SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Sistemas
de
Custos
Professor: Daniel Moura
Disciplina: Custos da Produção
Curso: Graduação em Engenharia de Produção
2
Princípios e
Métodos de Custeio
• Princípios – adequação das necessidades
de informações para tomada de decisão.
– Quais são os objetivos do sistema?
O tipo de informação
As informações relevantes
• Métodos – parte operacional do sistema.
– Como os dados devem ser processados?
Princípios e
Métodos de Custeio
• Cálculo dos custos do produto – feito
pela divisão dos custos associados a
cada produto pelas quantidades
produzidas.
3
Processo
Produtivo
Insumos
(custos)
Produtos
A Empresa vista como um Processo
4
Princípios e
Métodos de Custeio
• Princípios:
– Custeio Variável;
– Custeio por Absorção Integral (ou Absorção Total);
– Custeio por Absorção Ideal.
• Métodos:
– Método do Custo-Padrão;
– Método dos Centros de Custos;
– Custeio Baseado em Atividades (ABC);
– Unidade de Esforço de Produção (UEP).
O Sistema de Gestão e o
Sistema de Custos
Para que as informações de custos produzam bons resultados
é necessários que o sistema de custos esteja em sintonia
com o sistema mais amplo: o de gestão.
O sistema de custos não deve fornecer informações inúteis
que levem a decisões empresariais incorretas, ele deve dar
suporte ao processo de transformação em nível da
administração da produção.
5
Gestão
Princípios
Custos
Princípios
Métodos
Métodos
Objetivos dos Sistemas de
Custos
PrincípioPrincípio
• Norteia o tratamento dastratamento das
informações.informações.
• Determina qualqual
informação o sistema
deve gerar.
• Está relacionado com o
objetivo do sistemaobjetivo do sistema.
6
MétodoMétodo
• Viabiliza a
operacionalização daqueleoperacionalização daquele
princípioprincípio.
• Diz respeito a comocomo a
informação será obtida.
• Está relacionado com os
procedimentos doprocedimentos do
sistemasistema.
Objetivos:
• Avaliação de estoques;
• Auxílio ao controle; e
• Auxílio à tomada de decisões.
Princípios de Custeio
• Identificam o tratamento dado pelo
sistema aos custos fixos.
– Custeio por Absorção Integral
– Custeio Variável
– Custeio por Absorção Ideal
7
Custeio por Absorção Integral
• A totalidade dos custos (fixos e variáveis) são
alocados aos produtos.
• Atendimento das exigências da contabilidade
financeira para avaliação dos estoques.
• Exemplo 1:
A empresa XPTO, em um determinado mês, produziu
80.000 unidades. Os custos totais do período
atingiram $ 1.400.000,00. Qual é o custo do
produto com o custeio integral?
O custeio integral alocaria $ 17,50O custeio integral alocaria $ 17,50
(1.400.000/80.000) ao produto(1.400.000/80.000) ao produto.
8
Custeio Variável
• Apenas os custos variáveis são relacionados
aos produtos, sendo os custos fixos
considerados como custos do período.
• Relacionam-se às tomadas de decisões de
curto prazo, onde os custos variáveis tornam-
se relevantes e os custos fixos não.
• Independente do volume de produção, sempre
existirão os custos fixos. Então, o quanto
produzir de cada produto é uma decisão que
cabe a análise dos custos variáveis. 9
Custeio Variável
• Exemplo 2:
A empresa XPTO, em um determinado período,
produziu 80.000 unidades. Os custos totais do
período atingiram $ 1.400.000,00, sendo
$1.000.000,00 de custos fixos e $ 400.000,00 de
custos variáveis. Qual é o custo do produto de
acordo com o custeio variável?
O custeio variável considera apenas $ 5,00O custeio variável considera apenas $ 5,00
(400.000/80.000) como sendo custos do produto.(400.000/80.000) como sendo custos do produto.
O restante ($ 1.000.000) é o custo do período.O restante ($ 1.000.000) é o custo do período.
10
Custeio por Absorção Ideal
• Todos os custos são computados como
custos dos produtos. Mas, os custos
relacionados com insumos usados de
forma não-eficiente (desperdícios) não
são alocados aos produtos.
• Adapta-se ao auxílio do controle de
custos e ao apoio ao processo de
melhoria contínua da empresa.
11
Custeio por Absorção Ideal
• Exemplo 3:
A empresa XPTO possui capacidade para produzir 100.000
produtos e, em um determinado mês, produziu 80.000
unidades. Os custos fixos do período atingem $ 1.000.000,00
e os custos variáveis ideais são $ 5,00 por unidade, atingindo
$ 400.000,00 (5 x 80.000) no período. Quais são os custos
dos produtos de acordo com o custeio ideal?
O custeio por absorção ideal alocaria $ 15,00O custeio por absorção ideal alocaria $ 15,00
((1.000.000/100.000 ) + 5) por item produzido e o restante, $((1.000.000/100.000 ) + 5) por item produzido e o restante, $
200.000,00 (20.000 x 10*), corresponde aos desperdícios do200.000,00 (20.000 x 10*), corresponde aos desperdícios do
período.período.
*CF unit = (1.000.000/100.000) = $ 10,00/un
*Não aloca custos variáveis as 20.000 unidades, pois não foram produzidas.12
Custeio Integral
e
Custeio Ideal
13
Custeio Integral e Custeio
Ideal
• A separação entre custos e desperdícios é
fundamental para a mensuração dos
desperdícios do processo produtivo,
facilitando o controle dos mesmos.
• Possibilita ações de combate ao trabalho que
não agrega valor e às perdas.
14
Custeio Integral e Custeio
Ideal
• Exemplo
Imagine que o preço de venda do produto da empresa
XPTO seja $20/un. Tomando o custo obtido pelo
custeio integral ($17,50), tem-se:
15
Resultado da empresa XPTO pelo custeio integral
