SlideShare uma empresa Scribd logo
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Fármacos em
Emergência Cardiológica
Enfª Residente Liane Lopes de Souza
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz
Tavares
Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade
Residência
Abril / 2013
Objetivos
• Conhecer as principais características
farmacológicas de medicamentos utilizados no
tratamento de doenças cardiovascular;
• Identificar os principais fármacos anti-agregantes
plaquetários, fibrinolíticos, vasodilatadores,
catecolaminas e suas indicações clínicas.
• Compreender os principais cuidados e problemas
de enfermagem relacionados a terapêutica
medicamentosa.
Introdução
• A administração de medicamentos é uma das
atividades mais sérias e de maior responsabilidade
da enfermagem;
• É necessária a aplicação de vários princípios
científicos, de forma a prover a segurança do
paciente;
(Silva BK, Silva JS, Gobbo AFF, Miasso AI; 2009)
• Código de Ética da Enfermagem - Art. 30 -
Administrar medicamentos sem conhecer a ação da
droga e sem certificar-se da possibilidade dos riscos.
Antiagregantes Plaquetários
•Aspirina;
•Clopidogrel;

Recomendado para você

Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos

O documento discute fármacos anti-hipertensivos, descrevendo a hipertensão arterial sistêmica e seus principais tipos de tratamento. São apresentados os mecanismos pelos quais diferentes classes de medicamentos, como diuréticos, bloqueadores adrenérgicos e inibidores do sistema renina-angiotensina, reduzem a pressão arterial através da modulação do débito cardíaco, resistência vascular periférica e volume intravascular. Fatores que podem interferir na resposta terapêutica também são mencionados.

biomedicinafaculdadeaula
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva

O documento discute a crise hipertensiva, abordando seu conceito e classificações, manifestações clínicas, diagnóstico e tratamento. Apresenta as principais complicações relacionadas ao sistema cardiovascular e o papel da enfermagem no manejo e cuidados de pacientes com crise hipertensiva.

Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx

Drogas de UTI - Enfermagem Aula do curso de Graduação em Enfermagem, principais drogas utilizadas no setor de UTI adulto. Material de apoio para estudantes do ensino técnico e ensino superior da área de enfermagem. Atualização de 2016, podendo ter outras vertentes.

enfermagemutibacharelado
Agregação Plaquetária
• Mediada pelo ADP e
serotonina
• Mediada pelo ácido
araquidônico
• Pela ação de ativadores
extrínsecos.
Vias de Agregação
Plaquetária ADP
Tromboxano A2
Ácido Acetilsalicílico
Antiinflamatório
não esteróide
Inibidor da
Cicloxigenase
Ácido Acetilsalicílico
• Indicação:
• Redução do risco de mortalidade em suspeita ou
antecedentes de infarto agudo do miocárdio;
• Reduzir o risco de primeiro infarto do miocárdio em
pessoas com fatores de risco cardiovasculares.
• Reduzir o risco de morbidade e morte em pacientes
com angina estável e instável;
• Prevenção de acidente vascular cerebral e de
tromboembolismo após cirurgia vascular ou
intervenções coronariana;
Informações Gerais
Via de administração: Oral
Dose: 100mg/dia ou 300mg (dose de ataque)
Meia-vida:20 min

Recomendado para você

Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos

O documento discute os principais tipos de anti-hipertensivos, seus mecanismos de ação e efeitos colaterais. Ele descreve os diferentes tipos de diuréticos, betabloqueadores, antagonistas dos canais de cálcio e inibidores da enzima conversora de angiotensina, além de destacar alguns cuidados de enfermagem relacionados ao uso desses medicamentos.

Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas

O documento resume as principais drogas vasoativas utilizadas em enfermagem, incluindo catecolaminas como adrenalina, noradrenalina e dopamina. Detalha as ações, indicações, apresentações e efeitos colaterais de cada droga.

drogas vasoativas
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena

O documento discute o conceito de intoxicação exógena, definindo-a como as consequências clínicas e bioquímicas da exposição a substâncias químicas encontradas no ambiente ou isoladas. Também aborda diferentes tipos de intoxicações exógenas, incluindo por drogas, medicamentos, pesticidas e cumarínicos. O tratamento geralmente envolve remover o paciente do agente intoxicante, observação clínica, terapia de suporte e, em alguns casos, o uso de antídotos.

Contra-
indicação
Efeitos
colaterais
• Úlceras pépticas ativas.
• Diátese hemorrágica.
• Hipersensibilidade
• História de asma induzida pela
administração de salicilatos ou outro
fármacos antiinflamatórios não-esteróides.
• Último trimestre de gravidez.
• Distúrbios Gastrointestinais;
• Hemorragias Gastrointestinais;
• Insuficiência Renal;
Clopidogrel
Bloqueio do ADP
Interferindo na ativação do
GPIIb/IIIA
Informações Gerais
• Biodisponibilidade máxima ocorre quando são
administrados após as refeições.
• Início de ação: após 2 horas
• A ação persiste por 7 a 10 dias.
• Prolonga o tempo de sangramento em 2 vezes.
• Dose: 75mg diárias.
Indicação
Contra-indicação
Efeitos colaterais
Redução dos eventos
ateroscleróticos (IAM,
AVC)
Hipersensibilidade,
gestação e lactação
Prurido, náusea, dor e
sangramento GI, gastrite,
constipação e diarréia,
cefaléia, tontura, síncope
e fraqueza.

Recomendado para você

Enfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em QuimioterapiaEnfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em Quimioterapia

O documento discute os principais aspectos da quimioterapia, incluindo definições, finalidades, medicamentos utilizados, formas de aplicação, acessos venosos, contraindicações, riscos ocupacionais, efeitos colaterais e assistência de enfermagem para os mesmos. É dada ênfase aos cuidados de enfermagem para náuseas, vômitos, mucosite, diarreia, constipação, anorexia e alopecia. Também são abordadas possíveis complicações e a importância da assistência d

Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)

O documento discute sistemas médicos como cardiovascular e respiratório. Ele fornece detalhes sobre doenças cardiovasculares como aterosclerose, arteriosclerose, angina e infarto agudo do miocárdio, incluindo sinais, sintomas e cuidados de enfermagem. O documento também discute insuficiência cardíaca e seus tipos.

endocrinorespiratoriocardiovascular
Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas

O documento discute o uso de drogas vasoativas no tratamento de crianças gravemente enfermas. Descreve os progressos nas últimas décadas incluindo novos antimicrobianos, técnicas de ressuscitação e surgimento de fármacos cardiocirculatórios. Discute em detalhe vários tipos de drogas vasoativas como dopamina, adrenalina, noradrenalina e suas ações e indicações.

