SlideShare uma empresa Scribd logo
Romanização
da Península Ibérica
História – 10º ano
Marta Isabel Martins Vieira 2012/2013
Professora Sónia Araújo
Objetivos
• Dar a conhecer
• Definição de romanização;
• Romanização na Península Ibérica;
• Vestígios importantes da romanização na região de Lisboa.
2
ROMANIZAÇÃO 3
Romanização
• Ato ou efeito de
romanizar, isto é
adaptar aos costumes
e cultura romanos
(Cadernos de História
A1, p. 94).
• É um processo de
aculturação lento e
progressivo;
• Acentuou-se a partir
do séc. I d.C.
4
Aculturação
• Processo de adaptação de um
grupo ou povo a uma cultura
diferente da sua.
• Os grupos minoritários ou os
povos que se encontram sob
dominação externa têm
tendência para absorver a
cultura dominante (O Tempo da
História 10, vol.1, p. 112).
5
ROMANIZAÇÃO PENÍNSULA IBÉRICA 6
Romanização da Península Ibérica
• III Guerra Púnica
• Contra a presença cartaginesa;
• Os romanos chegam à Península Ibérica em 218 a. C.
7
Romanização da Península Ibérica
• Existiam já povos locais como:
• Os Lusitanos;
• Os Turdetanos;
• Os Cântabros;
• ….
8
Romanização da Península Ibérica
• Hispânia Romana divide-se em 3 províncias:
• Lusitânia;
• Tarraconense;
• Bética.
9
Romanização da Península Ibérica
• Por sua vez, as províncias dividiam-se em conventus.
10
Romanização da Península Ibérica
• Nos conventus, fundaram-se:
• Colónias:
• cidades habitadas por romanos;
• Muitas transformaram-se em
municípios;
• Tinham privilégios e uma
organização político-adminis-
trativa e social semelhante à
de Roma.
• Vilas
• povoações rústicas. 11
ELEMENTOS DA ROMANIZAÇÃO 12
Romanização
…implicou uma profunda transformação dos modos de vida…
Alteração do regime da
propriedade fundiária
novas culturas
oliveira e a vinha
economia
comercial e monetária
novas atividades
exploração mineira, à pesca e à
indústria conserveira;
novo estilo de vida
língua
Latim
13
Elementos da Romanização
• Cidades
14
Conímbriga - Reconstituição Conímbriga - Atualidade
Elementos da Romanização
• Estradas Romanas - viae
15
Elementos da Romanização
16
Via Romana da Roda - Portugal
Elementos da Romanização
• Latim • Imperador
17
Bronze de Alcántara, ou Tabula Alcantarensis,
inscrição romana na Lusitânia
Octávio César Augusto
Elementos da Romanização
• Construções
Aqueduto de Segóvia, Espanha
Ponte de Alcântara, Espanha
Templo de Diana, Évora
18
Elementos da Romanização
• Construções
Teatro de Mérida, Espanha
Termas romanas de Miróbriga, Portugal
Anfiteatro de Mérida, Espanha
19
Elementos da Romanização
• Legiões
20
Elementos da Romanização
• Moeda • Direito Romano
21Lei das XII Tábuas
ROMANIZAÇÃO DA ZONA DE LISBOA E
SETÚBAL
22
Romanização Lisboa e Setúbal
• Lisboa - Felicitas Julia Olisipo;
• Setúbal - Cétobriga
23
OLISIPO FELICITAS IULIA 24
Olisipo Felicitas Iulia
• Origens
• O povoado inicial (séc. VIII-
VII a.C.) encontrava-se
instalado no colina e
encosta do Castelo, ligado
com o comércio marítimo e
o mundo oriental,
sobretudo fenício.
• A região só seria integrada
no mundo romano em 137
a.C., por Décimo Júnio
Bruto.
Fonte: http://www.lisboa-cidade.com
25
Olisipo Felicitas Iulia
• Origens
• No tempo do Imperador
Augusto a cidade recebe o
nome de Felicitas Iulia Olisipo
(31 a.C.-27 a.C.);
• Torna-se capital de um
município de cidadãos
romanos;
• Administrando um território
vasto que se estendia à
margem sul do rio Tejo, até à
Arrábida.
26
Olisipo Felicitas Iulia
• Evolução da Cidade
• A zona do Castelo é abandonada;
• Na encosta meridional a cidade
adquire uma nova paisagem
urbana, de traços monumentais;
• A partir da época dos
imperadores júlio-cláudios (27
a.C.-68 d.C.) constroem-se
edifícios públicos, de natureza
administrativa, religiosa e civil, de
que são exemplos o teatro e um
conjunto balnear designado por
Termas dos Cássios (ambos na
zona da Sé), entre outros.
27
28
Reconstituição de Olisipo segundo César Figueiredo
Olisipo Felicitas Iulia
• Teatro Romano
• Construído no do tempo
de Augusto;
• Reconstruído em 57 d. C.;
• Foi descoberto após o
terramoto de 1755;
• Situado entre a Rua de
São Mamede e a Rua da
Saudade;
29
30
Ruínas atuais do teatro
Fonte: wikipédia
31
Desenho de Francisco Fabri – ruínas do teatro romano, 1798
Fonte: http://www.museuteatroromano.pt/
Olisipo Felicitas Iulia
• Termas dos Cássios
• Existiam referências
deste o séc. XVIII;
