Soissons, os burgueses requerem ao rei a manutenção das
liberdades da cidade;
− O rei Carlos VII garante, através desta ordenação, a manutenção
das “liberdades e franquias” anteriormente adquiridas pela
comuna.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
bamp
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
Vítor Santos
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Vieira
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Rita
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 

Mais procurados (20)

Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 

Semelhante a A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
A alta idade média e o início do feudalismo 7 ano
A alta idade média e o início do feudalismo   7 anoA alta idade média e o início do feudalismo   7 ano
A alta idade média e o início do feudalismo 7 ano
Jonatha Victor
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
RafaelyLeite1
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudal
Salete Lima
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
andrecarlosocosta
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
NTTL98
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Alta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismoAlta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismo
Elisângela Martins Rodrigues
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Marilia Pimentel
 
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdfSlide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
HyagoCarlos3
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
AulasDeHistoriaApoio
 
www.TutoresEscolares.Com.Br - História - A formação dos estados nacionais
www.TutoresEscolares.Com.Br - História -  A formação dos estados nacionaiswww.TutoresEscolares.Com.Br - História -  A formação dos estados nacionais
www.TutoresEscolares.Com.Br - História - A formação dos estados nacionais
Tuotes Escolares
 
www.aulasapoio.com.br - História - A formação dos estados nacionais
www.aulasapoio.com.br  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.aulasapoio.com.br  - História -  A formação dos estados nacionais
www.aulasapoio.com.br - História - A formação dos estados nacionais
Bárbara Cristina
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
Elizeu filho
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
CEF Arapoanga
 

Semelhante a A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
A alta idade média e o início do feudalismo 7 ano
A alta idade média e o início do feudalismo   7 anoA alta idade média e o início do feudalismo   7 ano
A alta idade média e o início do feudalismo 7 ano
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudal
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Alta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismoAlta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismo
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdfSlide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
Slide Historia: Estado Moderno e o Absolutismo.pdf
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
 
www.TutoresEscolares.Com.Br - História - A formação dos estados nacionais
www.TutoresEscolares.Com.Br - História -  A formação dos estados nacionaiswww.TutoresEscolares.Com.Br - História -  A formação dos estados nacionais
www.TutoresEscolares.Com.Br - História - A formação dos estados nacionais
 
www.aulasapoio.com.br - História - A formação dos estados nacionais
www.aulasapoio.com.br  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.aulasapoio.com.br  - História -  A formação dos estados nacionais
www.aulasapoio.com.br - História - A formação dos estados nacionais
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 

Mais de Núcleo de Estágio ESL 2014-2015

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Introdução à Idade Média
Introdução à Idade MédiaIntrodução à Idade Média
Introdução à Idade Média
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismoO Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais de Núcleo de Estágio ESL 2014-2015 (13)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 
Introdução à Idade Média
Introdução à Idade MédiaIntrodução à Idade Média
Introdução à Idade Média
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
 
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismoO Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
 

Último

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
EDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINA
EDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINAEDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINA
EDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINA
LuanyChristina2
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Material Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdf
Material Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdfMaterial Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdf
Material Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdf
Mitema Projetos Culturais e Soluções Sustentáveis
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...
433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...
433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...
IedaGoethe
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
atividade julho para educação especialFABIANA.pdf
atividade julho para educação especialFABIANA.pdfatividade julho para educação especialFABIANA.pdf
atividade julho para educação especialFABIANA.pdf
IedaGoethe
 
Marcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de Brasília
Marcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de BrasíliaMarcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de Brasília
Marcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de Brasília
xopoke8750
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 

Último (20)