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 1.600.000,00 20,00
Custos 1.400.000,00 17,50
Lucro 200.000,00 2,50
Só sabemos
que a empresa
obteve lucro
Custeio Integral e Custeio
Ideal
• Exemplo
Imagine que o preço de venda do produto da empresa XPTO seja
$20/un. Tomando o custo obtido pelo custeio integral ($17,50), tem-
se:
16
Resultado da empresa XPTO pelo custeio integral
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 1.600.000,00 20,00
Custos 1.400.000,00 17,50
Lucro 200.000,00 2,50
Resultado da empresa XPTO pelo custeio ideal
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 1.600.000,00 20,00
Custos 1.200.000,00 15,00
Lucro potencial 400.000,00 5,00
Desperdício 200.000,00 2,50
Lucro 200.000,00 2,50
Se
eliminássemos o
desperdício,
duplicaríamos o
lucro
Custeio Integral e Custeio
Ideal
• Exemplo
Supondo que a concorrência no setor da empresa XPTO cresça e,
consequentemente, o preço do mercado seja reduzido para $17,00:
17
Resultado da empresa XPTO pelo custeio integral
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 1.600.000,00 20,00
Custos 1.400.000,00 17,50
Lucro 200.000,00 2,50
Resultado da empresa XPTO com o acirramento da
concorrência (custeio integral)
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 1.360.000,00 17,00
Custos 1.400.000,00 17,50
Lucro/Prejuízo (40.000,00) (0,50)
Prejuízo!!!!
Será que a
concorrência
está praticando
“dumping”?
Dumping é a redução do preço de venda com objetivo de eliminar a concorrência.
Custeio Integral e Custeio
Ideal
• Exemplo
18
Resultado da empresa XPTO com o acirramento da
concorrência (custeio ideal)
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 1.360.000,00 17,00
Custos 1.200.000,00 15,00
Lucro potencial 160.000,00 2,00
Desperdício 200.000,00 2,50
Lucro (40.000,00) (0,50)
Se eliminássemos
o desperdício,
sobreviveremos à
concorrência
Resultado da empresa XPTO pelo custeio ideal
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 1.600.000,00 20,00
Custos 1.200.000,00 15,00
Lucro potencial 400.000,00 5,00
Desperdício 200.000,00 2,50
Lucro 200.000,00 2,50
19
Preço = Custo + Lucro
Lucro = Preço - Custo
Custo = Preço - Lucro
Custo-meta
Preços de Venda
O mercado que fixa o
preço.
Quando o preço começa a
ser reduzido, é importante
se controlar e reduzir os
custos, atacando os
desperdícios.
O gerente deve perguntar
quais deveriam ser os
custos para a empresa ser
competitiva e deve atuar
para atingir aquela meta.
EXEMPLO
Determinação do Preço por
Mark-up*
20
O QUE É
MARK UP
21
Mark UpMark Up é um termo usado
em Economia para indicar
quanto do preço do produto
está acima do seu custo de
produção e distribuição
Determinação do Preço por
Mark-up*
A empresa MK faz um único produto, que tem um custo variável de
$ 5/un. Os custos fixos totalizam $ 100.000,00, sendo sua
capacidade de produção 10.000 unidades. Essa empresa vem
trabalhando em seu nível de produção máximo e, assim, o CUSTO
UNITÁRIO de seu produto é:
Custo = 100.000 / 10.000 + 5 = 10 + 5 = $ 15/un$ 15/un
O PREÇO DE VENDA é determinado fixando-se um lucro de 40% sobre
o custo (mark-up = 1,4) e, então, fica:
Preço = 1,4 x Custo = 1,4 x 15 = $ 21/un$ 21/un
Em um período de recessão, as vendas caem 37,5%, atingindo 6.250
unidades. Pelo custeio integral, o custo unitário passa para:
Custo = 100.000 / 6.250 + 5 = 16 + 5 = $ 21/un$ 21/un
O preço praticado pela empresa torna-se:
Preço = 1,4 x Custo = 1,4 x 21 = $ 29,40/un$ 29,40/un 22
Determinação do Preço por
Mark-up
Preço = $ 21/un e Preço = $ 29,40/un
Então, a empresa MK perde competitividade, pois o preço está muito acima do
mercado e seu custo unitário permanece o mesmo.
Para explorar o porquê desse impasse, recalcularemos o preço após a queda nas
vendas, analisando o custo ideal:
O cálculo do preço de venda foi:
Custo = 100.000 / 10.000 + 5 = 10 + 5 = $ 15/un
Desperdício = [(100.000 / 10.000) x (10.000 - 6.250)] / 6.250 =
$ 6/un
PREÇO =1,4 x 21=1,4 x (5 + 10 + 6)=7 + 14 + 8,4= $ 29,40/un
23
Custo
variável
Custo
fixo
Desperdício
A gerência deve agir para eliminar ou reduzir a ineficiência na utilização dos recursos
EXEMPLO
A Espiral da Morte
24
A Espiral da Morte
A empresa EM possui custos fixos de $ 100.000,00 por mês e custos
variáveis de $1.000,00/un . Ela pode trabalhar 200 horas no mês
e, se for eficiente, pode produzir 1 un/h. No último mês, a
produção foi de 125 unidades. O mercado da empresa EM é muito
competitivo e, para poder competir, a empresa fixou inicialmente um
preço de venda de $ 1.800/un.
Pelo custeio integral, o custo do produto seria:
Custo = 100.000 / 125 + 1.000 = $ 1.800/un
Com lucro zero, pouca coisa resta a fazer a não ser aumentar o preço
de venda para, por exemplo, $ 2.000/un, o que é feito pela
empresa. Contudo, o aumento do preço causa um efeito indesejado:
a redução da quantidade vendida para 100 unidades. Analisando-se
o novo custo, tem-se que:
Custo = 100.000 / 100 + 1.000 = $ 2.000/um
O lucro continua sendo zero. Se os tomadores de decisão insistirem na
política de elevar o preço por causa do custo, a empresa EM entra
em um ciclo conhecido por espiral da morte. 25
A Espiral da Morte
Voltando às condições originais e empregando o método do custeio ideal, o custo
do produto seria agora:
Custo = 100.000 / 200 + 1.000 = $ 1.500/un
26
Resultado da Empresa EM
Total ($) Unitário ($/un)
