SlideShare uma empresa Scribd logo
Drogas Vasoativas
Enfª R2 Mariana Barros
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares
Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade
Residência
Maio
2015
Objetivos
• Conhecer as principais características
farmacológicas de algumas drogas vasoativas.
• Identificar os principais vasodilatadores e
catecolaminas.
• Compreender os principais cuidados de
enfermagem a pacientes em uso de drogas
vasoativas.
Revisando...
Drogas Vasoativas
São substâncias que apresentam efeitos
vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos,
sejam eles diretos ou indiretos, atuando em
pequenas doses e com respostas dose-
dependente de efeito rápido e curto, através de
receptores situados no endotélio vascular.
VasopressoresCatecolaminas
Receptores
• Indicação: baixo DC com volemia controlada
ou aumentada, choque cardiogênico,
instabilidade hemodinâmica.
• Dose-dependente
• Efeito colateral: taquicardia, aumento da RVP
e da PAP.
Aumento do fluxo renal: 1 a 2 mcg/kg/min
Inotrópico: 2,5 a 10 mcg/kg/min
Vasopressor (aumento da PA): > 10
mcg/kg/min
DOPAMINA
Contraindicação: Taquiarritmia Ventricular e
Fibrilação Ventricular
Solução Padrão
• SF 0,9% e SG 5% - 200mL
• Dopamina 50mg/10mL – 5 ampolas (50mL)
ATENÇÃO!! não se administra juntamente
com soluções alcalinas. (Ex. Bicarbonato
de Sódio).
• Administração em veia de grosso calibre e de preferência
AVC.
• Administrar em BIC.
• Rigor no gotejamento – efeitos dose-dependentes.
• Manter extremidades do paciente aquecidas.
Cuidados de Enfermagem
• Indicação: hipotensão e alguns tipos de
choque.
• Efeito vasopressor e inotrópico +
• Em altas doses: ocorre vasoconstricção
periférica com aumento da RVS.
• Efeito colateral: vasoconstricção importante,
arritmia, PCR e morte súbita.
NORADRENALINA
Solução Padrão:
• SG 5% - 180 mL
• Noradrenalina 4mg/mL – 4ampolas (20mL)
• Fotossensível, controle frequente da PA, aquecer
membros, cuidado com o extravasamento da
droga.
Cuidados de enfermagem
• Armazenar em temperatura ambiente (15-30ºc).
• Não congelar.
• Proteção à luz.
• Administrar em BIC e em veia de grosso calibre
• A PA deve ser monitorizada a cada 15 minutos - ajuste da dose.
• A função renal também deve ser monitorizada através de dosagens
de uréia, creatinina e volume de diurese.
• Indicação: PCR, crise asmática grave e choque
anafilático.
• Interage com receptores α e β
• Dose-dependente, com características vasopressoras, e
estimulando a liberação de noradrenalina.
• Induz aumento FC e do volume sistólico, e aumenta de
forma significativa a RVP.
ADRENALINA
Aumento da
PA e da
função
cardíaca
Efeitos Colaterais: arritmias, dor torácica,
cefaleia e tontura.
Solução Padrão:
• SG 5% - 188mL
• Adrenalina 1mg – 12 ampolas (12mL)
Cuidados de Enfermagem
• Deve ser administrada com o auxílio de bombas de infusão.
• Administrada através de uma veia central (de grosso calibre).
• Monitorize a função respiratória, cardíaca (faça ECG), débito
urinário;
• Indicação: baixo DC, IAM, POI e pré-operatório do Tx
cardíaco, choque cardiogênico, IC descompensada,
insuficiência do VE.
• Aumento da contratilidade miocárdica sem interferir na
RVS).
• Possui efeito direto no coração e
pouco efeito vascular periférico.
• Inotrópico +
DOBUTAMINA
• Promove vasodilatação e aumenta o fluxo das artérias
coronárias. Reduz a impedância aórtica à ejeção
ventricular – aumentando o DC, consumo de oxigênio
pelo miocárdio e aumenta o volume sistólico.
Solução Padrão
• SF 0,9% - 230mL
• Dobuta 250mg/20mL – 1ampola (20mL)
• Administração em veia de grosso calibre ou na circulação
central.
• Monitorar a frequência e o ritmo cardíaco; a pressão
arterial e a velocidade de infusão;
• Monitoração eletrocardiográfica.
Cuidados de enfermagem
• Indicação: Insuficiência cardíaca sem
hipotensão, insuficiência coronariana, angina
instável e hipertensão.
• Ação venosa predominante
• Contraindicação: Hemorragia cerebral,
tamponamento cardíaco, NÃO pode ser
associado ao sildenafil.
NITROGLICERINA (tridil)
• Efeitos colaterais: Hipotensão ortostástica,
taquicardia, cefaleia e síncope, palpitação.
• Recomendações: Administrar em frasco de
vidro, PVC pode adsover 30% a 80% do
princípio ativo.
Solução Padrão
• SG a 5% - 240mL
• Nitroglicerina 50mg/10mL – 1 ampola 10mL
Cuidados de Enfermagem
• Observar aspecto da solução antes e durante
a administração.
• Administrar as drogas com bomba de
infusão.
• A nitroglicerina intravenosa - interfere com
o efeito anticoagulante da heparina.
NITROPUSSIATO de SÓDIO (nipride)
NITROPUSSIATO de SÓDIO (nipride)
• Dilatação venosa e arteriolar. A sua ação
vasodilatadora se deve ao aumento da liberação de
óxido nítrico (NO), relaxando a musculatura lisa
vascular.
• Indicação: Crises hipertensivas, emergências
hipertensivas, PO de cirurgia de grande porte, ICC.
• Contraindicação: Hipertensão compensatória.
NÃO pode ser associado ao sildenafil.
Solução Padrão
• SG 5% - 248mL
• Nitropussiato 50mg – 1 ampola (2mL)
Cuidados de Enfermagem
• Não interromper subitamente a infusão
- (efeito rebote).
• ATENÇÃO a intoxicação por
cianeto pode-se manifestar através da
acidose metabólica, falta de ar,
confusão mental e morte.
• O frasco deve ser envolvido por
material opaco, pois a droga é
FOTOSSENSÍVEL, e deve-se utilizar
equipo próprio.
REFERÊNCIAS
BRODY; LARNER; MINNEMAN; NEU; Farmacologia humana da
molécula a clínica. Rio de Janeiro: guanabara koogan, 2010.
PEDROSA, L.C; OLIVEIRA JUNIOR. Doenças do coração: diagnóstico
e tratamento. São paulo: revinter, 2011
SILVA, M.C.A; FERRAZ, S; COUTINHO, R.Q; PEDROSA, L; BARROS, F.
Pauta de conduta do Unicordis: fundamentos para a boa prática
médica em cardiologia. 1º Edição, p. 201-208, Recife, 2012;
SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Brunner & Suddarth, tratado de
enfermagem médico-cirúrgica. 12º ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2012;
WOODS, S.L; FROELICHER, E.S.S; MOTZER, S.U. Enfermagem em
cardiologia. 4º edição, Recife, 2005;
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
José Carlos Nascimento
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
Renato Santos
 
