SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Império Romano

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
Segundo a lenda, Roma foi fundada em 753 a.c.
A cidade cresceu e foi conquistando os povos vizinhos. Acabou por
dominar um império colossal. Todas as margens do mar
Mediterrâneo eram dominadas por Roma, daí chamarem-lhe Mare
Nostrum (Mar Nosso) ou Lago Romano.
Império: estado constituído
por vários territórios, juntos
ou dispersos, sob o mesmo
domínio político e
económico. Também
designa o período em que a
civilização romana era
governada pelo Imperador.
O Império Romano, 7º ano

2
No início Roma era governada por reis (monarquia), no ano 509 a.c.,
foi instaurada a República;
Na época do nascimento de Cristo, Octávio tornou-se no primeiro
Imperador Romano;
O exército romano (Legiões) conquistou o império e durante séculos
manteve a paz e a prosperidade (pax romana).

O Império Romano, 7º ano

3
Os romanos à medida que conquistavam os territórios
romanizavam.

O Império Romano, 7º ano

4
Romanização: é a difusão da línguas, costumes, cultura, leis e arte
romanas pelos povos conquistados de modo a que estes se sintam
integrados como cidadãos do Império.

O Império Romano, 7º ano

5
Fatores que contribuíram para a romanização:
Latim como língua oficial em todo o império;
Rede de estradas que ligava as cidades romanas;
Uso da mesma moeda;
Direito romano, as leis eram iguais em todo o império;
Administração do império, dividido em províncias, com um
governador;
Atribuição da cidadania romana a todos os homens livres do
Império, em 212, pelo imperador Caracala.

O Império Romano, 7º ano

6
Mapa das principais estradas romanas

O Império Romano, 7º ano

7
Durante os séculos I e II, a paz romana, permitiu uma grande
prosperidade;
Desenvolve-se uma economia urbana, comercial e monetária;

O Império Romano, 7º ano

8
Economia urbana porque as cidades eram o centro político e
económico do império.
Pompeia

O Império Romano, 7º ano

9
Economia comercial porque o comércio era a principal atividade
económica no Império. As mercadorias circulavam pelas estradas,
rios e mar Mediterrâneo e eram vendidas nos mercados das
cidades;

Ponte romana de
Chaves

O Império Romano, 7º ano

10
Economia monetária porque o principal instrumento de troca era a
moeda;
Sestercius (moedas de bronze);
Denarius (moedas de prata);
Aureus (moedas de ouro)

O Império Romano, 7º ano

11
Roma era o centro do comércio de todo o império;
Era uma cidade gigantesca que chegou a ter um milhão de
habitantes.

O Império Romano, 7º ano

12
Por todo o império existiam numerosas cidades ligadas por rotas
comerciais onde chegavam os produtos, muitos deles, como a
seda, provenientes de lugares longínquos.
A seda era produzida na China e chegava ao império através da
Rota da Seda.

Conimbriga

O Império Romano, 7º ano

13
Na sociedade romana existiam homens livres (cidadãos) e não livres
(escravos);
Os homens livres estavam divididos segundo a sua riqueza:
Ordem senatorial. Os senadores eram escolhidos entre aqueles que
possuíam uma fortuna superior a 1 milhão de sestércios. Em geral
eram grandes latifundiários (proprietários agrícolas);
Ordem equestre. Os cavaleiros eram cidadãos que possuíam mais de
400 mil sestércios;
A plebe. Maioria da população romana. Era constituída pelos
camponeses, pequenos comerciantes e artesãos.
Para garantir a paz social, o governo distribuía alimentos
gratuitamente e organizava espetáculos.

O Império Romano, 7º ano

14
Os homens não livres eram os escravos. Eram numerosos e faziam
todo o tipo de trabalhos. Não tinham direitos. Alguns tinham
trabalhos menos pesados como secretários os pedagogos
(professores particulares), sobretudo os escravos mais cultos como
os gregos.

O Império Romano, 7º ano

15
Os escravos podiam ser libertados pelos donos ou comprar a sua
liberdade (alforria). Passavam a ter o estatuto de libertos e podiam
subir na escala social.

O Império Romano, 7º ano

16
Roma era uma cidade com mais de um milhão de habitantes. O
centro das cidades romanas era o fórum (praça pública), Roma
tinha vários fóruns.
Existiam ruas, moradias, prédios de apartamentos, teatros,
anfiteatros, termas, aquedutos, esgotos, lojas, restaurantes, etc.

