SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO À FINANÇAS
CORPORATIVAS
 Identificar e explicar alguns conceitos básicos de
finanças corporativas.
OBJETIVO GERAL
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Discutir e identificar as 3 diferentes áreas de finanças;
 Explicar e discutir as funções e decisões fundamentais
de finanças;
FINANÇAS: DEFINIÇÃO E ÁREAS DE CONHECIMENTO
 Administração Financeira é um campo de estudo que
visa realizar o melhor processo de captação
(financiamento) e alocação (investimento) de recursos.
 Sendo a finalidade central é criar valor para
proprietários, beneficiários, sócios e/ou acionistas.
 Áreas de Conhecimento: Mercado Financeiro, Finanças
Corporativas e Finanças Pessoais.
FINANÇAS: FORMAS JURÍDICAS DAS ORGANIZAÇÕES E
FINANÇAS
 Firmas Individuais
 Empresa pertencente a uma única pessoa e gerida pelo seu
próprio benefício (Ex: microempresa individual e empresa
limitada com um sócio).
 Tem responsabilidade ilimitada.
 Sociedades de Pessoas
 Empresa com fins lucrativos pertencente a duas ou mais
pessoas (Ex: sociedade limitada de dois ou mais sócios).
 Tem responsabilidade ilimitada e as relações são regidas por
um contrato social.
FINANÇAS: FORMAS JURÍDICAS DAS ORGANIZAÇÕES E
FINANÇAS
 Sociedades por Ações
 É entidade artificial criada por lei. Conhecida como
“entidade legal’ e tem direitos de uma pessoa.
 Seus proprietários são acionistas e seu direito de
propriedade (equity ou patrimônio líquido) é representado
por ações ordinárias e preferenciais.
 O proprietários são “remunerados” pela distribuição de
dividendos (distribuições periódicas de parte dos lucros) e
pela valorização de sua participação no capital (ações).
 Os acionistas tem responsabilidade limitada.
FINANÇAS: FORMAS JURÍDICAS DAS ORGANIZAÇÕES E
FINANÇAS
 Sociedades por Ações
 Os acionistas tem direitos sobre a propriedade. Esta é
organizada de forma democrática com votações periódicas
para eleger o conselho de administração e deliberar sobre
outras questões.
 Conselho de administração é responsável pelo
desenvolvimento de planos e objetivos estratégicos, bem
como pela contratação e remuneração da alta administração.
FINANÇAS: FUNÇÕES E DECISÕES FINANCEIRAS
 Planejamento Financeiro: Programar a necessidade de
crescimento operacional e grau de alavancagem com suas
necessidades e tipos de fontes de recursos.
 Controle Financeiro: Acompanhar, registrar e avaliar o
andamento da execução do planejamento e desempenho
financeiro da empresa.
 Administração de Ativos: Realização de ações que visem a
melhor estrutura de aplicação (investimento) de recursos frente
suas expetativas de risco e retorno.
 Administração de Passivos: Realização de ações que visem a
aquisição de recursos (empréstimos) e o gerenciamento de sua
composição frente a suas relações de liquidez, custo financeiro e
risco.
FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO
 Estrutura de Decisão em Finanças
Investimento
(Relação
Risco/Retorno)
Recursos de
Terceiros
Recursos
Próprios
CustodaCaptação
deTerceiros
CustodoCapital
Próprio
Risco
Financeiro
Lucro
Operacional
Risco
Econômico
FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO
 Aquisição de Recursos de Capital Próprio
 Se refere ao patrimônio líquido integralizado ou à
integralizar.
 Seu aumento é programado pela sociedade empresarial
(aumento ou venda de participações ou ações).
 Apresenta menor risco financeiro por ser ligado à
participação na atividade da firma.
 Aquisição de Recursos de Capital de Terceiros
 Refere-se à aquisição de recursos externos via
endividamento externo (empréstimos ou títulos de dívida).
 Apresenta maior risco financeiro por representar um recurso
que será remunerado e devolvido ao cedente.
 Risco de não pagamento de um terceiro.
FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO
 Risco Econômico ou Operacional
 É o risco relacionado com a “incerteza calculável” presente
sobre o resultado (retorno/lucro) das decisões de
investimentos em ativos.
 É inerente à atividade da empresa e ambiente (mercado) em
que atua.
 Risco Financeiro
 É o risco relacionado com a “incerteza calculável” presente
sobre a capacidade da empresa liquidar seus compromissos
financeiros que são resultado de suas decisões de
financiamento.
 Surge da relação direta entre risco financeiro e alavancagem
financeira, e a intenção da firma de promover rentabilidade.
FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO
 Relação entre risco financeiro e retorno: Existe uma
relação inversa entre risco financeiro e retorno. O que
possibilita alavancagem financeira.
 Alavancagem Financeira:
 É o efeito causado pelo empréstimos de recursos de
terceiros à determinado custo (juros), e aplicando-os em
ativos com “taxa de retorno esperada” mais alta.
 Este efeito tenderia a ampliar o retorno do patrimônio
líquido. Ou seja, aumentaria o retorno do capital próprio.
 Quanto maior a utilização do recurso de terceiros maior será
a capacidade de alavancagem do retorno do patrimônio
líquido, e maior o risco financeiro.
FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS
 Objetivo da firma
 Deve expressar a razão de ser da firma e sua finalidade de
longo prazo.
 É expresso pela missão e visão estratégicas da firma.
 Se estabelece entre a necessidade de retorno econômico de
seus proprietários no curto e longo prazos e objetivos mais
abrangentes, que incorporem o bem-estar de stakeholders
da sociedade.
FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS
 Formas de medição e tipos de objetivo
 Maximização de lucro.
 Maximização do Valor de mercado.
 Maximização da Riqueza do Acionista e Sustentabilidade.
FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS
 Governança Corporativa
 Sistemas de regulamentos ou ações usados para dirigir e
controlar a empresa.
 Define os direitos e responsabilidades dos principais
agentes da empresa, estabelece os procedimentos
decisórios e determina como a empresa fixará e monitorará
seus objetivos.
 Estabelece a responsabilidade do conselho em relação ao
acionistas e formas de escolha da alta administração e suas
metas.
 Investidores Individuais x Investidores Institucionais.
 Lei Sarbanes-Oxley de 2002, e publicidade de dados da
empresa aos stakeholders.
FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS
 Ética Empresarial
 Padrões de conduta ou julgamento “moral” aplicável às
pessoas que se dedicam à atividades produtivas e
comerciais.
 Violações destes padrões éticos em finanças: Projeções
enganosas, fraude, ‘criatividade contábil’, remunerações
excessivas à alta diretoria, proprinas, etc..
 Os órgãos de interesse e o setor público organizado tem
desenvolvido e aplicado normas “mínimas” de padrões
éticos com objetivo de conduzir agentes e empresas.
 Ética e preço das ações: aplicações eficazes de normas éticas
reconhecidas pelo mercado estão relacionadas
positivamente com o valor da empresa.
FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS
 Problemas de Agência ou de Agente-Principal
 Administradores (agentes) devem agir em prol da
maximização da riqueza dos investidores ou proprietários
(principal).
 Entretanto, agentes tem interesses conflitantes de promover
a própria riqueza em detrimento da riqueza dos principais.
 Custos de Agência: Custos incorridos em ações para
promover uma estrutura de governança que minimize
problemas de agência.
 Tipos de ações para reduzir o problema de agência:
 Planos de Incentivos
 Opções de compra de ações
 Planos de Desempenho
 Ações por desempenho
 Bonificações
FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS
DE RECURSOS