Drogas vasoativas out 2012
Drogas  vasoativas  out 2012Drogas  vasoativas  out 2012
Drogas vasoativas out 2012
kamila27
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Jaqueline Almeida
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
Sedação e Analgesia
Sedação e AnalgesiaSedação e Analgesia
Sedação e Analgesia
Renato Bach
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
Fernando de Oliveira Dutra
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
Viviane da Silva
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
Patricia Nunes
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
Alexandra Caetano
 

Mais procurados (20)

Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
 
Drogas vasoativas out 2012
Drogas  vasoativas  out 2012Drogas  vasoativas  out 2012
Drogas vasoativas out 2012
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Sedação e Analgesia
Sedação e AnalgesiaSedação e Analgesia
Sedação e Analgesia
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 

Semelhante a Drogas vasoativas

Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
shaiane2
 
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdfProf. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
FrancielleConstantin
 
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativasAuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
josianeavila3
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
RLCR
 
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Antonio Alarcon
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
Lindiane Eloisa
 
Pdf diretrizes diretrizes21
Pdf diretrizes diretrizes21Pdf diretrizes diretrizes21
Pdf diretrizes diretrizes21
Núria Bernardo
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
Harlyson David
 
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Victor Eduardo
 
A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
Núria Bernardo
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
ProfYasminBlanco
 
Padronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosasPadronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosas
Ricardo Nascimento
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
lidypvh
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
janinemagalhaes
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
janinemagalhaes
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
ProfYasminBlanco
 
prescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptx
prescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptxprescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptx
prescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptx
TabathaLopes1
 
Paciente de risco
Paciente de riscoPaciente de risco
Paciente de risco
Luanna Melo
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
WillD12
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva

Semelhante a Drogas vasoativas (20)

Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
 
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdfProf. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
 
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativasAuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Pdf diretrizes diretrizes21
Pdf diretrizes diretrizes21Pdf diretrizes diretrizes21
Pdf diretrizes diretrizes21
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
 
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
 
A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
 
Padronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosasPadronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosas
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
 
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptxAULA 1 FARMACOS QUE ATUAM  SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
AULA 1 FARMACOS QUE ATUAM SOBRE O APARELHO CARDIOVASCULAR.pptx
 
prescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptx
prescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptxprescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptx
prescrição de fitoterápicos 3_alunos.pptx
 
Paciente de risco
Paciente de riscoPaciente de risco
Paciente de risco
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 

Drogas vasoativas

  • 1. Drogas Vasoativas Enfª R2 Mariana Barros Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Maio 2015
  • 2. Objetivos • Conhecer as principais características farmacológicas de algumas drogas vasoativas. • Identificar os principais vasodilatadores e catecolaminas. • Compreender os principais cuidados de enfermagem a pacientes em uso de drogas vasoativas.
  • 4. Drogas Vasoativas São substâncias que apresentam efeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, sejam eles diretos ou indiretos, atuando em pequenas doses e com respostas dose- dependente de efeito rápido e curto, através de receptores situados no endotélio vascular. VasopressoresCatecolaminas
  • 6. • Indicação: baixo DC com volemia controlada ou aumentada, choque cardiogênico, instabilidade hemodinâmica. • Dose-dependente • Efeito colateral: taquicardia, aumento da RVP e da PAP. Aumento do fluxo renal: 1 a 2 mcg/kg/min Inotrópico: 2,5 a 10 mcg/kg/min Vasopressor (aumento da PA): > 10 mcg/kg/min DOPAMINA
  • 7. Contraindicação: Taquiarritmia Ventricular e Fibrilação Ventricular Solução Padrão • SF 0,9% e SG 5% - 200mL • Dopamina 50mg/10mL – 5 ampolas (50mL) ATENÇÃO!! não se administra juntamente com soluções alcalinas. (Ex. Bicarbonato de Sódio).
  • 8. • Administração em veia de grosso calibre e de preferência AVC. • Administrar em BIC. • Rigor no gotejamento – efeitos dose-dependentes. • Manter extremidades do paciente aquecidas. Cuidados de Enfermagem
  • 9. • Indicação: hipotensão e alguns tipos de choque. • Efeito vasopressor e inotrópico + • Em altas doses: ocorre vasoconstricção periférica com aumento da RVS. • Efeito colateral: vasoconstricção importante, arritmia, PCR e morte súbita. NORADRENALINA
  • 10. Solução Padrão: • SG 5% - 180 mL • Noradrenalina 4mg/mL – 4ampolas (20mL) • Fotossensível, controle frequente da PA, aquecer membros, cuidado com o extravasamento da droga.
  • 11. Cuidados de enfermagem • Armazenar em temperatura ambiente (15-30ºc). • Não congelar. • Proteção à luz. • Administrar em BIC e em veia de grosso calibre • A PA deve ser monitorizada a cada 15 minutos - ajuste da dose. • A função renal também deve ser monitorizada através de dosagens de uréia, creatinina e volume de diurese.