Cuidados de enfermagem:
Antiagregantes Plaquetários Orais
• Orientar a importância do uso da medicação.
• Suspender 5 a 7 dias antes de intervenções
cirúrgicas.
• Cuidados para prevenção e sangramento.
• Administração após uma refeição
• Pode ser mastigado nos casos suspeitos de IAM.
Fibrinolíticos
• Tenecteplase
Sistema Fibrinolítico
Inibidores dos ativadores
do plasminogênio
Antiplasmin
a alfa 2
Tenecteplase (Metalyse): Informações
Gerais
• Frasco-ampola com 8.000U
(40mg) + seringa pré
carregada com 8 ml de água
para injeção.
• Meia vida: 11 a 20 min.
• Via de administração: IV

Recomendado para você

Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)

O documento define Unidade de Terapia Intensiva (UTI) como uma área hospitalar para pacientes críticos que precisam de cuidados complexos e contínuos. Descreve os objetivos da UTI de fornecer atendimento contínuo a pacientes graves, assim como os tipos de UTI de acordo com a idade e especialidade médica. Também lista os profissionais e equipamentos necessários para o funcionamento de uma UTI.

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)

O documento descreve as cinco etapas do processo de sistematização da assistência de enfermagem: investigação, diagnóstico, planejamento, implementação e avaliação. O objetivo é fornecer uma estrutura para a tomada de decisão durante a assistência de enfermagem de forma sistemática e científica.

Sae
SaeSae
Sae

O documento discute a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) e sua importância para a qualidade dos cuidados, segurança do paciente e autonomia dos profissionais. A SAE deve ser guiada por teorias de enfermagem e seguir o Processo de Enfermagem, que inclui coleta de dados, diagnóstico, planejamento, implementação e avaliação. O documento também apresenta a história do desenvolvimento das teorias de enfermagem.

Cuidados
• Manter em temperatura
ambiente (15 °C a 30 °C).
Protegido da luz.
• A estabilidade química e física
da solução reconstituída foi
demonstrada por 24 horas, sob
temperaturas entre 2ºC e 8ºC,
e por 8 horas a 30ºC.
• Durante e após a
administração deve manter o
paciente monitorizado.
• Administrada e bolus de 5 a 10
segundos.
• Não deve ser administrado por
acesso venoso contendo
glicose.
Indicação
Contra-
indicação
Efeitos
adversos
Tratamento trombolítico do infarto
agudo do miocárdio.
Complicações hemorrágicos, arritmias,
tromboembolismos, hipersensibilidade.
Idade avançada, sexo
feminino, peso corporal
baixo, hipertensão,
acidente cerebrovascular
anterior e uso de alteplase
(r-TPA)
Vasodilatadores de Ação Direta
• Classificação:
• Venodilatadores
(nitroglicerina)
• Arteriolodilatadores
(hidralazina)
• Ação mista (Nitroprussiato de
sódio)
Relaxamento
Vascular e
vasodilatação
Reduz Pré-
carga e Pós-
Carga
Diminuição da
PA e da
demanda de O2
pelo miocárdio
Musculatur
a lisa
vascular
Nitroglicerina (TRIDIL ®)
] ]
Vasodilatador Predominantemente venoso

Recomendado para você

Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão

O documento descreve a fisiopatologia, sinais e sintomas, diagnóstico e tratamento do edema agudo de pulmão. O edema agudo de pulmão ocorre quando há acúmulo anormal de fluidos nos pulmões, resultando em hipoxemia, complacência pulmonar diminuída e trabalho respiratório aumentado. O diagnóstico é clínico e envolve exames como gasometria arterial e radiografia de tórax. O tratamento inclui diuréticos, oxigênio, ventilação não-invasiva e

Farmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaFarmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologia

O documento discute os principais cuidados de enfermagem na administração de fármacos em cardiologia, incluindo antiagregantes plaquetários, fibrinolíticos, anticoagulantes e vasodilatadores. Detalha as propriedades, indicações, contraindicações e efeitos adversos de medicamentos como a aspirina, clopidogrel, abciximab, enoxaparina, tenecteplase, nitroglicerina e nitrato de sódio. Também descreve os procedimentos de administração e monitorização desses fármacos.

Insulinoterapia
InsulinoterapiaInsulinoterapia
Insulinoterapia

O documento discute os tipos de insulina disponíveis, incluindo suas características de ação, origem e administração. É descrito que as insulinas variam em seu início, duração e pico de ação, e incluem insulina de ação ultra-rápida, rápida, lenta e ultra-lenta. Detalhes como locais de aplicação subcutânea e a função da insulina no controle da glicose também são abordados.

Diluição em Solução fisiológica a 0,9% ou
glicosada a 5%
Início de Ação: 1-2 min.
Nitroglicerina (TRIDIL ®)
Indicação
Contra-
indicação
Efeitos
adversos
•Hipertensão pré-operatória
•Controle da IC
•IAM
•Angina (que não respondem à
nitroglicerina sublingual)
•Indução de Hipotensão intra-operatória
Alergia à nitroglicerina
- Uso associado com inibidores de
fosfodiesterase-5 como sildenafil;
- Traumatismo craniano;
- Hipotensão e hipovolemia não corrigida;
- Tamponamento pericárdico,
cardiomiopatia restritiva ou pericardite
Constritiva.
Cefaléia, hipotensão postural, arritmias,
tontura, síncope, reações alérgicas
Informações Gerais/Cuidados de Enfermagem
• A nitroglicerina migra para o plástico(PVC);
• Pode ocorrer grave hipotensão e choque mesmo em pequenas
doses/ Hipotensão postural.
• Monitorização constante;
• A infusão de TRIDIL e hemoderivados pela mesma via: hemólise;
• Não pode ser misturada com qualquer outra medicação de qualquer
espécie.
• Em alguns pacientes a nitroglicerina interfere com o efeito
anticoagulante da Heparina
NITROPUSSIATO DE SÓDIO
• Metabolização – cianeto e tiacianato - Intoxicação
•Vasodilatador
Misto

Recomendado para você

Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas

O documento discute crises hipertensivas, definindo-as como elevações bruscas e graves da pressão arterial. Descreve os tipos de emergências hipertensivas e as principais medicações usadas para tratá-las. Também lista os principais diagnósticos de enfermagem associados a crises hipertensivas e condições como encefalopatia hipertensiva, acidente vascular encefálico e infarto agudo do miocárdio.

RCP
RCPRCP
RCP

O documento apresenta as novas diretrizes da American Heart Association para ressuscitação cardiopulmonar, descrevendo modalidades de parada cardíaca, procedimentos de RCP, uso de desfibriladores e fármacos, cuidados pós-RCP e questões éticas relacionadas.

Asthma Drugs
Asthma DrugsAsthma Drugs
Asthma Drugs

This document classifies and describes different types of inhaled drugs used to treat respiratory conditions. It divides drugs into five main classes: bronchodilators, corticosteroids, mucoactive agents, antimicrobials, and others. Within the bronchodilators class, it further specifies short-acting and long-acting beta agonists as well as anti-cholinergics. The document provides examples of specific drugs that fall into each class and brief descriptions of their uses and administration methods.