 Mercado que permite que a poupança de um indivíduo
torne-se o investimento de outro.
 Ou seja, permite que os produtos ou bens que não foram
consumidos por um indivíduos possa ser consumido por
outro por meio da transferência de recursos de um
indivíduo para o outro.
 Ou, É o mercado que permite que os recursos escassos de
uma economia migrem de poupadores para “tomadores” de
empréstimos.
FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS
DE RECURSOS
 As instituições que permitem que poupadores e investidores
interajam chamam-se mercados financeiros ou
intermediários financeiros:
 Bancos, Mercados de Ações, Fundos Mútuos, etc...
 Mercados financeiros diretos são instituições onde
poupadores podem diretamente emprestar recursos para
tomadores de empréstimos.
 Mecanismos de vendas de títulos de divida ou ações.
 Intermediários financeiros são instituições onde poupadores
indiretamente emprestam recursos para tomadores de
empréstimos.
 Sistema bancário e fundos mútuos.
FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS
DE RECURSOS
 Títulos de dívida de empresas privadas:
 São instrumentos financeiros de renda fixa (ou pré-definida)
que visam a obtenção de recursos junto à sociedade, com o
objetivo de financiar as ações desta entidade por meio de
endividamento via títulos. Ou seja, o proprietário do título é
credor da entidade emissora.As emissões são realizadas por
cada entidade privada junto à BM&F/BOVESPA.
 Algumas classes de títulos de entidades privadas:
 Notas Promissórias, também conhecidas como commercial papers,
são títulos de curto prazo emitidos pelas empresas para financiar
prioritariamente seu capital de giro.
 Debêntures são títulos de médio e longo prazo, que confere a seu
detentor um direito de crédito contra a companhia emissora,
segundo regramentos pré-estabelecidos na escritura de emissão.
FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS
DE RECURSOS
 Participação em empresas via ações:
 As ações representam propriedade de uma empresa e são,
portanto, um direito aos lucros futuros gerados.
 Ou seja, a venda de uma ação representa a venda de parte
da empresa para um terceiro.
 A venda de ações para captar recursos é chamada de
financiamento do lançamento de ações (IPO – Initial Public
Offering).
 É importante ressaltar que a revenda destas ações no
mercado não alteram a quantidade de recurso captados
pela entidade que às emitiu.
FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS
DE RECURSOS
 Empréstimo por meio do sistema bancário:
 Os bancos são intermediário financeiros que recebem
depósitos de poupadores e emprestam a investidores.
 Os bancos remuneram os depósitos e cobram juros,
maiores, dos investidores que são tomadores de
empréstimos.
 A diferença entre o juros pago aos depositantes e o juros
cobrado dos investidores é chamado de Spread Bancário,
sendo esta a verdadeira remuneração dos bancos.
 Os empréstimos podem ser de curto ou longo prazo e
apresentam um custo financeiro representado pelo juros
cobrado.
FINANÇAS: FINANCIAMENTO, RETORNO E O PROBLEMA
DA INFLAÇÃO
 Todos os mercados sofrem perda do poder de compra
ou erosão do poder aquisitivo da moeda devido à
inflação.
 Inflação: Aumento generalizado de preços.
 Ações e entendimento relevantes:
 Valor Nominal e Valor Real
 Juros Reais = Juros Nominais – Taxa de inflação
 Correção Monetária: Reajuste de preços e valores nominais
em consideração da taxa de inflação do período.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 ASSAF NETO, A; LIMA, F. Curso de Administração
Financeira
 GITMAN, L. Administração Financeira.
 MANKIW, N. Introdução à Economia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Rafael Gonçalves
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
Na Silva
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
alunocontabil
 