Preço 225.000,00 1.800,00
Custo 187.500,00 1.500,00
Lucro potencial 37.500,00 300,00
Desperdício 37.500,00 300,00
Lucro 0 0
125 unidades produzidas
(100.000 / 200) x (200 – 125) /
125 ou
Custos integral – Custo
ideal =
1.800 – 1.500
Análise
de
Desperdícios
27
Análise dos Desperdícios
Se a capacidade de produção da empresa AD e
seu nível de atividades em um determinado
período forem 100 unidades e os custos fixos
corresponderem a $1.000, os custos fixos
unitários dos produtos serão $10, tanto no
custeio ideal quanto no integral, situação que
indica não haver desperdícios. Sendo os custos
variáveis de $5/unidade, o custo total do
período é $1.500.
.
28
Análise dos Desperdícios
Caso a produção em outro período seja de 80
unidades, sem produção defeituosa, com os
custos fixos permanecendo em $1.000, o
custeio integral alocaria a totalidade dos
custos fixos aos produtos, resultando em
$12,50 (1.000/80) de custo fixo unitário,
enquanto o custeio ideal distribuiria somente
$800 aos produtos, com os custos fixos
permanecendo $10/unidade (1.000/100). Os
$200 restantes estão, na verdade,
relacionados com as perdas do período.
29
Análise dos Desperdícios
30
Gastos de dois períodos na empresa AD
Produção
100 unidades 80 unidades
GASTOS Total
Unitário
($/un)
Total
Unitário
($/un)
Custos
variáveis
500,00 5,00 400,00 5,00
Custos
fixos
1.000,00 10,00 800,00 10,00
Desperdí-
cios
0 0 200,00 2,50
TOTAL 1.500,00 15,00 1.400,00 17,50
Em ambos os casos, o custos unitário dos produtos é R$ 15,00,
por isto é necessário se analisar os desperdícios.
Análise dos Desperdícios
Voltando a empresa AD, os desperdícios poderiam, ainda, ser
subdivididos em ineficiência e ociosidade. Se, no tempo em que
se fabricaram os 80 itens, o padrão eficiente de produção
indicasse a possibilidade de serem confeccionadas 85 unidades, o
desperdício por ineficiência seria $50 = [10 x (85 – 80)] e o
desperdício por ociosidade $150 = [10 x (100 – 85)].
31
Separação dos desperdícios por ineficiência e por ociosidade na empresa AD
Produção
100 unidades 80 unidades
GASTOS Total Unitário ($/un) Total Unitário ($/un)
Custos variáveis 500,00 5,00 400,00 5,00
Custos fixos 1.000,00 10,00 800,00 10,00
Ociosidade 0 0 150,00 1,875
Ineficiência 0 0 50,00 0,625
TOTAL 1.500,00 15,00 1.400,00 17,50
Análise dos Desperdícios
Para se isolar os desperdícios por produção defeituosa é
preciso o número de unidades retrabalhadas e
refugadas*. No exemplo analisado, supondo que 2 das
80 unidades boas produzidas tenham sido
retrabalhadas, o trabalho de transformação
equivaleria a 82 unidades (80 + 2). Portanto, os
desperdícios seriam divididos em ociosidade,
ineficiência e retrabalho. A ineficiência equivaleria a
3 unidades (85 – 82), ou $30 (3 x 10), e o desperdício
por retrabalho valeria 2 unidades, ou $20 (2 x 10).
32
•Unidades retrabalhadas são produtos defeituosos que podem ser recuperados e
• unidades refugadas são produtos defeituosos que não podem ser recuperados.
Análise dos Desperdícios
33
Separação do desperdício por retrabalho na empresa AD
Produção
100 unidades 80 unidades
GASTOS Total
Unitário
($/un)
Total
Unitário
($/un)
Custos
variáveis
500,00 5,00 400,00 5,00
Custos fixos 1.000,00 10,00 800,00 10,00
Ociosidade 0 0 150,00 1,875
Ineficiência 0 0 30,00 0,375
Retrabalho 0 0 20,00 0,25
TOTAL 1.500,00 15,00 1.400,00 17,50
Análise dos Desperdícios
Vamos supor que, além disso, 1 unidade adicional
tenha sido refugada (caracterizando-se uma
produção total de 81 unidades), o trabalho de
transformação equivaleria a 83 unidades (80
boas + 2 retrabalhadas + 1 refugada). Agora, a
ineficiência equivaleria a 2 unidades (85 – 83),
ou $20 (2 x 10), o retrabalho valeria 2
unidades, ou $20 (2 x 10), e o desperdício por
refugo valeria 1 unidade.
34
Análise dos Desperdícios
Ressalta-se que os desperdícios por ociosidade edesperdícios por ociosidade e
por ineficiênciapor ineficiência são quantificados apenas pelos
custos fixoscustos fixos, pois é a capacidade não utilizada
ou mal utilizada – que gera custos fixos – a que
determina estes desperdícios. Já os
desperdícios por refugodesperdícios por refugo geram aumento nos
custos variáveiscustos variáveis, pois a unidade refugada
desperdiça todos os custos variáveis
associados a ela. O desperdício por produção
refugada totalizaria $15 (10 x 1 + 5 x 1).
35
Análise dos Desperdícios
36
Separação do desperdício por refugo na empresa AD
Produção
100 unidades 80 unidades
GASTOS Total
Unitário
($/un)
Total
Unitário
($/un)
Custos
variáveis
500,00 5,00 400,00 5,00
Custos fixos 1.000,00 10,00 800,00 10,00
Ociosidade 0 0 150,00 1,875
Ineficiência 0 0 20,00 0,375
Retrabalho 0 0 20,00 0,25
Refugo 0 0 15,00 0,1875
TOTAL 1.500,00 15,00 1.405,00* 17,5625*
* As diferenças sobre a tabale anterior é decorrente do fato de terem sido levados em conta os custos variáveis
relativos à unidade refugada.
Análise dos Desperdícios
Uma parte dos desperdícios por superproduçãodesperdícios por superprodução
e os desperdícios por estoquesdesperdícios por estoques podem ser
mensurados identificando-se os encargosencargos
financeirosfinanceiros relacionados com os estoques da
empresa e os custos de manutenção e
obsolescência de estoques.
Mas a parte mais significativa e importante
destas perdas, a perda de mercado futuro,
não é diretamente mensurável.
37