Fórum romano
(reconstituição)

O Império Romano, 7º ano

17
Roma era uma cidade de contrastes.
Os mais ricos viviam em luxuosas moradias (domus) e, muitas vezes
possuíam casas de campo (villae). Muitas destas casas tinham
termas privadas.
A plebe vivia em edifícios de apartamentos sem água corrente.
(insulae).

O Império Romano, 7º ano

18
Os homens mais ricos dedicavam-se aos negócios, atividades
políticas, e religiosas.
Frequentavam os banhos públicos (termas) onde liam, conversavam,
tratavam de negócios. À noite organizavam-se banquetes.

O Império Romano, 7º ano

19
A plebe trabalhava nos ofícios e nos tempos livres assistia a
espetáculos: lutas de gladiadores, corridas de carros e peças de
teatro.

O Império Romano, 7º ano

20
As mulheres dedicavam-se às tarefas domésticas. Podiam
frequentar as termas e assistir a espetáculos públicos.
Muitos rapazes e raparigas frequentavam a escola até aos 12 anos.
Após essa idade apenas alguns rapazes, de famílias ricas,
continuavam a estudar.

O Império Romano, 7º ano

21
Quando Roma iniciou a sua expansão o sistema político era uma
República.
Existiam três órgãos políticos principais:
Comícios: assembleias de cidadãos que elegiam os magistrados e
aprovavam as leis;
Magistrados: eleitos para os diversos cargos do governo e da
administração;
Senado: assembleia constituída por Senadores que eram eleitos.
Controlavam o exército, a política externa e davam pareceres sobre
as leis.

O Império Romano, 7º ano

22
Depois de muitos conflitos e guerras civis, em 27 a.c., iniciou-se um
novo regime político, o Império. O poder estava concentrado numa
pessoas, o Imperador.
O primeiro imperador foi Octávio César Augusto. Tem um estatuto
sagrado (augusto). Existe o culto do imperador, são considerados
como deuses.

O Império Romano, 7º ano

23
O imperador controlava todas as instituições políticas, as
instituições da República foram mantidas mas perderam o seu
poder:
Controlava o poder legislativo (criar leis), pois podia vetar(anular)
todas as decisões do Senado;
Era o chefe do exército (imperator);
Era o supremo sacerdote (Pontifex Maximus);
Controlava a administração pública e finanças do Império.

O Império Romano, 7º ano

24
Os romanos foram influenciados por outras civilizações, sobretudo
a grega, mas caracterizaram-se pela sua originalidade e sentido
prático.
O direito romano influenciou o direito atual. As primeiras leis
escritas datam de 450 a.c., a Lei das Dozes Tábuas.
As leis eram iguais em todo o Império
Dividiram o direito em:
Direito público. As leis que regulam as relações entre o Estado e os
cidadãos e o funcionamento do Estado;
Direito privado. As leis que regulam as relações entre os cidadãos.
Direito - (conjunto de leis que regulam o funcionamento do estado
e das relações entre os cidadãos.
O Império Romano, 7º ano

25
As cidades criadas pelos romanos tinham um traçado geométrico.
As ruas eram todas paralelas ou perpendiculares. No centro
encontrava-se o fórum

O Império Romano, 7º ano

26
A arte romana foi influenciada por outras civilizações, em
particular, a grega, mas acrescentaram-lhe o seu sentido prático e
funcional.
As construções deviam responder às necessidades dos romanos.
Construíram pontes, aquedutos, templos, estradas, teatros,
anfiteatros, etc.
Anfiteatro Flávio (Coliseu).
Aqueduto e ponte.

O Império Romano, 7º ano

27
Características da arquitetura romana:
Monumentalidade, solidez e durabilidade das construções;

O Império Romano, 7º ano

28
Características da arquitetura romana:
Influências gregas na decoração

O Império Romano, 7º ano

29
Características da arquitetura romana:
Utilização do arco de volta perfeita, da abóbada de berço e da
cúpula;

O Império Romano, 7º ano

30
Características da escultura romana:
Realismo, retratavam as pessoas como elas eram, mesmo as
imperfeições;
O relevo retratava cenas históricas, mitológicas ou do quotidiano.

O Império Romano, 7º ano

31
A pintura sobre madeira, a pintura a fresco e os mosaicos
representavam as mesmas cenas do relevo: mitológicas, histórias e
do quotidiano.
Mosaicos. Técnica que
utiliza pequenas pedras
coloridas (tesselas) para
compor um desenho.

