SlideShare uma empresa Scribd logo
Suicídio:
Aspectos preventivos e
seu tratamento
Marcelo da Rocha Carvalho,
psicoterapeuta
Dr. Bruno Mendonça Coêlho,
psiquiatra.
Download de tudo! Não precisa
anotar, só as dúvidas.
https://goo.gl/AiCbtW
Marcelo da Rocha Carvalho
Psicólogo Clínico e Terapeuta Comportamental Infantil pela Universidade
Católica de Santos (SP)
Psicoterapeuta Comportamental e Cognitivo, Especialista pela USP
Professor Convidado e Supervisor Clínico da Pós-Graduação em Terapia
Comportamental e Cognitiva pela FMUSP/AMBAN/HC
Especialista em Terapia Racional Emotiva Comportamental pelo Albert Ellis
Institute e Universidade de Flores
MBA Qualidade Vida e Promoção da Saúde pela Universidade São
Camilo/ABRAMGE/ABQV
marcelodarocha@globo.com
Uma definição
• Suicídio é um drama Pessoal que
transcorre num palco de Relações
Interpessoais, em um Ambiente Social,
Econômico, Político e Cultural.
• “O organismo é o palco das interações”
Skinner, 1989.
Embora alguns aspectos do
comportamento suicida possam ser
interpretados, de maneira simplista,
como racionais, terminar com a própria
vida é um ato contrário aos princípios
evolucionistas mais básicos do ser
humano e, porque não dizer, dos seres
vivos.
Adam Phillips
• Enquanto Darwin quis falar de sobrevivência como uma
forma de adaptação – e dessa maneira reduziu tudo o
que chamamos de cultura a um simples conjunto de
ferramentas para a sobrevivência, para vencer o desafio
de viver –, Freud quis falar de sobrevivência como uma
forma de buscar o prazer, e da busca do prazer e de
evitar a dor como o único propósito da vida. No cenário
da busca do prazer, não vale a pena sobreviver (e
tampouco reproduzir-se) sem prazer suficiente. Em
outras palavras, Freud, assim como Camus mais tarde –
implicitamente –, acreditava que a única questão, senão
a única questão filosófica, era cometer ou não o suicídio.
Ou, ainda, como ele próprio sugeriu: “O objetivo do
organismo é morrer à sua própria maneira”.
Psicólogos versus Psiquiatras
• Dificuldade dos psicólogos de compreender o conceito
de doença e suas características: um foco existencial,
filosófico e na liberdade. Não medicar.
• Dificuldade dos médicos psiquiatras de compreender os
aspectos existenciais e suas possibilidades de
mudança. Medicar.
• Ambos podem induzir ao erro frente no enfrentamento
do suicídio.
• Tratamentos complementares e simultâneos.
• E sempre: TOMAR MUITO CUIDADO!
“Iceberg” do suicídio
• De cada três pessoas que tentaram o suicídio, apenas
uma foi, logo depois, atendida em um pronto-socorro.
Botega et al., 2005
https://afsp.org/about-
suicide/suicide-
statistics/
O Por quê?
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Histórico
• Investigação sistemática de suicídio na população
geral iniciou no século XIX, com os estudos
sociológicos de Émile Durkheim sobre a coesão do
indivíduo com sua sociedade.
• Modernamente, pensa-se que a propensão para o
indivíduo responder com comportamentos suicida
quando se depara com um estresse psicossocial reflete
uma predisposição traço-dependente, ou diátese
subjacente.
Van Heeringen, 2003
Psicobiologia do suicídio
• Relaciona três traços cognitivos de predisposição ao risco de
suicídio e os fatores biológicos
o 1a – sensibilidade ao estímulo sinalizador do status de
“derrotado”
• Involuntária, interpessoal e traço-dependente
o 2a – percepção de estar “desamparado” numa situação
psicossocial adversa
• Antecipação excessiva de eventos negativos futuros e a
capacidade deficitária de gerar eventos positivos
o 3a – percepção de estar “acuado” numa adversidade
• Relacionada a pouca capacidade de resolução de
problemas, ligada a uma hipergeneralização da
memória autobiográfica
Williams & Pollock, 2001; Van Heeringen, 2003
Psicobiologia do suicídio
Tabela 1: Modelo psicobiológico com os três componentes da predisposição traço-dependente para comportamentos suicidas
Psicologia cognitiva Fenomenologia clínica Neuropsicologia
(avaliação)
Neuroanatomia Personalidade Neurobiologia
Derrotado Sensibilidade a estresse social Atenção
(STROOP
modificado)
CFT + HC DG NE
5-HT1A
HHA
AVP
Desamparado Desamparo, impulsividade,
agressividade
Fluência (teste de
fluência verbal)
CPFDL + A ED 5-HT2A
dopamina
Acuado Capacidade de resolução de
problemas reduzida
Memória
(memória de
trabalho, TMA)
CPF - -
A = amígdala; AVP = arginina vasopressina; TMA = teste de memória autobiográfica; CPFDL = córtex pré-fronal dorso-lateral; CFT = córtex fronto-
temporal; ED = esquiva ao dano; HC = hipocampo; HHA = eixo hipotálamo-hipófise-adrenal; NE = norepinefrina; DG = dependência de gratificação; 5-
HT1A = sistema serotoninérgico-1A; 5-HT2A = sistema serotoninérgico-2A
Fonte: Adaptado de Van Heeringen, 200329
Porque medicar?
• “Poucos psicólogos experimentais não podem
hoje negar que comportamentos, sentimentos e
sensações são o resultado de eventos
fisiológicos no organismo e estes eventos são o
resultado de interações complexas entre fatores
hereditários que se expressam através de
sistemas bioquímicos controlados
geneticamente e fatores ambientais passados e
presentes.”(In.: The psychology of fear and
stress, Jeffrey A. Gray)
Intervenções médicas
• Tratamento farmacológico: ISRS,