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
zeramento contabil
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
Rafhael Sena
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
Danilo Pereira
 
Fundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de CustosFundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de Custos
elliando dias
 
Introdução à contabilidade aula 6
Introdução à contabilidade   aula 6Introdução à contabilidade   aula 6
Introdução à contabilidade aula 6
Ester Costa Alencar
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Daniel Moura
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
PROFESSORA_LIVIA
 
Custos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - ConceitosCustos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - Conceitos
Willian dos Santos Abreu
 
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
Brígida Oliveira
 
Exemplo resolvido modelo peps
Exemplo resolvido modelo pepsExemplo resolvido modelo peps
Exemplo resolvido modelo peps
AlmirSantos36
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
Mayara Maciel
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
MestredaContabilidade
 
Contabilidade de custos slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpv
Contabilidade de custos   slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpvContabilidade de custos   slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpv
Contabilidade de custos slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpv
Leonardo Souza de Almeida
 
Caderno - Gestão e Contabilidade de Custos
Caderno - Gestão e Contabilidade de CustosCaderno - Gestão e Contabilidade de Custos
Caderno - Gestão e Contabilidade de Custos
Cadernos PPT
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 
contabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-uepscontabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-ueps
Waister Marques
 
Métodos de custeio
Métodos de custeioMétodos de custeio
Métodos de custeio
Dudu Ferreira
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
Tadeu Mendes
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
Charles Rebouças
 
Sistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de EstoquesSistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de Estoques
George Maia
 

Mais procurados (20)

Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Fundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de CustosFundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de Custos
 
Introdução à contabilidade aula 6
Introdução à contabilidade   aula 6Introdução à contabilidade   aula 6
Introdução à contabilidade aula 6
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucroCap 13 formação do preço de venda e do lucro
Cap 13 formação do preço de venda e do lucro
 
Custos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - ConceitosCustos Logísticos - Conceitos
Custos Logísticos - Conceitos
 
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)Sebenta contabilidade analitica i  2014 2015 (1)
Sebenta contabilidade analitica i 2014 2015 (1)
 
Exemplo resolvido modelo peps
Exemplo resolvido modelo pepsExemplo resolvido modelo peps
Exemplo resolvido modelo peps
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
 
Contabilidade de custos slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpv
Contabilidade de custos   slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpvContabilidade de custos   slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpv
Contabilidade de custos slides 05 - leonardo almeida - cpp cpa e cpv
 
Caderno - Gestão e Contabilidade de Custos
Caderno - Gestão e Contabilidade de CustosCaderno - Gestão e Contabilidade de Custos
Caderno - Gestão e Contabilidade de Custos
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
contabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-uepscontabilidade-basica-peps-ueps
contabilidade-basica-peps-ueps
 
Métodos de custeio
Métodos de custeioMétodos de custeio
Métodos de custeio
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Sistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de EstoquesSistema de Avaliação de Estoques
Sistema de Avaliação de Estoques
 

Semelhante a Capitulo 3 sistemas de custos

Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Custos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controloCustos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controlo
joseteca1
 
Alavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversasAlavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversas
Ricardo Ribeiro
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Wandick Rocha de Aquino
 
Classifique os custos 06
Classifique os custos 06Classifique os custos 06
Classifique os custos 06
zeramento contabil
 
Finanças Em Marketing Aula 07
Finanças Em Marketing   Aula 07Finanças Em Marketing   Aula 07
Finanças Em Marketing Aula 07
Douglas Miquelof
 