• Só em 1991 e 1994 foi
possível identificar a
estrutura;
• Descoberta quando se
colocavam cabos
telefónico.
32
33
Vestígios das Termas
Fonte: http://www.portugalromano.com
Vestígios das Termas
Fonte: http://www.portugalromano.com
Olisipo Felicitas Iulia
• Galerias Romanas da
Rua da Prata
• é considerada um
criptopórtico;
• grande plataforma artificial
nivelada;
• Actualmente resta o que teria
sido um vasto complexo de
galerias do qual não se
conhece a dimensão total;
• A construção é datada da
época da ocupação romana,
durante o governo de Augusto;
34
Olisipo Felicitas Iulia
35
Olisipo Felicitas Iulia
• Galerias Romanas da Rua da Prata
• As galerias compõem-se de corredores abobadados,
paralelos uns aos outros, com cerca de 3 metros de
altura e por 2 a 3 metros de largura, as paredes são
planas e verticais, com abóbadas em arcos de volta
circular.
36
Olisipo Felicitas Iulia
• Cetária
• tanque de salga;
• Rua dos Correeiros;
• Descoberto durante
obras para instalação de
uma agência do Banco
Comercial Português;
37
Olisipo Felicitas Iulia
38
Olisipo Felicitas Iulia
• Cerca Velha
• Possível vestígio da muralha romana.
39
Olisipo Felicitas Iulia
• Barragem Romana de Belas
40
Olisipo Felicitas Iulia
• Ponte Romana de Sacavém
• 1571;
• Francisco de Holanda representa a ponte;
41
CETÓBRIGA 42
Cétobriga
• Origens
• foi uma povoação de origem celta;
• É a atual Setúbal.
• É referida por Ptolomeu (Geographia, II, 5,2);
• Itinerário de Antonino
• Refere que é uma das vias que ligava Olisipo a Emerita,
situada a 24 milhas de Olisipo
43
Cétobriga
• Cetária
• tanque de salga;
• Praia do Creiro;
44
Cétobriga
• Península de Tróia
• Zona de produção de garum;
45
CONCLUSÃO 46
Conclusão
• Com este trabalho concluímos que a presença dos romanos na
Península Ibérica foi importante para a transformação dos
hábitos, cultura e paisagem locais.
• Os elementos de romanização contribuíram para que as
populações locais fossem integradas no seio do Império,
integração essa concretizada plenamente em 212 com o Édito
de Caracala.
• A presença na região de Olisipo implicou a renovação da
povoação local e a construção de uma série de infraestruturas
que confirmam a presença romana.
• Já na região de Setúbal, os vestígios são sobretudo ao nível
das estruturas industriais, nomeadamente a industria da salga
de peixe.
47
Bibliografia
• Bibliografia:
• Pinto, A., Carvalho, M., (2012). Cadernos de História A1 – Tempos,
Espaços e Protagonistas. Porto: Porto Editora.
• Couto, C., Rosas, M., (2012). O Tempo da História – 1ª Parte,
Porto: Porto Editora.
48
Bibliografia
• Webgrafia
• As termas romanas dos Cássios, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível
http://www.portugalromano.com/2012/01/as-termas-romanas-dos-cassios-olisipo-lisboa/
• Barragem Romana de Belas, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível
http://www.portugalromano.com/2012/01/barragem-romana-de-belas-belas-sintra/
• Cetóbriga, [Consultado 09 Dezembro, 2012]. Disponível em http:// pt.wikipedia.org/wiki/ Cetóbriga
• Galerias Romanas da Rua da Prata, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível
http://www.portugalromano.com/2012/01/galerias-romanas-da-rua-da-prata-olisipo-lisboa/
• História da cidade de Lisboa, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível em http://www.lisboa-
cidade.com/lx/
• Núcleo arqueológico da Rua dos Correeiros – Olisipo, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível
em http://www.portugalromano.com/2012/01/narc-olisipo-millennium-bcp/
49
Bibliografia
• Webgrafia
• O teatro, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível em
http://www.museuteatroromano.pt/oteatro/Paginas/default.aspx
• Olisipo – A Cidade Romana, [Consultado 09 Dezembro, 2012]. Disponível em
http://www.museudacidade.pt/Esposicoes/
Permanente/Paginas/Olisipo%E2%80%93A-Cidade-Romana-sec-II-ac%E2%80%93sec-
IV-dc.aspx
• Olisipo, [Consultado 09 Dezembro, 2012]. Disponível em http:// pt.wikipedia.org
/wiki/Olisipo
• Ponte Romana de Sacavém, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível
http://www.portugalromano.com/2011/01/a-ponte-romana-de-sacavem/
• Teatro romano da cidade de Olisipo, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível em
http://www.portugalromano.com/2012/08/teatro-romano-da-cidade-de-olisipo-
museu-lisboa/
50