estabilizadores do humor,
neurolépticos, BZD.
• Estimulação Magnética
Transcraniana(EMT).
• ECT.
• Internação.
Grupos de fatores de risco
• Transtornos Psiquiátricos.
• Sintomas de risco.
• Tentativa anterior.
• Fatores sociodemográficos.
• Fatores ambientais.
• Histórico familiar.
• Outros fatores
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Multifatorialidade
• Não há uma causa única para o suicídio
o A causa (fator predisponente) é sempre mais complexa
que um estressor recente por ex., como um rompimento
amoroso etc.. (fatores precipitantes)
• Transtorno Mental = Vulnerabilidade.
ABP, 2009
Multifatorialidade
• Devido à diversidade de fatores e de problemas
associados à tentativa de suicídio, nenhuma medida
singular é suficiente para todas as pessoas de risco.
• O determinismo multifatorial do suicídio impõe-nos, de
início, analisar cada fator de risco com prudência.
Moscicki, 1997
“Principais alvos terapêuticos no tratamento de paciente
com risco de suicídio.
Fonte: Baseada em Kutcher e Chehil.” In: Neury José
Botega. “Crise suicida”.
• Escalas Beck são quatro medidas escalares:
1. O Inventário de Depressão (BDI);
2. O Inventário de Ansiedade (BAI);
3. A Escala de Desesperança (BHS);
4. A Escala de Ideação Suicida (BSI);
• Foram desenvolvidas por Beck e seus colegas no
Center for Cognitive Therapy (CCT), na Universidade da
Filadélfia;
Inventários de Beck
Inventário de Beck
Pontuação Estado da Depressão
00-09 pontos Ausência de
Depressão
10-19 pontos Depressão
Reativa/Leve
20-28 pontos Depressão
Moderada/Distimia
Acima de 28 pontos Depressão Grave ou
Severa
Qual é a tríade cognitiva?
Ambiente Futuro
Eu
DEPRESSÃO
Avaliação
negativa de:
• si - mesmo,
• ambiente e
• do futuro.
ANSIEDADE
Avaliação
catastrófica de:
• si – mesmo
como sem
estratégias,
• ambiente é
perigoso e
• do futuro como
incerto.
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Tríade Cognitiva
• Visão negativa de si mesmo;
• Interpretação de situações atuais(ambiente) de
forma negativa;
• Visão negativa do futuro.
Beck e col. – Terapia Cognitiva da Depressão (1979/1997).
Recomendações a familiares e amigos
desconfiados de que alguém conhecido
corre o risco de cometer suicídio
Leve a sério seu amigo ou familiar. Fique calmo, mas não sem
reação. Envolva outras pessoas. Não tente manipular a crise
sozinho ou pôr em risco sua própria integridade ou segurança.
Chame socorro, se necessário. Faça contato com o psiquiatra ou
terapeuta da pessoa, com a equipe de intervenção em momentos
de crise, ou outros treinados para ajudar. Exprima preocupação.
Dê exemplos do que leva você a crer que seu amigo (ou seu
familiar) está a beira do suicídio. Ouça atentamente. Mantenha
contato visual. Use linguagem corporal, tal como se aproximar da
pessoa ou segurar-lhe a mão, se for adequado. Faça perguntas
diretas.
Extraído de: JAMISON, K. R. QUANDO A NOITE CAI: entendendo o suicídio.
Editora GRIPHUS, Rio de Janeiro, 2002. Citação do NATIONAL
DEPRESSIVE AND MANIAC-DEPRESSIVE ASSOCIATION. (pág. 207- 208)
Recomendações a familiares e amigos
desconfiados de que alguém conhecido
corre o risco de cometer suicídio
Descubra se o seu amigo (ou familiar) tem um plano específico
para o suicídio. Determine, se puder, em que método ele está
pensando. Reconheça, os sentimentos da pessoa. Demonstre
empatia, não crítica. Não isente a pessoa da responsabilidade
por suas ações. Tranquilize-o. Ressalte que o suicídio é uma
solução permanente para um problema temporário. Forneça
esperança. Lembre ao seu amigo ou familiar que existe ajuda e
que as coisas irão melhorar. Não prometa segredo. Você pode
precisar falar com o médico da pessoa a fim de protegê-la. Não
faça promessas que coloquem em risco a vida desta
pessoa. Se possível, não deixe sozinha até se certificar de que
está nas mãos de profissionais competentes.
Extraído de: JAMISON, K. R. QUANDO A NOITE CAI: entendendo o suicídio.
Editora GRIPHUS, Rio de Janeiro, 2002. Citação do NATIONAL DEPRESSIVE
AND MANIAC-DEPRESSIVE ASSOCIATION. (pág. 207- 208)
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
“Esquema didático com três gradações de risco de suicídio
- Fonte: Baseado em Brasil.”
In: Neury José Botega. “Crise suicida”.
“Ideação suicida implica maior risco de futura tentativa de
suicídio.
Fonte: Baseada em Kuo e colaboradores.”
Trecho de: Neury José Botega. “Crise suicida”.
“Características que acompanham o aumento da
intencionalidade suicida.”
In: Neury José Botega. “Crise suicida”
“Sequência de perguntas que investigam o grau de
intencionalidade suicida.”
In: Neury José Botega. “Crise suicida”.
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Adversidades na Infância: um
novo conceito?
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Sintomas que são fatores de
risco num episódio depressivo
 Desesperança
 Desespero
 Ansiedade ou ataques de pânico
 Personalidade impulsiva ou agressiva
 Preparação/ensaio para uma tentativa
 Hospitalização recente
 Sintomas psicóticos
 Presentes em 19% das pessoas que se suicidam.
 Indicam risco alto num futuro próximo!
Robins et al., 1985; Coryell et al., 2005
Tentativas
• A assistência às pessoas que tentaram o
suicídio é fundamental na sua prevenção