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptxAula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Universidade Estadual da Paraíba
 

Semelhante a Capitulo 3 sistemas de custos (7)

Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
Custos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controloCustos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controlo
 
Alavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversasAlavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversas
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 
Classifique os custos 06
Classifique os custos 06Classifique os custos 06
Classifique os custos 06
 
Finanças Em Marketing Aula 07
Finanças Em Marketing   Aula 07Finanças Em Marketing   Aula 07
Finanças Em Marketing Aula 07
 
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptxAula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
 

Mais de Daniel Moura

Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsa
Daniel Moura
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SP
Daniel Moura
 
Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)
Daniel Moura
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaços
Daniel Moura
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Daniel Moura
 
Unidade 1 níveis de instalações
Unidade 1   níveis de instalaçõesUnidade 1   níveis de instalações
Unidade 1 níveis de instalações
Daniel Moura
 
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2   planejamento estrat+®gico do layoutUnidade 2   planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Daniel Moura
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábrica
Daniel Moura
 
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4   planejamento de depósitos e armazénsUnidade 4   planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Daniel Moura
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produção
Daniel Moura
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Daniel Moura
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrão
Daniel Moura
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Daniel Moura
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
Daniel Moura
 
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Capitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uepCapitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uep
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Daniel Moura
 
Plano de aula hst 2013.2
Plano de aula   hst 2013.2Plano de aula   hst 2013.2
Plano de aula hst 2013.2
Daniel Moura
 
Ergonomia do produto
Ergonomia do produtoErgonomia do produto
Ergonomia do produto
Daniel Moura
 
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Unidade ii.3   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.3   estratégia de distribuição
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Daniel Moura
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
Daniel Moura
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
Daniel Moura
 

Mais de Daniel Moura (20)

Edital nº 01 uaep cdsa
Edital nº 01   uaep cdsaEdital nº 01   uaep cdsa
Edital nº 01 uaep cdsa
 
Prancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SPPrancha modelo - apresentação SP
Prancha modelo - apresentação SP
 
Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)Taxa de frequencia (1)
Taxa de frequencia (1)
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaços
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
 
Unidade 1 níveis de instalações
Unidade 1   níveis de instalaçõesUnidade 1   níveis de instalações
Unidade 1 níveis de instalações
 
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2   planejamento estrat+®gico do layoutUnidade 2   planejamento estrat+®gico do layout
Unidade 2 planejamento estrat+®gico do layout
 
Plano de aula projeto de fábrica
Plano de aula   projeto de fábricaPlano de aula   projeto de fábrica
Plano de aula projeto de fábrica
 
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4   planejamento de depósitos e armazénsUnidade 4   planejamento de depósitos e armazéns
Unidade 4 planejamento de depósitos e armazéns
 
Plano de aula custos da produção
Plano de aula   custos da produçãoPlano de aula   custos da produção
Plano de aula custos da produção
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
 
Capitulo 5 custo padrão
Capitulo 5   custo padrãoCapitulo 5   custo padrão
Capitulo 5 custo padrão
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
 
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
Capitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uepCapitulo 8   metodo da unidade de esforço de produção   uep
Capitulo 8 metodo da unidade de esforço de produção uep
 
Plano de aula hst 2013.2
Plano de aula   hst 2013.2Plano de aula   hst 2013.2
Plano de aula hst 2013.2
 
Ergonomia do produto
Ergonomia do produtoErgonomia do produto
Ergonomia do produto
 
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
Unidade ii.3   estratégia de distribuiçãoUnidade ii.3   estratégia de distribuição
Unidade ii.3 estratégia de distribuição
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
 