Indicação
Contra-
indicação
Efeitos
adversos
•Crises hipertensivas;
• Reduzir as necessidades de oxigênio
do miocárdio;
•Produzir hipotensão controlada durante
intervenções cirúrgicas;
• Dissecção de aorta;
• Hipertensão compensatória;
• Cirurgias com inadequado fluxo
sanguíneo cerebral;
• Hipersensibilidade.
•Redução brusca da PA;
•Arritmias; Rash cutâneo;
•Metemoglobinemia;
•Irritação no local da infusão;
Cuidados de Enfermagem
Diluição em glicosada a 5%
Início de Ação: quase imadiatamente
Validade de SG – 24horas
Tempo de uso máximo: 3 dias
Velocidade máxima de infusão:
08µg/Kg/min
J
J
1 ml 1gota
1000ml de SG 50µg 3µg
500ml de SG 100µg 6µg
250ml de SG 200µg 12µg
2 ml
25mg/ml
Cuidados com a solução
• Administração em BIC;
• A solução para infusão, levemente marrom, deve
ser protegida da luz e usada imediatamente.
• Descartar solução remanescente após o término da
infusão.
• Não se deve interromper subitamente a infusão,
mas no espaço de tempo de 10 e 30 minutos, para
evitar efeito rebote.
Intoxicação
• Sintomas :
• Freqüência respiratória
aumentada;
• Vômitos; vertigem;
• Elevação das concentrações
sangüíneas de lactato, e mesmo
acidose;
• Respiração curta com pulso
imperceptível;
• Reflexo pupilar ausente; e
pupilas dilatadas.
Tratamento:
•Interromper infusão de
Nitroprussiato de sódio.
•Hidroxicobalamina durante
15 min (100mg em 100ml de
SG)
•Tiossulfato de Sódio por
15min (12, 5g em 50ml de SG)

Recomendado para você

3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio

O documento descreve as principais drogas utilizadas no tratamento de doenças respiratórias, incluindo broncodilatadores, expectorantes, antitussígenos, anticolinérgicos, metilxantinas, antileucotrienos, cromonas e corticóides. Detalha os mecanismos de ação, indicações, doses e efeitos colaterais das diferentes classes de fármacos.

Auxiliar para o registos dos novos afiliados
Auxiliar para o registos dos novos afiliadosAuxiliar para o registos dos novos afiliados
Auxiliar para o registos dos novos afiliados

Este documento fornece instruções passo-a-passo para registrar novos afiliados nos sistemas Ashmax, GDI e FTS. Inclui etapas como preencher dados pessoais, escolher um nome de usuário, alterar a senha, completar o pagamento e configurar links de afiliados. O objetivo é garantir que todos os registros sejam feitos corretamente na rede certa.

ashmaxinicioapoio
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória

Resumindo os principais pontos do documento: 1) O documento lista vários medicamentos usados para tosse, bronquite e asma, incluindo suas indicações, interações medicamentosas e reações adversas; 2) Muitos desses medicamentos podem interagir com antidepressivos, anti-hipertensivos, anticoncepcionais e outros fármacos; 3) Reações adversas comuns incluem náusea, sonolência, dor de cabeça e distúrbios gastrointestinais.

pharmacology
Drogas Vasoativas
• Substâncias que apresentam
efeitos vasculares periféricos,
pulmonares ou cardíacos,
através de receptores
situados no endotélio
vascular.
• Atua em pequenas doses;
• Resposta dose dependente;
• Efeito rápido e curto;
Drogas Vasoativas
• Drogas Vasoativas – catecolaminas; aminas vasoativas ou
drogas simpaticomiméticas.
Drogas Vasoativas: Tipos de receptores
Classificação das Catecolaminas

Recomendado para você

Administracion de Tratamiento Via Oral
Administracion de Tratamiento Via OralAdministracion de Tratamiento Via Oral
Administracion de Tratamiento Via Oral

El documento describe las técnicas de administración de medicamentos por vía oral, incluyendo la definición, indicaciones, contraindicaciones, ventajas y desventajas. También describe los principios, equipos y técnicas requeridas para la administración segura de medicamentos líquidos, sólidos y sublinguales. Además, explica los procedimientos para la oxigenoterapia, nebulización e inhalaciones.

DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDEDROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE

O uso de drogas pode ter sérias consequências para a saúde e o bem-estar de uma pessoa. Drogas ilegais como maconha, cocaína e heroína podem causar danos físicos e psicológicos, assim como problemas legais. É importante que os jovens estejam cientes dos riscos associados ao uso de drogas e busquem estilos de vida saudáveis e produtivos.

cocaínaslide sobre drogasfilme
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdfDROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf

O documento discute medicamentos que atuam no sistema endócrino, incluindo insulina e outros hipoglicemiantes orais usados no tratamento de diabetes, assim como corticóides produzidos pela glândula suprarrenal.

Dobutamina
Apresentação: 250mg/20ml
Meia vida: 2 minutos
Excreção: Renal
Diluição: Glicose 5%; Cloreto de Sódio 0,9%; Glicose 10%; Ringer Lactato;
•Estabilidade após diluição: T. Ambiente (15° a 30°C): 24 horas.
Indicação
Contra-
indicação
Efeitos
adversos
•Melhora a função ventricular e o
desempenho cardíaco, em pacientes com
disfunção ventricular, diminuição no
volume sistólico e no DC;
• Por exemplo: choque cardiogênico e
insuficiência cardíaca.
•Recomendação: . É o agente inotrópico de
escolha no paciente gravemente enfermo.
• Estenose subaórtica idiopática;
• Estado de Hipovolemia;
•Aumento da freqüência cardíaca, pressão
arterial e atividade ectópica ventricular
•Reações no Local da Infusão;
• Náusea, cefaléia, dor anginosa, dor torácica
inespecífica e respiração curta , erupção cutânea.
•Leve redução das concentrações séricas de
potássio.
Cuidados de Enfermagem
• Usar uma bomba de infusão
• Administrar a dobutamina em veia de grosso calibre ou
diretamente na circulação central.
• Ao interromper a medicação, as doses devem ser
reduzidas gradualmente (a interrupção rápida pode causar
hipotensão).
• Cuidado para evitar extravasamento, que pode danificar os
tecidos atingidos (NECROSE)
Cuidados de Enfermagem
• Monitorar continuamente a pressão arterial, o
eletrocardiograma (ECG) e o fluxo urinário do paciente.
• A dobutamina é incompatível com soluções alcalinas
(não misturar com bicarbonato de sódio a 5%.)
• A dobutamina é também incompatível com: succinato
sódico de hidrocortisona; cefazolina; cefalotina neutra;
penicilina e heparina sódica.
• Quando administrada por tubos tipo Y, a dobutamina é
compatível com dopamina, lidocaína, verapamil e cloreto
de potássio.