Aula 1- Analise de Investimento
Aula 1- Analise de InvestimentoAula 1- Analise de Investimento
Aula 1- Analise de Investimento
Luciano Rodrigues
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
Faculdade Inesul - Londrina
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
simuladocontabil
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbil
Jesus Bandeira
 
Análise de investimentos
Análise de investimentosAnálise de investimentos
Análise de investimentos
Derson Lopes Jr, Msc, PMP
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
smalheiros
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Maick William Oliveira Costa
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
admcontabil
 
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadoresPlano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Letícia Vilela de Aquino
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
sscutrim
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Ricardo F. Nantes
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
SALVADOR SERRATO
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Universidade de Pernambuco
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
Marcelle França
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Rafael Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Aula 1- Analise de Investimento
Aula 1- Analise de InvestimentoAula 1- Analise de Investimento
Aula 1- Analise de Investimento
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
 
Escrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbilEscrituração ContÁbil
Escrituração ContÁbil
 
Análise de investimentos
Análise de investimentosAnálise de investimentos
Análise de investimentos
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
 
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadoresPlano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadores
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de Contabilidade
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 

Destaque

Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
Luciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
Luciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
Luciano Pires
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
Luciano Pires
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 

Destaque (18)

Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 

Semelhante a Introdução à finanças corporativas

O papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeiraO papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeira
Leandro Gonçalves
 
Administracao unidade11
Administracao unidade11Administracao unidade11
Administracao unidade11
koddyrj2011
 
Mercado financeiro vs instituições financeiras
Mercado financeiro vs instituições financeirasMercado financeiro vs instituições financeiras
Mercado financeiro vs instituições financeiras
Universidade Pedagogica
 
cap01.ppt
cap01.pptcap01.ppt
cap01.ppt
Brinypiano
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
aniratacosta
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
aniratacosta
 
Apostila afo
Apostila afoApostila afo
Apostila afo
zeramento contabil
 
Adm fin
Adm finAdm fin
Adm fin
alunocontabil
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
Vinicius Gomes de Sousa
 
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Elvis Lima
 
Introdução a disciplina de contabilidade
Introdução a disciplina de contabilidade Introdução a disciplina de contabilidade
Introdução a disciplina de contabilidade
Icaro Mendes
 
1- Capital de Giro.pptx
1- Capital de Giro.pptx1- Capital de Giro.pptx
1- Capital de Giro.pptx
AlmirSilveira7
 
FinançAs
FinançAsFinançAs
FinançAs
luizjorges
 
Gestao financeira i.indb_1_ doc1
Gestao financeira i.indb_1_ doc1Gestao financeira i.indb_1_ doc1
Gestao financeira i.indb_1_ doc1
Alexandre Cavalcanti
 
Gestao financeira (doc1)
Gestao financeira (doc1)Gestao financeira (doc1)
Gestao financeira (doc1)
Alexandre Cavalcanti
 
UFCD_0619.DOCX
UFCD_0619.DOCXUFCD_0619.DOCX
UFCD_0619.DOCX
LilianaCaetano8
 
Slides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdf
Slides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdfSlides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdf
Slides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdf
PedroFontesMontano1
 
Aula 2 estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeiros
Aula 2   estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeirosAula 2   estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeiros
Aula 2 estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeiros
LuRamosLino
 
Como cuidar do seu dinheiro
Como cuidar do seu dinheiroComo cuidar do seu dinheiro
Como cuidar do seu dinheiro
Pr. Fabio Canellato
 
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptxSLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
FranciscoGabriel60
 

Semelhante a Introdução à finanças corporativas (20)

O papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeiraO papel e o ambiente da administração financeira
O papel e o ambiente da administração financeira
 
Administracao unidade11
Administracao unidade11Administracao unidade11
Administracao unidade11
 
Mercado financeiro vs instituições financeiras
Mercado financeiro vs instituições financeirasMercado financeiro vs instituições financeiras
Mercado financeiro vs instituições financeiras
 
cap01.ppt
cap01.pptcap01.ppt
cap01.ppt
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Apostila afo
Apostila afoApostila afo
Apostila afo
 
Adm fin
Adm finAdm fin
Adm fin
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
Apresentação dia 29 de fevereiro de 2016
 
Introdução a disciplina de contabilidade
Introdução a disciplina de contabilidade Introdução a disciplina de contabilidade
Introdução a disciplina de contabilidade
 
1- Capital de Giro.pptx
1- Capital de Giro.pptx1- Capital de Giro.pptx
1- Capital de Giro.pptx
 
FinançAs
FinançAsFinançAs
FinançAs
 
Gestao financeira i.indb_1_ doc1
Gestao financeira i.indb_1_ doc1Gestao financeira i.indb_1_ doc1
Gestao financeira i.indb_1_ doc1
 