o Avaliação psiquiátrica no PS faz-se
fundamental!
• Tentativa = maior fator de risco
• Risco de suicídio em quem tentou é pelo menos
100x maior que o da população geral.
ABP, 2009
Avaliação de Tentativa de Suicídio
• Ato realizado em total isolamento?
• Ato realizado e preparado com o propósito de impedir a
intervenção de outros?
• Comunicação prévia a outros de suas intenções?
• Premeditação extensiva? Houve planejamento?
• Deixou algum bilhete de adeus?
• Preparação do ato. ( precauções para evitar o resgate,
escondeu ou inutilizou as cartelas utilizadas?)
• Preocupou-se com possível ajuda após o ato?
• Método utilizado foi letal e rápido?
• Preparou-se antecipando a própria morte?
• Admitiu a intenção após a tentativa?
Risco de Novas Tentativas de
Suicídio....
• Idade avançada, gênero masculino.
• Aposentado ou desempregado.
• Separado, divorciado ou viúvo. Filhos? (fator
protetivo)
• Mora sozinho, sem rede de apoio social?
• Saúde física precária?
• Transtorno psiquiátrico presentes.
• Alta intencionalidade suicida no episódio atual.
• Método violento ou potencialmente letal?
• Deixou bilhete de despedida, arranjos finais?
• Tentativas anteriores?
Diferenças nos Gêneros
• Método: homens usam métodos mais
violentos (armas de fogo, enforcamento).
• Homens: solução drástica a seu fracasso
pessoal.
• Mulheres: reação a condições adversas,
principalmente de relacionamentos.
Suicídio segundo sexo e
meio utilizado
MEIO UTILIZADO ♂ ♀
Enforcamento, estrangulamento Sufocação 53,3 39,1
Envenenamento 10,4 22,3
Arma de fogo e explosivos 21,5 12,6
Submersão (Afogamento) 0,9 2,0
Instrumento cortante penetrante 1,8 1,3
Precipitação de lugar elevado 1,8 3,8
Demais causas 10,4 19,0
DataSUS – Mnistério da Saúde; Botega, 2004
Fatores de risco ambientais
• Acesso fácil a meios letais como armas,
medicamentos, venenos, agrotóxicos.
• Efeito “contágio” nas populações locais:
o Epidemia de suicídio por “imitação”.
o Efeito Werther (Goethe, 1774).
o Programa de TV, Noticiários, Manchete.
o Indivíduos em situação de vida semelhante, não-
ficção.
o Mídia com reportagem responsável sobre a morte de
pessoas conhecidas do público.
Gould, 2001
Outros fatores de risco
o Eventos estressores (especial
interpessoais)
• Importantes em pelo menos 50% das tentativas
• Preocupação com o desemprego.
• Doenças físicas importantes (> se recentes).
• Dor crônica.
• História de trauma/abuso na infância.
• História familiar de suicídio (4x mais chance):
• Estudos de gêmeos, de adoções, de linkage
• Interação psicologia + transtornos mentais + estresse
ambiente + comportamento geneticamente herdado.
• Uso de álcool ou drogas.
• Ser fumante.
Juel-Nielsen & Videbeck, 1970; Kety et al, 1979; Schulsinger et al, 1979; Coêlho et al.,
2011; Turecki, 2001; APA, 2003
Wasserman, 1999
Comunicação: “Problema
de DR”
• A comunicação é problemática em muitos
casos
o Autópsia psicológica:
• Apenas 18% dos suicidas comunicaram a
seus profissionais sua intenção.
• Adolescentes: 50% comunicaram à familiares.
• Idosos: 58% comunicaram a seu médico
generalista.
o Suicídios em hospitais: 77% negaram
intenção na última avaliação.
Robins et al, 1959; Busch et al., 2003
O Maior problema
• Não há uma vítima típica de suicídio.
• Em um estudo com 4800 veteranos
hospitalizados, não foi possível identificar quem
morreria por suicídio:
o Muitos falso positivos e negativos
• Indivíduos de todas as raças, credos, renda e
níveis educacionais morrem por suicídio.
Pokorny, 1983; 1993; Harriss & Hawton,
2005
Problema adicional
• Apesar do alto número de tentativas ser um fato inegável em
serviços de saúde, os registros são falhos
o Quase sempre, esses casos são documentados só como
intoxicação exógena, queimadura, traumatismo etc..
• CID-10
o Recomenda registrar tais casos como “Causas externas
de morbidade e de mortalidade” (V01- Y98).
o O profissional deve informar também se:
• “Intencional” (X60 - X84, no caso de suicídio e
tentativa).
• “Indeterminada” (Y10 - Y34, no caso de lesões
acidentais)
Fatores indicativos de
repetição de tentativa de
suicídio
• História previa de hospitalização por
autoagressões
• Tratamento psiquiátrico anterior
• Internação psiquiátrica anterior
• Transtorno de personalidade
• Alcoolismo/drogadição
• Não viver com a família
Mann et al., 2005
Interação de fatores que levam ao comportamento suicida.
Fonte: Adaptada de Hawton e colaboradores.” Trecho de: Neury José Botega. “Crise
suicida”.
“Sequência de
ações que
compõem um plano
terapêutico geral de
amparo na crise
suicida.”
In: Neury José
Botega. “Crise
suicida”.
Conclusões
• Treinamento no reconhecimento de
transtornos mentais é fundamental na
prevenção.
• O manejo dos fatores de risco é
individualizado.
• Não há um marcador individual preciso na
prevenção do suicídio.
• As evidências sugerem que a redução dos
meios é uma importante medida preventiva.
Centro de Valorização da Vida
Indicações para leitura
Indicações para leitura
Marcelo da Rocha Carvalho
marcelodarocha@globo.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídioAs várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídio
Francisco Rúdar da Silva
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
Robson Peixoto
 