Recomendado para você

Paciente de risco
Paciente de riscoPaciente de risco
Paciente de risco

Pacientes recém-infartados devem adiar tratamentos odontológicos por seis meses. Após isso, consultas curtas e preferencialmente de manhã são permitidas, usando anestésico com dose reduzida. Cirurgias simples como periodontia podem ser realizadas antes de cirurgias maiores, e antibióticos são recomendados para pacientes de alto risco.

Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos

O documento resume os principais medicamentos anti-hipertensivos utilizados na prática clínica, incluindo suas classes, mecanismos de ação, efeitos colaterais e doses diárias recomendadas. As classes discutidas são: diuréticos, inibidores adrenérgicos, betabloqueadores, bloqueadores de canais de cálcio, inibidores da enzima conversora de angiotensina, bloqueadores dos receptores da angiotensina II e vasodilatadores diretos.

2. antiinfla
2. antiinfla2. antiinfla
2. antiinfla

O documento descreve os principais tipos de anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs), incluindo seus usos, mecanismos de ação, efeitos adversos e interações. Os AINEs são classificados de acordo com sua estrutura química e incluem derivados do ácido salicílico, da pirazolona, do para-aminofenol, do ácido acético e do ácido enólico. O documento destaca as propriedades e aplicações clínicas dos principais representantes de cada classe de AINE

Adrenalina
Apresentação: 1 amp 1ml/1mg
Diluição: SF0,9%, SG5%, SG10%.
Dose: 0,5-1mg a cada 3-5 min IV (RCP); 0,1-0,5 mg a
cada 10-15 min SC (Ch.A)
Estabilidade: 24 horas após a diluição
Possui efeito inotrópico positivo, cronotrópico positivo e
vasoconstrictor.
Indicação
Contra-
indicação
Efeitos
adversos
•RCP
•Choque cardiogênico e distributivo
•Asma; Choque anafilático; Broncoespasmo
• Hipertensão
• Glaucoma
• Trabalho de parto
• Dilatação Cardíaca
• Insuficiência coronariana
•Hipertensão
•Arritmias
• Excitação, ansiedade, cefaléia, tremores,
náuseas, taquipnéia
• Aumento do consumo de oxigênio pelo
miocárdio; isquemia esplâncnica.
•Aumento da resistência vascular pulmonar
Cuidados de Enfermagem
• Atenção para as possíveis reações adversas
• Monitorar PA, pulso, padrão respiratório, ECG, FC e débito urinário
• Avaliar cuidadosamente a dose, a concentração e a via de
administração da droga
• Observar possíveis interações medicamentosas (hipoglicemiantes
orais, anestésicos, antidepressivos, anti-histamínicos, digitálicos,
hormônios tireoidianos, etc.)
Noradrenalina
Apresentação: 1 amp 4ml/4mg
Diluição: SF0,9%, SG5%, SG10%.
Dose: 5 amp. Em 250 ml (concentração final: 0.04mg/ml
Estabilidade: 24 horas após a diluição
Aumento do volume sistólico, diminuição reflexa da FC e
importante vasoconstrição periférica, com aumento da PA.

Recomendado para você

Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT

Este documento discute o tratamento da doença arterial coronariana, incluindo terapia clínica com aspirina e inibidores da ECA, redução de fatores de risco como tabagismo e hipertensão, tratamento farmacológico com nitratos e bloqueadores beta, e revascularização quando necessário.

Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx

O documento discute analgesia e sedação em pacientes de UTI. Resume que a analgesia é subdiagnosticada e mal tratada em UTIs, e que a dor não tratada pode levar a complicações. Aborda também causas de ansiedade e agitação em pacientes de UTI e métodos para diagnosticar e tratar delirium, incluindo o uso de neurolépticos e o protocolo ABCDE Bundle.

Ciclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptxCiclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptx

O documento descreve as propriedades da ciclofosfamida, um agente quimioterápico alquilante usado no tratamento de câncer e condições autoimunes. Ele detalha o mecanismo de ação, usos, reconstituição, administração, monitoramento, efeitos adversos e cuidados necessários com o medicamento.

Indicação
Contra-
indicação
Efeitos
adversos
•Estabilização da PA devido hipotensão
aguda.
•Primeira escolha em hipotensos que não
responderam à infusão de líquidos,
especialmente quando a etiologia da
hipotensão é o choque séptico.
•Choque cardiogênico (Melhora do fluxo
coronariano)
• Hipotensão causada por hipovolemia
•Lesões isquêmicas devidas à potente ação
vasoconstritora e hipóxia tissular.
•Bradicardia reflexa a doses elevadas
• Ansiedade, cefaléia
• Insuficiência Renal
Cuidados de Enfermagem
•Atenção para as possíveis reações adversas
•Monitorar PA, pulso, padrão respiratório, ECG, FC e débito
urinário
•Administrado em veia central.
•Avaliar cuidadosamente a dose, a concentração e a via de
administração da droga
•Monitorizar a PA a cada 5 min. durante o ajuste da dose.
•Avaliar constantemente a perfusão tissular periférica
Dopamina
Apresentação: Ampolas 50mg/2ml ou 50mg/10ml
Diluição: 5 ampolas diluída em 200 ml SG5%, SF0,9%
Meia-vida: 2 minutos
Estabilidade: 24hs
Dopamina: Dose/Efeito
Apresentação: Ampolas 50mg/2ml ou 50mg/10ml
Diluição: 5 ampolas diluída em 200 ml SG5%, SF0,9%
Início da ação: 5 minutos.
Duração da ação: 10 minutos.
Estabilidade: 24hs
Fármaco de Primeira escolha: Como vasopressor na
presença de bradicardia ou quando se deseja um efeito
inotrópico associado.
Proteção Renal: Nenhum estudo clínico evidenciou
efeito de proteção renal com o uso de dopamina em doses
“dopaminérgicas”

Recomendado para você

AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativasAuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas

drogas vosativas em UTI

2. anes
2. anes2. anes
2. anes

O documento discute os anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs), que são um grupo de fármacos que inibem as enzimas da via cicloxigenase para tratar a inflamação. Os AINEs são classificados em grupos de acordo com sua substância ativa e incluem derivados do ácido salicílico como a aspirina, derivados da pirazolona como a dipirona, derivados do para-aminofenol como o paracetamol, e derivados do ácido acético como a indometacina. Os AINEs

Cuidados com drogas_imunossupressoras
Cuidados com drogas_imunossupressorasCuidados com drogas_imunossupressoras
Cuidados com drogas_imunossupressoras

Este documento fornece informações sobre medicamentos imunossupressores utilizados após transplantes, incluindo ciclosporina, tacrolimus, micofenolato mofetil e azatioprina. Detalha as indicações, mecanismos de ação, administração, precauções, efeitos adversos e cuidados de enfermagem para cada droga.