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
EDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINA
EDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINAEDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINA
EDUCAÇÃO- ATIVIDADE DE ARTE SOBRE ARTE BIZANTINA
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Material Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdf
Material Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdfMaterial Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdf
Material Oficina de Elaboração de Projetos Prof. Taiana Martins .pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...
433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...
433026214-Alessandra-G-Seabra-Fernando-Capovilla-Afabetizacao-fonica-Livro-do...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
atividade julho para educação especialFABIANA.pdf
atividade julho para educação especialFABIANA.pdfatividade julho para educação especialFABIANA.pdf
atividade julho para educação especialFABIANA.pdf
 
Marcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de Brasília
Marcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de BrasíliaMarcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de Brasília
Marcelo Valle Silveira Mello -- Universidade Católica de Brasília
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes

  • 1. Escola Secundária de Lagoa Disciplina de História – 10º E Ano Letivo 2014/2015 Carlos Fernando M. Costa
  • 2.  Caraterizar a Alta Idade Média NÍVEL POLÍTICO NÍVEL ECONÓMICO NÍVEL SOCIAL •Cristianismo; •Divisão e distanciamento entre Oriente e Ocidente; •Dinastia Carolíngia; •Sacro-Império •Invasões no séc. VII e finais do Séc. IX; •População Escassa e dispersa; •Fortalecimento dos poderes locais; •Laços de Dependência •Agricultura rudimentar; •Rendimentos insuficientes; •Sistema de Pousio – afolhamento bienal •Indústrias primitivas (forja, olaria e gado)
  • 3.  Sistema económico, político e social sustentado na propriedade sobre a terra - o feudo.  Surge com as invasões bárbaras, que contribuíram para o processo de ruralização e o surgimento de diversos reinos.  Destaca-se o Reino dos Francos. Mas é no Reino Carolíngio que se solidificam as principais estruturas do feudalismo.
  • 4.  O Feudalismo carateriza-se por… Uma economia baseada em agricultura de subsistência Trabalho servil Comércio praticamente inexistente, predominando as trocas
  • 5.  Em termos sociais, o feudalismo é caraterizado por… Grupos sociais com um status definido pelo nascimento (Nobreza, Clero, Servos) Relações de suserania entre os nobres (contratos feudo-vassálicos) Ascensão social inexistente salvo algumas exceções.
  • 6.  Depois do mundo romano a Europa viveu um período de divisões e instabilidade;  Durante a Idade Média, surgem os senhorios, principados, cidades independentes, reinos e até um império com honrava o legado romano.
  • 7. Conceitos – Senhorio (Manual - pág. 12); Pertenciam a um nobre ou a um membro do alto clero; Tinham tamanhos variáveis e podiam agrupar um castelo, a casa senhorial terras aráveis, bosques e um ou mais aglomerados populacionais; Além dos rendimentos económicos provenientes da exploração das terras, os senhores detinham autoridade sobre os homens que as habitavam;
  • 8.  Os senhores tinham o direito de julgar e aplicar penas;  Cobrar impostos e outras taxas;  Recrutar homens para o exército;  Conjunto de poderes públicos – ban ou bannus;  Doc.1 – pág. 12 Camponeses trabalhando num senhorio
  • 9.  O Senhorio era essencialmente composto por duas partes:  a Reserva: parte das terras que o senhor reservava para si; era cultivada por servos e criados e pelos camponeses livres sob a forma de trabalho gratuito;  os Mansos: parcelas da propriedade que o senhor concedia aos camponeses livres (ou vilãos) para estes explorarem, em troca, os camponeses davam ao senhor uma parte da produção sob a forma de rendas e trabalhavam gratuitamente (2 a 3 dias por semana) na Reserva (a estes trabalhos gratuitos era dada a designação de corveias).