Risco de suicídio
Risco de suicídio Risco de suicídio
Risco de suicídio
Inaiara Bragante
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
Ana Larissa Perissini
 
Palestra o suicidio
Palestra o suicidioPalestra o suicidio
Palestra o suicidio
Victor Passos
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
Antonino Silva
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
Helio Cruz
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
Silvia Marina Anaruma
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidio
Denise Pacheco
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
Rafael Almeida
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
Alexsandro Prates
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
Luciana França Cescon
 
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
JessicaDassi
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Taianna Ribeiro
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Eliane Santos
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
UNIME
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 

Mais procurados (20)

As várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídioAs várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídio
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
 
Risco de suicídio
Risco de suicídio Risco de suicídio
Risco de suicídio
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
Palestra o suicidio
Palestra o suicidioPalestra o suicidio
Palestra o suicidio
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidio
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
 
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 

Semelhante a Suicídio: aspectos preventivos e TCC

Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfGuia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Telma Lima
 
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDDPALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
Levy932163
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
Rafael Almeida
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
Luciana França Cescon
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
Graça Martins
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
Hugo Silva
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Suicidio
SuicidioSuicidio
Suicidio
Dr. Walter Cury
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
Inaiara Bragante
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
josytds1
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
Cristina Tristacci
 
eBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a DepressãoeBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a Depressão
GnTech
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
Inaiara Bragante
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
Inaiara Bragante
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
Inaiara Bragante
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
Inaiara Bragante
 
Saúde Mental do Estudante de Medicina
Saúde Mental do Estudante de Medicina Saúde Mental do Estudante de Medicina
Saúde Mental do Estudante de Medicina
Mônica Melo
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
LourdesGomes14
 