Indicação
Contra-
indicação
Efeitos
adversos
•Estado de choque de qualquer natureza;
•Taquicardia ventricular ou
supraventricular.
•Náuseas, vômitos, arritmias, dor
precordial, dispnéia, cefaléia e
vasoconstrição;
•Lesões necróticas da pele;
•hipertensão associada a superdosagem.
Cuidados de Enfermagem
• O produto é fotossensível;
• Nunca utilizar em soluções alcalinas;
• Deve ser administrado exclusivamente através de infusão
intravenosa e em veia de grande calibre, preferencialmente
no braço;
• É recomendável fazer-se a diluição imediatamente antes da
administração.
• Deve ser administrado através de bomba de infusão;
• A monitorização hemodinâmica é essencial;
I.Ácido Acetilsalicílico ( ) Ativador recombinante do plasminogênio
específico para fibrina.
II. Noradrenalina ( ) A principal ação farmacológica é o relaxamento
da musculatura lisa.
III. Tenecteplase ( ) Catecolamina com atividade no receptor alfa e
beta I. Frequentemente utilizado em situações de
hipotensão aguda que não responderam à infusão
de líquidos. Contribui na melhora do fluxo
coronariano.
IV. Nitroglicerina ( ) Catecolamina de escolha nos casos de RCP.
V. Adrenalina ( ) Inibição da Cicloxigenase que, ao nível das
plaquetas, inibe a síntese de tromboxano A.
VI. Clopidogrel ( ) Atua bloqueando irreversivelmente o receptor
da adenosina di-fosfato, interferindo na aivação dos
receptores da glocoproteína IIb/IIIa.
Relato de Caso
• Você é enfermeiro de uma emergência cardiológica,
acaba de admitir um paciente do sexo masculino, 63
anos, com diagnóstica de insuficiência cardíaca e
choque cardiogênico. Encontrava-se em uso de
venturi a 50%, taquicárdica com bulhas rítmicas,
freqüência cardíaca de 59bpm, estertores
crepitantes em bases de ambos os campos
pulmonares, pressão arterial de 80x50 mmHg. Foi
prescrito dobutamina a 12 mcg/kg/min e
noradrenalina 8 mcg/min.
• Quais os cuidados necessários para garantir a
infusão da droga vasoativa com segurança?Sinais vitais; monitorização da perfusão periférica; Balanço hídrico;
Acesso venoso; estabilidade da medicação;

Recomendado para você

Antiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulanteAntiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulante

O documento discute os processos de hemostasia e coagulação sanguínea, e descreve vários medicamentos usados para anticoagulação e antiagregação plaquetária, incluindo seus mecanismos de ação, indicações e cuidados de enfermagem.

antiagregante plaquetário e anticoagulante
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal

Drogas na UTI- vasoativas

aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxaula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx

O documento discute reações adversas a medicamentos e vasodilatadores diretos, listando suas indicações, mecanismos de ação, posologias e efeitos adversos. É descrito também os anti-inflamatórios não esteroidais, com suas classes, mecanismos de ação, indicações terapêuticas e efeitos adversos dos principais representantes.

Referências
1.Silva BK, Silva JS, Gobbo AFF, Miasso AI. Erros de medicação: condutas e propostas de
prevenção na perspectiva da equipe de enfermagem. Acesso e utilização de fórmula infantil e
alimentos entre crianças nascidas de mulheres com HIV/AIDS. Revista Eletrônica de Enfermagem
[serial on line] 2007 Set-Dez; 9(3): 712-723 Available from: URL: http://
www.fen.ufg.br/revista/v9/n3/v9n3a11htm
2.FERREIRA, Cláudia Natália; SOUSA, Marinez de Oliveira; DUSSE, Luci Maria Sant'Ana and
CARVALHO, Maria das Graças. O  novo  modelo  da  cascata  de  coagulação  baseado  nas 
superfícies  celulares  e  suas  implicações. Rev.  Bras.  Hematol.  Hemoter. [online]. 2010, vol.32,
n.5, pp. 416-421. ISSN 1516-8484.
3.SMELTZER, SC. Brunner/Suddarth: tratado de enfermagem médico cirúrgica. 10th
ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.
4. PORTO, CC. Exame Clínico - Bases para a Prática Médica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-
Koogan, 2008.
5.ANDRIS, DA.Coleção Praxis Enfermagem 4. SEMIOLOGIA- Bases para a Prática Assistencial.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.
6. PEDROSA, L. Doenças do coração: diagnóstico e tratamento. 1ª ed. Rio de Janeiro: Revinter;
2011.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
jaddy xavier
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
cuidadoaoadulto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Jaqueline Almeida
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
shaiane2
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
Lindiane Eloisa
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
Efigênia Barros
 
Enfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em QuimioterapiaEnfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em Quimioterapia
Mara Aissélc
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas
dagma30
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Sae
SaeSae
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Farmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaFarmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologia
resenfe2013
 
Insulinoterapia
InsulinoterapiaInsulinoterapia
Insulinoterapia
Rodrigo Abreu
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
RCP
RCPRCP

Mais procurados (20)

Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
Enfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em QuimioterapiaEnfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em Quimioterapia
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Farmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaFarmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologia
 
Insulinoterapia
InsulinoterapiaInsulinoterapia
Insulinoterapia
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
RCP
RCPRCP
RCP
 

Destaque

Asthma Drugs
Asthma DrugsAsthma Drugs
Asthma Drugs
Van Kam
 
3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Auxiliar para o registos dos novos afiliados
Auxiliar para o registos dos novos afiliadosAuxiliar para o registos dos novos afiliados
Auxiliar para o registos dos novos afiliados
acreditareagir
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
Leonardo Souza
 
Administracion de Tratamiento Via Oral
Administracion de Tratamiento Via OralAdministracion de Tratamiento Via Oral
Administracion de Tratamiento Via Oral
Sergio Vargas Chávez
 
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDEDROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
Zelton Alves Oliveira
 

Destaque (6)

Asthma Drugs
Asthma DrugsAsthma Drugs
Asthma Drugs
 
3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio3. farmacologia. aparelho respiratorio
3. farmacologia. aparelho respiratorio
 
Auxiliar para o registos dos novos afiliados
Auxiliar para o registos dos novos afiliadosAuxiliar para o registos dos novos afiliados
Auxiliar para o registos dos novos afiliados
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
 
Administracion de Tratamiento Via Oral
Administracion de Tratamiento Via OralAdministracion de Tratamiento Via Oral
Administracion de Tratamiento Via Oral
 
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDEDROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
DROGAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS-SLIDE
 

Semelhante a Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica

DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdfDROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
MarciaRodrigues615662
 
Paciente de risco
Paciente de riscoPaciente de risco
Paciente de risco
Luanna Melo
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
Harlyson David
 