O Império Romano, 7º ano

32
Pintura a fresco era executada sobre as paredes enquanto o reboco
estava húmido (fresco).

Pinturas sobre madeira
Pinturas a fresco

O Império Romano, 7º ano

33
Os romanos chegaram à Península Ibérica no século III a.c., mas só
em 19 a.c. terminaram a conquista;
Alguns povos, nomeadamente os Lusitanos e os Celtas opuseram
uma forte resistência;

O Império Romano, 7º ano

34
Os romanos eram politeístas. Existiam duas formas de culto:

Culto domestico. Realizado em pequenos altares em casa, pelo
chefe de família. Era dedicado aos Lares(protetores do lar), aos
Penates (protetores dos alimentos) e aos Manes (espíritos dos
antepassados);
Culto público. Realizado nos templos e nos altares (aras) ao ar livre.
Os cultos eram dirigidos pelos sacerdotes.

O Império Romano, 7º ano

35
No século I surgiu o culto ao Imperador.
Os cultos consistiam cerimónias religiosas, orações, oferendas,
sacrifícios de animais, procissões, etc.
Os romanos eram tolerantes em questões religiosas. Aceitavam
todos os deuses, mesmo dos povos conquistados.

O Império Romano, 7º ano

36
Na região oriental do Império vivia um povo, os Judeus, que eram
monoteístas, e recusavam aceitar o culto ao imperador;

O Império Romano, 7º ano

37
Na região da Judeia desenvolveu-se uma nova religião, o cristianismo.
Uma religião monoteísta;
Jesus Cristo e os seus discípulos pregaram uma religião com os
seguintes princípios:
Universalidade e igualdade, de todos perante Deus, ricos e pobres,
livres e escravos;
Fraternidade e paz, defendia o amor a Deus e ao próximo e
condenava a guerra;
Crença na vida para além da morte como recompensa pelas boas
ações;
Jesus foi considerado um agitador e condenado à morte.

O Império Romano, 7º ano

38
Após a morte de Jesus Cristo a mensagem desta nova religião foi
atraindo mais crentes.
A difusão do cristianismo foi favorecida pelos seguintes fatores:
Insatisfação de uma parte da população face às desigualdades
sociais;
Um vasta rede viária que facilitou a deslocação dos pregadores;
Unidade linguística, o latim que facilitou a comunicação.

O Império Romano, 7º ano

39
Muitos imperadores vão perseguir os cristãos, porque não
aceitavam prestar culto ao imperador;
Praticavam o culto em câmaras subterrâneas (catacumbas);
Muitos cristãos foram condenados a lutar com feras.

O Império Romano, 7º ano

40
Apesar das perseguições o numero de conversões continuou a
aumentar;
Em 313, o imperador Constantino, concedeu a liberdade de culto
aos cristãos (Édito de Milão);
Em 381, o imperador Teodósio, transformou o cristianismo em
religião oficial do Império, todas as outras religiões foram proibidas
e os seus adeptos perseguidos.

Imperador Constantino

O Império Romano, 7º ano

41

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialSusana Simões
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romanoCarla Freitas
 
Romanização 7ºAno / Historia
Romanização 7ºAno / Historia Romanização 7ºAno / Historia
Romanização 7ºAno / Historia Francisco Nogueira
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa romaAna Barreiros
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medievalcattonia
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2cattonia
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iTeresa Maia
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhioSusana Simões
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibéricaMaria Cristina Ribeiro
 

Mais procurados (20)

4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperial
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
 
Romanização 7ºAno / Historia
Romanização 7ºAno / Historia Romanização 7ºAno / Historia
Romanização 7ºAno / Historia
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
 

Destaque

O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império RomanoHCA_10I
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romanacattonia
 
Sociedade romana
Sociedade romanaSociedade romana
Sociedade romanaJorgelgl
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de artelisneia2012
 
O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O CristianismoAEDFL
 
República Velha - características gerais
República Velha - características geraisRepública Velha - características gerais
República Velha - características geraiscarlosbidu
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3cattonia
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Pptrukka
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em romaCarla Teixeira
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Destaque (20)

1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Teste romanos
Teste romanosTeste romanos
Teste romanos
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
2011 releitura renascimento
2011 releitura renascimento2011 releitura renascimento
2011 releitura renascimento
 
Sociedade romana
Sociedade romanaSociedade romana
Sociedade romana
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
 
