SlideShare uma empresa Scribd logo
A identidade civilizacional
da Europa Ocidental
O tempo…
O que vulgarmente se designa por ocidente medieval é, na verdade, uma realidade
muito complexa que se desenvolve entre os sécs. V e XV, entre a queda do Império
Romano do Ocidente (conquista de Roma pelos Hérulos em 476) e a queda de
Constantinopla (capital do Império Romano do Oriente) às mãos dos turcos em 1453.

Idade Média

Alta Idade Média
Sécs. V-X

Baixa Idade Média
Sécs. XI-XV
3. Multiplicidade de poderes

À unidade política do mundo imperial romano sucedeu uma Europa dividida e instável
onde coexistia uma multiplicidade de poderes:
a) Os impérios:

- Sacro Império RomanoGermânico: O desejo de
restaurar a união na Europa e
ter mais sucesso que Carlos
Magno, levou, no séc. X, à
aliança do rei da Germania
(Otão I) com o Papa (territórios
germânicos e italianos). O
objetivo não foi alcançado,
devido, essencialmente,
às
rivalidades entre o Imperador e
o Papa;

- Império Bizantino: afirmou-se
como legitimo herdeiro do poder
romano e recusou a autoridade do
Sacro-Império, argumentando que
um chefe bárbaro não poderia
liderar os territórios cristãos;
b) Os reinos:
- Unidades territoriais que tem por soberano um rei ou uma rainha (chefe
político pertencente a uma família nobre que se destacou ao nível político ou
militar) que se assumem como as figuras supremas do Estado;
- Os reinos de Portugal, Castela, Aragão, França e Inglaterra são os mais sólidos
da Europa Ocidental no séc. XIII;
c) Os senhorios
- Terra que pertence a: um nobre ou eclesiástico;
- Constituídos por:

Castelo (ou mosteiro no caso dos senhorios eclesiásticos);
Terras aráveis;
Bosque;
Aglomerados populacionais;

Terras dispersas;
- Divididos em:
Reserva: terra
explorada pelos
camponeses ou
servos ao serviço
do senhor;

Mansos: terra
explorada pelos
camponeses e
famílias;

Terras comunais:
pastos, florestas,
baldios…;
Reconstituição de um senhorio ou domínio senhorial
Poderes do senhor:
- Económico (sobre as terras):
- arrendar as terras aos camponeses ( em troca de
ou trabalho);

dinheiro, alimentos

O que pede o camponês?
O camponês pede proteção e sustento.
O que oferece o camponês?
O camponês oferece o seu serviço, obediência e
fidelidade.
Os camponeses livres ou colonos, que exploravam as terras arrendadas ficavam na
dependência do senhor. Tinham que explorar a terra e deviam aos senhores determinadas
obrigações:
– pagamento de rendas pelo aluguer das terras;

– pagamento de peagens (tributo sobre o trânsito de mercadorias que passavam pelas
terras do senhor);
– pagamento da talha (para assegurar a proteção do senhor);
– cumprimento de corveias (dias de trabalho gratuito na reserva do senhor);
– cumprimento de banalidades (entrega de parte do produto obtido pela utilização do
moinho, forno… do senhor).
- Político (sobre os homens):

O clima de insegurança e a incapacidade dos reis assegurarem uma defesa eficaz levou as
populações a procurarem proteção junto dos senhores, os quais acabaram por se
apropriar de poderes outrora exclusivos do rei.

- Poder judicial: julgar, aplicar penas;

Poder de
ban ou
bannus

- Poder fiscal: cobrar impostos e outras taxas;
- Poder militar- recrutar homens para o seu exército;
O poder de Bannum

Aponte três razões que justifiquem a frase sublinhada no documento.
O poder do senhor dentro do seu domínio era arbitrário. Ele podia impor multas,
confiscar bens, obrigar ao trabalho gratuito em dias definidos “… na manutenção das
fortificações e a abastecer alimentos frescos para os soldados.” Podia ainda exigir
pagamento a todos os que passassem nas suas terras fossem “…mercadores,
peregrinos e qualquer individuo que frequentasse a feiras a troco da proteção que
lhes assegurava”. Podia ainda cunhar moeda e definir os impostos que entendesse
sobre “o produto excedentário dos camponeses e sobre os lucros do comércio”.
O senhor
tinha amplos poderes e autonomia. O seu poder alargou-se
progressivamente a outros senhores, conduzindo à divisão dos senhores feudais em
duas categorias:
– Grandes senhores (com direito de bannus, como condes, príncipes, abades…);
- Pequenos senhores (fidalgos e monges) sujeitos ao poder banal da justiça, tal
como os camponeses.