2. antiinfla
2. antiinfla2. antiinfla
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Victor Eduardo
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
FrancielleConstantin
 
Ciclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptxCiclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptx
SaraMarques329031
 
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativasAuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
josianeavila3
 
2. anes
2. anes2. anes
Cuidados com drogas_imunossupressoras
Cuidados com drogas_imunossupressorasCuidados com drogas_imunossupressoras
Cuidados com drogas_imunossupressoras
Nayara Dávilla
 
Antiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulanteAntiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulante
resenfe2013
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
THIALYMARIASILVADACU
 
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxaula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
PedroNabarrete
 
Dobutamina
DobutaminaDobutamina
Dobutamina
rogocar2005
 
FARMACOLOGIA - MODELO.pptx
FARMACOLOGIA - MODELO.pptxFARMACOLOGIA - MODELO.pptx
FARMACOLOGIA - MODELO.pptx
Luis Fernando
 
AULA_INSULINOTERAPIA.pptx
AULA_INSULINOTERAPIA.pptxAULA_INSULINOTERAPIA.pptx
AULA_INSULINOTERAPIA.pptx
PriscilaBiggi1
 
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdfProf. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
FrancielleConstantin
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
galegoo
 
Paciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemiaPaciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemia
Gabriella Lourenço
 
Glicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - FarmacologiaGlicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - Farmacologia
Raphael Machado
 

Semelhante a Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica (20)

DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdfDROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
DROGASATUAMSISTEMAENDROCRINO.pdf
 
Paciente de risco
Paciente de riscoPaciente de risco
Paciente de risco
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
 
2. antiinfla
2. antiinfla2. antiinfla
2. antiinfla
 
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
 
Ciclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptxCiclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptx
 
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativasAuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
 
2. anes
2. anes2. anes
2. anes
 
Cuidados com drogas_imunossupressoras
Cuidados com drogas_imunossupressorasCuidados com drogas_imunossupressoras
Cuidados com drogas_imunossupressoras
 
Antiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulanteAntiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulante
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
 
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxaula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
 
Dobutamina
DobutaminaDobutamina
Dobutamina
 
FARMACOLOGIA - MODELO.pptx
FARMACOLOGIA - MODELO.pptxFARMACOLOGIA - MODELO.pptx
FARMACOLOGIA - MODELO.pptx
 
AULA_INSULINOTERAPIA.pptx
AULA_INSULINOTERAPIA.pptxAULA_INSULINOTERAPIA.pptx
AULA_INSULINOTERAPIA.pptx
 
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdfProf. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
Paciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemiaPaciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemia
 
Glicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - FarmacologiaGlicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - Farmacologia
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 

Último

Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicoscuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
FernandoRodriguesdaS13
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdfalimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
profedusoares
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 

Último (9)

Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicoscuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
cuidados de enfermagem com drenos cirurgicos
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdfalimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
alimentacao fibromialgia _NLNFLNALFNLANFLANDFLNSALDNSAL2).pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 

Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica

  • 1. Cuidados de Enfermagem na Administração de Fármacos em Emergência Cardiológica Enfª Residente Liane Lopes de Souza Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Abril / 2013
  • 2. Objetivos • Conhecer as principais características farmacológicas de medicamentos utilizados no tratamento de doenças cardiovascular; • Identificar os principais fármacos anti-agregantes plaquetários, fibrinolíticos, vasodilatadores, catecolaminas e suas indicações clínicas. • Compreender os principais cuidados e problemas de enfermagem relacionados a terapêutica medicamentosa.
  • 3. Introdução • A administração de medicamentos é uma das atividades mais sérias e de maior responsabilidade da enfermagem; • É necessária a aplicação de vários princípios científicos, de forma a prover a segurança do paciente; (Silva BK, Silva JS, Gobbo AFF, Miasso AI; 2009) • Código de Ética da Enfermagem - Art. 30 - Administrar medicamentos sem conhecer a ação da droga e sem certificar-se da possibilidade dos riscos.
  • 5. Agregação Plaquetária • Mediada pelo ADP e serotonina • Mediada pelo ácido araquidônico • Pela ação de ativadores extrínsecos. Vias de Agregação Plaquetária ADP Tromboxano A2
  • 7. Ácido Acetilsalicílico • Indicação: • Redução do risco de mortalidade em suspeita ou antecedentes de infarto agudo do miocárdio; • Reduzir o risco de primeiro infarto do miocárdio em pessoas com fatores de risco cardiovasculares. • Reduzir o risco de morbidade e morte em pacientes com angina estável e instável; • Prevenção de acidente vascular cerebral e de tromboembolismo após cirurgia vascular ou intervenções coronariana;
  • 8. Informações Gerais Via de administração: Oral Dose: 100mg/dia ou 300mg (dose de ataque) Meia-vida:20 min
  • 9. Contra- indicação Efeitos colaterais • Úlceras pépticas ativas. • Diátese hemorrágica. • Hipersensibilidade • História de asma induzida pela administração de salicilatos ou outro fármacos antiinflamatórios não-esteróides. • Último trimestre de gravidez. • Distúrbios Gastrointestinais; • Hemorragias Gastrointestinais; • Insuficiência Renal;
  • 10. Clopidogrel Bloqueio do ADP Interferindo na ativação do GPIIb/IIIA
  • 11. Informações Gerais • Biodisponibilidade máxima ocorre quando são administrados após as refeições. • Início de ação: após 2 horas • A ação persiste por 7 a 10 dias. • Prolonga o tempo de sangramento em 2 vezes. • Dose: 75mg diárias.
  • 12. Indicação Contra-indicação Efeitos colaterais Redução dos eventos ateroscleróticos (IAM, AVC) Hipersensibilidade, gestação e lactação Prurido, náusea, dor e sangramento GI, gastrite, constipação e diarréia, cefaléia, tontura, síncope e fraqueza.
  • 13. Cuidados de enfermagem: Antiagregantes Plaquetários Orais • Orientar a importância do uso da medicação. • Suspender 5 a 7 dias antes de intervenções cirúrgicas. • Cuidados para prevenção e sangramento. • Administração após uma refeição • Pode ser mastigado nos casos suspeitos de IAM.
  • 15. Sistema Fibrinolítico Inibidores dos ativadores do plasminogênio Antiplasmin a alfa 2
  • 16. Tenecteplase (Metalyse): Informações Gerais • Frasco-ampola com 8.000U (40mg) + seringa pré carregada com 8 ml de água para injeção. • Meia vida: 11 a 20 min. • Via de administração: IV
  • 17. Cuidados • Manter em temperatura ambiente (15 °C a 30 °C). Protegido da luz. • A estabilidade química e física da solução reconstituída foi demonstrada por 24 horas, sob temperaturas entre 2ºC e 8ºC, e por 8 horas a 30ºC. • Durante e após a administração deve manter o paciente monitorizado. • Administrada e bolus de 5 a 10 segundos. • Não deve ser administrado por acesso venoso contendo glicose.
  • 18. Indicação Contra- indicação Efeitos adversos Tratamento trombolítico do infarto agudo do miocárdio. Complicações hemorrágicos, arritmias, tromboembolismos, hipersensibilidade. Idade avançada, sexo feminino, peso corporal baixo, hipertensão, acidente cerebrovascular anterior e uso de alteplase (r-TPA)
  • 19. Vasodilatadores de Ação Direta • Classificação: • Venodilatadores (nitroglicerina) • Arteriolodilatadores (hidralazina) • Ação mista (Nitroprussiato de sódio) Relaxamento Vascular e vasodilatação Reduz Pré- carga e Pós- Carga Diminuição da PA e da demanda de O2 pelo miocárdio Musculatur a lisa vascular
  • 20. Nitroglicerina (TRIDIL ®) ] ] Vasodilatador Predominantemente venoso
  • 21. Diluição em Solução fisiológica a 0,9% ou glicosada a 5% Início de Ação: 1-2 min. Nitroglicerina (TRIDIL ®)
  • 22. Indicação Contra- indicação Efeitos adversos •Hipertensão pré-operatória •Controle da IC •IAM •Angina (que não respondem à nitroglicerina sublingual) •Indução de Hipotensão intra-operatória Alergia à nitroglicerina - Uso associado com inibidores de fosfodiesterase-5 como sildenafil; - Traumatismo craniano; - Hipotensão e hipovolemia não corrigida; - Tamponamento pericárdico, cardiomiopatia restritiva ou pericardite Constritiva. Cefaléia, hipotensão postural, arritmias, tontura, síncope, reações alérgicas
  • 23. Informações Gerais/Cuidados de Enfermagem • A nitroglicerina migra para o plástico(PVC); • Pode ocorrer grave hipotensão e choque mesmo em pequenas doses/ Hipotensão postural. • Monitorização constante; • A infusão de TRIDIL e hemoderivados pela mesma via: hemólise; • Não pode ser misturada com qualquer outra medicação de qualquer espécie. • Em alguns pacientes a nitroglicerina interfere com o efeito anticoagulante da Heparina
  • 24. NITROPUSSIATO DE SÓDIO • Metabolização – cianeto e tiacianato - Intoxicação •Vasodilatador Misto
  • 25. Indicação Contra- indicação Efeitos adversos •Crises hipertensivas; • Reduzir as necessidades de oxigênio do miocárdio; •Produzir hipotensão controlada durante intervenções cirúrgicas; • Dissecção de aorta; • Hipertensão compensatória; • Cirurgias com inadequado fluxo sanguíneo cerebral; • Hipersensibilidade. •Redução brusca da PA; •Arritmias; Rash cutâneo; •Metemoglobinemia; •Irritação no local da infusão;
  • 26. Cuidados de Enfermagem Diluição em glicosada a 5% Início de Ação: quase imadiatamente Validade de SG – 24horas Tempo de uso máximo: 3 dias Velocidade máxima de infusão: 08µg/Kg/min J J 1 ml 1gota 1000ml de SG 50µg 3µg 500ml de SG 100µg 6µg 250ml de SG 200µg 12µg 2 ml 25mg/ml
  • 27. Cuidados com a solução • Administração em BIC; • A solução para infusão, levemente marrom, deve ser protegida da luz e usada imediatamente. • Descartar solução remanescente após o término da infusão. • Não se deve interromper subitamente a infusão, mas no espaço de tempo de 10 e 30 minutos, para evitar efeito rebote.
  • 28. Intoxicação • Sintomas : • Freqüência respiratória aumentada; • Vômitos; vertigem; • Elevação das concentrações sangüíneas de lactato, e mesmo acidose; • Respiração curta com pulso imperceptível; • Reflexo pupilar ausente; e pupilas dilatadas. Tratamento: •Interromper infusão de Nitroprussiato de sódio. •Hidroxicobalamina durante 15 min (100mg em 100ml de SG) •Tiossulfato de Sódio por 15min (12, 5g em 50ml de SG)
  • 29. Drogas Vasoativas • Substâncias que apresentam efeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, através de receptores situados no endotélio vascular. • Atua em pequenas doses; • Resposta dose dependente; • Efeito rápido e curto;
  • 30. Drogas Vasoativas • Drogas Vasoativas – catecolaminas; aminas vasoativas ou drogas simpaticomiméticas.
  • 31. Drogas Vasoativas: Tipos de receptores
  • 33. Dobutamina Apresentação: 250mg/20ml Meia vida: 2 minutos Excreção: Renal Diluição: Glicose 5%; Cloreto de Sódio 0,9%; Glicose 10%; Ringer Lactato; •Estabilidade após diluição: T. Ambiente (15° a 30°C): 24 horas.