Energia eólica
Energia eólicaEnergia eólica
Energia eólica
 

Capitulo 3 sistemas de custos

  • 1. 1 Sistemas de Custos Professor: Daniel Moura Disciplina: Custos da Produção Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. 2 Princípios e Métodos de Custeio • Princípios – adequação das necessidades de informações para tomada de decisão. – Quais são os objetivos do sistema? O tipo de informação As informações relevantes • Métodos – parte operacional do sistema. – Como os dados devem ser processados?
  • 3. Princípios e Métodos de Custeio • Cálculo dos custos do produto – feito pela divisão dos custos associados a cada produto pelas quantidades produzidas. 3 Processo Produtivo Insumos (custos) Produtos A Empresa vista como um Processo
  • 4. 4 Princípios e Métodos de Custeio • Princípios: – Custeio Variável; – Custeio por Absorção Integral (ou Absorção Total); – Custeio por Absorção Ideal. • Métodos: – Método do Custo-Padrão; – Método dos Centros de Custos; – Custeio Baseado em Atividades (ABC); – Unidade de Esforço de Produção (UEP).
  • 5. O Sistema de Gestão e o Sistema de Custos Para que as informações de custos produzam bons resultados é necessários que o sistema de custos esteja em sintonia com o sistema mais amplo: o de gestão. O sistema de custos não deve fornecer informações inúteis que levem a decisões empresariais incorretas, ele deve dar suporte ao processo de transformação em nível da administração da produção. 5 Gestão Princípios Custos Princípios Métodos Métodos
  • 6. Objetivos dos Sistemas de Custos PrincípioPrincípio • Norteia o tratamento dastratamento das informações.informações. • Determina qualqual informação o sistema deve gerar. • Está relacionado com o objetivo do sistemaobjetivo do sistema. 6 MétodoMétodo • Viabiliza a operacionalização daqueleoperacionalização daquele princípioprincípio. • Diz respeito a comocomo a informação será obtida. • Está relacionado com os procedimentos doprocedimentos do sistemasistema. Objetivos: • Avaliação de estoques; • Auxílio ao controle; e • Auxílio à tomada de decisões.
  • 7. Princípios de Custeio • Identificam o tratamento dado pelo sistema aos custos fixos. – Custeio por Absorção Integral – Custeio Variável – Custeio por Absorção Ideal 7
  • 8. Custeio por Absorção Integral • A totalidade dos custos (fixos e variáveis) são alocados aos produtos. • Atendimento das exigências da contabilidade financeira para avaliação dos estoques. • Exemplo 1: A empresa XPTO, em um determinado mês, produziu 80.000 unidades. Os custos totais do período atingiram $ 1.400.000,00. Qual é o custo do produto com o custeio integral? O custeio integral alocaria $ 17,50O custeio integral alocaria $ 17,50 (1.400.000/80.000) ao produto(1.400.000/80.000) ao produto. 8
  • 9. Custeio Variável • Apenas os custos variáveis são relacionados aos produtos, sendo os custos fixos considerados como custos do período. • Relacionam-se às tomadas de decisões de curto prazo, onde os custos variáveis tornam- se relevantes e os custos fixos não. • Independente do volume de produção, sempre existirão os custos fixos. Então, o quanto produzir de cada produto é uma decisão que cabe a análise dos custos variáveis. 9
  • 10. Custeio Variável • Exemplo 2: A empresa XPTO, em um determinado período, produziu 80.000 unidades. Os custos totais do período atingiram $ 1.400.000,00, sendo $1.000.000,00 de custos fixos e $ 400.000,00 de custos variáveis. Qual é o custo do produto de acordo com o custeio variável? O custeio variável considera apenas $ 5,00O custeio variável considera apenas $ 5,00 (400.000/80.000) como sendo custos do produto.(400.000/80.000) como sendo custos do produto. O restante ($ 1.000.000) é o custo do período.O restante ($ 1.000.000) é o custo do período. 10
  • 11. Custeio por Absorção Ideal • Todos os custos são computados como custos dos produtos. Mas, os custos relacionados com insumos usados de forma não-eficiente (desperdícios) não são alocados aos produtos. • Adapta-se ao auxílio do controle de custos e ao apoio ao processo de melhoria contínua da empresa. 11
  • 12. Custeio por Absorção Ideal • Exemplo 3: A empresa XPTO possui capacidade para produzir 100.000 produtos e, em um determinado mês, produziu 80.000 unidades. Os custos fixos do período atingem $ 1.000.000,00 e os custos variáveis ideais são $ 5,00 por unidade, atingindo $ 400.000,00 (5 x 80.000) no período. Quais são os custos dos produtos de acordo com o custeio ideal? O custeio por absorção ideal alocaria $ 15,00O custeio por absorção ideal alocaria $ 15,00 ((1.000.000/100.000 ) + 5) por item produzido e o restante, $((1.000.000/100.000 ) + 5) por item produzido e o restante, $ 200.000,00 (20.000 x 10*), corresponde aos desperdícios do200.000,00 (20.000 x 10*), corresponde aos desperdícios do período.período. *CF unit = (1.000.000/100.000) = $ 10,00/un *Não aloca custos variáveis as 20.000 unidades, pois não foram produzidas.12
  • 14. Custeio Integral e Custeio Ideal • A separação entre custos e desperdícios é fundamental para a mensuração dos desperdícios do processo produtivo, facilitando o controle dos mesmos. • Possibilita ações de combate ao trabalho que não agrega valor e às perdas. 14