Entre estes criam-se relações de vassalagem (feudo-vassálicas), oficializadas
por um contrato de vassalagem estabelecido entre o suserano (o senhor mais
poderoso) e o vassalo (o menos poderoso)
Rei

Duques, condes e membros do alto clero

Cavaleiros e membros
do baixo clero

Soldados, camponeses e servos
d) As comunas
Séc. XI – A Europa atravessa um período de paz – o comercio e a vida urbana
reanimam;

A cidade vai-se desenvolvendo e procura formas de sobreviver fora da
dependência dos senhores, livre das taxas e impostos;
As cidades mais prósperas foram as primeiras a reivindicar autonomia
administrativa em relação aos senhores das terras;

Os mercadores do Norte de Itália criaram a comuna, uma associação de
habitantes das cidades que, entre si, juram lealdade, assistência e
cooperação. Reclamam os seus direitos e liberdades junto dos senhores
feudais, criando uma rede de relações horizontais que se diferenciava
da verticalidade das relações feudais. O movimento comunal
consolidou-se no séc. XIII e vai contribuir para o enfraquecimento do
poder senhorial e para o reforço das cidades.
As comunas são cidades com direitos e autonomia outorgados aos habitantes pelas
cartas comunais.
Carta Comunal de Pontoise (1188)
Quem outorga a carta comunal?
A carta é outorgada pelo rei.
Que privilégios recebem os habitantes?
Os habitante de Pontoise:
São homens livres;
Estão isentos do pagamento de impostos;
Estão impedidos de ser presos injustamente;
Podem aplicar a justiça;
Podem definir impostos a pagar pelos habitantes da
cidade;
Que garantias são dadas aos comerciantes?
Os comerciantes não pagam portagens por passar em Pontoise e não podem ser
atacados.

Que obrigações são devidas aos habitantes?
Os habitantes devem garantir a defesa da cidade, construir vigias e prisões.
Nas regiões alemãs ou italianas desenvolveram-se cidades:

– Governadas por um conselho de burgueses e um corpo de magistrados próprios;
– Onde aos habitantes competia definir a aplicação e cobrança de impostos, a aplicação
de justiça…

As cidades possuíam símbolos da sua autonomia como o Palácio Comunal com o sino e
o relógio.
Símbolos da autonomia urbana
A organização das crenças:
o reforço da coesão interna face a Bizâncio e ao Islão
Contexto
Após as invasões, a Igreja era, no Ocidente, a única força organizada:
Uniu sob a mesma fé, sob a autoridade do mesmo chefe supremo (o Papa, Bispo
de Roma) toda a cristandade latina.

A afirmação da Igreja cristã apoiou-se no poder
crescente do Bispo de Roma, sobretudo com a
reforma gregoriana (séc. XI) através da qual foi
disciplinada a atuação dos clérigos, e
pronunciada a superioridade do Papa detentor
do Imperium christianum (poder absoluto e
universal sobre a cristandade). É a Dictatus
Papae que redefine as relações entre o poder
espiritual e o poder temporal.
Funções da Igreja

- Assegurou o apoio espiritual;
- Promoveu a assistência;
- Desenvolveu o ensino;

Para assegurar estas e outras
funções o clero recebia a
dízima (décima parte dos
rendimentos ou colheitas);

- Incentivou a prática da paz cristã;

A área de influência cristã foi aumento de forma gradual com a evangelização do
Norte e Este da Europa (Noruega, Boémia, Polónia, Hungria) e com a Reconquista
Cristã na Península Ibérica.
No séc. XIII a Igreja era a mais poderosa e organizada instituição do Ocidente e o Bispo de
Roma torna-se líder da comunidade cristã – o Papa:

– É o chefe supremo, líder espiritual e temporal da cristandade ocidental;

– Rege-se por um conjunto de leis próprias – o Direito Canónico;

– Governa em nome de Deus – teocracia papal – e é o chefe da hierarquia eclesiástica.
In Linhas da História, Ed. Areal
Durante a Idade Média, a Igreja católica teve de enfrentar a oposição de:

a) Bizâncio

Séc. XI: Cisma da Cristandade – separação entre a Igreja do Ocidente e do Oriente

Bizâncio desenvolveu, ao longo da Idade Média, uma florescente civilização que
seguia os preceitos do Cristianismo, embora a língua oficial fosse o grego e não o
latim.