Roma antiga resumo
Roma antiga resumoRoma antiga resumo
Roma antiga resumo
 
A cultura romana 1
A cultura romana 1A cultura romana 1
A cultura romana 1
 
O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O Cristianismo
 
História (Roma)
História (Roma)História (Roma)
História (Roma)
 
República Velha - características gerais
República Velha - características geraisRepública Velha - características gerais
República Velha - características gerais
 
A República velha
A República velhaA República velha
A República velha
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
 

Semelhante a Império romano

Semelhante a Império romano (20)

Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
civilização-romana.ppt
civilização-romana.pptcivilização-romana.ppt
civilização-romana.ppt
 
Roma Aspecto Culturais
Roma Aspecto CulturaisRoma Aspecto Culturais
Roma Aspecto Culturais
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parteO mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parte
 
Roma Imperial
Roma ImperialRoma Imperial
Roma Imperial
 
1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
 
Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01
 
O mundo romano - tetyana
O mundo romano -  tetyanaO mundo romano -  tetyana
O mundo romano - tetyana
 
Império romano blogue
Império romano blogueImpério romano blogue
Império romano blogue
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
Roma Antiga
Roma  Antiga Roma  Antiga
Roma Antiga
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdfVítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdfVítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdfVítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdfVítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdfVítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdfVítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdfVítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdfVítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdfVítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 

Último

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 

Último (20)