  • 12. • Indicação: PCR, crise asmática grave e choque anafilático. • Interage com receptores α e β • Dose-dependente, com características vasopressoras, e estimulando a liberação de noradrenalina. • Induz aumento FC e do volume sistólico, e aumenta de forma significativa a RVP. ADRENALINA Aumento da PA e da função cardíaca
  • 13. Efeitos Colaterais: arritmias, dor torácica, cefaleia e tontura. Solução Padrão: • SG 5% - 188mL • Adrenalina 1mg – 12 ampolas (12mL)
  • 14. Cuidados de Enfermagem • Deve ser administrada com o auxílio de bombas de infusão. • Administrada através de uma veia central (de grosso calibre). • Monitorize a função respiratória, cardíaca (faça ECG), débito urinário;
  • 15. • Indicação: baixo DC, IAM, POI e pré-operatório do Tx cardíaco, choque cardiogênico, IC descompensada, insuficiência do VE. • Aumento da contratilidade miocárdica sem interferir na RVS). • Possui efeito direto no coração e pouco efeito vascular periférico. • Inotrópico + DOBUTAMINA
  • 16. • Promove vasodilatação e aumenta o fluxo das artérias coronárias. Reduz a impedância aórtica à ejeção ventricular – aumentando o DC, consumo de oxigênio pelo miocárdio e aumenta o volume sistólico. Solução Padrão • SF 0,9% - 230mL • Dobuta 250mg/20mL – 1ampola (20mL)
  • 17. • Administração em veia de grosso calibre ou na circulação central. • Monitorar a frequência e o ritmo cardíaco; a pressão arterial e a velocidade de infusão; • Monitoração eletrocardiográfica. Cuidados de enfermagem
  • 18. • Indicação: Insuficiência cardíaca sem hipotensão, insuficiência coronariana, angina instável e hipertensão. • Ação venosa predominante • Contraindicação: Hemorragia cerebral, tamponamento cardíaco, NÃO pode ser associado ao sildenafil. NITROGLICERINA (tridil)
  • 19. • Efeitos colaterais: Hipotensão ortostástica, taquicardia, cefaleia e síncope, palpitação. • Recomendações: Administrar em frasco de vidro, PVC pode adsover 30% a 80% do princípio ativo. Solução Padrão • SG a 5% - 240mL • Nitroglicerina 50mg/10mL – 1 ampola 10mL
  • 20. Cuidados de Enfermagem • Observar aspecto da solução antes e durante a administração. • Administrar as drogas com bomba de infusão. • A nitroglicerina intravenosa - interfere com o efeito anticoagulante da heparina.
  • 22. NITROPUSSIATO de SÓDIO (nipride) • Dilatação venosa e arteriolar. A sua ação vasodilatadora se deve ao aumento da liberação de óxido nítrico (NO), relaxando a musculatura lisa vascular. • Indicação: Crises hipertensivas, emergências hipertensivas, PO de cirurgia de grande porte, ICC. • Contraindicação: Hipertensão compensatória. NÃO pode ser associado ao sildenafil.
  • 23. Solução Padrão • SG 5% - 248mL • Nitropussiato 50mg – 1 ampola (2mL)
  • 24. Cuidados de Enfermagem • Não interromper subitamente a infusão - (efeito rebote). • ATENÇÃO a intoxicação por cianeto pode-se manifestar através da acidose metabólica, falta de ar, confusão mental e morte. • O frasco deve ser envolvido por material opaco, pois a droga é FOTOSSENSÍVEL, e deve-se utilizar equipo próprio.
  • 25. REFERÊNCIAS BRODY; LARNER; MINNEMAN; NEU; Farmacologia humana da molécula a clínica. Rio de Janeiro: guanabara koogan, 2010. PEDROSA, L.C; OLIVEIRA JUNIOR. Doenças do coração: diagnóstico e tratamento. São paulo: revinter, 2011 SILVA, M.C.A; FERRAZ, S; COUTINHO, R.Q; PEDROSA, L; BARROS, F. Pauta de conduta do Unicordis: fundamentos para a boa prática médica em cardiologia. 1º Edição, p. 201-208, Recife, 2012; SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Brunner & Suddarth, tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 12º ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012; WOODS, S.L; FROELICHER, E.S.S; MOTZER, S.U. Enfermagem em cardiologia. 4º edição, Recife, 2005;

Notas do Editor

  1. A droga deve ser evitada em grávidas pelo seu efeito contrátil sobre o útero gravídico. A função renal - O uso da noradrenalina, em altas doses e por tempo prolongado, pode provocar graves lesões renais, cutâneas e mesmo cardíacas devido à vasoconstrição excessiva.
  2. uma vez que o extravasamento da droga pode provocar lesões cutâneas importantes. Administrar a dose recomendada porque pode ocorrer reação adversa, ou perda do efeito.
  3. Não se deve interromper subitamente a infusão, mas num espaço de tempo de 10 a 30 minutos, para evitar aumento excessivo da pressão arterial (efeito rebote)