Discordavam em alguns pormenores doutrinais e o patriarca de Bizâncio recusava
seguir o chefe máximo da Igreja romana, o Papa.
Cisma da Cristandade

Criação da Igreja Ortodoxa Grega,
com sede em Bizâncio
(Constantinopla)

Expandiu-se para norte
conquistando fieis nas regiões que
correspondem atualmente às exrepúblicas socialistas soviéticas,
como a Bulgária ou a Roménia.

Igreja Católica Romana, com sede
em Roma
b) Islão

– religião monoteísta;
– dominou o sul do Mediterrâneo e o Médio Oriente;

– enfrentaram os cristãos para expandir a sua fé - Guerra Santa ou Jihad;
– entre os sécs. VIII e XII impuseram o seu poderio militar, apropriaram-se do
comércio mediterrânico, desenvolveram uma próspera civilização caracterizada por
belas cidades e pelo desenvolvimento das ciências, poesia e filosofia;

A fé e a procura de expansão pela força levaram ao desenvolvimento de uma
política de resposta cristã que se formalizou nas cruzadas iniciadas no final do
séc. XI, sob influência de Urbano II. Estas ofensivas militares tinham como
objetivo libertar os lugares santos da Palestina que estavam sob o poder
muçulmano (espírito que se estendeu a outras regiões submetidas igualmente
ao poder muçulmano).
Exercício
A identidade civilizacional da Europa Ocidental

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
Carina Vale
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Patricia .
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
Vítor Santos
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Historia2000
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
Vítor Santos
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
Vítor Santos
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
Joana Filipa Rodrigues
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais procurados (20)

MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 

Semelhante a A identidade civilizacional da Europa Ocidental

A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
Henrique Rodrigues
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Da idade média à idade moderna
Da idade média à idade modernaDa idade média à idade moderna
Da idade média à idade moderna
Mari Oliveira
 
Apresentaçãohistdir14
Apresentaçãohistdir14Apresentaçãohistdir14
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino
1º ano    rafael - roma antiga e império bizantino1º ano    rafael - roma antiga e império bizantino
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino
Rafael Noronha
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
Elisângela Martins Rodrigues
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
historiajovem2011
 
1º ano rafael - roma antiga
1º ano    rafael - roma antiga1º ano    rafael - roma antiga
1º ano rafael - roma antiga
Rafael Noronha
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Juliana_hst
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino 2015
1º ano    rafael - roma antiga e império bizantino 20151º ano    rafael - roma antiga e império bizantino 2015
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino 2015
Rafael Noronha
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
Vítor Santos
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
R O M A
R O M AR O M A
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
Daniel Alves Bronstrup
 

Semelhante a A identidade civilizacional da Europa Ocidental (20)

A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
Da idade média à idade moderna
Da idade média à idade modernaDa idade média à idade moderna
Da idade média à idade moderna
 
Apresentaçãohistdir14
Apresentaçãohistdir14Apresentaçãohistdir14
Apresentaçãohistdir14
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino
1º ano    rafael - roma antiga e império bizantino1º ano    rafael - roma antiga e império bizantino
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
 
1º ano rafael - roma antiga
1º ano    rafael - roma antiga1º ano    rafael - roma antiga
1º ano rafael - roma antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino 2015
1º ano    rafael - roma antiga e império bizantino 20151º ano    rafael - roma antiga e império bizantino 2015
1º ano rafael - roma antiga e império bizantino 2015
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
R O M A
R O M AR O M A
R O M A
 
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Susana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
Susana Simões
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
Susana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
Susana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
Susana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
Susana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
Susana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
Susana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Susana Simões
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Susana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 