  • 15. Custeio Integral e Custeio Ideal • Exemplo Imagine que o preço de venda do produto da empresa XPTO seja $20/un. Tomando o custo obtido pelo custeio integral ($17,50), tem-se: 15 Resultado da empresa XPTO pelo custeio integral Total ($) Unitário ($/un) Preço 1.600.000,00 20,00 Custos 1.400.000,00 17,50 Lucro 200.000,00 2,50 Só sabemos que a empresa obteve lucro
  • 16. Custeio Integral e Custeio Ideal • Exemplo Imagine que o preço de venda do produto da empresa XPTO seja $20/un. Tomando o custo obtido pelo custeio integral ($17,50), tem- se: 16 Resultado da empresa XPTO pelo custeio integral Total ($) Unitário ($/un) Preço 1.600.000,00 20,00 Custos 1.400.000,00 17,50 Lucro 200.000,00 2,50 Resultado da empresa XPTO pelo custeio ideal Total ($) Unitário ($/un) Preço 1.600.000,00 20,00 Custos 1.200.000,00 15,00 Lucro potencial 400.000,00 5,00 Desperdício 200.000,00 2,50 Lucro 200.000,00 2,50 Se eliminássemos o desperdício, duplicaríamos o lucro
  • 17. Custeio Integral e Custeio Ideal • Exemplo Supondo que a concorrência no setor da empresa XPTO cresça e, consequentemente, o preço do mercado seja reduzido para $17,00: 17 Resultado da empresa XPTO pelo custeio integral Total ($) Unitário ($/un) Preço 1.600.000,00 20,00 Custos 1.400.000,00 17,50 Lucro 200.000,00 2,50 Resultado da empresa XPTO com o acirramento da concorrência (custeio integral) Total ($) Unitário ($/un) Preço 1.360.000,00 17,00 Custos 1.400.000,00 17,50 Lucro/Prejuízo (40.000,00) (0,50) Prejuízo!!!! Será que a concorrência está praticando “dumping”? Dumping é a redução do preço de venda com objetivo de eliminar a concorrência.
  • 18. Custeio Integral e Custeio Ideal • Exemplo 18 Resultado da empresa XPTO com o acirramento da concorrência (custeio ideal) Total ($) Unitário ($/un) Preço 1.360.000,00 17,00 Custos 1.200.000,00 15,00 Lucro potencial 160.000,00 2,00 Desperdício 200.000,00 2,50 Lucro (40.000,00) (0,50) Se eliminássemos o desperdício, sobreviveremos à concorrência Resultado da empresa XPTO pelo custeio ideal Total ($) Unitário ($/un) Preço 1.600.000,00 20,00 Custos 1.200.000,00 15,00 Lucro potencial 400.000,00 5,00 Desperdício 200.000,00 2,50 Lucro 200.000,00 2,50
  • 19. 19 Preço = Custo + Lucro Lucro = Preço - Custo Custo = Preço - Lucro Custo-meta Preços de Venda O mercado que fixa o preço. Quando o preço começa a ser reduzido, é importante se controlar e reduzir os custos, atacando os desperdícios. O gerente deve perguntar quais deveriam ser os custos para a empresa ser competitiva e deve atuar para atingir aquela meta.
  • 21. O QUE É MARK UP 21 Mark UpMark Up é um termo usado em Economia para indicar quanto do preço do produto está acima do seu custo de produção e distribuição
  • 22. Determinação do Preço por Mark-up* A empresa MK faz um único produto, que tem um custo variável de $ 5/un. Os custos fixos totalizam $ 100.000,00, sendo sua capacidade de produção 10.000 unidades. Essa empresa vem trabalhando em seu nível de produção máximo e, assim, o CUSTO UNITÁRIO de seu produto é: Custo = 100.000 / 10.000 + 5 = 10 + 5 = $ 15/un$ 15/un O PREÇO DE VENDA é determinado fixando-se um lucro de 40% sobre o custo (mark-up = 1,4) e, então, fica: Preço = 1,4 x Custo = 1,4 x 15 = $ 21/un$ 21/un Em um período de recessão, as vendas caem 37,5%, atingindo 6.250 unidades. Pelo custeio integral, o custo unitário passa para: Custo = 100.000 / 6.250 + 5 = 16 + 5 = $ 21/un$ 21/un O preço praticado pela empresa torna-se: Preço = 1,4 x Custo = 1,4 x 21 = $ 29,40/un$ 29,40/un 22
  • 23. Determinação do Preço por Mark-up Preço = $ 21/un e Preço = $ 29,40/un Então, a empresa MK perde competitividade, pois o preço está muito acima do mercado e seu custo unitário permanece o mesmo. Para explorar o porquê desse impasse, recalcularemos o preço após a queda nas vendas, analisando o custo ideal: O cálculo do preço de venda foi: Custo = 100.000 / 10.000 + 5 = 10 + 5 = $ 15/un Desperdício = [(100.000 / 10.000) x (10.000 - 6.250)] / 6.250 = $ 6/un PREÇO =1,4 x 21=1,4 x (5 + 10 + 6)=7 + 14 + 8,4= $ 29,40/un 23 Custo variável Custo fixo Desperdício A gerência deve agir para eliminar ou reduzir a ineficiência na utilização dos recursos
  • 25. A Espiral da Morte A empresa EM possui custos fixos de $ 100.000,00 por mês e custos variáveis de $1.000,00/un . Ela pode trabalhar 200 horas no mês e, se for eficiente, pode produzir 1 un/h. No último mês, a produção foi de 125 unidades. O mercado da empresa EM é muito competitivo e, para poder competir, a empresa fixou inicialmente um preço de venda de $ 1.800/un. Pelo custeio integral, o custo do produto seria: Custo = 100.000 / 125 + 1.000 = $ 1.800/un Com lucro zero, pouca coisa resta a fazer a não ser aumentar o preço de venda para, por exemplo, $ 2.000/un, o que é feito pela empresa. Contudo, o aumento do preço causa um efeito indesejado: a redução da quantidade vendida para 100 unidades. Analisando-se o novo custo, tem-se que: Custo = 100.000 / 100 + 1.000 = $ 2.000/um O lucro continua sendo zero. Se os tomadores de decisão insistirem na política de elevar o preço por causa do custo, a empresa EM entra em um ciclo conhecido por espiral da morte. 25
  • 26. A Espiral da Morte Voltando às condições originais e empregando o método do custeio ideal, o custo do produto seria agora: Custo = 100.000 / 200 + 1.000 = $ 1.500/un 26 Resultado da Empresa EM Total ($) Unitário ($/un) Preço 225.000,00 1.800,00 Custo 187.500,00 1.500,00 Lucro potencial 37.500,00 300,00 Desperdício 37.500,00 300,00 Lucro 0 0 125 unidades produzidas (100.000 / 200) x (200 – 125) / 125 ou Custos integral – Custo ideal = 1.800 – 1.500
