Administracao financeira - APOSTILA

918 visualizações

Publicada em

OK

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
918
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Administracao financeira - APOSTILA

  1. 1. Carina Silveira Pereira Daniel Pacheco Lacerda Administração Financeira Básica Conceitos, técnicas e aplicações
  2. 2. 2 O Cotidiano Empresarial No mundo competitivo onde estamos inseridos, a precisão e a velocidade das informações, são fundamentais para tomarmos decisões acertivas e direcionar a empresa para os objetivos esperados. Mas para direcionar a empresa ao crescimento, o conhecimento da área financeira faz se necessário, visto que as finanças são consideradas a “espinha dorsal” da empresa, aquela que dá sustentação. Contabilidade Básica A Contabilidade é uma das mais antigas ciências existentes, pois as primeiras descobertas aconteceram na pré-história no período de 8.000 a.C. até 1.202 d.C. e surgiu no Brasil por volta de 1940 desencadeada pela necessidade prática do administrador do patrimônio, normalmente o proprietário do negócio, de elaborar um instrumento que lhe permitisse, entre outros benefícios, conhecer, controlar, medir resultados, obter informações financeiras, fixar preços e analisar a evolução de seu patrimônio. A contabilidade é uma ciência que estuda e controla o patrimônio das organizações e ao longo dos próximos capítulos, trabalharemos com uma abordagem clara que visa mostrar a importância da contabilidade externar seus resultados de forma objetiva. PATRIMÔNIO Sob o ponto de vista contábil, é o conjunto de bens, diretos e obrigações vinculadas a uma pessoa qualquer (física ou jurídica) que constitui um meio indispensável para que esta realize seus objetivos. Os bens e direitos representam os aspectos positivos do patrimônio (aquilo que a empresa TEM), por isso a chamamos de ATIVO.
  3. 3. 3 As obrigações representam os aspectos negativos do patrimônio (aquilo que a empresa DEVE), por isso a chamamos de PASSIVO. A diferença entre o Ativo e o Passivo representa o PATRIMÔNIO LÍQUIDO de uma determinada empresa. Posicionando corretamente os ativos, passivos e o patrimônio líquido de uma empresa, teremos o Balanço Patrimonial, como o nome diz, uma ferramenta que demonstra a situação da balança patrimonial da empresa. MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS O método universalmente usado em todos os sistemas contábeis, para se efetuar uma partida de diário (lançamento contábil) é o Método das Partidas Dobradas, ou seja, a cada lançamento a débito (ou débitos), corresponde um crédito (ou créditos) de igual valor. Ferramentas Contábeis A contabilidade utiliza quatro ferramentas para expressar seus resultados. Vamos trabalhar com duas delas que são o Balanço Patrimonial e a outra é o Demonstrativo do Resultado do Exercício. BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma representação gráfica que objetiva evidenciar e oferecer informações sobre as variações do patrimônio, para facilitar a tomada de decisões. Apresenta-se conforme abaixo: Balanço Patrimonial Ativo Passivo Obrigações Bens e Direitos Patrimônio Líquido
  4. 4. 4 ATIVO O Ativo compreende os bens e os direitos da entidade (patrimônio bruto da entidade). No balanço patrimonial, os elementos que compõem o Ativo acham-se discriminados no lado esquerdo. PASSIVO O passivo compreende as obrigações da entidade e acham-se localizadas no lado direito do balanço patrimonial PATRIMÔNIO LÍQUIDO Representa a diferença entre o Ativo (bens e direitos) e o Passivo (obrigações) de uma pessoa física ou jurídica. CONTA É através das contas que a contabilidade consegue desempenhar o seu papel. Todos os acontecimentos que ocorrem na empresa, responsáveis pela sua gestão, como as compras, as vendas, os pagamentos, os recebimentos, são registrados em livros próprios através das contas contábeis. Dividem-se em: Contas Patrimoniais: Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. Contas de Resultado: Receitas e Despesas.
  5. 5. 5 ESTRUTURA SIMPLIFICADA DO BALANÇO PATRIMONIAL Ativo Passivo Ativo Circulante Passivo Circulante Caixa Duplicatas a Pagar Banco Duplicatas a Receber Estoque Realizável a Longo Prazo Exigível a Longo Prazo Duplicatas a Receber Longo Prazo Duplicatas a Pagar Longo Prazo Ativo Permanente Patrimônio Líquido Imóveis Capital Social Móveis e utensílios (-) Capital a realizar Veículos Reserva Legal Marcas e Patentes Lucros ou Prejuízos acumulados (-) Depreciação acumulada FUNÇÃO DE ALGUMAS CONTAS Contas do Ativo Caixa – Conta utilizada para registrar todas as disponibilidades da empresa, tais como recursos em espécie, depósitos em bancos, aplicações no mercado financeiro etc. Esta Conta é movimentada a débito quando há entrada de recursos na empresa (recebimentos) e movimentada a crédito quando há saída de recursos da empresa (pagamentos). Duplicatas a Receber – Conta utilizada para registrar os valores a receber de clientes, decorrentes de vendas realizadas a prazo. Esta conta também costuma ser chamada de “Clientes”. Esta Conta é movimentada a débito quando a empresa realiza uma venda a prazo (obtendo uma duplicata a receber) e movimentada a crédito quando ocorre o respectivo pagamento por parte do cliente (recebimento da duplicata).
  6. 6. 6 Estoques – Conta utilizada para registrar os estoques de mercadorias para revenda. Esta Conta é movimentada a débito por ocasião da compra de mercadorias e movimentada a crédito por ocasião da venda de mercadorias. Móveis e Utensílios – Conta utilizada para registrar os móveis e utensílios utilizados pela empresa para realizar suas atividades. Esta Conta é movimentada a débito por ocasião da aquisição de móveis e utensílios e movimentada a crédito por ocasião da venda ou da depreciação (redução de valor decorrente do uso) dos referidos móveis e utensílios. Veículos – Conta utilizada para registrar os veículos utilizados pela empresa para realizar suas atividades. Esta Conta é movimentada a débito por ocasião da aquisição de uma automóvel e movimentada a crédito por ocasião da venda ou da depreciação de um automóvel. Imóveis – Conta utilizada para registrar os imóveis (terrenos e prédios) utilizados pela empresa para realizar suas atividades. Esta Conta é movimentada a débito por ocasião da aquisição de um imóvel e movimentada a crédito por ocasião da venda de um imóvel. Contas do Passivo Duplicatas à Pagar – Conta utilizada para registrar os valores a pagar aos fornecedores da empresa, decorrentes de compras efetuadas a prazo. Esta conta também costuma ser chamada de “Fornecedores”. Contas do Patrimônio Líquido Capital Social – Conta utilizada para registrar o valor investido na empresa pelos seus sócios/acionistas. Lucros/Prejuízos Acumulados - Conta utilizada para registrar os lucros ou prejuízos obtidos com a operação da empresa.
  7. 7. 7 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) Essa demonstração evidência o resultado que a empresa obteve (lucro ou prejuízo) no desenvolvimento de suas atividades durante um determinado período, geralmente igual a um mês ou um ano. Veja um modelo de Demonstração do Resultado do Exercício: 1. RECEITA BRUTA DE VENDAS (1.1 – 1.2) 429.265,00 1.1 VENDA BRUTA 434.241,00 1.2 DEVOLUCOES DE VENDAS (4.976,00) 2. IMPOSTOS SOBRE VENDAS (112.287,00) 3. RECEITA OPERACIONAL LIQUIDA (1 – 2) 316.978,00 4. CUSTO DA MERCADORIA VENDIDA (4.1 + 4.2 + 4.3 + 4.4) (205.148,00) 4.1 MATERIAIS DIRETOS (124.201,00) 4.2 MAO-DE-OBRA (51.144,00) 4.3 MATERIAIS INDIRETOS (19.459,00) 4.4 CUSTOS DE OCUPACAO (10.344,00) 5. LUCRO BRUTO (3 – 4) Margem Bruta 111.830,00 6. DESPESAS OPERACIONAIS (6.1 + 6.2 + 6.3 – 6.4) (73.158,00) 6.1 DESPESAS DE VENDAS (47.400,00) 6.2 DESPESAS ADMINISTRATIVAS (31.899,00) 6.3 DESPESAS FINANCEIRAS (2.265,00) 6.4 RECEITAS FINANCEIRAS 8.406,00 7. LUCRO OPERACIONAL (5 – 6) Margem Operacional 38.672,00 7.1 RECEITA NÃO OPERACIONAL 150,00 7.2 DESPESA NÃO OPERACIONAL (000,00) 8. LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA (7 + 7.1 + 7.2) 38.822,00 8.1 IMPOSTO DE RENDA E CONTR. SOCIAL (4.380,00) 9. LUCRO/PREJUÍZO LIQUIDO DO PERÍODO (8 – 8.1) Margem Líquida 34.442,00
  8. 8. 8 FINANÇAS Podemos definir finanças como a arte e a ciência de administrar receitas. Praticamente todos os indivíduos e organizações obtêm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. Finanças ocupa-se do processo de transferência de receitas entre pessoas, empresas e governos. FATORES INTERNOS Existem alguns fatores internos que alteram o panorama financeiro da empresa. São eles: Insumos, pessoas, materiais, máquinas, processo de trabalho, informações, Tecnologia, etc. FATORES EXTERNOS Existem alguns fatores externos que alteram o panorama financeiro da empresa. São eles: Bancos, Fornecedores, Governo, Concorrência, Demanda de Clientes, Política, Economia, Câmbio, etc. OBJETIVO DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO Administrar ativamente as finanças de empresas, grandes ou pequenas, privadas ou públicas. Desempenham uma variedade de tarefas, tais como análises de balanços, orçamentos, administração do caixa, administração do crédito, análise de investimentos. Ele é um membro da alta administração, pois o bom ou mau desempenho do mesmo ocasiona êxito ou insucesso para a empresa. Minimizar risco e Maximizar lucro.
  9. 9. 9 CARACTERÍSTICAS DOS GASTOS O custo das mercadorias vendidas e as despesas operacionais da empresa contêm componentes de custos e despesas operacionais fixos e variáveis. • CUSTO Os custos referem-se aos gastos efetuados com materiais e insumos utilizados na produção, manufatura do produto, isto é, todos os gastos necessários para a composição do produto ou serviço prestado pela empresa. • DESPESA É o valor dos insumos consumidos com o funcionamento da empresa e não identificados com a fabricação do bem ou serviço proposto, mas consumidos com a finalidade de obtenção de receitas. Exemplo: Uma industria automobilística adquiri material de escritório, informática, telefones, correios, etc. CUSTO e/ou DESPESA FIXO: São aqueles que não sofrem oscilação (aumento ou redução) conforme o nível de produção ou vendas. Em geral são contratuais. Exemplo: Mão de Obra, aluguel, depreciação, etc. CUSTO e/ou DESPESA VARIÁVEL: São aqueles que sofrem oscilação (aumento ou redução) conforme o nível de produção ou vendas. Exemplo: Material de Embalagem, Matéria Prima, Comissões sobre Vendas, etc.
  10. 10. 10 Índices para Análise das Demonstrações Contábeis A análise das demonstrações contábeis ou financeiras consiste na decomposição, comparação e interpretação das mesmas. Não é exigida por lei, mas decorre da necessidade de informações mais detalhadas sobre a situação do patrimônio da empresa, permitindo que as partes interessadas como acionistas, financiadores, colaboradores, fornecedores, comunidade, etc, conheçam a situação patrimonial e de resultado da empresa analisada. Os índices para a análise devem ser aplicados em período de tempo semelhante, de modo a obterem-se as comparações mais precisas. O que é a Liquidez de uma Empresa? A liquidez de uma empresa é medida pela sua capacidade para satisfazer suas obrigações, na data de vencimento. A liquidez refere-se à solvência da situação financeira da empresa, a facilidade com a qual ela pode pagar suas contas. A análise da liquidez está concentrada no estudo detalhado da composição de seus ativos e passivos, em determinado momento, isto é, na data do levantamento dos valores, pois estes estão em constante mudança, em função de sua dinamicidade.
  11. 11. 11 Análise Vertical A Análise Vertical é uma interpretação gráfica espelhada no Balanço Patrimonial de um ano específico, usada para medir a liquidez de uma empresa, isto é, sua capacidade para satisfazer suas obrigações. Estuda as alterações dos principais conjunto de contas do Balanço Patrimonial, extraindo informações para identificar o desempenho da empresa no exercício analisado. Para traçar a Análise Vertical, devemos primeiramente identificar no Balanço Patrimonial, os oito valores que serão utilizados. São eles: - Ativo Circulante AC - Passivo Circulante PC - Realizável a Longo Prazo RLP - Exigível a Longo Prazo ELP - Ativo Permanente AP - Patrimônio Líquido PL - Ativo Total - Passivo Total Vamos utilizar o BP do ano de 2002 da Empresa Exemplar para apresentar: BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar – 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.644 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379
  12. 12. 12 Posteriormente devemos identificar a representatividade de cada grupo dentro do ativo e passivo total e sob a forma de percentuais, conforme abaixo: Ativo Circulante ÷ Total Ativo * 100 = AC 630.160 ÷ 885.379 * 100 = 71% Realizável LP ÷ Total Ativo * 100 = RLP 42.755 ÷ 885.379 * 100 = 5% Ativo Permanente ÷ Total Ativo *100 = AP 212.464 ÷ 885.379 * 100 = 24% ATIVO TOTAL = 100% Passivo Circulante ÷ Total Passivo * 100 = PC 68.590 ÷ 885.379 * 100 = 8% Exigível LP ÷ Total Passivo * 100 = ELP 97.644 ÷ 885.379 * 100 = 11% Patrimônio Líquido ÷ Total Passivo * 100 = PL 719.145 ÷ 885.379 * 100 = 81% PASSIVO TOTAL = 100% Agora com estas informações, podemos traçar o gráfico da Análise Vertical. O layout do gráfico são duas colunas verticais paralelas, onde a coluna da esquerda representa o ativo e a coluna da direita representa o passivo, com uma escala de cima para baixo de zero à 100%, conforme ilustração. Os percentuais de representatividade obtidos anteriormente são lançados dentro deste gráfico, ilustrando a composição do Balanço Patrimonial. Após traçar o gráfico, devemos interpretar as informações da Análise Vertical, definindo se as situações apresentadas são favoráveis ou desfavoráveis para o cenário financeira da empresa em questão.