A identidade civilizacional da Europa Ocidental

  • 2. O tempo… O que vulgarmente se designa por ocidente medieval é, na verdade, uma realidade muito complexa que se desenvolve entre os sécs. V e XV, entre a queda do Império Romano do Ocidente (conquista de Roma pelos Hérulos em 476) e a queda de Constantinopla (capital do Império Romano do Oriente) às mãos dos turcos em 1453. Idade Média Alta Idade Média Sécs. V-X Baixa Idade Média Sécs. XI-XV
  • 3. 3. Multiplicidade de poderes À unidade política do mundo imperial romano sucedeu uma Europa dividida e instável onde coexistia uma multiplicidade de poderes:
  • 4. a) Os impérios: - Sacro Império RomanoGermânico: O desejo de restaurar a união na Europa e ter mais sucesso que Carlos Magno, levou, no séc. X, à aliança do rei da Germania (Otão I) com o Papa (territórios germânicos e italianos). O objetivo não foi alcançado, devido, essencialmente, às rivalidades entre o Imperador e o Papa; - Império Bizantino: afirmou-se como legitimo herdeiro do poder romano e recusou a autoridade do Sacro-Império, argumentando que um chefe bárbaro não poderia liderar os territórios cristãos;
  • 5. b) Os reinos: - Unidades territoriais que tem por soberano um rei ou uma rainha (chefe político pertencente a uma família nobre que se destacou ao nível político ou militar) que se assumem como as figuras supremas do Estado; - Os reinos de Portugal, Castela, Aragão, França e Inglaterra são os mais sólidos da Europa Ocidental no séc. XIII;
  • 6. c) Os senhorios - Terra que pertence a: um nobre ou eclesiástico; - Constituídos por: Castelo (ou mosteiro no caso dos senhorios eclesiásticos); Terras aráveis; Bosque; Aglomerados populacionais; Terras dispersas; - Divididos em: Reserva: terra explorada pelos camponeses ou servos ao serviço do senhor; Mansos: terra explorada pelos camponeses e famílias; Terras comunais: pastos, florestas, baldios…;
  • 7. Reconstituição de um senhorio ou domínio senhorial
  • 8. Poderes do senhor: - Económico (sobre as terras): - arrendar as terras aos camponeses ( em troca de ou trabalho); dinheiro, alimentos O que pede o camponês? O camponês pede proteção e sustento. O que oferece o camponês? O camponês oferece o seu serviço, obediência e fidelidade.
  • 9. Os camponeses livres ou colonos, que exploravam as terras arrendadas ficavam na dependência do senhor. Tinham que explorar a terra e deviam aos senhores determinadas obrigações: – pagamento de rendas pelo aluguer das terras; – pagamento de peagens (tributo sobre o trânsito de mercadorias que passavam pelas terras do senhor); – pagamento da talha (para assegurar a proteção do senhor); – cumprimento de corveias (dias de trabalho gratuito na reserva do senhor); – cumprimento de banalidades (entrega de parte do produto obtido pela utilização do moinho, forno… do senhor).
  • 10. - Político (sobre os homens): O clima de insegurança e a incapacidade dos reis assegurarem uma defesa eficaz levou as populações a procurarem proteção junto dos senhores, os quais acabaram por se apropriar de poderes outrora exclusivos do rei. - Poder judicial: julgar, aplicar penas; Poder de ban ou bannus - Poder fiscal: cobrar impostos e outras taxas; - Poder militar- recrutar homens para o seu exército;
  • 11. O poder de Bannum Aponte três razões que justifiquem a frase sublinhada no documento. O poder do senhor dentro do seu domínio era arbitrário. Ele podia impor multas, confiscar bens, obrigar ao trabalho gratuito em dias definidos “… na manutenção das fortificações e a abastecer alimentos frescos para os soldados.” Podia ainda exigir pagamento a todos os que passassem nas suas terras fossem “…mercadores, peregrinos e qualquer individuo que frequentasse a feiras a troco da proteção que lhes assegurava”. Podia ainda cunhar moeda e definir os impostos que entendesse sobre “o produto excedentário dos camponeses e sobre os lucros do comércio”.
  • 12. O senhor tinha amplos poderes e autonomia. O seu poder alargou-se progressivamente a outros senhores, conduzindo à divisão dos senhores feudais em duas categorias: – Grandes senhores (com direito de bannus, como condes, príncipes, abades…); - Pequenos senhores (fidalgos e monges) sujeitos ao poder banal da justiça, tal como os camponeses. Entre estes criam-se relações de vassalagem (feudo-vassálicas), oficializadas por um contrato de vassalagem estabelecido entre o suserano (o senhor mais poderoso) e o vassalo (o menos poderoso)
  • 13. Rei Duques, condes e membros do alto clero Cavaleiros e membros do baixo clero Soldados, camponeses e servos