Estresse Prof De Saúde E N F
Estresse Prof De Saúde  E N FEstresse Prof De Saúde  E N F
Estresse Prof De Saúde E N F
Fernanda Melo
 
set_8_2018 (2).pdf
set_8_2018 (2).pdfset_8_2018 (2).pdf
set_8_2018 (2).pdf
RaissaSchmidt
 

Semelhante a Suicídio: aspectos preventivos e TCC (20)

Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdfGuia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
Guia rápido de Prevenção ao Suicidio mitos e verdades SMS_Rio.pdf
 
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDDPALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
 
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxPREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptx
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
 
Suicidio
SuicidioSuicidio
Suicidio
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
 
eBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a DepressãoeBook - Tratamentos para a Depressão
eBook - Tratamentos para a Depressão
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
 
Risco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rochaRisco de suicídio helio rocha
Risco de suicídio helio rocha
 
Saúde Mental do Estudante de Medicina
Saúde Mental do Estudante de Medicina Saúde Mental do Estudante de Medicina
Saúde Mental do Estudante de Medicina
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Estresse Prof De Saúde E N F
Estresse Prof De Saúde  E N FEstresse Prof De Saúde  E N F
Estresse Prof De Saúde E N F
 
set_8_2018 (2).pdf
set_8_2018 (2).pdfset_8_2018 (2).pdf
set_8_2018 (2).pdf
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho

Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Transtornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e PsicoterapiaTranstornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e Psicoterapia
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínicoKaren horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia casal e TREC
Terapia casal e TRECTerapia casal e TREC
Terapia casal e TREC
Marcelo da Rocha Carvalho
 
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e CognitivaTerapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESPMBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
Marcelo da Rocha Carvalho
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho (20)

Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Transtornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e PsicoterapiaTranstornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e Psicoterapia
 
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
 
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
 
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínicoKaren horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
 
Terapia casal e TREC
Terapia casal e TRECTerapia casal e TREC
Terapia casal e TREC
 
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
 
Terapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e CognitivaTerapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e Cognitiva
 
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESPMBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
 

Último

Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
danieloliveiracruz00
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
flbroering
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
MeryliseSouza
 
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
ThiagoTavares52632
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
PaulaAndrade240290
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
Beatriz Meneses
 

Último (6)

Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
 
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
 

Suicídio: aspectos preventivos e TCC

  • 1. Suicídio: Aspectos preventivos e seu tratamento Marcelo da Rocha Carvalho, psicoterapeuta Dr. Bruno Mendonça Coêlho, psiquiatra.
  • 2. Download de tudo! Não precisa anotar, só as dúvidas. https://goo.gl/AiCbtW
  • 3. Marcelo da Rocha Carvalho Psicólogo Clínico e Terapeuta Comportamental Infantil pela Universidade Católica de Santos (SP) Psicoterapeuta Comportamental e Cognitivo, Especialista pela USP Professor Convidado e Supervisor Clínico da Pós-Graduação em Terapia Comportamental e Cognitiva pela FMUSP/AMBAN/HC Especialista em Terapia Racional Emotiva Comportamental pelo Albert Ellis Institute e Universidade de Flores MBA Qualidade Vida e Promoção da Saúde pela Universidade São Camilo/ABRAMGE/ABQV marcelodarocha@globo.com
  • 4. Uma definição • Suicídio é um drama Pessoal que transcorre num palco de Relações Interpessoais, em um Ambiente Social, Econômico, Político e Cultural. • “O organismo é o palco das interações” Skinner, 1989.
  • 5. Embora alguns aspectos do comportamento suicida possam ser interpretados, de maneira simplista, como racionais, terminar com a própria vida é um ato contrário aos princípios evolucionistas mais básicos do ser humano e, porque não dizer, dos seres vivos.
  • 6. Adam Phillips • Enquanto Darwin quis falar de sobrevivência como uma forma de adaptação – e dessa maneira reduziu tudo o que chamamos de cultura a um simples conjunto de ferramentas para a sobrevivência, para vencer o desafio de viver –, Freud quis falar de sobrevivência como uma forma de buscar o prazer, e da busca do prazer e de evitar a dor como o único propósito da vida. No cenário da busca do prazer, não vale a pena sobreviver (e tampouco reproduzir-se) sem prazer suficiente. Em outras palavras, Freud, assim como Camus mais tarde – implicitamente –, acreditava que a única questão, senão a única questão filosófica, era cometer ou não o suicídio. Ou, ainda, como ele próprio sugeriu: “O objetivo do organismo é morrer à sua própria maneira”.
  • 7. Psicólogos versus Psiquiatras • Dificuldade dos psicólogos de compreender o conceito de doença e suas características: um foco existencial, filosófico e na liberdade. Não medicar. • Dificuldade dos médicos psiquiatras de compreender os aspectos existenciais e suas possibilidades de mudança. Medicar. • Ambos podem induzir ao erro frente no enfrentamento do suicídio. • Tratamentos complementares e simultâneos. • E sempre: TOMAR MUITO CUIDADO!
  • 8. “Iceberg” do suicídio • De cada três pessoas que tentaram o suicídio, apenas uma foi, logo depois, atendida em um pronto-socorro. Botega et al., 2005
  • 12. Histórico • Investigação sistemática de suicídio na população geral iniciou no século XIX, com os estudos sociológicos de Émile Durkheim sobre a coesão do indivíduo com sua sociedade. • Modernamente, pensa-se que a propensão para o indivíduo responder com comportamentos suicida quando se depara com um estresse psicossocial reflete uma predisposição traço-dependente, ou diátese subjacente. Van Heeringen, 2003
  • 13. Psicobiologia do suicídio • Relaciona três traços cognitivos de predisposição ao risco de suicídio e os fatores biológicos o 1a – sensibilidade ao estímulo sinalizador do status de “derrotado” • Involuntária, interpessoal e traço-dependente o 2a – percepção de estar “desamparado” numa situação psicossocial adversa • Antecipação excessiva de eventos negativos futuros e a capacidade deficitária de gerar eventos positivos o 3a – percepção de estar “acuado” numa adversidade • Relacionada a pouca capacidade de resolução de problemas, ligada a uma hipergeneralização da memória autobiográfica Williams & Pollock, 2001; Van Heeringen, 2003
  • 14. Psicobiologia do suicídio Tabela 1: Modelo psicobiológico com os três componentes da predisposição traço-dependente para comportamentos suicidas Psicologia cognitiva Fenomenologia clínica Neuropsicologia (avaliação) Neuroanatomia Personalidade Neurobiologia Derrotado Sensibilidade a estresse social Atenção (STROOP modificado) CFT + HC DG NE 5-HT1A HHA AVP Desamparado Desamparo, impulsividade, agressividade Fluência (teste de fluência verbal) CPFDL + A ED 5-HT2A dopamina Acuado Capacidade de resolução de problemas reduzida Memória (memória de trabalho, TMA) CPF - - A = amígdala; AVP = arginina vasopressina; TMA = teste de memória autobiográfica; CPFDL = córtex pré-fronal dorso-lateral; CFT = córtex fronto- temporal; ED = esquiva ao dano; HC = hipocampo; HHA = eixo hipotálamo-hipófise-adrenal; NE = norepinefrina; DG = dependência de gratificação; 5- HT1A = sistema serotoninérgico-1A; 5-HT2A = sistema serotoninérgico-2A Fonte: Adaptado de Van Heeringen, 200329
  • 15. Porque medicar? • “Poucos psicólogos experimentais não podem hoje negar que comportamentos, sentimentos e sensações são o resultado de eventos fisiológicos no organismo e estes eventos são o resultado de interações complexas entre fatores hereditários que se expressam através de sistemas bioquímicos controlados geneticamente e fatores ambientais passados e presentes.”(In.: The psychology of fear and stress, Jeffrey A. Gray)