  • 34. Indicação Contra- indicação Efeitos adversos •Melhora a função ventricular e o desempenho cardíaco, em pacientes com disfunção ventricular, diminuição no volume sistólico e no DC; • Por exemplo: choque cardiogênico e insuficiência cardíaca. •Recomendação: . É o agente inotrópico de escolha no paciente gravemente enfermo. • Estenose subaórtica idiopática; • Estado de Hipovolemia; •Aumento da freqüência cardíaca, pressão arterial e atividade ectópica ventricular •Reações no Local da Infusão; • Náusea, cefaléia, dor anginosa, dor torácica inespecífica e respiração curta , erupção cutânea. •Leve redução das concentrações séricas de potássio.
  • 35. Cuidados de Enfermagem • Usar uma bomba de infusão • Administrar a dobutamina em veia de grosso calibre ou diretamente na circulação central. • Ao interromper a medicação, as doses devem ser reduzidas gradualmente (a interrupção rápida pode causar hipotensão). • Cuidado para evitar extravasamento, que pode danificar os tecidos atingidos (NECROSE)
  • 36. Cuidados de Enfermagem • Monitorar continuamente a pressão arterial, o eletrocardiograma (ECG) e o fluxo urinário do paciente. • A dobutamina é incompatível com soluções alcalinas (não misturar com bicarbonato de sódio a 5%.) • A dobutamina é também incompatível com: succinato sódico de hidrocortisona; cefazolina; cefalotina neutra; penicilina e heparina sódica. • Quando administrada por tubos tipo Y, a dobutamina é compatível com dopamina, lidocaína, verapamil e cloreto de potássio.
  • 37. Adrenalina Apresentação: 1 amp 1ml/1mg Diluição: SF0,9%, SG5%, SG10%. Dose: 0,5-1mg a cada 3-5 min IV (RCP); 0,1-0,5 mg a cada 10-15 min SC (Ch.A) Estabilidade: 24 horas após a diluição Possui efeito inotrópico positivo, cronotrópico positivo e vasoconstrictor.
  • 38. Indicação Contra- indicação Efeitos adversos •RCP •Choque cardiogênico e distributivo •Asma; Choque anafilático; Broncoespasmo • Hipertensão • Glaucoma • Trabalho de parto • Dilatação Cardíaca • Insuficiência coronariana •Hipertensão •Arritmias • Excitação, ansiedade, cefaléia, tremores, náuseas, taquipnéia • Aumento do consumo de oxigênio pelo miocárdio; isquemia esplâncnica. •Aumento da resistência vascular pulmonar
  • 39. Cuidados de Enfermagem • Atenção para as possíveis reações adversas • Monitorar PA, pulso, padrão respiratório, ECG, FC e débito urinário • Avaliar cuidadosamente a dose, a concentração e a via de administração da droga • Observar possíveis interações medicamentosas (hipoglicemiantes orais, anestésicos, antidepressivos, anti-histamínicos, digitálicos, hormônios tireoidianos, etc.)
  • 40. Noradrenalina Apresentação: 1 amp 4ml/4mg Diluição: SF0,9%, SG5%, SG10%. Dose: 5 amp. Em 250 ml (concentração final: 0.04mg/ml Estabilidade: 24 horas após a diluição Aumento do volume sistólico, diminuição reflexa da FC e importante vasoconstrição periférica, com aumento da PA.
  • 41. Indicação Contra- indicação Efeitos adversos •Estabilização da PA devido hipotensão aguda. •Primeira escolha em hipotensos que não responderam à infusão de líquidos, especialmente quando a etiologia da hipotensão é o choque séptico. •Choque cardiogênico (Melhora do fluxo coronariano) • Hipotensão causada por hipovolemia •Lesões isquêmicas devidas à potente ação vasoconstritora e hipóxia tissular. •Bradicardia reflexa a doses elevadas • Ansiedade, cefaléia • Insuficiência Renal
  • 42. Cuidados de Enfermagem •Atenção para as possíveis reações adversas •Monitorar PA, pulso, padrão respiratório, ECG, FC e débito urinário •Administrado em veia central. •Avaliar cuidadosamente a dose, a concentração e a via de administração da droga •Monitorizar a PA a cada 5 min. durante o ajuste da dose. •Avaliar constantemente a perfusão tissular periférica
  • 43. Dopamina Apresentação: Ampolas 50mg/2ml ou 50mg/10ml Diluição: 5 ampolas diluída em 200 ml SG5%, SF0,9% Meia-vida: 2 minutos Estabilidade: 24hs
  • 44. Dopamina: Dose/Efeito Apresentação: Ampolas 50mg/2ml ou 50mg/10ml Diluição: 5 ampolas diluída em 200 ml SG5%, SF0,9% Início da ação: 5 minutos. Duração da ação: 10 minutos. Estabilidade: 24hs Fármaco de Primeira escolha: Como vasopressor na presença de bradicardia ou quando se deseja um efeito inotrópico associado. Proteção Renal: Nenhum estudo clínico evidenciou efeito de proteção renal com o uso de dopamina em doses “dopaminérgicas”
  • 45. Indicação Contra- indicação Efeitos adversos •Estado de choque de qualquer natureza; •Taquicardia ventricular ou supraventricular. •Náuseas, vômitos, arritmias, dor precordial, dispnéia, cefaléia e vasoconstrição; •Lesões necróticas da pele; •hipertensão associada a superdosagem.
  • 46. Cuidados de Enfermagem • O produto é fotossensível; • Nunca utilizar em soluções alcalinas; • Deve ser administrado exclusivamente através de infusão intravenosa e em veia de grande calibre, preferencialmente no braço; • É recomendável fazer-se a diluição imediatamente antes da administração. • Deve ser administrado através de bomba de infusão; • A monitorização hemodinâmica é essencial;
  • 47. I.Ácido Acetilsalicílico ( ) Ativador recombinante do plasminogênio específico para fibrina. II. Noradrenalina ( ) A principal ação farmacológica é o relaxamento da musculatura lisa. III. Tenecteplase ( ) Catecolamina com atividade no receptor alfa e beta I. Frequentemente utilizado em situações de hipotensão aguda que não responderam à infusão de líquidos. Contribui na melhora do fluxo coronariano. IV. Nitroglicerina ( ) Catecolamina de escolha nos casos de RCP. V. Adrenalina ( ) Inibição da Cicloxigenase que, ao nível das plaquetas, inibe a síntese de tromboxano A. VI. Clopidogrel ( ) Atua bloqueando irreversivelmente o receptor da adenosina di-fosfato, interferindo na aivação dos receptores da glocoproteína IIb/IIIa.
  • 48. Relato de Caso • Você é enfermeiro de uma emergência cardiológica, acaba de admitir um paciente do sexo masculino, 63 anos, com diagnóstica de insuficiência cardíaca e choque cardiogênico. Encontrava-se em uso de venturi a 50%, taquicárdica com bulhas rítmicas, freqüência cardíaca de 59bpm, estertores crepitantes em bases de ambos os campos pulmonares, pressão arterial de 80x50 mmHg. Foi prescrito dobutamina a 12 mcg/kg/min e noradrenalina 8 mcg/min. • Quais os cuidados necessários para garantir a infusão da droga vasoativa com segurança?Sinais vitais; monitorização da perfusão periférica; Balanço hídrico; Acesso venoso; estabilidade da medicação;
  • 49. Referências 1.Silva BK, Silva JS, Gobbo AFF, Miasso AI. Erros de medicação: condutas e propostas de prevenção na perspectiva da equipe de enfermagem. Acesso e utilização de fórmula infantil e alimentos entre crianças nascidas de mulheres com HIV/AIDS. Revista Eletrônica de Enfermagem [serial on line] 2007 Set-Dez; 9(3): 712-723 Available from: URL: http:// www.fen.ufg.br/revista/v9/n3/v9n3a11htm 2.FERREIRA, Cláudia Natália; SOUSA, Marinez de Oliveira; DUSSE, Luci Maria Sant'Ana and CARVALHO, Maria das Graças. O  novo  modelo  da  cascata  de  coagulação  baseado  nas  superfícies  celulares  e  suas  implicações. Rev.  Bras.  Hematol.  Hemoter. [online]. 2010, vol.32, n.5, pp. 416-421. ISSN 1516-8484. 3.SMELTZER, SC. Brunner/Suddarth: tratado de enfermagem médico cirúrgica. 10th ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. 4. PORTO, CC. Exame Clínico - Bases para a Prática Médica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara- Koogan, 2008. 5.ANDRIS, DA.Coleção Praxis Enfermagem 4. SEMIOLOGIA- Bases para a Prática Assistencial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006. 6. PEDROSA, L. Doenças do coração: diagnóstico e tratamento. 1ª ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2011.