  13. 13. 13 Sugerimos quatro Interpretações na Análise Vertical: 1º - Liquidez do Exercício: Uma interpretação entre Ativo Circulante e Passivo Circulante, para concluir como está a liquidez da empresa no ano analisado. 2º - Liquidez em Exercícios Futuros: Uma interpretação entre Realizável à Longo Prazo e Exigível à Longo Prazo, para concluir como está a liquidez da empresa em anos futuros. 3º - Liquidez Total: Uma interpretação entre Ativo Circulante + Realizável à Longo Prazo e Passivo Circulante + Exigível à Longo Prazo, para concluir como está a liquidez total da empresa no exercício atual e exercícios futuros. 4º - Imobilização: Uma interpretação entre Ativo Permanente (patrimônio imobilizado) e Patrimônio Líquido, comparando o grau de imobilização em relação ao capital líquido da empresa. Exercícios de Análise Vertical Trace a Análise Vertical das empresas abaixo e faça a interpretação dos resultados apresentados. Empresa Zeta 2000 Empresa ABC 2001 Companhia Alfa 2002 Ativo Passivo Ativo Passivo Ativo Passivo AC 106.940 PC 181.196 AC 44.221 PC 41.636 AC 60.108 PC 49.484 RLP 172.724 ELP 135.237 RLP 1.417 ELP 3.628 RLP 2.788 ELP 6.279 AP 411.414 PL 374.645 AP 32.291 PL 32.665 AP 30.117 PL 37.250 691.078 691.078 77.929 77.929 93.013 93.013
  14. 14. 14 Análise Horizontal A Análise Horizontal é uma interpretação espelhada nos Balanços Patrimoniais ou nos Demonstrativos de Resultado de dois anos ou mais, usada para verificar a evolução dos elementos patrimoniais ou de resultado. Possibilita a comparação entre os valores de uma mesma conta ou grupo de contas em diferentes exercícios sociais. Os elementos comparados são os mesmos, mas os períodos de avaliação são diferentes. Precisamos de pelo menos dois exercícios para efeito de comparação dos mesmos elementos em demonstrações de períodos distintos. Para fazer a Análise Horizontal, devemos primeiramente identificar, na demonstração contábil que será utilizada, as contas ou grupos de contas que serão analisados. Na Análise Horizontal do Balanço Patrimonial, utilizaremos os grupos de contas abaixo: Balanço Patrimonial - Empresa Exemplar 2002 2001 - Ativo Circulante AC 590.488,00 630.160,00 - Realizável a Longo Prazo RLP 76.821,00 42.755,00 - Ativo Permanente AP 237.733,00 212.464,00 - Ativo Total AT 905.042,00 885.379,00 - Passivo Circulante PC 84.561,00 68.590,00 - Exigível a Longo Prazo ELP 123.967,00 97.644,00 - Patrimônio Líquido PL 696.514,00 719.145,00 - Passivo Total PT 905.042,00 885.379,00 Posteriormente devemos identificar a evolução de cada grupo dividindo o ano mais recente pelo ano mais antigo e multiplicando por 100 para transformar em percentual, conforme abaixo: 2002 2001 AC 2002 ÷ AC 2001 * 100 = 590.488 ÷ 630.160 * 100 = 93% isto é redução de 7% RLP 2002 ÷ RLP 2001 * 100 = 76.821 ÷ 42.755 * 100 = 179% isto é aumento de 79% AP 2002 ÷ AP 2001 * 100 = 237.733 ÷ 212.464 * 100 = 111% isto é aumento de 11% AT 2002 ÷ AT 2001 * 100 = 905.042 ÷ 885.379 * 100 = 102% isto é aumento de 2% PC 2002 ÷ PC 2001 * 100 = 84.561 ÷ 68.590 * 100 = 123% isto é aumento de 23% ELP 2002 ÷ ELP 2001 * 100 = 123.967 ÷ 97.644 * 100 = 126% isto é aumento de 26% PL 2002 ÷ PL 2001 * 100 = 696.514 ÷ 719.145 * 100 = 96% isto é redução de 4% PT 2002 ÷ PT 2001 * 100 = 905.042 ÷ 885.379 * 100 = 102% isto é aumento de 2%
  15. 15. 15 Na Análise Horizontal espelhada no Demonstrativo do Resultado do Exercício, utilizaremos as contas abaixo: DRE - Empresa Exemplar 2002 2001 (=) Receita Bruta Vendas RBV 980.072,00 731.289,00 (-) Impostos sobre Vendas IMP 112.394,00 101.543,00 (=) Receita Operacional Líquida ROL 867.678,00 629.746,00 (-) Custo da Mercadoria Vendida CMV 427.176,00 492.379,00 (=) Lucro Bruto LB 440.502,00 137.367,00 (-) Despesas Operacionais DO 82.748,00 24.832,00 (=) Lucro Operacional LO 357.754,00 112.535,00 Posteriormente devemos identificar a evolução de cada grupo dividindo o ano mais recente pelo ano mais antigo e multiplicando por 100 para transformar em percentuais, conforme abaixo: 2002 2001 RBV 2002 ÷ RBV 2001 * 100 = 980.072 ÷ 731.289 * 100 = 134% isto é aumento de 34% IMP 2002 ÷ IMP 2001 * 100 = 112.394 ÷ 101.543 * 100 = 110% isto é aumento de 10% ROL 2002 ÷ ROL 2001 * 100 = 867.678 ÷ 629.746 * 100 = 137% isto é aumento de 37% CMV 2002 ÷ CMV 2001 * 100 = 427.176 ÷ 492.379 * 100 = 86% isto é redução de 14% LB 2002 ÷ LB 2001 * 100 = 440.502 ÷ 137.367 * 100 = 320% isto é aumento de 220% DO 2002 ÷ DO 2001 * 100 = 82.748 ÷ 24.832 * 100 = 333% isto é aumento de 233% LO 2002 ÷ LO 2001 * 100 = 357.754 ÷ 112.535 * 100 = 317% isto é aumento de 217%
  16. 16. 16 Exercícios de Análise Horizontal Calcule a Análise Horizontal das empresas abaixo: Empresa Sênior Demonstrativo do Resultado do Exercício 2002 2001 (=) Receita Bruta Vendas RBV 127.288,00 109.863,00 (-) Impostos sobre Vendas IMP 31.822,00 25.268,49 (=) Receita Operacional Líquida ROL 95.466,00 84.594,51 (-) Custo da Mercadoria Vendida CMV 42.959,70 39.759,42 (=) Lucro Bruto LB 52.506,30 44.835,09 (-) Despesas Operacionais DO 9.451,13 18.967,02 (=) Lucro Operacional LO 43.055,17 25.868,07 Empresa Vigente Empresa Melhor Demonstrativo do Resultado do Exercício 1999 1998 (=) Receita Bruta Vendas RBV 1.287.652,00 1.158.591,00 (-) Impostos sobre Vendas IMP 373.419,08 289.647,75 (=) Receita Operacional Líquida ROL 914.232,92 868.943,25 (-) Custo da Mercadoria Vendida CMV 383.977,83 469.229,36 (=) Lucro Bruto LB 530.255,09 399.713,90 (-) Despesas Operacionais DO 180.286,73 79.942,78 (=) Lucro Operacional LO 349.968,36 319.771,12
  17. 17. 17 Índices de Liquidez Os índices de liquidez têm por finalidade medir a capacidade de pagamento de uma empresa, ou seja, a sua capacidade de cumprir suas obrigações passivas assumidas. São eles: CCL – Capital Circulante Líquido; ILC – Índice de Liquidez Corrente; ILS – Índice de Liquidez Seca; ILI – Índice de Liquidez Imediata; ILT – Índice de Liquidez Total; GI – Grau de Imobilização.
  18. 18. 18 _CCL_ Capital Circulante Líquido: utilizado para verificar o capital líquido que a empresa dispõe. Demonstra o volume de capital que a Empresa possui ou não possui, após o pagamento de suas obrigações contábeis em curto prazo. Este índice é muito utilizado para o controle interno, pois quase sempre um financiamento de longo prazo, determina especificamente um nível mínimo de Capital Circulante Líquido que precisa ser mantido pela empresa. Com essa exigência, pretende- se obrigar a empresa a manter uma certa liquidez e ajudar a proteger o credor. CCL = R$ 630.160 – R$ 68.590 = R$ 561.570,00 A Empresa Exemplar no ano de 2002 QUITOU suas obrigações existentes no passivo circulante e encerrou o ano com CCL positivo. Supondo que a situação fosse diferente: CCL = R$ 68.590 – R$ 630.160 = (R$ 561.570,00) A Empresa Exemplar no ano de 2002 NÃO QUITOU suas obrigações existentes no passivo circulante e encerrou o ano com CCL negativo. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 CirculantePassivo-CirculanteAtivoCCL =
  19. 19. 19 _ILC_ Índice de Liquidez Corrente: representa que para cada unidade monetária (R$ real) de dívida, deverá haver no mínimo o equivalente no ativo circulante para quitarmos as obrigações contábeis no exercício analisado. ILC = 630.160 = R$ 9,18 68.590 Situação favorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 a Empresa Exemplar possui R$ 9,18 para saldar. Supondo que a situação fosse diferente: ILC = 268.590 = R$ 0,42 630.160 Situação desfavorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 a Empresa Exemplar possui R$ 0,42 para saldar. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 CirculantePassivo CirculanteAtivo ILC =
  20. 20. 20 Importante: A empresa pode ter um índice de liquidez corrente alto e estar em crise de liquidez, pois este índice não dá uma noção sobre a qualidade destes ativos. A empresa pode ter um estoque super dimensionado com muitos itens fora de validade ou contas à receber incobráveis. Compare: Exemplo: Empresa A Caixa Contas a Receber Estoques Total do Ativo Circulante R$ 0.000 R$ 0.000 R$ 20.000 R$ 20.000 Contas a Pagar Total do Passivo Circulante R$ 10.000 . R$ 10.000 Empresa A ILC = 20.000 = R$ 2,00 10.000 Empresa B Caixa Contas a Receber Estoques Total do Ativo Circulante R$ 5.000 R$ 10.000 R$ 5.000 R$ 20.000 Contas a Pagar Total do Passivo Circulante R$ 10.000 . R$ 10.000 Empresa B ILC = 20.000 = R$ 2,00 10.000 Embora ambas as empresas aparentem estar igualmente líquidas, pois os seus índices de liquidez corrente são iguais, uma observação mais cuidadosa das diferenças na composição dos ativos e passivos circulantes, sugere que a empresa B é mais líquida que a empresa A. Isto é verdadeiro, pois a empresa B possui ativos mais líquidos, na forma de caixa e contas a receber do que a empresa A, a qual só possui apenas um ativo, relativamente ilíquido, na forma de estoques.