Gestao financeira (doc1)
Gestao financeira (doc1)Gestao financeira (doc1)
Gestao financeira (doc1)
 
UFCD_0619.DOCX
UFCD_0619.DOCXUFCD_0619.DOCX
UFCD_0619.DOCX
 
Slides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdf
Slides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdfSlides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdf
Slides - Fundamentos de Finanças - UERJ.pdf
 
Aula 2 estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeiros
Aula 2   estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeirosAula 2   estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeiros
Aula 2 estrutura de capital - soc. ações. - mercados financeiros
 
Como cuidar do seu dinheiro
Como cuidar do seu dinheiroComo cuidar do seu dinheiro
Como cuidar do seu dinheiro
 
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptxSLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
 

Mais de Luciano Pires

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
Luciano Pires
 

Mais de Luciano Pires (12)

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
 

Último

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 

Último (20)

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 

Introdução à finanças corporativas

  • 2.  Identificar e explicar alguns conceitos básicos de finanças corporativas. OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Discutir e identificar as 3 diferentes áreas de finanças;  Explicar e discutir as funções e decisões fundamentais de finanças;
  • 3. FINANÇAS: DEFINIÇÃO E ÁREAS DE CONHECIMENTO  Administração Financeira é um campo de estudo que visa realizar o melhor processo de captação (financiamento) e alocação (investimento) de recursos.  Sendo a finalidade central é criar valor para proprietários, beneficiários, sócios e/ou acionistas.  Áreas de Conhecimento: Mercado Financeiro, Finanças Corporativas e Finanças Pessoais.
  • 4. FINANÇAS: FORMAS JURÍDICAS DAS ORGANIZAÇÕES E FINANÇAS  Firmas Individuais  Empresa pertencente a uma única pessoa e gerida pelo seu próprio benefício (Ex: microempresa individual e empresa limitada com um sócio).  Tem responsabilidade ilimitada.  Sociedades de Pessoas  Empresa com fins lucrativos pertencente a duas ou mais pessoas (Ex: sociedade limitada de dois ou mais sócios).  Tem responsabilidade ilimitada e as relações são regidas por um contrato social.
  • 5. FINANÇAS: FORMAS JURÍDICAS DAS ORGANIZAÇÕES E FINANÇAS  Sociedades por Ações  É entidade artificial criada por lei. Conhecida como “entidade legal’ e tem direitos de uma pessoa.  Seus proprietários são acionistas e seu direito de propriedade (equity ou patrimônio líquido) é representado por ações ordinárias e preferenciais.  O proprietários são “remunerados” pela distribuição de dividendos (distribuições periódicas de parte dos lucros) e pela valorização de sua participação no capital (ações).  Os acionistas tem responsabilidade limitada.
  • 6. FINANÇAS: FORMAS JURÍDICAS DAS ORGANIZAÇÕES E FINANÇAS  Sociedades por Ações  Os acionistas tem direitos sobre a propriedade. Esta é organizada de forma democrática com votações periódicas para eleger o conselho de administração e deliberar sobre outras questões.  Conselho de administração é responsável pelo desenvolvimento de planos e objetivos estratégicos, bem como pela contratação e remuneração da alta administração.
  • 7. FINANÇAS: FUNÇÕES E DECISÕES FINANCEIRAS  Planejamento Financeiro: Programar a necessidade de crescimento operacional e grau de alavancagem com suas necessidades e tipos de fontes de recursos.  Controle Financeiro: Acompanhar, registrar e avaliar o andamento da execução do planejamento e desempenho financeiro da empresa.  Administração de Ativos: Realização de ações que visem a melhor estrutura de aplicação (investimento) de recursos frente suas expetativas de risco e retorno.  Administração de Passivos: Realização de ações que visem a aquisição de recursos (empréstimos) e o gerenciamento de sua composição frente a suas relações de liquidez, custo financeiro e risco.