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
Mariana Neves
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
CatarinaTavares28
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia
Lucas Nunes
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
Maria Cristina Ribeiro
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
Susana Simões
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
Lojinha da Flor
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Zé Mário
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 

Mais procurados (20)

A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 

Destaque

Negros na literatura - Consciência negra
Negros na literatura - Consciência negraNegros na literatura - Consciência negra
Negros na literatura - Consciência negra
Daniele Silva
 
As crônicas nos blogs
As crônicas nos blogsAs crônicas nos blogs
As crônicas nos blogs
Daniele Silva
 
A Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península IbéricaA Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península Ibérica
guestd6ef96de
 
Ficha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do SenadoFicha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do Senado
Marconi Ferreira Perillo Jr.
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
rukka
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - Urbanismo
Carlos Vieira
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
LuisMagina
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Carlos Vieira
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império Romano
Vítor Santos
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Maria Gomes
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
Bruno Ganhão
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
Vítor Santos
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
Vítor Santos
 

Destaque (14)

Negros na literatura - Consciência negra
Negros na literatura - Consciência negraNegros na literatura - Consciência negra
Negros na literatura - Consciência negra
 
As crônicas nos blogs
As crônicas nos blogsAs crônicas nos blogs
As crônicas nos blogs
 
A Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península IbéricaA Romanização na Península Ibérica
A Romanização na Península Ibérica
 
Ficha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do SenadoFicha Limpa - Despacho do Senado
Ficha Limpa - Despacho do Senado
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - Urbanismo
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romana
 