  21. 21. 21 _ILS_ Índice de Liquidez Seca: representa que para cada unidade monetária (R$ real) de dívida, deverá haver no mínimo o equivalente no ativo circulante, para quitarmos as obrigações no exercício analisado, sem considerarmos os estoques, ou seja, para pagarmos as dívidas não precisaremos vender o estoque a preço de custo ou na hipótese de não conseguir vendê-lo. ILS = 630.160 – 37.776 = R$ 8,63 68.590 Situação favorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 a Empresa Exemplar possui R$ 8,63 para saldar, desconsiderando o estoque. Supondo que a situação fosse diferente: ILS = 268.590 – 37.776 = R$ 0,36 630.160 Situação desfavorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 a Empresa Exemplar possui R$ 0,36 para saldar, desconsiderando o estoque. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 CirculantePassivo Estoques-CirculanteAtivo ILS =
  22. 22. 22 Disponíveis Passivo Circulante _ILI_ Índice de Liquidez Imediata: representa que para cada unidade monetária (R$ real) de dívida, deverá haver no mínimo o equivalente no ativo circulante considerando apenas os DISPONÍVEIS, para quitarmos as obrigações no exercício analisado, sem considerarmos os estoques e as duplicatas a receber, ou seja, elimina também a necessidade do esforço de “cobrança” para honrar as obrigações. Quanto à empresa dispõe imediatamente para quitar suas obrigações de curto prazo. DISPONÍVEIS = CAIXA + BANCO + outros ativos circulantes em moeda. ILI = _________________ Situação favorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 a Empresa Exemplar possui R$ 7,27 para saldar, considerando os disponíveis. Supondo que a situação fosse diferente: ILI = 49.989 + 48.811 = R$ 0,58 168.590 Situação desfavorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 a Empresa Exemplar possui R$ 0,58 para saldar, considerando os disponíveis. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 ILI = 249.989 + 248.811 = R$ 7,27 68.590
  23. 23. 23 _ILT_ Índice de Liquidez Total: representa que para cada unidade monetária (R$ real) de dívida contraída no exercício analisado e em exercícios futuros, deverá haver no mínimo o equivalente no ativo circulante e no realizável a longo prazo, para quitarmos as obrigações contábeis. ILT = 630.160 + 42.755 = 672.915 = R$ 4,04 68.590 + 97.644 166.234 Situação favorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 e em exercícios futuros, a Empresa Exemplar possui R$ 4,04 para saldar. Supondo que a situação fosse diferente: ILT = 630.160 + 42.755 = R$ 0,87 468.590 + 297.633 Situação desfavorável, pois para cada R$ 1,00 de dívida no ano de 2002 e em exercícios futuros, a Empresa Exemplar possui R$ 0,87 para saldar. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 PrazoLongoExigívelCirculantePassivo PrazoLongoRealizávelCirculanteAtivo ILT + + =
  24. 24. 24 _GI_ Grau de Imobilização: através deste indicador visualizamos o nível de patrimônio imobilizado que a empresa possui comparado ao patrimônio líquido da mesma. Quanto menor for a imobilização, mais patrimônio sob a forma líquida (moeda) a empresa possui. x 100 O resultado da divisão AP/PL multiplica-se por 100, pois este índice é apresentado na forma percentual. GI = 212.464= 29,54% 719.145 Situação favorável, pois abaixo de 100% de imobilização, representa que a empresa possui mais patrimônio sob a forma de moeda do que patrimônio sob a forma de permanente. Supondo que a situação fosse diferente: GI = 719.145= 338,47% 212.464 Situação desfavorável, pois acima de 100% de imobilização, representa que a empresa possui mais patrimônio sob a forma permanente do que patrimônio sob a forma de moeda. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 LíquidoPatrimônio PermanenteAtivo GI =
  25. 25. 25 Exercícios Apresente os índices de liquidez e interprete-os conforme informações abaixo: Empresa Correta Balanço Patrimonial - 2002 Ativo Circulante 50.059 Passivo Circulante 38.294 Caixa 12.190 Banco 24.866 Dup. Receber 2.087 Estoques 10.916 Realizável LP 1.387 Exigível LP 2.913 Ativo Permanente 27.011 Patrimônio Líquido 37.250 ATIVO TOTAL 78.457 PASSIVO TOTAL 78.457 CCL = 11.765 ILC = 1,30 ILS = 1,02 ILI = 0,96 ILT = 1,24 GI = 72,51% Empresa Certinha Balanço Patrimonial - 2003 Ativo Circulante 106.940 Passivo Circulante 181.196 Caixa 34.712 Banco 17.866 Dup. Receber 21.389 Estoques 32.973 Realizável LP 172.724 Exigível LP 135.237 Ativo Permanente 411.414 Patrimônio Líquido 374.645 ATIVO TOTAL 691.078 PASSIVO TOTAL 691.078 CCL = (74.256) ILC = 0,59 ILS = 0,40 ILI = 0,29 ILT = 0,88 GI = 109,81% Empresa Veloz Balanço Patrimonial - 2004 Ativo Circulante 46.331 Passivo Circulante 42.285 Caixa 7.915 Banco 13.488 Dup. Receber 18.468 Estoques 6.460 Realizável LP 3.744 Exigível LP 4.255 Ativo Permanente 20.181 Patrimônio Líquido 23.716 ATIVO TOTAL 70.256 PASSIVO TOTAL 70.256 CCL = 4.046 ILC = 1,09 ILS = 0,94 ILI = 0,50 ILT = 1,07 GI = 85,09%
  26. 26. 26 Você Sabe? O que é a taxa básica de juros? É a remuneração que o detentor do dinheiro cobra para conceder um empréstimo. O governo determina uma taxa básica que norteia a economia brasileira e os negócios com títulos públicos registrados no Banco Central. Qual é a influência da taxa de juros sobre a inflação? Podemos citar duas importantes influências: a) A taxa de juros é usada como instrumento para controle dos preços. Quanto mais alta é a taxa, mais ela dificulta o crédito ao consumidor e ao setor produtivo. Com mais barreiras ao financiamento de compras, a demanda (procura) por produtos à venda diminui. Por exemplo, uma pessoa quer comprar uma televisão, mas não consegue financiá-la porque os juros estão muito altos. Então, ela deixa de comprar a TV e o produto começa a ficar encalhado no depósito da loja. Para vendê-la, a loja reduz o preço dela, fazendo a inflação cair. b) A taxa alta também atrai investimento especulativo. Quem investir em títulos brasileiros ganha juros altos. Assim, entram dólares no mercado interno, aumentando a oferta da moeda norte-americana e mantendo a cotação dela controlada. Como os preços ao consumidor também sofrem influência do câmbio, a atração de investimentos usando juros altos também impede uma disparada da inflação.
  27. 27. 27 O que é Estoque? Mercadoria em estoque significa dinheiro parado: aquele dinheirão materializado em mercadorias significa que o dinheiro saiu de um bolso e ainda não entrou no outro. A ordem é fazer circular o estoque e de forma rápida, mas equilibrando sempre os benefícios de um alto giro com o risco da falta de mercadorias. Partindo do princípio que estoque é dinheiro, nenhuma empresa gosta e nem deve mantê-lo parado. Saber administrá-lo corretamente é uma forma de evitar o comprometimento de recursos financeiros da empresa, além de atingir o ponto de equilíbrio entre as compras, vendas, recebimento e estoques. Índices de Atividade Os índices de atividade são usados para medir a rapidez com que várias contas são convertidas em caixa. Neste item, são desenvolvidos cálculos e interpretações, os quais permitem uma análise mais dinâmica do desempenho de uma empresa. São eles: GE – Giro de Estoques; IME – Idade Média do Estoque; PMR – Prazo Médio de Recebimento; PMP – Prazo Médio de Pagamento;
  28. 28. 28 _GE_ Giro de Estoques: mede a quantidade de vezes que o estoque gira no período analisado, isto é, mede a liquidez dos estoques na empresa, a quantidade de vezes que ele deixou de ser estoque e passou a ser moeda. O giro de estoque deve ser sempre o mais alto possível e a cada ano que passa, a empresa deve buscar alternativas para elevá-lo. Para elevar o giro à empresa tem duas alternativas: 1. Reduzir sempre os níveis de estoque; 2. Elevar as vendas, sem aumentar o nível de estoques; Exemplo Alternativa 1 Alternativa 2 CMV 100.000 100.000 120.000 ESTOQUE 20.000 15.000 20.000 GIRO ESTOQUE 5 6,6 6 O giro resultante é significativo somente quando comparado ao de outras empresas pertencentes ao mesmo segmento ou comparado aos giros de estoques passados da empresa. Para calcular os Índices de Atividade é necessário termos em mãos duas ferramentas contábeis que são: Balanço Patrimonial e Demonstrativo do Resultado do Exercício. Continuaremos utilizando as informações da Empresa Exemplar para o ano de 2002. Estoques VendidaMercadoriadaCusto GE =
  29. 29. 29 BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 DRE - Demonstrativo do Resultado do Exercício Empresa Exemplar - 2002 (=) Receita Bruta de Vendas 980.072,00 (-) Impostos sobre Vendas 112.394,00 (=) Receita Operacional Liquida 867.678,00 (-) Custo da Mercadoria Vendida 427.176,00 (=) Lucro Bruto 440.502,00 (-) Despesas Operacionais 82.748,00 (=) Lucro Operacional 357.754,00 (-) Imposto de Renda Retido na Fonte 31.266,00 (=) Lucro/Prejuízo Liquido do Período 326.488,00 GE = 427.176= 11,30 giros de estoque no ano de 2002 37.776 Este resultado apresenta o número de giros ocorridos com o estoque da Empresa Exemplar no ano de 2002. Como já dissemos anteriormente, só podemos fazer uma análise mais completa tendo os giros de estoque da empresa de anos anteriores ou sabendo o giro de estoque do mercado onde a empresa atua. Estoques VendidaMercadoriadaCusto GE =
  30. 30. 30 Ano Comercial Giro de Estoque _IME_ Idade Média do Estoque: mede o período de tempo em dias que o estoque gira, isto é, mede a idade média de permanência em dias do estoque na empresa. Quanto menor for o período de permanência, melhor é para a empresa, pois estoque existe para ser vendido e não para ficar estocado. Para calcular a idade de um estoque é necessário saber o giro do mesmo. IME = ______________ IME= 360 = 11,30 GE 360 IME = 31,85 dias de permanência do estoque na Empresa Exemplar para o ano de 2002.
  31. 31. 31 _PMR_ Prazo Médio de Recebimento: indica a média de dias em que as duplicatas e títulos do Ativo Circulante (Direitos) são recebidos pela empresa. Avalia o tempo existente entre o faturamento e o recebimento. É útil na avaliação das políticas de crédito e cobrança. Dentre todas as vendas efetuadas, com diversos prazos e formas de negociação, a média de recebimento em dias da Empresa Exemplar em 2002, foi de 38,82 dias. Esse índice só é significativo se analisarmos juntamente com o Prazo Médio de Pagamento. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 DRE - Demonstrativo do Resultado do Exercício Empresa Exemplar - 2002 (=) Receita Bruta de Vendas 980.072,00 (-) Impostos sobre Vendas 112.394,00 (=) Receita Operacional Liquida 867.678,00 (-) Custo da Mercadoria Vendida 427.176,00 (=) Lucro Bruto 440.502,00 (-) Despesas Operacionais 82.748,00 (=) Lucro Operacional 357.754,00 (-) Imposto de Renda Retido na Fonte 31.266,00 (=) Lucro/Prejuízo Liquido do Período 326.488,00 PMR =. 93.584,00 = 93.584,00 = 38,82 dias (867.678/360) 2.410,21 PMR =. Duplicatas à Receber . (Receita Operacional Líquida/360)
  32. 32. 32 _PMP_ Prazo Médio de Pagamento: indica a média de dias em que as duplicatas e títulos do Passivo Circulante (Obrigações) são pagos pela empresa. Avalia o tempo existente entre a compra e o pagamento. É útil na avaliação das políticas de crédito e cobrança. Dentre todas as compras efetuadas, com diversos prazos e formas de negociação, a média de pagamento em dias da Empresa Exemplar em 2002, foi de 57,80 dias. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379 DRE - Demonstrativo do Resultado do Exercício Empresa Exemplar - 2002 (=) Receita Bruta de Vendas 980.072,00 (-) Impostos sobre Vendas 112.394,00 (=) Receita Operacional Liquida 867.678,00 (-) Custo da Mercadoria Vendida 427.176,00 (=) Lucro Bruto 440.502,00 (-) Despesas Operacionais 82.748,00 (=) Lucro Operacional 357.754,00 (-) Imposto de Renda Retido na Fonte 31.266,00 (=) Lucro/Prejuízo Liquido do Período 326.488,00 PMP =. 68.590,00 = 68.590,00 = 57,80 dias (427.176/360) 1.186,60 PMP =. Duplicatas à Pagar . (Custo Mercadoria Vendida/360)
  33. 33. 33 Análise Geral PMR x PMP O Prazo Médio de Recebimento e o Prazo Médio de Pagamento resultante só são significativos se comparados um com o outro no seguinte cenário. • Para a empresa uma situação favorável é que o PMR seja menor do que o PMP, pois a empresa recebe seus direitos antes e paga as suas obrigações depois. • Para a empresa uma situação desfavorável é que o PMR seja maior do que o PMP, pois a empresa paga suas obrigações antes e recebe os seus direitos depois. Se por exemplo, a empresa concede crédito de 30 dias a seus clientes e o pagamento junto aos seus fornecedores acontece em 20 dias, indicará uma má administração dos prazos, pois a empresa está pagando seus fornecedores ANTES de receber dos seus clientes, o que é uma situação desfavorável. Análise da Empresa Exemplar - 2002 Prazo Médio de Recebimento = 38,82 dias Prazo Médio de Pagamento = 57,80 dias Esta é uma situação favorável para a empresa, pois ela recebe os direitos dos seus clientes em 38,82 dias e paga as obrigações aos seus fornecedores em 57,80 dias, existindo um período de tempo de 18,98 dias onde podemos capitalizar o dinheiro, com empréstimos, aplicações financeiras, etc.