  • 8. FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO  Estrutura de Decisão em Finanças Investimento (Relação Risco/Retorno) Recursos de Terceiros Recursos Próprios CustodaCaptação deTerceiros CustodoCapital Próprio Risco Financeiro Lucro Operacional Risco Econômico
  • 9. FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO  Aquisição de Recursos de Capital Próprio  Se refere ao patrimônio líquido integralizado ou à integralizar.  Seu aumento é programado pela sociedade empresarial (aumento ou venda de participações ou ações).  Apresenta menor risco financeiro por ser ligado à participação na atividade da firma.  Aquisição de Recursos de Capital de Terceiros  Refere-se à aquisição de recursos externos via endividamento externo (empréstimos ou títulos de dívida).  Apresenta maior risco financeiro por representar um recurso que será remunerado e devolvido ao cedente.  Risco de não pagamento de um terceiro.
  • 10. FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO  Risco Econômico ou Operacional  É o risco relacionado com a “incerteza calculável” presente sobre o resultado (retorno/lucro) das decisões de investimentos em ativos.  É inerente à atividade da empresa e ambiente (mercado) em que atua.  Risco Financeiro  É o risco relacionado com a “incerteza calculável” presente sobre a capacidade da empresa liquidar seus compromissos financeiros que são resultado de suas decisões de financiamento.  Surge da relação direta entre risco financeiro e alavancagem financeira, e a intenção da firma de promover rentabilidade.
  • 11. FINANÇAS: FONTES DE RECURSOS, USOS E RISCO  Relação entre risco financeiro e retorno: Existe uma relação inversa entre risco financeiro e retorno. O que possibilita alavancagem financeira.  Alavancagem Financeira:  É o efeito causado pelo empréstimos de recursos de terceiros à determinado custo (juros), e aplicando-os em ativos com “taxa de retorno esperada” mais alta.  Este efeito tenderia a ampliar o retorno do patrimônio líquido. Ou seja, aumentaria o retorno do capital próprio.  Quanto maior a utilização do recurso de terceiros maior será a capacidade de alavancagem do retorno do patrimônio líquido, e maior o risco financeiro.
  • 12. FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS  Objetivo da firma  Deve expressar a razão de ser da firma e sua finalidade de longo prazo.  É expresso pela missão e visão estratégicas da firma.  Se estabelece entre a necessidade de retorno econômico de seus proprietários no curto e longo prazos e objetivos mais abrangentes, que incorporem o bem-estar de stakeholders da sociedade.
  • 13. FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS  Formas de medição e tipos de objetivo  Maximização de lucro.  Maximização do Valor de mercado.  Maximização da Riqueza do Acionista e Sustentabilidade.
  • 14. FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS  Governança Corporativa  Sistemas de regulamentos ou ações usados para dirigir e controlar a empresa.  Define os direitos e responsabilidades dos principais agentes da empresa, estabelece os procedimentos decisórios e determina como a empresa fixará e monitorará seus objetivos.  Estabelece a responsabilidade do conselho em relação ao acionistas e formas de escolha da alta administração e suas metas.  Investidores Individuais x Investidores Institucionais.  Lei Sarbanes-Oxley de 2002, e publicidade de dados da empresa aos stakeholders.
  • 15. FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS  Ética Empresarial  Padrões de conduta ou julgamento “moral” aplicável às pessoas que se dedicam à atividades produtivas e comerciais.  Violações destes padrões éticos em finanças: Projeções enganosas, fraude, ‘criatividade contábil’, remunerações excessivas à alta diretoria, proprinas, etc..  Os órgãos de interesse e o setor público organizado tem desenvolvido e aplicado normas “mínimas” de padrões éticos com objetivo de conduzir agentes e empresas.  Ética e preço das ações: aplicações eficazes de normas éticas reconhecidas pelo mercado estão relacionadas positivamente com o valor da empresa.