  • 16. Intervenções médicas • Tratamento farmacológico: ISRS, estabilizadores do humor, neurolépticos, BZD. • Estimulação Magnética Transcraniana(EMT). • ECT. • Internação.
  • 17. Grupos de fatores de risco • Transtornos Psiquiátricos. • Sintomas de risco. • Tentativa anterior. • Fatores sociodemográficos. • Fatores ambientais. • Histórico familiar. • Outros fatores
  • 19. Multifatorialidade • Não há uma causa única para o suicídio o A causa (fator predisponente) é sempre mais complexa que um estressor recente por ex., como um rompimento amoroso etc.. (fatores precipitantes) • Transtorno Mental = Vulnerabilidade. ABP, 2009
  • 20. Multifatorialidade • Devido à diversidade de fatores e de problemas associados à tentativa de suicídio, nenhuma medida singular é suficiente para todas as pessoas de risco. • O determinismo multifatorial do suicídio impõe-nos, de início, analisar cada fator de risco com prudência. Moscicki, 1997
  • 21. “Principais alvos terapêuticos no tratamento de paciente com risco de suicídio. Fonte: Baseada em Kutcher e Chehil.” In: Neury José Botega. “Crise suicida”.
  • 22. • Escalas Beck são quatro medidas escalares: 1. O Inventário de Depressão (BDI); 2. O Inventário de Ansiedade (BAI); 3. A Escala de Desesperança (BHS); 4. A Escala de Ideação Suicida (BSI); • Foram desenvolvidas por Beck e seus colegas no Center for Cognitive Therapy (CCT), na Universidade da Filadélfia; Inventários de Beck
  • 23. Inventário de Beck Pontuação Estado da Depressão 00-09 pontos Ausência de Depressão 10-19 pontos Depressão Reativa/Leve 20-28 pontos Depressão Moderada/Distimia Acima de 28 pontos Depressão Grave ou Severa
  • 24. Qual é a tríade cognitiva? Ambiente Futuro Eu DEPRESSÃO Avaliação negativa de: • si - mesmo, • ambiente e • do futuro. ANSIEDADE Avaliação catastrófica de: • si – mesmo como sem estratégias, • ambiente é perigoso e • do futuro como incerto.
  • 26. Tríade Cognitiva • Visão negativa de si mesmo; • Interpretação de situações atuais(ambiente) de forma negativa; • Visão negativa do futuro. Beck e col. – Terapia Cognitiva da Depressão (1979/1997).
  • 27. Recomendações a familiares e amigos desconfiados de que alguém conhecido corre o risco de cometer suicídio Leve a sério seu amigo ou familiar. Fique calmo, mas não sem reação. Envolva outras pessoas. Não tente manipular a crise sozinho ou pôr em risco sua própria integridade ou segurança. Chame socorro, se necessário. Faça contato com o psiquiatra ou terapeuta da pessoa, com a equipe de intervenção em momentos de crise, ou outros treinados para ajudar. Exprima preocupação. Dê exemplos do que leva você a crer que seu amigo (ou seu familiar) está a beira do suicídio. Ouça atentamente. Mantenha contato visual. Use linguagem corporal, tal como se aproximar da pessoa ou segurar-lhe a mão, se for adequado. Faça perguntas diretas. Extraído de: JAMISON, K. R. QUANDO A NOITE CAI: entendendo o suicídio. Editora GRIPHUS, Rio de Janeiro, 2002. Citação do NATIONAL DEPRESSIVE AND MANIAC-DEPRESSIVE ASSOCIATION. (pág. 207- 208)
  • 28. Recomendações a familiares e amigos desconfiados de que alguém conhecido corre o risco de cometer suicídio Descubra se o seu amigo (ou familiar) tem um plano específico para o suicídio. Determine, se puder, em que método ele está pensando. Reconheça, os sentimentos da pessoa. Demonstre empatia, não crítica. Não isente a pessoa da responsabilidade por suas ações. Tranquilize-o. Ressalte que o suicídio é uma solução permanente para um problema temporário. Forneça esperança. Lembre ao seu amigo ou familiar que existe ajuda e que as coisas irão melhorar. Não prometa segredo. Você pode precisar falar com o médico da pessoa a fim de protegê-la. Não faça promessas que coloquem em risco a vida desta pessoa. Se possível, não deixe sozinha até se certificar de que está nas mãos de profissionais competentes. Extraído de: JAMISON, K. R. QUANDO A NOITE CAI: entendendo o suicídio. Editora GRIPHUS, Rio de Janeiro, 2002. Citação do NATIONAL DEPRESSIVE AND MANIAC-DEPRESSIVE ASSOCIATION. (pág. 207- 208)
  • 30. “Esquema didático com três gradações de risco de suicídio - Fonte: Baseado em Brasil.” In: Neury José Botega. “Crise suicida”.
  • 31. “Ideação suicida implica maior risco de futura tentativa de suicídio. Fonte: Baseada em Kuo e colaboradores.” Trecho de: Neury José Botega. “Crise suicida”.
  • 32. “Características que acompanham o aumento da intencionalidade suicida.” In: Neury José Botega. “Crise suicida”
  • 33. “Sequência de perguntas que investigam o grau de intencionalidade suicida.” In: Neury José Botega. “Crise suicida”.
  • 35. Adversidades na Infância: um novo conceito?
  • 37. Sintomas que são fatores de risco num episódio depressivo  Desesperança  Desespero  Ansiedade ou ataques de pânico  Personalidade impulsiva ou agressiva  Preparação/ensaio para uma tentativa  Hospitalização recente  Sintomas psicóticos  Presentes em 19% das pessoas que se suicidam.  Indicam risco alto num futuro próximo! Robins et al., 1985; Coryell et al., 2005