  34. 34. 34 BalançoPatrimonialDREBalançoPatrimonialDRE Exercícios Apresente os índices de atividade, conforme informações abaixo: EMPRESA BETA 2001 2002 2003 Receita Operacional Líquida = 47.288,00 = 64.587,00 = 55.775,00 Custo da Mercadoria Vendida = 29.456,00 = 53.314,00 = 91.491,00 Duplicatas à Receber = 8.987,00 = 14.391,00 = 10.843,00 Estoques = 7.884,00 = 13.096,00 = 8.490,00 Duplicatas à Pagar = 5.825,00 = 8.364,00 = 9.743,00 Resposta: GE 3,73 giros GE 4,07 giros GE 10,77 giros IME 96,51 dias IME 88,45 dias IME 33,42 dias PMR 68,42 dias PMR 80,21 dias PMR 69,99 dias PMP 71,19 dias PMP 56,48 dias PMP 38,34 dias Apresente os índices de atividade, conforme informações abaixo: EMPRESA ALFA 1998 1999 2000 Receita Operacional Líquida = 286.359,00 = 253.144,00 358.405,00 Custo da Mercadoria Vendida = 86.392,00 = 80.376,00 63.433,00 Duplicatas à Receber = 38.268,00 = 46.460,00 31.027,00 Estoques = 34.612,00 = 32.973,00 29.420,00 Duplicatas à Pagar = 8.018,00 = 6.796,00 9.815,00 Resposta: GE 2,49 giros GE 2,43 giros GE 2,15 giros IME 144,57 dias IME 148,14 dias IME 167,44 dias PMR 48,11 dias PMR 66,07 dias PMR 31,17 dias PMP 33,41 dias PMP 30,44 dias PMP 55,70 dias
  35. 35. 35 Exercícios de Revisão: Com as informações abaixo trace a análise vertical, os índices de liquidez, os índices de atividade, os índices de lucratividade e interprete-os com base no resultado obtido: Ativo Circulante 1.604.351,00 Passivo Circulante 1.575.260,00 Caixa 563.905,00 Dupl Pagar 519.170,00 Banco 318.255,00 Dupl Receber 523.905,00 Estoques 198.286,00 Realizável LP 895.283,00 Exigível LP 587.743,00 Ativo Permanente 841.805,00 Patrimônio Líquido 1.178.436,00 TOTAL 3.341.439,00 TOTAL 3.341.439,00 8.432.771,00 2.529.831,00 5.902.940,00 3.841.322,00 2.061.618,00 399.127,00 1.662.491,00 448.872,00 1.213.619,00(=) Lucro/Prejuízo Líquido LPL (=) Lucro Bruto LB (-) Despesas Operacionais DO (=) Lucro Operacional LO (-) IRRF (=) Receita Bruta de Vendas RBV (-) Impostos sobre Vendas IMP (=) Receita Operacional Líquida ROL (-) Custo da Mercadoria Vendida CMV Balanço Patrimonial 2001 TORPE INDUSTRIA QUÍMICA Demonstrativo do Resultado do Exercício 2001 TORPE INDUSTRIA QUÍMICA
  36. 36. 36 Índices de Lucratividade ou Rentabilidade; Tem por objetivo avaliar o desempenho final da Empresa, após quitar suas obrigações contábeis. O que é Lucratividade ou Rentabilidade? A lucratividade ou também chamada de rentabilidade é o reflexo das decisões adotadas pelos seus administradores, expressando objetivamente, o nível de eficiência e o grau do êxito financeiro atingido. Lucratividade ou rentabilidade indica o percentual de ganho obtido sobre as vendas realizadas (Faturamento). Segundo Porter, a lucratividade das empresas depende de determinadas forças competitivas básicas como: · Rivalidade em relação aos concorrentes existentes. · Ameaça de produtos ou serviços substitutos. · Ameaça de novos concorrentes. · Poder dos clientes. · Poder de negociação dos fornecedores. Exemplo de Produto Lucrativo: Produto A Produto B 1. Preço de Venda 9,90 100% 2,47 100% 2. Custo Mercadoria Vendida 7,89 80% (2÷1) 1,50 61% (2÷1) 3. Lucro em R$ 2,01 20% (3÷1) 0,97 39% (3÷1) MARGEM 20% 39% Analisando o exemplo acima o produto mais lucrativo para a empresa é o produto B, pois o mesmo apresenta uma margem de lucratividade de 39% em relação ao produto A que é de apenas 20%.
  37. 37. 37 _MB_ Margem Bruta A margem bruta mede a porcentagem restante da Receita Bruta de Vendas após a empresa ter quitado os impostos sobre as vendas e o custo da mercadoria vendida. Quanto maior for a margem bruta, melhor é para a empresa. Margem Bruta = Lucro Bruto x 100 440.502,00 = 0,44 * 100 = 44,94% RBV 980.072,00 A Margem Bruta da Empresa Exemplar em 2002 foi de 44,94%. Isto é o percentual restante da Receita Bruta de Vendas após a empresa quitar os impostos sobre as vendas e o custo da mercadoria vendida. DRE - Demonstrativo do Resultado do Exercício Empresa Exemplar - 2002 (=) Receita Bruta de Vendas 980.072,00 (-) Impostos sobre Vendas 112.394,00 (=) Receita Operacional Liquida 867.678,00 (-) Custo da Mercadoria Vendida 427.176,00 (=) Lucro Bruto 440.502,00 (-) Despesas Operacionais 82.748,00 (=) Lucro Operacional 357.754,00 (-) Imposto de Renda Retido na Fonte 31.266,00 (=) Lucro/Prejuízo Liquido do Período 326.488,00 O resultado multiplica-se por 100, pois os índices de lucratividade são apresentados na forma percentual.
  38. 38. 38 _MO_ Margem Operacional A margem operacional mede a porcentagem restante da Receita Bruta de Vendas após a empresa ter quitado os impostos sobre as vendas, o custo da mercadoria vendida e as despesas operacionais. A margem operacional mede o que com freqüência, se denomina lucro puro. O lucro operacional é puro, pois ignora quaisquer receitas e/ou despesas não operacionais ou obrigações governamentais como Imposto de Renda e considera somente o lucro auferido pela própria operação da empresa. Quanto mais alta é a margem operacional, melhor é para a empresa. Margem Operacional = Lucro Operacional x 100 357.754,00 = 0,36 * 100 = 36,50% RBV 980.072,00 A Margem Operacional da Empresa Exemplar em 2002 foi de 36,50%. Isto é o percentual restante da Receita Bruta de Vendas após a empresa quitar os impostos sobre as vendas, o custo da mercadoria vendida e as despesas operacionais. DRE - Demonstrativo do Resultado do Exercício Empresa Exemplar - 2002 (=) Receita Bruta de Vendas 980.072,00 (-) Impostos sobre Vendas 112.394,00 (=) Receita Operacional Liquida 867.678,00 (-) Custo da Mercadoria Vendida 427.176,00 (=) Lucro Bruto 440.502,00 (-) Despesas Operacionais 82.748,00 (=) Lucro Operacional 357.754,00 (-) Imposto de Renda Retido na Fonte 31.266,00 (=) Lucro/Prejuízo Liquido do Período 326.488,00 O resultado multiplica-se por 100, pois os índices de lucratividade são apresentados na forma percentual.
  39. 39. 39 _ML_ Margem Líquida A margem líquida mede a porcentagem restante da Receita Bruta de Vendas após a empresa ter quitado os impostos sobre vendas, o custo das mercadorias vendidas, as despesas operacionais e o Imposto de Renda Retido na Fonte. É o percentual restante após a empresa cobrir todas as suas obrigações contábeis. Margem Líquida = Lucro/Prejuízo Líquido do Exercício x 100 RBV 326.488,00 = 0,33 * 100 = 33,31% 980.072,00 A Margem Operacional da Empresa Exemplar em 2002 foi de 33,31%. Isto é o percentual restante da Receita Bruta de Vendas após a empresa quitar os impostos sobre as vendas, o custo da mercadoria vendida, as despesas operacionais e o Imposto de Renda Retido na Fonte. DRE - Demonstrativo do Resultado do Exercício Empresa Exemplar - 2002 (=) Receita Bruta de Vendas 980.072,00 (-) Impostos sobre Vendas 112.394,00 (=) Receita Operacional Liquida 867.678,00 (-) Custo da Mercadoria Vendida 427.176,00 (=) Lucro Bruto 440.502,00 (-) Despesas Operacionais 82.748,00 (=) Lucro Operacional 357.754,00 (-) Imposto de Renda Retido na Fonte 31.266,00 (=) Lucro/Prejuízo Liquido do Período 326.488,00 O resultado multiplica-se por 100, pois os índices de lucratividade são apresentados na forma percentual.
  40. 40. 40 Demonstração da Composição Percentual do Resultado 1. RECEITA BRUTA DE VENDAS 429.265,00 100% 1.1 VENDA BRUTA 434.241,00 1.2 DEVOLUCOES DE VENDAS (4.976,00) 2. IMPOSTOS SOBRE VENDAS (112.287,00) 26% 2÷÷÷÷1 3. RECEITA OPERACIONAL LIQUIDA 316.978,00 4. CUSTO DA MERCADORIA VENDIDA (205.148,00) 48% 4÷÷÷÷1 4.1 MATERIAIS DIRETOS (124.201,00) 4.2 MAO-DE-OBRA (51.144,00) 4.3 MATERIAIS INDIRETOS (19.459,00) 4.4 CUSTOS DE OCUPACAO (10.344,00) 5. LUCRO BRUTO Margem Bruta 111.830,00 26% 5÷÷÷÷1 6. DESPESAS OPERACIONAIS (73.158,00) 17% 6÷÷÷÷1 6.1 DESPESAS DE VENDAS (47.400,00) 6.2 DESPESAS ADMINISTRATIVAS (31.899,00) 6.3 DESPESAS FINANCEIRAS (2.265,00) 6.4 RECEITAS FINANCEIRAS (8.406,00) 7. LUCRO OPERACIONAL Margem Operacional 38.672,00 9% 7÷÷÷÷1 7.1 RECEITA NÃO OPERACIONAL 150,00 7.2 DESPESA NÃO OPERACIONAL (000,00) 8. LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA 38.822,00 8.1 IMPOSTO DE RENDA E CONTR. SOCIAL (4.380,00) 9. LUCRO/PREJUÍZO LIQUIDO DO PERÍODO Margem Líquida 34.442,00 8% 9÷÷÷÷1
  41. 41. 41 Exercícios Apresente os índices de rentabilidade e interprete-os, conforme informações abaixo: 1. Receita Bruta de Vendas 421.948,75 2. Impostos sobre Vendas 102.215,25 3. Receita Operacional Liquida 319.733,50 4. Custo da Mercadoria Vendida 193.861,00 5. Lucro Bruto 125.872,50 6. Despesas Operacionais 54.868,50 7. Lucro Operacional 71.004,00 8. IRRF 15.172,50 9. Lucro/Prejuízo Liquido do Período 55.831,50 1. Receita Bruta de Vendas 323.410,31 2. Impostos sobre Vendas 97.376,69 3. Receita Operacional Liquida 226.033,62 4. Custo da Mercadoria Vendida 149.256,75 5. Lucro Bruto 76.776,87 6. Despesas Operacionais 36.019,88 7. Lucro Operacional 40.756,99 8. IRRF 5.551,86 9. Lucro/Prejuízo Liquido do Período 35.205,13 1. Receita Bruta de Vendas 451.484,15 2. Impostos sobre Vendas 124.638,57 3. Receita Operacional Liquida 326.845,58 4. Custo da Mercadoria Vendida 227.714,28 5. Lucro Bruto 99.131,30 6. Despesas Operacionais 81.205,38 7. Lucro Operacional 17.925,92 8. IRRF 6.695,30 9. Lucro/Prejuízo Liquido do Período 11.230,62
  42. 42. 42 Índices de Endividamento A situação de endividamento de uma empresa indica o montante de recursos de terceiros que está sendo usado, para aumentar seus próprios ativos e também o percentual de cobertura do capital próprio que a empresa possui em relação ao capital de terceiros que ela está utilizando. _IET_ Índice de Endividamento Total O Índice de Endividamento Total mede a proporção dos ativos totais da empresa financiada pelos credores. Quanto maior for este índice, maior será o montante do capital de terceiros que vem sendo utilizado para aumentar os ativos da empresa. Índice de Endividamento Total = Passivo Circulante + Exigível Longo Prazo _ .x 100 Ativo Circulante + Realizável Longo Prazo + Ativo Permanente Índice de Endividamento Total = 166.223,00 = 0,18 *100 = 18,77% 885.379,00 Isso indica que a Empresa Exemplar no ano de 2002 está financiando 18,77% dos seus ativos com capital de terceiros, isto é 18,77% dos ativos ainda não são financeiramente da empresa. BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379
  43. 43. 43 _IGCP_ Índice de Garantia do Capital Próprio O Índice de Garantia do Capital Próprio indica o percentual de capital próprio que a empresa possui, que é o seu patrimônio sob a forma líquida (moeda) sobre o total de capital de terceiros que ela está utilizando. Esse índice mostra se o capital próprio da empresa quita ou não o total de obrigações assumidas. Índice Garantia do Capital Próprio = Patrimônio Líquido x 100 Passivo Circulante + ELP Índice de Endividamento Total = 719.145,00 = 4,32 *100 = 432,63% 166.223,00 Isso indica que o capital próprio da Empresa Exemplar no ano de 2002 cobre em 432,63% o capital de terceiros que ela está utilizando, isto indica que a empresa tem uma boa garantia de capital próprio em relação ao capital de terceiros. IGCP: Maior > do que 100% = o capital próprio cobre o capital de terceiros IGCP: Menor < do que 100% = o capital próprio não cobre o capital de terceiros BP - Balanço Patrimonial Empresa Exemplar - 2002 Ativo Circulante 630.160 Passivo Circulante 68.590 Caixa 249.989 Dupl. Pagar 68.590 Banco 248.811 Dupl Receber 93.584 Estoques 37.776 Realizável LP 42.755 Exigível LP 97.644 Dupl Receber LP 42.755 Dupl Pagar LP 97.633 Ativo Permanente 212.464 Patrimônio Líquido 719.145 Imóveis 58.673 Capital Social 400.000 Máquinas 91.576 L/P Acumulados 319.156 Veículos 70.419 (-)Depreciação (8.204) ATIVO TOTAL 885.379 PASSIVO TOTAL 885.379
  44. 44. 44 Exercícios Apresente os índices de endividamento e interprete-os, conforme informações abaixo: Empresa Analista 1998 Ativo Circulante 170.854 Passivo Circulante 285.967 Realizável LP 197.842 Exigível LP 186.718 Ativo Permanente 414.778 Patrimônio Líquido 310.789 TOTAL 783.474 TOTAL 783.474 Resposta: IET 60,33% IGCP 65,74% Empresa Analista 1999 Ativo Circulante 106.940 Passivo Circulante 181.196 Realizável LP 172.724 Exigível LP 135.237 Ativo Permanente 411.414 Patrimônio Líquido 374.645 TOTAL 691.078 TOTAL 691.078 Resposta: IET 45,78% IGCP 118,39% Empresa Analista 2000 Ativo Circulante 50.059 Passivo Circulante 38.294 Realizável LP 1.387 Exigível LP 2.913 Ativo Permanente 27.011 Patrimônio Líquido 37.250 TOTAL 78.457 TOTAL 78.457 Resposta: IET 52,52% IGCP 90,39% Empresa Analista 2001 Ativo Circulante 46.331 Passivo Circulante 35.493 Realizável LP 2.182 Exigível LP 2.165 Ativo Permanente 20.181 Patrimônio Líquido 31.036 TOTAL 68.694 TOTAL 68.694 Resposta: IET 54,81% IGCP 82,41%
  45. 45. 45 Ciclo e Giro de Caixa Ciclo de Caixa é definido como o período de tempo médio existente em dias desde um gasto inicial, seja um custo ou uma despesa até o recebimento da venda do produto ou serviço final obtido. Para uma empresa industrial, por exemplo, esse ciclo corresponde ao intervalo de tempo existente entre a aquisição de insumos para a industrialização e o recebimento pela venda dos produtos industrializados. Giro de Caixa é a quantidade de vezes em que o ciclo aconteceu num determinado período. Observe a ilustração abaixo: Para uma empresa, quanto menor for o seu ciclo, melhor, pois ela consegue fazer toda a sua operação em menor tempo, isto é, ela gira muito mais vezes num determinado período.