Decadência do Império Romano
Decadência do Império RomanoDecadência do Império Romano
Decadência do Império Romano
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
 

Semelhante a Romanização da Península Ibérica

Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1
Ariy3
 
Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1
Ariy3
 
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIIIImperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
martamariafonseca
 
Império e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIIIImpério e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIII
cruchinho
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
martamariafonseca
 
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do séc
Silvia Lino
 
Romanização em Portugal
Romanização em Portugal   Romanização em Portugal
Romanização em Portugal
Filipa Silva
 
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santosHistória do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
Artur Filipe dos Santos
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
cattonia
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
cattonia
 
Conimbriga
ConimbrigaConimbriga
Conimbriga
laraligia
 
Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineira
Nívia Sales
 
Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanização
Isabel Mendinhos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
crisanadu
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
crisanadu
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
guestdc4fd36
 
AULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptx
AULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptxAULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptx
AULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptx
maria aparecida coelho lira
 
A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)
Mariajosesantos57
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
Rosa Silva
 

Semelhante a Romanização da Península Ibérica (20)

Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1
 
Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1
 
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIIIImperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
 
Império e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIIIImpério e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIII
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do séc
 
Romanização em Portugal
Romanização em Portugal   Romanização em Portugal
Romanização em Portugal
 
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santosHistória do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
 
Conimbriga
ConimbrigaConimbriga
Conimbriga
 
Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineira
 
Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanização
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
AULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptx
AULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptxAULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptx
AULA-HISTORIA-EXPANSAO-E-OURO-NA-AMERICA-PORTUGUESA (1).pptx
 
A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 

Mais de Carlos Vieira

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Carlos Vieira
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
Carlos Vieira
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
Carlos Vieira
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
Carlos Vieira
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
Carlos Vieira
 
Danton
DantonDanton
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Carlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Carlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Romanização da Península Ibérica