  • 28. Análise dos Desperdícios Se a capacidade de produção da empresa AD e seu nível de atividades em um determinado período forem 100 unidades e os custos fixos corresponderem a $1.000, os custos fixos unitários dos produtos serão $10, tanto no custeio ideal quanto no integral, situação que indica não haver desperdícios. Sendo os custos variáveis de $5/unidade, o custo total do período é $1.500. . 28
  • 29. Análise dos Desperdícios Caso a produção em outro período seja de 80 unidades, sem produção defeituosa, com os custos fixos permanecendo em $1.000, o custeio integral alocaria a totalidade dos custos fixos aos produtos, resultando em $12,50 (1.000/80) de custo fixo unitário, enquanto o custeio ideal distribuiria somente $800 aos produtos, com os custos fixos permanecendo $10/unidade (1.000/100). Os $200 restantes estão, na verdade, relacionados com as perdas do período. 29
  • 30. Análise dos Desperdícios 30 Gastos de dois períodos na empresa AD Produção 100 unidades 80 unidades GASTOS Total Unitário ($/un) Total Unitário ($/un) Custos variáveis 500,00 5,00 400,00 5,00 Custos fixos 1.000,00 10,00 800,00 10,00 Desperdí- cios 0 0 200,00 2,50 TOTAL 1.500,00 15,00 1.400,00 17,50 Em ambos os casos, o custos unitário dos produtos é R$ 15,00, por isto é necessário se analisar os desperdícios.
  • 31. Análise dos Desperdícios Voltando a empresa AD, os desperdícios poderiam, ainda, ser subdivididos em ineficiência e ociosidade. Se, no tempo em que se fabricaram os 80 itens, o padrão eficiente de produção indicasse a possibilidade de serem confeccionadas 85 unidades, o desperdício por ineficiência seria $50 = [10 x (85 – 80)] e o desperdício por ociosidade $150 = [10 x (100 – 85)]. 31 Separação dos desperdícios por ineficiência e por ociosidade na empresa AD Produção 100 unidades 80 unidades GASTOS Total Unitário ($/un) Total Unitário ($/un) Custos variáveis 500,00 5,00 400,00 5,00 Custos fixos 1.000,00 10,00 800,00 10,00 Ociosidade 0 0 150,00 1,875 Ineficiência 0 0 50,00 0,625 TOTAL 1.500,00 15,00 1.400,00 17,50
  • 32. Análise dos Desperdícios Para se isolar os desperdícios por produção defeituosa é preciso o número de unidades retrabalhadas e refugadas*. No exemplo analisado, supondo que 2 das 80 unidades boas produzidas tenham sido retrabalhadas, o trabalho de transformação equivaleria a 82 unidades (80 + 2). Portanto, os desperdícios seriam divididos em ociosidade, ineficiência e retrabalho. A ineficiência equivaleria a 3 unidades (85 – 82), ou $30 (3 x 10), e o desperdício por retrabalho valeria 2 unidades, ou $20 (2 x 10). 32 •Unidades retrabalhadas são produtos defeituosos que podem ser recuperados e • unidades refugadas são produtos defeituosos que não podem ser recuperados.
  • 33. Análise dos Desperdícios 33 Separação do desperdício por retrabalho na empresa AD Produção 100 unidades 80 unidades GASTOS Total Unitário ($/un) Total Unitário ($/un) Custos variáveis 500,00 5,00 400,00 5,00 Custos fixos 1.000,00 10,00 800,00 10,00 Ociosidade 0 0 150,00 1,875 Ineficiência 0 0 30,00 0,375 Retrabalho 0 0 20,00 0,25 TOTAL 1.500,00 15,00 1.400,00 17,50
  • 34. Análise dos Desperdícios Vamos supor que, além disso, 1 unidade adicional tenha sido refugada (caracterizando-se uma produção total de 81 unidades), o trabalho de transformação equivaleria a 83 unidades (80 boas + 2 retrabalhadas + 1 refugada). Agora, a ineficiência equivaleria a 2 unidades (85 – 83), ou $20 (2 x 10), o retrabalho valeria 2 unidades, ou $20 (2 x 10), e o desperdício por refugo valeria 1 unidade. 34
  • 35. Análise dos Desperdícios Ressalta-se que os desperdícios por ociosidade edesperdícios por ociosidade e por ineficiênciapor ineficiência são quantificados apenas pelos custos fixoscustos fixos, pois é a capacidade não utilizada ou mal utilizada – que gera custos fixos – a que determina estes desperdícios. Já os desperdícios por refugodesperdícios por refugo geram aumento nos custos variáveiscustos variáveis, pois a unidade refugada desperdiça todos os custos variáveis associados a ela. O desperdício por produção refugada totalizaria $15 (10 x 1 + 5 x 1). 35
  • 36. Análise dos Desperdícios 36 Separação do desperdício por refugo na empresa AD Produção 100 unidades 80 unidades GASTOS Total Unitário ($/un) Total Unitário ($/un) Custos variáveis 500,00 5,00 400,00 5,00 Custos fixos 1.000,00 10,00 800,00 10,00 Ociosidade 0 0 150,00 1,875 Ineficiência 0 0 20,00 0,375 Retrabalho 0 0 20,00 0,25 Refugo 0 0 15,00 0,1875 TOTAL 1.500,00 15,00 1.405,00* 17,5625* * As diferenças sobre a tabale anterior é decorrente do fato de terem sido levados em conta os custos variáveis relativos à unidade refugada.
  • 37. Análise dos Desperdícios Uma parte dos desperdícios por superproduçãodesperdícios por superprodução e os desperdícios por estoquesdesperdícios por estoques podem ser mensurados identificando-se os encargosencargos financeirosfinanceiros relacionados com os estoques da empresa e os custos de manutenção e obsolescência de estoques. Mas a parte mais significativa e importante destas perdas, a perda de mercado futuro, não é diretamente mensurável. 37