  46. 46. 46 BalançoPatrimonialDREBalançoPatrimonialDRE - QUANTO MENOR É O CICLO, MAIOR É O GIRO - O Ciclo de Caixa e Giro de Caixa relacionam-se através das seguintes fórmulas: Ciclo de Caixa = Idade Média do Estoque + Prazo Médio de Recebimento – Prazo Médio de Pagamento Giro de Caixa = Ano Contábil 360 ÷ Ciclo de Caixa Exercícios Com base nas informações abaixo, calcule o Ciclo e o Giro de Caixa. Empresa A Empresa B Empresa C Receita Operacional Líquida = 97.480,00 = 104.597,00 = 272.238,00 Custo da Mercadoria Vendida = 70.469,00 = 86.392,00 = 190.000,00 Duplicatas a Receber = 9.398,00 = 26.014,00 = 29.000,00 Estoques = 6.559,00 = 7.962,00 = 14.000,00 Duplicatas a Pagar = 2.578,00 = 18.698,00 = 17.000,00 Resposta: = CC 55 dias = CC 45 dias = CC 33 dias = GC 6,66 giros = GC 8 giros = GC 11,25 giros Empresa D Empresa E Empresa F Receita Operacional Líquida = 341.099,00 = 274.598,00 = 440.577,00 Custo da Mercadoria Vendida = 290.190,00 = 213.314,00 = 381.194,00 Duplicatas a Receber = 69.787,00 = 54.193,00 = 80.490,00 Estoques = 37.844,00 = 31.960,00 = 43.290,00 Duplicatas a Pagar = 19.999,00 = 55.463,00 = 49.347,00 Resposta: = CC 95 dias = CC 31 dias = CC 59 dias = GC 3,78 giros = GC 11,61 giros = GC 6,10 giros
  47. 47. 47 Ponto de Equilíbrio Financeiro - PeF O Ponto de Equilíbrio Financeiro é definido como o nível de receitas onde todos os custos e despesas fixas e os custos e despesas variáveis são cobertos. Neste ponto, os gastos são iguais à receita total da empresa, ou seja, a empresa não apresenta lucro nem prejuízo. Mas acima deste ponto existe lucro e abaixo deste ponto, o prejuízo. É muito importante para a empresa, pois lhe possibilita determinar o nível de faturamento que a mesma precisa manter para cobrir todos os seus custos e despesas operacionais. Toda empresa necessita desta informação, pois sabendo o seu Ponto de Equilíbrio Financeiro, ela pode concentrar esforços para atingi-lo e sempre superá-lo, pois assim ela garantirá um lucro operacional do período calculado. Mas como calcular um Ponto de Equilíbrio Financeiro? Buscar informações Para calcular um PeF, precisamos saber qual o seguimento da empresa, qual o tipo de negócio que ela atua, isto é, vamos calcular o equilíbrio financeiro de uma indústria um, um atacado, um varejo ou uma prestação de serviços? Fazer esta identificação do seguimento da empresa é necessário para o rateio do CMV que veremos adiante. Após identificar o seguimento, precisaremos utilizar uma das ferramentas de Demonstrações Contábeis, o Demonstrativo do Resultado do Exercício _ DRE. No DRE extraímos as cinco contas de resultado e seus respectivos valores, necessários para o cálculo do PeF. As contas são: • Receita Operacional Líquida ROL • Custo da Mercadoria Vendida CMV • Despesas Administrativas DAd • Despesas de Vendas DVe Despesas Operacionais DO • Despesas Financeiras DFi Passo 1
  48. 48. 48 Fazendo os Rateios Para continuar o cálculo do PeF, as empresas devem fazer um estudo detalhado para caracterizar quais são seus custos e despesas fixas e quais são seus custos e despesas variáveis, com a finalidade de ratear corretamente na fórmula do ponto de equilíbrio. Inicialmente, se a empresa não dispõe de tempo ou dinheiro para fazer este estudo e identificar todos os seus custos e despesas fixas e variáveis, a empresa pode utilizar uma tabela classificatória que mostra um cenário aproximado do mercado onde ela atua. Para ratear o CMV: Dependendo do mercado onde a empresa atua, o Custo da Mercadoria Vendida – CMV é rateado da seguinte forma: Custo da Mercadoria Vendida - CMV Indústria 60% Custo Variável 40% Custo Fixo Atacado 50% Custo Variável 50% Custo Fixo Varejo 40% Custo Variável 60% Custo Fixo Serviços 30% Custo Variável 70% Custo Fixo Para ratear as DO: Independente do mercado onde a empresa atua, as Despesas Operacionais – DO são classificadas em: Despesas Operacionais - DO Despesas Administrativas Despesas Fixas Despesas Vendas Despesas Variáveis Despesas Financeiras Despesas Variáveis Indústria, Atacado, Varejo ou Serviços. Passo 2
  49. 49. 49 Aplicando a fórmula Após dividir o CMV em duas partes, conforme a tabela classificatória acima, vamos lançar todas as informações na fórmula e descobrir o Ponto de Equilíbrio Financeiro do período calculado. A fórmula do PeF é definida por: Ponto de Equilíbrio = Custos e Despesas Fixas = 1 - Custos e Despesas Variáveis ROL Observe o Exemplo do PeF da “ABC Indústria Metalúrgica”: Informações extraídas do DRE ROL = 229.265,00 Custo da Mercadoria Vendida = 104.148,00 Despesas Administrativas = 11.899,00 Despesas de Vendas = 27.400,00 Despesas Financeiras = 965,00 PeF = Custos e Despesas Fixas .= 41.659,20 + 11.899,00 = 53.558,20 1 - Custos e Despesas Variáveis 1- 62.488,80 + 27.400 + 965,00 1 – 0,39 ROL 229.265,00 PeF = 53.558,20 = PeF R$ 87.800,32 0,61 Para que a “ABC Indústria Metalúrgica” cubra seus custos e despesas fixas e variáveis, a mesma deve vender num determinado período R$ 87.800,32. Se ela vender abaixo deste valor, está empresa terá prejuízo e se vender acima, terá lucro. Passo 3 (Custo Variável _ 60% _ 62.488,80) (Custo Fixo _ 40% _ 41.659,20) Despesa Variável Despesa Variável Despesa Fixa
  50. 50. 50 Identificando os Custos e Despesas Variáveis Para comprovarmos se realmente o PeF, é o ponto onde a empresa cobre todos os seus custos e despesas fixas e cobre todos os custos e despesas variáveis oriundos desta venda (faturamento), vamos continuar com o passo 4 e com o passo 5 e simularmos um Demonstrativo de Resultado para chegar a um lucro ou prejuízo igual à zero, consolidando a exatidão do PeF. No passo 4 vamos localizar nas informações do DRE da “ABC Indústria Metalúrgica”, todos os custos e despesas variáveis, e calcular a representatividade percentual de cada um, conforme exemplo: Informações extraídas do DRE Proporção em % CMV Custo Variável 60% R$ 62.488,80 68,78% Despesas de Vendas R$ 27.400,00 30,15% Despesas Financeiras R$ 965,00 1,07% Total de CDV R$ 90.853,80 100,00% Simulando um DRE sobre o PeF Supondo que num determinado período a “ABC Indústria Metalúrgica” tenha vendido (faturado) apenas o seu Ponto de Equilíbrio Financeiro que é de R$ 87.800,32. Conforme o conceito do PeF, quando isto acontecer, o resultado da empresa, o lucro operacional deve ser igual a zero. Vamos constatar: Precisamos descobrir qual o total de custos e despesas variáveis, que este DRE sobre o PeF vai ter. Para descobrir este valor, basta subtrair do PeF a parcela do CMV que é custo fixo e as despesas administrativas que são despesas fixas. Vale lembrar que Passo 4 Passo 5
  51. 51. 51 custos e despesas fixas são FIXAS, NÃO oscilam de acordo com o volume de produção ou vendas. Observe: CDV = PeF – CMV Fixo – DA CDV = 87.800,32 - 41.659,20 - 11.899,00 CDV = 34.242,12 Este total de CDV, deve ser distribuído no DRE sobre o PeF, conforme as proporções identificadas no passo 4. Simulando um DRE sobre o PeF ROL (=)87.800,32 CV 60% (-)23.551,73 68,78% Custo da Mercadoria Vendida CF 40% (-)41.659,20 Despesas Administrativas (-)11.899,00 Despesas de Vendas (-)10.323,99 30,15% Despesas Financeiras (-) 366,39 1,07% LUCRO/PREJUÍZO OPERACIONAL (=) Zero Conforme demonstrado, a Informação está confirmada. Se a “ABC Indústria Metalúrgica” vender (faturar) somente o seu Ponto de Equilíbrio Financeiro o seu resultado operacional será igual a Zero, desconsiderando impostos.
  52. 52. 52 Exercícios Com base nas informações abaixo, calcule os Pontos de Equilíbrio Financeiro das empresas abaixo: Empresa A (Ind) Empresa B (Var) Empresa C (Ser) ROL = 104.006,00 = 195.317,00 = 320.000,00 Custo da Mercadoria Vendida = 70.469,00 = 86.392,00 = 190.000,00 Despesas Administrativas = 6.559,00 = 7.962,00 = 14.000,00 Despesas de Vendas = 9.398,00 = 26.014,00 = 29.000,00 Despesas Financeiras = 2.578,00 = 18.698,00 = 17.000,00 Resposta: = PE 72.388,75 = PE 99.662,00 = PE 216.176,47 Empresa D (Atac) Empresa E (Var) Empresa F (Ind) ROL = 1.056.408,00 = 746.793,00 = 861.867,00 Custo da Mercadoria Vendida = 829.424,00 = 486.316,00 = 544.455,00 Despesas Administrativas = 71.743,00 = 56.327,00 = 68.670,00 Despesas de Vendas = 113.429,00 = 84.475,00 = 103.560,00 Despesas Financeiras = 2.114,00 = 9.493,00 = 7.990,00 Resposta: Empresa G (Var) Empresa H (Ser) Empresa I (Atac) ROL = 97,482,00 = 64.397,00 = 41.834,00 Custo da Mercadoria Vendida = 69.244,00 = 45.853,00 = 30.555,00 Despesas Administrativas = 8.347,00 = 5.258,00 = 4.076,00 Despesas de Vendas = 12.924,00 = 10.951,00 = 8.357,00 Despesas Financeiras = 1.982,00 = 1.083,00 = 994,00 Resposta: = PE 62.258,50
  53. 53. 53 Formação do Preço de Venda UMA NECESSIDADE PARA A PERMANÊNCIA NO MERCADO A formação dos preços de venda dos produtos ou serviços obedece a várias técnicas e estratégias; porém, a mais antiga e, portanto, a mais usada é a formação de preços por meio da apuração dos custos, despesas e definição da margem de lucro dos produtos ou serviços. Assim sendo, os métodos de custeio são considerados fontes gerenciais de extrema importância para a tomada de decisões, para a obtenção de lucros e para o alcance dos objetivos previamente traçados. Mas como calcular o preço de venda do meu produto? Como saber se o preço praticado está satisfatório? Com base em que e em quem precifico meu produto? Estas questões são respondidas estudando a Formação do Preço de Venda, cujo cálculo deve levar a um valor: 1. Que traga à empresa a maximização dos lucros; 2. Que seja possível manter a qualidade dos produtos; 3. Que atenda as expectativas do mercado; 4. Que melhor aproveite os níveis de produção. O preço ideal de venda é aquele que cobre os custos e despesas do produto ou serviço, proporciona o retorno desejado pela empresa e é competitivo perante seus concorrentes. Num mercado competitivo os preços são formados pela lei da oferta e procura. Então, dado um determinado nível de preço no mercado para seu produto ou serviço, a empresa avalia se o preço ideal de venda é compatível com aquele vigente no mercado, portanto, quanto menores forem os custos e as despesas de comercialização, mais competitivo se tornará o produto.