  • 1. Romanização da Península Ibérica História – 10º ano Marta Isabel Martins Vieira 2012/2013 Professora Sónia Araújo
  • 2. Objetivos • Dar a conhecer • Definição de romanização; • Romanização na Península Ibérica; • Vestígios importantes da romanização na região de Lisboa. 2
  • 4. Romanização • Ato ou efeito de romanizar, isto é adaptar aos costumes e cultura romanos (Cadernos de História A1, p. 94). • É um processo de aculturação lento e progressivo; • Acentuou-se a partir do séc. I d.C. 4
  • 5. Aculturação • Processo de adaptação de um grupo ou povo a uma cultura diferente da sua. • Os grupos minoritários ou os povos que se encontram sob dominação externa têm tendência para absorver a cultura dominante (O Tempo da História 10, vol.1, p. 112). 5
  • 7. Romanização da Península Ibérica • III Guerra Púnica • Contra a presença cartaginesa; • Os romanos chegam à Península Ibérica em 218 a. C. 7
  • 8. Romanização da Península Ibérica • Existiam já povos locais como: • Os Lusitanos; • Os Turdetanos; • Os Cântabros; • …. 8
  • 9. Romanização da Península Ibérica • Hispânia Romana divide-se em 3 províncias: • Lusitânia; • Tarraconense; • Bética. 9
  • 10. Romanização da Península Ibérica • Por sua vez, as províncias dividiam-se em conventus. 10
  • 11. Romanização da Península Ibérica • Nos conventus, fundaram-se: • Colónias: • cidades habitadas por romanos; • Muitas transformaram-se em municípios; • Tinham privilégios e uma organização político-adminis- trativa e social semelhante à de Roma. • Vilas • povoações rústicas. 11
  • 13. Romanização …implicou uma profunda transformação dos modos de vida… Alteração do regime da propriedade fundiária novas culturas oliveira e a vinha economia comercial e monetária novas atividades exploração mineira, à pesca e à indústria conserveira; novo estilo de vida língua Latim 13
  • 14. Elementos da Romanização • Cidades 14 Conímbriga - Reconstituição Conímbriga - Atualidade
  • 15. Elementos da Romanização • Estradas Romanas - viae 15
  • 16. Elementos da Romanização 16 Via Romana da Roda - Portugal
  • 17. Elementos da Romanização • Latim • Imperador 17 Bronze de Alcántara, ou Tabula Alcantarensis, inscrição romana na Lusitânia Octávio César Augusto
  • 18. Elementos da Romanização • Construções Aqueduto de Segóvia, Espanha Ponte de Alcântara, Espanha Templo de Diana, Évora 18
  • 19. Elementos da Romanização • Construções Teatro de Mérida, Espanha Termas romanas de Miróbriga, Portugal Anfiteatro de Mérida, Espanha 19
  • 21. Elementos da Romanização • Moeda • Direito Romano 21Lei das XII Tábuas
  • 22. ROMANIZAÇÃO DA ZONA DE LISBOA E SETÚBAL 22
  • 23. Romanização Lisboa e Setúbal • Lisboa - Felicitas Julia Olisipo; • Setúbal - Cétobriga 23
  • 25. Olisipo Felicitas Iulia • Origens • O povoado inicial (séc. VIII- VII a.C.) encontrava-se instalado no colina e encosta do Castelo, ligado com o comércio marítimo e o mundo oriental, sobretudo fenício. • A região só seria integrada no mundo romano em 137 a.C., por Décimo Júnio Bruto. Fonte: http://www.lisboa-cidade.com 25
  • 26. Olisipo Felicitas Iulia • Origens • No tempo do Imperador Augusto a cidade recebe o nome de Felicitas Iulia Olisipo (31 a.C.-27 a.C.); • Torna-se capital de um município de cidadãos romanos; • Administrando um território vasto que se estendia à margem sul do rio Tejo, até à Arrábida. 26
  • 27. Olisipo Felicitas Iulia • Evolução da Cidade • A zona do Castelo é abandonada; • Na encosta meridional a cidade adquire uma nova paisagem urbana, de traços monumentais; • A partir da época dos imperadores júlio-cláudios (27 a.C.-68 d.C.) constroem-se edifícios públicos, de natureza administrativa, religiosa e civil, de que são exemplos o teatro e um conjunto balnear designado por Termas dos Cássios (ambos na zona da Sé), entre outros. 27
  • 28. 28 Reconstituição de Olisipo segundo César Figueiredo
  • 29. Olisipo Felicitas Iulia • Teatro Romano • Construído no do tempo de Augusto; • Reconstruído em 57 d. C.; • Foi descoberto após o terramoto de 1755; • Situado entre a Rua de São Mamede e a Rua da Saudade; 29
  • 30. 30 Ruínas atuais do teatro Fonte: wikipédia
  • 31. 31 Desenho de Francisco Fabri – ruínas do teatro romano, 1798 Fonte: http://www.museuteatroromano.pt/