  • 14. d) As comunas Séc. XI – A Europa atravessa um período de paz – o comercio e a vida urbana reanimam; A cidade vai-se desenvolvendo e procura formas de sobreviver fora da dependência dos senhores, livre das taxas e impostos; As cidades mais prósperas foram as primeiras a reivindicar autonomia administrativa em relação aos senhores das terras; Os mercadores do Norte de Itália criaram a comuna, uma associação de habitantes das cidades que, entre si, juram lealdade, assistência e cooperação. Reclamam os seus direitos e liberdades junto dos senhores feudais, criando uma rede de relações horizontais que se diferenciava da verticalidade das relações feudais. O movimento comunal consolidou-se no séc. XIII e vai contribuir para o enfraquecimento do poder senhorial e para o reforço das cidades.
  • 15. As comunas são cidades com direitos e autonomia outorgados aos habitantes pelas cartas comunais. Carta Comunal de Pontoise (1188)
  • 16. Quem outorga a carta comunal? A carta é outorgada pelo rei. Que privilégios recebem os habitantes? Os habitante de Pontoise: São homens livres; Estão isentos do pagamento de impostos; Estão impedidos de ser presos injustamente; Podem aplicar a justiça; Podem definir impostos a pagar pelos habitantes da cidade; Que garantias são dadas aos comerciantes? Os comerciantes não pagam portagens por passar em Pontoise e não podem ser atacados. Que obrigações são devidas aos habitantes? Os habitantes devem garantir a defesa da cidade, construir vigias e prisões.
  • 17. Nas regiões alemãs ou italianas desenvolveram-se cidades: – Governadas por um conselho de burgueses e um corpo de magistrados próprios; – Onde aos habitantes competia definir a aplicação e cobrança de impostos, a aplicação de justiça… As cidades possuíam símbolos da sua autonomia como o Palácio Comunal com o sino e o relógio.
  • 19. A organização das crenças: o reforço da coesão interna face a Bizâncio e ao Islão Contexto Após as invasões, a Igreja era, no Ocidente, a única força organizada: Uniu sob a mesma fé, sob a autoridade do mesmo chefe supremo (o Papa, Bispo de Roma) toda a cristandade latina. A afirmação da Igreja cristã apoiou-se no poder crescente do Bispo de Roma, sobretudo com a reforma gregoriana (séc. XI) através da qual foi disciplinada a atuação dos clérigos, e pronunciada a superioridade do Papa detentor do Imperium christianum (poder absoluto e universal sobre a cristandade). É a Dictatus Papae que redefine as relações entre o poder espiritual e o poder temporal.
  • 20. Funções da Igreja - Assegurou o apoio espiritual; - Promoveu a assistência; - Desenvolveu o ensino; Para assegurar estas e outras funções o clero recebia a dízima (décima parte dos rendimentos ou colheitas); - Incentivou a prática da paz cristã; A área de influência cristã foi aumento de forma gradual com a evangelização do Norte e Este da Europa (Noruega, Boémia, Polónia, Hungria) e com a Reconquista Cristã na Península Ibérica.
  • 21. No séc. XIII a Igreja era a mais poderosa e organizada instituição do Ocidente e o Bispo de Roma torna-se líder da comunidade cristã – o Papa: – É o chefe supremo, líder espiritual e temporal da cristandade ocidental; – Rege-se por um conjunto de leis próprias – o Direito Canónico; – Governa em nome de Deus – teocracia papal – e é o chefe da hierarquia eclesiástica.
  • 22. In Linhas da História, Ed. Areal
  • 23. Durante a Idade Média, a Igreja católica teve de enfrentar a oposição de: a) Bizâncio Séc. XI: Cisma da Cristandade – separação entre a Igreja do Ocidente e do Oriente Bizâncio desenvolveu, ao longo da Idade Média, uma florescente civilização que seguia os preceitos do Cristianismo, embora a língua oficial fosse o grego e não o latim. Discordavam em alguns pormenores doutrinais e o patriarca de Bizâncio recusava seguir o chefe máximo da Igreja romana, o Papa.
  • 24. Cisma da Cristandade Criação da Igreja Ortodoxa Grega, com sede em Bizâncio (Constantinopla) Expandiu-se para norte conquistando fieis nas regiões que correspondem atualmente às exrepúblicas socialistas soviéticas, como a Bulgária ou a Roménia. Igreja Católica Romana, com sede em Roma
  • 25. b) Islão – religião monoteísta; – dominou o sul do Mediterrâneo e o Médio Oriente; – enfrentaram os cristãos para expandir a sua fé - Guerra Santa ou Jihad; – entre os sécs. VIII e XII impuseram o seu poderio militar, apropriaram-se do comércio mediterrânico, desenvolveram uma próspera civilização caracterizada por belas cidades e pelo desenvolvimento das ciências, poesia e filosofia; A fé e a procura de expansão pela força levaram ao desenvolvimento de uma política de resposta cristã que se formalizou nas cruzadas iniciadas no final do séc. XI, sob influência de Urbano II. Estas ofensivas militares tinham como objetivo libertar os lugares santos da Palestina que estavam sob o poder muçulmano (espírito que se estendeu a outras regiões submetidas igualmente ao poder muçulmano).