  54. 54. 54 Levantamentos preliminares para o cálculo do preço de venda: 1. Determinar quais e quantos insumos e outros materiais são utilizados para produzir uma única unidade do produto. 2. Determinar o tempo total de mão-de-obra direta necessária para produzir uma única unidade do produto. 3. Determinar as despesas de comercialização. As despesas de comercialização são todas aquelas que incidem diretamente sobre o preço de venda, tais como: despesas financeiras, comissão de vendas, impostos sobre vendas, despesas de propaganda, expedição, transportadoras. Estas despesas representam um percentual que incide sobre o preço de vendas. 4. Definição da margem de lucro operacional. A margem de lucro desejada é definida de acordo com as estratégias de mercado da empresa, que deve levar em consideração a situação dos concorrentes. 5. Calcular o Markup que é igual à: Mark up= 1 – (despesas de comercialização + lucro desejado ÷ 100) 6. Calcular o preço de venda que é igual à PV = Custo do Produto Mark up 7. Analisar o preço calculado com o preço praticado no mercado e verificar a competitividade do mesmo. Exemplo A empresa Alfa incorreu nos seguintes gastos para produzir e vender um determinado produto: CDV Matéria-prima: R$ 800,00 CDF Mão-de-obra direta R$ 200,00 Custo do Produto: R$ 1070,00 CDF Custos indiretos de fabricação: R$ 70,00 (manutenção, energia, aluguel)
  55. 55. 55 Taxas para o cálculo do Mark up: ICMS: 17% Comissão de vendas: 13% Despesas financeiras: 4% (juros pagos, emissão de bloquetos, tarifas bancárias) Lucro desejado: 9% Resolução: PV = 1070,00 . PV = 1070,00 PV = 1877,19 1 – (43 ÷ 100) 0,57 MARKUP Comprovação do Lucro Será que se a empresa vender 1 produto ao preço de venda calculado trará 9% de lucro? (=) Receita Bruta de Vendas R$ 1877,19 (-) Impostos 17% R$ 319,12 (=) Receita Operacional Líquida R$ 1558,06 (-) CMV R$ 1070,00 (=) Lucro Bruto R$ 488,06 (-) Despesas Operacionais 17% R$ 319,12 (=) Lucro Operacional R$ 168,94 No resultado final, chegamos aos 9% de lucro desejado.
  56. 56. 56 Exercício 01 Calcule o preço de venda de um suporte de colheitadeira, conforme as seguintes informações: CUSTO VARIÁVEL DO PRODUTO 5 kg de aço 3 polegadas à R$ 1,60 Kg 3 peças de borracha sanfonada à R$ 0,83 à unidade 5 arruelas à R$ 0,17 à unidade 1 broca de aço à R$ 5,00 à unidade 1 caixa de papelão à R$ 40,00 o cento. CUSTO FIXO DO PRODUTO 1 hora de torneiro à R$ 550,00 de salário mensal com encargos de 100% ao mês 2 horas de montador com o salário mensal de R$ 413,00 mais encargos de 100%. Efetividade de trabalho de 90%. TAXAS PARA O CÁLCULO DO MARK UP Taxa de administração: 14% ICMS: 17% Fretes: 3% Comissões sobre Vendas: 5% Lucro unitário desejado: 10%
  57. 57. 57 Exercício 02 Calcule o preço de venda de uma unidade de detergente para louça: CUSTO VARIÁVEL DO PRODUTO 120g de hipoclorito de sódio à R$ 8,50 o kg. Consumo de água comum à R$ 0,02 por unidade 1 garrafa de polietileno à R$ 30,00 o cento 1 rótulo à R$ 20,00 o cento 1 bico dosador à R$ 13,00 o cento Gasto com cola e fita estimado em R$ 0,01 1 caixa de papelão à R$ 22,00 o cento OBS: 1 caixa de papelão é para 12 unidades. CUSTO FIXO DO PRODUTO No setor de produção trabalham três pessoas envolvidas com a fabricação do detergente. O valor total da remuneração, incluindo o salário dos três colaboradores é de R$ 1.400,00 mais encargos sociais de 87% sobre este valor. O tempo gasto na fabricação de uma unidade de detergente é de 2 minutos considerando o trabalho de todos e uma efetividade de trabalho de 85%. TAXAS PARA O CÁLCULO DO MARK UP Comissão de Vendas: 3% ICMS: 17% Expedição: 3% Lucro unitário desejado: 7%
  58. 58. 58 Exercício 03 A Companhia Só Saúde, pretende lançar um Xarope Medicinal cujo nome comercial será: Tiratosse. Já foi realizada uma pesquisa mercadológica, onde se constatou que os produtos concorrentes do Tiratosse são vendidos à R$ 9,80 e a média mensal de vendas por parte do fabricante é de 9.000 unidades ao mês. Para produzir o Tiratosse a Companhia Só Saúde terá os seguintes custos e despesas: CUSTO VARIÁVEL DO PRODUTO 150ml de carbocisteína onde o litro é adquirido por 24,70; 50ml de água purificada desmineralizada onde o litro é adquirido por 7,40; 10g de corante vermelho sabor cereja onde o kilo é adquirido por 13,90; 1 frasco âmbar de 200ml onde o milheiro é adquirido por R$ 120,00 1 tampa rosca branca onde o milheiro é adquirido por R$ 130,00 1 rótulo em papel couchê onde o milheiro é adquirido por R$ 204,00 1 cartucho em gramatura simples onde o milheiro é adquirido por 197,00 CUSTO FIXO DO PRODUTO Mão de Obra Direta Para produzir as 9.000 unidades mensais a empresa contará com 4 funcionários alocados para este produto, onde a cada três minutos será fabricado um Tiratosse, considerando o trabalho empregado de todos. Estes quatro funcionários receberão cada um, o piso da categoria, R$ 413,00 com encargos apurados em 90% e efetividade de 85% sobre as 176 horas de trabalho mensal de cada um. Custos Indiretos de Fabricação Fixos Para produzir este produto a empresa terá outros custos fixos como água, energia, aluguel, depreciação da máquina utilizada para este produto, limpeza da área produtiva deste produto que totalizará R$ 7.450,00 e deverão ser rateados pelo total de produtos fabricados. TAXAS PARA O CÁLCULO DO MARK UP ICMS: 17% Divulgação do Produto – Marketing: 2% Comissão de Vendas para os Representantes Comerciais: 3% Despesas de Logística: 2% Lucro unitário desejado: 4%
  59. 59. 59 Exercício 04 Calcule qual o preço que uma prestadora de serviços em vigilância deve cobrar, para oferecer o seguinte serviço para um cliente: Vigilante 24 horas, 5 dias por semana. CUSTO FIXO DO PRODUTO Mão de Obra Direta Será necessário revezar 3 vigilantes para cobrir todo o horário solicitado pelo cliente e cada vigilante terá: Salário R$ 800,00 + 88% de encargos; Vale transporte à R$ 1,75 cada; Vale refeição à R$ 5,00 cada. OBS: Considerar 22 dias úteis Custos Indiretos de Fabricação Fixos Conjunto de Uniforme: R$ 73,00 para cada vigilante. Treinamento: R$ 150,00 para cada vigilante. Cacetete: R$ 50,00 para cada vigilante. TAXAS PARA O CÁLCULO DO MARK UP ISSQN: 5% Taxa administrativa: 4% Comissão sobre vendas: 3% Despesas de Marketing: 2% Lucro unitário desejado: 10%
  60. 60. 60 Exercício 05 Um mini mercado compra produtos para abastecer-se de fornecedores diferentes e com base no preço que paga por estes produtos, deve montar o seu preço de venda e analisar qual será mais competitivo. Um dos produtos que o comerciante compra é a gelatina. O fornecedor A vende a gelatina por R$ 0,50 a unidade e o fornecedor B vende à R$ 0,55 a unidade, mas a cada 5 unidades compradas o comprador ganha 1 unidade. Para abastecer o mini mercado o comerciante comprará 10 unidades. CUSTO FIXO DO PRODUTO Fornecedor A: R$ 0,50 unitário CUSTO FIXO DO PRODUTO Fornecedor B: R$ 0,55 unitário + brinde TAXAS PARA O CÁLCULO DO MARK UP ICMS: 17% Despesas Gerais: 7% Mão de Obra Indireta: 5% Lucro unitário desejado: 8%
  61. 61. 61 Exercício 06 Calcule o Preço de Venda de um frasco de Shampoo Lava Bem 500ml. CUSTO VARIÁVEL DO PRODUTO 200ml de glicerina cuja bombona com 10 litros custa R$ 57,00 mais o frete de R$ 19,00 50 ml de fragrância cujo litro custa R$ 9,50 150 ml de etilenoglicol cuja bombona de 200 litros custa R$ 186,00 mais o frete de R$ 46,00 100 ml de água purificada onde o litro custa R$ 7,40 1 frasco com tampa serigrafado que custa R$ 304,00 o milheiro com frete de R$ 57,00 CUSTO FIXO DO PRODUTO Mão de Obra Direta Na fabricação a cada dois minutos, um frasco de shampoo é produzido, considerando o trabalho de dois funcionários onde cada um recebe salário de R$ 417,00 com 87% de encargos sociais e efetividade de 90% trabalhada. Custos Indiretos de Fabricação Fixos Para produzir o shampoo a empresa terá outros custos fixos como água, energia, aluguel, depreciação, limpeza, que totalizará R$ 3.670,00 e deverão ser rateados pela produção de 6.000 unidades ao mês. TAXAS PARA O CÁLCULO DO MARK UP ICMS: 17% Marketing: 3% Comissão: 5% Fretes de Vendas: 2% Lucro unitário desejado: 10%
  62. 62. 62 Exercício 07 Um comerciante pretende iniciar a venda de malhas, mas para isso necessita calcular o preço de venda de cada peça. Em Nova Petrópolis/RS ele comprou: TAXAS PARA O CÁLCULO DO MARK UP Blusão de lã masculino por R$ 39,00 17% de ICMS; Blusão de lã feminino por R$ 33,00 7% de comissão para os vendedores Colete de lã masculino por R$ 29,00 6% de despesas com vendas (gasolina, Blusa básica lã feminina uma cor por R$ 19,00 refeições, pedágio) Blusa básica lã feminina três cores por R$ 27,00 5% de lucro em cada peça.