  • 10.  Duques e condes constituíam os escalões superiores da nobreza medieval;  Possuíam grandes senhorios que podiam ser alargados devido a concessões régias e a políticas de casamentos;  Estes senhorios podiam ir desde terras agrícolas e aldeias, a vilas e até cidades; Ilustração de um senhorio
  • 11.  Conceitos – Reino (Manual – pág. 12);  Doc.3 – pág. 14  A estabilidade de um reino dependia de duas condições fundamentais; › Superioridade de uma família que exerce a realeza, em regime hereditário e ter o rei como autoridade suprema que deve garantir o bem comum › Ter o seu território delimitado, todos os habitantes nascidos no reino devem obediência ao rei. Ilustração de um Reino
  • 12.  Um reino pressupõe a identificação entre um rei, um território e os seus habitantes;  Criação de laços étnicos, históricos, culturais e políticos que unem toda a comunidade;  No século XIII, na zona ocidental da Europa, já existem vários reinos com alguma estabilidade como Portugal, Castela, Aragão, França e Inglaterra; Reinos da Europa Ocidental, cerca de 1225
  • 13.  O ideal de um novo império universal e cristão com a autoridade e extensão do Império Romano renasceu no século X, através de Otão I, rei da Germânia.  Englobando territórios germânicos e italianos e com uma aliança entre o imperador e o Papa, surge o Sacro-Império Romano- Germânico; Sacro-Império Romano- Germânico
  • 14.  As disputas entre o Papa e o imperador, o crescimento e desenvolvimento dos reinos e a afirmação dos grandes senhores não permitiram ao Sacro-Império o “domínio universal” que fora idealizado.  No século XIII o Sacro-Império Romano-Germânico não é mais do que um conjunto de territórios governados por príncipes locais que escolhiam um imperador sem poder efetivo. Otão II
  • 15.  A partir do séc. XI, as cidades procuram a sua emancipação, não aceitavam o domínio dos grandes senhores;  Conceitos – Comuna (Pág. 16)  No Norte de Itália, os mercadores obrigam os habitantes da cidade a unirem- se e selam sob juramento solene de entreajuda e lealdade, a comuna;  A comuna, associação de gentes da cidade, apresentava ao senhor as reivindicações dos seus habitantes; Palácio Comunal de Siena
  • 16.  As lutas comunais levaram ao surgimento das chamadas Cartas Comunais, nesta estavam estipulados os direitos e privilégios das cidades;  A libertação do poder dos senhores levou ao desenvolvimento de várias cidades, estas podiam definir as suas próprias normas, leis, taxas, justiça e todos os outros aspetos da vida urbana; Selos das cidades de Meulan e Saint-Omer
  • 17.  O clima de instabilidade nos tempos medievais dificultava a delineação de fronteiras;  As guerras, anexações e acordos políticos mudavam constantemente os territórios;  O desmembramento ou junção de senhorios, as liberdades conquistadas pelas cidades, as usurpações senhoriais e a autoridade real fazia com que muitas fronteiras fossem efémeras ou mal definidas; A guerra era constante na Idade Média
  • 18.  CADERNO DO ALUNO – FICHA Nº 7 – Questões 1-5 1. Identificar o império a que se reporta o Doc. 1. O Sacro Império Romano-Germânico 2. Identificar o grupo que, para além do rei, assume o protagonismo na cerimónia de coroação (Doc. 2). O clero. O rei encontra-se rodeado de bispos. 3. Dizer sobre quem se exerce a autoridade do rei (Doc. 2). O poder do rei exerce-se sobre todos os homens que habitam o território do seu reino
  • 19.  CADERNO DO ALUNO – FICHA Nº 7 – Questões 1-5 3. Referir três elementos característicos de um senhorio patentes na imagem do Doc. 3. − A propriedade fundiária, da qual se destacam as áreas aráveis e os prados; o castelo, residência senhorial; os homens que habitam no domínio. 4. Com base no Doc. 4, mostrar que as comunas gozavam de liberdades administrativas. − Face à nomeação de um funcionário régio para a cidade de Soissons, os burgueses requerem ao rei a manutenção das liberdades da cidade; − O rei Carlos VII garante, através desta ordenação, a manutenção das “liberdades e franquias” anteriormente adquiridas pela comuna.