  • 32. Olisipo Felicitas Iulia • Termas dos Cássios • Existiam referências deste o séc. XVIII; • Só em 1991 e 1994 foi possível identificar a estrutura; • Descoberta quando se colocavam cabos telefónico. 32
  • 33. 33 Vestígios das Termas Fonte: http://www.portugalromano.com Vestígios das Termas Fonte: http://www.portugalromano.com
  • 34. Olisipo Felicitas Iulia • Galerias Romanas da Rua da Prata • é considerada um criptopórtico; • grande plataforma artificial nivelada; • Actualmente resta o que teria sido um vasto complexo de galerias do qual não se conhece a dimensão total; • A construção é datada da época da ocupação romana, durante o governo de Augusto; 34
  • 36. Olisipo Felicitas Iulia • Galerias Romanas da Rua da Prata • As galerias compõem-se de corredores abobadados, paralelos uns aos outros, com cerca de 3 metros de altura e por 2 a 3 metros de largura, as paredes são planas e verticais, com abóbadas em arcos de volta circular. 36
  • 37. Olisipo Felicitas Iulia • Cetária • tanque de salga; • Rua dos Correeiros; • Descoberto durante obras para instalação de uma agência do Banco Comercial Português; 37
  • 39. Olisipo Felicitas Iulia • Cerca Velha • Possível vestígio da muralha romana. 39
  • 40. Olisipo Felicitas Iulia • Barragem Romana de Belas 40
  • 41. Olisipo Felicitas Iulia • Ponte Romana de Sacavém • 1571; • Francisco de Holanda representa a ponte; 41
  • 43. Cétobriga • Origens • foi uma povoação de origem celta; • É a atual Setúbal. • É referida por Ptolomeu (Geographia, II, 5,2); • Itinerário de Antonino • Refere que é uma das vias que ligava Olisipo a Emerita, situada a 24 milhas de Olisipo 43
  • 44. Cétobriga • Cetária • tanque de salga; • Praia do Creiro; 44
  • 45. Cétobriga • Península de Tróia • Zona de produção de garum; 45
  • 47. Conclusão • Com este trabalho concluímos que a presença dos romanos na Península Ibérica foi importante para a transformação dos hábitos, cultura e paisagem locais. • Os elementos de romanização contribuíram para que as populações locais fossem integradas no seio do Império, integração essa concretizada plenamente em 212 com o Édito de Caracala. • A presença na região de Olisipo implicou a renovação da povoação local e a construção de uma série de infraestruturas que confirmam a presença romana. • Já na região de Setúbal, os vestígios são sobretudo ao nível das estruturas industriais, nomeadamente a industria da salga de peixe. 47
  • 48. Bibliografia • Bibliografia: • Pinto, A., Carvalho, M., (2012). Cadernos de História A1 – Tempos, Espaços e Protagonistas. Porto: Porto Editora. • Couto, C., Rosas, M., (2012). O Tempo da História – 1ª Parte, Porto: Porto Editora. 48
  • 49. Bibliografia • Webgrafia • As termas romanas dos Cássios, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível http://www.portugalromano.com/2012/01/as-termas-romanas-dos-cassios-olisipo-lisboa/ • Barragem Romana de Belas, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível http://www.portugalromano.com/2012/01/barragem-romana-de-belas-belas-sintra/ • Cetóbriga, [Consultado 09 Dezembro, 2012]. Disponível em http:// pt.wikipedia.org/wiki/ Cetóbriga • Galerias Romanas da Rua da Prata, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível http://www.portugalromano.com/2012/01/galerias-romanas-da-rua-da-prata-olisipo-lisboa/ • História da cidade de Lisboa, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível em http://www.lisboa- cidade.com/lx/ • Núcleo arqueológico da Rua dos Correeiros – Olisipo, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível em http://www.portugalromano.com/2012/01/narc-olisipo-millennium-bcp/ 49
  • 50. Bibliografia • Webgrafia • O teatro, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível em http://www.museuteatroromano.pt/oteatro/Paginas/default.aspx • Olisipo – A Cidade Romana, [Consultado 09 Dezembro, 2012]. Disponível em http://www.museudacidade.pt/Esposicoes/ Permanente/Paginas/Olisipo%E2%80%93A-Cidade-Romana-sec-II-ac%E2%80%93sec- IV-dc.aspx • Olisipo, [Consultado 09 Dezembro, 2012]. Disponível em http:// pt.wikipedia.org /wiki/Olisipo • Ponte Romana de Sacavém, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível http://www.portugalromano.com/2011/01/a-ponte-romana-de-sacavem/ • Teatro romano da cidade de Olisipo, [Consultado 10 Dezembro, 2012]. Disponível em http://www.portugalromano.com/2012/08/teatro-romano-da-cidade-de-olisipo- museu-lisboa/ 50