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 

Império romano

  • 2. Segundo a lenda, Roma foi fundada em 753 a.c. A cidade cresceu e foi conquistando os povos vizinhos. Acabou por dominar um império colossal. Todas as margens do mar Mediterrâneo eram dominadas por Roma, daí chamarem-lhe Mare Nostrum (Mar Nosso) ou Lago Romano. Império: estado constituído por vários territórios, juntos ou dispersos, sob o mesmo domínio político e económico. Também designa o período em que a civilização romana era governada pelo Imperador. O Império Romano, 7º ano 2
  • 3. No início Roma era governada por reis (monarquia), no ano 509 a.c., foi instaurada a República; Na época do nascimento de Cristo, Octávio tornou-se no primeiro Imperador Romano; O exército romano (Legiões) conquistou o império e durante séculos manteve a paz e a prosperidade (pax romana). O Império Romano, 7º ano 3
  • 4. Os romanos à medida que conquistavam os territórios romanizavam. O Império Romano, 7º ano 4
  • 5. Romanização: é a difusão da línguas, costumes, cultura, leis e arte romanas pelos povos conquistados de modo a que estes se sintam integrados como cidadãos do Império. O Império Romano, 7º ano 5
  • 6. Fatores que contribuíram para a romanização: Latim como língua oficial em todo o império; Rede de estradas que ligava as cidades romanas; Uso da mesma moeda; Direito romano, as leis eram iguais em todo o império; Administração do império, dividido em províncias, com um governador; Atribuição da cidadania romana a todos os homens livres do Império, em 212, pelo imperador Caracala. O Império Romano, 7º ano 6
  • 7. Mapa das principais estradas romanas O Império Romano, 7º ano 7
  • 8. Durante os séculos I e II, a paz romana, permitiu uma grande prosperidade; Desenvolve-se uma economia urbana, comercial e monetária; O Império Romano, 7º ano 8
  • 9. Economia urbana porque as cidades eram o centro político e económico do império. Pompeia O Império Romano, 7º ano 9
  • 10. Economia comercial porque o comércio era a principal atividade económica no Império. As mercadorias circulavam pelas estradas, rios e mar Mediterrâneo e eram vendidas nos mercados das cidades; Ponte romana de Chaves O Império Romano, 7º ano 10
  • 11. Economia monetária porque o principal instrumento de troca era a moeda; Sestercius (moedas de bronze); Denarius (moedas de prata); Aureus (moedas de ouro) O Império Romano, 7º ano 11
  • 12. Roma era o centro do comércio de todo o império; Era uma cidade gigantesca que chegou a ter um milhão de habitantes. O Império Romano, 7º ano 12
  • 13. Por todo o império existiam numerosas cidades ligadas por rotas comerciais onde chegavam os produtos, muitos deles, como a seda, provenientes de lugares longínquos. A seda era produzida na China e chegava ao império através da Rota da Seda. Conimbriga O Império Romano, 7º ano 13
  • 14. Na sociedade romana existiam homens livres (cidadãos) e não livres (escravos); Os homens livres estavam divididos segundo a sua riqueza: Ordem senatorial. Os senadores eram escolhidos entre aqueles que possuíam uma fortuna superior a 1 milhão de sestércios. Em geral eram grandes latifundiários (proprietários agrícolas); Ordem equestre. Os cavaleiros eram cidadãos que possuíam mais de 400 mil sestércios; A plebe. Maioria da população romana. Era constituída pelos camponeses, pequenos comerciantes e artesãos. Para garantir a paz social, o governo distribuía alimentos gratuitamente e organizava espetáculos. O Império Romano, 7º ano 14
  • 15. Os homens não livres eram os escravos. Eram numerosos e faziam todo o tipo de trabalhos. Não tinham direitos. Alguns tinham trabalhos menos pesados como secretários os pedagogos (professores particulares), sobretudo os escravos mais cultos como os gregos. O Império Romano, 7º ano 15
  • 16. Os escravos podiam ser libertados pelos donos ou comprar a sua liberdade (alforria). Passavam a ter o estatuto de libertos e podiam subir na escala social. O Império Romano, 7º ano 16
  • 17. Roma era uma cidade com mais de um milhão de habitantes. O centro das cidades romanas era o fórum (praça pública), Roma tinha vários fóruns. Existiam ruas, moradias, prédios de apartamentos, teatros, anfiteatros, termas, aquedutos, esgotos, lojas, restaurantes, etc. Fórum romano (reconstituição) O Império Romano, 7º ano 17
  • 18. Roma era uma cidade de contrastes. Os mais ricos viviam em luxuosas moradias (domus) e, muitas vezes possuíam casas de campo (villae). Muitas destas casas tinham termas privadas. A plebe vivia em edifícios de apartamentos sem água corrente. (insulae). O Império Romano, 7º ano 18
  • 19. Os homens mais ricos dedicavam-se aos negócios, atividades políticas, e religiosas. Frequentavam os banhos públicos (termas) onde liam, conversavam, tratavam de negócios. À noite organizavam-se banquetes. O Império Romano, 7º ano 19
  • 20. A plebe trabalhava nos ofícios e nos tempos livres assistia a espetáculos: lutas de gladiadores, corridas de carros e peças de teatro. O Império Romano, 7º ano 20
  • 21. As mulheres dedicavam-se às tarefas domésticas. Podiam frequentar as termas e assistir a espetáculos públicos. Muitos rapazes e raparigas frequentavam a escola até aos 12 anos. Após essa idade apenas alguns rapazes, de famílias ricas, continuavam a estudar. O Império Romano, 7º ano 21
  • 22. Quando Roma iniciou a sua expansão o sistema político era uma República. Existiam três órgãos políticos principais: Comícios: assembleias de cidadãos que elegiam os magistrados e aprovavam as leis; Magistrados: eleitos para os diversos cargos do governo e da administração; Senado: assembleia constituída por Senadores que eram eleitos. Controlavam o exército, a política externa e davam pareceres sobre as leis. O Império Romano, 7º ano 22