  • 38. Tentativas • A assistência às pessoas que tentaram o suicídio é fundamental na sua prevenção o Avaliação psiquiátrica no PS faz-se fundamental! • Tentativa = maior fator de risco • Risco de suicídio em quem tentou é pelo menos 100x maior que o da população geral. ABP, 2009
  • 39. Avaliação de Tentativa de Suicídio • Ato realizado em total isolamento? • Ato realizado e preparado com o propósito de impedir a intervenção de outros? • Comunicação prévia a outros de suas intenções? • Premeditação extensiva? Houve planejamento? • Deixou algum bilhete de adeus? • Preparação do ato. ( precauções para evitar o resgate, escondeu ou inutilizou as cartelas utilizadas?) • Preocupou-se com possível ajuda após o ato? • Método utilizado foi letal e rápido? • Preparou-se antecipando a própria morte? • Admitiu a intenção após a tentativa?
  • 40. Risco de Novas Tentativas de Suicídio.... • Idade avançada, gênero masculino. • Aposentado ou desempregado. • Separado, divorciado ou viúvo. Filhos? (fator protetivo) • Mora sozinho, sem rede de apoio social? • Saúde física precária? • Transtorno psiquiátrico presentes. • Alta intencionalidade suicida no episódio atual. • Método violento ou potencialmente letal? • Deixou bilhete de despedida, arranjos finais? • Tentativas anteriores?
  • 41. Diferenças nos Gêneros • Método: homens usam métodos mais violentos (armas de fogo, enforcamento). • Homens: solução drástica a seu fracasso pessoal. • Mulheres: reação a condições adversas, principalmente de relacionamentos.
  • 42. Suicídio segundo sexo e meio utilizado MEIO UTILIZADO ♂ ♀ Enforcamento, estrangulamento Sufocação 53,3 39,1 Envenenamento 10,4 22,3 Arma de fogo e explosivos 21,5 12,6 Submersão (Afogamento) 0,9 2,0 Instrumento cortante penetrante 1,8 1,3 Precipitação de lugar elevado 1,8 3,8 Demais causas 10,4 19,0 DataSUS – Mnistério da Saúde; Botega, 2004
  • 43. Fatores de risco ambientais • Acesso fácil a meios letais como armas, medicamentos, venenos, agrotóxicos. • Efeito “contágio” nas populações locais: o Epidemia de suicídio por “imitação”. o Efeito Werther (Goethe, 1774). o Programa de TV, Noticiários, Manchete. o Indivíduos em situação de vida semelhante, não- ficção. o Mídia com reportagem responsável sobre a morte de pessoas conhecidas do público. Gould, 2001
  • 44. Outros fatores de risco o Eventos estressores (especial interpessoais) • Importantes em pelo menos 50% das tentativas • Preocupação com o desemprego. • Doenças físicas importantes (> se recentes). • Dor crônica. • História de trauma/abuso na infância. • História familiar de suicídio (4x mais chance): • Estudos de gêmeos, de adoções, de linkage • Interação psicologia + transtornos mentais + estresse ambiente + comportamento geneticamente herdado. • Uso de álcool ou drogas. • Ser fumante. Juel-Nielsen & Videbeck, 1970; Kety et al, 1979; Schulsinger et al, 1979; Coêlho et al., 2011; Turecki, 2001; APA, 2003
  • 46. Comunicação: “Problema de DR” • A comunicação é problemática em muitos casos o Autópsia psicológica: • Apenas 18% dos suicidas comunicaram a seus profissionais sua intenção. • Adolescentes: 50% comunicaram à familiares. • Idosos: 58% comunicaram a seu médico generalista. o Suicídios em hospitais: 77% negaram intenção na última avaliação. Robins et al, 1959; Busch et al., 2003
  • 47. O Maior problema • Não há uma vítima típica de suicídio. • Em um estudo com 4800 veteranos hospitalizados, não foi possível identificar quem morreria por suicídio: o Muitos falso positivos e negativos • Indivíduos de todas as raças, credos, renda e níveis educacionais morrem por suicídio. Pokorny, 1983; 1993; Harriss & Hawton, 2005
  • 48. Problema adicional • Apesar do alto número de tentativas ser um fato inegável em serviços de saúde, os registros são falhos o Quase sempre, esses casos são documentados só como intoxicação exógena, queimadura, traumatismo etc.. • CID-10 o Recomenda registrar tais casos como “Causas externas de morbidade e de mortalidade” (V01- Y98). o O profissional deve informar também se: • “Intencional” (X60 - X84, no caso de suicídio e tentativa). • “Indeterminada” (Y10 - Y34, no caso de lesões acidentais)
  • 49. Fatores indicativos de repetição de tentativa de suicídio • História previa de hospitalização por autoagressões • Tratamento psiquiátrico anterior • Internação psiquiátrica anterior • Transtorno de personalidade • Alcoolismo/drogadição • Não viver com a família
  • 50. Mann et al., 2005
  • 51. Interação de fatores que levam ao comportamento suicida. Fonte: Adaptada de Hawton e colaboradores.” Trecho de: Neury José Botega. “Crise suicida”.
  • 52. “Sequência de ações que compõem um plano terapêutico geral de amparo na crise suicida.” In: Neury José Botega. “Crise suicida”.
  • 53. Conclusões • Treinamento no reconhecimento de transtornos mentais é fundamental na prevenção. • O manejo dos fatores de risco é individualizado. • Não há um marcador individual preciso na prevenção do suicídio. • As evidências sugerem que a redução dos meios é uma importante medida preventiva.
  • 57. Marcelo da Rocha Carvalho marcelodarocha@globo.com