  • 16. FINANÇAS: OBJETIVO DA FIRMA E FINANÇAS  Problemas de Agência ou de Agente-Principal  Administradores (agentes) devem agir em prol da maximização da riqueza dos investidores ou proprietários (principal).  Entretanto, agentes tem interesses conflitantes de promover a própria riqueza em detrimento da riqueza dos principais.  Custos de Agência: Custos incorridos em ações para promover uma estrutura de governança que minimize problemas de agência.  Tipos de ações para reduzir o problema de agência:  Planos de Incentivos  Opções de compra de ações  Planos de Desempenho  Ações por desempenho  Bonificações
  • 17. FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS DE RECURSOS  Mercado que permite que a poupança de um indivíduo torne-se o investimento de outro.  Ou seja, permite que os produtos ou bens que não foram consumidos por um indivíduos possa ser consumido por outro por meio da transferência de recursos de um indivíduo para o outro.  Ou, É o mercado que permite que os recursos escassos de uma economia migrem de poupadores para “tomadores” de empréstimos.
  • 18. FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS DE RECURSOS  As instituições que permitem que poupadores e investidores interajam chamam-se mercados financeiros ou intermediários financeiros:  Bancos, Mercados de Ações, Fundos Mútuos, etc...  Mercados financeiros diretos são instituições onde poupadores podem diretamente emprestar recursos para tomadores de empréstimos.  Mecanismos de vendas de títulos de divida ou ações.  Intermediários financeiros são instituições onde poupadores indiretamente emprestam recursos para tomadores de empréstimos.  Sistema bancário e fundos mútuos.
  • 19. FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS DE RECURSOS  Títulos de dívida de empresas privadas:  São instrumentos financeiros de renda fixa (ou pré-definida) que visam a obtenção de recursos junto à sociedade, com o objetivo de financiar as ações desta entidade por meio de endividamento via títulos. Ou seja, o proprietário do título é credor da entidade emissora.As emissões são realizadas por cada entidade privada junto à BM&F/BOVESPA.  Algumas classes de títulos de entidades privadas:  Notas Promissórias, também conhecidas como commercial papers, são títulos de curto prazo emitidos pelas empresas para financiar prioritariamente seu capital de giro.  Debêntures são títulos de médio e longo prazo, que confere a seu detentor um direito de crédito contra a companhia emissora, segundo regramentos pré-estabelecidos na escritura de emissão.
  • 20. FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS DE RECURSOS  Participação em empresas via ações:  As ações representam propriedade de uma empresa e são, portanto, um direito aos lucros futuros gerados.  Ou seja, a venda de uma ação representa a venda de parte da empresa para um terceiro.  A venda de ações para captar recursos é chamada de financiamento do lançamento de ações (IPO – Initial Public Offering).  É importante ressaltar que a revenda destas ações no mercado não alteram a quantidade de recurso captados pela entidade que às emitiu.
  • 21. FINANÇAS: MERCADO FINANCEIRO E FONTES EXTERNAS DE RECURSOS  Empréstimo por meio do sistema bancário:  Os bancos são intermediário financeiros que recebem depósitos de poupadores e emprestam a investidores.  Os bancos remuneram os depósitos e cobram juros, maiores, dos investidores que são tomadores de empréstimos.  A diferença entre o juros pago aos depositantes e o juros cobrado dos investidores é chamado de Spread Bancário, sendo esta a verdadeira remuneração dos bancos.  Os empréstimos podem ser de curto ou longo prazo e apresentam um custo financeiro representado pelo juros cobrado.
  • 22. FINANÇAS: FINANCIAMENTO, RETORNO E O PROBLEMA DA INFLAÇÃO  Todos os mercados sofrem perda do poder de compra ou erosão do poder aquisitivo da moeda devido à inflação.  Inflação: Aumento generalizado de preços.  Ações e entendimento relevantes:  Valor Nominal e Valor Real  Juros Reais = Juros Nominais – Taxa de inflação  Correção Monetária: Reajuste de preços e valores nominais em consideração da taxa de inflação do período.
  • 23. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  ASSAF NETO, A; LIMA, F. Curso de Administração Financeira  GITMAN, L. Administração Financeira.  MANKIW, N. Introdução à Economia.