  • 23. Depois de muitos conflitos e guerras civis, em 27 a.c., iniciou-se um novo regime político, o Império. O poder estava concentrado numa pessoas, o Imperador. O primeiro imperador foi Octávio César Augusto. Tem um estatuto sagrado (augusto). Existe o culto do imperador, são considerados como deuses. O Império Romano, 7º ano 23
  • 24. O imperador controlava todas as instituições políticas, as instituições da República foram mantidas mas perderam o seu poder: Controlava o poder legislativo (criar leis), pois podia vetar(anular) todas as decisões do Senado; Era o chefe do exército (imperator); Era o supremo sacerdote (Pontifex Maximus); Controlava a administração pública e finanças do Império. O Império Romano, 7º ano 24
  • 25. Os romanos foram influenciados por outras civilizações, sobretudo a grega, mas caracterizaram-se pela sua originalidade e sentido prático. O direito romano influenciou o direito atual. As primeiras leis escritas datam de 450 a.c., a Lei das Dozes Tábuas. As leis eram iguais em todo o Império Dividiram o direito em: Direito público. As leis que regulam as relações entre o Estado e os cidadãos e o funcionamento do Estado; Direito privado. As leis que regulam as relações entre os cidadãos. Direito - (conjunto de leis que regulam o funcionamento do estado e das relações entre os cidadãos. O Império Romano, 7º ano 25
  • 26. As cidades criadas pelos romanos tinham um traçado geométrico. As ruas eram todas paralelas ou perpendiculares. No centro encontrava-se o fórum O Império Romano, 7º ano 26
  • 27. A arte romana foi influenciada por outras civilizações, em particular, a grega, mas acrescentaram-lhe o seu sentido prático e funcional. As construções deviam responder às necessidades dos romanos. Construíram pontes, aquedutos, templos, estradas, teatros, anfiteatros, etc. Anfiteatro Flávio (Coliseu). Aqueduto e ponte. O Império Romano, 7º ano 27
  • 28. Características da arquitetura romana: Monumentalidade, solidez e durabilidade das construções; O Império Romano, 7º ano 28
  • 29. Características da arquitetura romana: Influências gregas na decoração O Império Romano, 7º ano 29
  • 30. Características da arquitetura romana: Utilização do arco de volta perfeita, da abóbada de berço e da cúpula; O Império Romano, 7º ano 30
  • 31. Características da escultura romana: Realismo, retratavam as pessoas como elas eram, mesmo as imperfeições; O relevo retratava cenas históricas, mitológicas ou do quotidiano. O Império Romano, 7º ano 31
  • 32. A pintura sobre madeira, a pintura a fresco e os mosaicos representavam as mesmas cenas do relevo: mitológicas, histórias e do quotidiano. Mosaicos. Técnica que utiliza pequenas pedras coloridas (tesselas) para compor um desenho. O Império Romano, 7º ano 32
  • 33. Pintura a fresco era executada sobre as paredes enquanto o reboco estava húmido (fresco). Pinturas sobre madeira Pinturas a fresco O Império Romano, 7º ano 33
  • 34. Os romanos chegaram à Península Ibérica no século III a.c., mas só em 19 a.c. terminaram a conquista; Alguns povos, nomeadamente os Lusitanos e os Celtas opuseram uma forte resistência; O Império Romano, 7º ano 34
  • 35. Os romanos eram politeístas. Existiam duas formas de culto: Culto domestico. Realizado em pequenos altares em casa, pelo chefe de família. Era dedicado aos Lares(protetores do lar), aos Penates (protetores dos alimentos) e aos Manes (espíritos dos antepassados); Culto público. Realizado nos templos e nos altares (aras) ao ar livre. Os cultos eram dirigidos pelos sacerdotes. O Império Romano, 7º ano 35
  • 36. No século I surgiu o culto ao Imperador. Os cultos consistiam cerimónias religiosas, orações, oferendas, sacrifícios de animais, procissões, etc. Os romanos eram tolerantes em questões religiosas. Aceitavam todos os deuses, mesmo dos povos conquistados. O Império Romano, 7º ano 36
  • 37. Na região oriental do Império vivia um povo, os Judeus, que eram monoteístas, e recusavam aceitar o culto ao imperador; O Império Romano, 7º ano 37
  • 38. Na região da Judeia desenvolveu-se uma nova religião, o cristianismo. Uma religião monoteísta; Jesus Cristo e os seus discípulos pregaram uma religião com os seguintes princípios: Universalidade e igualdade, de todos perante Deus, ricos e pobres, livres e escravos; Fraternidade e paz, defendia o amor a Deus e ao próximo e condenava a guerra; Crença na vida para além da morte como recompensa pelas boas ações; Jesus foi considerado um agitador e condenado à morte. O Império Romano, 7º ano 38
  • 39. Após a morte de Jesus Cristo a mensagem desta nova religião foi atraindo mais crentes. A difusão do cristianismo foi favorecida pelos seguintes fatores: Insatisfação de uma parte da população face às desigualdades sociais; Um vasta rede viária que facilitou a deslocação dos pregadores; Unidade linguística, o latim que facilitou a comunicação. O Império Romano, 7º ano 39
  • 40. Muitos imperadores vão perseguir os cristãos, porque não aceitavam prestar culto ao imperador; Praticavam o culto em câmaras subterrâneas (catacumbas); Muitos cristãos foram condenados a lutar com feras. O Império Romano, 7º ano 40
  • 41. Apesar das perseguições o numero de conversões continuou a aumentar; Em 313, o imperador Constantino, concedeu a liberdade de culto aos cristãos (Édito de Milão); Em 381, o imperador Teodósio, transformou o cristianismo em religião oficial do Império, todas as outras religiões foram proibidas e os seus adeptos perseguidos. Imperador Constantino O Império Romano, 7º ano 41