  63. 63. 63 Formação do Preço de Venda x Volume de Produção A formação do preço de venda deve levar em consideração o volume de produção para o produto que está se tentando precificar, pois no moderno ambiente concorrencial a formação do preço de venda é cada dia mais dependente do mercado, ou, em outras palavras, é o mercado que passa a fixar o preço e não mais a empresa. Por isso o volume de produção é muito importante, pois quanto maior for o volume de produção, menor será o meu custo e conseqüentemente, menor poderá ser o meu preço de venda e assim deixar meu produto competitivo no mercado. Exemplo A empresa MK tem um custo variável de 5,00 por unidade produzida. Os custos e despesas fixas totalizam 100.000,00, sendo sua capacidade de produção de 10.000 unidades. Essa empresa vem trabalhando considerando o seu nível de produção e, assim, o custo unitário do produto é: Custo: Custo e Despesas Fixas + Custo Variável por unidade Capacidade de Produção Custo: 100.000,00 + 5,00 10.000 Custo: 10,00 + 5,00 = 15,00 por unidade produzida O preço de venda é determinado fixando-se um lucro de 20%, despesas financeiras 10% e comissão sobre vendas de 10% e então ficará: Markup = 1 – (20 + 20) /100 = 0,60 Preço de Venda = Custo do Produto = 15,00 = 25,00 Markup 0,60
  64. 64. 64 Agora, vamos simular que em um período de recessão, as vendas caíram 37,5% atingindo 6.250 unidades produzidas, como ficará o custo e o preço de venda? Custo: Custo e Despesas Fixas + Custo Variável por unidade Capacidade de Produção Custo: 100.000,00 + 5,00 6.250 Custo: 16,00 + 5,00 = 21,00 por unidade produzida O preço de venda é determinado fixando-se um lucro de 20%, despesas financeiras 10% e comissão sobre vendas de 10% e então ficará: Markup = 1 – (20 + 20) /100 = 0,60 Preço de Venda = Custo do Produto = 21,00 = 35,00 Markup 0,60
  65. 65. 65 Exercício 1 Calcule o preço de venda baseado no volume de produção. A empresa gaúcha produz carvão com as seguintes informações: Custo fixo: R$ 2.700,00 mensais; Custo variável: R$ 0,90 por unidade produzida; Capacidade de Produção: 900 unidades/mês. A empresa serrana produz carvão com as seguintes informações: Custo fixo: R$ 3.500,00 mensais; Custo variável: R$ 0,79 por unidade produzida; Capacidade de Produção: 1200 unidades/mês. A empresa campeira produz carvão com as seguintes informações: Custo fixo: R$ 2.900,00 mensais; Custo variável: R$ 0,99 por unidade produzida; Capacidade de Produção: 1100 unidades/mês. Taxas para cálculo do Markup: despesas gerais: 12% lucro desejado: 10% Determine o preço de venda de cada empresa e determine qual será o preço mais competitivo, visto que o mercado paga no máximo R$ 4,70 por unidade do produto. Resolução Custo: Custo e Despesas Fixas + Custo Variável por unidade Capacidade de Produção Empresa Gaúcha: 2.700,00 + 0,90 = 3,00 + 0,90 = Custo 3,90 PV = 3,90 = 3,90 = R$ 5,00 900 1 – (22÷100) 0,78 Empresa Serrana: 3.500,00 + 0,79 = 2,91 + 0,79 = Custo 3,70 PV = 3,70 = 3,70 = R$ 4,74 1200 1 – (22÷100) 0,78 Empresa Campeira: 2.900,00 + 0,99 = 2,63 + 0,99 = Custo 3,62 PV = 3,62 = 3,62 = R$ 4,64 1100 1 – (22÷100) 0,78
  66. 66. 66 Exercício 2 Calcule o preço de venda baseado no volume de produção. A empresa Sarandi produz água mineral com as seguintes informações: Custo fixo: R$ 1.200,00 mensais; Custo variável: R$ 0,45 por unidade produzida; Capacidade de Produção: 3.400 unidades/mês. A empresa Minerágua produz água mineral com as seguintes informações: Custo fixo: R$ 2.550,00 mensais; Custo variável: R$ 0,59 por unidade produzida; Capacidade de Produção: 5.200 unidades/mês. A empresa Fonte Nova produz água mineral com as seguintes informações: Custo fixo: R$ 1.950,00 mensais; Custo variável: R$ 0,39 por unidade produzida; Capacidade de Produção: 4.200 unidades/mês. Taxas para cálculo do Markup: despesas gerais: 9% lucro desejado: 15% Determine o preço de venda de cada empresa e determine qual será o preço mais competitivo, sendo que vamos considerar o preço mais baixo. Resolução Custo: Custo e Despesas Fixas + Custo Variável por unidade Capacidade de Produção Empresa Sarandi: 1.200,00 + 0,45 = 0,35 + 0,45 = Custo 0,80 PV = 0,80 = 0,80 = R$ 1,05 3.400 1 – (24÷100) 0,76 Empresa Minerágua: 2.550,00 + 0,59 = 0,49 + 0,59 = Custo 1,08 PV = 1,08 = 1,08 = R$ 1,42 5.200 1 – (24÷100) 0,76 Empresa Fonte Nova: 1.950,00 + 0,39 = 0,46 + 0,39 = Custo 0,85 PV = 0,85 = 0,85 = R$ 1,12 4.200 1 – (24÷100) 0,76
  67. 67. 67 Ponto de Equilíbrio por Produto Da mesma forma como verificamos o ponto de equilíbrio financeiro da empresa, podemos descobrir qual o ponto de equilíbrio por produto, considerando-se uma expectativa máxima de venda para ele, os custos e despesas fixas da empresa e os custos e despesas variáveis do produto em questão. Com o ponto de equilíbrio por produto o administrador financeiro colabora com o administrador da produção para definir qual o volume de fabricação e o volume de vendas de um determinado produto para que ele cubra seus custos e despesas variáveis e contribua para o pagamento dos custos e despesas fixas que pertencem a empresa. Mas como calcular um Ponto de Equilíbrio por Produto? É necessário obter-se algumas informações conforme segue: Buscar informações • É necessário identificar os custos e despesas variáveis do produto que pretende- se calcular o ponto de equilíbrio. • Identificar o preço de venda que este produto será comercializado no mercado. • Identificar a expectativa máxima de unidades que pretende-se comercializar. • Identificar os custos fixos da empresa. Passo 1
  68. 68. 68 Calcular a Tabela Expectativa A tabela expectativa é utilizada para medir vários níveis de produção e vendas, partindo de uma expectativa máxima de comercialização para um determinado produto. Simula-se diferentes níveis de produção para posterior venda, com todas as receitas e todos os gastos do produto e observa-se os diferentes lucros ou prejuízos operacionais. Niveis 100% 75% 50% 25% 10% Unidades CDFixas CDVariáveis CDTotal RBVendas Lucro/Prejuízo Operacional Tabela Expectativa Aplicando a fórmula Devemos aplicar a fórmula para descobrir o Ponto de Equilíbrio por Produto, isto é, o número unitário de itens que devem ser fabricados e conseqüentemente comercializados para que este produto, quite as obrigações pertinentes a ele e não deixe lucro nem prejuízo, acontecendo então, o EQUILÍBRIO. PeP = CDF da empresa Pe% = PeP . (PV Unitário – CDV) nº de unidades expectativa máxima Passo 2 Passo 3
  69. 69. 69 Exemplo: Faremos o PeP de um perfil de metal de 2,20m feito pela ABC Indústria Metalúrgica, sendo que a empresa tem uma expectativa máxima de venda de 1.500 unidades mês deste produto. CDF da Empresa neste produto R$ 3.150,48 CDV do Produto Após a precificação do produto, verificou-se que os custos variáveis do mesmo totalizam R$ 24,69 por unidade e preço de venda unitário é de R$ 33,40. Calcular a Tabela Expectativa do Produto Após a identificação dos itens abaixo, podemos calcular a tabela, para simular os diferentes lucros ou prejuízos operacionais. 3.150,48 24,69 33,40 1.500 Parâmetros CDF da empresa alocados para este produto CDV do produto Preço de Venda do produto Expectativa Máxima de Venda
  70. 70. 70 Tabela Expectativa Niveis 100% 75% 50% 20% Unidades 1.500 1125 750 300 CDFixas 3.150,48 3.150,48 3.150,48 3.150,48 CDVariáveis 37.035,00 27.776,25 18.517,50 7.407,00 CDTotal 40.185,48 30.926,73 21.667,98 10.557,48 RBVendas 50.100,00 37.575,00 25.050,00 10.020,00 Lucro/Prejuízo 9.914,52 6.648,27 3.382,02 -537,48 ► ◄ Aplicar as Fórmulas do PeP PeP = CDF da empresa Pe% = PeP . *100 (PV Unitário – CDV) nº de unid. expectativa máxima PeP = 3.150,48 Pe% = 361,70 . *100 (33,40 – 24,69) 1.500 PeP = 361,70 unidades Pe% = 24,11%. Exercícios 1- Com base nas informações, projete a estimativa de lucro ou prejuízo operacional de uma empresa que tem uma expectativa máxima de venda de 23.000 unidades de um produto O custo e despesa fixa alocado para este produto totalizam R$ 28.222,70 mensais. Os custos e despesas variáveis por unidade totalizam 12,30 e o preço de venda será de 17,20. Os níveis das expectativas pessimistas são 50%, 30% e 15%.
  71. 71. 71 2- Com base nas informações, projete a estimativa de lucro ou prejuízo operacional de uma empresa que tem uma expectativa máxima de venda de 16.500 unidades de um produto O custo e despesa fixa alocado para este produto totalizam R$ 11.700 mensais. Os custos e despesas variáveis por unidade totalizam 3,30 e o preço de venda será de 6,90. Os níveis das expectativas pessimistas são 85%, 55% e 35%. 3- Com base nas informações, projete a estimativa de lucro ou prejuízo operacional de uma empresa que tem uma expectativa máxima de venda de 25.800 unidades de um produto O custo e despesa fixa alocado para este produto totalizam R$ 31.140 mensais. Os custos e despesas variáveis por unidade totalizam 4,25 e o preço de venda será de 9,90. Os níveis das expectativas pessimistas são 60%, 40% e 20%. 4- Com base nas informações, projete a estimativa de lucro ou prejuízo operacional de uma empresa que tem uma expectativa máxima de venda de 43.000 unidades de um produto O custo e despesa fixa alocado para este produto totalizam R$ 18.200 mensais. Os custos e despesas variáveis por unidade totalizam 10,40 e o preço de venda será de 23,00. Os níveis das expectativas pessimistas são 70%, 50% e 10%.
  72. 72. 72 Demonstração do Fluxo de Caixa O Fluxo de Caixa é um instrumento básico para a execução do planejamento e do controle financeiro a curto, médio e longo prazo da Empresa. Ele indica a origem de todo o dinheiro que entrou no caixa, bem como a aplicação de todo o dinheiro que saiu do caixa em determinado período, e, ainda o resultado do fluxo financeiro. Indica o total de moeda em caixa necessários para o cumprimento das obrigações da empresa, e também, o período em que serão obtidos. Defasagens significativas no fluxo de caixa podem indicar que os programas da empresa não estão correndo segundo o planejado, mostrando que deverão ser tomadas medidas corretivas e/ou saneadoras. Estas defasagens também podem informar que os programas da empresa tornaram-se irreais em vista da ocorrência de acontecimentos imprevistos e incontroláveis. A Demonstração do Fluxo de Caixa propicia ao gerente financeiro a elaboração de melhor planejamento financeiro, pois numa economia tipicamente inflacionária não é aconselhável excesso de caixa, mas o estritamente necessário para fazer face aos seus compromissos. Através do planejamento financeiro o profissional saberá o momento certo em que contrairá empréstimos para cobrir a falta (insuficiência) de fundos, bem como quando aplicar no mercado financeiro o excesso de dinheiro, evitando, assim a corrosão inflacionária e proporcionando maior rendimento á empresa. Mas só através do conhecimento do passado (o que ocorreu) se poderá fazer uma boa projeção do Fluxo de Caixa para o futuro (próximo mês, próximo trimestre, próximo ano). A comparação do Fluxo Projetado com o real vem indicar as variações que, quase sempre, demonstram as deficiências nas projeções. Estas variações são excelentes subsídios para aperfeiçoamento de novas projeções de Fluxos de Caixa. O Fluxo de Caixa é um plano escrito, expresso em unidades monetárias.
  73. 73. 73 Os Principais Lançamentos que Afetam o Caixa de uma Empresa 1) Lançamentos que Aumentam o Caixa: 1.1) Venda a vista e recebimentos de duplicatas a receber: A principal fonte de recursos do caixa, sem dúvida, é aquela resultante de vendas. 1.2) Integralização de capital pelo Sócios ou Acionistas: São os investimentos realizados pelos proprietários. Se a integralização não for em dinheiro, mas em bens permanentes, como estoques, imóveis, veículos, não afetará o caixa. 1.3) Empréstimos Bancários e Financiamentos: São os recursos financeiros oriundos das instituições Financeiras, mediante o pagamento posterior com juros contratuais. 1.4) Venda de Itens do Ativo Permanente: Embora não seja comum, a empresa pode vender itens do Ativo Permanente. Neste caso, teremos uma entrada de recursos financeiros. 1.5) Outras Entradas: Juros recebidos, dividendos recebidos de outras empresas, indenizações de seguros recebidas, etc. 2) Lançamentos que Diminuem o Caixa: 2.1) Compras a vista e Pagamentos de Fornecedores. 2.2) Pagamentos de custos fixos, despesas fixas e Outros. 2.3) Aquisição de itens para o Ativo Permanente. 2.4) Pagamentos de Dividendos aos Acionistas. 2.5) Outras Saídas: Juros pagos, correção monetária da dívida e Amortização da Dívida. 3) Lançamentos que Não Afetam o Caixa: Através dos itens relacionados no grupo 1 observamos os principais encaixes (entrada de dinheiro no Caixa). Através dos itens relacionados no grupo 2 observamos os principais desembolsos (saídas de dinheiro do Caixa). Agora observaremos algumas transações que não afetam o Caixa, isto é, não há encaixe e nem desembolso: 3.1) Depreciação, Amortização e Exaustão. São meras reduções de Ativo, sem afetar o caixa. 3.2) Provisão para devedores Duvidosos. Estimativa de prováveis perdas com clientes que não representa o desembolso ou encaixe.
  74. 74. 74 Representação do Fluxo de Caixa A representação do movimento de numerários à vista e a prazo para o caixa, em função dos recebimentos das comercializações e dos pagamentos dos fatores de produção, podem ser medidos e classificados como Encaixes (entradas) e Desembolsos (saídas) de caixa, em determinado período orçado. Vendas à Vista e a Prazo Outras Entradas Integralização de Capital Empréstimos e Financiamento CAIXACAIXACAIXACAIXA Compras à Vista Pagamento de Fornecedores Custos e Despesas Fixas Venda de Ativo Permanente Dividendos aos Acionistas Investimentos em Ativo Permanente
  75. 75. 75 07 Dicas para Melhorar o Fluxo de Caixa da Empresa 1. Fature prontamente; 2. Crie incentivos para que o cliente pague mais rápido; 3. Evite clientes que demoram a pagar ou que não pagam; 4. Valorize a permuta; 5. Organize seu estoque para comprar só o necessário; 6. Evite desperdícios, custos e despesas extras; 7. Consolide seus empréstimos; Informações Projetadas O fluxo de caixa aqui estudado será baseado em informações projetadas para o futuro e a empresa deve acompanhar o decorrer dos acontecimentos para comparar as informações projetadas com os fatos ocorridos. Modelo de Demonstrativo de Fluxo de Caixa Mês Projetado Realizado Projetado Realizado Projetado Realizado Projetado Realizado Projetado Realizado ENTRADAS SAÍDAS DIFERENÇA DE CAIXA Saldo Inicial de Caixa SALDO FINAL DE CAIXA Janeiro Fevereiro Março Abril Maio
  76. 76. 76 Exercício 1 Com base nas informações, monte o fluxo de caixa projetado da empresa para os meses de agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro: Vendas Projetadas Compras Projetadas Agosto 21.000,00 8.400,00 Setembro 18.000,00 22.600,00 Outubro 20.000,00 17.500,00 Novembro 25.000,00 15.900,00 Dezembro 22.000,00 15.000,00 Informações: 1. Recebimento das vendas projetadas são 50% à vista, 30% em 30 dias e 20% em 60 dias; 2. Recebimentos Diversos em Setembro no valor de 7.400,00 e em Dezembro no valor de 3.600,00 3. Pagamentos das compras projetadas são 70% à vista e 30% em 30 dias; 4. Custos e Despesas operacionais fixas totalizam 3.000,00 por mês 5. Custos e Despesas operacionais variáveis totalizam 10% das vendas projetadas 6. Saldo inicial de caixa em Agosto de 6.000,00 Resultado: Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Saldo Final de Caixa
  77. 77. 77 Exercício 2 Com base nas informações, monte o fluxo de caixa projetado da empresa para os meses de janeiro, fevereiro, março, abril e maio: Vendas Projetadas Compras Projetadas Janeiro 10.000,00 5.000,00 Fevereiro 12.500,00 6.000,00 Março 13.000,00 8.000,00 Abril 15.000,00 9.000,00 Maio 14.000,00 8.000,00 Informações: 1. Recebimentos das vendas projetadas são 10% à vista, 50% em 30 dias e 40% em 60 dias; 2. Recebimentos Diversos em Janeiro no valor de 4.000,00; 3. Pagamentos das compras projetadas são 35% à vista e 65% em 30 dias; 4. Custos e Despesas operacionais fixas totalizam 1.900,00 por mês 5. Custos e Despesas operacionais variáveis totalizam 7% das vendas projetadas; 6. Saldo inicial de caixa em Janeiro de 2.000,00 Resultado: Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Saldo Final de Caixa 2.650,00 775,00 2.815,00 4.515,00 7.085,00
  78. 78. 78 Exercício 3 Com base nas informações, monte o fluxo de caixa projetado da empresa de Janeiro à Maio de 2006. ENTRADAS Janeiro/2006: 3 pedidos de venda Faturado Vista 30 dias 60 dias 90 dias No pedido A o cliente pagará R$ 10.500 R$ 5.000 R$ 2.000 R$ 2.000 R$ 1.500 No pedido B o cliente pagará R$ 2.700 R$ 1.350 R$ 1.350 No pedido C o cliente pagará R$ 18.470 R$ 7.388 R$ 5.000 R$ 6.082 Fevereiro/2006: 2 pedidos de venda Faturado Vista 30 dias 60 dias 90 dias No pedido A o cliente pagará R$ 14.800 R$ 2.500 R$ 6.500 R$ 5.800 No pedido B o cliente pagará R$ 9.300 R$ 3.100 R$ 3.100 R$ 3.100 Março/2006: 2 pedidos de venda Faturado Vista 30 dias 60 dias 90 dias No pedido A o cliente pagará R$ 23.260 R$ 3.260 R$ 10.000 R$ 10.000 No pedido B o cliente pagará R$ 15.640 R$ 3.910 R$ 3.910 R$ 3.910 R$ 3.910 Capital Integralizado R$ 2.000 Abril/2006: 2 pedidos de venda Faturado Vista 30 dias 60 dias 90 dias No pedido A o cliente pagará R$ 4.440 R$ 2.220 R$ 2.220 No pedido B o cliente pagará R$ 3.400 R$ 1.900 R$ 1.500 Maio/2006: 1 pedido de venda Faturado Vista 30 dias 60 dias 90 dias No pedido A o cliente pagará R$ 5.600 R$ 2.000 R$ 1.200 R$ 1.200 R$ 1.200
  79. 79. 79 SAÍDAS Janeiro/2006: 2 compras Vista 30 dias 60 dias 90 dias O pedido A será pago R$ 9.645 R$ 9.645 O pedido B será pago R$ 3.400 Fevereiro/2006: 4 compras Vista 30 dias 60 dias 90 dias O pedido A será pago R$ 3.200 R$ 3.200 O pedido B será pago R$ 2.290 O pedido C será pago R$ 1.000 R$ 2.000 R$ 1.520 O pedido D será pago R$ 3.400 R$ 6.000 R$ 6.000 R$ 1.240 Março/2006: sem previsão de compras Vista 30 dias 60 dias 90 dias Abril/2006: 3 compras Vista 30 dias 60 dias 90 dias O pedido A será pago R$ 1.770 O pedido B será pago R$ 1.245 R$ 1.245 O pedido C será pago R$ 1.840 Maio/2006: sem previsão de compras Vista 30 dias 60 dias 90 dias Outras Informações: • Esta empresa possui um CDF de R$ 9.000 mensais; • Tributos de 17% sobre os faturamentos;
  80. 80. 80 Exercício 4 Com base nas informações, monte o fluxo de caixa projetado da empresa de Janeiro à Dezembro de 2005. Vendas Projetadas Compras Projetadas Janeiro 391.417,00 160.481,00 Fevereiro 429.265,00 193.169,00 Março 480.072,00 235.235,00 Abril 447.226,00 178.890,00 Maio 270.188,00 235.064,00 Junho 511.063,00 219.757,00 Julho 352.902,00 247.031,00 Agosto 390.029,00 179.413,00 Setembro 213.688,00 94.023,00 Outubro 334.196,00 290.751,00 Novembro 445.350,00 164.780,00 Dezembro 415.296,00 149.507,00 Informações: 1. Recebimentos das vendas projetadas são 20% à vista, 30% em 30 dias e 50% em 60 dias; 2. Pagamentos das compras projetadas são 40% à vista e 60% em 30 dias; 3. Custos e Despesas operacionais fixas totalizam 45.700,00 por mês 4. Custos e Despesas operacionais variáveis totalizam 4% das vendas projetadas; 5. Saldo inicial de caixa em Janeiro de 29.000,00 Resolução
  81. 81. 81 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Venda à Vista 78.283,40 85.853,00 96.014,40 89.445,20 54.037,60 102.212,60 70.580,40 78.005,80 42.737,60 66.839,20 89.070,00 83.059,20 Venda a Prazo 30 dias 117.425,10 128.779,50 144.021,60 134.167,80 81.056,40 153.318,90 105.870,60 117.008,70 64.106,40 100.258,80 133.605,00 Venda a Prazo 60 dias 195.708,50 214.632,50 240.036,00 223.613,00 135.094,00 255.531,50 176.451,00 195.014,50 106.844,00 167.098,00 ENTRADAS 78.283,40 203.278,10 420.502,40 448.099,30 428.241,40 406.882,00 358.993,30 439.407,90 336.197,30 325.960,10 296.172,80 383.762,20 Fornecedores à Vista 64.192,39 77.267,70 94.094,11 71.556,16 94.025,42 87.902,84 98.812,56 71.765,34 37.609,09 116.300,21 65.911,80 59.802,62 Fornecedores a Prazo 30 dias 96.288,58 115.901,55 141.141,17 107.334,24 141.038,14 131.854,25 148.218,84 107.648,00 56.413,63 174.450,31 98.867,70 Custos e Despesas Fixas 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 45.700 Custos e Despesas Variáveis 15.656,68 17.170,60 19.202,88 17.889,04 10.807,52 20.442,52 14.116,08 15.601,16 8.547,52 13.367,84 17.814,00 16.611,84 SAÍDAS 125.549,07 236.426,88 274.898,54 276.286,37 257.867,18 295.083,49 290.482,89 281.285,34 199.504,61 231.781,68 303.876,11 220.982,16 DIFERENÇA DO PERÍODO -47.265,67 -33.148,78 145.603,86 171.812,93 170.374,22 111.798,51 68.510,41 158.122,56 136.692,69 94.178,42 -7.703,31 162.780,04 SALDO INICIAL DE CAIXA 29.000,00 -18.265,67 -51.414,45 94.189,41 266.002,34 436.376,56 548.175,06 616.685,47 774.808,03 911.500,72 1.005.679,14 997.975,83 SALDO FINAL DE CAIXA -18.265,67 -51.414,45 94.189,41 266.002,34 436.376,56 548.175,06 616.685,47 774.808,03 911.500,72 1.005.679,14 997.975,83 1.160.755,87
  82. 82. 82 Análise Financeira de Investimentos As pessoas geralmente querem ganhar dinheiro para poderem gastá-lo. Se elas economizam, no lugar de gastá-lo no momento em que foi ganho, normalmente é porque elas querem para gastá-lo no futuro. Porém, para a maioria das pessoas o consumo presente é mais desejável que consumo futuro, porque o futuro é muito incerto. Por isto, a maioria de nós acha melhor ter um real hoje do que um real de hoje há um ano, e deve ser dado algo extra para conseguir que nós adiemos esta satisfação. Existem consumidores e negociantes que realmente precisam daquele real hoje e prometem que estão dispostos a reembolsar mais do que aquele real no futuro. Negociantes podem investir os fundos de empréstimos de capital para criar lucros que são (esperançosamente) mais do que suficiente para reembolsar os fundos de empréstimo (principal) mais os juros. Os consumidores e governos pedem emprestado por várias razões, e é esperado que os mesmos tenham renda suficiente no futuro para reembolsar o principal e os juros. Isto é o que chamamos de valor do dinheiro no tempo. Aplicar o conceito de valor do dinheiro no tempo é sem dúvida fundamental, pois é ele que determina a análise das alternativas de investimentos. A aceleração do processo de globalização econômica alterou profundamente o cenário financeiro mundial. Hoje, as oscilações imprevisíveis do mercado exigem dos profissionais da área financeira, conhecimentos profundos de Análise Financeira de Investimentos, uma ferramenta essencial para o gerenciamento eficiente de projetos para empresas de grande, médio e pequeno porte.
  83. 83. 83 Investimentos É o valor dos insumos adquiridos pela empresa, não utilizados no período presente, mas que poderão ser empregados em períodos futuros. CARACTERÍSTICAS DOS INVESTIMENTOS LIQUIDEZ Um investimento líquido é aquele de fácil vendagem, fácil solvência, isto é, pode ser rapidamente trocado por moeda. RENTABILIDADE Um investimento é rentável quando tem um alto retorno sobre o capital investido. SEGURANÇA Um investimento é seguro quando o risco é minimizado, isto é, com menores chances de “perder” o investimento. Exemplos de Investimento Poupança: alta liquidez, baixa rentabilidade, média segurança. Ações: alta liquidez, alta rentabilidade, baixa segurança. (pode variar de acordo com o mercado) Imóveis: baixa liquidez, alta rentabilidade, alta segurança. (pode variar de acordo com a localização) Carro: alta liquidez, baixa rentabilidade, baixa segurança. Máquinas e Equipamentos: baixa liquidez, alta rentabilidade, alta segurança.
  84. 84. 84 Dificuldades na Análise Financeira de Investimentos A principal dificuldade na análise de investimentos é a obtenção de dados confiáveis, principalmente as projeções de entradas de caixa. Estas originam-se basicamente das estimativas de vendas. Quando as estimativas sobre os dados do investimento são imprecisas, é recomendável que a análise de investimentos utilize três hipóteses: realista, otimista e pessimista. Desse modo, a análise de investimentos produzirá um PayBack Descontado e um Valor Presente Líquido máximo, médio e mínimo esperados. Critérios Financeiros de Decisão Consiste em analisar uma, duas ou mais propostas de investimento para concluir se é financeiramente vantagem efetivá-la ou qual delas é a mais rentável financeiramente, ou seja, qual a que trará maior lucro em dinheiro. Para analisar os investimentos utilizaremos os seguintes indicadores: • Taxa Mínima de Atratividade • Pay Back Simples • Pay Back Descontado • Valor Presente Líquido Taxa Mínima de Atratividade - TMA O valor do dinheiro no tempo para cada empresa é expresso por um parâmetro denominado Taxa Mínima de Atratividade (TMA). Essa taxa é específica para cada projeto de investimento e representa a taxa de retorno que ela está disposta a aceitar num investimento de risco para abrir mão de um retorno certo num investimento com risco menor no mercado financeiro. E a mínima taxa que podemos aceitar para a aplicação do capital da empresa num investimento. O símbolo utilizado para representar taxa é a letra i
  85. 85. 85 Pay Back Simples Pay Back Simples significa o tempo necessário para obtermos o retorno do investimento feito, sem considerarmos o valor do dinheiro no tempo, isto é, desconsiderando uma taxa de rendimento para o capital investido. Exemplo Para o melhor entendimento do Pay Back Simples ou Descontado devemos sempre desenhar o fluxo com as entradas e saídas de capital conforme segue: Uma empresa está analisando um investimento para colocar gás no seu veículo de entregas. Os dados são: : Instalação do gás: R$ 2.500,00 Economia em combustível: R$ 250,00 mensais Monte o fluxo e apresente o pay back simples. Entradas de Caixa 250 250 250 250 250 250 250 250 250 250 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 2.500 Investimento Inicial Resolução: Investimento Inicial / Retorno Resolução: R$ 2.500,00 / R$ 250,00 = 10 meses Com estas informações podemos afirmar que o Pay Back Simples deste investimento

×